Blogue luso-brasileiro
Segunda-feira, 31 de Agosto de 2009
SER RICO EM PORTUGAL

 

 

 

Levantou a SIC uma questão muito oportuna em época eleitoral, e que merece resposta clara de todos os partidos, mormente do PS e PSD. Um, porque está no governo, outro, porque pretende e é alternativa ao PS.

A pergunta é a seguinte: Quando precisa a família ter de rendimento mensal para sair do limiar da pobreza e entrar na classe média?

A frase feita e tantas vezes repetida pela esquerda: Os ricos que paguem a crise, ouve-se desde os anos setenta. Usou-a e bem, agora o líder do Partido Socialista, demonstrando o intento de aliviar a classe média da elevada carga fiscal que tem sido vitima ao longo de décadas; infelizmente esqueceu-se de definir, o que é, em sua opinião, ser rico.

Enquanto não se esclarecer a quantia mínima que a família portuguesa necessita para ser considerada da classe média ou rica, não é possível aplicar impostos justos e instituir benesses aos mais carentes.

Claro que o parecer não depende apenas dos rendimentos, mas do número de membros que constituem o agregado.

Para que cada português possa saber, na realidade a posição que ocupa na sociedade - e não pensar o pobre que é rico ou vice-versa, - e exigir, correctamente, do Estado a implantação de impostos justos, é urgente que se estabeleça, sem sombra de dúvida, qual o rendimento necessário, por capita, para pertencer à classe média ou poder-se considerar rico.

Nada melhor que este período eleitoral para se esclarecer, de uma vez para sempre, o que é ser rico em Portugal.

Será que há coragem para isso?

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -   Porto, Portugal

 



publicado por solpaz às 15:25
link do post | comentar | favorito
|

AO CÃO QUE LADRA... ATIRA-SE UM OSSO

 

 

Muitos universitários ao inscreverem-se na Faculdade, começam a frequentar núcleos políticos, esperançados na obtenção de rendosos cargos e benesses na carreira que pretendem iniciar.

Este hábil estratagema, não é novidade, fui procurado nos conturbados tempos da Primeira República e praticado no Estado Novo, quase sempre com reconhecida vantagem.

Mas, nem sempre os bajuladores, os que tecem encómios a políticos, empresários e figuras públicas, obtêm a desejada benesse, por vezes, o servilismo exasperado é-lhes nefasto e contraproducente para as desmedidas ambições.

Conta-se que certa vez intimo vassalo de D. Afonso de Aragão, observando que o rei era por vezes mais clemente e generoso com os que o afrontavam e menos benigno com os validos, atreveu-se a interroga-lo da razão de tal procedimento.

Sua majestade, com acerto e graça, respondeu-lhe:

- Aos cães lançam-se ossos para que não ladram nem mordam!

Este apotegma lembra o que os políticos experientes e gestores manhosos utilizam para se manterem sempre sobre as inquietas ondas.

Com cortesia recebem, nos gabinetes, os que os afrontam e prevaricam e mostram-se rápidos a distribuírem prémios e benesses aos que podem agitar as “ massas”. Sendo, quantas vezes, severos com os contubernais e os que andam em simplicidade, para que sirvam de exemplo, dizem.

Bem sábio era o rei de Aragão, mas não era bom rei, porque rei, quer dizer: pai, e todo pai deve ser justo e honesto.

Se os nossos políticos e gestores públicos escolhessem os colaboradores pela competência e dedicação, por certo não haveria tanto concurso de povo nos comícios, nem tantos militantes nas secções profissionais; mas havia, certamente mais justiça, mais honestidade e até mais liberdade e progresso.

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -   Porto,Portugal

 



publicado por solpaz às 15:22
link do post | comentar | favorito
|

A MENINA DOS TOTÓS

 

 

 

 

 

Ao subir, esta manhã, 31 de Janeiro - ou Santo António, como queiram, já que a artéria tripeira muda de nome consoante o regime que caudilha em Lisboa, - encontrei formosa cachopinha, de tez cor de centeio, e possuidora de dois graciosos totós.

Saltou-me à memória a menina que, nos anos sessenta, conheci e me afeiçoei. Mutua amizade, penso eu, já que em verdes anos quando se gosta, gosta-se mesmo.

Quarenta anos decorreram desse pueril afecto, que se esfumou a jeito de a não reconhecer, se por mágica de fada benfazeja a visse, agora, mulher e mãe.

Que saudade, Deus meu, do tempo em que subia dois a dois os degraus da escadinha que davam acesso ao sobrado!

No topo, a menina dos Totós esperava-me, para beijar e cingir os frágeis bracitos, cor de areia, ao redor do pescoço.

Vejo-a - no meu saudoso recordar, - sentada, em cálida amanhã de Agosto, no varandim, banhada de Sol, a tagarelar com bonecos; e em frigidíssima tarde de Dezembro, na saleta das traseiras, esquentando-se na braseira, sob o protector olhar da querida mamã.

Vejo-a, adolescente, sobraçando punhado de livros, a cochichar com colegas, fingindo que não me via.

Recordo, também - e como recordo! - o lindo rosto moreninho, quando ela, jubilosa, segurando-me firmemente a mão, mostrava-me a nova casa e ia descrevendo, circunstancialmente, a serventia das divisões: - Este é de meu pai; aquele é o meu e da T…..; aqui é a lavandaria….

Deslizaram os anos sem eu saber como, esbateram-se as imagens dessa época feliz. A menina de Totós - que passou a rabo-de-cavalo, - fez-se mulher e esqueceu os amorosos encontros pueris e o companheiro que cativara.

Esta manhã ao passar na rua de Santo António “ encontrei-a”, não a que conheci, mas outra tão semelhante que meus olhos regozijaram-se de gozosas lágrimas. Encarou-me, sorriu-se, mostrando os pequeninos dentes de leite e, aos saltinhos, afastou-se.

O coração rejubilou de contentamento, e gigantesca onda de saudade ecoou dentro de mim; e borbulhões de lembranças afloraram, enquanto humedeciam-se meus olhos cansados pelos anos.

Por que será que não posso esquecer a menina dos Totós?

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA    Porto, Portugal

 



publicado por solpaz às 15:20
link do post | comentar | favorito
|

A NOSSA VELHA CASA

 

 

 

 

Quem, já entrado em anos, não se recorda da casa onde nasceu e foi criado? No correr da vida, a velha moradia, torna-se, por magia do tempo, numa saudade, onde as raízes mergulham, e as recordações de infância animam-se como se fossemos ainda meninos.

Aquelas velhas paredes de estuque e fasquio presenciaram a nossa puerícia, conheceram segredos e viram os angustiosos paroxismos dos nossos avós e pais.

Eram de cantaria, de amplas divisões e minúsculas saletas, com traves que estalavam no Estio e gemiam fustigadas pelas intempéries desabridas, em frigidíssimas noites invernosas.

Fossem de alvenaria ou pedra ensossa, essas casas velhinhas, tem alma, e enquanto viverem, unem a família, mesmo quando se dispersa e se aparta para paragens longínquas.

A casa de meu pai tinha mais de duzentos anos. As janelas eram de guilhotina e o soalho, lurado, rangia a cada passada descuidada. Ao centro estava a escadaria. Tinha vários patins, um saguão e cave que dava acesso aos alicerces.

Em menininho receava descer aos andares inferiores, que eram sombrios e visitados por ratazanas, que se esgueiravam ao mais leve ruído.

Cada salinha tinha história. Numa falecera a avó arrimada à imagem da Virgem; noutra perecera a avozinha Júlia, que ao entardecer rezava as Avé - Marias voltada para a igreja matriz.

No amplo salão da frente, que tinha sacada gradeada, havia - dizia meu pai, - o piano de cauda, que pertencera à avó Sofia, que fora pianista e dava lições a meninas prendadas.

No topo das escadas, em lugar eminente um enorme quadro, de larga moldura doirada, representava a descida da Cruz.

Contava-se que pertencera a antepassado, cujo nome se perdera, que fora para a guerra. A demora foi grande e os herdeiros deram-no morto e despejaram a casa.

Uma bela manhã regressou. Encontrou a residência despojada das melhores alfaias e ao observar a gravura, exclamou lacrimejando de júbilo.

- Graças ao Senhor, deixaram o que mais valor tinha para mim!

Essas casas velhinhas carregadas de História e histórias, que teimam destruir, em lugar de restaurar, encontram-se impregnadas de ancestrais tradições e não são só pertença da família que as habitam, mas à cidade onde se encontram.

A casa onde nasci já não existe. Após o falecimento de meu pai, o camartelo desventrou-a, derrubou as traves seculares, desfigurou-lhe a fachada, dividiram-na em apartamentos, tudo em nome do progresso; com ela morreu um pouco de mim e todos que nela viveram e morreram.

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -   Porto, Portugal

 



publicado por solpaz às 15:17
link do post | comentar | favorito
|

UMA TRAGÉDIA HÁ 106 ANOS ... ou O MISTERIOSO DESAPARECIMENTO DO BALÃO DO BELCHIOR

 

 

                   Deambulava, distraidamente, pelas nove horas do dia 21 de Novembro, do ano de 1903, pela rua do Triunfo, o Sr. Franz Burmester. Em sentido inverso, caminhava a passos largos, Tomaz Cardoso. Cumprimentam-se efusivamente e entabulam animada conversa.

Entusiasmado com a proeza de Belchior da Fonseca, Tomáz Cardoso revela eufórico que nesse preciso momento, nos jardins do Palácio de Cristal, estavam a encher o “Lusitano”.

Burmester fica surpreso e pressuroso encaminha-se para o Palácio em busca de Belchior, que assistia ao enchimento do balão, e prontamente oferece-lhe o apoio de potentes rebocadores.

Agradeceu Belchior a generosa gentileza e declara que não se incomodasse, pois tomaria a direcção de Vila da Feira, e caso o vento não fosse favorável, não se realizaria a ascensão.

Conhecedor do espírito aventureiro do aeronauta, Burmester instou, advertindo-o:

- “Senhor Belchior, com a sorte que tem tido receio bem que seja descuidado. “

Contraveio, sorrindo, o aeronauta, convicto dos seus conhecimentos e do sucesso obtido em anteriores ascensões:

- “ Considero estes ares como meus! … ”

 

 

             

 

 

Eram onze horas e cinquenta minutos quando mansamente se elevou o “Lusitano”. Na barquilha seguiam: Belchior da Fonseca, José António de Almeida, morador na rua do General Torres (Gaia) e César Marques dos Santos - conhecido por “ Menino de Oiro”,- filho do capitalista João Marques, que vivia num chalet em Vilar do Paraíso, na antiga estrada Porto - Espinho.

Cerca de uma centena de espectadores, na maioria amigos dos aeronautas, assistiam à ascensão.

Amanhã estava amena, o céu lavado de nuvens e o vento moderado não previa perigosidade.

Elevou-se o “Lusitano” perante o pasmo de todos e ruidosa salva de palmas saudou os aeronautas.

Neste em meio o balão, ganhando altura, atravessa serenamente o rio, em direcção ao Candal; inexplicavelmente guina de súbito para a Foz do Douro, tomando a direcção do Atlântico.

Verificando a alteração, não prevista o irmão de Tomaz Cardoso apressa-se a solicitar a Burmester que, sem tardança, faça sair um rebocador, pois presente presságios funestos.

Imediatamente o “Lusitano” e o “Mindelo” fazem-se ao mar e logo a seguir, do Porto de Leixões, um vapor salva-vidas sai, tentando localizar os aeronautas.

Mas o balão do Belchior, adquirido em Paris, jamais foi encontrado, apesar de aturadas buscas. O “ Lusitano” misteriosamente sumira-se na imensidão do Oceano.

Eram dezassete horas, cinco após a partida do balão do Palácio de Cristal - já se pensava o pior, - quando chega à redacção de “ O Primeiro de Janeiro” a alegre nova de Jaime Teixeira da Mota e Silva. A novidade era a seguinte: O “Lusitano” caíra no mar, ao largo da Figueira da Foz, salvando-se a tripulação.

Mas a notícia era falsa.

 

 

          

 

 

Pela cidade do Porto, mormente na Praça de D. Pedro, onde havia maior concentração de pessoas e principalmente no “ Café Restaurante Porto Club”, comentava-se que o balão chegara a Marrocos; outros asseveravam que havia seguras notícias que estavam sãos e salvos nos Açores e que em breve regressariam coroados de glória.

Quando a esperança de os encontrar já esmorecia, surge a feliz nova de Keeping, capitão do navio inglês “ Searchlight”, declarando que os vira junto a Aveiro e que estavam tranquilos e sem problemas.

As horas e os dias iam passando. Inquietavam-se os familiares e amigos e começava-se a crer que algo de anormal se passara. Como por magia, o balão de Belchior “evaporara-se” para sempre misteriosamente no céu azul.

Belchior da Fonseca era farmacêutico e residia na rua Cândido dos Reis, em Vila Nova de Gaia, num prédio que ficava defronte à Fonte do Cabeçudo, que tinha no rés-do-chão a farmácia.

Pouco se conhece da sua biografia. Sabe-se que era natural de Castro Daire, filho de Constantino da Fonseca, que ao tempo do acidente ainda era vivo.

Em 1912, segundo afirma Alberto Pinho Vargas, em missiva a familiar, a farmácia ainda existia e era dirigida por um tal Camacho.

A primeira ascensão de Belchior foi em Agosto de 1903, com Cartom.

Após o desaparecimento do “ Lusitano”, Cartom - famoso aeronauta gaulês, - declarou na “ Sociedade Francesa de Navegação”, que apenas dera uma aula prática a Belchior. Acrescentou ainda que o aeronauta português realizara depois várias ascensões, mostrando grande mestria.

Testemunhar disso é Mariotte, jornalista de “ A Palavra” que viajou de balão a Fiães, na companhia de Tomaz Cardoso, Corregedor da Fonseca da “Voz Pública” e Belchior, onde este mostrou possuir profundos conhecimentos a manobrar o aeróstato.

Certo é que jamais se soube o que aconteceu ao “Lusitano” após haver ultrapassado a barro do Douro. Para sempre tudo ficou mergulhado num misterioso silêncio nunca revelado.

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -  Porto, Portugal

 



publicado por solpaz às 15:11
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Europa
mais sobre mim
Brasil
arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
Foz Coa
links