Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 20 de Novembro de 2009
A FESTA DA NATAL VAI COMEÇAR

 

 

 

Em vésperas de Natal descia a via Merulana em direcção à Praça Maria Maggiore, na cidade Eterna, na companhia amiga de jornalista do “L’Osservatore Romano“, que na época residia na casa anexa à Basílica de Santo António.

 

Vínhamos a conversar sobre seitas e a extraordinária expansão que tinham no Brasil, que, segundo o interlocutor, devia-se ao facto dos líderes usarem linguagem chã e despretensiosa, quando topamos com grupo de brasileiros que saiam da via Liberiana.

 

Por coincidência, entre eles, encontrava-se padre franciscano de ascendência alemã, conhecido do meu amigo, que efusivamente nos saudou com exuberância e carinho, tão característico do povo brasileiro.

 

Como estávamos em quadra natalícia, alguém do grupo narrou a história que ouvira numa assembleia cristã.

 

Por a considerar bastante elucidativa e oportuna, vou tentar reproduzi-la, por palavras minhas:

 

Numa paróquia do interior do Estado de São Paulo, preparava-se a festa de Natal. Havia teatro, leituras do Evangelho e muitas canções, tudo ensaiado pelas catequistas e grupos de jovens.

 

O salão paroquial estava engalanado com lindos festões e vistosas bolas coloridas amontoavam-se ao longo do proscénio.

 

Num canto, o Menino Jesus de madeira, agasalhava-se numa lapinha acolchoada.

 

O presépio e o salão mergulhavam numa penumbra, que mal permitia distinguir os enfeites. Apenas a grutazinha, onde dormia Jesus, estava iluminada

 

Crianças, sentadas no chão alcatifado, conversavam e divertiam-se, enquanto aguardavam a hora aprazada do espectáculo.

 

De súbito, claridade diáfana surdiu na escuridão, e um vulto aproximou-se das crianças, que temerosas, se silenciaram.

 

Então o Tony, o mais espigadote, exclamou a medo:

 

- É Jesus! …É Jesus! …É Jesus! …

 

Passado o temor inicial, as crianças aquietaram-se e a Gé ousou questionar:

 

- O que queres?! Vens trazer presentes?

 

A Lili, a mais sapeca, não esperou resposta e pediu a boneca que vira na rua Direita, e a consola, que o bazar do centro comercial vendia como novidade.

 

Jesus permanecia atento, mas não proferia palavra.

 

Então Tomé, vendo que Jesus nada tinha para ofertar, disse revoltado:

 

- Não Te quero! …Não Te quero! Vens visitar-nos no Natal e não trazes nada!? - E rematou: - Meu pai sempre repete: A religião é o ópio do povo!

 

De semblante triste, abrindo os braços num gesto de ternura, Jesus murmura:

 

- Eu sou o “ presente “. Vim para vos dar a Minha paz, o Meu Amor!

 

Neste momento o salão ilumina-se. Jorram canções natalícias pelos auto- -falantes e a multidão penetra na sala.

 

Adiante, vem o Pai Natal, vestido de encarnado, de longas e alvas barbas, falsas, como falsa é a neve do presépio, sorridente, trazendo enorme saco de brinquedos. Ouvem-se palmas e todos os rostos sorriam de alegria.

 

A festa de Natal via começar.

 

 



publicado por solpaz às 15:50
link do post | comentar | favorito
|

O PAI NATAL DOS CORREIOS

 

 

 

Várias versões surgem na imprensa, tentando explicar o jeito como nasceu o Pai Natal dos CTT.

Afirmam uns, menos informados, que foi, como é nosso timbre, grosseira imitação do que se pratica lá fora; outros, mais conscientes, para não dizer mais nacionalistas, pretendem, na sua ignorância, enaltecer a fértil imaginação lusa, declarando, aos quatro ventos, que a ideia, ainda que não seja original, brotou da feliz iniciativa da Comercial dos CTT.

Desculpem os que assim asseveram, que venha desmenti-los. Não os acuso, porque, como bem diz o povo, anda meio mundo a enganar outro…e muitos em simplicidade e boa fé.

Mas vamos ao que interessa:

Era o ano de 1970, soube-se, na redacção do centenário matutino “ O Comércio do Porto”, que na Central dos Correios do Porto, amontoava-se abundante correspondência ao Menino Jesus.

Nessa recuada época, as crianças portuenses, na sua inocência, acreditavam piamente que quem dava as prendas natalícias era o risonho e corado Menino, e não o velhinho barbudo e barrigudo como Sancho; aproveitamento comercial do bondoso e sempre prestável S. Nicolau, pela conhecida e mundialmente famosa bebida Norte - Americana.

Em conversa com Pinho da Silva, o escritor e jornalista Costa Barreto, acicatou-o a responder, na secção “ Apontamentos” à pequenada tripeira.

A ideia era lembrar e incentivar a empresa dos CTT a dar destino digno à correspondência lançada por inocentes mãos infantis, nos marcos de correio.

Entusiasmado com a ideia, o jornalista Pinho da Silva, imediatamente contactou Mário Domingos, então responsável máximo pela Central portuense, para que as cartas destinadas ao Menino, em lugar de serem encaminhadas para refugo, fossem entregues à redacção do matutino.

Acedeu gostosamente o Sr. Mário Domingos, dando ordem imediata a Pinto Monteiro - responsável pelo 3º Sector, - para que todas as cartinhas viessem para “O Comércio do Porto”.

Nessa conjunção soube-se que em anos passados, o pessoal do Correio, num gesto de solidariedade, diria melhor: de generosidade, ofereceu uma boneca a rapariguinha, que em letra incerta, rogara ao Menino, o favor de lhe dar uma, já que era pobre e não via meio de a receber.

Comovidos, os trabalhadores, levantaram subscrição e fizeram seguir, pela posta interna, pacote postal, cujo remetente era: “ Do Céu, enviado pelo Menino Jesus, com beijos e carinhos.”

Foram estes gestos de ternura, estas histórias singelas e comoventes, que motivou a redacção do jornal a responder a algumas crianças, que endereçaram, confiantes pedidos, ao Menino Jesus.

Ao “ oficializar-se” a correspondência natalícia, perdeu-se, infelizmente, a espontaneidade, o encanto dessas missivas.

Hoje, as escolas e infantários, incentivam as crianças a escreverem ao Pai Natal dos Correios, lembrando que este não deixará de lhes enviar pequena lembrança.

E pena é que seja assim. As cartinhas de outrora eram genuínas, impregnadas de sonhos e esperanças e tornavam a época natalícia mais poética, mais encantadora, mais maravilhosa.

Ao invés, as actuais, quase todas com remetente, são escritas com auxílio de pais e professores; já não são fruto da ingenuidade da criança, mas motivadas no interesse material de vir a receber joguinho ou lembrança da simpática e velha empresa de comunicação.

 

 

 

 



publicado por solpaz às 15:50
link do post | comentar | favorito
|

VOCÊ É O QUE OUVIU, VIU E LEU

 

 

 

São muitos os detractores da TV. Não que aquela janela aberta ao mundo, seja perniciosa, pelo contrário, mas porque quem cuida da programação apenas lhe interessa a audiência, e menospreza a qualidade. A missão primordial de um meio de comunicação por excelência, como é a TV, deve ser: informar e formar.

Informar com honestidade e formar culturalmente e moralmente o espectador.

Olvidam - ou fingem não saber, - os responsáveis, que a maioria da população, mesmo a que ostenta grau académico superior, pauta a conduta e pensar, pelo que ouve e vê na TV?!

Saberão - por certo sabem, - que a telenovela libertina e viciosa, cujas personagens levam desregrada vida, cava, nas mentes em formação - e não só, - conceitos perversos, nefastos para o jovem e a sociedade?

Conta D. Manuel de Mello, que estando em viajem, agasalhou-se numa estalagem, onde a proprietária e suas filhas liam um livro de cavalaria; e tão engolfadas se encontravam, que só o atenderam após haverem conhecido o desfecho dos amores desconcertados. Soube, mais tarde, no regresso, que cada uma das filhas, seguiu o exemplo da personagem.

Como outrora acontecia, também agora, incendiados pelas ignominiosas imagens da TV, a maioria dos jovens seguem a conduta e jeitos de pensar das figuras novelescas.

Como a telenovela, o livro, que apresenta também cenas torpes e conceitos perniciosos, pode inculcar, mesmo nas mentes adultas e de óptima formação, lesões; fissuras que teimam não cicatrizarem.

A mulher do escritor Eça de Queiroz cuidava que os filhos não lessem certas obras do pai; e o próprio Eça evitava que a filha Maria tomasse conhecimento da maioria da sua obra.

Cai aqui bem o que disse Helene Mac Innes, pelo acerto das suas palavras: O que você é hoje, depende de tudo que você viu, ouviu ou sentiu ontem; o que você aceita ou rejeita hoje, o melhorará amanhã. Nós somos o que somos, por causa do que fomos.

Assim é: Somos o que lemos, ouvimos e vimos. O nosso carácter, a nossa honestidade, a nossa conduta e pensar depende do que lemos, vimos e sentimos em épocas passadas.

Por isso os educadores devem ter especial cuidado com as leituras dos jovens e na escolha de filmes e espectáculos que frequentam.

Como dizia Fulton J. Sheen devemos escolher, na floresta das obras publicadas, as que forem melhores para a nossa formação. Fazer, como se faz com os amigos: apartar da multidão, os que nos convêm para companheiros de jornada.

Se assim fizermos, estamos a criar sociedade mais perfeita e a contribuir para a felicidade e bem-estar do mundo.

Infelizmente escasseiam, nos tempos que correm, pais cuidadosos e educadores que conduzam os jovens pelos caminhos da probidade; e deste jeito, a mocidade é manipulada pela mass-media, que explora os vícios em lucro próprio e prejuízo de todos.

E o pior é que não há quem ponha cobro ao desvario.

 

 

 

 

 

 



publicado por solpaz às 15:48
link do post | comentar | favorito
|

O MELHOR LUGAR PARA OS VELHOS

 

 

 

Tornou-se uso e também necessidade, colocar os idosos em lares. As casas são exíguas, têm poucas divisões, e o facto da mulher ter que trabalhar fora, não permite que os velhos terminem os derradeiros dias, no aconchego das casas dos filhos ou parentes próximos.

Todavia nada pior que arrancar o idoso de sua casa, privá-lo dos seus moveis e objectos que o acompanharam ao longo dos anos, para colocá-los em ambiente estranho, apartados do bairro onde nasceram e foram criados.

“Menina e Moça”, de Bernardino Ribeiro (Cap1) assevera: Vivi ali tanto tempo quanto foi necessário para não poder viver em outra parte.

Como ela, o idoso afeiçoa-se ao lugar onde nasceu, à rua onde decorreu a meninice, ao sitio onde passou a juventude; se o separam, mesmo que o levem para instalações luxuosas, onde receba esmerados cuidados, sofre atrozmente.

Por isso é que a maioria dos pais, mesmo enfermos, receiam deslocar-se para casa dos filhos.

Amigo meu, pai de várias filhas, enviuvou, e contra vontade sua teve que recorrer à hospitalidade da caçula. Decorrido semanas confessou-me desolado:  A casa dos pais é a dos filhos; mas, a dos filhos não é a dos pais.

E explicou:

“Trata-me com muito carinho e sei que fica feliz se me vê alegre; mas…mas só me sinto à vontade no meu pequeno quarto, rodeado dos poucos objectos que trouxe. Perdi privacidade, perdi o direito de ser senhor de mim. Receio telefonar, ligar a TV, de ler à noite, para que não digam que gasto muita electricidade.

E prosseguiu:

Os filhos consideram que os pais têm obrigação de os sustentar, mas quando chegamos a casa deles, velhos e doentes, passamos a ser um estorvo, não só para eles, mas igualmente para genros, noras e netos.

Certamente, é a razão, que quando desterrados do ambiente habitual, acabam por falecerem, decorrido meses.

Há excepções, graças a Deus, mas a regra, penso, é essa.

O ideal seria o idoso ficar em sua casa com assistência domiciliária. Mas nem sempre é possível, nem o rendimento da maioria, permite tais mimos.

Solidão não é, como se julga, estar só, mas sim desenraizado e ocioso.

A capacidade de adaptação vai diminuindo com a idade; apartarem-se dos amigos e locais familiares, se o afastamento é forçado, é traumatizante e pode conduzir  ao agravamento de enfermidades.

 

 

 



publicado por solpaz às 15:44
link do post | comentar | favorito
|

Europa
mais sobre mim
Brasil
arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
Foz Coa
links