Blogue luso-brasileiro
Domingo, 28 de Fevereiro de 2010
EUCLIDES CAVACO - ONTEM

Mostrar este HTML numa nova janela?
 
Olá amigos de todo o mundo
 
ONTEM é apenas uma fracção do TEMPO que serve de tema a muitos
dos meus trabalhos visto poeticamente como um dia mais longo
na sua relação filosófica com o ser humano.
Ouça o tema aqui neste link:
 
 
Desejos antecipados dum excelente fim de semana
Euclides Cavaco
cavaco@sympatico.ca



publicado por solpaz às 18:01
link do post | comentar | favorito
|

PAULO ROBERTO LABEGALINI - CASOS E CONSELHOS

 

 

                        

 

 

Um professor de química queria ensinar os alunos sobre os males causados por bebidas alcoólicas e elaborou uma experiência que envolvia um copo com água, outro com cerveja e dois vermes. Colocando uma criatura na água e outra na cerveja, chamou a atenção da sala para o resultado. O verme que estava na água nadou agilmente no copo como se estivesse brincando. O bicho da cerveja se contorceu desesperadamente, louco para sair do líquido e, depois, afundou absolutamente morto.

 

Satisfeito, o professor perguntou aos alunos: ‘E então, o que podemos aprender desta experiência?’ Joãozinho levantou a mão e respondeu: ‘Beba cerveja e você nunca terá vermes!’

Pois é, como piada dá até pra rir, mas quando a bebida vira vício, o risco de morte aumenta gradativamente na vida da pessoa. E além do vício, há outros males que silenciosamente nos atacam a cada dia. Pensando nisso, um médico cardiologista publicou os ‘doze conselhos para ter um infarto feliz’:

1. Cuide de seu trabalho antes de tudo. As necessidades pessoais e familiares são secundárias.

2. Trabalhe aos sábados o dia inteiro e, se precisar, também aos domingos.

3. Se não puder permanecer no escritório à noite, leve serviço para casa e trabalhe até tarde.

4. Ao invés de dizer ‘não’, diga sempre ‘sim’ a tudo que lhe solicitarem.

5. Procure fazer parte de todas as comissões, diretorias e aceite convites para conferências, seminários, simpósios etc.

6. Não se dê ao luxo de um café da manhã e uma refeição tranqüilos. Pelo contrário, aproveite o horário das refeições para fechar negócios.

7. Não perca tempo fazendo ginástica, nadando, pescando, jogando bola ou tênis. Afinal, tempo é dinheiro!
8. Nunca tire férias. Lembre-se que você é de ferro.

9. Centralize todo o trabalho em você, controle e examine tudo; delegar é pura bobagem.

10. Se sentir que está perdendo o fôlego e pintar aquela dor de estômago, tome logo energéticos e antiácidos. Eles o deixarão tinindo!

11. Se tiver dificuldades em dormir, não perca tempo: engula calmantes de qualquer tipo. Agem rápido e são baratos.

12. E o mais importante: não se permita ter momentos de oração, audição de uma boa música e reflexão sobre sua vida. Isto é para crédulos e tolos sensíveis.

Outro médico, sem cinismo, deu sua receita para evitar adoecer: ‘Fale de seus sentimentos; tome decisões com o coração; busque soluções simples; não viva de aparências; aceite-se; perdoe; tenha esperança em coisas melhores; não viva muito tempo triste’.

Se fizermos uma composição disto com o inverso dos doze conselhos citados, certamente nossa qualidade de vida melhorará rapidamente, pois sabemos que o tempo passa voando e não permite retrocesso. Quando damos conta, já nos encontramos em fases delicadas da vida, que merecem todo cuidado. Esta história retrata bem isso:

Uma turma de amigos quarentões discutia onde jantar. Finalmente concordaram que seria no Café Ritz porque a garçonete era bonitona. Dez anos depois, aos cinqüenta, se encontraram de novo e demoraram a resolver onde jantar. Finalmente foram ao Café Ritz porque a comida era boa e a seleção de vinhos excelente.

Passados mais dez anos, tornaram a discutir onde deveriam jantar. Chegaram à conclusão que iriam ao Café Ritz para desfrutar uma refeição na paz de um restaurante para não fumantes. Após outros dez anos, já com setenta de idade, juntaram-se e escolheram o Café Ritz porque tinha elevador e fácil acesso para cadeira de rodas.

E com oitenta anos no lombo, o grupo se reencontrou uma vez mais para jantar. Após duas horas de discussão, decidiram ir ao Café Ritz porque seria uma ótima idéia experimentar um restaurante onde nunca estiveram antes...

Eu sempre digo que quanto mais refletimos nos conselhos que recebemos ou casos conhecidos, mais devemos valorizar a sabedoria da Palavra de Deus – que nos orienta para a vida eterna. Por exemplo, o Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus (6,7-15) diz assim:

“Nas vossas orações, não sejais como os gentios, que usam de vãs repetições, porque pensam que, por muito falarem, serão atendidos. Não façais como eles, porque o vosso Pai celeste sabe do que necessitais antes de vós lhe pedirdes. Rezai, pois, assim: ‘Pai nosso, que estás no Céu, santificado seja o teu nome, venha o teu Reino; faça-se a tua vontade, como no Céu, assim também na terra. Dá-nos hoje o nosso pão de cada dia; perdoa as nossas ofensas, como nós perdoamos a quem nos tem ofendido; e não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal’. Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também o vosso Pai celeste vos perdoará. Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também o vosso Pai vos não perdoará as vossas.”

 

No mês passado, eu segui este conselho e rezei o Pai Nosso em mais dois Santuários: Nossa Senhora Desatadora dos Nós (Campinas) e Mãe Rainha Três Vezes Admirável (Atibaia). Tenho certeza que a oração me ajudou no processo de aprender a amar o próximo.

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI --    Escritor católico, Professor Doutor da Universidade Federal de Itajubá-MG. Pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária da UNIFEI



publicado por solpaz às 16:53
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 27 de Fevereiro de 2010
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - COMEÇOU O ANO

              

               

                Tenho certeza de que não sou a única pessoa a pensar assim, mas parece que somente agora, praticamente findo o mês de fevereiro, após o Carnaval é que o ano começou. Nem vou entrar muito no mérito da questão, mas o fato é que as coisas “funcionam mas não funcionam” até que o Carnaval passe.

                Nas ruas, ao menos em São Paulo, é possível sentir a diferença. Há muito mais carros, muito mais gente circulando pelos metrôs, ônibus e trens. Embora as aulas já houvessem se iniciado em várias escolas, a impressão que dá é que só agora os alunos entenderam que o ano letivo estava já em andamento. Antes, sei lá, devia ser período facultativo, de integração...

                Quem é profissional liberal, igualmente, sente na carne, ou melhor, no bolso, o que é um país ficar em standy by por dois meses. Pura e simplesmente, ninguém contrata nada, profissional algum, à exceção daqueles casos que são de urgência, que não podem esperar. No mais, quase nada gira. Mesmo com muitas promoções, até mesmo as lojas não vendem como deveriam vender, como esperavam vender. Tenho ouvido muita gente dizer que vem passando por dificuldades financeiras, esperando que, a partir de março, as coisas possam melhorar.

                Também percebo que muita coisa parece “estourar” depois do Carnaval. Curiosamente, alguns problemas igualmente deixaram para aparecer agora. É coisa de casa que quebra, é notícia nova que vem, e assim por diante. Sem contar, é claro, que o imposto de renda, em março, também inicia sua contagem regressiva. É hora de ver o quanto mais o Leão nos irá devorar, o quanto do osso que já roeu durante todo o ano anterior, irá sobrar para ser triturado. Acaba o IPVA, mas começa o IR...

                Tenho uma amiga que, depois do Carnaval, recebeu do marido o passe livre. Ele disse a ela que há tempos não estava feliz, que já amava outra pessoa. Somente a título de curiosidade, ela perguntou a ele porque então esperara até terminar a viagem que fizeram para passar o Carnaval com a família dela. Surpresa, ouviu dele a inusitada explicação de que o fizera porque antes do Carnaval, no Brasil, nada andava direito, assim, agora, seria mais fácil procurar um advogado e a Justiça!

                Um outro amigo me disse que iria, por fim, começar o regime do ano. Perguntei a ele se isso não era uma proposta que se faz no início do ano, ao que ele me respondeu que sim. Antes do Carnaval, ele me disse com um grande sorriso, não vale prometer nada...

                Para mim, por outro lado, o ano começou faz tempo, há aproximadamente quase dois meses. Talvez eu precise ajustar meu calendário ou desacelerar meu relógio. Se eu conseguir convencer minhas contas a pular Carnaval, a esperar pelo confete e pela serpentina, então talvez eu possa igualmente cair na folia. Feliz Ano Velho, de toda forma!

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVAAdvogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo

 



publicado por solpaz às 14:32
link do post | comentar | favorito
|

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - AURÉOLA RESPLANDECENTE

              

 

 

Contam, os maranhenses, que em 19 de novembro de 1614, no confronto entre portugueses e franceses diante do Forte de Santa Maria de Guaxenduba, com evidência de que os lusitanos seriam derrotados, pela inferioridade numérica em homens, armas e munições, surgiu dentre eles uma formosa mulher em auréola resplandecente, para eles a mãe do Salvador. Ao contato de suas mãos milagrosas, a areia se transformava em pólvora e os seixos em projéteis. Revigorados moralmente e providos de munições que lhes estavam faltando, os portugueses impuseram severa derrota aos invasores, que se renderam. Em memória desse feito, foi a Virgem aclamada padroeira da cidade de São Luís e invocada com o título de Nossa Senhora da Vitória.

A moça, ainda menina, na cidade de Imperatriz, por diversas vezes, ouviu da avó, que era quem mais lhe dava atenção naquela época, essa história que a emocionava e emociona. A avó, apegada ao Coração de Maria, nos revezes de sua vida e nas alegrias,  pedia pela neta. A neta, embora amasse a avó e a escutasse com cuidado, tinha seu pensamento distante das escolhas dela. Acelerava o passo, sem discernimento maior, no ritmo do desenvolvimento de sua cidade, que, a partir de 1970, passou a receber contingentes migratórios das mais diversas procedências, para os setores de agricultura, pecuária, extrativismo vegetal, comércio, indústria e serviços, tornando-se o segundo maior centro econômico, político, cultural e populacional do Estado. Os migrantes ampliaram o comércio do sexo e em um deles a menina-moça tropeçou. Abriu mão do artesanato com cerâmica, palha, corda, raízes, que faziam parte do cotidiano da família onde nascera. Esqueceu-se das festas que a alegravam na infância, o Bumba-Meu-Boi, as Quadrilhas Juninas. Deixou de ouvir os cantos dos curiós, e, após dormir em diferentes leitos, decidiu pelo Estado de São Paulo, em busca de ventura na aventura de outros homens. Voltara algumas vezes para ver a família e a avó interpretava, no relato dos triunfos dela, com brincos de lata e boca de coloral, que não se encontrava bem.

Grávida, em local distante, decidiu juntar-se a outras mulheres, de idade menor ou maior do que a dela, que se reuniam, na Catedral de Nossa Senhora do Desterro, para ouvir a Palavra de Deus, cantar e rezar. Depois do parto, continuou. A menina está para fazer um ano. Levou-a, em janeiro, para conhecer os de sangue e as águas abençoadas do Tocantins. Para a avó carregou a surpresa maior: apresentar-se com a estampa de Nossa Senhora do Carmo na camiseta e lhe contar que estava frequentando a Igreja.

A avó, velhinha, viu a neta vestida de vitória, apertou o escapulário, sentiu-se no Monte Carmelo, recordou da branca nuvenzinha, semelhante à palma da mão, vista por Elias, que suplicava a Deus que pusesse fim a uma longa seca(1 Rs 18,44) e repetiu como Simeão no templo: "Agora, Senhor, deixai a vossa serva ir em paz. (...)  Porque os meus olhos viram a Vossa salvação..."

 

MARIA CRISTINA CASTILHO ANDRADE DA -É coordenadora Diocesana da Pastoral da Mulher e autora de "Nos Varais do Mundo / Submundo" --Edições Loyola

 

 

 



publicado por solpaz às 14:27
link do post | comentar | favorito
|

Cfd. ALUIZIO DA MATA - MARIA, OBRA PRIMA DO CRIADOR
                   

 
Na ermida da Canção Nova, onde o Terço é rezado, existe uma figura de Nossa Senhora com o Menino Jesus nos braços. O artista que fez a obra conseguiu dar às imagens uma beleza muito grande. Poderíamos dizer que, conseguiu dentro das possibilidades humanas, uma perfeição de traços e cores.
Ao rezar o terço hoje, como sempre o faço às seis horas da manhã, ligado na TV Canção Nova, veio-me ao pensamento fazer uma comparação:
- Se um ser humano conseguiu dar a Jesus Menino e à Sua Mãe expressões tão bonitas, imagine Deus ao gerar Jesus e criar Maria! Pode nossa mente imaginar o que fez Deus nessas duas pessoas?
Já não falo pelo lado espiritual, pois nelas não há defeitos. Aventuro-me a falar sobre o aspecto físico. É sabido, por relatos bem antigos e transmissão da tradição, que Jesus era um homem muito bonito. Nele a perfeição dos traços fisionômicos se fazia notar.
Mas, e Maria? Pode alguém imaginar diferente daquele que pensa que Maria foi a criatura mais bonita que Deus fez? Pode, por mais crítico que seja, alguém pensar em Maria sem uma beleza digna da perfeição? Se um pintor procura dar a maior beleza à sua obra, imagine Deus, que é o maior artista que possa existir!
Pelos cálculos possíveis de serem feitos, Maria viveu 13 anos e dois meses depois da Ressurreição de Jesus. Levando em consideração que ela tenha se casado aos 15 anos, como era o costume da época e somados os 33 anos que Jesus viveu, ela teria vivido em torno de 60 anos. Sabendo que ela passou por grandes privações, por grandes medos e angústias, por enormes sofrimentos físicos e espirituais, lógico será pensar que isto pos a ter refletido em sua aparência. Que mulher que sofrendo o que ela sofreu, vendo a trajetória e o fim de Jesus, não teria estampado em suas feições tantos sofrimentos?
Mas, aí vem a grande Obra de Deus! Ele faz com que a pessoa depois de deixar esta vida terrestre, tenha um aspecto diferente daquele que tinha quando vivia neste mundo.
A perfeição do espírito se faz presente. Com Maria muito mais que isto aconteceu, pois além do espírito ela foi assunta ao Céu de corpo e alma. Primeiro, porque ela teve a assistência de Deus desde antes de nascer e a tem até agora. Segundo, porque nas diversas aparições dela em épocas diferentes, a descrição de sua figura é feita como a de uma mulher muito jovem, de beleza indescritível.
Por isto, mesmo que o autor que pintou Maria e Jesus Menino tenha conseguido fazer uma obra de arte, não pode ter expressado totalmente a beleza real dos modelos. Pode ter alguém a pretensão de ser melhor artista do que o Criador de
todas as artes? Feliz é quem ama Jesus, mas que ama também Maria Santíssima. Feliz é o vicentino que a tem como protetora. Pense sempre em Maria, criatura sem mancha ou defeito, físico ou espiritual, pois ela é a Obra prima de Deus.
 
ALUIZIO DA MATA - Vicentino, Sete Lagoas, Brasil


publicado por solpaz às 14:21
link do post | comentar | favorito
|

HUMBERTO PINHO DA SILVA - A PÁSCOA EM PORTUGAL HÁ MAIS DE SETENTA ANOS

 

 

Depois dos dias fúnebres da Semana Santa, chegava o domingo de Páscoa Alegre. A Ressurreição de Jesus.

Nas nossas aldeias - Relicários que eram de tradições, - os cristãos agrupavam-se no templo, entoando hinos Jubilosos e Aleluias.

Do alto Campanarios de Rústicos, os sinos tangiam animada, festivamente em gralheada e pueril.

Saiam os compassos, cada um com sua cruz alçada. Alvas Opas Envergando, homens acompanhavam o prestimoso Abade ou seminarista, que levavam o Senhor de casa em casa.

Tapetes de flores e verdes, caminhos toscos vestiam e soleiras de entrada, devotas que colhiam mulheres com carinho e Amor.

Foguetes Estalejavam alegremente, em alarido desenfreado; alvoracados e cachorros, em roda-viva, pareciam, também, dizer: Chegou a Páscoa! ... Chegou a Páscoa!

As famílias reuniam-se à mesa, que permanecia coberta de toalha branquíssima, com o tradicional folar, amêndoas cobertas de açúcar, pão-de-ló e vinho fino.

No meu tempo de menino, no Sábado de Aleluia, nas igrejas, retiravam-se os panos roxos que recobriram as imagens, nos dias tristes de Quaresma. Os altares, despidos que permaneceram, enganavam-se nessa hora de toalhas alvíssimas e vistosas cores garridas de flores, enquanto os sinos soavam ao desafio, em animada e ruidosa desgarrada.

Nas ruas, grupos de rapazes e moças, confeccionavam boneco de trapos, que suspendiam num poste. Era o "Judas". Boneco que recolhia, na pança, numerosas bombas Carnavalescas, e lembrava certa figura, em regra, pobre diabo, bombo de festa do garotio.

Pegava-se, então, aos pés do Fogo, e para Gáudio de todos, assistia-se queimar ao fazer "Judas", que estourava entre gritos e palmas da rapaziada.

Nesse tempo, no dia de Páscoa, os afilhados visitavam os padrinhos, levando-lhes raminho de flores ou de Oliveira, benzido em Domingos de Ramos.

Estes retribuíam com dinheiro ou amêndoas. A isso, chamava-se pedir o folar.

Em terras montanhosas, nomeadamente em Trás - os - Montes e Beiras, folar era, e ainda é, gigantesco bolo, recheado uma carne, que tinha, por vezes, feitio de alguidar.

Mais romântico e eram citadino, como caixinhas de porcelana, que os namorados ofereciam com amêndoas. Eram de todos os tamanhos e feitios, algumas de grande beleza.

Bem diferente se comemora, nos nossos dias, o tempo pascal. São poucos os que Vivem e Participam as cerimónias da Semana Santa, e as velhas tradições quase desapareceram, e, sem elas, morreu um pouco da alma portuguesa, como raízes que identificam um povo.

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA- Porto, Portugal

 



publicado por solpaz às 14:14
link do post | comentar | favorito
|

PINHO DA SILVA - BRASÃO DE VILA NOVA DE GAIA

                    



publicado por solpaz às 14:06
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 21 de Fevereiro de 2010
PAULO ROBERTO LABEGALINI - EM DEFESA DA FÉ CATÓLICA

 

 

Um cidadão estava atrasado para uma importante reunião  no centro da cidade e não  encontrava vaga para estacionar. Então, levantou as mãos  para o  céu e disse: ‘Senhor, me arruma um estacionamento e prometo que irei à missa todos os domingos pelo resto da minha vida’. Nesse instante, milagrosamente, apareceu uma vaga à sua frente, e ele rapidamente falou: ‘Não se preocupe, Senhor, já achei sozinho’.

Infelizmente, coisas assim acontecem. As pessoas se lembram de Deus apenas em momentos de apuros e, pior que isso, costumam criticar a religião que ‘pertencem’ para aliviar a consciência. Por isso, em defesa da fé católica, quero convidar você, leitor, a esta reflexão:

O padre John McCloskey ganhou notoriedade por ter convertido ao catolicismo membros influentes da elite política americana, tradicional reduto de protestantes. Economista, abandonou um emprego promissor em Wall Street para se ordenar padre em 1981. No ano passado, foi entrevistado pela Revista Veja e deu respostas sensatas sobre religião e fé, pelo menos no meu ponto de vista. Eis alguns bons argumentos que usou:

Veja: Por que um protestante abriria mão de sua religião para se converter ao catolicismo?

Padre: Porque é crescente o número de protestantes que compartilham os valores morais da Igreja Católica. São cristãos que acreditam na Bíblia, nos dez mandamentos e têm laços pessoais com Jesus Cristo. Ao longo de seu pontificado, João Paulo II insistiu na defesa dos valores da Igreja. São 2000 anos de história! A Igreja Católica tem sacerdotes, Papa, tradição dos grandes santos, arte, cultura, literatura. Enfim, tem uma carga que não se vê em outras religiões.

Veja: O senhor concorda que boa parte dos católicos discorda da posição oficial da Igreja em assuntos como controle de natalidade e divórcio?

Padre: A posição do Papa sobre divórcio, aborto, controle de natalidade não pode mudar, pois está ligada ao que é a Igreja Católica. A Igreja propõe a verdade a seus fiéis, não impõe. Se alguém não quiser pertencer à Igreja, está livre para sair. Note que a Igreja Católica não é uma democracia. É uma instituição Divina que não pode ser questionada. Ao ser criada, tinha apenas doze apóstolos. Hoje chega a 1 bilhão de fiéis, e isso sem que precisasse mudar suas opiniões, baseadas na ressurreição Divina e na palavra de Jesus Cristo. É preferível ter um rebanho menor de católicos do que mudar as regras apenas para arregimentar mais seguidores.

Veja: É mais difícil converter um ateu ou alguém que já tem uma religião?

Padre: Converter o ateu, sem dúvida. Mas cada um tem sua própria história e sobretudo uma graça que o impele a buscar o catolicismo. Alguns fizeram a opção em questão de meses. Outros levaram anos. Não há uma receita pronta, é uma questão de graça e de boa vontade da pessoa que está se convertendo à fé católica.

Veja: É possível ser um católico não-praticante, ou isso é uma contradição?

Padre: Sempre existiram na Igreja os católicos não-praticantes, que são aqueles que não estão cumprindo as leis morais que norteiam a Igreja. Ou seja, culpam a Igreja, mas não culpam a si mesmos, porém, há a possibilidade de você confessar seus pecados e voltar à Igreja. Mas sempre me pareceu uma contradição essa pretensão de ser católico sem acreditar no que a Igreja ensina.

Veja: As pesquisas mostram que a maioria dos católicos americanos acredita que os padres deveriam ter o direito de casar-se. Qual sua opinião sobre o celibato?

Padre: Acho difícil uma mudança no celibato, tradição que remonta aos apóstolos e que a maioria dos sacerdotes ainda apóia. Os que defendem o fim do celibato são grupos pequenos e barulhentos, que se dizem católicos liberais. Talvez seja o último grito antes da morte, pois boa parte desses ativistas tem mais de 70 anos. Nos últimos 35 anos, eles têm esperado mudanças profundas na Igreja, e tudo continua igual. Nada mudou, e nada vai mudar. Vale lembrar que todos os padres assumem um compromisso ao optar pela vida religiosa. O celibato é um símbolo de devoção a Jesus Cristo.

Veja: O senhor costuma repetir que a Igreja Católica só será revitalizada se retornar às raízes. O que significa isso?

Padre: Significa manter estrita fidelidade aos ensinamentos doutrinários e morais da Igreja, que são perpétuos e necessários para a salvação. A Igreja nunca vai rever sua posição de temas como contracepção, aborto, divórcio ou a participação de mulheres no sacerdócio. Para ela, qualquer pessoa – homossexual ou heterossexual – não deve exercer sua sexualidade exceto dentro do casamento. Como um homossexual não pode casar-se, tem de se manter casto. Todo católico deve submissão ao que a Igreja propõe como necessário à salvação.

Veja: A Igreja Católica brasileira perdeu milhões de fiéis nos últimos anos para seitas evangélicas. Por quê?

Padre: Muita gente abandonou a Igreja, mas não perdeu a fé. A maioria passou a ter um laço mais pessoal com Jesus, lendo a Bíblia. Não tenho elementos para analisar o que aconteceu no Brasil, mas acredito que a migração de católicos para as seitas evangélicas não deverá prosseguir pelos próximos anos. É algo que podemos recuperar no futuro.

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI- Escritor católico, Professor Doutor da Universidade Federal de Itajubá-MG. Pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária da UNIFEI

 



publicado por solpaz às 19:15
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - SABORES

                          

 

O padre GIAN CARLOS PEREIRA - OMV, da Igreja São João Batista, comentou comigo sobre os sabores que, a partir da experiência de Deus, deixamos de lado. Coloquei em mim essa reflexão.

Alguns sabores são Próprios da faixa etária e não cabem mais em nosso cotidiano. Outros, se fôssemos sempre iluminado de interior, desejaríamos jamais.

Sou da geração em que mantinham como púberes se vestidas pelos contos de fada de sua infância. Castelos de pedra, um lago próximo, flores em profusão, aves de espécies variadas. E o príncipe encantado?  Ah, o Príncipe Encantado, Capaz de despertar, o encanto do sono profundo! Como princesas que beijavam os sapos e os Príncipe transformados em viam? E em quantas épocas me senti "Alice País das Maravilhas não" ...

O tempo passou mais depressa do que eu imaginava. Deus entrelaçou, desde pequenina, em minhas divagações, os sonhos dele. Sonhos mais claros, mais fortes, mais meigos que os meus. E a beleza dos sonhos de Deus curvou-me em alguns aspectos, tirou-me alguns gostos, mas há ainda tanto para mudar! Sou, Inúmeras vezes, de resistência infértil.

Perdi o sabor de retrucar por retrucar, ser para uma última palavra. Perdi o gosto em ser uma dona da verdade na insistencia de me impor ou defender-me, divergem quando de minhas opiniões. Encontro, atualmente, em sabor me calar e engolir o que me incomoda ou dói, caso aquilo que diga POSSA destruir o outro. Considero mais paladar, ao agradável, como vaias, que me fazem rever posturas, aos aplausos que me envaidecem. Prefiro a graça da sinceridade que purifica os olhos, às ilusões que fascinam. Sair do centro de mim mesma, dos meus apegos e preconceitos, e me inserir na periferia com seu povo sofrido, de dores e Clamores, ofereceu mais sabor à minha caminhada do que o período em que bailava com sapatinhos de cristal.

Sabores antigos deram lugar aos novos em minha vida. Permitir-me ser protegida e Proteger, cuidar e ser cuidada, abrir mão de uma natureza programada para viver o dia-a-dia fez-me e me faz um grande bem. Nas passarelas de meu mundo, não havia Sabor. No chão de terra sim. É espaço próprio às sementes.

Tantas coisas me preocupam, outras me irritam e me deixam ansiosa, mas eu gosto intenso permitem encontrar na tolerância, na serenidade, na aceitação, na Misericórdia. Compreendo, assim, que o Criador não é Possível à criatura.

E em tempo de sabor e graça, em que se mastiga com paladar de eternidade, copio o poema "Saudação", de Adélia Prado: "Ave, Maria! / Ave, Jesus em carne florescida. / Ave, silêncio Radioso, / urdidura de paciência / Onde Deus fez seu amor inteligível ".

 

MARIA CRISTINA CASTILHO ANDRADE DA -É coordenadora Diocesana da Pastoral da Mulher e autora de "Nos Varais do Mundo / Submundo" --Edições Loyola

 



publicado por solpaz às 19:06
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 20 de Fevereiro de 2010
JOÃO ALVES DAS NEVES - Peço palavra: O INESPERADO FIM DO ANO DE 2009 QUE VIVI NO HOSPITAL DE SÃO JOAQUIM, EM SÃO PAULO
1- Talvez vez seja oportuno lembrar que, após um ataque de tosse, pode vir outro – e foi o que me aconteceu. Depois do primeiro, vieram muitos, embora ao chegar ao pronto-socorro do grande hospital da Beneficência Portuguesa esperasse achar depressa a mezinha salvadora e voltar para casa, antes que os meus filhos e netos fossem cumprir os programas que haviam feito para a noite de 31 de Dezembro. Mas não foi assim e eu e a minha Mulher ficámos num apartamento hospitalar confortável e em segurança.

Afinal, a broncopneumonia foi eficazmente combatida, mas não sem afetar outros órgãos, entre os quais o coração, a garganta e sei lá mais o quê e somente após 36 dias pude regressar a casa – espero que por bastante tempo! Sentia-me protegido, no hospital São Joaquim (a Beneficência Portuguesa de São Paulo inaugurou há meses as novas instalações do São José (que fica do outro lado da rua), moderníssimo (aliás, ambos estão super-equipadíssimos, dispondo de mais de 60 salas de cirurgia e de quase 2.000 leitos), contando com a assistência de cerca de 1.500 médicos e vários milhares de enfermeiro(a)s - no total, são perto de 5.000 os funcionários: admito que o conjunto hospitalar luso-paulista é não só o maior do Brasil mas também do vasto Mundo Português.

Aqueles que ainda não puderam avaliar o esforço da emigração portuguesa têm na Real e Benemérita Associação Portuguesa de Beneficência Portuguesa de Beneficência de São Paulo, fundada em 2 de Outubro de 1859, o exemplo da fé inquebrantável da Diáspora Lusíada, cujos representantes dispersos pelos 5 Continentes dignificam a Pátria distante e os países onde se radicam. Os emigrantes portugueses valem pelo que constroem!

2- Sim, quando temos dores, as noites custam a passar. E sem dores também custam: o silêncio não é apenas de ouro. A semi-sonolência levou-me com freqüência à aldéia natal e a toda a Beira-Serra, aos familiares e amigos, a Lisboa e a São Paulo (onde, afinal, eu me encontrava). E as pessoas vivas e mortas dialogavam comigo – lá em frente, eu via os soutos (que já desapareceram), as oliveiras e os meus amigos de outrora. E eu renascia! Sonho? Talvez, mas era o passado que se confundia com o presente, era o meu Pisão restaurado, após a grande luta que a gente da minha terra travou pelo progresso comunitário. E, entre os felizes minutos revividos, algumas mágoas e incompreensões dos que não me conhecem. Haja o que houver, valeu a pena!

3- Já estou outra vez na luta, mas, antes de concluir, quero agradecer aos amigos que me contactaram e desejaram “boa saúde”!
 
JOÃO ALVES DAS NEVES  -  Escritor português, radicado no Brasil. Foi redactor – editorialista de “ O Estado de S. Paulo”, durante trinta e um anos e professor - pesquisador da Faculdade de Comunicação Social Gásper Libero ( São Paulo), durante um quarto de século. Autor de cerca de três dezenas de livros publicados, seis dos quais sobre a obra de Fernando Pessoa. O seu último livro foi lançado em  em Lisboa, pela Editora Dinalivro, sob o titulo de “ Dicionário de Autores da Beira- Serra”, região onde nasceu.


publicado por solpaz às 13:25
link do post | comentar | favorito
|

Europa
mais sobre mim
Brasil
arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
Foz Coa
links