Blogue luso-brasileiro
Domingo, 25 de Abril de 2010
MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - PEDOFILIA

                       

 

 

A pedofilia é uma distorção da sexualidade. A pornografia, as agressões sexuais, as perversões como sexo em grupo, a zoofilia, a bestialidade e o sadomasoquismo também. E os prejuízos, inúmeros. Não somente leio a respeito, mas o convívio, de quase 28 anos, com mulheres, abusadas sexualmente na infância, que passaram ou estão na prostituição, me ajudam a escrever este texto.

Diversos meios de comunicação decidiram, nos últimos tempos, denegrir a imagem da Igreja, do Papa Bento XVI e do Clero, devido à denúncia de alguns padres (o número é muito reduzido, embora não justifique) que violentaram sexualmente crianças. Questiono o motivo de associarem, com alarde, somente a imagem desses padres a uma conduta pedófila, já que encontramos professor, médico, advogado, político, pai biológico, padrasto que cometeram o mesmo delito.  Estatísticas de delegacias de polícia e de setores de saúde que atendem vítimas de abuso sexual comprovam que os pais biológicos, padrastos e outros parentes próximos constituem o maior número de abusadores. Afirmar que o celibato gera a pedofilia é imbecilidade. É possível, sim, viver equilibradamente na castidade e na fidelidade. Se a extinção do celibato fosse condição para uma sexualidade sadia, a fim de que não acontecessem práticas sexuais ilegítimas, não existiriam, por exemplo, homens casados, na calada da noite, à procura de travestis. Não haveria clientes para os anúncios que oferecem mocinhas ou mocinhos que saciam prazeres e taras. Não aconteceria o comércio do sexo e o tráfico de seres humanos com esse objetivo.  Lamentável, ainda, as mulheres que abusam sexualmente de crianças, que as manipulam para seu prazer ou para transformá-las em fonte de dinheiro. Defendo uma ampla campanha de conscientização àqueles que se sentem sexualmente atraídos por crianças, que procurem ajuda médica.

Vivemos numa sociedade de homem instinto - diviniza a sexualidade como energia selvagem, sem canalizá-la para o amor -, de mulher objeto, de destruição da família, de decadência, em que se perdeu o significado do outro. Uma sociedade na qual muitos clamam pelo direito a matar crianças no ventre materno. E defender que se mate um bebê não causa repulsa como a pedofilia?

Detestável e absolutamente injustificável a atitude dos padres agressores contra indefesos. O Papa Bento XVI não encobriu o problema, agiu com firmeza, comentou sobre os danos que causaram às vítimas, sobre o descuido na seleção dos candidatos ao sacerdócio em alguns seminários e conclamou os bispos a garantirem os princípios da justiça e a comprometerem-se com a cura dos atingidos. Pediu perdão às vítimas.  Acusar o Papa de omisso é maligno.

A situação é séria. São discípulos que traem o Mestre. Judas na sociedade contemporânea. A Igreja e o Papa Bento XVI, porém, jamais compactuaram ou compactuam com a imoralidade, seja ela qual for ou de onde vier. Os que tentam, com esses fatos, abalar os alicerces da Igreja constituem o grupo dos que não suportam a voz forte em defesa da vida, da dignidade humana, da família. São os que se deixam levar pelo espírito de Lúcifer.

Em solidariedade ao Papa e ao Clero continuo reafirmando: “Creio na Igreja Uma, Santa, Católica e Apostólica Romana”, apesar da fraqueza de alguns de seus membros.

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DA ANDRADEÉ coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher e autora de “Nos Varais do Mundo/ Submundo” –Edições Loyola

 

 



publicado por solpaz às 19:09
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

GABRIEL CHALITA - O PAPA NÃO É O NOVO JUDAS

                       http://renatonalini.wordpress.com/

 


“Pedofilia é pecado e é crime. Pecado mortal e crime hediondo. Merece repúdio e sanção. Ato abjeto, condenável, qualificado na esfera legal como singular exemplo de hediondez. Se na instância religiosa obtém-se o perdão mediante honesto remorso e firme propósito de não mais pecar, no âmbito legal o castigo é a inevitável segregação da liberdade.

O Código Penal contempla a figura do atentado violento ao pudor – artigo 214 – o assédio sexual – artigo 216 – e a corrupção de menores – artigo 218, tipos suscetíveis de enquadramento da conduta do pedófilo. Nas disposições gerais pertinentes aos crimes contra os costumes, abriga a presunção de violência se a vítima é menor de 14 anos,  alienada ou débil mental e o agente conhecia esta circunstância e não pode, por qualquer outra causa, oferecer resistência – artigo 224. Além disso, a pena é aumentada de quarta parte se o agente, a qualquer título, tem autoridade sobre a vítima – artigo 226. Essa é a situação perante as normas religiosa e humana. Conhecer o fato, conhecer o seu autor, conhecer a lei. São as condições mínimas para se concretizar a justiça dos homens.

O atual estágio civilizatório se erige sobre postulados arduamente conquistados,  dos quais não se pode abrir mão, sob pena de retorno à barbárie. A opção pelo processo judicial já consiste em escolha ética, a substituir a justiça de mão própria ou o linchamento, este quando parte da comunidade toma a si a tarefa do carrasco.

Dentre os dogmas do processo penal contemporâneo, situam-se o contraditório e a ampla defesa e o princípio de que a sanção incidirá sobre o criminoso e não resvalará sobre outras pessoas. Inadmissível, em nossa era, transigir com a singela dicção: a pena não passará da pessoa do criminoso. O eixo da individualização da responsabilidade parece ter sido afetado nestes dias, por uma teimosa insistência em atribuir a Bento 16″ culpa que ele não tem. A pedofilia teve início na noite dos tempos. É mais um traço da miserável condição humana e a Igreja nunca pactuou com ela. Quem   poderia indicar algum religioso – de qualquer confissão – que a tenha louvado?

Em seu pontificado, o Papa reiterou o repúdio em relação a qualquer inobservância aos preceitos evangélicos. Firme na ortodoxia, já foi taxado de conservador e se receava um retorno ao anacronismo, à época em que eleito pelo Colégio Cardinalício. Eis que se surpreendem os incrédulos. Sua primeira Encíclica foi sobre o amor. Mostrou-se magnânimo, terno e afável. Amigo das artes, dos artistas, do belo e do lúdico.

Em relação à pedofilia na Igreja, nítida a sua consternação. Pediu perdão às vítimas, lamentou que mais essa chaga continuasse a ser acrescentada ao atemporal sacrifício do Salvador. Aquele que Se imolou para redimir a humanidade. Diante disso, como se justifica o furor em execrá-lo, se não é pedófilo, se perfilhou – como não poderia deixar de fazer – frontalmente contra esse crime – se nunca se acumpliciou com os que chafurdaram nessa lama?

Aponte-se um fato ocorrido no curso de seu pontificado e que não tenha merecido resposta da Igreja. Acusá-lo em relação a práticas anteriores é arremessar sobre seus ombros,  já sacrificados pela carga imensa de responder pelos desafios da Igreja de Cristo num século turbulento, o peso insuportável do injusto flagelo. Nem se invoquem omissões passadas. A função exercida pelo Cardeal Ratzinger na hierarquia da Igreja Católica, durante o longo período sob João Paulo II, era zelar pela Doutrina da Fé. Foi ele quem sistematizou e atualizou a normatividade a que se deve submeter a comunhão dos fiéis. Seu desempenho foi modelar, com estrita fidelidade à verdade evangélica, sem se curvar às pretensões de quem reclamava um aggiornamento desconforme com as exigências cristãs.

A Doutrina da Fé não equivale e nem possui as atribuições de uma Corregedoria Eclesiástica. Ratzinger é um pensador, um respeitado filósofo, reconhecido autor de uma obra consistente. Já integrava a Pontifícia Academia Vaticana de Ciências, seleto grupo de intelectuais de todo o mundo, sem distinção de crenças e dentre os quais figuram muitos galardoados com o Prêmio Nobel. Causa perplexidade que tantos se satisfaçam com explicações psicológicas para os desvios de comportamento,   se oponham à distinção binária entre o permitido e o proibido, e,  simultaneamente, sejam tão severos em relação a Bento XVI. Aqui não se invoca a presunção de inocência, nem se insiste no exaurimento do contraditório. Duplo perigo: usar de diferentes pesos, de distintas medidas, perante situações que, ontologicamente, ostentam um núcleo comum.

Os pedófilos precisam de corretivo. Sabem que procedem erradamente, caso contrário agiriam às escâncaras. Mas os infratores são eles, não o Papa. Este é o chefe de uma Igreja que tem milhares de sacerdotes santos, de leigos a caminho da santificação. Mas que é instituição humana, também falível e pecadora. E que, definitivamente, não é a instância encarregada de julgar os infratores da lei penal. A Semana Santa, que a mídia prefere chamar de “feriadão”, neste ano de 2010 representou um espinho a mais na coroa de Cristo: a tentativa de fazer de Seu  NÃO representante o antigo “bode expiatório” do sábado de Aleluia. Regredir em termos de princípios é muito grave. Desestrutura os alicerces da civilização e acelera a marcha-ré que parece remeter o mundo rumo ao caos.”

 

GABRIEL CHALITA  -   é docente universitário, doutor em Filosofia do Direito e Semiótica, ex-Secretário da Educação de São Paulo e Presidente do CONSEDE, além de vereador da Capital Paulista.

 

Do blogue de: JOSÉ RENATO NALINI, que  é desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo e Presidente da Academia Paulista de Letras.



publicado por solpaz às 18:58
link do post | comentar | favorito
|

PAULO ROBERTO LABEGALINI - OS DOZE "SIM" DE MARIA - PARTE ll

  

                                

 

 

Alguns de meus artigos rendem um pouco mais daquilo que normalmente se pode esperar nesse tipo de evangelização. Na semana passada, quando comentei as intenções das dez Ave Maria que rezei, diversos amigos pediram mais uma por outra causa ou ofereceram orações a mim. Rezando mais, se aproximaram dos céus e novas graças também receberam.

Oração é um banho em Deus, um mergulho no amor Divino; e quem faz uma experiência profunda na fé altera o futuro de muitas pessoas, como São Francisco que, mudando de vida, transformou o rumo da História. Portanto, o banho em Deus nunca é sozinho.

Ouvi isto do Padre Maristelo no Retiro para a Festa de Nossa Senhora do Sagrado Coração, sábado passado, dia 24. Ele fez reflexões a partir do documento: ‘Maria, rumo ao novo milênio, publicado pela CNBB em 1998. Irei citar os doze ‘sim’ da Santíssima Virgem no final do texto, mas, até chegar nesse parágrafo, transcreverei minhas anotações do Retiro.

Sabemos que, embora batizados para uma vida na santidade, quase todos reclinam dessa condição e caem nos piores pecados. Com Maria Santíssima não foi assim. Concebida sem pecado original, se tornou a primeira discípula de Jesus, além de a mais pura alma que passou pela Terra, a mais santa e a escolhida do Pai. Para São Lucas, ela é a perfeita discípula, aquela que respondeu sempre: ‘Eis-me aqui, Senhor’. Por isso, Nossa Senhora ocupa um lugar especial na Igreja e, considerando que nossa consciência afetiva está no coração, nós a veneramos ainda mais a cada dia.

Na minha vida, muita coisa aconteceu e mudou para melhor com ela. Eu me chamaria Maria Auxiliadora se nascesse mulher e, desde pequeno, as comunidades que freqüentei foram todas marianas: Fátima, Medalha Milagrosa, Soledade, Agonia e do Sagrado Coração. Minha conversão maior em 1994 aconteceu quando comecei a rezar o terço e coloquei no peito uma medalha de Nossa Senhora.

Todas as curas e grandes graças que alcançamos em família tiveram a intercessão de Maria. E mesmo sabendo que todo poder vem do Altíssimo, sem a ajuda da querida Mãezinha nossa caminhada teria sido mais difícil. Então, faz muito sentido para mim a frase: ‘Tudo por Jesus, nada sem Maria’. Também a música que cantamos nas missas é sempre oportuna: ‘Oh, vem conosco, vem caminhar, santa Maria vem!’.

Quem não perde a devoção em Nossa Senhora é mais feliz, porque somos seus filhos pelo laço da fé e ela é a imagem daquilo que a Igreja quer. E o que mais me ajuda a viver com ela é a perseverança na fé. Caminho sabendo que nunca estou sozinho e posso receber aquela ajuda que mais preciso. Também acredito piamente nos quatro dogmas de Maria: Mãe de Deus, Virgem Santa, Imaculada Conceição e Assunção ao Céu.

Os doze ‘sim’ que disse a Deus fizeram dela a santa maior da Igreja. Eis um pouco daquilo que aprendi e guardo no coração:

O ‘sim da salvação’ na anunciação do anjo, o ‘sim da caridade’ na visita à prima Isabel, o ‘sim da vida’ no nascimento do Filho, o ‘sim da obediência à tradição’ na apresentação do Menino no Templo, o ‘sim do Plano de Deus’ na fuga para o Egito, o ‘sim à família’ na perda e encontro do Filho, o ‘sim da humildade’ ao saber que Jesus disse “minha mãe e meus irmãos são os que fazem a vontade do meu Pai”, o ‘sim da intercessão’ quando pediu vinho ao Filho nas Bodas de Caná, o ‘sim do silêncio’ quando acompanhou Jesus caminhando para o Monte Calvário, o ‘sim de Mãe da Humanidade’ ao acolher aos pés da cruz a vontade de Deus: “Mulher eis aí teu filho”, o ‘sim da felicidade’ ao saber da ressurreição, e o ‘sim de Mãe da Igreja’ em Petencostes.

Eu gostaria de explicar um a um, mas prometi que contaria esta história neste artigo:

Construía-se uma grande catedral e muitos operários se ocupavam dos acabamentos. Um pavilhão fora especialmente preparado para outro importante trabalho – era o atelier dos escultores das imagens.

 Um dia, um senhor resolveu penetrar na intimidade daquele recinto e, tendo identificado o mestre escultor, aproximou-se e contemplou o que fazia. Era a estátua de uma figura humana, entalhada em fino mármore. Lá pelas tantas, atreveu-se a indagar:

– Esta é a imagem que irá para o altar-mor?

O escultor voltou-se para ele como quem emergisse de profunda concentração e contestou:

– Não, este é um dos doze apóstolos que serão colocados ao longo do alinhamento mais elevado da cobertura.

– Nesse caso, as imagens ficarão a grande altura do solo e os detalhes jamais poderão ser apreciados! Vale a pena dedicar tanto tempo a isso?

A resposta do escultor veio rápida, encerrando o diálogo com sabedoria:

– Ele verá!

Pois é, caro leitor, mesmo que nem todos saibam de nossa paixão pela Mãe do Nosso Senhor, Ele sabe. A partir disso, Jesus fará florir no deserto da nossa vida. Isso aconteceu com o Padre Júlio Chevalier, que pediu para esculpir a imagem de Nossa Senhora do Sagrado Coração, onde o Menino aponta para a Mãe, como se dissesse: ‘Ela soube como chegar ao meu Coração’.

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI --    Escritor católico, Professor Doutor da Universidade Federal de Itajubá-MG. Pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária da UNIFEI



 



publicado por solpaz às 18:51
link do post | comentar | favorito
|

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI - 03 DE MAIO, DIA INTERNACIONAL DA LIBERDADE DE IMPRENSA

                      

 

 

 

Atualmente a Liberdade de Imprensa implica não só na autonomia da informação, como no seu acesso. Tanto que um dos preceitos do Estudo       Especial sobre o Direito de Acesso à Informação,  documento da Comissão        Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), órgão da Organização dos        Estados Americanos (OEA) dispôs que “o acesso à informação constitui          ferramenta essencial para combater a corrupção, transformar em realidade o princípio da transparência na gestão pública e melhorar a qualidade de nossas             democracias”.

 

Em 1993, a Assembléia Geral da ONU – Organização das Nações Unidas proclamou três de maio como o DIA INTERNACIONAL DA LIBERDADE DE IMPRENSA, com base numa resolução da UNESCO que estabeleceu o preceito de que  uma imprensa livre, pluralista e independente, é componente essencial de qualquer sociedade democrática. Esta data foi assim designada em homenagem a Declaração de Windhoek para Promover uma Imprensa Africana Independente e Pluralista, aprovada a 3 de maio de 1991 pelo Seminário realizado em Windhoek (Namíbia) sobre o mesmo tema. Trata-se de uma celebração de suma relevância, posto se constituir numa ocasião para relembrar ao mundo o quanto é importante proteger um dos direitos fundamentais da pessoa humana que é a liberdade de expressão.

Na atualidade, prevalece a autonomia de informação, que em sentido amplo, abrange, tanto a aquisição como a comunicação de conhecimentos. Alcança o que, na lição de Aluízio Ferreira, “é o direito de estar informado, independentemente do modo de obtenção da informação (direito à informação), bem assim o direito a ter e compartilhar a informação (direito à comunicação)” (in Direito à Informação, direito à comunicação. São Paulo:Celso Bastos,1997, p.168).

      A liberdade de expressão e opinião foi consagrada pelos artigos 10 e 11 da Declaração de Direitos do Homem e do Cidadão, com a vitória da Revolução Francesa: “Nenhum homem pode ser molestado por suas opiniões, incluindo opiniões religiosas, desde que sua manifestação não perturbe a ordem pública estabelecida pela lei”; “A livre comunicação das idéias e das opiniões é um dos mais preciosos direitos do homem; todo cidadão pode, portanto, falar escrever, imprimir livremente, respondendo, todavia, pelos abusos desta liberdade nos termos previstos na lei”. No mesmo sentido, o artigo 19 da Declaração Universal de Direitos Humanos da ONU de 1948, expressamente a agasalhou: ‘Toda pessoa tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferências, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras”.

Atualmente a liberdade de imprensa se revela como a de informação por qualquer meio jornalístico, aí compreendida a comunicação e o acesso ao que se informa. Ou seja, preserva-se, de um lado, a perspectiva individual do direito à informação, que dá à liberdade de imprensa ainda uma dimensão de direitos de manifestação do pensamento assegurado ao indivíduo. Mas, de outro, garante-se um direito, que é verdadeiramente coletivo, de acesso à informação. Com efeito, os Estados devem mostrar um maior compromisso em criar, quando não as tenham, “leis que assegurem o acesso à informação como um direito humano, para ajudar a consolidar as democracias nas Américas”. Essa é a recomendação mais importante do Estudo Especial sobre o Direito de Acesso à Informação – um documento de 53 páginas divulgado no dia 27 de agosto de 2007 pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), órgão da Organização dos Estados Americanos (OEA).

Por outro lado, de acordo com a comissão MacBride (UNESCO), os pressupostos do direito à informação são: - “direito a saber, isto é, a ser informado e a procurar livremente qualquer informação que deseja obter, principalmente quando se refere à vida, ao trabalho e às decisões que são necessárias adotar tanto individualmente quanto como membro da comunidade. A negativa de comunicar uma informação, ou a divulgação de uma informação falsa ou deformada, constituem uma infração desse direito; -  direito do indivíduo transmitir  aos outros a verdade, tal como a concebe, sobre as suas condições de vida, as suas aspirações, as suas necessidades e as suas queixas. Infringe-se esse direito quando se reduz o indivíduo ao silêncio mediante a intimidação ou uma sanção, ou quando se nega a ele o acesso a um meio de comunicação; e - direito a discutir: a comunicação deve ser um garante à livre aceitação das ações coletivas e permite ao indivíduo influir nas decisões que tomam os responsáveis”.

A informação é imprescindível ao debate das teorias para reacender a cobrança da ética e esta, não contempla apenas resultados, mas princípios e sem ela, as instituições políticas não se completam, nem atingem seus objetivos constitucionais. A sua autonomia é o núcleo de qualquer sistema democrático, ressaltando-se que a responsabilidade por qualquer expressão divulgada é o sustentáculo de tal premissa. Por isso, a liberdade de imprensa é consagrada constitucionalmente e não deve sofrer quaisquer restrições, a não ser que propositadamente esbulhem outras aspirações humanas fundamentais, como os direitos da personalidade (direito à vida privada, à honra e à imagem).

 

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI é advogado, jornalista, escritor e professor universitário 



publicado por solpaz às 18:44
link do post | comentar | favorito
|

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - AMOR DE PAPEL

                     

 

 

            Desconfio de que eu deva ter, em meu mapa genético, algum pedacinho de material oriundo de uma traça. Nem faço idéia de como isso possa ter acontecido. Não acredito que a origem tenha sido ocasional, acidental, sendo mais provável que seja romântica mesmo. Pelo histórico que conheço de parte da família, dos meus antepassados, o amor pelo papel é algo bem antigo.

            Só para não ir muito longe, posso vislumbrar os sintomas disso no comportamento dos meus dois avôs. Um deles, o materno, estudado, assinava jornais, revistas, fazia parte do Clube do Livro e tinha um escritório cheio de todo tipo de papel. Curiosamente, muitos anos depois, eu me vi assinando o mesmo jornal, as mesmas revistas. Meu avô paterno, por outro lado, não tendo tido a oportunidade de estudar muito, seguiu, só meio alfabetizado, lendo o que lhe caía às mãos. Foi com ele que aprendi a amar os gibis, paixão que carrego até hoje.

            Falando sobre eles, meu gene meio gente, meio traça, já ativa algum secreto botão nos meus sentidos, e eu posso sentir, como se lá estivesse, os aromas que exalavam dos livros, tanto no escritório de escuros e pesados móveis do pai de minha mãe, quanto da velha estante que ficava em um canto da padaria do pai do meu pai.

            Assim como eu, eles pareciam ser seduzidos pelo papel, cada qual na sua medida, na sua forma, mas não duvido de que tudo fosse um mesmo amor, o amor pelas palavras que impressas no papel, propiciavam viagens que só alguns corações sabem fazer.

            Tendo descendência de traça dos dois lados da família, é claro que a coisa toda, em mim, potencializou-se. Sou simplesmente louca por papel. Quando eu era criança, mesmo quando não sabia ler ou escrever, eu já me encantava com os cadernos e livros, em seus mais variados formatos. Gosto do cheiro de livro novo, de folhear rapidamente as páginas para delas extrair um aroma que não sei descrever, que não sou capaz de classificar, mas que me traz somente boas recordações. Ainda que possa parecer estranho, essencialmente a alguém tão alérgica como eu, até o cheiro do papel velho me encanta. Entre um milhão e meio de espirros, viajo no tempo, transposta para antigas bibliotecas, para o meio de segredos e histórias aprisionadas entre as linhas, como tesouros escondidos...

            O meu encantamento pelo papel me leva ao amor pelas folhas e blocos em branco, nos quais derramo, mentalmente, assim que os vejo, “zilhões” de histórias e estórias. Aprecio os diferentes formatos, cores, texturas e, por um minuto, sinto-me tentada até a experimentar o gosto deles, em um devaneio típico de quem é mestiço de traça...

            Sei que, infelizmente, o meu amor pelo papel não é ecologicamente correto. Sinto-me culpada pelas árvores que são derrubadas, por tudo que a natureza perde, mas tenho a esperança de que, um dia, o papel reciclado ganhe força e substitua os demais, ou ainda que somente madeira especificamente plantada para esse fim seja transformada em papel. De toda forma, traça que é traça aprecia a mudança do cardápio e, como tal, acho o papel reciclado simplesmente maravilhoso, detentor de uma beleza e charme únicos.

            Sou compradora compulsiva de livros. Gosto de me cercada por eles. Gosto de olhar minhas estantes somente para saber que eles estão por ali, aguardando minha atenção, esperando-me para mais uma viagem, para destinos e aventuras que só posso antever em parte. Tenho dificuldades até de emprestar os meus livros e só o faço para aqueles que sei que os lerão e deles cuidarão com amor. Eu os envio ao mundo, ao deleito alheio, mas vivo deles aguardando o retorno.

            Traça que é gente, não mastiga o papel, mas o devora, igualmente, com os olhos, saboreando-o no coração...

 

 CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA- Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo



publicado por solpaz às 18:37
link do post | comentar | favorito
|

Cfd. ALUIZIO DA MATA - OBRAS DE MISERICÓRDIA

                        

 

 

 

Jesus pediu a Santa Faustina que propagasse a Festa da Divina Misericórdia e que tal festa deveria ser realizada no primeiro domingo depois da Páscoa. Para quem não sabe ou não se lembra, Jesus prometeu que quem se confessasse e comungasse naquela celebração não se perderia, pois Ele iria distribuir uma imensidão de graças e na hora da morte a pessoa encontraria NELE o refúgio necessário para tão terrível momento. E Jesus completou: “É a minha última tábua de salvação dada à humanidade”.

Sei que Ozanam se inspirou nos ensinamentos de Jesus, para fundar a Sociedade de São Vicente de Paulo. E Jesus foi quem melhor praticou as Obras de Misericórdia. Melhor modelo Ozanam não poderia ter.

Se nos lembrarmos das Obras de Misericórdia, tanto as Corporais quanto as Espirituais veremos que elas devem fazer parte do cotidiano do vicentino. Que vicentino não é chamado para praticar as Obras Corporais: “Dar de comer a quem tem fome; Dar de beber a quem tem sede; Vestir os nus; Dar pousada aos peregrinos; assistir aos enfermos; visitar os presos; enterrar os mortos”?

E também praticar as Obras Espirituais: “Dar bons conselhos; Ensinar os ignorantes; corrigir os que erram; Consolar os tristes; Perdoar as injúrias; Sofrer com paciência as fraquezas do nosso próximo; Rogar a Deus pelos vivos e defuntos”?

Cada confrade e cada consócia deveriam na reunião semanal da sua Conferência fazer um exame de consciência para ver se durante a oitava praticaram todas as obras de Misericórdia. Se dermos uma parada agora e meditar sobre as sete Obras de Caridade Corporais e as Sete Obras de Caridade Espirituais, poderemos dizer que as estamos praticando?

É interessante notar que Deus dá a todas as pessoas a oportunidade de praticá-las quando coloca em nosso caminho a nossa família, nossos amigos, nossos conhecidos, e aos vicentinos, em especial, Ele ainda dá os assistidos para que possamos praticar tais virtudes. Cabe um exame de consciência sério. Se conseguirmos praticar algumas dessas Obras, estaremos no caminho certo, mas se praticarmos todas elas estaremos no caminho da santidade. E é isso que Deus quer de cada um de nós.

 

ALUIZIO DA MATA - Vicentino, Sete Lagoas, Brasil



publicado por solpaz às 18:32
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 24 de Abril de 2010
HUMBERTO PINHO DA SILVA - A MINHA CIDADE JÁ NÃO É O QUE ERA

                      

 

 

                  Em anos de juventude o meu passatempo favorito era peregrinar pelo velho burgo portuense: subir íngremes calçadas lajeadas a granito; descer estreitas escadinhas, entaladas em prédios centenários; calcorrear as tortuosas vielas da Sé e antigas ruas bafientas da Vitória.

                  Não ia só. Como companheiro tinha guapo rapaz: baixo, esbelto e imparável conversador, que informava-me da genealogia das tradicionais famílias tripeiras e seus perdidos ramos em terras do Minho e além Marão.

                   De companheiro de escola, passou a amigo e confidente, e muitas vezes era ele que me convidava a essas incursões.

Nessa recuada época passear pela cidade era prazer que se cultivava. Os cafés permaneciam abertos até altas horas e os cinemas transbordavam. Os mais remediados, que se declaravam da classe média, recreavam-se deambulando pela baixa, observando vitrinas. Chegava-se a convidar amigos e parentes para esses passeios noctívagos.

Caminhava-se seguro e os guardas eram garantes da tranquilidade.

Ora, como disse, na companhia amiga de Manel Alpendurada, em regra após o almoço, realizava essas visitas de estudo. Era nesse tempo perito em história da cidade. Lia muito Magalhães Basto e Conde d’Aurora.

  

 

                      

                                      Arco das Verdades   

           

                        

                   Casa onde nasceu o Infante D. Henrique

 

                     

                   

                                    Igreja de S. Nicolau

 

                                                 

                          Entrada da Igreja da Santa Clara

 

 

Lembrei-me, hoje, da nossa curiosidade juvenil, ao atravessar o tabuleiro inferior de D. Luís I e topar que a Ribeira renasceu.

Agora está cheia de restaurantes típicos, repletos de turistas; mas então o espaço animava-se de vendedeiras: de peixe, fruta, flores e pano. Sob os arcos haviam mercearias e tasquinhas. Mercava-se: azeitonas, castanha, batata, cerejas de saco e na época própria, o sável era tanto que se oferecia a cinco tostões, peixão capaz de alimentar regimento.

Na velha rua de S. João – quantas vezes a subi com o Mane!, -  nesse tempo haviam fortes armazéns. Fardos de bacalhau, sacos de arroz e batata saiam de camionetas, aos ombros de pujantes carrejões.

Todo esse frenético movimento morreu. Os prédios permanecem degradados e o pouco comércio que sobrevive não consegue quebrar o marasmo.

Neste meu recordar tempos que já não são, subi até largo de S. Domingos e entrei na rua das Flores.

Quando era jovem abundavam casas de ferragens e pichelarias. Haviam grandes armazéns e muito oiro. Tudo desapareceu; até a queijaria do Nunes, onde minha mãe adquiria o flamengo, e a Casa do Chã, onde meu pai comprava cem gramas de Ceilão, fecharam.

E sempre ao longo do passeio que realizei para reviver tempos idos, deparei casas delapidadas, abandonadas, desventradas. A baixa portuense encontra-se em ruínas, salvam-se os rés-do-chãos. Alindados pelas lojas, muitas ocupadas por chineses e indianos.

Onde estão os famosos estabelecimentos de outrora? A Casa Forte, a Lãmaria, Armazéns dos Anjos, Singer, Confiança, Simões Lopes e as livrarias Figueirinhas, Tavares Martins e Internacional, onde meu pai permanecia tardes ao redor dos escaparates?

Tudo desapareceu. Tudo se alterou. Outrora a minha cidade era calma, tranquila e acolhedora; ora, violenta, perigosa, deserta após as vinte horas; sem cinemas, sem cafés, sem movimento e quase sem polícia.

Quem hoje se aventura percorrer o velho Porto? Quem tem coragem de sair após o jantar? Quem ainda conserva o costume do passeio dos tristes?

A minha cidade está moribunda. O Porto da minha juventude, rasgado de alegres pregões, bicicletas, ardinas, peixeiras, padeiras, de crianças brincando, já não existe.

Ah que saudade tenho! Saudade do tempo em que o Porto era verdadeiramente tripeiro!

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -   Porto, Portugal

 



publicado por solpaz às 17:02
link do post | comentar | favorito
|

CLARISSE BARATA SANCHES - TEMPOS MODERNOS

 

A Dona Cortesia era casada;

O marido chamava-se Respeito.

O filho era Gentil, a filha Dada,

No tempo em que isto andava mais direito...

 

Não se usava mesada ou semanada:

Honrava-se a velhice com mais preito.

Por todos era ela acarinhada

E não havia, não, tanto suspeito…

 

Família, agora, é só tu cá, tu lá…

O professor ninguém o cumprimenta;

Aprende-se o Inglês… É o que há.

 

 

Respeito, Cortesia, Educação

Por mal de tanta “dor”, se não alenta,

Descoram a bandeira da Nação!

 

 

Clarisse Barata Sanches   -  Goís, Portugal



publicado por solpaz às 16:58
link do post | comentar | favorito
|

TEREZA DE MELLO - A PULSEIRA

                        

 

 

      Era uma pulseira que andava sempre metida no braço, usava-a de dia e de noite. Nunca a tirava, fazia parte de mim. Era uma pulseira vulgar de ouro, como muitas outras as que tinha um berloque lindo formado por um grande, rubi rodeado de brilhantes

Naquele ano ao chegar à Ponte da Barca esperavam-me os afazeres do costume e me deixavam de rastos tentando abrir com grandes chaves as arcas todas empenadas onde se guardavam os cobertores das camas, abrir os armários da roupa que cheiravam a mofo tendo atravessado a humidade espessa dos Invernos do Minho, fazer as camas em todos os quartos, na casa de jantar abrir outros armários, tirar as pratas, os vidros, os cristais, colocar a colecção de garrafas antigas no seu lugar habitual uma cómoda com quinhentos anos de vida. Depois destapar os sofás os “maples”, desenrolar os tapetes, enfeitar as mesas com retratos, “bibelots”, objectos de cobre e de estanho, tocheiros etc.

 

Só no fim descansava exausta de tanto pôr em ordem, enquanto a Micas se encarregava de limpar o pó, de lavar os vidros e as louças, sempre com a sua alegria acostumada, enquanto eu lhe ia perguntando por um ou por outro da vila. Naquele dia de chegada eram as festas de São Bartolomeu e até à casa, pelas janelas abertas, chegavam os sons das concertinas e dos coros dos ranchos que de todas as aldeias em redor afluíam à Barca.

 

Não resisti e depois do jantar lá fui para a rua juntar-me a todos os que cantavam ou dançavam. Cantei e dancei toda a noite: viras, chulas, canas-verdes, malhões, sempre mais depressa, braços no ar, passos difíceis, voltas e mais voltas e uma alegria interior que me saia pela garganta... toda a noite nisto e que alegria.

 

Já em casa ao deitar-me vi que não tinha o rubi da pulseira. E logo perdi a alegria que trazia comigo. No dia seguinte de manhã fui falar com as raparigas que varriam as ruas --- conhecia-as todas --- e pedi-lhes que me ajudassem a procurar uma pedra redonda encarnada,” ajudem que é de estimação...” Pedi, implorei, prometi numa compensação ...

 

Deviam pensar que era tonta, tanta ralação por uma pedrinha que nunca se encontraria no meu da terra, mas queria lá saber! Elas conheciam-me desde pequena e certamente já tinham opinião formada sobre mim, fosse ela boa ou má. Não era o meu pedido que a ia alterar, certamente.

 

Eu também procurava de olhos fixos no chão, com um pau que afastava as palhas, a terra, as folhas, o lixo. Corri a vila por todos os sítios onde tinha estado e nada, procurar agulha em palheiro era certamente o que andava a fazer, eu sabia isso, mas não era capaz de desistir e ia rezando a Santo António, de quem sou devota, pensando ao mesmo tempo que o Santo não se deveria interessar por um pedido tão material. Mas como sempre me tinha atendido em casos de aflição insistia e dava voltas... Depois voltei para casa e desolada continuei à procura, para ao fim de horas desistir e não me resignar.

 

Quando regressei a Lisboa fui a um ourives para substituir a pedra, mas era tão caro que desisti e guardei a pulseira para nunca mais a usar. Passaram-se Verões, Invernos e mais Verões, mas, este ano,  como de costume ao voltar à Barca repetindo o ritual de sempre das as arcas, dos armários, das roupas, das pratas dos vidros, das louças e das garrafas,  ao tirar uma delas  toquei numa coisa fria que estava em cima duma prateleira. Pensando ser um bicho de conta morto, peguei num pano e com cuidado tirei – o para fora.

 

Era a safira que durante todo aquele tempo tinha estado ali bem perto de mim. Santo António ouvira-me, embora tivesse levado muito tempo.

 

Teresa de Melloescritora, natural de Lisboa 

 



publicado por solpaz às 16:50
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 20 de Abril de 2010
PAULO ROBERTO LABEGALINI - OS DOZE "SIM" DE MARIA - PARTE I

                         

 

  

 

Se você tivesse que rezar apenas dez Ave Maria e oferecê-las pedindo ou agradecendo algo, quais seriam suas intenções? Acredito que poderia não ser tão fácil lembrar-se de tudo que considera importante na vida, mas, com tempo para pensar, os critérios para isso brotariam do coração.

Na minha opinião, sentimentos de amor devem permear todas as intenções, permitindo inclusive rezar pelos inimigos – se houver. Nossa Senhora não abençoaria pedidos que contrariam princípios de cristandade; por isso, todo cuidado é pouco nas escolhas dos objetivos das orações.

Minha primeira Ave Maria seria pedindo graças à minha família, não por egoísmo, mas para continuarmos tendo paz, saúde, fé no coração; e melhor servir a Deus. A estes pedidos, certamente acompanhariam outros ocultos: esperança, coragem, emprego, caridade, felicidade etc. Eu colocaria tudo na mesma oração que, de tão fortes palavras, agraciaria muita gente que precisa de paz.

Consciente disso, a segunda eu ofereceria às intenções que guardo escritas em meu oratório. São casos de desempregos, doenças, vícios, pobreza e outros mais. Você já pensou em ter uma lista permanente de nomes aos pés de uma imagem de Nossa Senhora? Sabia que muitas graças podem ser alcançadas assim? Logicamente que a oração não pode faltar, mas evitaria repetições que demandam muito tempo. Considero que rezar uns pelos outros são presentes do Céu!

A terceira Ave Maria seria pelas intenções do Santo Padre, o Papa. Pode parecer estranho uma intenção contemplar outras, porém, nesse caso, eu estaria rezando pela construção do Reino nos corações dos homens. Ninguém sabe mais daquilo que a Igreja precisa do que o nosso querido Pastor, Bento XVI. Ah, só lembrando: eu também sempre rezo pelas intenções de minha mãe, que pede graças para um monte de gente!

A quarta oração seria pela libertação das almas do purgatório. Quantos parentes e amigos podem estar esperando a oportunidade de se encontrar com Cristo! Tais almas não conseguem mais se ajudar, porém, podemos e devemos rezar por elas, principalmente as esquecidas e as que mais precisarem da misericórdia Divina. E, com certeza, todas que ajudarmos a entrar no Céu intercederão a Deus por nós.

Quinta Ave Maria: pelos religiosos, missões e vocações do mundo inteiro. Se a messe está diminuindo é por culpa nossa – faltam orações e valores cristãos nas cabeças das pessoas. É preciso mais joelhos no chão e terços nas mãos para melhorar a força-tarefa da evangelização. Quem foi batizado em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, pode reclinar do seu compromisso missionário?

A sexta eu rezaria pelas pessoas que sofrem: desempregados, injustiçados, internados em hospitais, viciados, abandonados e incrédulos. Sim, também os incrédulos sofrem, e muito! Mesmo eu não conhecendo todos os sofredores da Terra, Nossa Senhora saberia quem mais precisa de graças e conversões.

Sétima Ave Maria: pelas pessoas que convivo diariamente no trabalho e nas pastorais da Igreja. Também ofereceria a todos os leitores que prestigiam e crescem com as mensagens que escrevo neste jornal, e mais: pediria bênçãos àqueles que rezam por mim. Rogaria à querida Mãezinha que retribuísse com graças o carinho de todos.

Oitava oração: em agradecimento a tudo aquilo que sou, que tenho e que farei. Sei que, se depender da vontade Divina, somente coisas boas virão e fatos ruins não mais voltarão. Aprendi bastante com os erros que cometi e, hoje, aceito melhor o Plano de Deus em minha vida.

A nona Ave Maria eu colocaria na intenção mais urgente que trago no coração e, no momento, pediria perseverança na fé aos cursilhistas que participaram do 20º Cursilho Masculino de Cristandade no final da semana passada. Quem os viu e quem os vê! Na segunda-feira, muitos estavam na Escola Vivencial à noite e transbordavam alegria – são pessoas que receberam mais uma graça na vida. Como nos disse o Pe. Edvaldo naquela noite: graça é um presente fora de hora; mesmo não merecendo, é um grande favor que vem exclusivamente pela bondade de Deus.

Completando a dezena, rezaria a última pelos assistidos da Sociedade São Vicente de Paulo no mundo inteiro. São centenas de pessoas que dependem de outras para sobreviver. Para quem não sabe, o vicentino serve Jesus Cristo na pessoa do pobre e se santifica pela obra de caridade. É preciso muito amor no coração e muita ajuda do alto para dar conta de milhares de miseráveis por toda a parte. Uma Ave Maria é pouco pra tanta gente, mas a intenção é que vale.

E quem estará acolhendo cada continha de um mistério do terço será nossa maravilhosa Mãezinha do Céu, que disse os ‘doze sim’ na história da humanidade. Sobre isto escreverei no próximo artigo, mas encerro este dizendo que agrada muito o Senhor louvar Nossa Senhora. Ele que tudo sabe e tudo vê, conhece bem o coração daquele que ama a filha de Deus-Pai, a mãe de Deus-Filho e a esposa do Espírito Santo.

A historinha que faltou hoje também estará na continuação deste texto. Até lá.

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI --    Escritor católico, Professor Doutor da Universidade Federal de Itajubá-MG. Pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária da UNIFEI

 



publicado por solpaz às 19:40
link do post | comentar | favorito
|

Europa
mais sobre mim
Brasil
arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
Foz Coa
links