Blogue luso-brasileiro
Terça-feira, 26 de Julho de 2011
PERÍODO DE FÉRIAS

 

BannerFans.com

 

 

 

 

Por motivo de férias, como tem acontecido nos anos anteriores, não será actualizado o blogue durante o mês de Agosto.



publicado por solpaz às 12:30
link do post | comentar | favorito
|

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - O SEPULCRO VAZIO

                       

 

 

A Igreja celebrou, em 22 de julho, a festa de Santa Maria Madalena. Foi ela grande colaboradora de Jesus Cristo, seguiu-O até a cruz. Presenciou a crucificação, a sepultura, o túmulo vazio e a ressurreição.

A teóloga holandesa Esther de Boer, em seu livro “Maria Madalena - A Discípula Amada” – 2005, Paulus Editora, analisa essa discípula do Senhor nos quatro Evangelhos a partir da ressurreição. Em MARCOS, destaca o medo. Grande foi o susto dela, de Maria mãe de Tiago e Salomé ao entrarem no sepulcro e verem sentado um jovem vestido de branco que lhes anunciou que Jesus havia ressuscitado. Para MATEUS, a fé ocupa o lugar central. O anjo lhes disse que não temessem, mostrou o lugar onde repousara o corpo de Jesus. Com alegria, elas foram anunciar aos discípulos que Ele ressuscitara. LUCAS recorda que Maria Madalena era a mulher de quem Jesus expulsara sete demônios. O número sete pode indicar a totalidade. Nesse caso, Maria Madalena teria sido possuída totalmente e curada plenamente. Para os helenistas, segundo Boer, a alma era constituída por oito partes: a faculdade de sentir, ouvir, tocar, saborear, ver, desejar e falar. A oitava era a que comandava. Possuía, como tarefa, dominar as outras faculdades e orientá-las. Cada uma delas, porém, pretendia chegar a uma harmonia com o Divino. Nessa perspectiva, Jesus teria restituído a Madalena a capacidade de discernir e agir com equilíbrio em comunhão com o Criador. Em JOÃO, o elemento mais característico dela é a sua constância. Mesmo quando os outros se foram, ela ficou junto ao sepulcro, à procura da consolação por meio de sua proximidade física. E se fez sinal de coragem perante as autoridades hebraicas e romanas.

Com maior ou menor frequência, experimentamos a angústia de Santa Maria Madalena. Madrugada obscura, perturbação, deserto e solidão, embora possa haver outras pessoas por perto. A inquietude aperta o peito, vinda de um acontecimento doloroso, de uma perda, de uma vivência cinza, de uma derrota, de um temor maior, da constatação da fragilidade, de um limite físico... Às vezes, nem mesmo conseguimos dar nome à agonia que nos toma, porque fantasmas pessoais despertam e nos confundem.  A alma se fecha com uma pedra ou está aberta, porém vazia.  Não se pode, nesse tempo, abdicar da fé, da perseverança e da coragem. É preciso mastigar as ervas amargas e repelir a desarmonia para ouvirmos o nosso nome, proclamado com doçura pelo Ressuscitado, que nos consola e nos faz reagir.

 

Maria Cristina Castilho de Andrade

É educadora e coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher/ Magdala, Jundiaí, Portugal

 



publicado por solpaz às 12:22
link do post | comentar | favorito
|

RENATA IACOVINO - O CASAMENTO DA MÚSICA COM A POESIA

 

 

A estreita relação entre poesia e música sempre rendeu bons frutos.

Talvez o mais expressivo exemplo desta parceria seja o poeta e compositor Vinícius de Moraes que emprestou muitas de suas obras poéticas a músicos que as transformaram em canções inesquecíveis. O advento Vinícius de Moraes revolucionou todo um conceito até então existente sobre composições de MPB, inserindo lirismo e aspectos poéticos dentro de um cenário habituado a outros conteúdos no quesito letra.

Um selo fonográfico lançou em CD trabalhos literários de grandes ícones. Atores de renome emprestaram suas vozes e interpretações para tornar audível o que até então se restringia às páginas dos livros. Não que isto fosse pouco, mas abre mais uma possibilidade de nos deleitarmos com clássicos da literatura. Aqui não há a presença da música, mas o clima de fundo, em alguns casos, é permeado por ela. De qualquer maneira, trata-se de um interessante intercâmbio entre linguagens artísticas.

Deparamo-nos com interpretações que, muitas vezes, gostaríamos de imaginar como seriam se entoadas verbalmente. É o caso de Aracy Balabanian lendo contos de Clarice Lispector ou Othon Bastos apresentando alguns dos melhores sonetos de Augusto dos Anjos.

Nesta coleção encontramos: Manuel Bandeira por Juca de Oliveira, Drummond por Leonardo Vieira, Raquel de Queiroz por Arlete Salles, Érico Veríssimo por Paulo Autran, Machado de Assis (poesias, contos e crônicas) por Othon Bastos, Clarice Lispector e sua obra infantil A mulher que matou os peixes por Zezé Polessa, Fernando Pessoa por Paulo Autran, etc.

São registros – se pouco consumíveis ou acessíveis – pelo menos históricos.

Na Música Popular Brasileira, inúmeros são os exemplos em que tal casamento aconteceu com sucesso. Só para mencionar alguns, Fernando Pessoa foi objeto de um disco (ainda na época do vinil, posteriormente relançado em CD pela gravadora Eldorado) exclusivamente dedicado a parte de sua obra. Poesias em forma de música nas vozes de Chico Buarque, Caetano Veloso, Elba Ramalho e outros.

Adriana Calcanhoto musicou obras do poeta português Mário de Sá-Carneiro.

O polêmico poeta Waly Salomão (falecido há pouco tempo) foi cantado por intérpretes da MPB, dentre os quais, a própria Adriana Calcanhoto (também foi sua parceira), além de Caetano Veloso (igualmente parceiro em algumas músicas), Maria Bethânia, Marina Lima e Gal Costa.

O universo poético de Waly aproxima-se de Antônio Cícero, filósofo e autor de muitas letras que deram voz a sua irmã cantora, Marina Lima. Ele também é parceiro de vários autores de MPB e tem livros editados.

Caetano – sempre inovador - musicou e fez parcerias com poetas diversos, como Oswald de Andrade, Paulo Leminski e Maiakowiski.

Em artistas como ele, dificilmente encontraremos a linha divisória que separa o poeta do compositor de música popular. Muitas de suas canções nos apresentam características típicas de quem lida com versos metrificados e elementos da poesia clássica, moderna, pós-moderna e outros.   

Até mesmo Shakespeare já teve soneto adaptado e musicado. Sem perder a originalidade da obra, os profissionais que fizeram a versão, difundiram o romantismo do escritor inglês para a língua portuguesa cantada. Quem gravou foi a cantora Elba Ramalho.

Fagner apropriou-se de poesias de Cecília Meireles (quem não conhece o clássico Canteiros?), Florbela Espanca  e Ferreira Gular. Não entrarei na polêmica das ações judiciais e questões relativas a direitos autorais que envolveram alguns de seus intentos.

Zé Ramalho musicou o belíssimo texto do poeta popular Otacílio Batista em Mulher nova, bonita e carinhosa faz o homem gemer sem sentir dor.

O mais recente trabalho, em vias de se tornar público, é um projeto do cantor e compositor Zeca Baleiro, que lançará no mês de abril o CD Ode Descontínua e Remota para Flauta e Oboé, com dez poesias de Hilda Hilst (falecida no início de 2004) musicadas por ele e interpretadas por Zélia Duncan, Maria Bethânia, Ná Ozzetti e Ângela Maria – mencionando apenas algumas.

Projetos como este nos faz crer que a poesia e a música devem sobreviver ao mercado voraz ditado pelo consumismo capitalista. Para quem lida estritamente com arte, sabe que a realização do que é necessário à manutenção do que pede nossa alma, tem um preço a ser pago.

 

 

Renata Iacovino, escritora e cantora / reiacovino.blog.uol.com.br /
http://reval.nafoto.net / reiacovino@uol.com.br

 

 



publicado por solpaz às 12:18
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 25 de Julho de 2011
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - EPITÁFIO

 

 

            Dia desses fui visitar meus pais e irmãs. Como minhas férias de meio de ano são curtas, não dava para perder mais tempo viajando de ônibus ou de carro. Além das mais de cinco horas que eu levaria na estrada, ainda teria o desgaste físico resultando do estresse de enfrentar trânsito, congestionamento e outros “etcéteras”... Assim, aproveitei uma promoção e fui de avião.

            Confesso que não sou lá muito amante desse tipo de transporte. Na verdade, eu o aprecio na teoria, mas, na prática, quando estou lá dentro, quase sempre me pergunto por que raios eu fui me enfiar lá. Em suma, sou uma medrosa mesmo. Quando criança, com meus pais, toda viagem de avião envolvia meu estômago e um saquinho. Absolutamente todas as vezes, sem exceção, eu colocava os bofes pra fora.

            Hoje, ao menos, poupo-me desse constrangimento, mas não consigo relaxar totalmente durante o vôo. Na ida, como eu estava morrendo de fome e de saudades da família, concentrei minha atenção em outros pensamentos que não envolvessem coisas caindo em direção ao solo. Tudo bem que, horas antes, enquanto eu estava na manicure, dando um trato na aparência, a dita cuja estava assistindo a um programa de teve sobre, adivinhem, acidentes de avião! Quando eu comentei com ela que dentro de poucas horas eu também estaria voando, ela olhou para mim com uma cara de pena e me disse, ah, desculpe-me... Fiquei me sentindo super bem depois daquilo, mas fiz o possível para ignorar.

            Os dias que passei com os meus foram poucos, mas foram ótimos. Espanquei a saudade, até porque é algo que nunca se mata verdadeiramente. Basta virar as costas e ela revive, plena. A saudade só requer um mísero minuto de ausência ou a certeza de que a ausência virá. Acho que sinto até mesmo saudades por antecipação... Enfim, abracei minha sobrinha Isadora o tanto de vezes que uma pobre criança é capaz de suportar, bem como conversei, ri e troquei confidências com minhas irmãs, cunhados, pai, mãe e amigos queridos.

            Na volta, com a mala cheia de roupas sujas e a cabeça com lembranças, vi que embarcariam no mesmo vôo, todos os integrantes da banda Titãs. Até fiquei com vontade de pedir para tirar uma foto com eles, mas era tanta gente pedindo a mesma coisa, que pensei que eles já deviam estar cansados, embora não os tenha visto negar nenhum dos pedidos. Já dentro do avião, não consegui evitar de pensar que, se houvesse um acidente, seria notícia em todo Brasil. Nossa viagem seria manchete de jornais e viraria até tema de programa de televisão. Como estavam todos lá dentro, seria o fim da Banda. Em meus devaneios, até imaginei que a trilha sonora das notícias seria a música Epitáfio, dos Titãs.

            Daí que, uma certa hora, enquanto eu ficava perdida nessas idéias, o avião começou a trepidar e fomos informados de que passávamos por uma zona de turbulência. Senti minhas tripas se movimentando de modo anormal, ou seja, para cima e para baixo muito rapidamente e temi que meus tempos de saquinho estivessem retornando. Meu Deus, será que eu ia dar vexame bem naquele dia? Apertei-me o quanto pude e a sensação passou, para minha sorte e, de alguma forma, para sorte de todos os tripulantes, até dos famosos. Quando vi, então, que também estava naquele vôo um comediante da TV Bandeirantes, já me imaginei sendo inspiração  de piadas em programa de televisão e minha dignidade exigiu que minhas entranhas se comportassem.

            Tudo isso, toda essa tormenta, para um vôo que não durou 45 minutos, mas que me pareceu uma eternidade. Quando pousamos, meu alívio foi indescritível. Sem me dar conta, estava cantando “o acaso vai me proteger, enquanto eu andar distraída, o acaso vai me proteger, enquanto eu... voar!”

            Ao esperar minha mala chegar do mundo das esteiras rolantes, virei brava para trás, quando alguém me deu um esbarrão. Para minha surpresa, era um Titã. De forma “superrr imparcial”, transformei a carranca em um sorriso e respondi ao pedido de desculpas com um “não foi naaadaaa”... Afinal de contas, “a cada um cabe a alegria e a dor que traz no coração”...

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA- Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo



publicado por solpaz às 14:22
link do post | comentar | favorito
|

LAURENTINO SABROSA - A LÍNGUA PORTUGUESA NA POESIA

 

 

 

 

 

III

 

 

 

Continuemos com mais uma poesia em louvor da Língua Portuguesa, esta da autoria de Domingos Monteiro, grande escritor e grande vulto nos diversos níveis da cultura portuguesa: formado em Direito, membro da Academia de Ciências de Lisboa, bibliotecário da Fundação Gulbenkian, autor de muitas obras literárias, etc. Creio que é uma individualidade do maior valor bastante esquecida, apesar de ser praticamente dos nossos dias, pois faleceu em 1980. Por um lado, é bom que a nossa cultura tenha muitos e grandes vultos, mas daí resulta que nem todos podem ser lembrados e evocados tanto como merecem.

Eis aqui uma poesia que ele dedicou à Língua Portuguesa. É extensa, mas aqui fica transcrita, contribuindo assim para que não caia no total esquecimento, se não pelo seu valor poético, ao menos por aquilo que deve residir em todos nós : o amor à Língua Portuguesa.

 

Minha adorada língua portuguesa,

Tão rica de si mesma e tão fecunda,

Pão sem fermento com que como à mesa

E alegria vital que ainda me inunda,

 

          Desde o bárbaro latim que vou seguindo

          Teu caminho de som, abrindo às almas

          Uma nova harmonia singular,

          Tão doce e pura ao mesmo tempo, que eu

          Por ti, desço ao Inferno e subo ao Céu

          Pela graça de ouvir e de falar.

 

Sigo-te, sim, mesmo através da História

A que só tu pudeste dar sentido,

Porque só tu conservas a memória

Do que já foi e ainda há-de ser vivido.

 

          Tu que abristes em flor nos cancioneiros,

          Nas queixas doces dos cantares de amigo

          Inventaste essa porta enfeitiçada

          Que separa ou que une os corações

          E que deste os teus frutos verdadeiros

          Com Gil Vicente e os versos de Camões.

 

Língua de blasfémias, de ameaças

De musicais hipérboles sentidas!

Que rasto singular por onde passas

E que estranho sinal deixas nas vidas!

 

          Tu que atravessaste os desertos

          E os mares bravios nunca navegados

          Com palavras que são braços abertos

          E que nas bocas rudes e agressivas

          Feitas para gritar e p’ra morder

          Puseste o enxame das palavras vivas

          Com que te falam e amam sem saber. (1)

 

Oxalá que sim. Que todos nós falemos a nossa língua com “palavras vivas” que sejam, mesmo “sem saber”, uma prova do nosso amor. Mas se esse amor for bem consciente e cultivado, tanto melhor.

 

(1) Poesia recolhida do jornal PÁTRIA, jornal que se pretendia ser semanário, cujo primeiro número surgiu datado de 28 de Abril 1976, e cujo director era exactamente Domingos Monteiro. Era um jornal que queria ser “Independente Defensor dos Interesses da Pátria e da Legitimidade Democrática”. Talvez por isso mesmo não se manteve.

 

 

LAURENTINO SABROSA   -   Economista, Senhora da Hora, Portugal

 



publicado por solpaz às 14:17
link do post | comentar | favorito
|

PAULO ROBERTO LABEGALINI - HISTÓRIA e O SANTO DIA DE DOMINGO

 

 

*H I S T Ó R I A

 

Um ateu estava passeando num bosque, olhando tudo o que‘acidentalmente a evolução havia criado’, e pensava admirado:

- Mas que árvores majestosas! Que belos animais!

Caminhando, ouviu um ruído nos arbustos atrás de si. Virou-se e avistou um corpulento urso pardo vindo em sua direção. Disparou, então, a correr o mais rápido que podia, mas, olhando por cima do ombro, reparou que o urso estava demasiadamente próximo.

Tentou imprimir maior velocidade, quando tropeçou e caiu num enorme buraco. Rapidamente levantou-se, só que o urso já estava acima dele, procurando atingi-lo ferozmente com a pata. Nesse momento, o ateu deixou escapar:

- Oh, meu Deus!

Repentinamente, o tempo parou, o urso ficou sem reação e até as águas do rio deixaram de correr. À medida que uma luz brilhava, a voz vinda do céu dizia:

- Tu recusaste a minha graça durante todos esses anos, ensinaste a outros que eu não existia e reduziste a criação a um acidente cósmico. Agora, esperas que eu te ajude a sair desse apuro? Devo esperar que tenhas fé em mim?

O ateu olhou para a Luz e disse:

- Seria hipócrita de minha parte pedir que, de repente, me passes a tratar como um cristão, mas, talvez, possa tornar o urso um cristão?!

Disse-lhe novamente a voz:

- Muito bem, sou generoso, vou atendê-lo.

Foi quando o rio voltou a correr e os sons da floresta recomeçaram. Então, o urso recolheu as patas, fez uma pausa, abaixou a cabeça e falou:

- Senhor, agradeço profundamente por este alimento que agora vou comer. Nhoc!

Aconselho a quem não deseja passar por algo parecido, sempre se lembrar que Deus conduz a vida do ser humano conforme a entrega e a retidão do seu coração. Confie Nele e a recompensa não lhe faltará.

 

* Do programa ‘Nossa Reflexão’,que vai ao ar em quatro horários no Canal 20: 8h30, 11h30, 17h30 e 22h30. O site www.canal20tv.com.br disponibiliza os vídeos já apresentados na televisão. Clique em ‘Arquivos de Vídeo’ e depois em ‘Nossa Reflexão’.

 

** O SANTO DIA DE DOMINGO

 

Muita gente aguarda o domingo para descansar. Longe do trabalho, aproveita para dormir até mais tarde, ler o jornal, assistir televisão, ir ao clube se encontrar com os amigos, comer um pouco melhor e ir à missa.

Se você, leitor, concorda que essas atividades são praticadas pela sua família aos domingos, ótimo! Parabéns por saberem conciliar o lazer com a obrigação cristã no dia dedicado ao Senhor. Continuem assim que, certamente, não se arrependerão.

Nos finais de semana, ao chegar à igreja, é gratificante ver todo o seu espaço interno tomado pelos filhos de Maria, que buscam a Deus em agradecimento às graças recebidas a cada dia. Quanto mais gente, mais bonita é a missa: o coral canta mais alegre, o hino de louvor ressoa mais alto, a fila da comunhão parece não acabar; enfim, tudo contribui para aumentar a nossa fé.

Eu tenho dificuldades apenas para entender a razão daqueles que ficam fora desse banquete do Pai. Será que realmente é falta de tempo? Os programas de televisão, as matérias do jornal e os passeios também são adiados no domingo? Por que então, em alguns casos, só não sobra tempo para se dedicar à religião?

Normalmente, a culpa não é do tempo, muito pelo contrário, geralmente o temos de sobra nos finais de semana. O problema está na fé!

Se o nosso amor a Deus fosse correspondido em tudo aquilo que Ele nos abençoa, teríamos tempo para estar com Ele, na sua casa, todos os dias da semana. Só a graça de termos saúde para isso já deveria ser o suficiente. Não é maravilhoso poder caminhar, enxergar, se comunicar, sorrir ... e, às vezes, até chorar?

Ainda pior do que não ir à missa aos domingos e dias santos, é não colaborar para que a família o faça. Algumas pessoas que não tem esse ‘hábito’ de assistir missa acabam convidando outras pessoas para atividades de lazer nos horários que poderiam estar na igreja, desencorajando-as de rezar.

É por isso que peço a Jesus que continue abençoando todo o seu povo e, cada vez mais, conduzindo mais gente à sua Igreja, onde maravilhas acontecem - é bênção sobre bênção em cada palavra que Deus coloca em nossos corações!

Caro amigo, nada deve impedir de assistirmos missa aos domingos, recebermos as bênçãos de Jesus e de Maria, e sermos sempre um canal de graças para toda a nossa família. Até os enfermos podem fazê-lo pela televisão, e muitos o fazem com alegria!

Com a graça de Deus, participar da Santa Eucaristia só depende de cada um de nós.

 

** Do programa ‘Acreditamos no Amor’,que vai ao ar em dois horários na Rádio Futura FM, 106,9 MHz: 6 h e 18 h– segunda a sexta.

Site para ouvir o programa ao vivo e rezar o Ângelus conosco: www.futurafm.com.br

 

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI -    Escritor católico, Professor Doutor da Universidade Federal de Itajubá-MG. Pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária da UNIFEI.

 



publicado por solpaz às 14:09
link do post | comentar | favorito
|

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI - 26 DE JULHO. DIA DOS AVÓS

                              

 

 

         Recente lei garante direito de visita

 

        aos netos em caso de separação dos pais.

 

                      

 

O Dia dos Avós, 26 de julho, é pouco conhecido e o comércio  não lhe outorga grande divulgação por entenderem os comerciantes que a época é muito próxima do Dia dos Pais, celebrado no segundo domingo de agosto. No entanto, trata-se de uma homenagem manifestamente justa, já que eles geralmente têm muita dedicação e amor aos seus netos, tendo sido promulgada por isso, uma lei federal que lhes permite o direito de visita e até a guarda destes no caso de separação dos pais.

 

 

O Dia dos Avós é celebrado em diversos países em 26 de julho pois é o dia de Santa Ana e São Joaquim, considerados avós de Jesus Cristo por serem pais de Maria. A primeira também é considerada Padroeira das Gestantes por ter concebido sua única filha em idade avançada e depois de ser considerada estéril. Os avós são figuras tão importantes na vida familiar que foi sancionada, em março, a Lei 12.398/2011, que  garante o direito de visitar os netos em caso de separação dos pais, podendo-lhes, a critério do juiz,  ser extensivo  o direito de guarda e educação dos menores, levando em conta os interesses da criança ou do adolescente. 

 

 A experiência fantástica de ser avó e avô uniu a psicoterapeuta Lidia Aratangy e  o pediatra Leonardo Posternak, amigos de longa data, na autoria da publicação “Livro dos Avós – Na Casa dos Avós é Sempre Domingo?” (Editora Artemius), no qual respondem a pergunta “O que os netos esperam dos avós?”: “Desejam que sua necessidade de confiança e segurança não seja ameaçada por divergências entre avós e pais. Não toleram tensões ou dramas familiares. Mas devem perceber que diferenças de opinião não significam ruptura nem desrespeito”

 

Por outro lado, o perfil das vovós também mudou ao longo dos anos. A imagem de senhoras sempre em uma cadeira de balanço está cada vez mais distante. “Mulheres com 60 anos têm energia, saúde, vão à academia e estudam”, comparou Lidia, que tem sete netos. A avó que mima é a aquela que vê os netos em dias de festa ou apenas aos domingos. “Quem fica regularmente, que está na rotina da criança, no dia-a-dia, não mima. Hoje, é preciso ter solidariedade com filhos, genros e noras, com limite e disciplina”, explicou a psicoterapeuta, em matéria publicada pelo jornal “Diário de São Paulo”  (23/07/2006- pag. D3- “longe da cadeira de balanço” –Jaqueline Falcão)

 

Na mesma trilha, a psicoterapeuta desmistifica outra concepção. “Esta conversa de que avó é mãe com açúcar não existe. Ser avó está mais perto da paternidade do que da maternidade”. “O dia em que coloquei a mão em cima da barriga da minha filha lembrei no dia em que meu marido fez isso na minha barriga. A gravidez dela era algo importante que aconteceria na minha vida, mas não no meu corpo”, comparou.

 

Entendemos que é preciso sempre discutir o papel das avós na educação e nas relações familiares. De acordo com a psicóloga Eliane Pedreira Rabinovick, “o importante é lembrar que esse contato precisa ser equilibrado para que, em vez de uma fonte de problemas, se torne uma experiência rica às futuras gerações. Até porque sãos os avós que, dentro da vida moderna, recuperam os valores culturais, religiosos e morais antigos. São o elo que liga o passado, o presente e o futuro. Depende do amor e do respeito conservar essa ligação essencial à humanidade” ( Revista “Família Cristã”- 11/1988 – pág. 31).

 

Além de assegurarem aos netos a noção de desenvolvimento da vida humana em seus vários momentos e fases, e de manterem um contato rico, que ensina os jovens a respeitarem os mais velhos e às suas experiências, através do sentido histórico da existência e das próprias raízes, os avós também têm obrigações legais e não só direitos. É o caso de disposição no Código Civil Brasileiro que estabelece o direito aos alimentos recíprocos entre pais e filhos e extensivo a todos os ascendentes, recaindo a obrigação sobre os mais próximos em grau, uns em falta dos outros. Assim, eles são chamados a intervirem num eventual sustento dos netos, quando os pais destes estiverem na absoluta penúria, na ausência constante de emprego ou forem portadores de incapacidade física ou moléstia grave.

 

               

 

    JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI é advogado, jornalista, escritor e professor universitário.

.



publicado por solpaz às 12:06
link do post | comentar | favorito
|

HUMBERTO PINHO DA SILVA - ACORDEM !!!...

 

 

 

Andam muitos assombrados pela devassidão que crassa pelo mundo, mormente em países, que se dizem católicos, e há motivos para isso, quando os governantes, a mass-media, e figuras públicas, em lugar de travarem o desvario, parecem incentivar, com leis e declarações, que deixaram de ser polémicas, por serem ignóbeis e indignas para quem se preza.

Basta escancarar as páginas dos matutinos, buscar a secção de “Relax”, para saltar à vista, textos e fotos impróprias para menores, que ainda guardem recato e inocência.

Já não falo de revistas cor-de-rosa, e das dedicadas ao público feminino, porque ao folheá-las, depara-se, na maioria, com temas e gravuras de bordel, que são lidas por senhoras e meninas-moças, mas que as rameiras da minha infância enrubesceriam de vergonha, se lhes chegassem às mãos.

Os canais de TV parecem que andam à compita, no propósito de se saber qual deles apresentam espectáculos mais sórdidos e embrutecedores.

A Internet, que foi durante anos auto-estrada de conhecimento, tornou-se viveiro de perversão da juventude, e se o efeito não é tão devastador, é graças a pais atentos e ainda haver sites e blogues de elevado valor cultural.

Recentemente, a imprensa portuguesa, dedicou ampla notícia a predador de menores, que tinha guardado no computador, pornografia, na maioria obtida do Messenger.

Passando-se por adolescente, entrava em contacto com meninas e rapazes, ainda na puberdade, e após conversas “românticas”, pedia-lhes para exporem o corpo perante a câmara. Felizmente, uma, foi surpreendida pelo pai, em posturas impróprias, diante do computador, e revelou a descoberta à polícia.

Tudo isso mostra o descalabro a que chegou a sociedade, e o jeito como os fazedores de opinião, desmoralizaram os adolescentes.

Essa transformação foi realizada subtilmente, paulatinamente, quase sem a maioria da população perceber que resvalava para o abismo.

Poderia dizer, quase plagiando o sermão do Pastor Martin Niemoller, que: começou na moda escandalosa, e como não era connosco, ficamos mudos; depois, difundiu-se a pornografia, e como as imagens não eram de nossas mães e irmãs, ficamos, calados; começaram a distribuírem “camisinhas“, para evitar mães-solteiras, como não nos prejudicava, ficamos em silêncio; veio de seguida o casamento de homossexuais, e vozes de protesto foram tão raras, que não chegaram para acordar a maioria silenciosa.

E assim, forças obscuras, moldaram as mentes, de forma que estas aceitassem aberrações.

Foi assim que Sodoma e Gomorra chegaram a tal baixeza, que foi preciso a Mão da Providência; e foi assim, que a imponente Roma, caiu em desgraça, nas mãos de bárbaros, que não sendo puritanos, conservavam valores que lhes vieram dos maiores.

Se a sociedade não acordar da letargia que a envolve. Se não houver vozes proféticas, que alertem. Se os cristãos e homens de bom coração, mesmo agnósticos, não unirem os brados, pondo freios ao opróbrio que campeia livremente, caminharemos para autodestruição.

Diz o povo, e diz bem: com o mal de uns se governam outros. Governam-se os políticos, que explorando baixos instintos, conseguem o apoio dos que manobram a sociedade; governam-se os empresários, esporeando a “fera” que se anicha nos corações dos homens; ganharão aqueles, que encontrando a seara madura, virão como os bárbaros fizeram à orgulhosa Roma, aniquilar a civilização e a liberdade.

A liberdade que as forças malévolas tão apregoam e dizem defender.

Para finalizar, quero com esta crónica, chamar todos aqueles que condenam, em silêncio, esse desregramento, e dizer-lhes que se unam e acordem o povo narcotizado, por figuras públicas e meios de comunicação.

Não tenhais medo!” Disse Jesus, e repetiu tantas vezes o venerável Papa João Paulo II. Não tenham medo! Se nos unirmos, na imprensa, na rádio, na TV, na Internet, no púlpito (católico e evangélico), então, será a minoria que terá medo.

A força deles, está na nossa fraqueza, na nossa desunião, no nosso comodismo…no nosso silêncio.

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -   Porto, Portugal



publicado por solpaz às 11:13
link do post | comentar | favorito
|

PINHO DA SILVA - NASCER... DEPOIS!

 

 

  "Enquanto estamos no corpo,vi-

vemos ausentes do Senhor, porque

andamos por fé, e não por vista"

               II Cor, 5-6,7

 

Tudo passa na vida!... Tudo é fumo!...

Nada "está"!... Tudo foge!..."Tudo", é "nada"!...

Amor, felicidade ( ao que presumo),

não passam de ilusão: - são fumaradas!

 

 

A vida, é um sonho ou, se quizerem,

"deitar-se" a alma no corpo, e "adormecer;"

depois... julgar que vivem, não viverem,

porque só após da morte hão-de "nascer"!...

 

 

E vede uma semente: é mesmo nada,

não é?!... Sim!... Mas olhai, agora: se ela "morre",

e logo for, na terra, sepultada,

 

 

notareis que, por certo, não morreu:

- CRESCERÁ!... Crescerá, como uma torre

( e da cor da esperança!), erguida ao Céu.

 

 

PINHO DA SILVA   -  Vila Nova de Gaia, Portugal



publicado por solpaz às 10:41
link do post | comentar | favorito
|

POR QUÊ "PAZ" ?

img169/9362/apazqg8.jpg

 

 

Perguntam-me porque este modestíssimo blogue foi baptizado com a palavra: “PAZ”.

É simples a razão: Meu avô paterno era neto de mestre-carpinteiro e não possuía, nas veias, pingo de sangue azul, nem o pretendia; a nobreza, para ele, estava na honradez e consciência liberta de remorsos.

Era, todavia, acérrimo defensor da doutrina de Jesus, e convicto monárquico-democrata-cristão.

Como se sabe, corria em meados do século XX, desenfreado ateísmo nas novíssimas alas republicanas, e na capital legislava-se leis iníquas e anticristãs.

Muitos e bons sacerdotes viram-se na necessidade de expatriarem-se, entre eles o Dr. António d'Azevedo Maia, homem culto e abade de Santa Marinha.

Nesse conturbado período de perseguições anticlericais, nasceu em Vila Nova de Gaia, na Rua Direita, pequeno grande jornal, que se batia pelo trono e altar.

No rol dos destemidos colaboradores de “ A PAZ” encontrava-se o Dr. António d’Azevedo Maia, sacerdote da primeira linha das hostes católicas, mestre no manejo da pena, como Nun’Alvares era da espada.

Como era de prever, alguns republicanos farejavam-lhe os passos, como fera a presa.

Certa ocasião, ao contemplar tanto desvario e afronta a Deus, não se conteve, e desanca no púlpito, virulenta verrina contra os ateus e autoridades que publicavam leis ignóbeis.

Ecoou o célebre prática nas mais aguerridas alas republicanas, e exaltados grupos juraram vingança.

Vendo-se perdido, temendo o pior, correu em socorro do Dr. Macedo, farmacêutico da Rua Cândido dos Reis, republicano de sete costados, homem justo, agnóstico, e democrata da velha guarda, defensor do sagrado direito da liberdade de expressão.

Aquietou o bom republicano, o sacerdote, declarando-lhe que em sua casa estaria livre de desfeitas.

Semanas decorridas, amainados os exaltados ânimos, despediu-se, penhorado, numa madrugada chuvosa, e encaminhou-se para as Devesas, tomando o comboio, rumo a Paris.

Ora os leitores de “A PAZ”, ao desdobrarem o jornal, dias depois da fuga, depararam, pasmados com as “Cartas do Exílio”, assinadas pelo destemido sacerdote.

Anos depois falecia o antigo editor de “A PAZ”, meu avô, vítima de pneumónica.

Quando criei este singelo blogue, recordei-me da coragem desse punhado de colaboradores de “A PAZ”, sempre prontos a descerem a terreiro em defesa do cristianismo. Nasceu assim o blogue luso-brasileiro.



publicado por solpaz às 10:13
link do post | comentar | favorito
|

Europa
mais sobre mim
Brasil
arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
Foz Coa
links