Blogue luso-brasileiro
Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2014
MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - PASSAGEM DO ANO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Para inúmeras pessoas, as festas de dezembro e da passagem do ano despertam seus pesares. Existe um luto que caminha entre luzes coloridas, cânticos e euforia. E quanto mais tempo passa no relógio de sol, maiores as perdas, maiores a dores da ausência, maior a saudade de alguém e/ou de acontecimentos. Vinícius de Moraes, em seu “Poema de Natal”, retratou com fidelidade o quanto somos passageiros: “Por is...so temos braços longos para os adeuses/ (...) Uma tarde sempre a esquecer/ Uma estrela a se apagar na treva/ Um caminho entre dois túmulos...”

A moça que inspirou a crônica de hoje deu sinais de luto. Compreendi por conhecer um pouco sua história. Foram tantas as mágoas, que não sabe qual delas deve tratar por primeiro. O seu desgosto a faz, em várias horas, de cemitério com sepulturas abertas. Não consegue enterrar os fatos do passado.
Infância difícil sem brinquedos. Ainda menina, colaborava com a família manejando uma jangada rústica, meio de travessia da aldeia para a cidade. Entregava à mãe as moedas conquistadas. Na cidade maior de Estado longínquo, seus sonhos cresceram junto ao marido e aos três filhos. Traída, desequilibrou-se. Tentou outras vivências de amor, que julgava para sempre, mas as covas abertas as deglutiram. Tornou-se de coração andarilho. Uma hora reúne os filhos debaixo das asas e em outras se desvia em indagações.

Seu padecer maior me parece o da solidão com crateras em determinados dias e o do medo da distância dos seus. Nesta época esses fatos se agigantam, pois os abraços se ampliam e os dela recuam. Cultiva as mortes e se apavora diante da vida.

Há aqueles que partiram e, pela bondade em nossa existência, de alguma forma, se perpetuam em presença que enternece. Trazem-nos nostalgia agridoce. Existem, porém, os que, embora de corpo presente, reavivam as cinzas que provocaram. Falta respiração aos “queimados”, com o propósito de assoprar os restos sem centelhas das labaredas.

Continuando o Poema de Vinícius: “Pois para isso fomos feitos:/ Para a esperança no milagre/ (...) Para ver a face da morte. / De repente nunca mais esperaremos.../ Hoje a noite é jovem; da morte, apenas/ Nascemos, imensamente”.

Desejo a todas as pessoas em 2015, em especial às que não conseguem se libertar de suas mortes, o renascimento pleno com os olhos nos olhos do Senhor da Vida!

 

 

 

 

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - Professora e cronista. Coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala. Jundiaí, Brasil.



publicado por solpaz às 12:41
link do post | comentar | favorito
|

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - EM UM NOVO TEMPO....

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

            O passar do tempo é tema que me fascina, mas, sobretudo, que me apavora. Por conta desses sentimentos, inclusive, o tempo já se tornou um de meus personagens principais, habitando muitos de meus textos, realidade brincando de ficção e ficção querendo ser realidade.

            E assim, sem que eu me tivesse me dado conta por completo, sem que eu conseguisse realizar os propósitos que me coloquei com meta, sem que eu tivesse tempo de me despedir de quem resolveu ir passear pelos campos do além, mais um ano se passou, feliz e infelizmente.

            Há anos em nossas vidas que passam meio insípidos, inodoros, mas esse não foi o caso de 2014, que se mostrou um ano particularmente intenso para mim. Foi um ano de muito trabalho, de várias preocupações, de muitos planos e de mudança de planos também. Passei alguns sustos com resultados de exames, passei raiva com algumas injustiças e me penitenciei por atitudes que tomei sem pensar, pelas pessoas que eu talvez tenha feito sofrer sem razão.

            Mas também foi um período de boas e fortes emoções. Em meio a risadas entre amigos, foi um ano para estar em família e para reafirmar a importância de estar ao lado daqueles que amamos. Mais um ano com meus amigos caninos, pequenas bolas de pelo que mais me lembram esponjas lotadas de xixi, mas que protagonizaram vários dos meus bons momentos.

            Conheci muitas pessoas, fiz amigos, perdi alguns e enxerguei melhor outros. Lutei pelo que acreditava e dei o braço a torcer nas vezes que errei, mesmo quando sabia que isso não mudaria muita coisa. Fui a lugares nos quais nunca havia estado antes. Aprendi línguas, aprendi um instrumento musical, pintei, bordei, sorri e chorei, tudo junto e fora de ordem...

            Li mais do que tinha tempo livre e escrevi muito menos do que deveria. Não terminei meus inúmeros livros começados, nem os tapetes, nem os sonetos, nem plantei todas as sementes que escolhi. Ainda assim, colhi muito do que plantei, de um jeito e de outro. Se me entristeci com parte dos frutos foi porque não consegui decifrar o pé que os jogou para mim, o que eu fiz que tenha resultado neles, mas continuo nessa busca, sempre...

            Há tempos de ficar nos portos e há tempos de velejar. Estive muito tempo no cais. Sinto, agora, a brisa que fresca sacode os cabelos de minha alma. Sei que estou prestes a deixar a calmaria e me lançar ao mar. Sei que há muitas mudanças vindo por aí, inclusive de dentro de mim. Estou rumo a novos planos, novos desafios e sinto, de fato, minha vida se reinventar. Sei também que muitos estão imbuídos do mesmo propósito, da mesma ânsia.

            Desejo a todos, como desejo a mim mesma, desse modo, que 2015 seja ano de ímpares realizações, de crescimento, de amores, de amigos, de paz necessária para entender como tudo isso chega até nós e de forças para resgatar os sonhos que vamos perdendo pelo caminho, órfãos de nós mesmos ou de nossos esforços...

            Agradeço a cada um que dedica seu precioso tempo para ler o que eu escrevo, meus cúmplices nessa empreitada de pensar as coisas, as pessoas e o mundo. Obrigada a todos aqueles que me permitem ser lida, publicando os pensamentos que ofereço ao papel. Que venha 2015, pois estaremos a postos...

 

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo.



publicado por solpaz às 12:34
link do post | comentar | favorito
|

JOÃO CARLOS MARTINELLI - TER UM PAI REPRESENTA POSSUIR RAIZ; IDENTIDADE E UMA BASE SÓLIDA.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No coração do ser humano, ter um pai representa possuir raiz, identidade e uma base sólida, constituindo-se num direito de toda criança conhecê-lo e conviver com ele. Quem não teve essa oportunidade, corre o sério risco de ficar, para sempre, buscando a compreensão de si mesmo. É por isso que um homem precisa ter consciência da importância destes aspectos e pensar que sua força e virilidade não estão na quantidade de filhos que gera, mas em sua disponibilidade de assumi-los e na qualidade de sua presença. Por isso, a mensagem que temos para dar é: não há tempo melhor aplicado do que aquele destinado aos filhos.

Efetivamente, filho precisa de amor, carinho, atenção, presença, amizade, orientação, modelo e estímulo daquele que o gerou. Inexiste qualquer coisa que possa preencher o vazio deixado por um pai. “O pai é a figura que constela determinados símbolos no desenvolvimento dos filhos. Ele assegura a passagem para a vida social e a ruptura da ligação com a mãe. È a instância normativa, a lei. Aponta para o crescimento, a saída, o externo. Para a menina, representa a primeira figura masculina com quem ela interage e por quem desenvolve afeto. Para o menino, é o modelo de como um homem funciona. Sua ausência ou presença tem efeito condicionador preponderante na formação da criança e na vida do futuro adulto” – afirmou o psicólogo Ageu Heringer Lisboa em matéria publicada pela revista“Família Cristã” (08/1994- p. 22).

Num mundo consumista e egoísta em que vivemos, no qual cresce a lei do vale-tudo, onde as pessoas são cada vez mais valorizadas por aquilo que têm e não pelo que são, a relevância da figura paterna é manifesta, havendo de se diminuírem as distâncias com os filhos, possibilitando-lhes uma convivência serena e de confiança mútua. Diante deste processo de inversão de valores e mudanças nos padrões de comportamento, a imagem de pai distante, rígido e exigente, vai cedendo lugar a outra mais humana, próxima, envolvida com a vida do filho desde a sua concepção, afastando-se das barreiras impostas por condutas autoritárias e de distanciamento.

A paternidade faz parte de uma filosofia de vida, que aplicada diariamente, numa seqüência coerente através dos anos, constitui-se numa das missões mais importantes desempenhadas pelos seres humanos. E há que se ter uma grande dose de fé, amor e esperança, acrescida de muita sabedoria, maturidade e despojamento no exercício de tal atributo, preservando-se a autoridade da função que estabelece limites e compromissos, ao mesmo tempo em que gera afeto aos filhos, provendo-os nas suas necessidades. A própria legislação vem se adequando a esta nova realidade traduzida num potencial maior de relacionamento e de participação paterna.

 

 

 

 

 

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI é advogado, jornalista, escritor e professor universitário.



publicado por solpaz às 12:26
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 28 de Dezembro de 2014
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - RESISTÊNCIAS À NAVEGAÇÃO A VAPOR

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Data de meados do século XVIII a invenção do motor a vapor, pelo escocês James Watt (1736-1819), mas somente em 1803 esse sistema foi aplicado com sucesso para mover embarcações. Deve-se ao norte-americano Robert Fulton (1765-1815) a invenção do primeiro barco a vapor, que navegou no rio Sena, na presença de cientistas membros do prestigioso “Institut de France”, os quais atestaram, assim, a paternidade e a veracidade do invento. Quatro anos depois, em 1807, o barco a vapor foi pela primeira vez utilizado comercialmente, pelo mesmo Fulton: seu barco Clermont inaugurou a primeira linha comercial regular de navegação a vapor, unindo as cidades de Nova York e Albany, pelo rio Hudson.

O sistema de Fulton, que foi usado durante muito tempo, consistia em mover, com a força do vapor, um conjunto de pás, dispostas numa roda, as quais giravam em torno de um eixo e, em contato com a água, propeliam a embarcação para adiante. O princípio de propulsão, em essência, não diferia muito dos antigos remos, apenas variando a força utilizada, que não mais era dos braços humanos, mas passava a ser a do vapor.

Fulton chegou a projetar um submarino e um navio de guerra. Seu sistema parecia muito prático, pois possibilitaria que os barcos se movessem por si mesmos, sem ficar na dependência dos ventos.

No entanto, não foi fácil a aceitação do novo sistema. Os maiores opositores da navegação a vapor foram os ingleses. Ao longo de boa parte do século XIX, conviveram e disputaram a supremacia dos mares os dois sistemas de navegação, o dos tradicionais veleiros, e o novo, dos vapores. Somente no final do século os vapores assumiriam a hegemonia dos mares, e os veleiros cada vez mais passariam a se tornar raros.

De início, foram as dificuldades decorrentes das limitações tecnológicas (e também logísticas) que dificultaram a adoção do vapor como meio de propulsão das Marinhas do mundo inteiro. Ainda eram precárias e pouco confiáveis as primeiras embarcações movidas a vapor. O reabastecimento delas não era fácil, pois não se dispunha de muitos locais adequados para tal, nos mares do mundo todo. O combustível pesava e ocupava espaço, diminuindo a capacidade de estocar água, mantimentos e munições, de modo que a autonomia das embarcações ficava diminuída. Parecia muito mais prático e confiável fazer o que sempre se fizera desde a Antiguidade, ou seja, confiar no vento, o mais barato, leve e eficiente dos “combustíveis”.

No caso da Inglaterra, havia ainda uma dificuldade de caráter político. A marinha britânica (tanto a de guerra, quanto a mercante) era a primeira do mundo, e sempre fora movida a velas. Era uma posição hegemônica, arduamente conquistada, desde o século XVI, era incontestada e parecia inabalável. Nem o grande Napoleão conseguira sequer ameaçá-la seriamente... Por que, então, comprometer essa tão segura posição de hegemonia mundial, em busca de uma mudança no sistema de propulsão, com resultados incertos? Do ponto de vista político, isso parecia uma loucura.

Foi só pouco a pouco que o novo sistema se impôs. Franceses e norte-americanos saíram à frente, obtendo melhoramentos técnicos que corrigiram as limitações dos primeiros vapores. Os ingleses não podiam ficar para trás. Pragmáticos e acima de tudo práticos, adaptaram-se. Conseguiram modificar seu poderio naval, e mantiveram nos mares sua supremacia, no espírito do hino “Rule, Britannia”.

Foi assim durante algumas gerações... até que os norte-americanos lhes passaram à dianteira!

 

 

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS  é historiador e jornalista profissional, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.



publicado por solpaz às 22:01
link do post | comentar | favorito
|

JOSÉ RENATO NALINI - DESAFIOS PARA 2015

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

O ano próximo apresentará um quadro preocupante para a economia brasileira. 2014 foi o ano da Copa, era preciso acenar com o Brasil Maravilha para elevar a autoestima doméstica e propiciar um bom espetáculo aos estrangeiros. Encerrado o festival – e tudo funcionou adequadamente – vieram as eleições e agora chegou a hora da verdade.

Tudo indica uma estagnação da atividade econômica, uma recessão, um crescimento quase negativo do PIB. Entretanto, é preciso reagir. Passos importantes foram dados para a inclusão financeira de nacionais que eram praticamente invisíveis, integrando a economia informal. Agora é preciso consolidar a inclusão desses 40 milhões de usuários do sistema. Qualificar os serviços. Ampliar o leque de funcionalidades. Treinar para uma educação financeira responsável, pois o incluído nem sempre atua com sensatez e se endivida, aumentando a inadimplência e gerando crise interna e externa.

As PPPs, Parcerias Público-Privadas devem ser estimuladas. O Estado não tem recursos financeiros para atender a todas as demandas. Aqueles empresários que sobreviveram à exagerada volúpia e ao excessivo apetite da voragem fiscal devem colaborar para incrementar as atividades lucrativas. As pequenas e médias empresas devem ser estimuladas, para que persistam na geração de empregos e passem a integrar o mercado formal.

O crescimento brasileiro há de ser sustentável. Como diz IVES GANDRA, o Estado não cabe no PIB. Temos uma inflação acima do desejável e nada indica próxima queda de seus índices. Impõe-se um realinhamento de preços e de tarifas. O Estado precisa ser mais responsável e gastar menos. Todos os gastos devem ser redimensionados e o enxugamento não pode ser descartado. Um bom início seria acabar com a propaganda institucional, quase sempre a disfarçar um personalismo que é nefasto. Seja porque exaure o Tesouro com investimentos em publicidade eleiçoeira, seja em virtude de disseminar um hábito que em nada contribui para o aperfeiçoamento da Democracia tupiniquim.

Na verdade, 2015 será um ano difícil. É melhor que nos preparemos. Quem continuar como avestruz ou fazendo o jogo de Polyana, vai se assustar com o quadro que se avizinha.

 

 

 

 

 

JOSÉ RENATO NALINI é presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo para o biênio 2014/2015. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br



publicado por solpaz às 21:53
link do post | comentar | favorito
|

RENATA IACOVINO - NINGUÉM MAIS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

            A quem mais poderíamos recorrer num momento de dor e desespero? Responda sem pensar.

            No meu caso, à minha mãe. Alguns preferem recorrer a Deus. Como até hoje não conheço esse cara direto... prefiro duvidar.

            Mãe não. Mãe é de carne e osso. Tudo bem que muitas vezes ela até parece de outro mundo. Aguenta humilhações que ninguém suportaria, conforma-se com o desprezo, não cansa de repetir os mesmos conselhos por uma vida inteira, passa noites em claro sem reclamar, guarda para si preocupações que ninguém é capaz de compreender, enxerga nos filhos qualidades que não existem, perdoa os reincidentes deslizes, convive em segredo com um silêncio que esmaga sua alma, cultiva os melhores planos, faz renascer a esperança a cada morte diária, tempera a vida com condimentos mágicos e que não são passíveis de serem reproduzidos por nenhum especialista no assunto, aturam o maçante cotidiano como se aquilo fosse uma dádiva, e fingem, para o bem, que tudo está em sua perfeita ordem.

            Eu, por minha vez, esquivei-me dessa arte. Por ser egoísta, intolerante, incapaz, arrogante, covarde... uma série de características que só agora, na madura idade, descubro que tenho.

            Pois é, a vida tem dessas surpresas. Vai nos revelando, à medida que estamos preparados, para desgostos tamanhos.

            E foi por estar bem triste, com a autoestima baixa, que me veio minha mãe. É sempre assim. É o tal do egoísmo que citei ali acima...

            Mas hoje só posso alcançar os braços de minha mãe em pensamento. Até porque imagino que se aqui ela estivesse, eu permaneceria numa quietude profunda, apenas sugando silenciosamente seu afeto, seu incrível poder transformador.

            E então eu me conformaria com meus defeitos, já que ela amorosamente os aceitou. Entenderia-os não como defeitos, mas como tentativas de acertar. Compreenderia que toda minha caminhada, até aqui, não foi em vão. Que algo eu apreendi.

            Mas ela não está... Então só posso assimilar que meus defeitos são, de fato, defeitos. E de choradeira ninguém quer saber. Portanto, não adianta eu querer lamentar pelo leite derramado... Bebo minhas próprias lágrimas e assim busco uma cura paliativa.

            Pois não é Deus que buscamos na hora do desespero e da dor? Alguém que tudo pode? Pois acho que estou começando a acreditar nele. Deus é a mãe. São nossas mães. Ninguém mais.

 

 

 

 

 

RENATA IACOVINO , escritora e cantora / reiacovino.blog.uol.com.br / reval.nafoto.net / reiacovino@uol.com.br

 



publicado por solpaz às 21:46
link do post | comentar | favorito
|

PAULO ROBERTO LABEGALINI - VIDA MODERNA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Saiu isto na internet:

“Todos os dias você deve comer uma maçã por causa do ferro, uma banana pelo potássio, também uma laranja pela vitamina C e uma xícara de chá verde sem açúcar para prevenir a diabetes. Todos os dias deve-se tomar ao menos dois litros de água, e uriná-los – o que consome o dobro do tempo. Todos os dias deve-se tomar um Yakult pelos lactobacilos, que ninguém sabe bem o que é, mas que, aos bilhões, ajudam a digestão. Todos os dias deve-se comer fibra – muita, muitíssima fibra! Fibra suficiente para fazer um pulôver.

Cada dia uma Aspirina previne infarto; uma taça de vinho tinto também; uma de vinho branco estabiliza o sistema nervoso; um copo de cerveja para não lembro bem o quê, faz bem.
O benefício adicional é que se você tomar tudo isso ao mesmo tempo e tiver um derrame, nem vai perceber!

Você deve fazer entre quatro e seis refeições leves diariamente. E nunca se esqueça de mastigar pelo menos cem vezes cada garfada. Só para comer, serão cerca de cinco horas do dia! E não esqueça de escovar os dentes depois de comer, ou seja, você tem que escovar os dentes depois da maçã, da banana, da laranja, das seis refeições e enquanto tiver dentes, passar fio dental, massagear a gengiva, escovar a língua e bochechar com Plax. Melhor, inclusive, ampliar o banheiro e aproveitar para colocar um equipamento de som, porque entre a água, a fibra e os dentes, você vai passar ali várias horas.

Há que se dormir oito horas por noite e trabalhar outras oito por dia, mais as cinco comendo são vinte e uma; sobram três, desde que você não pegue trânsito. As estatísticas comprovam que assistimos três horas de TV por dia; menos você, porque todos os dias vai caminhar ao menos meia hora – por experiência própria, após quinze minutos dê meia volta e comece a voltar, ou a meia hora vira uma.

E você deve cuidar das amizades, porque são como uma planta: devem ser regadas diariamente; o que me faz pensar em quem vai cuidar delas quando eu estiver viajando. Deve-se estar bem informado também lendo dois ou três jornais por dia para comparar as informações.

Também precisa sobrar tempo para varrer, passar, lavar roupa, pratos e espero que você não tenha um bichinho de estimação. Na minha conta são 29 horas por dia! A única solução que me ocorre é fazer várias dessas coisas ao mesmo tempo.

Tome banho frio com a boca aberta, assim você bebe água e escova os dentes. Sobrou uma mão livre? Chame os amigos e seus pais. Beba o vinho, coma a maçã e dê a banana na boca da parceira ou parceiro. Ainda bem que somos crescidinhos, senão ainda teria um Danoninho e uma colherada de leite de magnésia.

Não tem dado tempo para escrever aos amigos, mas tenho certeza que todos entendem muito bem a razão dessa falha.”

Acho que é quase tudo verdade, concorda? E se eu fosse orientar você apenas na parte espiritual, diria que uma hora por dia poderia ser dividida assim: 5 minutos para perdoar os inimigos, 10 minutos para ler a Palavra de Deus, mais 10 fazendo caridade, 15 para diálogo em família e 20 minutos para rezar o terço.

O tempo de perdoar com o coração pode ser acumulado e, no final da semana, ir pessoalmente dar um abraço no desafeto – a partir dali, não deixe de rezar por ele. A Palavra pode ser lida diariamente na Liturgia Diária. A caridade também pode ser acumulada e praticada com mais tempo no domingo – visitando um pobre ou um doente.

O diálogo em família precisa ser transparente e com oração, sem TV ligada e lançando desafios para melhorarem a vida espiritual neste mundo moderno. Quanto ao terço, pode ser rezado com um CD de apoio, já que temos muitos rosários lindos gravados. Mesmo no carro, em viagem, esta oração nos conforta e nos protege. Eu não deixo essas oportunidades passarem em branco. Ah, a missa pode substituir isso tudo num dia ou noutro.

E para minhas orientações não ficarem concentradas em apenas uma hora, veja quanta coisa pode-se fazer diariamente: falar a verdade, agir com humildade, dar um abraço, esbanjar sinceridade, sorrir, amar, acolher os famintos, e rezar a qualquer momento.

Reze pela conversão dos pecadores, por aqueles que precisam de libertação, pelas pastorais da Igreja, pelos pobres, drogados, jovens, pelos que não têm fé, pelas missões e vocações, pelo Papa, religiosos, sofredores, pela cura dos doentes, desempregados, almas do purgatório, paz no mundo, falta de amor nas famílias, pelos que praticam injustiças, pelos desesperados, presos, idosos abandonados, excluídos da sociedade, e peça proteção ao anjo da guarda – para conduzi-lo sempre longe dos pecados e perigos.

E que a vontade de Deus prevaleça em nossa vida moderna no ano de 2015. Feliz ano novo!

 

 

 

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI - Escritor católico, Professor Doutor da Universidade Federal de Itajubá-MG. Pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária da UNIFEI.

 



publicado por solpaz às 21:41
link do post | comentar | favorito
|

ISRAEL SE RECUSA A ELOGIAR A "NOVA POLÍTICA AMERICANA PARA A DITADURA CUBANA"

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em decisão fechada, o Knesset – Parlamento de Israel, se negou a atender ao pedido do Presidente Barak Obama dos EUA para que Israel elogiasse publicamente o fim do embargo americano e o descongelamento das relações entre Washington e Havana.  

 

 

clip_image0013[1].jpg

 

Jovens estudantes carregam uma grande bandeira cubana, em desfile pelas ruas de Gibara, em Cuba em 20 de janeiro de 2014. (foto: Flash90)

 

 

            Israel não aceitou o pedido americano de acolher e aprovar oficialmente o degelo nas relações EUA-Cuba bem como a suspensão do bloqueio à ditadura cubana.

            Na semana passada, Washington e Havana concordaram em trabalhar para acabar com cinco décadas de “inimizade mútua” e desconfiança. Os dois governos trocaram prisioneiros, incluindo Alan Gross, um judeu americano, e começaram a falar sobre o fim do embargo dos EUA de longa data sobre a nação insular.

            O movimento veio como uma surpresa em Washington – e também em Israel.

            A cada ano, a Assembleia Geral da ONU vota uma resolução instando os EUA a levantarem o embargo à Cuba. E a cada ano, incluindo a última em outubro desse ano, Israel é a única nação que tem votado com os EUA contra essas ‘resoluções’.

            Destarte, as autoridades israelenses foram pegas de surpresa com a dramática mudança da política em relação à ditadura cubana que fora anunciada sem que Tel Aviv fosse previamente notificada, informou ontem o Haaretz. "A Casa Branca sequer nos deram alguns minutos de advertência", disse um alto funcionário do Ministério das Relações Exteriores judaico ao jornal israelense.

 

 

clip_image0034[1].jpg

 

Alan Gross, recentemente liberado de longa prisão na ilha caribenha pela ditadura cubana, fez um discurso com sua esposa Judy numa conferência de imprensa em Washington, DC, pouco depois de chegar aos Estados Unidos, em 17 deste mês (AFP).

 

 

            A nova política para Cuba adotada pela administração Obama tem enfrentado críticas no Capitólio. Alguns dos críticos mais estridentes dessa política é a Senadora Republicana pela Flórida, nascida em Havana e naturalizada estadunidense, Ileana Ros-Lehtinen e que preside a Comissão de Relações Exteriores do Senado, juntamente com o senador Robert Menendez, ambos estando entre os defensores mais atuantes de Israel em Washington.

            Em vista da subitaniedade, quando as embaixadas dos EUA em todo o mundo pediram aos respectivos governos para que aprovassem a nova política, as autoridades israelenses se recusaram de modo peremptório.

            Ficou a sensação ruim de que o apoio solitário de Tel-Aviv ao bloqueio americano a Cuba, sequer mereceu uma justa advertência sobre essa reviravolta política, isso levando-se em conta que o estado sionista não tem o menor desejo e interesse de criar confrontos políticos com Washington, o que obrigou o governo de Israel a parar de responder ao insistente pedido americano. As relações exteriores de Tel Aviv com Hanana já tem seus próprios problemas independentes da política norte-americana vigente ou que irá vigorar.

            "Israel apoiou a política americana para Cuba em fóruns internacionais, no contexto da aliança estratégica entre os dois países, e por causa da linha crítica de Cuba em Israel nestes fóruns", o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores israelense, Emmanuel Nahshon, disse à imprensa local que tão teve alternativa senão negar o pedido de Obama.

            Cuba unilateralmente cortou, em 1973, as relações com Israel, não devido a Guerra do Yom Kippur – como muitas vezes erradamente se menciona –, mas porque o então líder do país, Fidel Castro, buscava a presidência naquele ano do “Movimento dos Países Não Alinhados”.

            Desde então essas relações entre os dois países tiveram altos e baixos, mas na maior parte do tempo manteve-se extremamente deteriorada. Em 2010, por exemplo, Fidel Castro comparou o tratamento de Israel aos palestinos ao genocídio dos judeus pelos nazistas. "Parece que a suástica do Führer é bandeira hoje de Israel", afirmou o octogenário ditador.

            Neste ano, ele acusou Israel de "genocídio" em Gaza e condenou a chamada “Operação Proteção da Orla” de uma "nova forma repugnante de fascismo", o que torna o discurso de Castro irracional, uma vez que o fascismo não passa de uma forma nacionalista de socialismo, como o nazismo.

            Em 2010, no entanto, Fidel Castro, que tinha então sido substituído por seu irmão mais novo, Raul, disse à jornalista Jeffrey Goldberg, dos EUA, que Israel tem "sem dúvida" o direito de existir como um Estado judeu.

            Perguntado por Goldberg se Havana consideraria retomar relações diplomáticas com Tel Aviv, o senil Castro respondeu que “essas coisas levam tempo, mas não rejeitou a ideia de imediato”.

            Apesar de sua desconfiança inicial sobre a mudança de política americana, as autoridades em Jerusalém sugeriram uma mudança na política de Israel em relação a Havana e é provável que, gradualmente, siga o exemplo americano, principalmente se o regime cubano der mostras de que estará sendo mais tolerante com uma abertura democrática. Mas isso é coisa que pouca gente acredita que acontecerá.

 

 Sexta feira, 25 de dezembro de 2014

 

 

(Tradução livre de Francisco Vianna de matéria do jornal israelense The Times of Israel de hoje.)



publicado por solpaz às 21:23
link do post | comentar | favorito
|

HUMBERTO PINHO DA SILVA - A DESGRAÇA DE SER CADEIRANTE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tenho o feio costume de escutar conversas, quando viajo ou bebo o cafezinho.

Sei que não devo, mas não resisto à tentação. O vicio tem-me sido útil para conhecer o que pensa o semelhante, e muitas vezes encontro matéria para as conversas, que com prazer, travo com o leitor.

Dias destes, vindo de metro da Povoa do Varzim para a Trindade, estacionou a cadeira de rodas, bem ao meu lado, uma jovem, que não teria ainda vinte anos.

Era bonita, de grandes olhos brilhantes e irrequietos. Vinha acompanhada por senhor, que pensei ser o pai. Enganei-me.

Durante o percurso, conversaram animadamente. Dizia a jovem que os inválidos sentem dificuldade em movimentarem-se nas cidades.

Os prédios não possuem rampas, assim como a maioria das casas comerciais, repartições públicas e até as caixas Multibanco são muitas vezes inacessíveis.

- Veja! - Dizia com mágoa a rapariguinha. - São poucos os templos que têm acesso por rampas! Olhe: para a nossa Póvoa. Cresceu, a olhos vistos, nas últimas décadas. A maioria dos prédios não têm mais de vinte anos, todavia raros são os que permitem acesso a cadeirantes.

O senhor sacudia a cabeça em sinal de aprovação. Lamentando que não houvesse esse cuidado, mesmo em prédios com elevadores.

Passei a viagem a refletir sobre o assunto, e conclui: que muitos construtores, engenheiros e arquitetos são de grande insensibilidade.

O que custa criarem rampas de acesso aos prédios? Não se colocam elevadores, para facilitar o acesso aos andares superiores, e rampas, nas entradas das garagens? Então para quê colocar degraus nas entradas?!

Que prédios antigos fossem construídos sem esse requisito, é desculpável - mas não se compreende, - mas que as Câmaras aprovem prédios novos sem rampas de acesso, é inacreditável.

Não será falta de respeito para os que tiveram a infelicidade, por velhice ou acidente ficaram inválidos?

 

 

 

 

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -   Porto,Portugal

 

 

 



publicado por solpaz às 21:11
link do post | comentar | favorito
|

EUCLIDES CAVACO - MOSAICO DE NATAL
 
 
 
 
 
 
 
MOSAICO DE NATAL
Este é mais um poema declamado no contexto natalício
que compartilho convosco esta semana o qual poderão
ver e ouvir aqui neste link:


http://www.euclidescavaco.com/Poemas_Ilustrados/Mosaico_de_Natal/index.htm
 
 
 
EUCLIDES CAVACO - Director da Rádio Voz da Amizade , Canadá.
cavaco@sympatico.ca
 


publicado por solpaz às 21:09
link do post | comentar | favorito
|

Europa
mais sobre mim
Brasil
arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
Foz Coa
links