Blogue luso-brasileiro
Segunda-feira, 26 de Outubro de 2015
JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI - FINADOS E ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A MORTE

 

        

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Ando um pouco de banda/ é que carrego meus mortos comigo” (Carlos Drummond de Andrade). Hoje é o Dia de Finados, celebração que deveria motivar uma natural reverência aos entes queridos já ingressados no reino onde se findam todos os mistérios, como ressaltou o consagrado poeta. No entanto, costumamos a nos afastar de qualquer aspecto relacionado à nossa transitoriedade neste mundo, mesmo cientes da grande verdade: a morte faz parte da vida.

Tal desprezo se prende ao fato de que grande parte da sociedade, seja por interesses de ordem política, social ou econômica, seja por manifesto egoísmo ou insensibilidade, imunizou-se em relação aos seus efeitos. Efetivamente, ela se constitui num antídoto contra a alienação humana, uma denúncia violenta contra as ilusões e a busca de bens passageiros, propiciando a concepção de nossa finitude. Uma realidade concreta que faz parte indivisível da existência.

O que se observa hoje infelizmente é uma manifesta tendência de sua vulgarização e de inversão de padrões e preceitos, predominando um clima de indiferença e de relações individuais, onde os sujeitos passam a tratar os próximos como objetos. A máxima “rei morto, rei posto” vem se acentuado a cada dia e a preocupação básica das pessoas se volta exclusivamente ao apego e à ganância. Ignora-se quase totalmente a questão da efemeridade – um descaso injustificável, já que ela é absolutamente certa, embora insistamos em despistar esse acerto.

A solidez dessa situação, com um pouco de extremo, foi captada pelo consagrado poeta Jorge Luís Borges: “Há um verso de Verlaine, que nunca voltarei a recordar./ Há uma rua, próxima, que está vedada aos meus passos./ Há um espelho, que refletiu minha imagem pela última vez./ Há uma porta, que fechei até o fim do mundo./ Entre os livros de minha biblioteca (eu os vejo)./ Há alguns, que jamais abrirei de novo;/ Neste verão, farei cinquenta anos/ A morte me desgasta incessante...”.

E o pior: somos expostos a ela todos os dias das formas drásticas e mais violentas, através da mídia e de nosso entorno, mas ao mesmo tempo, esse processo de banalização permite que não nos confrontemos com o limite de nossa permanência na Terra. A morte é sempre a dos outros, ela fica longe da nossa realidade, nos bastidores. Isso tudo, resultado do domínio e predomínio do econômico e material na convivência social, em detrimento dos valores éticos, morais e espirituais. Tais constatações nos levam à triste conclusão de que a solidariedade está se exaurindo no ser humano, tanto na vida – Dom maior de Deus -, como no final desta.

Por isso, precisamos reverter o quadro sombrio que nos assola, revendo as posições assumidas diante do período de convivência terrestre e resgatando a ameaçada estrutura humanista. A efetivação deste último objetivo inclui a busca do bem comum, do pleno respeito à dignidade humana e da garantia dos direitos que daí decorre. A morte realmente é uma circunstância normal do ciclo vital, que não devemos temer, ao contrário, necessitamos acolhê-la com serenidade, requerendo-se para tanto, empenho no progresso de conversão pessoal e no testemunho de realizações fraternas e solidárias. E não adianta recusarmos a sua ocorrência, nem tentar desmistificá-la, pois a nossa passagem por este planeta é breve e exata.

 

                           DIA DA CULTURA

 

Em homenagem a uma das mais brilhantes figuras brasileiras, RUI BARBOSA, comemora-se na próxima quarta-feira, 05 de novembro, data de seu nascimento, em 1849, na cidade de Salvador, Bahia, o DIA NACIONAL DA CULTURA, uma celebração de grande importância e que nos convida a uma reflexão sobre a questão cultural em nosso país. Desta forma, a sabedoria - concepção justa do sentido da vida - proporciona uma ideia geral do mundo, de Deus, do bem e do mal, da ciência, do homem, do conhecimento e da comunidade. Estas realidades deveriam ser mais desenvolvidas nos cidadãos, principalmente nos jovens, preparando melhor sua personalidade social através da consciência de valores, do cultivo da autonomia crítica e do sentido de responsabilidade, condições estas indispensáveis para o exercício da liberdade e da democracia.

 

 

 

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI é advogado, jornalista, escritor e professor universitário. Presidente da Academia Jundiaiense de Letras (martinelliadv@hotmail.com).

 

 

 



publicado por solpaz às 10:44
link do post | comentar | favorito
|

VALQUIRIA GESQUI MALAGOLI - SENTENÇA DE MORTE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

           

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

– Véi, sério, mano, tipo...

            E diante da minha cara de indignação, deram-me o benefício da legenda:

            – Isso foi uma sentença.

            Sim, disse eu, de morte! Da língua!

            – Tamu de férias, né.

            Em vista das circunstâncias, a única opção foi buscar e trazer à mesa o peixe. Por sorte (dele, inclusive) já estava morto, o que não o impediu de apresentar-se boquiaberto.

            Enfim, eu não era a única.

            – Posso abrir um refrigerante?

Engulo em seco, mas, depois, mergulho e lavo a alma num destoante copo de suco natural.

– ... é pra comemorar a última semana de férias, porque depois tudo volta ao normal e a gente tem que ser saudável de novo.

            Quando quase tudo parece perdido, arriscamos. Puxei da memória o vocabulário e gastei no idioma corrente: “véi, sério, mano, tipo”...

            Eles riram do meu desajeito.

            – Saúde não tira férias, gente. Tem que cuidar – falei.

            Algo como uma bomba veio explodir aqui, internamente, desafiando-me: “caramba, que chata você é, às vezes”.

            – Às vezes, defendi-me.

            Veio o flashback:

            “Ele não quer ler, Valquíria. De jeito nenhum. Diz que está de férias, e que leitura não tem diversão”.

            Ao ouvir a mãe que levara o filho a uma oficina de férias que tive o gosto de conduzir, provoquei o menino: e sabedoria lá tira férias, amigo? E quem foi que disse que ler não é divertido?

            Ao abraço que ganhei em resposta de seu filho, satisfeita com meu poder de persuasão, aquela mulher sorriu menos desesperada e um tanto mais prazerosamente.

            Ah... se ela me visse agora quando nossos papéis se assemelham... Como é desgastada a figura da mãe! No entanto, é inegável, que bênção é sê-lo.

            Meus filhos me enlouquecem para que eu perca a cabeça, mas nunca a fé.

            Fé em quê? Ou em quem? Perguntam-me vocês.

            Uso o último fôlego para, em minha defesa, dizer que isso, no mínimo, é material para outro artigo.

            Por ora, já me defendi demais da conta. É hora de baixar as armas, e, por que não, rezar: “Deus ilumine os meus filhos/ além da primeira idade!/ Há muito eu saí dos trilhos,/ e é um vau a maturidade./ Mas... quem diria que, nela,/ eu seria este alfarrábio?/ Envelhecida e amarela/ a tinta escorre do lábio.”.

 

 

 

 

VALQUÍRIA GESQUI MALAGOLI   -    escritora e poetisa,  vmalagoli@uol.com.br / www.valquiriamalagoli.com.br



publicado por solpaz às 10:31
link do post | comentar | favorito
|

RENATA IACOVINO - ENCONTROS E REENCONTROS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

         

 

 

 

 

 

 

 

   "(...) Eu só não consigo escapar/do movimento frenético da vida,/pois, se os passarinhos/não bicam o tempo todo/a delícia das frutas/é porque, vez por outra,/brigam por elas/com bicadas muito semelhantes/a estas que a vida me dá...".

            Foi pensando nesse frenético movimento da vida que me veio à lembrança estes versos da poeta e amiga Valquíria Gesqui Malagoli. Lá fui eu resgatá-los de seu livro OciosoCio, de 2011, muito embora este poema - Livre - tenha sido escrito pelos idos de 2006.

            A sensação que ela me tem provocado - a vida - também me carregou a uma música de Milton Nascimento e Fernando Brant, da qual destaco este fragmento: "São só dois lados/Da mesma viagem/O trem que chega/É o mesmo trem da partida/A hora do encontro/É também despedida/A plataforma dessa estação/É a vida desse meu lugar".

            E tantas perguntas vêm-me à mente...

            Ando reencontrando pessoas que não imaginava mais rever... Ando me despedindo sem despedidas de tantas outras... Ando encontrando pela primeira vez algumas outras que pareço já ter conhecido, sem conhecer...

            O nascer e o renascer de encontros quase sempre nos enchem de novidades e é como se nos renovássemos e descobríssemos novos de nós mesmos. Ou até nem novos, mas adormecidos. Adormecidos nós.

            Adormecidos nós que aos poucos se desatam.

            Reviver pessoas ou conhecê-las (e reconhecê-las) é algo como possibilitar a existência de mais uma face. É descobrir-se vivo.

            Por outro lado, tenho perdido muitos entes queridos, seja de forma física ou não. Isto também é descobrir-se vivo.

            A urgência da vida parece estar presente nas perdas e ganhos.

            Pois do todo complexo, acabamos por abstrair o essencial.

            Ou como diz a letra de uma das faixas de nosso mais recente CD, escrita por Valquíria, a certa altura: "Eterna esperança/Não pessoa qualquer/Vive morre vira lembrança/Plural homem mulher/Pessoa comum", em resumo, sinto que a síntese de nós, aqui de passagem, no frenético movimento da vida, é viver, morrer e virar lembrança. Afinal, somos pessoas comuns em todo nosso potencial diferencial.

            Resta-nos saber, sempre, onde reside essa lembrança...

            E isto também me fez recordar de um trecho de Eclipse, de Valquíria: "(...) A gente se vê/Por aí a qualquer hora./O tempo inexiste/E pra quem nisso crê/Tudo é sem demora/Que importa que diste?".

 

 

 

RENATA IACOVINO, escritora, poeta e cantora / reiacovino.blog.uol.com.br /reval.nafoto.net / reiacovino@uol.com.br



publicado por solpaz às 10:23
link do post | comentar | favorito
|

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - PEQUENAS CRIATURAS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

         

 

 

 

 

 

 

 

   Às vezes, aqui em São Paulo, penso que não existem mais sapos e outras criaturinhas.  Nascida no interior do estado, cresci acostumada ao convívio com anfíbios, pequenos répteis e uma imensa gama de insetos. Infelizmente, ao contrário do que algumas pessoas acreditam, essa fauna pequenina é essencial para manutenção do equilíbrio ecológico e a ausência deles nos meios urbanos não é bom sinal...

            Lembro-me de que era comum que sapos aparecessem em volta das casas e embora desde sempre tenha existido pessoas más ou ignorantes, em geral os sapos e rãs não eram alvo costumeiro da ação humana. As lagartixas, por sua vez, também costumavam e ainda costumam passar ilesas, correndo pelas paredes das casas como se fossem jacarés em miniatura, caçadoras vorazes de aranhas, moscas, pernilongos e outros insetos. Mesmo elas, contudo, não tenho visto na mesma frequência ou quantidade de alguns bons anos atrás.

            As cobras, ao contrário, permanecem como vítimas do desconhecimento humanos e uma vez avistadas, são vistas como ameaças e, não raras vezes, mortas de modo cruel e totalmente desnecessário. Por certo que muitas cobras são perigosas, sobretudo pelo veneno capaz de matar em poucos minutos. O fato é que nem todas as cobras são venenosas ou perigosas para os seres humanos e, alimentando-se de pequenos roedores, também possuem importante papel na cadeia alimentar e na saúde da natureza.

            Quando se fala da proteção aos animais, ordinariamente pensamos em cães e gatos, mas para além deles há ainda a necessária proteção para os animais nos quais quase ninguém presta atenção e que são responsáveis pelo controle de pragas que acabam vitimando os próprios seres humanos, entre outras coisas. E ainda que não fosse pelo bem que podem garantir à humanidade, há que se levar em conta que a grande parte deles morre por conta da pura, simples e lamentável falta de informação das pessoas.

            Entre a ignorância e a falta de piedade pelas demais formas de vida, os seres humanos seguem destruindo vidas de criaturas incapazes de lhes fazer mal. Esquecidos de que fomos nós que invadimos seus habitats, agimos como se fossem apenas meros estornos ou acessórios dos quais é possível se desfazer sem qualquer espécie de juízo de valor ou ponderação.

            Muitas vezes eu me pego pensando em como esse mundo em que vivemos está cada vez mais populoso e cada vez menos habitável. Derrubamos florestas, secamos, poluímos e canalizamos rios. Expulsamos a vida que se manifesta nas pequenas criaturas e culpamos políticos e “os outros” por todas as nossas mazelas, sequer nos dando conta de que temos parte importante no desastroso destino que temos preparado para natureza.

            Nas noites da cidade grande não há mais o coaxar dos sapos dentro da noite que chega, tampouco temos brejos e rios nos quais as rãs possam se refugiar. Acredito, piamente, que um dia, a prosseguirmos como estamos, sentiremos saudades do tempo no qual os animais e os seres humanos dividiam espaços com um mínimo de respeito mútuo e no qual era possível ter esperança de não sermos as próximas vítimas de nossa própria ganância e indiferença...

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo.

 

 



publicado por solpaz às 10:17
link do post | comentar | favorito
|

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - CORDÃO UMBILICAL AZUL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 


As histórias, do centro e da periferia, que relato nas crônicas, são chamas de vela que iluminam os labirintos de meu ser, ampliam meu conhecimento de humanidade e me ajudam a não encolher as batidas do coração.
A moça, conheci nas beiradas da cidade grande, aos 14 anos, grávida de quatro meses do primeiro filho. Trouxe-a para as cantigas de ninar de minha alma. Nessa idade tenra, surgem perguntas sobre conhecimentos e desconhecimentos que levam uma menina a engravidar tão cedo. Sou avessa a palpites e “interrogatórios” que nada acrescentam e, em casos como esse, opto por aplaudir a vida que se desenvolve nas entranhas maternas e dizer de carinho às mãezinhas assustadas com o novo em seu corpo despreparado. É evidente que sou favorável às orientações, principalmente pela família, sobre as consequências da gravidez na adolescência; orientações que incluam a importância do pudor e do exercício de renúncia aos impulsos e a determinados prazeres, com o propósito de um ideal maior, em um relacionamento que não seja de uso e abuso, de consumo que descarta “bagaços” nas sarjetas, de sopro que acaba em instantes.
Ouvi sobre o bebê durante cinco meses e o acompanhei através das ecografias e “nados’ que esbarravam na barriga. A adolescente o aguardou no último mês entre meiguice e medo da hora do parto. E os temores, já no hospital, despertaram os seus fantasmas antigos. Quem não tem fantasmas adormecidos-acordados ou acordados-adormecidos? A toda instante, pedia, aos que a acompanhavam, que me ligassem para relatar o que estava acontecendo: pouca dilatação e inúmeros espasmos. Desejava que a socorresse. Sem o que fazer, falava dela com Deus e insistia. A criança, depois de 12 horas, nasceu saudável e ela passou bem.
Nove anos após, há um mês, nasceu-lhe uma filha. Reside agora em outro Estado. Apesar da distância, fez-me de proximidade, desde que soube que a bebê a habitava. Foram 36 horas de espera na maternidade. Enviava-me mensagens, via WhatsApp, inserindo-me no acelerado das expectativas.  Trocamos mensagens até que silenciou. Duas horas mais tarde, a foto da pequenina. Que encanto!
Compreendi que, embora não seja mãe biológica, tenho com algumas pessoas um cordão umbilical azul. Que coisa boa experimentar essa sensação de fortalecer a espera de quem desembarca na luz! Coisas do Céu!

 

 

 

 


 MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - Professora e cronista. Coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala. Jundiaí, Brasil.



publicado por solpaz às 10:16
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 25 de Outubro de 2015
JOSÉ RENATO NALINI - A JUSTIÇA NÃO É CEGA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Resultado de imagem para José Renato Nalini

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Se fosse cega, não precisaria de venda para impedir seus olhos de escolher, de preferir, de cultivar empatias. A Justiça não é surda. Ouve o clamor do povo, sequioso por eliminar as injustiças. A Justiça não é tetraplégica, nem paraplégica, nem ostenta deficiência alguma. Ela é combalida, isto sim, porque não tem por ela o olhar de interesse e de afeição da comunidade. Os índices de avaliação do Poder Judiciário no Brasil não são os mais favoráveis. Mas por um paradoxo, desse tão brasileiros, cada vez mais se procura pela Justiça. Mesmo sabendo que a opção por um processo significa um treino de infinita paciência. Pois é infinita a duração de uma ação judicial no sistema brasileiro.

De tanto apreço ao duplo grau de jurisdição, nós temos quatro. Tudo começa com um juiz, que deveria dizer a melhor justiça e a questão terminar aí. Mas as pessoas querem que o Tribunal também se manifeste. Não satisfeitos com a resposta do colegiado, fazem o processo subir até o STJ – Superior Tribunal de Justiça, o “Tribunal da Cidadania“. E como a nossa Constituição “Cidadã” cuida de tudo, não é difícil fazer com que o processo ainda chegue ao STF – Supremo Tribunal Federal.

Essa caminhada dura de 10 a 20 anos, a depender do talento do profissional e de sua estratégia para se valer de uma arena de astúcias em que se transformou a ciência processual, quando alguém quer deixar de honrar seus compromissos, cumprir suas obrigações ou responder pelo mal causado.

Ainda não se fez a profunda reforma estrutural da Justiça brasileira, nem se vislumbra condição para fazê-la. Há muitos interessados em que ela não funcione. Seja uma instância simbólica, avalista da Democracia. Afinal, se existe juiz em cada cidade, para receber as demandas, isso é sinal de que o Brasil é um Estado de Direito de índole democrática.

Talvez a crise, ao forçar uma revisão de todas as instituições e a mostrar que dinheiro não cai do céu e quando ele falta é preciso reinventar a roda, traga ao povo brasileiro a oportunidade de refletir sobre sua Justiça, que gostaria de ser repensada. Isso não faria mal à fustigada República, fértil seara dos malfeitos e da politicagem.

 

 

Fonte: Diário de S. Paulo | Data: 22/10/2015

 

 


JOSÉ RENATO NALINI é presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo para o biênio 2014/2015. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.

 



publicado por solpaz às 19:59
link do post | comentar | favorito
|

FELIPE AQUINO - QUAL É A NOSSA MISSÃO ?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Eu, você e todos os cristãos temos um chamado especial de Deus

 

 

Você já parou para pensar para que servem os balões? Eles com suas diferentes cores e tamanhos, ornamentam festas, alegram o ambiente, divertem as crianças, chamam atenção daqueles que olham, enfeitam o mundo. Muito bem! No entanto, eles só conseguem fazer tudo isso se estiverem cheios. Para que servem balões vazios? Não servem para nada, não têm vida, não tem beleza, não alegram, vão para o lixo.

 

 

E os cristãos? Para que servem os cristãos?

 

 

Deus, para salvar a cada um de nós, enviou seu Filho e Seu Filho enviou a Igreja, isto é, os Apóstolos e seus sucessores (cf. Mt 10, 16ss; Jo 20,21-23), com a missão de espalhar a Boa Nova do Reino de Deus pelo mundo. A missão dos apóstolos, e de todos nós que aderimos a Cristo, é continuar sua missão nesta terra. Que missão! Difícil, árdua, mas muito bela; levar cada pessoa viver no Reino de Deus; reino de paz, de amor, de verdade, de justiça e de liberdade. Levar as pessoas a um dia viver eternamente com Deus no Céu. São Paulo disse que “olhos humanos jamais viram, ouvidos humanos jamais ouviram, e coração humano jamais sentiu o que Deus tem preparado para aqueles que o amam”. (1 Cor 2,9; Is 64,4).

A Didaquê, um documento cristão do primeiro século, dizia que: “Aquilo que a nossa alma é para o corpo, os cristãos são para o mundo”. Sem a alma o corpo não tem vida, sem os cristãos o mundo não tem vida. Por isso Jesus disse: “Vós sois o sal da terra” (Mt 5,13). “Vós sois a luz do mundo” (Mt 5,14). A luz do cristão, que é a Luz de Cristo, ilumina este mundo de trevas do pecado: ódio, ganância, brigas, mortes, roubos, adultérios, vanglórias, exibicionismos, orgias, comilanças, bebedeiras…

É o sal que dá sabor ao alimento e que o conserva. Só Cristo conserva a vida com sabor e com integridade. E Ele quer que os cristãos sejam os portadores e irradiadores dessa luz que ilumina as trevas e esse sal que dá sabor e vida.

Mas, para continuar a missão de Cristo, é necessário sermos semelhantes a Ele. Ele deixou claro que sem Ele não podemos fazer nada (cf. João 15,5). Por isso, o cristão só poderá ser o sal da terra e a luz do mundo se estiver repleto de Cristo. São Paulo era um gigante evangelizador porque tinha consciência de que não era ele quem vivia, mas que “Cristo vivia nele”, e lhe dava força e coragem de enfrentar muitas viagens, perseguições, açoites, prisões, etc..

E quem nos faz semelhantes a Cristo, repletos de Cristo, portadores de Cristo, é o Espírito Santo. 

 

 

 

homemecruz

 

 

 

 

 

Leia também: A vocação dos leigos

Dia mundial das missões

O grande mês das missões

É preciso trabalhar pelo Reino de Deus

Outubro: Mês das Missões, dedicado também a Virgem Maria

Como os leigos podem ajudar na construção do Reino de Deus?

 

 

O Espírito de Jesus habita em nós para fazer-nos imagens de Jesus; esta é a vontade do Pai, que cada um de nós seja uma réplica de seu amado Jesus. E quem faz isso é o Espírito Santo. Ele nos leva a atingir o estado de homem perfeito, a estatura e maturidade de Cristo” (Ef 4,13). Os cristãos precisam estar cheios do Espírito Santo. O que podem fazer cristãos vazios? Cristãos vazios são como balões vazios! Não podem fazer nada.

Continuar a missão de Cristo aqui na terra é algo muito sério. Embora, muitos não sejam conscientes disso, todos são chamados. O parágrafo 900 do Catecismo da Igreja Católica deixa bem claro que:

“Uma vez que, como todos os fiéis, os leigos são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, eles têm a obrigação e gozam do direito, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente por meio deles que os homens podem ouvir o evangelho e conhecer a Cristo.”

Os leigos estão na linha mais avançada da vida da Igreja, no mundo secular e precisam ter uma consciência clara, não somente de pertencerem à Igreja, mas de “serem” Igreja.

O leigo tem como vocação própria, estabelecer o Reino de Deus exercendo funções no mundo, no trabalho, na cultura, na política, etc., ordenando-as segundo o Plano e a vontade de Deus. Cristo os chama a ser “sal da terra e luz do mundo”. O leigo chega aonde o sacerdote não chega. Ele deve levar a luz de Cristo aos ambientes de trevas, de pecado, de injustiça, de violência, etc.. Assim, no mundo do trabalho, levando tudo a Deus, o leigo contribui para o louvor do Criador, se santifica e santifica o trabalho. Ele constrói o mundo pelo labor, e assim coloca na obra de Deus a sua assinatura. Torna-se co-criador com Deus.

O Concílio Vaticano II resgatou a atividade do leigo na Igreja: “Os leigos que forem capazes e que se formarem para isto podem também dar sua colaboração na formação catequética, no ensino das ciências sagradas e atuar nos meios de comunicação social” (Cat. n.906).

O Código de Direito Canônico dá ao leigo o direito e o dever de dar a sua opinião aos pastores:

“De acordo com a ciência, a competência e o prestígio de que gozam, têm o direito e, às vezes, até o dever de manifestar aos pastores sagrados a própria opinião sobre o que afeta o bem da Igreja e, ressalvando a integridade da fé e dos costumes e a reverência para com os pastores, e levando em conta a utilidade comum e a dignidade das pessoas, deem a conhecer essa sua opinião também aos outros fiéis. (Cat. 907; Cânon 212,3).

                                                                     apostolado

Para ser firme no cumprimento de sua missão de batizado e missionário, o leigo precisa ter uma vida espiritual sadia. O Papa João Paulo II disse um dia que: “A eficácia do trabalho apostólico do fiel leigo está intimamente associada à sua base espiritual, à sua vida de oração pessoal e comunitária, à frequência na recepção dos Sacramentos, sobretudo a Eucaristia e a Penitência e à sua reta formação doutrinária.”

Sem isso, não podemos ser repletos do Espírito Santo e de agir pelo poder de Cristo em nós. O leigo que não reza, não se Confessa, não Comunga, não lê e não medita a Palavra de Deus, não tem perseverança na missão, e como acontece com muitos sacerdotes também, acaba sendo afastado dela.

Mais do que nunca a Igreja precisa hoje dos leigos no campo de batalha do mundo; pois hoje ela é magoada, ofendida, perseguida e tida por muitos como a culpada de todos os males. Uma escala de valores pagã tenta insistentemente substituir a civilização cristã por uma cultura de morte (aborto, eutanásia, destruição de embriões, suicídio assistido…); e Deus vai sendo expulso da sociedade como se fosse um mal, e a religião católica vai sendo atacada por um laicismo agressivo anticristão. Nossa missão hoje, mais do que nunca, é pelo poder do Espírito Santo, sermos testemunhas de Jesus Cristo; e mostrar o mundo que sem Ele não há salvação eterna e nem felicidade terrena.

 

 

 

FELIPE AQUINO Escritor católico. Prof. Doutor da Universidade de Lorena. Membro da Renovação Carismática Católica.

 

 



publicado por solpaz às 19:39
link do post | comentar | favorito
|

PAULO R. LABEGALINI - AONDE IREMOS NÓS ?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No século XVII, Jesus apareceu a uma jovem para transmitir sua mensagem. Nascida na França, Margarida Maria teve uma infância sofrida, pois era órfã de pai e, muito nova, pegou uma estranha doença que só a deixou depois de fazer voto à Santíssima Virgem e ser uma de suas filhas religiosas. Começou, então, adorar o Santíssimo Sacramento e ter revelações divinas: “Eis aqui o Coração que tanto amou os homens, até se esgotar e consumir para testemunhar-lhe seu amor e, em troca, não recebe da maior parte senão ingratidões, friezas e desprezos”.

As muitas mensagens insistiram num maior amor à comunhão nas primeiras sextas-feiras do mês e à hora santa em reparação dos pecados da humanidade. A santa, portanto, recebeu a missão de espalhar pelo mundo a devoção ao Sagrado Coração, ofendido pela ingratidão dos homens. Foi perseguida, tachada de alucinada, até que a Providência colocou em seu caminho o jesuíta São Cláudio La Colombière, que lhe deu orientação e conseguiu fazer com que sua mensagem começasse a ser vista com outros olhos.

Pouco a pouco, essa mensagem foi se impondo e espalhou por toda a Igreja. O Papa Leão XIII consagrou o mundo ao Sagrado Coração de Jesus e Pio XIII recomendou esta devoção. Santa Margarida Maria faleceu aos 43 anos e foi canonizada em 1920.

Eis as promessas que recebeu de Jesus e que encantam a todos quando cantamos nas missas:

1. Darei às almas dedicadas a meu Coração, todas as graças necessárias à sua vida;

2. trarei e conservarei a paz em suas famílias;

3. consolá-los-ei em todas as suas aflições;

4. ser-lhes-ei refúgio na vida e principalmente na morte;

5. lançarei bênçãos abundantes sobre os seus empreendimentos;

6. os pecadores acharão em meu Coração a fonte de misericórdias;

7. as almas indecisas tornar-se-ão fervorosas;

8. as almas fervorosas elevar-se-ão a uma alta perfeição;

9. a minha bênção pousará sobre as casas em que se achar exposta e venerada a imagem do meu Sagrado Coração;

10. darei aos sacerdotes o poder de tocar os corações mais endurecidos;

11. as pessoas que propagarem esta devoção terão os seus nomes inscritos para sempre em meu Coração; e

12. a todos que comungarem nas primeiras sextas-feiras, em nove meses seguidos, darei a graça da perseverança final e da salvação eterna.

Hoje, infelizmente, poucos propagam estas promessas. Se, ao menos, os mais pecadores confiassem no Sagrado Coração, com certeza iriam recebendo graças maiores a cada dia até se tornarem fervorosos devotos. E uma devoção fiel nos leva a expor a imagem de Jesus em lugar de destaque no nosso lar.

Eu O mantenho ao lado do Imaculado Coração de Maria no móvel mais visível da sala de entrada do meu apartamento, porém, ao lado, fica a televisão que transmite as maiores crueldades de todos os tempos. O respeito pela vida do próximo já deixou de ser prioridade; a violência das armas mata inocentes em plena luz do dia; a integridade moral dos governantes não pode ser levada a sério; enfim, o amor está escasso na raça humana!

Aonde iremos nós?

Ninguém garante que a camada de ozônio irá nos proteger por mais alguns séculos, nem é possível afirmar que teremos água potável em abundância nas futuras gerações e, muito menos, que os grupos armados serão controlados nos próximos anos! Se não confiarmos na providência Divina, que esperança nos resta?

Somente a fé nos coloca em sintonia com Deus, nos livra dos piores pecados, nos mantém esperançosos em dias melhores, recompõe em nós a paz de espírito e nos ajuda a caminhar com dignidade cristã para um mundo melhor. Sem fé e obras de caridade, nada disso é possível.

Ainda bem que nem tudo é tristeza nos fatos cotidianos. Tanto na televisão quanto na internet, rolam coisas bonitas que nos fazem crescer na fé. Leia este parágrafo abaixo:

Não espere um sorriso para ser gentil; não espere ser amado para amar; não espere ficar sozinho para reconhecer o valor de um amigo; não espere o melhor emprego para começar a trabalhar; não espere ter muito para partilhar; não espere a queda para lembrar de um bom conselho; não espere a dor para acreditar na oração; não espere ter tempo para poder servir; não espere a mágoa do outro para pedir perdão; nem espere a separação para se reconciliar. Não espere, porque você não sabe quanto tempo tem.

Linda orientação, não? Mas precisamos lembrar que algumas pessoas colocam todas as suas esperanças em coisas passageiras e vivem se frustrando. Na Sagrada Escritura, Jeremias diz o quanto é bendito o homem que confia no Senhor; Paulo afirma que quem está com Cristo nada precisa temer; Lucas comprova que até no sofrimento é possível ser feliz quando fugimos do pecado e colocamos a nossa esperança em Deus. Portanto, estes são os caminhos abençoados que devemos seguir hoje e sempre.

 

 

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI - Escritor católico. Vicentino de Itajubá - Minas Gerais - Brasil. Professor doutor do Instituto Federal Sul de Minas - Pouso Alegre.

 



publicado por solpaz às 19:24
link do post | comentar | favorito
|

HUMBERTO PINHO DA SILVA - PERDER A FÉ NA MISSA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nicola Bux, é professor de Liturgia Oriental e Teologia Sacramental, na Faculdade Teológica de Bari – Itália.

Segundo ele, a celebração eucarística, nas nossas igrejas, tornou-se cansativa e rotineira. Falta-lhes beleza e principalmente explicação do “ que acontece lá”.

Os fiéis vão à missa, por obrigação ou dever, mas (a maioria) não sabe o que é a celebração eucarística, para poder participar e compreender.

É natural que jovens, e não só, fujam de ir ao culto, aos domingos, porque, e cito Bux, ficam “enfastiados da missa”.

As leituras, por vezes, são extensas, as homilias herméticas, incompressíveis para a maioria dos crentes.

Recordo, que estando em Roma, no convento anexo à Basílica de Santo António, frade, que vivia no Brasil, falou-me da proliferação das seitas, que arrebanham milhares, transformando os templos em verdadeiros hipermercados de bênçãos.

Interroguei o motivo de tão vertiginosa expansão, quando a sociedade parece ter-se tornado agnóstica.

Explicou-me que se deve ao facto dos pastores falarem-lhes em termos comuns, ilustrando as homilias com casos da vida real e quotidiana.

Quando o sacerdote quer mostrar erudição ou na prática, enreda, não expondo a doutrina com palavras que os ouvintes compreendam, a missa torna-se enfadonha e os crentes saem em jejum.

No livro que Nicola Bux publicou: “ Como Ir à Missa Sem Perder a Fé” – editado por Piemme (Milão), aborda também os símbolos e gestos litúrgicos, que não sendo devidamente explicados, são incompreendidos pela assembleia.

Já que poucos comparecem à catequese de adultos, nem participam em movimentos ou associações religiosas, parece-me que seria prudente, que no início da missa, o sacerdote tivesse pequena palestra (conversa) sobre cristianismo: o que é e o que significa a celebração eucarística.

Ideal seria que fosse acompanhado de folhas volantes, distribuídas ou colocada numa mesinha, à entrada. Certa vez, alguém, sugeriu que cada Igreja, cada pároco, tivesse site ou página numa rede social – só de uso dos aderentes ao grupo – onde abordasse temas religiosos.

Deste modo podia haver conhecimento melhor dos membros que frequentam o templo.

Não digo tanto; mas pelo menos pequenina explicação, no início da missa, parece-me útil e extremamente necessário.

 

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA  -   Porto, Portugal



publicado por solpaz às 19:18
link do post | comentar | favorito
|

EUCLIDES CAVACO - A FAMÍLIA
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma avaliação poética desta força maior que é a FAMÍLIA que poderão ver n neste link:
 
 

http://www.euclidescavaco.com/Poemas_Ilustrados/Familia/index.htm
 
 


Desejos duma maravilhosa semana para todos e suas famílias.
 
 
 
 
EUCLIDES CAVACO - Director da Rádio Voz da Amizade , Canadá.
 
 
 
 
 
 
***
 
 
 
 
Foto de Cristina Andrade.
 
 
 
 
 

 

BAZAR DE SEMINOVOS (ROUPAS, SAPATOS, BOLSAS, BIJUTERIAS) DA MAGDALA NA PRÓXIMA QUARTA-FEIRA. POR FAVOR, COMPARTILHEM.

 

Dia: 28 de outubro(quarta-feira).

Horário: das 9h00 às 17h30.

Local: Rua Bela Vista, 280 (centro) – próximo ao Terminal Central. Descendo a rua do Correio, segunda à esquerda.

As peças terão o preço único de R$ 2,00 (dois reais) e o valor será utilizado na Festa de Natal, que inclui, além das integrantes, seus filhos e netos.

Contando sempre com seu apoio, agradecemos.

“O amor fraterno é o testemunho, mais próximo, que nós podemos dar de que Jesus está vivo conosco, de que Jesus ressuscitou.”
(Papa Francisco )

 

 

 

***

 

 



publicado por solpaz às 19:13
link do post | comentar | favorito
|

Europa
mais sobre mim
Brasil
arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
Foz Coa
links