Blogue luso-brasileiro
Domingo, 27 de Dezembro de 2015
JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI - ANO NOVO, MUITA ESPERANÇA E PAZ !

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Normalmente, o final do ano nos convida a um balanço, impõe reflexões, renova anseios e traz um sentido poético, que em outros momentos não conseguimos revelar. Efetivamente, o mundo completa outra volta ao redor do sol e marca o início de um novo período. Vivemos a expectativa de encará-lo com otimismo e confiança, pois faz parte do coração humano esperar sempre. Entretanto, não podemos acreditar que as coisas vão melhorar só porque sexta-feira já é 2016. Alias, o crescimento e o desenvolvimento de todos deve ser uma constante, independentemente de uma página virada no calendário. Apesar da condição humana se determinar pelo caráter do tempo, precisamos sempre acreditar em nós mesmos.

            O consagrado Carlos Drummond de Andrade assim se expressou em “Receita de Ano Novo”: “Para ganhar um Ano Novo/ que mereça este nome,/ você, meu caro, tem de merecê-lo,/ tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,/ mas tente, experimente, consciente./ É dentro de você que o Ano Novo/ cochila e espera desde sempre” (Editora Record. 2008). Também são lindas as palavras de Fernando Pessoa numa poesia que fez sobre o tema: “Ficção de que começa alguma coisa!/Nada começa: tudo continua./ Na fluida e incerta essência misteriosa/ Da vida, flui em sombra a água nua./ Curvas do rio escondem só o movimento./ O mesmo rio flui onde se vê./ Começar só começa em pensamento.”

            Ainda assim, no fim de cada ano, fazemos de conta que o seu fluir inexorável abre uma porta e fecha outra, lançando uma ponte para podermos atravessar de uma época para outra. Até tentamos mitificar esse instante de passagem, criando novos propósitos, prometendo o abandono de vícios e comodismos, além de aspirarmos cuidar melhor de nossa saúde, da família e do próximo. Enfim, essa fase nos impõe a inevitável sensação de urgência em terminarmos e fecharmos assuntos pendentes. No entanto, transcorridos os festejos e o “reveillon”, vem triste realidade:- continuamos os mesmos do ano passado e  os conflitos mais primários permanecem assolando nossa convivência e a mídia em geral. Parece que todas as esperanças lançadas entre os dias 31 de dezembro e 01 de janeiro são de artifício, como os fogos que estouram durante a euforia sem limites das comemorações típicas tradicionais.

            Por isso recorremos aos poetas. Eles deixam as coisas harmônicas, ou pelo menos, faz-nos mais sensíveis aos acontecimentos. Vinicius de Moraes em seu “Poema de Ano-Novo” magistralmente indicou: “É preciso que nos encontremos diante do amor como as árvores fêmeas cuja raiz é a mesma e se perde na terra profana/É preciso... a tristeza está no fundo de todos os sentimentos como a lágrima no fundo de todos os olhos/ Sejamos graves e prodigiosos, ó minha amada, e sejamos também irmãos e amigos...”.                    

            Na realidade, buscamos ser felizes, mas não conseguimos nos realizar coletivamente. Sonhamos em ser iguais, mas cultuamos os piores contrastes. O egoísmo gera o anonimato que impede o surgimento de alianças sólidas entre os indivíduos e as relações tendem a ser fortuitas e passageiras. O tempo passa mais rápido do que a capacidade de doação. Um cenário promissor à solidariedade acaba sempre se distanciando. Mas a esperança, apesar de Bertold Brecht ter afirmado que ela atrasou os povos latinos americanos que não reagem aos abusos e desmandos administrativos, ainda é a mola propulsora de um futuro melhor. Mário Quintana revelou com brilhantismo tal situação: “Esperança/ Lá bem no alto do décimo segundo andar do Ano/ Vive uma louca chamada Esperança/ E ela pensa que quando todas as sirenas/ Todas as buzinas/Todos os reco-recos tocarem/ - Ó delicioso vôo!/ Ela será encontrada miraculosamente incólume na calçada,/ Outra vez criança…/ E em torno dela indagará o povo:/ - Como é teu nome, meninazinha de olhos verdes?/ E ela lhes dirá/ (É preciso dizer-lhes tudo de novo!)/ Ela lhes dirá bem devagarinho, para que não esqueçam:/ - O meu nome é ES-PE-RAN-ÇA…”

 

                                               DIA MUNDIAL DA PAZ

 

Em 1968, foi instituído o Dia Mundial da Paz em primeiro de janeiro. Vale dizer, ela não é um ato isolado, nem fruto de gestos individuais. É a soma de esforços de uma comunidade solidária que reconhece em cada indivíduo um valor maior: o de ser pessoa. É preciso deixar fluir emoções e sentimentos para buscarmos uma vida mais justa e fraterna. Talvez seja esse o maior propósito para 2015. 

 

 

 

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI é advogado, jornalista, escritor e professor universitário. É presidente da Academia Jundiaiense de Letras (martinelliadv@hotmail.com).

 

 



publicado por solpaz às 18:57
link do post | comentar | favorito
|

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - UMA LUZ PARA O NATAL

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

            E naquele ano o dinheiro não deu. Simplesmente não deu. Julieta achou que daria e, num rompante, prometeu para filha que juntamente com o Natal viria a tão sonhada boneca. A menina, que completaria 5 anos no dia 25 de dezembro, já estava acostumada um único presente, que, segundo a mãe, era trazido especialmente pelo Bom Velhinho, para as crianças que faziam aniversário naquela data tão especial.

            Intimamente, Julieta se repreendia, pois acreditava que tinha parcela de culpa por a filha nascer justamente no Natal. A pobre menina jamais teria festas de aniversário nas quais pudesse convidar seus amigos, bem como, muito provavelmente, estaria fadada a continuar recebendo um único presente pelas duas datas. Jamais haveria um parabéns entoado na sala de aula e outras tantos inconvenientes de se fazer aniversário no Natal.

            Nas últimas semanas de gravidez, o parto estava marcado para o início da segunda quinzena de janeiro e Julieta prosseguia com os preparativos para receber ao mundo aquela vida que já era alvo de todo seu amor. Ela e o marido, Francisco, seu eterno Romeu, haviam sonhado e pranteado muitos filhos não nascidos, todos ceifados pela morte antes mesmo de existirem.  De acordo com os médicos, aquela gravidez era uma verdadeiro milagre, sobretudo diante do histórico de abortos anteriores e da idade que ia, ano a ano, retirando de Julieta as esperanças.

            O fato é que, após ultrapassados oito tranquilos meses, Julieta estava confiante de que nada daria errado e, contrariando as orientações médicas, resolveu ir ajudar uma amiga que estava passando por um momento difícil. Horas depois, nascia a filha, um pouco antes do planejado, em pleno Natal. Daquele dia em diante, todos os Natais adquiriram um significado extra, a certeza de que alguns sonhos, por mais improváveis que fossem, poderiam se realizar. Para Julieta, assim, a data era um presente, mas para a filha, uma espécie de sina, da qual um dia ela teria consciência.

          A mãe sempre tentava caprichar no presente único, mas dessa vez mal tinha dinheiro para comprar alguma coisa. Havia sido um ano difícil, no qual Francisco passou um período desempregado. Eles destinaram todos os recursos da família para os gastos indispensáveis, mas pouco havia sobrado. Julieta, com o coração apertado e com os olhos cheios de lágrimas, já ensaiava qual a desculpa que daria para a menina... Talvez ela pudesse dizer que o Papai Noel não poderia vir nesse Natal, que alguma das renas estava doente, ou qualquer coisa do gênero, mas temia que a filha, ao encontrar as outras crianças do prédio, descobrisse que isso não era verdade...

         Para o aniversário, de toda forma, faria um bolo e saber enfeita-lo era uma habilidade bem útil nesse momento. Cantariam parabéns juntamente com os avós e dois primos que não iriam viajar e ela arrumaria algum presente que pudesse não fazer feito. Só não imaginava como. Ela precisava de uma luz, de uma ideia e, em suas orações, rogou ao Universo que lhe inspirasse, pois tudo o que ela mais queria era o sorriso da garotinha que dava sentido a todos os seus dias.

         Na véspera de Natal, sem que qualquer grande ideia lhe ocorresse, foi até o mercado mais próximo, com seu dinheiro contado, para comprar os ingredientes do bolo. Na entrada, no entanto, viu uma jovem mãe, maltrapilha, sentada na calçada com um bebê nos braços, a pedir esmolas. Ao lado dela, uma caixa de papelão, com alguma coisa dentro. Ela não gostava de dar dinheiro, pois sempre desconfiava da destinação que lhe seria dado, mas a cena não lhe saia da cabeça.

         O dinheiro que ela tinha mal deu para comprar o básico e, ao olhar para o preço do que usaria para a cobertura, resolveu comprar um litro de leite e alguns biscoitos. A filha iria entender e talvez essa fosse uma boa lição de Natal. Ela daria um jeito, de toda forma. Ao passar no caixa, constatou que, de fato, não lhe sobrara qualquer moeda.

          Na saída, abordou a jovem mãe e lhe entregou o leite e as bolachas. A moça, agradecida, olhou nos olhos de Julieta e lhe disse: _ muito obrigada! Hoje é meu aniversário...Julieta, que já estava indo embora, voltou e disse que amanhã seria o aniversário da filha dela, Cristiana...

        A moça, então, cujo nome Julieta jamais soube, enfiou a mão na caixa e perguntou se ela aceitaria um presente para dar a Cristiana e de lá tirou um cãozinho, filhote, malhado de preto e branco. Ela disse que não tinha condições de cuidar dele e que ficaria muito feliz se ele pudesse ter um lar...

    Naquele dia, uma menininha teve o Natal e aniversário mais feliz de sua vida e Julieta, ao voltar no dia seguinte para levar um pedaço de bolo e outros alimentos para aquela jovem mãe, não ficou exatamente surpresa ao descobrir que ninguém jamais vira qualquer pessoa com aquela descrição por ali... Ela sabia que milagres algumas vezes acontecem...

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo.  -  cinthyanvs@gmail.com

 

 



publicado por solpaz às 18:41
link do post | comentar | favorito
|

DOM GIL ANTÔNIO MOREIRA - A MISERICÓRDIA QUE TRAZ ALEGRIA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Alegrai-vos no Senhor, repito alegrai-vos, pois o Senhor está bem perto” (Fil. 4,4).

 

 

Com estas palavras o Apóstolo Paulo, escrevendo da prisão, animava a comunidade de Filipos, a esperar a vinda do Senhor. Falava da segunda vinda de Cristo no fim dos tempos, mas, certamente, também das vindas do Senhor no dia a dia, pois Ele vem a nós de várias maneiras no decurso de nossa vida. Filipos era uma comunidade muito querida por São Paulo, pois foi a primeira comunidade que ele fundou no território europeu e lhe era muito fiel na observância dos seus ensinamento.

No 3º Domingo do Advento, celebramos o Domingo da Alegria. O Senhor está perto. Logo chegará o Natal do Menino Jesus, Salvador.  As profecias de Sofonias e a referida Carta de Paulo ao Filipenses são carregadas de sentimentos de exultação que vem da esperança que está para se realizar por intervenção amorosa de Deus.

No 3º Domingo do Advento deste corrente ano, também, para alegria de todos os cristãos, em todas as Catedrais do mundo, abrem-se as Portas Santas da Misericórdia, fato inédito trazido pela caridade do Papa Francisco que quer ver a misericórdia transformar-se em paz, em perdão, em amor para todo o mundo hodierno, “este mundo com tantas esperanças e tantas contradições” (MV 1).

A Igreja é a grande anunciadora da Misericórdia. A Misericórdia traz alegria ao coração, pois a Misericórdia é o rosto de Jesus que chega no Natal, como afirma o Sucessor de Pedro na abertura da Bula Misericordiae Vultus: “Jesus Cristo é o rosto da misericórdia do Pai. O mistério da fé cristã parece encontrar nestas palavras a sua síntese. Tal misericórdia tornou-se viva, visível e atingiu o seu clímax em Jesus de Nazaré. (MV 1),

No evangelho deste 3º Domingo do Advento, contemplamos a missão de São João Batista ao anunciar a chegada do Salvador. Cristo já havia nascido, quando o Batista pregou nos desertos da Judéia e à beira do Rio João, preparando os caminhos do Senhor, mas é a partir do batismo pregado por João que Ele inicia a sua vida pública.

 Respondendo a pergunta das multidões, O que devemos fazer, João Batista responde com indicação de obras de misericórdia: Quem duas túnicas, dê uma para quem não tem nenhuma, e quem tiver comida, faça o mesmo (Lc 3, 10). As palavras do Precursor nos remetem às obras de Misericórdia contidas no evangelho de São Mateus: Tive fome e me destes de comer, tive sede em destes de beber, estava nu e me vestistes...(cf. Mt 25, 35 s)

Aprendamos com João Batista que Misericórdia se pratica com humildade, pois o orgulhoso, o egoísta, o vingativo nunca consegue ser misericordioso. Por isso, ao ser interrogado se era ele o Messias, respondeu humildemente: Não sou. Ele é muito maior do que eu. Nem sou digno de desamarrar as correias de suas sandálias. Eu vos batizo com água, Ele vos batizará com o Espírito Santo e com o fogo. (cf. Lc 3, 16)

Aos publicanos e aos soldados, ele mostra que, no caminho do Messias, não cabem corrupção, exploração, roubo. Não cobreis mais do que o estabelecido; não maltrateis a ninguém, não façais denúncias falsas e contentai-vos com o vosso soldo” (cf. Lc 3, 10 ss). Todas estas práticas aqui condenadas são o inverso da misericórdia sicut Pater.

Também o Papa Francisco, na mencionada Bula, fala algumas vezes da alegria de quem pratica a misericórdia, segundo o Pai, como por exemplo, no seguinte trecho: Precisamos sempre de contemplar o mistério da misericórdia. É fonte de alegria, serenidade e paz. É condição da nossa salvação. Misericórdia: é a palavra que revela o mistério da Santíssima Trindade. Misericórdia: é o ato último e supremo pelo qual Deus vem (MV 2).

 

 

ORIGEM E DESENVOVIMENTO DOS ANOS SANTOS

 

 

O costume de celebrar o Ano Santo tem origem na Bíblia, especificamente no Livro do Levítico, capítulo 25, que estabelece o Jubileu de perdão e justiça. Lá se celebrava o Ano Sabático de 50 em 50 anos, com perdão das dívidas e o retorno das propriedades para o antigo dono. 

Na era cristã, a Igreja vem cumprindo este belo costume, agora sob a luz de Cristo Redentor, e passou a celebrá-lo de 25 em 25 anos, para melhor significar a extraordinária bondade de Deus, dando assim oportunidade a cada geração de celebrá-lo ao menos uma vez. Assim o cristão é perdoado de suas dívidas espirituais para com Deus e para com os irmãos, e pode voltar à sua primeira condição da inocência batismal, após receber a indulgência plenária.

O Ano Santo é um convite à conversão continua, vencendo o pecado e renovando nossa vocação à santidade, nossa adesão inteira, de alma e de mente, à Salvação trazida por Jesus, o Filho de Deus Encarnado. Para isso a Igreja nos oferece  um caminho de penitência e oração que constitui, em algumas práticas de espiritualidade, através das quais, se obtêm, da generosa benignidade de Deus, a indulgência plenária para nós e para os mortos, segundo a intenção do fiel.

Como símbolo visível, e sensível, da disposição sincera de conversão, o fiel passa pela Porta Santa, entrando assim num caminho novo, purificado pela indulgência que lhe restitui a condição inicial do Batismo. Não há nada de mágico nisto, mas muito de simbólico. A porta é, na verdade, imagem de Cristo, que afirmou: “Eu sou a porta das Ovelhas; quem entrar por mim será salvo” (Jo. 10, 9).

            Por ocasiões especiais, os Papas têm convocado Anos Santos Extraordinários, como oportunidade de transformação de vida, dos costumes e da prática das boas obras.

            O Ano Santo Extraordinário da Misericórdia, explicou o Papa Francisco, “é um tempo favorável para todos nós, fazendo-nos contemplar a Misericórdia Divina que ultrapassa todo e qualquer limite humano e consegue brilhar no meio da obscuridade do pecado, para nos tornarmos suas testemunhas convictas e persuasivas”.

O Ano Santo Extraordinário da Misericórdia teve início no dia 8 de dezembro e se concluirá no dia 20 de novembro de 2016, Domingo de Cristo Rei do Universo, quando Papa fechará a Porta Santa da Basílica de São Pedro, em Roma. Nas dioceses, as Portas da Misericórida serão fechadas no anterior dia 13 de novembro.  

    

 

NA ARQUIDIOCESE DE JUIZ DE FORA

 

 

 

            Na Arquidiocese de Juiz de Fora, determinamos a abertura de quatro portas santas, em sintonia e ressonância com as quatro basílicas romanas (São Pedro, São João de Latrão, Santa Maria Maior e São Paulo Extra-Muros). As nossas Portas Santas encontram-se, a primeira, na Catedral Metropolitana, em Juiz de Fora; a segunda, no Santuário do Bom Jesus do Livramento, na cidade de Liberdade, centro de grandes peregrinações; a terceira, na Matriz de Santa Rita de Jacutinga, paróquia regida por muitos anos pelo virtuoso Monsenhor Marciano, cuja causa de canonização está em andamento em nossa Arquidiocese; e a quarta, no Santuário de Nossa Senhora das Mercês, em Mar de Espanha, destacando neste a bonita referência feita pelo Papa a Maria, ao final da bula Misericordiae Vultus.

Para maior solenidade, embora se considere o Domingo da Alegria como dia de abertura de todas as portas, serão feitas celebrações presididas pelo Arcebispo, nos dias 14, no Santuario do Bom Jesus do Livramento; dia 22, na Matriz de Santa Rita de Jacutinga; dia 27, no Santuário de Nossa Senhora das Mercês, em Mar de Espanha. Tal iniciativa pretende fazer ressoar os sentimentos do coração de Papa Francisco que tem sugerido não restringir nossas atenções apenas aos centros urbanos, mas olharmos também para as periferias. Dada a grande extensão geográfica de nossa Arquidiocese, desejamos oferecer aos homens e mulheres das várias regiões do interior, às vezes tão longínquas da Catedral, oportuniade de celebrar o Ano Santo da Misericórdia com mais facilidade e frequência.

 

 

            O QUE FAZER PARA OBTER A INDULGÊNCIA PLENÁRIA

 

           

Para obter indulgência, é necessário que o fiel, movido por sincera conversão, cumpra as orientações da Igreja para estas ocasiões, peregrinando a um destes lugares, passando contritamente por uma destas portas. Os fiéis são chamados a fazer sua Confissão Sacramental, a recitar o Creio em Deus Pai, renovando sua fé em Cristo e na Igreja, a rezar o Pai Nosso, três Ave Marias e o Glória ao Pai nas intenções do Papa, e participar da Santa Missa, fazendo sua Comunhão Eucarística. Não há necessidade de se fazer estes atos de piedade no mesmo dia da peregrinação, mas podem ser feitos nos dias anteriores, no máximo 30 dias antes. A celebração Eucarística, contudo é recomendável que,  preferencialmente, seja participada no dia da conclusão da peregrinação.

            É sem dúvida maravilhosa a decisão do Papa Francisco de estabelecer outras modalidade de Portas Santas, para os que se encontram em situações especiais. Por exemplo, lucram as mesmas indulgências, os prisioneiros que cumprirem as condições estabelecidas, e passarem contritamente a porta de sua própria cela, tranformando-a, assim, em Porta Santa. Também os doentes, podem apenas passar mentalmente pela Porta Santa, e fazerem suas orações e recebendo os sacramentos no seu leito de dor. O mesmo se dá com as pessoas idosas que não podem sair de casa, lucrando indulgências apenas pela oferenda de sua solidão, rezando em sua residência.

            Enfim, o Papa indica como exercício prático para o Ano da Misericórdia, a observância contínua das Obras de Misericórdia, Corporais e Espirituais, contidas no Catecismo da Igreja Católica, baseadas todas na Sagrada Escritura, sobretudo no já mencioando capítulo 25 do Evangelho de São Mateus. Estes termos encontram-se facilmente pela internet e podem ser consultados para orientação na prática da espiritualidade do ano santo que estamos iniciando.

            Vivamos intensamente este Ano Santo Extraordinário, fazendo da misericórdia o motivo central de nossa vida, e veremos como Deus nos tornará mais leves e mais felizes, pois , de fato, praticar a misericórdia nos liberta, nos ajuda a reconhecer a bondade infinita da Trindade Santíssima que deseja sejam os homens de todos os tempos iluminados pela a alegria que vem do alto. Alegremo-nos no Senhor, pois Ele está bem perto!

 

 

 DOM GIL ANTÔNIO MOREIRA

Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora



publicado por solpaz às 18:30
link do post | comentar | favorito
|

RENATA IACOVINO - A CONDIÇÃO PARA SER....HUMANO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Felicidade de gente se mede/Por ver o outro bisonho e desinfeliz/Bicho-homem só se apruma/Quando pesa do alheio a pluma/Bicho-homem é bicho ruim/Que inveja e enciúma/É capaz de engolir o inteiro mar/E mijar só a espuma”.

É capaz mesmo, querida amiga Valquíria, poeta e dona de versos tão verdadeiros.

Sempre ouvi, e ainda ouço, que pessoas são insubstituíveis, principalmente no quesito profissional. Mas de uns tempos para cá essa assertiva parece não encontrar maiores respaldos diante da demanda da realidade descartável em que (sobre) vivemos.

Também no aspecto pessoal aqueles que valiam um tesouro estão quase todos expostos num porta-retratos, guardando valores afetivos empoeirados e cheirando a uma época já remota – embora nem tão remota.

Não existe incondicionalidade, tampouco desprendimento, nas relações humanas. Elas se estabelecem por contrapartidas, por pragmatismos e utilitarismos, por um modo racional repleto de selvageria nas interações, por um cinismo cruel, por um desprezo pela tragédia do outro... Boa parte disto, feita de uma forma muita discreta, digamos.

Claro que em meio a toda essa regra perversa, há as exceções: aquele que ainda se preocupa com o outro, que consegue criar e manter um vínculo de amizade, que age não somente em função do humor de seu umbigo, mas coloca os olhos sobre o que está além dele, que ama os animais irracionais...

Sim, porque foi perdendo um de meus animais, recentemente, é que me senti ainda mais próxima deles e um tanto mais distante de seres como eu, cada vez mais incompreensíveis em sua natureza tão cheia de pensamentos e atitudes...

Em meio a tal perda, leio e ouço sobre as discussões acerca da “aprovação” do que é amor e do que não é.

É mesmo muita petulância nossa, indivíduos ou coletividade, instituições ou particulares, acharmos que podemos legislar sobre o amor, ou impedir determinada manifestação dele, ou ainda tratá-lo como “não amor”.

Em meio a tantas questões sérias para resolvermos a fim de impedirmos a consumação de tantas desgraças, metemo-nos em pelejas para combater um preconceito nascido há séculos e que parece querer ressuscitar nas vozes de defuntos vivos, verdadeiros sanguessugas, que vivem da exploração alheia, seja ela material, psicológica, física...

“Felicidade de gente se mede/Por ver o outro bisonho e desinfeliz”.

 

 

 

RENATA IACOVINO, escritora e cantora / reiacovino.blog.uol.com.br /http://reval.nafoto.net / reiacovino@uol.com.br



publicado por solpaz às 18:22
link do post | comentar | favorito
|

SONIA CINTRA - CAMERATA AMA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sonia.png

 

 

 

 

 

 

 

 

 

           

            Dia 17 de dezembro, após a missa vespertina, a Catedral Nossa Senhora do Desterro foi o cenário sagrado que acolheu o Primeiro Concerto Oficial da Camerata Ama, que a todos comoveu pela sensível interpretação dos músicos do programa especialmente elaborado para a ocasião, com direção artística e regência de Sandra Gebram Mazzali, natural de Jundiaí, com experiência musical no Brasil e no exterior.

À abertura, a Camerata apresentou, de Arcangelo Corelli (1653-1713), “Fatto per la Notte di Natale” do Grosso Concerto em Sol menor, Op.6 n.8, com os solistas Graziela Fortunato (violino), Yndira Fleitas (violino), Gabriel Falcade (violoncelo). O Vivace inicial, que alterna som com silêncio é uma ideia brilhante inspirada no mistério do Natal. A Pastoral Final (Pastorale ad libitum) representa o coro angelical embalando o Menino Jesus. Em seguida, a Camerata apresentou “Luiza”, de Tom Jobim, uma das obras-primas do compositor brasileiro, e tema da novela “Falso brilhante”, da Rede Globo, na década de 1980, com as solistas Graziela Fortunato (violino) e Bianca de Souza (violoncelo). E, para encerrar, de Ottorino Respighi, a Terceira Suite de Danças e Árias Antigas, derivadas de peças italianas e francesas para alaúde, dos séculos XVI e XVII, em edições que o compositor encontrou de Oscar Chilesotti (Leipzig 1891): I. Italiana (anônimo), II. Arie di Corte (J. B. Besard), III. Siciliana (anônimo), IV. Passacaglia (L. Roncalli).

   Contendo a emoção, a maestrina Sandra Gebram Mazzali agradeceu aos músicos, patrocinadores, colaboradores e público, que “acreditaram no meu sonho e me apoiaram”, resumindo a origem e o nascimento da orquestra: “Criada em setembro de 2015, pela AMA - Academia de Música e Artes em Jundiaí-SP, a Camerata é formada por jovens músicos em início de carreira e sua proposta é a de oferecer para a cidade uma Orquestra de Corda de ótimo nível artístico com ensaios semanais”. E explicou, “A AMA foi fundada como Associação sem fins lucrativos em 2007 e como Centro Cultural e Escola de Música e Ensino Artístico em 2015. Seu maior objetivo é a promoção das artes tanto na forma de ensino acessível quanto eventos culturais, tendo, também, a grande responsabilidade social de manter o Projeto Batuta, que oferece bolsas de estudo de música a crianças de escolas públicas”.

Em vésperas da celebração natalina, a Camerata Ama ofertou à nossa cidade seu Primeiro Concerto, na Catedral. E os anjos disseram amém.

 

 

 

 

SONIA CINTRA - ESCRITORA E PROFESSORA UNIVERSITÁRIA .



publicado por solpaz às 18:16
link do post | comentar | favorito
|

JOSÉ RENATO NALINI - SOU SEPTUAGENÁRIO!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Resultado de imagem para José Renato Nalini

 

 

 

 

 

 

 

 

Completo hoje 70 anos. Nunca pensei chegar a esta idade nas minhas condições. Para quem, aos 18, considerava alguém com 30 defasado, como devo me sentir agora?

Confesso que não senti o tempo passar. A despeito de naturais deficiências físicas, do esquecimento atroz, o ânimo parece o mesmo. Não perdi a capacidade de sonhar.

Parece incrível que meus avós maternos tenham falecido antes dos setenta, assim como minha avó paterna. Só o “nono” alcançou os oitenta, assim como minha mãe. Meu pai partiu aos setenta e seis. Por sinal, morte abençoada a de meus pais. Não morreram em hospital, não passaram uma hora em UTI. Partiram repentinamente, o que é doloroso para quem fica, mas evidencia que Deus gostava muito deles.

Faço um retrospecto de vida e só tenho a agradecer à Providência. Deu-me pais maravilhosos. Ainda ouço minha mãe e seus conselhos ante situações como as ora enfrentadas. Tive professores que me forneceram todos os ingredientes para a edificação de um caráter reto. Berço e escola me incutiram a contínua busca pela ética e pelo crescimento interior.

Recebi muito mais do que mereço. Pessoas muito qualificadas me inspiraram, me orientaram, me aconselharam. Tive os que torceram contra. Mas isso é bom. Anima a prosseguir.

Fiz escolhas. Nem todas certas. Mas a Providência me acompanhou sempre. Tudo foi conduzido de maneira a acabar bem. Fui feliz em todas as fases de minha vida. Guardo as mais deliciosas recordações da juventude. Assumi responsabilidades e procurei dar conta delas. Sempre trabalhei. Graças ao tirocínio de minha mãe, ganhei máquina de escrever e curso de datilografia aos dez anos. Nunca deixei de datilografar e, em seguida, digitar. Há sessenta anos escrevo diariamente!

Fui muito apaixonado pelo Ministério Público e a Magistratura me seduziu em seguida. A esta tudo devo. Procurei servi-la com verdadeira devoção. Não detenho o monopólio da verdade, curvo-me à opinião alheia, mas tenho coragem para sustentar posturas nem sempre coincidentes com a maioria.

Guardo o conforto de não ter feito mal, de maneira voluntária, seja a quem for. Meu baú de ressentimentos não tem fundo. Peço um pouco mais de existência digna e, genuflexo, agradeço a Deus pela família e amigos escolhidos com que me proveu.

 

 

 

JOSÉ RENATO NALINI é presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo para o biênio 2014/2015. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br

 

 

 

sem nome.png

 Foto: Antônio Carreta / TJSP

 

 



publicado por solpaz às 18:07
link do post | comentar | favorito
|

FELIPE AQUINO - QUAL É O MELHOR PRESENTE QUE PODEMOS OFERTAR A JESUS?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Na Santa Ceia, narrado nos quatro capítulos, de 14 a 17, pelo evangelista São João, despedindo-se dos Apóstolos na véspera de sofrer a Sua dolorosa Paixão, Jesus fez várias recomendações. Começou dizendo: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim” (João 14,6). Ai está uma indicação segura de como presentear Jesus no Seu Natal. Tomá-lo como único Caminho da nossa vida; a Verdade a nos guiar em tudo o que fizermos, a Vida a viver em comunhão com Ele.

Depois Jesus disse algo marcante: “Se me amais, guardareis os meus mandamentos” (João 14,15). “Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é que me ama. E aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu o amarei e manifestar-me-ei a ele” (João 14,21). “Se alguém me ama, guardará a minha palavra e meu Pai o amará, e nós viremos a ele e nele faremos nossa morada. Aquele que não me ama não guarda as minhas palavras. A palavra que tendes ouvido não é minha, mas sim do Pai que me enviou” (João 14,23).

Ele ainda repetiu: “Se guardardes os meus mandamentos, sereis constantes no meu amor, como também eu guardei os mandamentos de meu Pai e persisto no seu amor” (João 15,10).Ele já tinha dito no Sermão da Montanha que “Nem todo aquele que me diz: Senhor, Senhor, entrará no Reino dos céus, mas sim aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus” (Mt 7,21).

Na mesma noite Ele insistiu para que permaneçamos Nele para podermos ter condições de guardar os Seus mandamentos e fazer Sua vontade: “Permanecei em mim e eu permanecerei em vós. O ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira. Assim também vós: não podeis tampouco dar fruto, se não permanecerdes em mim” (João 15,5).

 

Leia também: Símbolos do Natal

A exemplo dos três reis magos, o que podemos oferecer a Jesus neste Natal?

Perito explica à luz da história os presentes dos Reis Magos ao menino Jesus

Como temos preparado a nossa vida para a chegada do Senhor?

Qual é o presente que você vai dar para a Mãe de Deus?

 

Então, não podemos dar um presente melhor para Jesus do que permanecer com Ele em nossa alma, em estado de graça. Deus habita em nosso coração quanto vivemos neste estado. Ai o Céu está presente em nós, e Deus é glorificado.

E Jesus resumiu para os discípulos a essência dos Seus mandamentos: “Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros, como eu vos amo. Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida por seus amigos. Vós sois meus amigos, se fazeis o que vos mando (João 15,12-14). “O que vos mando é que vos ameis uns aos outros” (João 15, 17). A caridade, o amor a Deus e ao próximo, que é o “vínculo da perfeição”, “a plenitude da Lei”, resume todos os Seus mandamentos.

 

Ouça também: Mensagem especial de Natal

 

Jesus é a referência do amor. Amar não é ter paixão por alguém, é dar a vida pela pessoa amada. São Paulo recomendou aos maridos que “amassem as suas esposas como Cristo amou a Igreja e se entregou por ela” (Ef 5,25). Foi até a Cruz por ela. Ele mostrou que amar não é um gesto sentimental e nem romântico, mas é uma decisão de renunciar a si mesmo pelo bem do próximo.

Jesus disse que se faz presente em cada um dos pequeninos. “Em verdade eu vos declaro: todas as vezes que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, foi a mim mesmo que o fizestes” (Mt 25,40). Ele se identifica com os doentes e presos que esperam uma visita, com os famintos que esperam o alimento, com os aflitos que esperam uma boa palavra, com os que choram e esperam a consolação. Quando São Paulo perseguia os cristãos, Ele se identificou com eles e disse a Paulo: “Saulo, por que tu Me persegues?”. Ele não perguntou a Paulo por que ele perseguia os cristãos.

 

Assista tambémO que podemos oferecer a Deus? – Lc 21,1-4

 

Por fim, Jesus encerrou a Santa Ceia com a Sua “Oração sacerdotal” (João 17) em que recomendou ao Pai todos os seus seguidores, e pede ao Pai: “Para que todos sejam um, assim como Tu, Pai, estás em Mim e eu em Ti, para que também eles estejam em nós e o mundo creia que Tu me enviaste.” (João 17, 21).

Este é certamente um pedido especial de Jesus a todos nós, que sejamos unidos para podermos dar testemunho ao mundo de que Ele é Deus e Senhor. Esta união de nossa parte pressupõe a unidade com os pastores, sobretudo com o Papa, e a “obediência da fé” à doutrina aprovada pelo Magistério da Igreja. Nada enfraquece mais a Igreja e retarda a implantação do Reino de Deus na terra do que a desunião dos cristãos, os cismas e as heresias.

Nada agrada mais a Jesus do que “guardar estes Seus mandamentos”. No Sermão da Montanha Ele os desdobrou; não apenas os Dez Mandamentos da Lei de Deus, mas tudo o que o seu discípulo deve viver. São três longos capítulos do Evangelho de São Mateus (5,6 e 7), que os teólogos chamam de “Constituição do Reino de Deus”, Carta Magna dos seus seguidores. Ali Ele explicou a Sua doutrina nova. E terminou dizendo: “Aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as põe em prática é semelhante a um homem prudente, que edificou sua casa sobre a rocha. Caiu a chuva, vieram as enchentes, sopraram os ventos e investiram contra aquela casa; ela, porém, não caiu, porque estava edificada na rocha” (Mateus 7,24-25). Quando Ele terminou o Sermão, a multidão estava feliz; diz o evangelista São Mateus que: “Quando Jesus terminou o discurso, a multidão ficou impressionada com a sua doutrina. Com efeito, ele a ensinava como quem tinha autoridade e não como os seus escribas (Mt 7,28-29).

O melhor presente a ser dado a Jesus é ouvir a Sua voz de bom Pastor e o seguir como uma ovelha dócil.

 

 

 

FELIPE AQUINO Escritor católico. Prof. Doutor da Universidade de Lorena. Membro da Renovação Carismática Católica.

 



publicado por solpaz às 18:00
link do post | comentar | favorito
|

PAULO R. LABEGALINI - HISTÓRIAS DE FÉ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Num dia do século XIII, Santo Antônio estava pregando em Rímini, cidade da Itália, quando foi desafiado publicamente por um herege chamado Bonvillo, que gritou:

– Ó frade sabichão! Chega de dizer bobagens, de inventar mentiras, de enganar o povo. Eu nunca acreditarei que Deus possa estar num pedaço de pão. Isso é invenção sua!

De nada valeram os argumentos teológicos que frei Antônio lhe apresentou sobre a Santa Ceia, pois o homem insistia:

– Eu acreditarei na sua Eucaristia, mas exijo uma prova. Vou deixar minha mula três dias sem comer o seu alimento preferido, o cheiroso feno do campo, e vós podeis trazer diante dela o que dizeis ser o alimento dos cristãos, na qual, está presente o Senhor Jesus. Pois bem, se a minha mula se ajoelhar reverente diante da hóstia, aí sim, eu acreditarei.

Um silêncio profundo se fez na imensa praça de Rímini. O povo católico, silencioso, esperava algum desfecho para aquele estranho e provocante desafio. E Bonvillo continuou em alta voz:

– E digo mais, ó frade Antônio! Se a mula se ajoelhar diante daquilo que vós chamais de Santíssimo Sacramento, eu também me ajoelharei.

A expectativa era grande. De repente...

– Aceito, ó Bonvillo! Aceito o seu desafio, se é para o bem de sua alma, se é para o bem do povo de Deus aqui reunido, se é para a honra e glória do Senhor.

Dali a três dias, na hora marcada, a praça já estava tomada por uma imensa multidão – alguns foram por devoção e, outros, por simples curiosidade. Cantando um hino eucarístico, frei Antônio saiu liturgicamente vestido da catedral, trazendo consigo um lindo ostensório com a Hóstia sagrada.

Não demorou muito e lá chegou o fanático herege – berrando e puxando a sua pobre mula. Parando perto do altar, espalhou o feno cheiroso que trouxe num saco às costas. Santo Antônio, recolhido, permanecia de joelhos em oração. Quando Bonvillo soltou a mula, já todo sorridente prevendo o desfecho da caminhada do animal faminto, seus olhos não acreditaram no que viram: a mula não se movia do lado do religioso.

Em vão, o herege começou a empurrá-la para a erva fresca. Brandia nos ares o seu chicote, mas tudo era inútil. Frei Antônio, então, levantou-se, pegou o Santíssimo e começou a abençoar a multidão que, piedosa, se ajoelhou. Naquele mesmo instante, como se estivesse acompanhando o povo cheio de fé, também a mula dobrou suas patas dianteiras, deixando Bonvillo solitário em pé. Comovido e cheio de lágrimas, ele dobrou os joelhos e cantou com a multidão: “Bendito e louvado seja o Santíssimo Sacramento!”.

E o dono da mula fez-se cristão. Cristão católico! Você sabia disso?

Perante o mistério a gente se cala e perante o milagre a gente se ajoelha, reza e agradece. Agora que você já sabe desta linda história verídica sobre Jesus Cristo vivo na Santa Eucaristia, não deixe de recebê-lo toda semana na comunhão. Humildemente, dobre os seus joelhos e aproveite para pedir a Ele que restaure a sua vida e o seu coração.

Através da fé, se você conseguir essa graça, logo se colocará a Seu serviço e a serviço de sua Mãe Santíssima em 2016. Assim seja!

 

 

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI - Escritor católico. Vicentino de Itajubá - Minas Gerais - Brasil. Professor doutor do Instituto Federal Sul de Minas - Pouso Alegre.‘Autor do livro ‘Mensagens Infantis Educativas’ – Editora Cleofas.

 

 



publicado por solpaz às 17:58
link do post | comentar | favorito
|

HUMBERTO PINHO DA SILVA - MACAQUINHOS DE IMITAÇÃO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em meados de Dezembro, deste ameno Outono, em que o Sol ainda doira a cidade do Porto, fui à farmácia da baixa.

Precisava de comprar medicamentos para achaque, que a “ferrugem” da idade e do uso, vai entorpecendo – com dores agudas, – a engrenagem do corpo.

Entrei e dirigi-me ao balcão. Reparei que todo o estabelecimento encontrava-se decorado, com vistosos motivos natalícios: árvore branca, coberta de largas fitas prateadas, e grandes e vistosas bolas, todas vermelhas.

Ao centro, viam-se quatro letras de cartão, capitaneadas por “X”; formavam palavra que me pareceu uma charada; mas alegravam, sem duvida, a loja, já que cada uma continha: pinhazinhas e raminhos verdes, que me pareceram naturais.

Cheio de curiosidade, interroguei a empregada, que era doutora, acreditando nas letras bordadas a azul, na bata branca.

Esta, risonha e solícita, esclareceu-me que era a palavra “Natal“, em inglês. Agora, na América, só se usa o diminutivo…

Pensei, de mim para mim – já que não tinha botões, mas fecho- éclair, nas vestes, –: Que mania, que doença é essa, que nos transformou em macaquinhos de imitação; copiadores de tudo que se usa na terra de Tio Sam! …

Comerciante, lá nos confins do Ocidente, em certa sexta-feira, resolveu saldar, a preço de chuva, o stock; vai os “macaquinhos” repetirem a gracinha, na nossa terra, não se dando ao trabalho de tradução.

Compreende-se: “sexta-feira negra”, não soava bem aos ouvidos dos bacoquinhos nacionais, sempre prontos a caírem de joelhos, ao que se diz e se faz na estranja.

Outrora, no tempo de Eça, e mesmo no meu tempo de menino, tudo vinha de Paris: Era elegante falar francês; usar a moda parisiense; citar escritores franceses…

Avaliando pelos versos de Nicolau Tolentino, essa esquisita doença, já vem de longe…

Agora, a mania, é o inglês. Até as crianças estudam-no na escola, juntamente com a língua pátria.

Mas desculpem-me os leitores do Brasil – sei que são muitos e muitos os estimo, – a macaquice também chegou à vossa terra.

Não falo dos “macaquinhos”, que certa elite intelectualizada, considera cultura (?!); e não me admiro, que venham aparecer, em breve, na Europa, como embaixadores da cultura brasileira…; mas da tendência – não fossem filhos do mesmo pai, - de cobiçarem tudo que se usa no velho continente e principalmente nos Estados Unidos.

O responsável ou responsáveis, pela farmácia, por certo, descobriram numa das largas e modernas avenidas nova-iorquinas, a nova forma de escrever, “Natal”, e considerou ou consideraram, elegante, colocar a “ novidade” na loja, para deslumbrar os bacoquinhos lusos.

Consideraram e com razão. Não somos nós macaquinhos de imitação?!

 Em tudo, apesar de dizerem: que têm novecentos anos de independência; serem soberanos; não receberem lições de ninguém; possuírem cultura incomparável; não passam de “macaquinhos de imitação”: na Música, na Literatura, na Moda, na Arte… e até na Educação…

Eternos complexados…

 

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -   Porto, Portugal



publicado por solpaz às 17:03
link do post | comentar | favorito
|

EUCLIDES CAVACO - ABRAÇO DE NATAL
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Este é o meu ABRAÇO DE NATAL para todos vós com desejos que este Natal concretize todos os seus sonhos.
Ouça e veja o poema no PPS anexo, em PS ou aqui neste link:
 
 
 

http://www.euclidescavaco.com/Poemas_Ilustrados/Natal_Abraco_de_Natal/Index.htm
 
 
 
 
Desejos de BOAS FESTAS

 
 
EUCLIDES CAVACO - Director da Rádio Voz da Amizade , Canadá.
 
 
 
 
 
***
 
 
 
 
 
 
886032_1005010156219182_2840338067513350532_o.jpg

 



publicado por solpaz às 17:03
link do post | comentar | favorito
|

Europa
mais sobre mim
Brasil
arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
Foz Coa
links