Blogue luso-brasileiro
Terça-feira, 27 de Junho de 2017
JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI - A TORTURA VIOLENTA O SENTIMENTO DE JUSTIÇA !

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Apesar das proibições legais, vislumbram-se inúmeros casos de tortura em diversos países, num flagrante desrespeito à dignidade e à integridade dos cidadãos. Instituído pela ONU – Organização das Nações Unidas comemora-se a 26 de junho, o Dia Internacional das Nações Unidas em Apoio às Vítimas da Tortura, que se constitui numa boa oportunidade para refletirmos sobre os efeitos danosos de sua prática e para cobrarmos medidas efetivas à sua total coibição, objetivando estabelecer à nossa convivência os verdadeiros valores democráticos, como liberdade, justiça social e respeito aos direitos humanos.

Tanto que a Constituição Federal do Brasil, no artigo 5º, inciso III, determina “ninguém será submetido a tortura  nem a tratamento desumano ou degradante”. E a Lei 9.455, de 7 de abril de 1997, determina que “tortura é constranger alguém com uso de violência ou ameaça grave, causando-lhe dano físico ou mental para obter declaração ou confissão, provocar ação ou omissão de crime ou discriminar por raça ou credo. Também a caracteriza, a submissão de alguém sob a guarda de outrem ou autoridade, a intenso sofrimento físico ou mental, para aplicar castigo pessoal ou medida de caráter preventivo”.

É um crime inafiançável e insuscetível de graça ou anistia. Sua pena é de reclusão, em regime fechado, de dois a oito anos. Se houver morte, a pena é dobrada para até 16 anos. Aquele que se omite em face dessas condutas, quando tinha o dever de evitá-las, deve ser condenado de um a quatro anos de prisão. Espera-se que a tortura, ainda hoje abusivamente usada como meio de investigação policial ou de intimidação por bandidos, seja totalmente banido de nossa convivência e quando comprovada a sua prática, os autores sejam rigorosamente punidos.

Finalizando, invoco o psicanalista Hélio Pellegrino que frisou “a tortura busca, à custa do sofrimento corporal insuportável, introduzir uma cunha que leve à cisão entre o corpo e a mente. E, mais do que isso: ela procura, a todo preço, semear a discórdia e a guerra entre o corpo e a mente. (...) O projeto da tortura implica uma negação total e totalitária da pessoa, enquanto ser encarnado. O centro da pessoa é a liberdade. Na tortura, o discurso que o torturador busca extrair do torturado é a negação absoluta e radial de sua condição de sujeito livre” (Folha de São Paulo- 18.07.2006-A-3).

 

 

Combater as verdadeiras razões do uso das drogas

 

 

Também a 26 de junho é celebrado o Dia Internacional de Combate ao Abuso e ao Tráfico Ilícito de Drogas. A cada ano, o Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime lança nesta data sua principal publicação: o Relatório Mundial sobre Drogas, que vem demonstrando que a situação de controle  tem sido favorável com o tempo, mas há novos alertas sobre o crescimento exponencial de seu consumo, tema que  preocupa sobremaneira a sociedade contemporânea. A título de reflexão, citemos Cláudio Guimarães dos Santos: “Curiosamente, o quase consenso entre os especialistas de que a melhor maneira de diminuir esse consumo é o combate sem tréguas ao narcotráfico faz com que muitos deles se esqueçam – ou prefiram se esquecer...- de tratar de um assunto bem mais espinhoso: a investigação das verdadeiras razões pelas quais as drogas são tão buscadas por nós humanos.( Folha de São Paulo-  30/06/2008- A3- “Droga!”).

 

 

         Proteção jurídica especial

 

 

No último dia vinte de junho celebramos o Dia Mundial do Refugiado e o Dia do Migrante, datas comemorativas que invocam estes fenômenos (imigratório e migratório), que não podem ser vistos apenas como deslocamentos geográficos de indivíduos, nem mero exercício do direito de ir e vir. Os refugiados, que deixam suas pátrias forçados por perseguições de raça, de religião, de nacionalidade, de grupo social e de opiniões políticas, sentem-se temerosos e excluídos, e acabam perdendo as próprias raízes. Trata-se de uma situação que contraria manifestamente os direitos fundamentais dos seres humanos, envolvendo aspectos sociais, políticos e culturais, que suscitam proteção jurídica especial.

 

 

 

 

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI é advogado, jornalista, escritor e professor universitário. É presidente da Academia Jundiaiense de Letras (martinelliadv@hotmail.com)

 



publicado por solpaz às 15:45
link do post | comentar | favorito
|

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - UM ARCEBISPO ATUANTE E REALIZADOR

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Como Arcebispo de São Paulo de 1908 até 1938, D. Duarte Leopoldo e Silva desenvolveu atividade intensa. No dia 29 de junho de 1913, lançou a pedra fundamental da nova Catedral Metropolitana de São Paulo. A antiga, irremediavelmente comprometida em sua estrutura, precisou ser destruída, o que determinou, como é explicável, grande tristeza na população. As obras de construção da nova Catedral, projetada em estilo gótico pelo arquiteto Maximiliano Hehl, se prolongaram pelas décadas seguintes; em 1954, ano do Quarto Centenário da Cidade, foi oficialmente inaugurada, mas ainda na década de 1970 estavam sendo concluídas as torres.

Em 1910, D. Duarte mudou o Palácio Episcopal do antigo Solar da Marquesa de Santos, situado na atual Rua Roberto Simonsen, para novas instalações, na Avenida São Luís, em terreno por ele adquirido.

Organizou o Arquivo da Cúria Metropolitana e seu Museu – no qual teve origem o magnífico Museu de Arte Sacra de São Paulo, atualmente instalado no Mosteiro da Luz, erigido ainda em tempos coloniais por Santo Antonio de Sant´Anna Galvão. Muitas peças de arte sacra preciosas, que estavam dispersas por igrejas antigas e às quais, na época, ninguém dava atenção, foram recolhidas por iniciativa de D. Duarte. Não tivesse ele tomado essa providência, por certo se teriam perdido irremediavelmente.

Do ponto de vista espiritual, fez as visitas pastorais regulamentares, empenhou-se em trazer, para São Paulo, religiosos e religiosas de várias ordens ou congregações e fundou, em 1934, o Seminário Central da Imaculada Conceição, no Ipiranga. Promoveu e realizou o Primeiro Congresso Eucarístico de São Paulo, em 1915, o Congresso da Mocidade Católica, em 1928, e o Congresso Mariano, em 1929. Em 1933, instalou em São Paulo a Liga Eleitoral Católica-LEC, sob a direção dos Drs. Estêvão de Rezende, Papaterra Limongi e Plinio Corrêa de Oliveira, conseguindo eleger este último como o deputado mais votado em todo o país, nas eleições para a Constituinte de 1933-34.

A pandemia da gripe espanhola semeou o terror, nos anos 1918-1919, em todo o mundo. Segundo o Atlas Histórico da Fundação Getúlio Vargas, cerca de metade da população mundial foi direta ou indiretamente atingida pela doença, que ceifou um número de vidas estimado entre 20 e 40 milhões de pessoas, bem mais, portanto, do que os 10 a 15 milhões vitimados pela Primeira Guerra Mundial. No Brasil, foram registrados mais de 35 mil óbitos, sendo 1/3 deles (12.700 pessoas) no Rio de Janeiro. Esses números de mortos, já de si muito elevados, exprimem apenas uma pequeníssima parcela dos atingidos pelo morbo. Houve vítimas em todas as classes sociais, desde as mais humildes até o presidente da República, Rodrigues Alves, que não pôde tomar posse em 15 de novembro de 1918 e faleceu nos primeiros dias de 1919. No Recife, que possuía 218 mil habitantes, ocorreram, só no mês de outubro de 1918, 1.250 óbitos. Em Porto Alegre, com 140 mil habitantes, os mortos foram 1.316. Em São Paulo, que então possuía uma população de menos de 500 mil habitantes, morreram 5.328 pessoas. O pânico e o terror se espalhavam por todas as partes e toda a gente que tinha recursos fugia das aglomerações urbanas e se recolhia a fazendas ou locais mais afastados, à espera de que melhorassem os ares. O Arcebispo de São Paulo foi, então, instado a se afastar da capital, para se proteger. Mas recusou. Declarou que o dever do Pastor era ficar com seu rebanho, sobretudo nas horas de perigo. E realmente não se afastou da Capital, dirigindo pessoalmente o Clero e instalando catorze hospitais de emergência, em edifícios eclesiásticos, para o atendimento aos atingidos pelo morbo.

Em 1924, durante a Revolução, o centro da cidade de São Paulo ficou algumas semanas em poder das forças rebeladas. O governo refugiou-se fora de São Paulo, nas cercanias do atual bairro da Vila Matilde e de lá organizou a retomada da capital. As áreas centrais foram intensamente bombardeadas, com grande número de mortos. O governo federal fez muita pressão para que D. Duarte saísse da cidade, para dessa forma significar sua rejeição aos revoltosos, mas D. Duarte não cedeu. Ficou em São Paulo com seu povo, e mandou abrir as igrejas para acolher pessoas que tinham que fugir de suas casas, em regiões bombardeadas da cidade. Ele não gostava nem um pouco do tenentismo e não via com bons olhos aquela revolução, como tampouco gostou da de 1930, mas mesmo assim ficou em São Paulo, pois tal lhe pareceu ser seu dever pastoral.

Em 1932, aderiu à revolução constitucionalista e abençoou as tropas de São Paulo e Mato Grosso, levantadas contra o governo provisório de Vargas que não convocava, como prometera, uma Assembleia Constituinte. A propaganda legalista apregoava, pelo Brasil inteiro, que a revolução de São Paulo tinha cunho separatista. Para negar isso, D. Duarte proferiu, pela rádio, um célebre discurso, dirigido aos Venerandos Membros do Episcopado Brasileiro, explicando com toda a clareza a posição de São Paulo e declarando seu apoio total ao movimento. Esse discurso foi gravado em disco 78 rotações, como se usava na época. Alguns trechos dessa gravação eu reproduzi durante minha conferência, para o auditório do IHGSP, na sessão do dia 15 de março último. Emocionou profundamente os presentes ouvirem, 85 anos depois, o histórico pronunciamento de D. Duarte...

 

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS é historiador e jornalista profissional, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Academia Portuguesa da História.



publicado por solpaz às 15:34
link do post | comentar | favorito
|

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - MUNDO QUE GIRA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                Aos poucos vou aprendendo com a vida. Acredito que esse eterno aprendizado faça mesmo parte da vida de todos que caminham sobre esse mundo. Aqueles que perdem essa oportunidade ou que ignoram essa necessidade, por certo perdem as lições mais importantes sobre viver. É fato que os ensinamentos nem sempre são indolores, ou muito ao contrário. Complicado tentar ver o lado bom das coisas quando se está em meio ao furacão. Então, que seja uma lição que venha a reboque, mas que sirva para algo, que tenha significado além da dor.

                Para nossa sorte, contudo, nem tudo nos apresentado de forma dolorosa. Há as mais lindas e valiosas notas de sabedoria que são trazidas pelos momentos alegres, felizes. Acredito apenas que, nessas horas, poucos de nós tem olhos para ver que é importante valorizar todo o bem que nos vem, que é preciso sermos gratos a todo momento. É aquela velha história de só se lembrar de pedir a Deus quando se avizinha a escuridão e de não dar graças ao Universo diante da Luz.

                Complicados são os seres humanos. Dotados de um cérebro que é capaz de propiciar viagens a outros planetas e que, ao mesmo tempo, é capaz de aprisionar almas em meio à loucura. De tão pequenos que somos diante da Criação falta-nos o entendimento necessário para sabermos nosso real papel nesse mundo, nosso propósito diante de nós mesmos e do nosso próximo. Somos paradoxais e só isso já é uma tormenta, uma cruz que temos que carregar.

                Assim, temos que nos habituar ao fato de que o mundo, mesmo à revelia de nossos planos, gira e faz com que a vida de cada um tenha o percurso que está destinado a ter. Se temos a escolha de deixarmos o movimento fluir, podemos nos movimentar juntos, aceitando ao menos aquilo que não podemos mudar. Sem dizer que, às vezes, o mundo de cada um gira mesmo, tal como aconteceu comigo nessa semana e de uma forma nada geográfica ou figurativa.

                Quando eu era criança sofria de crises de labirintite e elas eram tão fortes que me faziam ficar deitada o dia todo, no escuro, até que tudo parasse de girar ao meu redor. Com o passar dos anos isso tudo diminuiu bastante e episódios como esse se tornaram muito raro. Nessa semana, contudo, tentar me levantar de madrugada para beber água, percebi que tinha algo errado assim que abri meus olhos, pois parecia que eu estava dentro de um chocalho de uma criança enfurecida.

                O resultado foi que, de tão mal que passei, fui obrigada a ficar de cama o dia todo. Por óbvio que não foi o mesmo que ficar de boa o dia todo, vendo televisão ou lendo meus livros de mistério. Fiquei mesmo é deitada, praticamente sem me mexer e na escuridão, eis que cada barulho ou luminosidade faziam com que eu voltasse à montanha russa que se instalara no meu cérebro. No fim das contas, foi um dia inteiro perdido, uma quinta-feira na qual não vi a luz do sol, não conversei com quase ninguém e quase que nem fiquei em pé, para ser franca.

                No dia seguinte eu já estava muito melhor e extremamente grata por ter um dia de trabalho, de sol ou de chuva, pela frente. Uma vez mais, eu me dei conta, meu mundo girara para me fazer lembrar de estar bem é mais relevante do que qualquer outra preocupação comezinha. Nada como poder produzir, poder ser útil, poder simplesmente contemplar o melhor das coisas, e ainda que nada disso faça com que o pior deixe de existir, com certeza o enfraquece. E viva os dias nos quais somos capazes de sermos nós mesmos, de termos a chance de começarmos tudo de novo...

 

 

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada na Silva Nunes Advogados Associados, professora universitária, membro da Academia Linense de Letras e cronista.       São Paulo.  -  cinthyanvs@gmail.com

              



publicado por solpaz às 15:20
link do post | comentar | favorito
|

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - CONTAÇÃO DE HISTÓRIA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2vl2knt.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 
Encerramos, em 14 de junho, o Curso de Contação de Histórias, promovido pela Casa da Fonte – CSJ e ministrado pela atriz, contadora de histórias e arte-educadora Patrícia Torres da Cia. NarrAr Histórias Teatralizadas.
Iniciamos em abril e amei participar! Mais do que as técnicas verbais e do corpo, a partilha me fez um bem imenso, pois tudo que toca a emoção torna melhor o ser humano. Cada um, creio eu, de acordo com o papel que exerce na sociedade e no convívio com os contos, amitologia, as fábulas, alinhavou em si as vivências de cada dia do curso. As minhas foram de acréscimo em todos os aspectos: estudaro narrador na obra de Nikolai Leskov, assim como estudava teoria literária na década de 70;os livros indicados – alguns já havia lido – como: “Mulheres que correm com os Lobos’ de Clarissa Pinkola Estes e “A Psicanálise dos Contos de Fadas” de Bruno Bettelheim... Os contos: “Fátima, a Fiandeira” e “A Moça Tecelã” de Marina Colassanti. Tenho alguns livros de Marina e os utilizava em meus tempos de professora.Em “A Moça Tecelã”, como não se encantar com: “Então, como se ouvisse a chegada do sol, a moça escolheu uma linha clara. E foi passando-a devagar entre os fios, delicado traço de luz, que a manhã repetiu na linha do horizonte”. E, em “Fátima, a Fiandeira”, a sabedoria: “Tudo aquilo que aconteceu na minha vida, e que, no momento, me pareceu uma desgraça, contribuiu (...)para minha felicidade final”.
Agradou-me saber sobre os griots, contadores de história africanos, que têm o compromisso de preservar e transmitir relatos. Como escreveu Tierno Bokar (1875-1939): “A escrita é uma coisa, e o saber, outra. A escrita é a fotografia do saber em si. O saber é uma luz que existe no homem. A herança de tudo aquilo que nossos ancestrais vieram a conhecer e que se encontra latente em tudo o que nos transmitiram, assim como o baobá já existe em potencial em sua semente”.
No encerramento, a apresentação de mais histórias:“Fita Verde no Cabelo” de João Guimarães Rosa, o conto“Carne de Língua”, “A menina dos fósforos” de Andersen... A chama do fósforo que acende os sonhos. História de meu tempo de menina.
Um curso, no presente, com saberes extraordinários: trouxe-me o passado – como minha mãe sempre foi singular em contar histórias –e me diz que as narrativas são essenciais em todas as horas.

 

 

 

 

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE -

 Professora e cronista. Coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala. Jundiaí, Brasil.



publicado por solpaz às 15:16
link do post | comentar | favorito
|

RENATA IACOVINO - A IMPERMANÊNCIA DE CHARLIE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Charlie Chan veio na carreira, sobre o telhado, sem pudor de fazer um barulho que contrastasse com o silêncio da plateia ouvinte concentrada nas palavras da professora.

Havíamos comentado há pouco a respeito dele. Disse que só o conhecia por foto e por nome, embora os cachorros eu já tivesse o prazer de ver bem de perto.

A mais inusitada experiência com os cães deu-se em meio ao retiro de um dia de meditação, quando a Mestra adentrou à sala para palestrar e, como todos estávamos em zazen (a meditação zen budista), só ouvíamos e sentíamos as vibrações vindas deles, nos cheirando, passando por cada um de nós, unindo aquele momento de concentração ao cotidiano, em que cheiros, sons e texturas interagem com nosso mergulho em nós mesmos.

Mas voltando ao Charlie, o gato preto e branco, com uma pinta marcante na ponta do nariz e outra no queixo, com enorme rabo e a graciosa cara de pau típica de um felino... bem, ele foi passando pelas pernas de um por um dos presentes naquele semicírculo, ora simplesmente fazendo charme, ora parando para encarar quem escolhesse a bel prazer.

Embora estivéssemos atentos às explicações da sensei, era impossível não nos atermos brevemente à simpatia do bichano. Se devemos estar atentos ao momento, àquilo que está acontecendo exatamente no agora, isto se cumpria, pois absorvíamos o que se passava.

Após essa curiosa investigação, Charlie Chan tem um repente e escala lépido a árvore mais próxima a nós. Fazendo graça sem ter esta intenção, procura obter uma visão geral de tudo o que está sob ele e em seguida desce tranquilamente como se nada tivesse acontecido.

“Inspira e expira, inspira e expira... De tão simples, de tão fácil, de tão acessível, ninguém faz.”. E assim, em meio à aula, tivemos a participação especial do membro felino, que como veio, foi. “Nada é fixo e nada é permanente”.

A noite fresca, o agradável deck de madeira, o jardim entre plantas, estátuas e lanterna, o chá quente e saboroso, tudo ali quase nos faz crer que estamos num local bem distante do centro de São Paulo. Mas, estamos na cidade que não dorme, no movimento contínuo. O que acontece externamente a nós, parece ter seu reflexo em nosso interior, onde pensamentos não cessam. Entre o pensar e o não pensar, nos tornamos outro a cada segundo.

A impermanência mora no agora.

 

 

 

 

RENATA IACOVINO, escritora e cantora / www.facebook.com/oficialrenataiacovino/

 



publicado por solpaz às 15:13
link do post | comentar | favorito
|

VALQUÍRIA GESQUI MALAGOLI - MARIA VAI COM AS OUTRAS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Por que você não faz assim?”; “por que você não faz assado?”...

Faz-se ouvidos moucos para não ser indelicado, mas, a bem da verdade, a vontade é de, perguntando também, responder: “assim ou assado, por que você não faz?”.

Sugestão todo mundo tem. Mãos à massa quem quer levar???

Há um precipício entre a beleza da ideia e o gosto da concretização.

Sim, porque concretizar é, em si, um gosto que quem só idealiza jamais provará.

Uma delícia que não está no projeto.

Um gozo que o pensar não garante.

Ou seja, um prazer proibido aos preguiçosos, aos delirantes, aos viajandões, cuja solicitude está sempre à língua sem jamais descer aos braços.

São outros os braços que, literalmente, carregam o piano.

São outros os braços e pernas que movem, que transpõem montanhas.

Tem gente que é só garganta, que é só da boca pra fora, que não sabe da missa a metade, que come mortadela e arrota peru...

Falar é fácil. Por isso mesmo é que tanto se fala.

Cada um na sua.

Em se tratando de fazer arte... comum, não!, comum não, fácil!, aliás, facílimo (e nem sempre o mais fácil é o melhor caminho) é falar que para atrair público é fundamental haver coquetel.

Tem que haver coquetel!

Tem que haver “comes e bebes” para que haja público em eventos.

Não tem problema que o programa seja meia-boca. Afinal, havendo uma boquinha pra se fazer... é ou não é?

Estamos todos muito mal, amigos. Das duas uma: ou fazemos muito mal a nossa arte – todos nós, artistas... ou a barriga consagrou-se o termômetro do paladar de todos nós, público.

Estamos muito, muitíssimo mal. A ver navios...

Há de haver navios onde embarcar uma porcaria dessas? Um pensamento dominante e quinquilharesco desse – diminuto, mas pesado; ridículo, mas contagiante.

Ok. Vamos todos tornar ao pão e circo.

E, como é sabido que a semente tem que se plantar em casa, comecemos por dar a nossos filhos apenas doce antes, durante e após as refeições; apenas “sim” a torto e a direito;  apenas presentes, presentes, presentes... alegria, alegria, alegria...

Vamos dar o que se quer a quem bem o quiser.

Não é assim que se faz ou se deve fazer?

Ah, embaixo assine: Maria vai com as outras.

 

 

 

Valquíria Gesqui Malagoli, escritora e poetisa, vmalagoli@uol.com.br / www.valquiriamalagoli.com.br

 



publicado por solpaz às 15:09
link do post | comentar | favorito
|

FELIPE AQUINO - NÃO NOS PERTURBEMOS COM OS NOSSOS DEFEITOS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  1. Dois sinais do bom e do mau arrependimento

“A tristeza que é segundo Deus, afirma São Paulo, produz um arrependimento que leva à salvação; ao passo que a tristeza do mundo produz a morte. (2Cor 7,10). A tristeza do arrependimento pode, pois, ser boa ou má, conforme os efeitos que produz em nós. Mas, em geral, produz mais efeitos maus que bons, porque os bons são apenas dois: a misericórdia – o pesar pelo mal dos outros – e a penitencia – a dor de ter ofendido a Deus -; ao passo que os maus são seis: medo, preguiça, indignação, ciúme, inveja e impaciência. Por isso diz o sábio: A tristeza mata a muitos e nela não há utilidade alguma (Eclo 30,25), já que, para dois riachos de águas límpidas que nascem do manancial da tristeza, nascem seis de águas poluídas”.

É por isso que o demônio faz grandes esforços para produzir em nós essa má tristeza, e, a fim de desanimar e desesperar a alma, começa a perturbá-la. Não lhe custa muito sugerir pretextos para isso. Ora, não deveríamos afligir-nos por ter ofendido a Majestade divina, ultrajado a Beleza infinita e ferido o coração de Deus, o mais terno dos pais? “Com certeza, responde São Francisco de Sales, devemos entristecer-nos, mas com um verdadeiro arrependimento, não com uma dor aflita, cheia de mágoa e indignação. O verdadeiro arrependimento, como todo o sentimento inspirado pelo bom Espírito, é sempre calmo: O Senhor não está na perturbação (1Rs 19,11). Onde principiam a inquietação e a perturbação, a tristeza má passa a ocupar o lugar da tristeza boa.

“A má tristeza, insiste o nosso Santo, perturba a alma, inquieta, incute temores desmedidos, tira o gosto pela oração, atordoa e fatiga o espírito, impede de tirar proveito dos bons conselhos, de tomar resoluções, de formar juízos, de ter coragem e abate as forças. Numa palavra: é como um inverno rigoroso que queima toda a formosura da terra e entorpece todos os animais, porque priva a alma de toda a suavidade, deixa-a paralítica, tornando-a tolhida e inibida de todas as suas faculdades”.

 

 

defeitos-pixabay.jpg

 

 

  1. Sinais de uma alma que se perturba após suas quedas

Muitas almas hão de reconhecer nestes sintomas a perturbação em que se deixaram envolver após as suas faltas e os estragos que essa perturbação lhes causou. Tinham começado a levar a sério a vida espiritual e seguiam resolutamente os passos do Mestre no caminho do dever, pelo rude caminho do Calvário. Mas eis que sobrevém uma queda e, com ela, eis a perturbação! A alma levanta-se sob o amparo do arrependimento e da absolvição sacramental, que tudo vem reparar. Mas nem por isso sossega. Olha, examina ansiosamente, conta as feridas mal cicatrizadas, sonda-as com receio e acaba infectando-as ainda mais por querer curá-las com despeito e impaciência, “porque não há nada que sirva mais para manter os nossos defeitos do que a inquietude e a pressa em querer expurgá-los”.

Enquanto isso, o passo vai afrouxando. Já não se corre; anda-se a custo. Arrasta-se, descontente de si e quase que do próprio Deus, perde-se a confiança na oração e aproxima-se dos sacramentos com receio. Até que, afinal, uma circunstância especial, uma confissão excepcionalmente bem feito ou um retiro, restitui a esta alma, por um certo período, o fervor que tivera a princípio. Mas, passado algum tempo após essa renovação, se a alma não elimina essa intranquilidade, uma nova queda, ou simplesmente a lembrança das faltas passadas, provocará nela um surto de redobrada melancolia; e, então, ao invés da rapidez com que se corria, voltará ao passo lento e cansado – e queria Deus que, à força de hesitações e delongas, não termine por cair numa inércia quase irreparável.

Pobres almas, quem veio paralisar assim os vossos esforços? Corríeis tanto! Quem vos fez parar? (Gl 5,7) pergunta o Apóstolo. “A perturbação”, responde São Francisco de Sales: “Se não vos tivésseis inquietado na primeira vez que tropeçastes, mas tivésseis calma, tomando suavemente o coração nas mãos, não teríeis caído uma segunda vez.”

 

o_socorro_de_deus.png

 

 

Leia tambémVocê se aceita como é?

Como vencer as batalhas contra nós mesmos?

O que devemos fazer quando somos feridos?

As imperfeições morais são pecados?

Como vencer a nós mesmos?

Tem paciência contigo!

 

  1. Paciência com as nossas imperfeições

Por isso o bom Santo multiplicava os seus conselhos, desejoso de comunicar aos outros “a paz tão desejada que é a mais querida, fiel e perpétua hóspede do coração”, e por isso recomendava insistentemente a serenidade e a paciência, primeiramente para com nós mesmos.

“Não nos perturbemos à vista das nossas imperfeições! Livremo-nos das precipitações e dos desassossegos, pois não há nada que mais no atrapalhe o passo no caminho da perfeição”.

“O que fazem os pássaros e outros animais quando ficam presos a uma rede? Debatem-se desordenadamente no esforço de se libertarem, e assim só conseguem embaraçar-se cada vez mias… Não é perdendo a serenidade de espírito que conseguiremos desfazer-nos dos laços que nos armam algumas imperfeições; ao contrário, dessa forma mais nos embaraçamos nelas”.

“É preciso sofrer com paciência a lentidão com que nos vamos aperfeiçoando e não deixar de fazer o quanto pudermos para progredir, sempre com boa vontade”. “Aguardemos, pois, com paciência o nosso progresso e, em vez de nos inquietarmos por termos feito tão pouco no passado, procuremos com empenho fazer mais no futuro”.

“Não nos aflijamos por sempre nos vermos principiantes no exercício das virtudes, porque no ‘Mosteiro da Vida Devota’ cada um considera-se sempre noviço e esforça-se ao longo de toda a vida por dar provas da sua humildade. O contrário disso, isto é, o sinal mais evidente de não somente ser um mau noviço, mas até de merecer ser expulso e reprovado do ‘Mosteiro’, é julgar-se e ter-se a si mesmo como professos. Pois, conforme a regra desta Ordem, não é a solenidade dos votos, mas cumprimento deles que torna os noviços professos; e os votos não se julgam cumprido enquanto houver alguma coisa a fazer para a observância deles. A obrigação de lutar por servir a Deus e de progredir no amor divino dura até a morte.

“Bem, alguém me dirá, mas como posso não me afligir e não me entristecer se vejo que e por minha culpa que não avanço no caminho da virtude? Já o disse na Introdução à Vida Devota e agora volto a dizê-lo de bom grado, porque nunca é demais: é justo entristecer-se pelos erros cometidos com um arrependimento que seja sereno, constante e tranquilo; porém, com um arrependimento agitado, inquieto, desanimador, nunca”.

 

arte_proprias_faltas.png

 

  1. Serenidade por ocasião das quedas

Vê-se por estas citações, e há de ver-se melhor ainda pelas que se seguem, que o santo Doutor não recomenda a serenidade e a paciência consigo mesmo somente às almas justas e inocentes, mas também – e sobretudo – às que tiveram a infelicidade de cair em faltas.

“Se vos suceder alguma vez perder a paciência, não vos perturbeis, mas procurai tranquilizar-vos rapidamente e com serenidade”. “Preocupam-vos excessivamente os ímpetos do amor-próprio, sem dúvida frequentes; mas estes nunca serão perigosos se, sem vos aborrecerdes pela sua importunidade e sem vos admirardes da sua frequência, disserdes tranquilamente: Não! Caminhai com simplicidade, não estejais tão ansiosa pelo sossego do espírito, e assim o tereis com certeza”.

“Tende paciência com todos, mas sobretudo convosco, isto é, não vos perturbeis por causa das vossas imperfeições, mas tende sempre a coragem de vos emendar delas. Gostaria muito que não cansais de recomeçar todos os dias, porque não há melhor meio de prosseguir bem na vida espiritual do que sempre recomeçando e não pensando nunca já ter feito muito.”

“Podemos mortificar a carne, mas não tão perfeitamente a ponto de não haver nenhuma rebelião. Nossa atenção será frequentemente interrompida por distrações. Será, por isso, preciso se inquietar, perturbar e se afligir? Certamente não”.

 

  1. Suportar os próprios defeitos com uma aflição tranquila e corajosa

“Não vos aflijais nem vos admireis de sentir ainda vivas em vossas almas as imperfeições que me contastes; porque, ainda que seja necessário combate-las e detestá-las para que assim possais retificá-las, não é bom que vos aflijais dessa forma tão inquieta, mas sim que tenhais uma aflição corajosa e tranquila, que vos inspire um propósito firme e seguro de emenda”.

“É preciso fugir do mal? Pois fujamos, mas calmamente e sem perturbações. Se assim não for pode acontecer que, fugindo, acabemos por cair e por dar ocasião ao inimigo… Até na penitência há de haver sossego e serenidade. Eis que a minha amaríssima amargura está em paz, diz Isaías (Is 38,17)”. “Só o pecado deve aborrecer e afligir; e mesmo ele, no extremo da sua amargura, ainda deveria fazer despontar uma santa e consoladora alegria”.

“Quem vive em Deus nunca se entristece, a não ser por ter oferecido a Deus; mas a sua tristeza está alicerçada numa profunda, tranquila e serena humildade e submissão, após a qual se levanta pela bondade divina por uma doce e perfeita confiança, sem pesar nem mágoa”.

 “Em suma palavra: não vos aborreceis ou, pelo menos, não vos perturbeis por vos terdes perturbado, não vos abaleis por vos terdes abalado, não vos inquieteis por vos terdes inquietado por causa desses impulsos incômodos; mas retomai o domínio do vosso coração e colocai-o suavemente nas mãos de Nosso Senhor”. “Dominais e refreais o quanto puderes o vosso coração, até ficardes em paz com vós mesmo, ainda que vos saibais miserável…”.

“Sempre que virdes o vosso coração amargurado, limitai-vos simplesmente a apanhá-lo com a ponta dos dedos, não de punho fechado, bruscamente. É necessário ter paciência consigo mesmo e afagar o coração, animando-o; e quando ele estiver muito inquieto, é preciso segurá-lo como a um cavalo desembestado, firmemente, sem o deixar correr à solta atrás dos sentimentos”.

“Tomai muito cuidado para não perder a serenidade quando cometerdes alguma falta, mas humilhai-vos logo que possível na presença de Deus, e isto com uma humildade amorosa e doce, que vos conduza à confiança de recorrer imediatamente à sua bondade, na certeza de que Ele vos ajudará a emendar-vos… Se vierdes a cair em algum pecado, seja qual for, perdi serenamente perdão ao Senhor, dizendo-lhe que estais bem certos de que Ele vos ama muito e vos perdoará. E isto fazei-o sempre com simplicidade e serenidade”.

 

 

Retirado do livro: “A Arte de Aproveitar as Próprias Faltas”. Joseph Tissot. Ed. Cléofas e Cultor de Livros.

 

 

FELIPE AQUINO Escritor católico. Prof. Doutor da Universidade de Lorena. Membro da Renovação Carismática Católica.

 



publicado por solpaz às 14:58
link do post | comentar | favorito
|

PAULO R. LABEGALINI - O ESCAPULÁRIO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Paulo Labegalini.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foi na madrugada do dia 16 de julho de 1251 que Nossa Senhora apareceu ao inglês Simão e entregou-lhe o miraculoso Escapulário do Carmo. São Simão Stock era Superior Geral dos Carmelitas, e se encontrava aflito, pois sua Ordem passava por dificuldades muito sérias, sendo desprezada, perseguida e até ameaçada de extinção.

Homem de fé viva, Simão não cessava de implorar socorro à Santíssima Virgem e pedia também um sinal sensível de que seria atendido. Comovida pelas súplicas angustiantes do seu fervoroso filho, Nossa Senhora lhe trouxe do Céu o santo escapulário e dirigiu-lhe estas palavras:

“Recebe, filho diletíssimo, o escapulário de tua Ordem, sinal de minha confraternidade, privilégio para ti e para os carmelitas. Todos os que morrerem revestidos deste escapulário, não padecerão no fogo do inferno. É um sinal de salvação, refúgio nos perigos, aliança de paz e pacto para sempre”.

A partir dessa misericordiosa intervenção da Mãe de Deus, a Ordem carmelitana refloresceu em todo o mundo! E o escapulário passou a percorrer sua milagrosa trajetória, como sinal de aliança de Nossa Senhora com toda a humanidade.

Setenta anos mais tarde, a Virgem Maria apareceu ao Papa João XXII e lhe fez nova promessa, considerada como complemento da primeira: “Eu, como Mãe dos carmelitas, descerei ao purgatório no primeiro sábado depois de suas mortes, os livrarei e os conduzirei ao Monte Santo da vida eterna”.

Essa segunda promessa deu origem à célebre Bula Sabatina do Papa João XXII, publicada em 03 de março de 1322, confirmada posteriormente por vários Sumos Pontífices, como Alexandre V, Clemente VII e Paulo III.

De início, o escapulário era de uso exclusivo dos religiosos carmelitas. Mais tarde, querendo estender os privilégios e benefícios espirituais desse uso a todos os católicos, a Igreja simplificou seu tamanho e autorizou que sua recepção ficasse ao alcance de todos.

Somente o primeiro escapulário precisa ser bento e imposto por um sacerdote. Tanto essa bênção como a imposição valem para todos os outros que substituírem o primeiro. Uma vez tendo-o recebido, devemos usá-lo sempre e continuamente.

Entre os Papas devotos do escapulário, destacam-se: Inocêncio IV, João XXII, Alexandre V, Bento XIV, Pio VI, Clemente VII, Urbano VII, Nicolau V, Sixto IV, Clemente VII, Paulo III, São Pio V, Leão XI, Alexandre VII, Pio IX, Leão XIII, Pio X, Bento XV, Pio XI e Pio XII – que com bulas apostólicas aprovaram os seus privilégios.

As declarações dos Papas são expressões autorizadas do autêntico pensar da Igreja. Eles não deram apenas o exemplo usando o hábito do Carmo, mas estimularam e aconselharam a usá-lo e premiaram a devoção.

E eis os santos que usaram o escapulário: Santo Afonso, São Pedro Claver, São Carlos Borromeu, São Francisco de Salles, São João Vianney, São João Bosco, Santa Teresa de Ávila, Santa Terezinha do Menino Jesus, São João da Cruz, Santa Maria de Jesus etc.

Bem, de forma resumida, um dia eu contei esta história a mais de 100 cursistas em Piranguinho. Em seguida, os presenteei com escapulários, que foram bentos e impostos pelo sorridente Pe. Catarino na missa.

Na Celebração da Eucaristia da noite seguinte, eu transbordei de felicidade ao ver tanta gente com o escapulário no pescoço, mostrando que aceitaram a Virgem Maria como protetora até a hora da morte. Lindo isso, não? Com certeza, não se arrependeram nem por um minuto da decisão que tomaram, porque o poder da Mãe de Deus é inquestionável!

Da mesma forma que Jesus disse: “Se alguém quiser ser meu discípulo, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me” (Mt 15, 24), Nossa Senhora também falou que estará protegido quem seguir seu Filho de escapulário no pescoço.

É por isso que eu não tiro o meu. E que assim seja para sempre!

 

 

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI - Escritor católico. Vicentino de Itajubá - Minas Gerais - Brasil. Professor doutor do Instituto Federal Sul de Minas - Pouso Alegre.‘Autor do livro ‘Mensagens Infantis Educativas’ – Editora Cleofas

 



publicado por solpaz às 14:51
link do post | comentar | favorito
|

HUMBERTO PINHO DA SILVA - A INFLUÊNCIA DA CASA PATERNA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Disse o grande pedagogo Ribeiro Sanches, na “ Cartas Sobre Educação da Mocidade”, que: “ O povo não faz boas nem más ações, que por costume e por imitação.”

E disse bem: somos o que somos porque vivemos em determinada época, influenciados pelo que ouvimos e vemos; movidos pelas atitudes e comportamentos, que presenciamos ao longo da vida, mormente na infância.

Em “ Psychologie de l’Opinion et de la propagande politique” – Paris, 1927 – Jules Rassak, confirma o que assevero: “ As impressões recebidas na casa paterna, a recordação da sua maneira de viver, das suas opiniões e dos seus atos, subsistem no subconsciente e exercem influência sobre o estado consciente.

“ Mesmo as pequenas impressões sentidas, os acontecimentos insignificantes, as peças de teatro, as leituras etc., não são esquecidas, persistem no subsolo da nossa alma, e influenciam a nossa vontade e o nosso pensamento.”

Essa influência, é – apesar dos malefícios da globalização, – notória, se compararmos a sensibilidade de vários povos. É essa influência, que faz, que povos, que vivem em territórios ricos, vegetem numa quase miséria, enquanto outros, que habitam em terras pobres, prosperam.

Recordo, que, quando o ciclismo estava na berra, e os operários deslocavam-se de bicicleta – em meados dos anos cinquenta, – ver pelotões de trabalhadores, subirem a avenida da minha terra, em competição. Todos queriam ser: Camisola Amarela!

E o mesmo acontece com a “ vocação” de muitos adolescentes, durante o Campeonato Mundial de Futebol. Todos desejam ser jogadores!

Basta dizerem que está na moda: o ioiô, e todas as crianças querem ter um. Recordo a coqueluche do hola-hupe, do cubo mágico, da pulseira magnética…e presentemente do pokémon go.

Dizem: estar na moda, e isso basta para que todos comprem; para que todos usem.

Até na literatura, e na música o “fenómeno” acontece!

O livro é vendido, não pelo valor da obra ou utilidade; mas, devido à eficiente propaganda; e o mesmo sucede à música.

Concluindo: se temos a sociedade que temos, é devido à educação que transmitimos aos filhos; às escolas que temos; e a conceitos que inculcamos às crianças, desde o berço.

Como queremos sociedade mais justa, se todos – ou quase todos, – damos o mau exemplo de obter tudo com o “ jeitinho”; se corrompemos, o semelhante, com dinheiro; e as nossas condutas são deploráveis!

Os jovens, são, em regra, a educação que recebem, como disse Rassak. “ As impressões recebidas na casa paterna…influenciam a nossa vontade e o nosso pensamento.”

 

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -   Porto, Portugal

 



publicado por solpaz às 14:46
link do post | comentar | favorito
|

ANTÓNIO VENDRAMINI NETO - A INSENSATA MORDAÇA

 

 

 

 

 

 

 

 

Toninho Vendramini Neto 1.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma crise se instalou.

Povo assustado!

Revolta estudantil.

Para mudar o País.

A força da caserna se apresentou.

Avistou-se um castelo branco nas nuvens negras.

Caminho intolerante e obscuro.

Quebrou-se a caneta, destruiu-se o papel.

As amarras prenderam a boca.

Lenço forte apertado!

Músculos oprimindo o pensamento!

A voz está muda.

O pranto desaba na face.

Molha o lenço e reforça as amarras!

Um suspiro sai das entranhas.

Um gemido preso pela dor.

Um Hino Nacional não cantado.

A vontade de gritar se faz presente.

Suplício da voz de uma paixão.

Um pensamento patriótico acalenta o momento.

Uma viagem forçada para terras distantes.

Abajo, abajo, abajo.

A alma se purifica e acrescenta beleza.

O pranto foi embora.

O retorno foi consagrado.

Ao berço esplêndido esperado.

Vem das profundezas da alma.

Uma palavra chamada liberdade.

 

 

 Poema dedicado a um amigo que foi exilado durante o regime.

 

 

 

ANTÓNIO VENDRAMINI NETO   -   escritor,cronista e poeta. Jundiaí, Brasil

 

 

 

***

 

 

Horário das missas em, Jundiai ( Brasil):

 

http://www.horariodemissa.com.br/search.php?opcoes=cidade_opcoes&uf=SP&cidade=Jundiai&bairro&submit=73349812

 

 

 

 Horário da missas em São Paulo:


http://www.horariodemissa.com.br/search.php?uf=SP&cidade=S%C3%A3o+Paulo&bairro&opcoes=cidade_opcoes&submit=12345678&p=12&todas=0

 

http://www.horariodemissa.com.br/search.php?uf=SP&cidade=S%C3%A3o+Paulo&bairro&opcoes=cidade_opcoes&submit=5a348042&p=4&todas=0

 

 

 

 Horário das missas na Diocese do Porto( Portugal):

 

http://www.diocese-porto.pt/index.php?option=com_paroquias&view=pesquisarmap&Itemid=163

 

 

 

*** 

 

 

 

 

 

 



publicado por solpaz às 14:16
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Europa
mais sobre mim
Brasil
arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
Foz Coa
links