Blogue luso-brasileiro
Domingo, 19 de Março de 2017
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - AMOSTRAS DO ANEDOTÁRIO LAETIANO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Continuo a matéria da última semana, sobre o fino humorismo do jornalista católico e monarquista Carlos de Laet (1847-1927). Sua inventividade era incrível, não havia recurso jornalístico que ele não usasse para defender com igual paixão suas ideias religiosas ou políticas, e até mesmo suas preferências gramaticais e literárias. Ainda hoje, mais de um século depois de escritos, seus artigos são em extremo atraentes e surpreendem pela originalidade e variedade de recursos jornalísticos. Como registra Homero Senna, “Laet inventava os mais diversos expedientes para encher a sua coluna de jornal. Ora forjava cartas de leitores imaginários; ora atribuía o que se ia ler a um cidadão desalojado de uma das favelas da cidade; ora fantasiava um colóquio com animais do Jardim Zoológico. Certa feita, chegou a dar a sua crônica como reproduzida de um jornal de circulação restrita, lançado por um grupo de doentes do Hospício da Praia Vermelha” (Introdução a “Obras Seletas de Carlos de Laet”. Rio: Fundação Casa de Rui Barbosa/Agir, 1983, vol. 1, p. 17).

Em torno de Laet criou-se um verdadeiro mito. É imenso o anedotário verdadeiro ou falso que se lhe atribui. Aqui vão alguns exemplos do que disse...  ou do que se disse que ele disse.

* Conta-se que D. Pedro II certa vez lhe mostrou um soneto que fizera, no qual observara todas as regras da rima, da métrica e do ritmo, mas em que era irremediável a falta de inspiração.

─ Que tal os meus versinhos, “seu” Laet?

─ Muito bons... Mas Vossa Majestade bem que poderia fazer coisa melhor.

* Um escritor jovem, polemizando com Laet, à falta de melhor argumento, chamou-o velho. A resposta foi cortante: ─ Na escala zoológica, meu jovem, velhice é um conceito muito relativo. Um homem de sessenta anos, como é o meu caso, ainda está forte e lúcido. Mas um burro de vinte e tantos anos, como o Sr., não presta para mais nada.

* Durante uma aula, enquanto lecionava no Colégio Pedro II, Laet fez referência à criação do homem. Um aluno atrevido ousou interrompê-lo: ─ Professor, o Sr. está muito desatualizado. O meu pai disse lá em casa que todos nós descendemos do macaco.

Laet, com sua voz fanhosa e terrível, deu pronta resposta: ─ Eu não me meto em questões de família, menino. Seu pai deve saber melhor do que eu de onde ele veio...

* Ao sair de uma conferência realizada no Círculo Católico, verificou que alguém havia furtado seu guarda-chuva. Imediatamente pegou uma folha de papel e afixou um aviso, com estes dizeres: ─ Peço ao ladrão católico apostólico romano que furtou meu guarda-chuva o favor de devolvê-lo.

* As sociedades protetoras de animais começavam a fazer suas propagandas. Ainda não havia propugnadores dos chamados “direitos dos animais”, como os há hoje, mas já havia quem sustentasse que deviam ser proibidos os freios, as esporas e os chicotes.

Um desses tentou, certa vez, impressionar Laet com sua pregação: ─ É realmente uma desumanidade torturar um pobre animal. Devia haver cadeia para esses desalmados que usam freios, esporas e chicotes.

Carlos de Laet ponderou: ─ Mas se eu montar sem esporas, num cavalo sem freios, arrisco-me a levar um belo tombo.

─ Não seria nenhuma tragédia...

─ A tragédia é que eu sairia machucado... E eu tenho o direito de ser protegido, porque sou um animal racional, como também são animais o Sr. e o cavalo...

* Laet havia impiedosamente ridicularizado o médico Dr. Oliveira de Menezes, que também era professor no Colégio Pedro II. Alguns dias depois, durante uma reunião do corpo docente do colégio, Menezes não se conteve e investiu furiosamente contra o colega: ─ O senhor é um decrépito, um decadente, um moribundo! Não quer se convencer de que já está com os pés na sepultura!

Enquanto ouvia esses insultos, Laet calmamente chupava seu charuto, sem se abalar. Quando o outro parou, perguntou: ─ É como inimigo ou como médico que o Sr. diz está dizendo essas coisas?

─ Falei como médico.

─ Ainda bem! Posso então ficar tranquilo...

* Uma das decepções do grande Laet foi não ter conseguido arrastar Rui Barbosa para uma polêmica. Não foi por falta de tentativas... Laet provocou Rui repetidas vezes, mas este não quis correr os riscos de enfrentar Laet no seu terreno preferido.

Rui era Conselheiro de Estado do Imperador, mas foi um dos membros do primeiro Governo republicano, e essa traição Laet jamais lhe perdoou: Rui ─ dizia ele ─ foi um conselheiro que aconselhou mal o seu aconselhado...

Certa vez, Rui, conhecido pela sua prolixidade, fez uma conferência sobre Camões. No dia seguinte, Laet registrou o fato, elogiou a eloquência do orador, seu vocabulário prodigioso, sua cultura invejável, seu brilho inigualável etc. etc. E, no final da crônica, concluiu venenosamente com estas palavras que toda a gente repetiu e glosou: ─ Às 4 horas da manhã, para grande alívio de toda a assistência, afinal morreu Camões...

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOSé historiador e jornalista profissional, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.

 



publicado por solpaz às 18:35
link do post | comentar | favorito
|

Europa
mais sobre mim
Brasil
arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
Foz Coa
links