Blogue luso-brasileiro
Domingo, 30 de Julho de 2017
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - RESSURREIÇÃO DE JOSÉ MURILO ( SEM BIGODE E COM L SÓ )

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foi com alegria que os sócios do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro receberam, na última semana de janeiro, o desmentido do falecimento do nosso ilustre consócio Prof. José Murilo de Carvalho. Na verdade, quem morreu foi um quase homônimo seu, o diplomata José Murillo (com dois LL) de Carvalho.

Com a inteligência e o bom humor que lhe são característicos, o Prof. José Murilo (com um L só) dirigiu mensagem circular aos membros do tradicional Instituto, informando que tinha ressuscitado, ou melhor, esclarecendo que nem sequer tinha chegado a morrer. Não resisto à tentação de estender, aos leitores, a alegria que a todos nos contagiou, transcrevendo a mensagem circular, expedida pelo “ressuscitado” por meio da eficientíssima e muito estimada secretária da instituição, D. Tupiara Machareth:

“Uso os préstimos da Tupiara para agradecer as manifestações, por parte de colegas e amigos do IHGB, de preocupação com minha anunciada morte. Particularmente tocante foi a reação de nosso caro confrade o desembargador Antonio Izaías relatada por ele em bem-humorada carta a mim enviada.  Ao ler o anúncio no Globo, engravatou-se e heroicamente enfrentou a sensação térmica de 50 graus para ir ao São Francisco Xavier prestar-me suas últimas homenagens. Lá, apresentou condolências aos parentes, mas disse ter estranhado o longo bigode branco do morto, que destoava da imagem do confrade do IHGB, fato que  o deixou intrigado. A suspeita de um equívoco confirmou-se ao ser abraçado por um senhor de idade provecta que revelou ter sido colega do morto no Itamaraty. Fui salvo por um bigode branco. Para outros amigos, minha salvação veio da ausência de um L duplo no nome, isto é, veio da obediência ao acordo ortográfico que manda atualizar a grafia dos antropônimos. Reitero meus agradecimentos a todos e ao caro desembargador, em gratidão por seu gesto, libero desde já de comparecimento ao São João Batista quando chegar a vez do José Murilo de Carvalho sem bigode e sem L duplo. Um grande abraço, JM.”

Esse episódio me fez lembrar outro, muito famoso, ocorrido com o escritor norte-americano Mark Twain (1835-1910). Quando, em 1897, foi noticiada erradamente sua morte, ele escreveu um artigo no qual esclareceu aos leitores que “a notícia da minha morte foi um pouco exagerada”.

Do sueco Alfred Nobel (1833-1896) também correu uma notícia falsa de morte. Os comentários acerca do “falecido” foram tão desfavoráveis e o deixaram tão desagradado que o inventor da dinamite resolveu fazer alguma coisa boa, no tempo que lhe restasse de vida, para ser lembrado pelos pósteros de modo menos crítico... E instituiu, com sua imensa fortuna, o Prêmio Nobel!

O poeta britânico Rudyard Kipling (1865-1936) leu, certa vez, numa revista, a notícia de sua morte. Imediatamente escreveu ao diretor: “Acabo de saber, por sua revista, que estou morto. Não se esqueça de excluir imediatamente meu nome da sua lista de assinantes”.

Recordo também um caso de humor negro, lido já não sei onde, de um Mr. Smith que, ao chegar ao hotel de veraneio, mandou um telegrama à esposa: “Querida, cheguei há pouco.  O calor aqui é infernal. Já reservei seus aposentos. Fico à sua espera no próximo fim de semana”. Acontece que o telegrama foi entregue, por erro, a uma outra Mrs. Smith, cujo marido tinha morrido dois dias antes...

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS é historiador e jornalista profissional, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Academia Portuguesa da História.



publicado por solpaz às 15:40
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De ICE a 30 de Julho de 2017 às 18:01
O Acordo Ortográfico nada diz sobre a actualização gráfica de antropónimos. Na verdade, até diz isto na Base XXI: «Para ressalva de direitos, cada qual poderá manter a escrita que, por costume ou registo legal, adote na assinatura do seu nome. Com o mesmo fim, pode manter-se a grafia original de quaisquer firmas comerciais, nomes de sociedades, marcas e títulos que estejam inscritos em registo público.» O acordo já é suficientemente mau, convém não inventar mais ainda...


Comentar post

Europa
mais sobre mim
Brasil
arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
Foz Coa
links