Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 10 de Novembro de 2017
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - TRÊS PERGUNTAS SOBRE A HISTÓRIA DOS EXCLUIDOS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

        Participei, tempos atrás, de um fórum de historiadores no qual nos foi proposto que respondêssemos, por escrito, a três perguntas sobre a chamada “História dos Excluídos”: 1) Pode-se realmente falar na existência de uma “história dos excluídos”?  2) Quem são os excluídos na era moderna? 3) Como resgatar sua história?

           Transcrevo a seguir as respostas que dei a cada uma delas:

          1) Sim, pode-se falar na existência de uma história dos excluídos. Se entendermos por essa designação todos aqueles cujos feitos não são ou não foram registrados pela historiografia; eles também fazem história, embora de modo menos espetacular, menos visível, mas nem por isso de pouca importância.

          2) Depende do que se entende por “era moderna”. Se por “era moderna” entendermos a Idade Moderna (ou seja, o período que se estendeu desde o fim da Idade Média até a Revolução Francesa), excluídos eram os plebeus, os artesãos, os camponeses, o baixo clero e a pequena burguesia.  Já a grande burguesia, embora não dispondo ainda de representação política, não poderia, na verdade, ser incluída no rol dos excluídos. Se por “era moderna” entendermos os tempos atuais, eu diria que excluídos são todos aqueles que, de alguma forma, ficam à margem da sociedade de consumo moderna, ou por falta de dinheiro, ou por falta de representatividade, ou por falta de comunicação, ou de voz ou de vez. Eu somente ressalvaria que muita gente esperta, por oportunismo ou malandragem, quer passar por “excluída” e, assim, gozar das benesses e privilégios que tal condição hoje em dia proporciona...

         3) Um caminho é o utilizado por Carlo Ginzburg, no livro “O queijo e os vermes”, publicado em 1976; sua metodologia foi a de pegar as atas do processo inquisitorial do moleiro Menocchio, desconstruir o seu discurso e, por via de representação, tentar reformulá-lo e, assim, descrever minuciosamente a sociedade em que se passou o episódio. Ginsburg produziu um livro clássico, verdadeiro modelo no seu gênero, mas que sofreu fortes críticas de ter-se deixado levar pela imaginação além do devido, e por ter generalizado muito sua interpretação, a partir de um único caso.

          O resgate da história dos excluídos enfrenta, como Ginsburg enfrentou, duas dificuldades. A primeira é que não existem, normalmente, documentos escritos provenientes dos próprios excluídos. Os documentos existentes são os conservados pelos “incluídos”, presumivelmente suspeitos de parcialidade. A segunda é que, utilizando-se esses documentos suspeitos, há que desconstruí-los, pelo caminho das chamadas representações, reinterpretando-os - e esse é um processo extremamente perigoso, pois facilmente incorremos no pecado mortal do historiador, que é o anacronismo. Facilmente somos levados a atribuir a pessoas de outros tempos nossos pressupostos e a mentalidade de nossos dias.

           Vou dar um exemplo. Se eu quiser escrever sobre a casta dos párias, na Índia, na ótica que imagino ser a de um pária, eu direi que é um infeliz, uma pessoa ferida em seus mais elementares direitos etc. etc. Estarei, assim, descrevendo o que eu, Armando Alexandre dos Santos, sentiria se um dia adormecesse em Piracicaba, no meu apartamento, e por uma misteriosa metamorfose kafkiana acordasse pária no interior da Índia...

          Estarei sendo correto nessa interpretação? Não necessariamente. Confesso que foi enorme a minha surpresa quando conversei, há cerca de dez anos, com uma amiga que foi passar uma temporada na Índia. É uma mulher inteligente, muito esclarecida, é professora universitária e já foi Secretária da Educação em seu estado natal. Para minha surpresa, ela me contou que, na Índia, fez questão de conversar com pessoas de todas as castas e pôde certificar-se de que, por mais espantoso que isso nos pareça, os párias de lá não são infelizes, nem revoltados. Simplesmente, eles são párias, porque nasceram párias e acham isso natural. Não invejam os não-párias, nem sequer se comparam com eles. Como entender isso, com a nossa cabeça? Confesso que não entendo, mas é assim.

          Ao reconstruirmos o mundo dos excluídos do passado, é preciso tomar muito cuidado para não projetarmos artificialmente, para a cabeça deles, reivindicações, anseios e perplexidades próprios do nosso tempo. O risco de cometer tal erro é muito grande.

 

 

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS é historiador e jornalista profissional, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Academia Portuguesa da História



publicado por solpaz às 15:33
link do post | comentar | favorito
|

Europa
mais sobre mim
Brasil
arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
Foz Coa
links