Blogue luso-brasileiro
Domingo, 17 de Janeiro de 2016
HUMBERTO PINHO DA SILVA - AMOR DE INFÂNCIA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No meu tempo de estudante, tive companheiro, que se tornou intimo amigo. O jovem fora bafejado com traços apolínicos, mas não primava pela inteligência; e somava à desdita, o facto dos pais serem da classe média baixa.

O rapaz conhecera menina, e apaixonou-se. A moça, não sendo de família nobre nem endinheirada, tinha “ nome”, e o bastante para parecer rica.

A rapariguinha, inexperiente na arte de amar, engraçou com ele, demonstrando afeto no olhar, atitudes e atenções.

Deu-se o caso das famílias serem amigas e visitarem-se mutuamente – nessa recuada época era uso fazerem-se visitas e retribui-las, – e as mães, possuidoras de apurada sagacidade feminina, descobriram ou desconfiaram dos encontros furtivos e dos olhos risonhos e brilhantes dos filhos.

A mãe do mocinho rejubilou de alegria, mas o mesmo não aconteceu com a mãe da jovem. Porém, a prudência, aconselhava não revelarem os pensamentos e desejos.

Certa tarde de Primavera - estavam os pequenos nas férias da Páscoa, - encontraram-se para tomarem chá e provarem o bolo de chocolate, feito com receita nova.

A mãe da moça, encaminhou, habilidosamente, a conversa para casamentos.

Disse, que gostava que a filha casasse com médico, pois queria ter na família alguém formado em medicina… A menina, ainda era jovem para pensar nisso - esclareceu, - mas é sempre bom cuidar desde já. Não vá  ser enganada por caçador de dotes…

O rapaz, que tudo ouvira em silêncio, veio contar-me com a tristeza no rosto.

Tocou-me de profunda amargura, o coração, ao confidenciar-me:

- “ Se pudesse iria para medicina! …Mas sou burrinho! …Não sirvo para nada!…”

Certo é que a menina esfriou, deixando de corresponder aos ternos olhares do rapazinho; talvez por recomendação materna.

Os anos correram, correram e correram…

Numa tarde chuvosa de Inverno, encontrei o Manel, descendo os “ Clérigos”.

Disse-me que casara e tinha um garotinho de cinco anos.

Falei-lhe da Bélinha. Ficou muito sério, com olhar de espanto, e esclareceu-me, que casara, também.

- “Sabes?... - Confidenciou-me, - nunca a esqueci! Foi paixão entranhada; das antigas! …Daquelas que se cravam no coração… e para sempre ficam…”

Coitado do Manel! …Se tivesse um pouco mais de inteligência e algum dinheiro no bolso ou na bolsa, teria sido o marido ideal da Belinha; a feitiçeirinha que o encantou.

 

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -   Porto, Portugal



publicado por solpaz às 18:50
link do post | comentar | favorito
|

Europa
mais sobre mim
Brasil
arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
Foz Coa
links