Blogue luso-brasileiro
Sábado, 17 de Junho de 2017
MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - VIVÊNCIAS DO CIRCO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2vl2knt.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Quando vejo uma lona de circo estendida, há um ângulo em meu coração que faz festa, mesmo que não vá ao espetáculo. Parece que estendo a corda de um lado e prendo a estaca no céu.
O primeiro circo no qual estive foi em 1961. Encontrava-se na Rua Atílio Vianelo, onde residíamos. Rua de terra e, pelo mato, pirilampos. Tudo era motivo de alegria. E o circo?! Que coisa boa sair na calçada e verificar que ele permanecia lá. Dentro de mim misturavam-se: palhaços, maçã de amor, trapezistas, perna de pau, pipoca, algodão doce, atirador de facas, contorcionistas, mágicos... Havia animais também e desejava, de todas as maneiras, afagá-los. Não imaginava, na época, o que sofriam para serem treinados. Quanta crueldade! 
Mais tarde, em Poços de Caldas, em 1962, instalaram, na praça central,  uma espécie de barraca e um homem ficava dentro de uma caixa de vidro, deitado em cacos, e com uma serpente. A propaganda, que convidava para visitação, dizia que ele passaria quarenta dias no pequeno espaço, alimentando-se somente de líquidos. Despertava o interesse, mas não me enternecia. O cidadão se chamava Ben-Hur. Nos altos falantes se ouvia: “Ben-Hur passará quarenta dias sem ver a luz do sol; Ben-Hur passará quarenta dias sem se alimentar...”
Em um terreno, próximo ao local em que moro, na década de 90, por duas vezes, foi armado o Circo do Tareco. Achava o máximo aquela lona colorida perto de casa, a simplicidade dos atores, a propaganda, a cabra e os cachorros que integravam o show.
O circo é, para mim, mesmo que o veja apenas por fora, um momento de magia. Nele se encontra o picadeiro de minha infância com contos de fada, bonecas, fantasias, aquarelas, massinha, lig-lig; com o boizinho rosado de pelúcia que me acompanhou por muitos anos... O circo vai e vem, como o pêndulo do relógio que canta as horas. E como diz a música: “Vai, vai, vai terminar a brincadeira, /Que a charanga tocou a noite inteira, /Morre o circo e nasce na lembrança,/ Foi-se embora eu ainda era criança”.

 

 

 

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE -

 Professora e cronista. Coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala. Jundiaí, Brasil.


 
 



publicado por solpaz às 14:09
link do post | comentar | favorito
|

Europa
mais sobre mim
Brasil
arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
Foz Coa
links