Blogue luso-brasileiro
Sábado, 29 de Julho de 2017
MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - AUSÊNCIA PATERNA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2vl2knt.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 
No capítulo Diante da violência extrema: ouvindo os jovens ‘serenos’, do livro “A Formação de Jovens Violentos – Estudo sobre a etiologia da violência extrema” do sociólogo Marcos Rolim – Appris editora -, há um subtítulo: A família como dor, em que os entrevistados, internos da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Fase), do Rio Grande do Sul, demonstram suas experiências problemáticas a partir da ausência paterna ou de incompreensão, hostilidade e mesmo violência sistemática oferecida pelos pais biológicos ou padrastos, ou seja, figura masculina de presença insuportável. Um dos entrevistados revela que teve, com o pai, um tipo de relação formal, sem qualquer investimento afetivo. Relata Nestor –pág. 168 -: “Eu falava com ele na rua, mas não era aquele afeto tipo pai para filho, sabe? Era oi, pá, eu apertava a mão dele e ele ia fazer as coisas dele e eu as minhas. Ele não me dava nada, eu não dava nada para ele e era isso aí”. “Colaborou”, por certo, em empurrá-lo para a criminalidade.
O acompanhamento paterno é tão importante quanto o materno. Há pai: de influência adorável, de ausência justificável, de convivência inconveniente e há, ainda, o pai que é uma incógnita.
O menino – conheço-o desde o ventre materno - tem apenas sete anos e dois irmãos, o de 20 e o de dois anos.  Reside com a avó por razões da família. Ao nascer, a mãe não havia encontrado a firmeza necessária dentre suas angústias. No primeiro dia de férias deste ano, comentou que desejava ir para a cidade da mãe, com o propósito de encontrá-la. Acrescentei: “Ver sua mãe e seu irmão”. Olhou-me com estranheza e questionou: “Meu irmão de 20 anos?” Esse irmão, dependente químico, foi preso, não faz muito, no tráfico.  Disse-lhe que não, o pequenino. Respondeu-me, de imediato, que esse não precisava de visita, porque possuía pai.
Tão novo e testemunhando a falta que um pai faz! Não há dúvida, portanto, sobre a razão da opacidade em seus olhos, do seu sorriso recolhido e da angústia que explode, inúmeras vezes, em choro convulsivo.
Enquanto alguns pregam relacionamentos sem laços de amor com responsabilidade, meninos e meninas oscilam nas ondas do mundo pela falta da âncora que chama pai. Pai de verdade assume, cuida, abraça, acompanha e mostra ao filho que é possível, no desequilíbrio dos passos, ancorar no porto de seu coração.

 

 

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE -

 Professora e cronista. Coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala. Jundiaí, Brasil.



publicado por solpaz às 16:30
link do post | comentar | favorito
|

Europa
mais sobre mim
Brasil
arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
Foz Coa
links