PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quinta-feira, 16 de Maio de 2024
HUMBERTO PINHO DA SILVA - " AINDA SE VENDE ESSA PORCARIA!"

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em calma e cálida tarde de maio, quando o astro-rei acendia o céu, de nuvens de fogo, mosqueando, de cintilantes estrelinhas, as águas azuis do Douro, estava com meu pai – insaciável homem de Letras, que vivia entre velhos cartapácios, - na Feira do Livro, no Porto.

Nessa recuada época, a "Feira" implantava-se na Praça do Município, num aconchegante labirinto, aos pés de "Garrett"

Caminhávamos embebidos nos escaparates – abrindo e reabrindo tomos, junto a livraria católica, de súbito, surgiu três guapos rapazinhos, ainda imberbes, chalrando em alta voz.

Miram de esguelha o stand. Entre livrinhos devotos e inocentes romances, gritavam três vistosas Bíblias, de folhas doiradas, encadernadas a percalina preta.

Apontando ostensivamente o magro indicador, o mais esgrouviado e bem-trajado, de barba e cabelo à Che Guevara, disparou, com risinho arteiro, bailando nos lábios:

-" Ainda se vende essa porcaria!..."

O empregado, possivelmente frade ou antigo seminarista, de imediato retorquiu:

- "É por causa dessa " porcaria", que o senhor doutor é médico!..."

O diálogo espicaçou a curiosidade de meu pai; e quando os mocinhos rindo, se afastaram, apressou-se a interrogá-lo:

-" Conhece-o?"

- " Conheci-o. Andava no seminário. Estudava por favor. Não tinha vocação. Os senhores padres ainda o encaminharam para a Universidade..."

 Como meu pai mostrasse interesse, prosseguiu:

- " Agora é quase médico. Sempre que passa por aqui, larga uma chalaça. Coitado!.... Se não fosse a Igreja... andava com a charrua...

Este episodio, ocorrido nos anos sessenta, gravou-se-me na memória; e ilustra, perfeitamente, o que é a ingratidão e o descaramento.

Como ele, muitos são os que singraram às cavalitas da Igreja ou à sombra protetora de senhoras caridosas, que lhes proporcionaram meios para altos voos; infelizmente, raros são os que se lembram de agradecer, a quem lhes deu a mão. É a ingratidão humana!...

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 13:25
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - ACHEGAS SOBRE A EMIGRAÇÃO PORTUGUESA NO BRASIL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em meados do século XIX, o Rio de Janeiro, fervilhava de emigrantes portugueses, esperançados de encontrarem a: " árvore das patacas".

Os mais pobres, iam em navios negreiros, na condição de pagarem a viagem ao engajador, com dinheiro obtido no trabalho que conseguiam em fazendas.

Muitos morriam devido a maleitas; outros, por excesso de trabalho, quase escravo.

A deplorável situação chegou a ser ventilada, na segunda metade do século XIX, em Pastoral, escrita pelo Arcebispo de Braga, avisando os mancebos do perigo de serem enganados pelos angariadores; mas, raros foram os que escutaram os sensatos conselhos.

Em 1879, narra Silva Pinto, que encontrou Rafael Bordalo Pinheiro, junto do teatro D. Pedro, no Rio, em que o notável artista contou os horrores que passou no Brasil.

Embarcara cheio de ilusões em 1875, na época era ilustrador do " Lanterna Mágica", publicação lisboeta.

Regressou três anos depois, descorçoado, com mulher e filha, após ter sido injuriado, e ver o gabinete de trabalho, na Rua do Ouvidor, assaltado por populares, sem ter recebido proteção da polícia, nem do Consulado Português!

Segundo a " Caixa de Socorros de D. Pedro V", fundada no Rio de Janeiro, de, 1861 a 71, havia no Rio 49.610 emigrantes portugueses. A "Caixa" repatriou 4.000, e faleceram, durante esse período, 11.000. É desconhecido a situação dos que foram trabalhar para o interior.

Os repatriados chegavam a Portugal, desiludidos ainda mais pobres do que partiram.

No livro " No Brasil", Silva Pinto, relata a chegada de paquete francês, a Lisboa, com vinte passageiros, vindos do Brasil: " Só dois obtiveram fortuna – o primeiro alugando escravos ao mês; o segundo (uma mulher,) alugando-se diariamente. Os restantes (...) chegaram doentes, arruinados e cheios de dívidas"

O invés, parece acontecer agora, aos imigrantes que chegam a Lisboa, com a cabeça cheia de fantasias, (alguns de dupla nacionalidade).

Vasco Malta, Chefe da Missão em Portugal, da Organização Internacional das Migrações (OIM), tem ajudado muitos imigrantes a regressarem à terra natal. Brasileiros foram, 1831, desiludidos por não terem conseguido trabalho, nem casa. Alguns encontravam-se na mais esquálida miséria.

Repete-se, infelizmente, em pleno século XXI, a História e as histórias, dos portugueses, no século XIX e XX, no Brasil.

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 13:13
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - A SITUAÇÃO DA IGREJA EM PORTUGAL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

É do conhecimento de todos, que participam na missa dominical, que existe grande diminuição de fiéis – não só de jovens, como de crentes idosos.

Várias são as razões: A epidemia (Covid) que afastou da Igreja – por medo de contágio, – muitos católicos; a deslocação da população citadina para as preferias; o facto de muitos idosos haverem falecido, devido à epidemia; e o comodismo de alguns, que passaram a "assistir" à missa pela televisão.

Acrescentaria, igualmente, a deficiente evangelização, e o comportamento indigno de alguns sacerdotes e fiéis.

Recentemente o matutino" Correio da Manhã", de 03/03/2024, realizou pesquisa sobre a situação da Igreja Católica, em Portugal, chegando às seguintes conclusões:

A quebra de fiéis na missa é quase de 50%; no interior, apenas 10%.

Alentejo, Minho e Trás-os-Montes, assim como os Açores, foram as regiões mais afetadas, (possivelmente, digo eu, devido à emigração).

Lisboa, Madeira e o Algarve, foram as que menos sofreram, mantendo-se quase inalterável o número de fiéis.

Como é natural, a diminuição de crentes afetou a receita, no ofertório e nas caixas

As ofertas desceram de 60 para 35 milhões de euros. (Não será, em parte, devido à dificuldade financeira em que vive a Classe Média?)

Apesar das vocações sacerdotais terem diminuído, ainda se celebram 6.000 missas dominicais, celebradas por 2.655 padres. Menos 600 do que em 2014.

Foram estas as principais conclusões que o "CM", chegou, após ter contactado 32 paróquias e bispos diocesanos.

Desconfio que, alguns leitores, também, gostariam de conhecer a situação religiosa, em Portugal - Igrejas cristãs e não cristãs, colhidas no: INE, e no Censo de 2021:

Ortodoxos, em 1981 eram 2.564

                     “    2021   "   60.381

Deve-se, certamente, à entrada de imigrantes do Leste Europeu

Evangélicos, eram em    2021 - 186.832

Testemunhas de Jeová, eram em 2021 – 63.609

                   Hindus                               “      “     “     -  19.471

Budistas                             “      “     “     -    16.757

Católicos                            “      “     “    - +7 milhões

Ateus, eram em 1981 – 253.786

   "        "      "    2021 - 1,2 milhões

Há aumento significativo de Judeus, devido à lei sefardista, que autoriza descendentes de israelitas, que viveram em Portugal, terem dupla nacionalidade.

Havia, também, em Portugal, em 2021, cerca de: 36.480 muçulmanos, originários, em parte, de países árabes e nações africanas.

Devido à entrada maciça de imigrantes, nos últimos anos, é natural que os números indicados, não reflitam a verdade atual.

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 12:54
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 18 de Março de 2024
HUMBERTO PINHO DA SILVA - HÁ NECESSIDADE DE IMIGRANTES

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Apesar da natalidade, em Portugal, ter aumentado nos últimos anos, ainda não é suficiente para comutar o défice demográfico. O País carece, urgentemente de imigrantes para incrementar a economia, vg: restauração, hotelaria e construção civil.
A entrada maciça de imigrantes é necessidade incontestável, ainda que possa causar ao País alguns problemas; precisa, todavia, ser devidamente planeado, para se evitar perturbações sociais, mormente se o imigrante não souber ou não quiser assimilar a nossa cultura ou se recusar a ser integrado.
Diferenças culturais, morais, políticas até filosóficas e religiosas, dificultam a rápida integração, a meu ver, necessárias, requerendo cedências de ambos – aborígenes e imigrantes.
Existe, ainda, o receio natural da população indígena, erradamente pensar – que pode causar desemprego e concorrência no mundo do trabalho, em algumas profissões.
Mas voltemos à situação demográfica do País: envelhecimento da população e, nascimento de nenés – verifica-se que em 2023 nasceram 85.764 bebés, segundo " Teste do Pezinho", alguns de mãe estrangeira. Número considerado insuficiente, mas melhor que no ano anterior.
Como e sabe, a população em idade fértil, tem emigrado em grande número, na última década, mais de 850 mil saíram do País, e cerca de 30% são de idades que vão dos 15 aos 19 anos.
Segundo o " Atlas de Emigração Portuguesa" desde 2001, abandonaram, por ano, a terra natal, cerca de 75.000 portugueses. Só em 2013 (ano da Troika") ausentaram-se 120 mil, sendo 70% dos emigrantes de 15 a 19 anos.
Não é de admirar que a natalidade seja tão baixa, se considerarmos, que continuam a sair jovens em busca de melhor vida e, esperança de virem a receber confortantes reformas, que lhes permita envelhecer mais desafogadamente.
Hoje não emigram apenas humildes trabalhadores rurais e operários, como outrora, mas igualmente: licenciados, mestrados e até doutorados.
Pelo exposto, ainda que alguns não concordem e não desejem, não se pode recusar mão-de-obra estrangeira, mesmo reconhecendo os inconvenientes que possam advir para o presente e futuro da nação.

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 15:04
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - OS PORTUGUESES NO BRASIL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Minha tia-bisavó, Rosinha, fazia cem anos; seu filho convidou-me para participar na cerimónia religiosa e no copo-de-água.
Fui. Tomei o "onibus”, que me levou ao Rio e, horas depois desembarquei na rodoviária. Nessa ocasião residia em São Paulo.
Quando me deslocava para o colégio, que gentilmente cedera as instalações, fui observando tudo que via. Ao perpassar por parede branca, lobriguei, varado, rabiscado a carvão ou tinta negra: " Portugueses fora do Brasil!". Estávamos nos anos noventa, do século passado.
Em abono da verdade, devo dizer que nunca senti qualquer antipatia por mim, por ser português; muito pelo contrário: todos, inclusive a policia, mesmo no tempo da ditadura, sempre me trataram com afeto.
Sou como se sabe, matrimoniado com paulista da gema, de família tradicional, por isso sabia que no passado, o nosso povo era considerado: pobre, inculto, analfabeto. Em regra, dizia-se que desembarcava em Santos com: " Saco e pau nas costas", ou chegava de avião, " Nos Tamancos Aéreos Portugueses.
Após a Revolução de Abril, chegaram a terras de Santa Cruz: industriais, professores, médicos, engenheiros e, muita gente da elite portuguesa; e o brasileiro, atónico, mudou logo a opinião depreciativa que tinha.
Mesmo assim... Estando em Florianópolis, em meados deste século, folheando distraidamente as páginas amarelas da Capital de Santa Catarina, deparei, cercado a tarja negra:" Portugal roubou o nosso ouro."
Era "mimo" dirigido aos milhões de portugueses e descendentes. Eu sabia há muito que era isso, que certos professores ainda ensinavam nas escolas.
Durante décadas não foi fácil ao português " fugir" das piadas vindas do povo humilde e até da mass-media.
Em 1920, quinhentos poveiros que ganhavam a vida no mar, foram expulsos por se recusarem a serem brasileiros. Retornando a Portugal no navio " Samaro" – " A Pátria", Rio de Janeiro 13 a 15/10/1920.
A perseguição iniciou-se em outubro de 1920, alimentada, entre outros por Epitácio Pessoa. Desconheço a razão de tanta xenofobia, pois a maioria da população era e é descendente de portugueses e italianos. Emigrantes que foram procurar no Brasil melhor vida, como hoje os brasileiros fazem quando emigram para os Estados Unidos e Europa.
A emigração portuguesa, como a italiana, foram comutar a mão-de-obra que havia antes da Lei Nº2: 040 de 28 de Setembro e 1871, que dizia: " Declara de condição livre os filhos de mulher escrava que nascerem desde a data d'esta lei, liberta os escravos da nação e outros, e providencia sobre a criação e tratamento d'aquelles filhos menores e sobre a libertação annual de escravos."
Esta crónica, escrita quase ao currente calamo, pretende lembrar a situação difícil em que viveram muitos portugueses no século XIX e meados do século XX, no Brasil. Muitos eram de menor idade, como o escritor Ferreira de Castro que chegou ao Brasil, sozinho, com 12 anos, para não falar de meu bisavô que emigrou ainda adolescente.
Para alinhavar esta modesta crónica, baseie-me: em reminiscências pessoais; na obra: " No Brasil", do escritor Silva Pinto; e na pesquisa realizada por Edgar Rodrigues, publicada no " Jornal de Matosinhos" de 6/12/1991.

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 14:55
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - VOCÊ PENSA OU PENSA QUE PENSA ?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Durante longos anos ouvi diariamente: comentários e pareceres de amigos e conhecidos e, frequentemente escuto na cafetaria, onde todas as tardes tomo o reconfortante cafezinho, conversas sobre os mais diversos assuntos.

De tudo que ouvi e escuto, conclui: a maioria das pessoas são como dizia o mendigo de Joracy Camargo: " Pensam que pensam, mas não pensam".

São simples repetidores do que ouvem ou leem dos fazedores de opinião.

Os pareceres variam, em norma, consoante a posição que se encontram no xadrez da vida: alteram-se com a situação económica do momento.

Poucos são os que possuem convicções e certezas fundamentadas – ainda que asseverem que as têm...

Se perguntarmos a ferrenho torcedor a razão de ter aderido a certo clube desportivo, não saberá, por certo, responder.

" Sou, porque sou." - Argumenta; ou porque o pai já o era; ou simplesmente para ser do contra: a família torcia por outro clube.

Acontece, igualmente, na política. Poucos militantes conhecem a ideologia e os estatutos. Basta-lhes repetirem o que diz o líder; os mais fanáticos, mesmo reconhecendo o erro, são incapazes de o reconhecerem.

Infelizmente o que se passa no desporto e na política, ocorre algumas vezes, na religião:

Se perguntarmos a crente, porque permanece nesta ou naquela denominação, por certo não saberá responder. Talvez declare: Que é a Igreja da maioria; porque gosta do sacerdote; ou era a da sua meninice.

Também na Igreja, como na política, há infelizmente, quem busque interesses financeiros ou projeção social:

Conheci homem que frequentava Igreja Evangélica, porque recebia, algumas vezes um queijo flamengo!...

Conheci, igualmente, escritor, amigo de meu pai, cujas obras alcançaram importantes prémios. Uma vez confidenciou-lhe:" No início da carreira tive que aderir a partido político de esquerda, para conseguir editor!..."

O mesmo aconteceu a intelectuais, na época da ditadura...que mais tarde inscreveram-se em partidos de esquerda, após haverem recebido benesses do antigo regime.

Tenho, portanto, sempre reservas quando ouço ou leio comentários na média, porque é raro ser-se imparcial. Todos sofremos influencias. Poucos são verticais e honestos. Mas ai de quem lhes diga isso!...

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 14:42
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - A PORTA ESTÁ ABERTA, ATÉ OS CÃES ENTRAM

 

 

 

 

 

 

 

 

Havia na igreja de Santo Ildefonso, no Porto, abade conhecido pelos ditos espirituosos e assombradas atitudes.

Tinha como coadjutor jovem presbítero chamado Flores, se não estou em erro. Nessa recuada época não era nascido, e o que sei, é por via oral.

Ora apareceu certa ocasião, "grã-fino" para marcar matrimónio. Entregou os documentos necessários e, marcou-se a data.

Compareceram no dia indicado, os noivos e convidados. As senhoras usavam generosos decotes e ombros descobertos; vestuário arrojado para a época.

Entrou paramentado o abade. Viu o espetáculo indecoroso. Engoliu em seco e, declarou em voz severa: - " Não caso gente em traje indigno para a Casa do Senhor!..."

 Levantou-se burburinho; houve ameaças; altercações; e ergueu-se ténue rumorejo entre os convidados.

Não houve outro remédio, perante a obstinação do sacerdote: - os cavalheiros despiram os casacos e, as senhoras encobriram os ombros com eles.

Dias depois do " Casamento das despidas", os fofoqueiros portuenses confidenciavam, entre risos escarninhos, o casamento carnavalesco.

Outro caso, também, curioso:

Havia mulher que participava na missa de contas pendentes das mãos, sussurrando Ave Marias. Depois permanecia horas a fio fazendo trejeitos diante de cada imagem.

Uma vez entrou o abade no templo, presenciou a deplorável cena e, não se conteve: -" A senhora não tem que fazer em casa?! Se sim, dou-lhe uma vassoura e varra-me a igreja."

Encolheu-se a beata, tossiu e enfiou-se acobardada pela porta, ruminando impropérios.

Mais um dito do velho abade:

Belo dia estando o bom abade tentando evangelizar jovem janota, este, petulante, lhe disse: - " Se soubesse os mariolas que assistem à sua missa!..."

Ao que prontamente o sacerdote repostou: - " A porta da igreja está aberta, até os cães podem entrar..."

Como a porta se encontra aberta, no templo, a todos, o mesmo acontece nos partidos políticos: todos podem entrar...

Depois sucede como nos Estados Unidos com o partido “Republicano”, que foi respeitado e democrata, e contou com Lincoln, admirado e respeitado em todo o mundo; e agora tem Trump, com carisma, mas sem probidade.

Instituições, associações e partidos políticos, sejam da esquerda ou da direita, são o que for o líder: umas vezes são ótimos; outras vezes péssimos. Depende de quem os lidera.

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA

 



publicado por Luso-brasileiro às 14:29
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 15 de Fevereiro de 2024
HUMBERTO PINHO DA SILVA - A PEÇONHA DA TELENOVELA

 

 

 

 

 

 

 

 

Conta D. Francisco Manuel de Melo, que caminhando, em frigidíssimo dia, por terras de Espanha, abrigou-se a estalagem, em que a dona e suas filhas escutavam a leitura de novela e, tão enredadas estavam que apesar dos rogos, não foram capazes de o atender, indo hospedar-se noutra pousada.

Vejamos o que diz o escritor do século XVII acerca das meninas embebidas na apaixonante novela: " Poucos dias depois as novelas foram tanto adiante, que cada uma das filhas daquela estalajadeira fizeram sua novela, fugindo com seu mancebo do lugar, como boas aprendizes da doutrina que tão bem estudaram" – " Carta de Guia"

Se simples leitura de novela de amor, causou tal desventura, o que pensar das telenovelas de certos canais de televisão, transmitidas em nobres horários, a cores, com cenas degradadas; com sexo quase explicito, excitando impulsos de mocinhas e mancebos; mostrando episódios promíscuos, abundantes de meninas de papá, a " transar" com o primeiro rapazinho que deparam, ou o namorado que mal conhecem?

Acérrimas críticas surgem, a cada passo, na imprensa, de educadores e pedagogos, principalmente no Brasil, censurando asperamente o desplante de projetarem cenas asquerosas, recheadas de diabólicas intrigas, e inauditos procedimentos.

Existem carradas de razão para tanta repulsa, mas, a meu ver, não são as cenas de nudez – que espevitam impulsos naturais, – o maior mal; já que as imagens são tão frequentes na mass-media, que quase não chocam; mas sim, a peçonha das ideias liberais que pretendem inculcar; os conceitos, as atitudes aviltantes; e, a linguagem de bordel, travada em íntimos encontros familiares, como se fosse o retrato, a imagem da vida atual da família brasileira.

Dir-me-ão: mostram a realidade. (Será?). Abordar temas que preocupam a coletividade, não é a missão da telenovela? Ser o espelho da sociedade?

Pergunto ao leitor atento: Não será o contrário – a sociedade o espelho da telenovela?

Porque, voluntariamente ou involuntariamente, difundem: a moda, a maneira de pensar, o comportamento e, a linguagem do povo, que tudo copia, abraça e imita.

Para finalizar, pergunto ainda: Não serão os meios de comunicação social, os principais responsáveis pelo – parecer, degradação dos costumes, desagregação da família, e ainda a ausência de pejo e decoro de muita juventude?

Creio que sim. Se o leitor costuma refletir, não deixará de ponderar sobre os enredos das telenovelas, que deviam e podiam ser excelentes meios de difusão de cultura e formação moral e cívica dos cidadãos; mas não são.

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 14:18
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - A MENTIRINHA NÃO FAZ MAL A NINGUÉM

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A 17 de Janeiros do ano de 2009, num sábado frio, pelas 21H35, ouvia na minha salinha, onde normalmente passo o serão, o canal: " Memória", da RTP.

Entrevistavam o Maestro João Nobre, que sorridente contou, entre outros, que trabalhara na extinta "Emissora Nacional", quando o responsável era o Capitão Henrique Galvão.

Por certo os leitores da minha geração, estão recordados do assalto ao paquete Santa Maria, por razões políticas, comandado pelo Henrique Galvão.

Na época o Capitão era oposicionista ao Estado Novo, mas durante anos foi acérrimo defensor do regime salazarista. - Além de deputado, ocupava altos cargos, entre eles dirigente da E.N., que era, como se sabe, o órgão que expressava e defendia o regime.

Henrique Galvão, participou na Revolução de 28 de maio e foi também encarregado de organizar a grandiosa: " Exposição Colonial do Porto".

Durante os seis anos que o Capitão foi responsável pela emissora do Estado, trabalhou, nesse tempo, como pianista, o nosso Maestro João Nobre.

A emissora mantinha, nessa época, programa ao vivo, onde participavam artistas de várias nacionalidades. Entre eles destacava-se pianista inglês, que interpretava magistralmente música portuguesa, que alcançou grande sucesso. O músico era nem mais nem menos o nosso João Nobre.

O dinheiro não abundava, Salazar, preocupadíssimo com as finanças da nação, não abria a bolsa para se realizar dispendiosos programas.

Recorde-se que nesse remoto tempo não havia: " Cassetes", "Fitas" e muito menos "CDs". Contratar artistas internacionais era, então, impossível, por falta de verba.

Henrique Galvão resolveu o problema: apresentava portugueses com nomes estrangeiros e, os ouvintes confiavam e acreditavam...piamente.

 Era mentirinha, engano tão perfeito que houve ouvintes que procuravam as músicas do excecional intérprete inglês, em casas da especialidade...

Tudo isto foi dito, revelado pelo Maestro João Nobre, em noite fria de janeiro, no início do século, numa amena cavaqueira televisiva.

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA

 

 

 

 

 

 

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 14:16
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 1 de Fevereiro de 2024
PINHO DA SILVA - PREGAI O EVANGELHO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mc.16-15

 

 

Nós, que somos,  na Terra, Sal e Luz;

nós, que somos cristãos, ao que dizemos;

nós, a quem este mundo não seduz,

e para outro mundo já vivemos,

- nós temos de "SALGAR", de "ILUMINAR":

levar a Fé às almas; levar Deus

aos corações das gentes!...

Como disse Claudel: " Faire Lumiiére".

- abrir olhos  aos cegos, aos descrentes;

levar, sempre prontos, sempre pacientes,

a LUZ do Evangelho q quem quiser.

 

Tu saberás falar?... Pois fala, amigo!...

E tu, sabes cantar?...  Pois canta, então!...

Cada qual use o dom que tem consigo:

- a Palavra, o Sorriso, uma Canção!

 

Ele, Deus, está  em tudo, até porque

( como disse Teilhard, num livro seu)

está na minha pena:- " Il est, en quelque

manière au bout de ma plume ( Dieu)".

 

Ninguém diga: " Eu não sei!..."; ou:" Eu não posso!...",

pois que Deus nos dá sempre, de sobejo,

pra cumprir, a preceito, Seu desejo.

.................................................................

Quanto temos, é d'Ele, não é nosso!

 

 

PINHO DA SILVA – (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"



publicado por Luso-brasileiro às 14:15
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 18 de Janeiro de 2024
PINHO DA SILVA - VERBO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quem fale de Jesus, com singeleza,

ou seja S. Francisco ou Escrivá,

apostoliza mais, mais paz no dá

que S. Tomás de Aquine!...

                             Na  riqueza

filosófica deste, a  simpleza

do povo ignorante ( onde nem há,

além da intuição que Deus pôs lá,

um nada de razão...), colhe sagosa?!

 

Eco do Estagirita, fala ás almas

de maneira diferente; mas as calmas

palavras de Jesus de Nazaré,

são claras como a própria madrugada!...

 

Nem que seja na boca consagrada

dum padre Lacordaire, ou Boussuet!

 

 

PINHO DA SILVA – (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"

 



publicado por Luso-brasileiro às 15:38
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - COMO O PROFESSOR SE CONGRAÇOU COM CRISTO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Das figuras mais sisudas que conheci, foi, sem dúvida, a do Professor Vitorino Nemésio. Suas eloquentes palestras, interessantíssimas, pecavam, quase sempre, pelo rebuscado da frase, que o tornavam, muitas vezes, para os menos versados, incompreensível.

Isso não o impediu de se tornar popular, graças à simpatia, e principalmente à TV.

Certo dia o nosso Maestro João Nobre assistia a uma aula de Vitorino Nemésio, e tomado pelo sono e pela aridez, como o professor tratava a matéria, resolveu levantar-se e sair.

Ia a dirigir-se para a porta, quando o mestre o interroga, em tom de censura:

- Então vai sair?!

A que João Nobre respondeu com toda a franqueza:

- Não aguento mais… O Sr. Professor é um grande maçador!

No dia imediato, refletindo na atitude, o maestro receou ser repreendido, e não teve coragem de enfrentar o professor.

Decorrido dias, como nada lhe dissessem, nem corresse atoarda, entre os estudantes, compareceu, novamente às aulas.

Sentou-se e ficou muito quietinho, de cabeça inclinada, a escutar o mestre.

De súbito, Vitorino Nemésio, interrompe a exposição e voltando-se para o aluno que abandonara a sala tão inesperadamente, disse:

-Pensei no que falou e conclui que tem razão. Vou tentar ser menos pesado.

Era assim Vitorino Nemésio.

Não será necessário dizer, aos leitores portugueses, quem era o intelectual, já que é sobejamente conhecido; mas como a crónica aparecerá, também, na imprensa brasileira, vou reunir brevíssimos dados biográficos, deste eminente professor, que foi membro da loja maçónica” A Revolta”.

Nasceu nos Açores, na Praia da Vitória, em 19-12-1901. Foi Professor Catedrático da Universidade de Lisboa. Educado no seio da Igreja Católica, aos poucos afastou-se.da Fé. Tinha 21 anos de idade quando se tornou membro do cenáculo da loja maçónica.

Cursou Filologia Românica na Faculdade de Letras de Coimbra, com elevada classificação. Escreveu várias obras literárias. Foi o intelectual mais requisitado da sua época, e manteve, com sucesso, a rubrica: “Se bem me lembro…”, na RTP.

Numa quarta-feira da Semana - Santa de 1955, o Professor dirigiu-se ao reitor do Seminário, D. Manuel Almeida Trindade, depois Bispo de Aveiro, e durante três horas palestrou animadamente. No final, Vitorino Nemésio, abraçou-o. As lágrimas corriam-lhe pelo rosto, em catadupa.

O Catedrático, o conhecido intelectual, o “velho” republicano, o poeta famoso, abraçara definitivamente o cristianismo.

Vitorino Nemésio, que foi diretor do matutino “O Dia”, casou, em 1926, com Dona Gabriela Monjardim Azevedo Gomes e é pai de Georgina, Jorge, Manuel e Ana Paula.

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 14:37
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - ANJOS DA TERRA

 

 

 

 

 

 

 

 

Conhecido de D. Francisco Manuel de Melo, contava entre seus bens, a quantidade de amigos que possuía e, tinha razão, porque, quando são leais, sinceros e dedicados, são bens mais valiosos que oiro e prata. São anjos, que Deus nos proporciona para amenizar as agruras da vida.

Infelizmente, anjos bons, são raros, a maioria dos amigos comportam-se como as formigas, que só procuram celeiros cheios, como os de Job; outros, hipócrita, buscam: fama, influencia e glória, como os de Camilo, que tendo " Cento e dez, tão serviçais", mas vendo-o doente, pobre e quase cego, diziam: " - Que vamos lá fazer? Se ele está cego, não nos pode ver!..."

Também eu, durante a minha longa existência tive amigos, companheiros de jornadas, que Deus, na Sua infinita bondade, colocou-os no meu caminho, a quem lhes devo o que fui e o que sou.

Muitos perdi-os no correr dos anos, ceifados pela impiedosa Morte, mas ficaram, para sempre, gravados no filme da memória, com gratidão e saudade.

Entre eles, destaco o Silvério, que me abriu as portas, que muito necessitava, não por amizade, porque mal me conhecia, mas pelo bondoso coração, que tudo fazia para ajudar quem muito precisava.

Deparei, também, na estrada da vida, muita ingratidão, falácias e cambalachos, e ainda quem utilizando a política (que devia servir para o bem de todos,) me prejudicou no termo da carreira profissional; e tudo porque não sou, não era, nem quero ser – porque abomino opinião de cabresto, nem penso por cabeça alheia – militante de partido político...

Porém Deus sempre me amparou, como Pai que cuida dos filhos, não que fosse ou seja merecedor, que não sou, mas creio, como supunha Jean Guitton: a Misericórdia divina é superior à Sua Justiça.

Jesus sempre me enviou e certamente enviará, nos momentos angustiosos, anjos da guarda, que permanecem presentes nas horas de amargura.

Foram e são mãos humanas, guiadas pela Mão de Deus, que consolam, apoiam e abraçam.

Seria justo citá-los, mas muitos já não se encontram entre nós, e os mortos não têm vaidade; os que restam, certamente, não gostariam de se verem em letras de forma.

Decerto, o leitor, também deparou e deparará, ao longo da vida, " anjos", que o acolheram e o protegeram. Se atribuiu, alguma vez, o auxílio à sorte ou acaso, está redondamente enganado, foi certamente, a Mão de Deus que fez a mão dos homens agir.

Não foi sem razão, que o conhecido do nosso clássico, incluía no rol dos bens, os amigos fiéis e dedicados.

Porém não é fácil topar, no percurso da nossa peregrinação terrena – "anjos".

Os que nos abordam, em geral, não são "anjos" da Luz, mas das trevas. Buscam interesses e o vil metal, que tudo compra e tudo corrompe.

Já o ilustre Rei Salomão, dizia: " As riquezas granjeiam muitos amigos; mas os pobres, o seu único amigo, a deixa." - Pv.19:4

Infelizmente era assim, e continua assim, e para nosso mal, continuará assim...

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 14:23
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Maio 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

favoritos

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINEL...

pesquisar
 
links