PAZ - Blogue luso-brasileiro
Segunda-feira, 27 de Setembro de 2010
Cfd. ALUIZIO DA MATA - ASSISTIDO TAMBÉM TEM INSÓNIA

                      

 

Você já teve insônia alguma vez? Se não teve, não queira ter. É uma das piores coisas que pode nos acontecer.  Ficamos sem lugar, sem ter com quem conversar, só vem pensamento ruim. Não é uma boa experiência. O livro, por melhor que seja, torna-se chato. Programas de televisão ficam piores do que são. Não conseguimos nem orar direito.
A insônia pode acontecer por muitos motivos. Cada pessoa tem o seu, mas o ruim é que mesmo que não consigamos dormir não resolvemos o problema que a causou.
Agora, imaginemos a situação de um assistido. A começar por se sentir abandonado pela família, por estar com a saúde precária, por ter que receber ajuda até para comprar alimentos e remédios. A solidão é sua companheira de quase todo o tempo. As recordações não o deixam. Pensa muito no fim dos seus dias. O que está acamado, então, sofre muito mais. Impedido, às vezes, até de dar um pequeno passeio fora do seu cômodo para tomar um pouco de sol, passa o dia temendo a chegada da noite.
É verdade que conta com alguma visita semanal feita pelos vicentinos, que estão sempre prontos para atender as suas necessidades, mas não é a mesma coisa. A saudade que ele tem da família é muito grande.
O assistido tem muito mais motivos para ter insônia.  Se ele mora sozinho, se não sabe ler ou não tem um livro para ler ou uma revista para folhear, os momentos insones são terrivelmente chatos. Se estiver em um hospital, onde não possa fazer nada para minorar a situação, então, a situação fica insuportável.
Eu tenho um amigo que já bem de idade muitas vezes fica hospitalizado. Um dia ele me disse: “O pior do hospital é a solidão”.
Ele deve saber o que fala. A pessoa quando está doente fica sem paciência. Imagine, então, em um hospital onde todos que estão por perto ou são profissionais que não podem dar muita atenção, ou são doentes que sofrem da mesma impaciência e solidão.
Ao vicentino cabe minorar um pouco essa situação. Nossas visitas devem ser feitas sem pressa, em um clima alegre (mesmo que a situação não seja lá muito boa).  Se visitarmos o assistido em sua casa, mais uma razão para que a visita seja bem feita. O pobre adora conversar. Conte para ele as novidades que estão acontecendo no mundo.  A minha Conferência tinha um assistido que sabia fazer cestos de bambu. A gente passava muito tempo conversando, enquanto com o canivete ele preparava as tiras do bambu para serem trançadas. Já uma assistida adorava a sua hortinha. A gente não saia de lá sem um pé de alface ou um molho de cebolinha. Ela tinha prazer em ver a oferta ser aceita. Era uma forma de “pagamento” que gostava de fazer.
Se a visita for feita em um hospital, de acordo com a prescrição médica, podemos levar algum biscoito para o assistido e para quem esteja internado na enfermaria junto com ele.
Se for em uma cadeia, umas revistas, uns jornais fazem muito bem. Um bloco e lápis para que escreva uma carta. Talvez a gente mesmo escrever para ele, e a encaminhar. E por falar em insônia, muitos presos ficam com insônia, com medo de dormir e sofrer alguma violência.
Em fim, a insônia está presente em muitas ocasiões e situações. E bem que podemos ajudar de alguma maneira.  Tenho a certeza de que no dia em que o assistido recebe uma visita bem feita do vicentino, pelo menos na hora de dormir ele terá algo de bom para pensar. Provavelmente vai dirigir uma oração a Deus agradecendo ter aquela amizade sincera e desinteressada. Quem sabe, assim, seu sono chegue e a insônia não atrapalhe seu merecido descanso.

ALUIZIO DA MATA - Vicentino, Sete Lagoas, Brasil 



publicado por Luso-brasileiro às 19:04
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links