PAZ - Blogue luso-brasileiro
Segunda-feira, 27 de Setembro de 2010
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - PRISÃO PERPÉTUA

                      

           

 

              Durante um tempo, eu me debati, eu me rebelei. Não fui, como ainda não sou, capaz de aceitar uma pena sem ter cometido qualquer crime. Tentei, com todas as minhas forças, recuperar a liberdade, voltar ao convívio dos meus. Gritei, gritei, mas ninguém me ouviu ou, se me ouviram, não me entenderam...

            Sei que a alegação de inocência é moeda comum dos aprisionados, mas, no meu caso, de fato, é a mais pura verdade. Não tive direito ao contraditório, a uma defesa, sequer a um julgamento. Fui privado da minha família, da minha liberdade e de tudo aquilo que eu conhecia por vida. Sequer a um advogado eu tive direito, alguém que, ao menos, pudesse ouvir e sustentar o meu clamor. Vez ou outra eu sentia que se compadeciam de mim, mas seja como for, nunca tomaram a minha causa nas mãos.

            Por mais que eu pense, que eu me esforce, não tenho lembranças de nada que pudesse ter me desabonado, que justificasse esse cumprimento de pena. Não tenho direito à progressão. Jamais irei ao semi-aberto, jamais terei indultos de Natal ou liberdade assistida. Nada há aqui que me dê esperanças de dias melhores. Tudo o que me resta é esperar pelo fim dos meus dias.

            Não me falta água ou comida, contudo. Não corro perigos além daquele de enlouquecer, porque além de preso, estou na solitária. Há tempos não toco um semelhante, não sinto dele o calor, o bater do coração. Somente os vejo e os invejo, livres para ser o que eu poderia ter sido. Da minha família jamais tive notícias e, tal como me encontro, também não terei qualquer chance de formar outra...

            O que falta é ver o céu azul, é sentir o vento me bater na cara, é sentir o mundo um lugar imenso, infinito. Aqui os dias são iguais, marcados somente pelo existir, mas não pelo viver. Se eu tivesse companhia, talvez a dor que sinto pudesse encontrar algum alívio, mas a solidão, ao contrário, fez de mim um ser melancólico, taciturno, desiludido.

            Creio até que nem mais sei ser livre. A liberdade já me é uma estranha e, depois de tantos anos, já me resignei, já entendi que minha prisão é perpétua e vai durar enquanto eu respirar. Algumas injustiças se perpetuam no tempo e, na minha cela, somente desejo que outros não passem por isso, que as pessoas se apiedem dos meus semelhantes.

            Quiçá um dia compreendam meu pranto e não o confundam com canto. Da minha gaiola, vendo o céu ao longe, só faço pensar nos dias que pertenceram às minhas asas, enquanto eu podia rasgar o azul, enquanto eu pude ser simplesmente, um pássaro...

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA- Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo



publicado por Luso-brasileiro às 19:14
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links