PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quarta-feira, 24 de Novembro de 2010
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - CASÓRIO

                      

 

 

                Acho que já escrevi sobre quase tudo nesses dez anos de crônicas semanais. Escrevi sobre a chuva, sobre o sol, sobre meus cachorros, meus peixes, meus pássaros, sobre minha sobrinha, meus avós, meus pais, sobre flores, sobre amores, sobre dores, sobre medos, compulsões, sobre política, sobre enganos, sobre internet, sobre carros, sobre cidades, sobre meus professores, meus alunos, sobre ambulantes, políticos, taxistas e sobre qualquer coisa que conseguisse preencher minhas linhas...

                Muitas vezes me questiono, preocupada por escrever constantemente sobre coisas que tangenciam minha vida, que fazem parte do meu cotidiano. Um dia, por certo, imagino, as pessoas irão me perguntar por que razão minhas colunas, meus espaços em blogs, sites ou jornais não se chamam “Meu Diário”. Ainda assim, uma vez terei que escrever sobre um acontecimento familiar, sobre um momento que tocou demais as minhas emoções. Prometo, solenemente, que vou buscar escrever mais sobre os outros e menos sobre mim, mas hoje, seja como for, eu seria incapaz de buscar inspiração em qualquer outra coisa.

                Nesse último fim de semana, assim, minha irmã caçula, Tricya, casou-se. Nem sei descrever a emoção que me invadiu quando, lá do altar, na condição de madrinha, eu a vi entrar, de braços dados, com meu pai e minha mãe. Imediatamente, eu fiz uma viagem ao passado. De uma noiva linda, resplandecendo em um vestido branco, eu a vi transformada na menininha de um ano e meio que não saía do meu colo enquanto nossa mãe não chegasse do trabalho, para minutos depois ser a criança que, querendo participar das brincadeiras das irmãs mais velhas, ficava muito brava ao ser chamada de “café com leite”.

                Quando ela tinha oito anos, era comum meu pai olhar para ela e dizer: “_Ah, meus oito aninhos!” Naquela frase, todos sabíamos que o desejo era de que ela nunca crescesse, que fosse eternamente a criança da casa. Confesso que tinha dificuldade de entender aquilo, pois crescíamos, independentemente de nossa vontade e parecia crueldade desejar que não acontecesse. Hoje compreendo que não se trata disso, mas do desejo que se tem de que o ser amado continue pequenino, protegido das dores e tristezas que a vida adulta contempla.

                Assistimos os oito aninhos dela irem embora na mesma velocidade que os anos de todos nós foram se acrescendo. Com o tempo veio a adolescência, a juventude e a maturidade. Vi minha irmã chorar, rir, desejar, sofrer, sonhar e, muitas vezes, desacreditar. Particularmente, sempre a admirei pela inteligência, pela perspicácia, pela seriedade profissional, pela mulher elegante que se tornou, mas durante um bom tempo, ficou difícil fazê-la acreditar nessas mesmas coisas.

                Pisquei os olhos e novamente estava no altar. Ela vinha, braços dados com meus pais. Radiantes, eles eram só sorrisos e orgulho. Na igreja delicada e discretamente decorada, o som de um teclado sutil dava a trilha sonora. Aguçando os ouvidos, porém, o que mais se ouvia era o som das lágrimas daqueles que amam o casal de noivos. Olho ao redor e vejo amigas de infância dela, mulheres que conheci meninas, com os olhos turvos d’água. Sinto a umidade que me invade os olhos e engulo firme: não vou chorar. Tantas vezes quis que as lágrimas dela secassem e hoje não quero emoções assim. Deixo-me escutar a música e contemplar as pessoas. É uma noite de alegrias, de festa.

CASÓRIOO padre, depois de um sermão inspiradíssimo, próximo ao coração, faz com que eu tenha saudades da igreja que acolhe, que ampara os corações. Sinto-me leve, como quem assiste, enfim, a um final feliz. Só que não é um final. É um começo...

Algo me diz que, algumas vezes, os sonhos se realizam. Tri, irmã amada, ainda bem que você cresceu...

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA- Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo





publicado por Luso-brasileiro às 14:47
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links