PAZ - Blogue luso-brasileiro
Segunda-feira, 29 de Novembro de 2010
HUMBERTO PINHO DA SILVA - A BONECA FEIA

                      

 

 

Em mês de Julho, dos anos setenta, estanciei numa cidadezinha do interior. Burgo antigo, cheio de tradições, de ruas estreitas e  reduzido comércio. Por razões, que não devo esclarecer, não revelo nomes, já que os intervenientes pertencem a famílias conhecidas.

Na modesta pensão em que me hospedei encontrei jovem de vinte e poucos anos, que viera em busca de menina, que o havia fascinado.

Na verdade, e é isso que devo ao leitor, o moço não andava fascinado: mas encantado, e fervia de paixão.

Conheceu-a em menina; e a moça lançava-lhe ternos olhares e meneios, que frecharam-lhe o coração com flechas de Cupido.

No andar dos anos, o rapaz desvelava noites a fio, absorvido numa paixão delirante. Crescera a moça e desmudara atitude; mas o jovem, fantasiando, declarava, para quem o queria ouvir, que a menina mostrava apenas o pejo próprio da adolescência.

Terminado o ano escolar, o rapaz visitava a cidadezinha, na esperança de a ver, mas a moça esquivava-se, dando mostras de enfado, refugiando-se em locais inacessíveis ao enamorado.

Certos serão, quando tomávamos o cafezinho, confessou-me, com os olhos saltando de júbilo: que de tempo a tempo recebia correspondência, onde a prima - pois era sua prima, - nas entrelinhas, parecia mostrar afecto, e isso bastava para o animar.

A exemplo de anos anteriores, lá estava pensativo na pensão. Desta vez ,segundo declarou, gostaria de presenteá-la, mas por mais voltas desse ao bestunto nada o contentava.

Sugeri-lhe o “chorão”, que estava em voga.

A ideia foi bem aceite e pouco depois, o jovem. Percorria pressuroso as livrarias, em busca de “chorões”; mas, por mais que os procurasse não os havia. Após ter visitado as lojas, não encontrou outro remédio, senão comprar boneca que se impunha pelo tamanho e feieza.

Mostrou-ma desolado, enquanto jantávamos. Era deselegante, de feições grosseiras e hirta como pau.

Animei-o, dizendo-lhe que talvez a jovem gostasse, e ele respondeu-me, quase chorando de arrependimento por não ter trazido da sua terra o gracioso “chorão”: - Que fazer?, se nem bazares há nesta localidade!

No dia imediato bateu temeroso à porta da moça. A mãe recebeu-o afectuosamente e apontando para o mamarracho, interrogou-o

- Para quem é a boneca?!

Tartamudeando de vergonha - segundo me contou, - disse que era para a….

Esclareço que a mãe da moça nunca se apercebeu do intento do primo pela filha, talvez devido à diferença de idade ou sempre soube dissimular, como progenitora prudente que era.

Nesse mesmo dia o hospede corrido de pejo, despediu-se e partiu no primeiro comboio da manhã, declarando-me que não mais voltaria, a não ser que a prima assim lho solicitasse.

Nunca mais soube desses amores secretos e platónicos, mas jamais o esqueço, porque nunca conheci amor tão sincero e puro.

Será que a moça teve outro tão puro? Creio bem que não: porque em matéria de amores são raros os verdadeiros, e como diz o povo: não há igual ao primeiro.

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -   Porto, Portugal



publicado por Luso-brasileiro às 13:50
link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De Angelo Miguel a 6 de Dezembro de 2010 às 20:47
Uma coisa que sempre me impressionou é o modo como as pessoas narram os fatos. Há uma linguagem especial que faz com que vivamos a própria história narrada. Belíssimo conto. Belíssima narrativa. Belo exemplo de amor.


De Luso-brasileiro a 8 de Dezembro de 2010 às 14:00
Obrigado pelas palavras amáveis que teve a gentileza de escrever.


Comentar post

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links