PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 25 de Dezembro de 2009
MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - SOBRE UM ANO NOVO

 

 

 

 

                   

 

Em suas reminiscências não existem anos novos. Ela reconhecia as festividades de dezembro, com passagem para janeiro, nas comemorações dos outros. Enquanto menina, imaginava que seria bom se assim acontecesse em sua família. O desejo não era pela boneca que nunca veio. Ouvia, nas ruas, o som de risos felizes e, através das janelas, observava abraços apertados de quem se queria bem. A sua vontade maior fora sempre a de carinho grande na família, não de cuidados displicentes, apenas para manter a sobrevivência. Quem sabe foi isso que fez brotar nela o sentimento de inferioridade. O menosprezo por si mesma tirou-lhe de certa forma os sonhos e ela procurava, por onde caminhasse, passar despercebida. Notava-se isolada em seu mundo. Os pais não se amavam e muito menos se respeitavam. Relacionavam-se aos gritos. O pai retornava embriagado e a mãe, amargurada com as tarefas domésticas que realizava sem sabor algum, recebia-o com impropérios. Os irmãos, com medo das surras, pulavam a janela e desapareciam na noite. Apareciam sujos pela manhã, dependuravam nos ombros o bornal e iam à escola, com a cabeça preenchida por tumultos, sem espaço algum para aprender. A irmã mais velha reagia. Gritava como a mãe e com ela. Ameaçava bater no pai com o que tivesse nas mãos. Rangia os dentes de raiva. Ela era dócil e se julgava covarde. Encolhia-se em um canto qualquer, pedindo proteção a Deus.

Invejava o que considerava força na irmã, diante dos fracassos da família. Procurava imitá-la no que alcançava. Irritava a irmã a presença da menor, como espectro que a perseguia. Na fronteira entre a adolescência e a juventude, acompanhou em lamento, o caixão do pai e pouco tempo depois o da mãe. Havia, em um canto de seus sentimentos, um diminuto vaga-lume a lhe dizer que as coisas mudariam. Era através da luz desse pirilampo que ela enxergava, com seus olhos em pântano, uma casa pintada de branco, os batentes da janela azuis e a sala repleta de gente dela a se abraçar na passagem do ano. Se houvesse essa oportunidade, seriam apagados os anos anteriores.

Após enterrar o pai e a mãe, trilhou os passos da irmã na prostituição. Confundira as gargalhadas ébrias da irmã com felicidade. Imaginou que com o corpo exposto, nas boates e ruas, teria preenchido o vácuo da falta de carinho. A Beata Madre Teresa de Calcutá, com vivência profunda em meio aos marginalizados, afirmou: “A mais terrível pobreza é a solidão e o sentimento de não ser amado (....), sentimento de não ser reconhecido.”

Não se sabe exatamente o motivo e nem o autor, mas em uma das noites perdidas de seus dias, a labareda iluminou o cômodo no qual repousava e a atingiu. Incêndio criminoso de autor desconhecido.

Meses mais tarde, com a cópia do documento da alta médica na bolsa, dispersos os de sangue, sem alguém que se importasse com ela e com a pele marcada, estendeu de imediato as mãos com desgraças e pediu a primeira esmola de tantas outras.

Transcorreu uma década com lembranças e fatos ulteriores tristes, até que a idade avançou sem expectativa alguma. Inesperadamente, neste ano, se deparou com um homem sozinho, de cabelos brancos, sequelas de uma doença neurológica e em busca de um olhar que compreendesse o dele. No bolso, o comprovante do benefício de um salário mínimo. Decidiram juntar as dores e transformá-las em consolação. Ele pouco sabe dela: unicamente que o fogo queimou o seu corpo de alma lesionada. Ela não sabe quase nada dele: somente que a doença o limitou e , como ela, não possui alguém para chorar ou rir com ele. O benefício financeiro e o da convivência tornaram-se dos dois.

Moram em um cômodo de pensão, vão juntos à Unidade de Saúde e um espera pelo outro na sala de espera das consultas médicas. Ele observa se ela toma na hora certa o remédio e ela cuida da data dos exames dele.

Contaram-me, sorrindo, enquanto compravam roupas em um brechó, que decidiram, vestidos de amarelo, esperar 2010 de mãos entrelaçadas, em um banco na praça da Catedral, defronte aos anjos iluminados.

Eu, que os conheço – da história sei apenas a dela -, não posso dizer que não é história triste, mas admito que para eles é celebração da vitória para um ano novo.

Feliz Ano Novo, querida leitora, querido leitor, nos encontros inéditos e nos reencontros.

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DA ANDRADE   - É coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher

 

 

 

É coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher

 



publicado por Luso-brasileiro às 20:07
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links