PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quinta-feira, 24 de Setembro de 2020
CINTHYA NUNES - O FILHO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes.jpeg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quando ela chegasse traria biscoito com mel, certeza. Não falhava nunca e ela sabia qual era o mais gostoso. Aqueles com buraquinho no meio eram os melhores, mas o mel escorria por ali.  Mamãe sabe dos meus gostos e trará os quadradinhos, perfeitos no sabor também. Ela estava demorando um pouco para vir dessa vez. Preferia não chorar na frente dela, mas às vezes não conseguia ser sempre um bom menino.

Assim que Helena entrou no quarto, a passos lentos e cansados, carregando a velha bolsa com biscoitos, o sorriso de João se abriu, sem dentes. Era até engraçado vê-lo esticar os braços na direção dela, incapaz de sair da cadeira de rodas, pedindo colo, mas aquela imagem só despertava nela uma tristeza imensa.

 Sentou-se diante dele, tomou-lhe as mãos grandes e ossudas, acariciando cada marca do tempo, a traçar com a ponta dos dedos o caminho das veias saltadas. João era seu marido, mas também se tornara seu filho. Maldita demência. De nada adiantavam as tentativas de convencê-lo do contrário. No começo, verdade seja dita, ela bem que tentou. Não era mãe dele, não! Eram casados, de papel passado e tudo, depois de cinco anos de namoro, mas ele só olhava para ela, perdido sabe-se lá Deus por onde.

Helena fazia visitas semanais a João depois que tiveram de interná-lo. Cláudio, filho único deles ajudava nas despesas, mas não suportava o fato do pai não reconhecê-lo e aparecia vez ou outra, como no aniversário de oitenta anos de João, havia dois meses.

O velho sempre ficava feliz com as visitas. Era tão gostoso receber carinhos da mamãe, cada dia mais bonita. Quando crescesse se casaria com uma moça assim também, mas só se ela fosse boa em fazer biscoitos quadrados e gostasse de mel. Ele queria correr para junto dela, mas as pernas estavam pesadas, esquisitas. Será que poderia ir no colo?

Cansada, ela também já tão perto das oito décadas, Helena observava enquanto João comia, deliciado. Ao menos ainda podia usar as mãos. Ah, aquelas mãos que tanto prazer e conforto tinham dado a ela. Ainda eram as mesmas? Eles, com certeza, não eram mais o mesmo casal. Sequer eram um casal. A vida era mesmo uma jornada cruel. Nenhum deles merecia nada daquilo. Ou mereciam?

Ao término das horas e dos biscoitos, Helena se aprontou para ir embora. João, percebendo os movimentos, esboçou um choramingo, mas ela o abraçou forte antes que as lágrimas viessem. Por um instante ela o sentiu, o seu marido, naquele abraço e quis se demorar ali para sempre. Estaria imaginando coisas?

Separou-se dele a contragosto, esperançosa de que ainda houvesse algum futuro para os dois. Quem sabe da próxima vez? Os médicos não sabem mesmo de nada, no fim das contas. Precisava ligar para o filho. Na semana seguinte iria com o vestido que usara nas Bodas de Ouro. Era importante provocar memórias.

Foi-se embora feliz, repleta de planos, antes de ouvir João que se queixava às cuidadoras, da mãe que nunca o levava embora daquele lugar.

 

 

 

 

CINTHYA NUNES   -    é jornalista, advogada e roga ao Universo que, nos estertores da jornada, não leve sua mente, esquecendo-se do seu corpo – cinthyanvs@gmail.com.

 



publicado por Luso-brasileiro às 14:06
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links