PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quinta-feira, 23 de Dezembro de 2010
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - NATAL

                          

 

            

                Penso que, na vida, vamos mudando não somente a forma como vemos as coisas, mas também o significado que as coisas possuem. Natal, por exemplo, durante a minha infância, representava chegada de parentes distantes, mesa farta, reuniões familiares, roupa de festa e presentes.

                Eu e minha irmã íamos dormir ansiosas, à espera do Papai Noel. Eu bem que tentava, mas nunca conseguia acordar para dar o flagra no bom velhinho. Ele estava sempre de olho, vigiando meu sono e meus sonhos. Naquele tempo, não tínhamos idéia de que o Papai Noel não entrava em todos os lares, tampouco que nem todas as casas eram o que conhecíamos por lar...

                O tempo passou, levou com ele muita gente querida, afastou algumas amizades, mudou as cores das nossas árvores de Natal. Descobrimos a identidade secreta do Noel e qual era a extensão da conta bancária dele. Fomos apresentadas aos limites do cheque especial e, em silêncio, sepultamos Rudolph e seu nariz vermelho...

                A família foi crescendo em ramificações e, por isso, as comemorações passaram a ser feitas em locas distintos. Tínhamos que não apenas nos dividir, mas fazer de um jeito a não magoar ninguém, a não deixar ninguém se sentir preterido. O Natal, desse jeito, nem comportava Papai Noel, ainda que, na maior parte das vezes, fosse feliz.

                Como tudo na vida se ajeita, conforma-se à situação, ajusta-se com o tempo, os Natais também foram se re-significando. Entendi que a distância física importa muito menos, mas muito menos mesmo. Há uma outra espécie de conexão que une as pessoas no Natal. Posso estar a milhares de quilômetros das pessoas que amo, mas ainda assim, sentir-me ao lado delas. Em um telefonema, em poucas palavras, não só “viajo” em pensamento, mas em sentimentos.

                Os presentes também mudaram de cores. Sempre são bem-vindos, mas não são imprescindíveis. Os pequenos gestos, como um cartão, uma ligação, um e-mail, um abraço, valem tanto quanto, quando não valem mais... Gosto de sentir que minha árvore está repleta, repleta de boas emoções, de boas amizades, de amigos, de afeto e de amor.

                Entendi porque tantos amigos dos meus pais freqüentavam as nossas comemorações de fim de ano. Muitos deles já eram figuras constantes, pessoas com as quais contávamos sem pestanejar. Compreendi que eram parte da família, por mais que eu já os sentisse assim, não os sabia nomear. Creio que somente alcancei essa compreensão quando meus próprios amigos vieram a integrar meu ambiente familiar.

                Meu conceito de família expandiu-se quase ao infinito. Entendi que as pessoas se unem por laços muito mais especiais e fortes do que os de sangue ou legais. Não me importa mais onde passo o Natal, mas onde passo a minha vida, onde moram os meus sentimentos e os sentimentos das pessoas por mim.

                Algumas coisas, sem dúvida, somente chegam com certo amadurecimento. Uma delas, para mim, ao menos, é a importância da PAZ. Hoje, quando desejo PAZ às pessoas, não o faço da boca para fora, usando palavras esvaziadas  de significado. Desejo, de coração, mesmo sabendo que em parte isso é uma utopia, que esse Natal, para todas as pessoas, seja marcado pelos bons sentimentos, pela Paz, pela União, pela misericórdia, pelo amor e pelo espírito de família.

                Eu, outra vez, deixo as portas de minha alma abertas, para que o Rudolph possa retornar...

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA- Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo



publicado por Luso-brasileiro às 14:52
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links