PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quinta-feira, 23 de Dezembro de 2010
JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI - HOMENAGEM A DRA. ZILDA ARNS:

                      

 

 

                “Existem mortos que não enterramos e sim semeamos” (D. Helder Câmara).

                                                                      

            Nada mais justo e oportuno na época natalina, do que relembrarmos a figura   de Dra. Zilda Arns Neumann, quando da proximidade do primeiro aniversário de seu falecimento. Um exemplo de pessoa dedicada ao próximo, de empenho   ao Evangelho e principalmente, de desprendimento em prol da solidariedade e da fraternidade. Respeitada e venerada por todos, teve seu trabalho reconhecido e estendido por diversos países, a ponto de ser indicada ao Prêmio Nobel da Paz.  Paulo Sotero, diretor de importante ONG internacional, afirmou: “Ela fez o trabalho dos anjos. Seu legado vai durar por toda a vida de inúmeras pessoas atendidas pela pastoral!”.

                                  

            Transcorre a 12 de janeiro próximo, o primeiro ano de falecimento da Dra. Zilda Arns Neumann, vítima de terremoto no Haiti onde estava em missão humanitária levando aos religiosos daquela nação, a Pastoral da Criança que ela executou e que hoje está presente em muitos países. Incentivada pelo irmão Dom Paulo Evaristo Arns e a pedido da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, ela a iniciou em 1983, juntamente com Dom Geraldo Majella Agnelo, Cardeal Primaz do Brasil e Arcebispo de São Salvador da Bahia, que na época era Arcebispo de Londrina. Através desse movimento, desenvolveu a metodologia comunitária de multiplicação do conhecimento e da solidariedade entre as famílias mais pobres, baseando-se no milagre da multiplicação de peixes e pães, que saciaram cinco mil pessoas, como consta no Evangelho de São João (Jô 6,1-15).

            Como resultado das ações promovidas pela Pastoral da Criança, reduziu-se significativamente a mortalidade infantil e promoveu-se o controle da desnutrição em mais de quarenta e quatro mil localidades. Os lideres comunitários são preparados e capacitados a visitarem as casas mensalmente, a orientarem as mães sobre os cuidados com a saúde e o desenvolvimento dos menores. “A queda da mortalidade infantil no País deve-se muito à ação da pastoral. Quando eu era ministro da Saúde, ela era nossa principal parceria”, disse o ex-governador de São Paulo, José Serra, candidato derrotado à Presidência da República, em entrevista à imprensa por ocasião do passamento da grande mulher e completou: “Como indivíduo, ninguém fez tanto pelas crianças. Era uma mulher extraordinária, movida pela fé cristã e conhecedora do espírito de solidariedade.”

            A Dra. Zilda Arns, por sua intensa atuação fraterna e solidária, foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz em 2006, cultivando um respeito próprio de pessoas responsáveis e determinadas em suas missões, a ponto do ex-ministro da Saúde Adib Jatene, que por duas vezes esteve com ela no Conselho Nacional de Saúde, afirmar: “Com o apoio da Igreja Católica e sua penetração, a doutora Zilda criou uma rede de disseminação de informações e ações de saúde e um sistema único de monitoramento das crianças e famílias por voluntárias, o que mais tarde inspirou programas nacionais de agentes comunitários e o atual programa de saúde da família”.

            Nesta trilha, vale ressaltar que o soro caseiro – medida de sal e açúcar, em água – disseminado pela Pastoral da Criança para combater a desidratação por diarréia, então a principal causa de morte entre crianças de até um ano, foi incorporado à lista de remédios do Ministério da Saúde. “Quando a reidratação oral foi adotada pela saúde publica no Brasil, as líderes comunitárias da pastoral foram fundamentais para levar a informação sobre o soro às regiões mais carentes porque era consenso, então, até entre pediatras que a criança com desidratação não deveria comer. Mas, não repor sais e água só agravava o quadro”, disse José Luiz Telles do Ministério da Saúde.

            Em 2004, a Drª Zilda recebeu da CNBB outra missão semelhante: fundar, organizar e coordenar a Pastoral da Pessoa Idosa. De acordo com dados de publicação de selo pelos Correios do Brasil em sua homenagem, atualmente, mais de 158 mil idosos são acompanhados todos os meses por 17 mil voluntários em 740 municípios brasileiros. Em novembro de 2008, participou da fundação da Pastoral da Criança Internacional, no Uruguai, da qual foi coordenadora e que hoje está presente em vinte países da América Latina e Caribe, África e Ásia.

O escritor Frei Betto a caracterizou como “Mãe da Pátria”: “Zilda Arns nos deixa, de herança, o exemplo de que é possível mudar o perfil de uma sociedade com ações comunitárias, voluntárias, da sociedade civil, ainda que o poder público e a iniciativa privada permaneçam indiferentes ou adotem simulacros de responsabilidade social. Se milhares de jovens e adultos brasileiros sobrevivem às condições de pobreza em que nasceram, devem isso e, especial à Dra. Zilda Arns, que merece, sem exagero, o titulo perene de mãe da pátria” (Folha de São Paulo- 14/01/2010- p.A-3).

            Drª. Zilda formou-se em medicina. Era pediatra e sanitarista. Nasceu em Forquilhinha (SC) em 25 de agosto de 1934. Depois de morar em Curitiba desde a juventude, nos últimos anos residia em Campo Largo (PR), a 25 Km da capital paranaense. Em 26 de dezembro de 1959, casou-se com Aloísio Bruno Neumann (1931 – 1978), com quem teve seis filhos e foi avó de dez netos.           

            Dom Geraldo Majella Agnello, com raro brilhantismo, definiu o seu legado: -“Fica o exemplo dela para o surgimento de defensores da vida. Conforta saber que ela dedicou a vida e se identificou com a causa a ponto de morrer no trabalho”. Na mesma linha, o teólogo e professor Fernando Altemeyr Jr. se manifestou:- “Este é o verdadeiro sentido de viver: fidelidade ao Evangelho no seguimento de Jesus, com fé, esperança e amor”.   Enquanto o professor da USP, José de Souza Martins, assim se expressou:-   “Sua biografia pública é exemplar, justamente, porque de certo modo começa quando a imensa maioria das pessoas já está  se preparando para desistir, conformada com a proximidade da velhice”.

            Como estamos na época natalina, a mais bela do ano, relembramos D. Zilda Arns que traduz o verdadeiro sentido desta celebração de amor e de ternura. Inspira-nos a assumir um permanente desafio de mudarmos a situação para que todos possam ter dignidade em suas trajetórias terrenas. Assim, mirando-nos em sua figura carismática, ao invés de nos preocuparmos só em dar presentes, vamos nos fazer presentes onde reina a ausência de afeto, de saúde, de liberdade e de direitos.

 

                               REGISTRO

 

        No último dia 16 de dezembro, em solenidade realizada em São Paulo, a médica Josyanne Rita de Arruda Franco, radicada em Jundiaí e integrante da diretoria da Academia Jundiaiense de Letras, tomou posse como presidente da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores, Regional São Paulo, para o biênio 2011/2012.  Cumprimentamos a competente escritora que é responsável por um excelente trabalho literário, além de se revelar numa pessoa extremamente sensível e grande amiga.

            De sua autoria, uma inspiração sobre o Natal: “Abrir o coração para o mistério/   Que nunca será desvendado/   É abraçar  inteiro o universo/ Nas graças da tríade do sagrado./  José, Maria e Jesus!/ Família de humilde humanidade/ Ensina o caminho da luz/  Que é Vida,Verbo, Amor e Verdade."

 

 

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI é advogado, jornalista, escritor, professor universitário e membro da Academia Jundiaiense de Letras e Academia Jundiaiense de Letras Jurídicas.

 

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 15:01
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links