PAZ - Blogue luso-brasileiro
Segunda-feira, 28 de Dezembro de 2009
TEREZA DE MELLO - MALEITAS

 

 

 

 

 

                

 

 

 

 

Hoje deu-me para pensar nas minhas maleitas, mesmo sabendo que falar delas é de mau gosto, ainda se fosse para falar dos cães, contar as doenças da Arisca, a gata, ou a do cavalo, como os ingleses, ainda teria perdão, mas a Arisca está de perfeita saúde, apesar da sua provecta idade, assim como os cães e não tenho cavalos, nem sequer um burro como tinha em pequena. Bem, não era bem meu, mas do Tone moleiro que mo emprestava sempre com mil recomendações que eu mal ouvia e lá íamos os dois, o burro e eu, caminhos fora todos contentes.

 

Os sarampos, as varicelas, as papeiras, as tosses convulsas ainda não tinham chegado. Nessas alturas a Mãe juntava os três filhos no mesmo quarto porque assim podia tratar de nós ao mesmo tempo. Mas não é disso que venho falar agora. O que eu queria contar foi o que me aconteceu há dias. Uma gata, que não era a Arisca, nada de calúnias, estando eu a puxar-lhe pelo rabo, a ensiná-la a dar-me a pata, como faço com os cães, deu-me uma enorme dentada numa mão. As minhas mãos ultimamente tem andado com azar, não há mal que não lhes aconteça, precisam de ir à bruxa.

 

Pois, dizia eu, a Celestina mordeu-me, não, não me arranhou não senhora. Mordeu-me como se fosse um cão, coisa que os meus nunca me fizeram porque esses aprenderam a educação que lhes dei. Tenho de confessar que ela tinha razão. Nunca lhe tinha feito malvadezes, mas naquele dia deu-me para isso, vá lá saber-se porquê. E a dentada fez um buraco na minha mão, jorrou o sangue e vieram as dores. Lá a levo ao hospital, antibiótico, analgésico etc. No dia seguinte começou a inchar, a inchar, que mais parecia uma bola. Lá vamos de novo para as urgências, espera de horas, uma saída de vez em quando, para a rua para o maldito cigarro, mais espera, outro médico, novo remédio e outra noite sem dormir. No dia seguinte além da bola, era o meu braço que tinha virado pomar. Debaixo da pele eles eram nêsperas e cerejas por todos os lados. E as dores … Apeteceu-me castigar a Celestina, mas ela já não se devia lembrar, pois aquela sem vergonha enroscava-se nos meus pés e saltava para o meu colo como se nada tivesse acontecido.

 

Tentei dominar a minha zanga, não pensar nas dores e fiquei-me por um ralhete dos grandes. E lá volto para o hospital, de braço ao peito. Nova espera de horas, nova escapadela para o cigarro até que finalmente chamam por mim. Entro no consultório e deparo com uma rapariga novíssima, certamente acabada de se formar, sem experiência, sem saber nada. Fiquei aterrada. Sou do tempo em que quase só os homens tiravam um curso superior. As raparigas ficavam-se pelas línguas, bolos e bordados. Ora se nem os médicos tinham acertado comigo, como iria ela resolver o meu problema ?

 

Voltei para casa desanimada e só por descargo de consciência comecei a tomar o remédio que me tinha receitado. E qual não é o meu espanto quando passado dias as dores desapareceram e o pomar começou a secar...

 

 

TEREZA DE MELLO    - escritora, Lisboa.

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:16
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links