PAZ - Blogue luso-brasileiro
Terça-feira, 22 de Fevereiro de 2011
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - A VIROSE

                    

 

   Então que havia chegado a sexta à noite e eu estava feliz da vida. Cheia de trabalhos para colocar em ordem, algumas coisinhas legais em mente e uma pizza entre amigos marcada para o sábado à noite. Eu havia lecionado praticamente o dia todo e estava um prego, como se diz por aí. Sentindo um ligeiro desconforto, julguei se tratar do rotineiro "problema mensal" feminino. Tomei um analgésico e me deitei, certa de que tudo era passageiro. Pelo visto, era o motorista ou o cobrador! 
   O sábado veio e eu ainda estava com gosto de sexta-feira misturada com corrimão, na boca. Sequer tive forças para tomar café da manhã, coisa que não dispenso nem mesmo quando estou "mega" atrasada. Resolvi continuar jogada na cama, sem qualquer idéia melhor. A dor, que de início confundi com cólicas, ia do abdômen para as costas como se brincasse de pião. Eu mal conseguia me levantar. Alguma coisa estava errada, pensei.
  A hora do almoço chegou e se foi sem que eu desse conta dela. Em se tratando de mim, devo dizer que isso foi um fator extremamente preocupante. Nunca dispenso refeições, não por vontade própria. Uma sensação de embrulho me circundava. Era como se eu estivesse com uma ressaca louca, mas tudo o que eu bebera no dia anterior fora um suco de laranja e uma cerveja preta. Foi aí que me lembrei de que comera uma porção de lula ao vinagrete. Será? Não podia ser, eu sempre comia no mesmo lugar, isso já há anos...
   Como eu já tinha marcado uma pizza com alguns amigos, achei que iria melhorar e que não seria necessário desmarcar. Quando as pessoas chegaram, eu estava desconfortável em mim mesma, mas não estava tão mal. A pizza chegou e nos sentamos à mesa. Dos meus três habituais pedaços, só fui capaz de um e, ainda assim, meio forçada a tanto. Eu me sentia comendo era um prato de jibóias vivas. Ainda na mesa, comecei a sentir frio, muito frio, sendo incapaz até de prestar atenção na conversa que ia animada. Quando minhas pernas começaram a tremer e eu coloquei uma blusa de lã, entendi que a coisa estava feia.
   Fui até o banheiro, até para lavar um pouco o rosto, quando uma onda medonha me atravessou a garganta e eu só fiz foi "chamar o Juca". Jesus, de onde vinha tudo aquilo? Em pânico, sem conseguir chamar por socorro, discretamente, fiquei ali até a coisa toda passar. Eu achei melhor não invadir a sala interpretando uma cena trash do filme "O Exorcista"... Contudo, mesmo com todo meu cuidado, meus convidados acabaram se mandando. Em poucos minutos já não tinha mais ninguém. Nem eu, quase.
   Mas o pior ainda estava por vir. Eu já me convencera de que estava com uma virose e somente aguardava que meu intestino fizesse a parte dele. O problema todo é que isso não acontecia e eu passei uns três dias com minha barriga quase aprendendo a falar, de tanto barulho que fazia. Parecendo um balão, eu tive que andar por aí, ir trabalhar, vestindo somente roupas soltas, até porque quase nem era capaz de abotoar a calça. Eu não sabia o que era pior, a barriga inchada ou a certeza de que, a qualquer hora, eu perderia o controle da "situação"...
   Quando o inevitável, por fim aconteceu, aconteceu por toda uma longa e dolorosa noite. Tudo o que sei é que, após tantas saídas, o que sobrou foi um par de pernas bambas e uma fraqueza sem fim. Quase uma semana depois, eu ainda não estou lá muito inteira e, com certeza, nem de longe pronta para outra. Perdi todos meus treinos da semana, atrasei um pouco mais o meu trabalho e quase que minha dignidade. Por certo, parte dela, desceu água abaixo...
   Para sorte de vocês, isso não se transmite pela internet..
 
 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA- Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo





publicado por Luso-brasileiro às 11:43
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links