PAZ - Blogue luso-brasileiro
Terça-feira, 24 de Maio de 2011
MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - SOPRO COM CRISTAIS DE NEVE

 

 

 

São três histórias que se encontram. A primeira ouvi de minha mãe, a da Branca de Neve, escrita pelos irmãos Grimm, escritores e estudiosos alemães, que colocaram no papel esse e outros contos, que circulavam de boca em boca. Órfã de mãe, teve como madrasta uma mulher vaidosa e arrogante, que não podia suportar a ideia de que existisse alguém mais bela do que ela. Tomada pelo ódio e o ciúme, diante da beleza da menina ao crescer, pediu a um caçador que a levasse para a floresta e a matasse. Branca de Neve, contudo, protegida pelos sete anões, sobreviveu aos perigos da floresta, à faixa de seda apertada à cintura, bem como ao pente venenoso, com os quais sua madrasta pretendia eliminá-la. Da terceira tentativa, a maçã envenenada, foi salva pela interferência de um príncipe, que se apaixonou por ela.

De acordo com o psicólogo austríaco Bruno Bettelheim (1903-1990), em seu livro “A Psicanálise dos Contos de Fadas” – Editora Paz e Terra – 1985, a expulsão do pedaço da maçã envenenada, que entalara na garganta de Branca de Neve, desperta o renascimento. Depois do período transacional, entrará em uma experiência mais rica e feliz. Para ele, os contos antigos não remetem apenas para o encantamento, tratando também de problemas existenciais.

A segunda história é muito triste. Há acontecimentos com final feliz e tantos outros de tragédia. É a da miséria no Vale do Jequitinhonha do Estado de Minas Gerais, com pobreza e fome. Em 2009, a SBT Brasil, em série produzida pelo jornalista Sérgio Utsch, deu destaque para a “infância à venda” nessa região. Vidas desperdiçadas, desconsideradas, crianças se prostituindo, famílias inteiras na prostituição por sobrevivência. Crianças vendidas como mercadoria pelos próprios pais. Filhas do quadro de miserabilidade e de desestruturação dos laços familiares por ele gerado. Há dados que revelam que cidades com mais registros de exploração da infância são aquelas com alguns dos piores indicadores escolares.

A terceira história é a da menina em cujo sangue corre o Vale do Jequitinhonha. A mãe veio de lá mocinha. Perdeu definitivamente a adolescência quando foi entregue a um “tutor” pela família em situação de penúria. O “tutor” machucou os sonhos de sua alma no adolescer. Ao deixá-lo, anos depois, não trouxe os filhos que teve com ele. Viajou em fuga de seus desajustes e na esperança de apagar o passado. Não conseguiu. Para a desequilíbrio físico oferecem, mesmo que precário, tratamento, mas são poucos que se importam com os estragos emocionais. As vítimas procuram no álcool e em outras substâncias acalmar a dor que não cessa. Perdem a capacidade de tolerar um choro a mais no cotidiano. São pessoas que não foram respeitadas e respeito, do latim respectus, de reespicere, significa olhar.  São pessoas que não foram olhadas e não conseguem olhar.

A mãe da menina, vinda da pobreza extrema em todos os aspectos, com o coração pisoteado, fez hematomas na filha bebê. Socorrida, a menina, do hospital, foi para um abrigo. Como a mãe não se arranjou por dentro para ir buscá-la, entregaram-na, com mais de três anos, a uma família substituta. A família já possuía um filhinho do coração. O casal – sem exigências para o amor, e isso agrada o coração de Deus - descobrira, em sua história, a vocação de cuidadores de gente miúda que precisa de colo, ternura, escola, paciência, para o agora e o futuro. A menina quis saber, assim que chegou à família e em diversos outros dias, se no seu aniversário haveria festa. E houve. Ela escolheu, para a decoração, a Branca de Neve. Na hora do “parabéns a você”, com crianças e adultos voltados para ela, amor materno e paterno a envolvê-la e o irmãozinho novo do lado, o brilho estelar de seus olhos e sorriso foi mais luminoso que a chama da vela. Cuspira a maçã envenenada. Percebera que estava protegida e que, no meio daquele povo, se tornara única. Sua vida provocava aplausos. Uma experiência  rica e feliz, como a da Branca de Neve.

Posso estar enganada, mas vi, de seu sopro, ao apagar a vela, brotarem cristais de neve com claridade imensa.

 

Maria Cristina Castilho de Andrade

É educadora e coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher/ Magdala, Jundiaí, Brasil

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:12
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links