PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quarta-feira, 22 de Setembro de 2010
MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - INGENUIDADE

                      

 

 

            Creio que muitas das pequenas alegrias que tenho hoje, nos meus 56 anos, devem-se à proteção da ingenuidade, na minha infância e adolescência, por meus pais. O meu dia a dia era povoado por “Alice no País das Maravilhas”. As aventuras engraçadas do Pica-Pau e Walt Disney também entravam em meu mundo com todos os seus personagens. Criaram-me sem que perdesse lado algum: de criança, de jovenzinha, de quem se dirigia à idade adulta e o das responsabilidades. Educaram-me pensando sério na escola e permitindo que enfeitasse os cadernos com carimbos que coloria e decalques de bichinhos. O Magistério me fez reviver inúmeros contos infantis, para passar, futuramente, aos alunos. As caixas de lápis com 36 cores e as aquarelas reforçavam os tons de minha vivência. Que exercícios bons! A lenda da Sereiazinha, que se sacrificou pelo amado, na fronteira para a adolescência, misturou-se às fantasias de antes e depois, à espera de um possível príncipe encantado. Havia curiosidade sobre os relacionamentos amorosos, porém sem perder a perspectiva de que fossem fiéis.

Hoje, surpreendo-me com uma felicidade imensa diante do vôo de borboletas, de uma pedra bonita, sem forma determinada, que encontro pelos caminhos, ao folhear um livro com gravuras de meus primeiros anos. Emociono-me com relatos de amor feitos de renúncia, coragem e abraço. Tenho pena de crianças, púberes e adolescentes, que na  convivência em casa, diante da TV, no uso de celulares e da internet, ou nos quartos escancarados, dos que o rodeiam, .deparam-se com impulsos sexuais animalescos, sem ternura, fechados para a vida. Empurram-nos para a promiscuidade sexual, para uma visão deturpada do ser homem e do ser mulher e lhes negam a ingenuidade, que lava a alma até mesmo quando, infelizmente, se passa pelos pântanos.

Recentemente, revi o filme”Marcelino Pão e Vinho” (1955), do diretor Ladislau Vajda. O filme ganhou o Urso de Prata no Festival de Berlim e o prêmio católico OCIC em Cannes. Guardava apenas algumas recordações dele, como a música com versão da cantora Wilma Bentivegna: “Sonha, sonha, Marcelino, já começa a clarear/ Doces santos cuidam seu dia, guardam tua alma contra o mal. (...) Vai à torre, toca o sino chama todo o povo à oração/ Guilin dalão... guilim dalão...”. É a história de um menino  abandonado, ainda bebê, na porta de um mosteiro e criado por 12 monges sem uma mãe. Garoto travesso até se tornar o protagonista de um milagre que marcará para sempre o vilarejo espanhol onde passa a história. Certo dia, ele ofereceu, durante sua refeição, um pedaço de pão e um pouco de vinho a uma imagem de madeira de Jesus, que aceitou a oferta e passou a conversar com ele. É o início de uma grande amizade. Parece ser um menino que nasceu com uma missão especial a ser cumprida: demonstrar que os de coração puro verão a Deus..

É uma pena que filmes, como esses, não são mais produzidos e, talvez, fizessem pouco sentido no mundo atual. É uma pena que o mundo atual se perdeu da ingenuidade e da pureza.

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE   -  É educadora, coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher/ Magdala e cronista

 



publicado por Luso-brasileiro às 18:38
link do post | comentar | favorito

PAULO ROBERTO LABEGALINI - O CÉU É O LIMITE

 

                          

 

 

Para quem tem como lema de vida: ‘O Céu é o meu limite’, parabéns! Desde que pratique isto com coerência, é sinal que está no caminho certo: do bem, da verdade e do amor.

Ao contrário, aquele que guarda pedados mortais na alma, nunca poderia dizer algo semelhante, pois está cada vez mais se afastando do Céu. Menos mal saber que a qualquer momento poderá se aliviar da carga pecaminosa que carrega nas costas, mas, para isso, é preciso se reconciliar com o Criador.

Isto só será possível por meio da Confissão Sacramental. Com arrependimento, fé e penitência, a remissão dos pecados fará de nós homens novos. Novos para a família, para os amigos, para a Igreja, na sociedade e novos para o Céu. Basta querer mudar e perseverar na graça de Deus.

No mês passado, o reitor da UNIFEI nos lembrou a história dos operários que passavam o dia arrebentando pedras no canteiro de obras de uma igreja. Quando questionados sobre o tipo de trabalho que desenvolviam, respondiam simplesmente: estamos quebrando pedras. Um dia, um deles respondeu: estou construindo uma catedral; e a visão do grupo mudou para melhor.

E nós, simplesmente empurramos a vida com a barriga ou caminhamos para o Céu? Quem escolheu a segunda opção, lembre-se que: os obstáculos devem ser superados com amor no coração; os passos não podem se desviar da caridade; e a esperança na salvação jamais deve faltar. Não é preciso pressa nem promessas, apenas um pouco mais de alegria pela vitória que virá.

E por falar em promessas, o porteiro do prédio onde moro contou à minha filha Soraia o caso do homem que era apaixonado por uma moça e, para conquistá-la, disse-lhe com entusiasmo:

– Vou provar o meu amor por você. Se quiser se casar comigo, atravessarei parte do oceano a nado, percorrerei milhares de quilômetros a pé no deserto e até subirei o Monte Everest!

Ela respondeu:

– Você acha que eu vou me casar para ter um marido que não pára em casa?

Da mesma forma, não adianta prometer o impossível a Deus e, principalmente, coisas sem importância para o crescimento espiritual. Prometa, por exemplo, que vai perdoar aqueles que lhe ofenderam e, inclusive a eles, fará sempre o bem. A fé cristã passa pelo amor a Jesus e ao próximo.

Talvez você se lembre da novela ‘Gabriela’ da Rede Globo, em que o tema musical foi composto por Dorival Caymmi e interpretado por Gal Costa. Uma estrofe era esta: ‘Eu nasci assim, eu cresci assim, eu sou mesmo assim, vou ser sempre assim’. Pessoa desse tipo é séria candidata a viver infeliz e perder o Céu. Sem mudanças para corrigir o rumo do pecado, as ‘Gabrielas’ não se salvarão!

Alfredo Gontijo de Oliveira, Presidente do Centro Tecnológico de Minas Gerais, fez uma palestra na UNIFEI na semana passada e chamou a isto de ‘Síndrome da Gabriela’. Segundo ele, por trás de uma grande verdade universal existe sempre um oposto, que muitos dizem também ser uma grande verdade. Baseados nisto, as pessoas insistem no erro e relutam em mudar de vida.

Aliás, para não precisar seguir Cristo, cidadãos se apegam a qualquer tipo de crença e até acreditam em ‘futurologia’! Enquanto uns dizem que viver com Deus é bom, outros dizem que viver com Ele é perigoso... e por aí vai.

Ainda bem que as orações nos ajudam a refletir na vida que levamos e, ao mesmo tempo, nos fortalecem com bênçãos diversas. Veja esta:

“Senhor, se um dia eu estiver sufocado, cheio da vida, com vontade de sumir, insatisfeito comigo e com o mundo em torno de mim, pergunta-me se eu quero trocar a luz pelas trevas ou se eu quero trocar a mesa posta pelos restos que tantos buscam no lixo. Pergunta-me se quero trocar meus pés por uma cadeira de rodas.

Se eu reclamar de coisas banais, pergunta-me se desejo trocar minha voz por gestos, se eu quero substituir o mundo dos sons pelo silêncio dos que nada ouvem, ou trocar o jornal que leio e depois jogo no lixo pela miséria dos que vão buscá-lo para fazer dele seu cobertor.

Pergunta-me se eu quero trocar minha saúde pelas enfermidades de tanta gente, pergunta-me até quando não reconhecerei as Tuas bênçãos a fim de fazer da minha vida um hino de louvor, hino de gratidão, para dizer sempre do fundo do meu coração: Obrigado, Senhor, por mais este dia!”

Concluindo as orientações de hoje, espero que você saiba, leitor, que existe um reservatório infinito de vagas no Céu. Reconhecendo o amor que Deus tem por nós e ajudando a construir um Reino de Amor, seremos fortes candidatos a assumir algumas dessas vagas no Paraíso: onde não há choro nem ranger de dentes.

Mas, para fazer do Céu o seu limite, você precisa cumprir os 10 Mandamentos e evitar os 7 Pecados Capitais. Por exemplo: você tira de letra o 8º Mandamento? E o 5º Pecado Capital, não é problema em sua vida? Recordando os dois: ‘não levantar falso testemunho’ e ‘preguiça’. Se concorda que nem sempre é fácil seguir os passos de Jesus, pratique cada vez mais as ações que deseja viver na eternidade.

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI --    Escritor católico, Professor Doutor da Universidade Federal de Itajubá-MG. Pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária da UNIFEI



publicado por Luso-brasileiro às 18:34
link do post | comentar | favorito

JOÃO ALVES DAS NEVES - ORELHA DO LIVRO "A ECONOMIA EM PESSOA" DE GUSTAVO FRANCO ( * )

Só tenho que me congratular com a publicação de A economia em Pessoa/Verbetes contemporâneos, organizada por Gustavo H. B. Franco, porque, ao lado de antologias gerais, passamos a ter um estudo realmente especializado sobre os textos pessoanos versando as questões econômicas. O leitor não deve se surpreender com o interesse do poeta pela economia; com efeito, o criador dos heterônimos não era tão jejuno como alguns pensam nesta área, pois freqüentou desde 1902 a Commercial School de Durban e manteve-se fiel ao tema quando, na autobiografia de 30-3-1935, se declarou apenas "tradutor" ou "correspondente de casas comerciais", já que traduziu centenas de cartas e outros textos para mais de uma dezena de firmas: "O ser poeta e escritor - confessou - não constitui profissão, mas vocação." E foi com esses trabalhos que ele pôde atender suas necessidades financeiras mais prementes até à morte, aos 47 anos.

 

 Os textos de Fernando Pessoa sobre economia foram escritos, quase todos, em 1926, quando o poeta fundou e editou a Revista de Comércio e Contabilidade. Esses textos reapareceram depois nos volumes Fernando Pessoa/textos para dirigentes de empresas, de 1969, organizados por seu primo Eduardo Freitas da Costa, em Lisboa; Sociologia do comércio, organizado por Petrus; e Fernando Pessoa, o comércio e a publicidade, organização de Antônio Mega Ferreira, de 1986. Cremos que a última e mais ampla edição dos referidos textos foi a que fizemos em 1992 sob o título de Fernando Pessoa: estatização, monopólio, liberdade e outros estudos sobre economia e administração de empresas, da qual se fez nova publicação em Lisboa, pela Universitária Editora, em 2004.

 

Entretanto, a fortuna crítica dos estudos econômicos de Fernando Pessoa assume postura autorizada com esta nova coletânea, que faz uma interpretação competente e original dos conceitos pessoanos em torno dos temas "Estatização, monopólio, liberdade", "A evolução do comércio", "Contra as algemas do comércio", "A essência do comércio", "Projetos de concentração industrial", "Organizar", "Quando a lei estimula a corrupção", "Os preceitos práticos de Henry Ford", "As regras de vida" e "Conceitos e preconceitos".

 

Em resumo, diremos que dispomos agora de uma visão crítica dos estudos econômicos de quem se julgava que fosse apenas Poeta. Quer dizer, doravante, ficamos rigorosamente bem informados, apesar dos cerca de 70 anos sobre os textos de Pessoa, que assume novas dimensões, a par das literárias. E o que ocorre com a Economia acontecerá também com a visão do escritor português sobre Política, Ocultismo e outros temas por ele sugeridos, nas múltiplas facetas de Alberto Caieiro, Ricardo Reis, Álvaro de Campos, Bernardo Soares e Raphael Baldaya, além de outros heterônimos de menor dimensão, mas que enriquecem ainda mais o escritor ortônimo Fernando António Nogueira Pessoa.

 
(*) Foi durante 1993-1999 foi secretário adjunto de política econômica adjunto do Ministério da Fazenda, diretor de Assuntos Internacionais e presidente do Banco Central do Brasil

- fonte: www.pt.wikipedia.org/wiki/Gustavo_Franco

JOÃO ALVES DAS NEVES  -  Escritor português, radicado no Brasil. Foi redactor – editorialista de “ O Estado de S. Paulo”, durante trinta e um anos e professor - pesquisador da Faculdade de Comunicação Social Gásper Libero ( São Paulo), durante um quarto de século. Autor de cerca de três dezenas de livros publicados, seis dos quais sobre a obra de Fernando Pessoa. O seu último livro foi lançado em  em Lisboa, pela Editora Dinalivro, sob o titulo de “ Dicionário de Autores da Beira- Serra”, região onde nasceu.



publicado por Luso-brasileiro às 18:24
link do post | comentar | favorito

RENATA IACOVINO - PALAVRAS E RESISTÊNCIA

                      

 

O acesso à cultura, em especial à literatura e, mais especificamente à poesia, é preocupação recorrente em projetos desenvolvidos por mim e minha parceira, Valquíria Gesqui Malagoli.

A poesia, há muito, encontra-se num ostracismo, considerada linguagem de difícil compreensão. Mas, o que vemos, é uma falta de interesse geral em apropriar-se dela, em senti-la, difundi-la e fazê-la instrumento para saciação de fomes outras, que não a do mero utilitarismo. Aí reside a dificuldade, pois acabam por não encontrar utilidade em versos...

No estudo “POESIA NA ESCOLA: educação para a fruição estética”, os autores Adair Neitzel e Blaise Duarte nos dizem que “Oportunizar o contato com a poesia é um exemplo de atividade de como o educador pode auxiliar o aluno a construir a função social da escrita e promover o interesse e crescimento pela leitura.”. O objetivo do livro literário deve estar além das finalidades didáticas, caso contrário, a poesia, por exemplo, não será aproveitada naquilo que tem de fundamental. Ruth Rocha afirma: “o bom livro educa artisticamente, educa o caráter, estimula a busca do conhecimento, mas tudo isso pelo que ele tenha de mais artístico. Educar as crianças é cuidar do todo, não só da educação formal, mas também da sensibilidade, da criatividade, da formação do caráter e do gosto pela arte.” Há, então, uma necessidade de criar possibilidades para que o texto literário seja trabalhado enquanto arte e não como livro paradidático.

Em nossas atividades, envolvendo poesia e música, com os públicos infantil, juvenil e adulto, buscamos o viés da sensibilidade, esta formadora em potencial de seres humanos.

A CircuitoTeca (biblioteca itinerante) é um dos nossos projetos que visam não a só a democratização da leitura, mas principalmente o estímulo e interesse pelo livro físico, pelo manuseio e contato com esse insubstituível objeto transformador. Como bem ressalta o escritor Caio Riter, “Brincar com palavras não é luta vã.  Ao contrário, é condição essencial para fazer brotar em corações ainda ternos, ainda fechados aos preconceitos, o amor pela leitura, o desejo de descoberta.”.

 

Renata Iacovino, escritora, poetisa e cantora/ reiacovino.blog.uol.com.br

                                  reval.nafoto.net/reiacovino@uol.com.br



publicado por Luso-brasileiro às 18:13
link do post | comentar | favorito

Cfd. ALUIZIO DA MATA - É! EU NÃO APRENDO MESMO?

                      

 

 

Não tem jeito. Parece que eu não aprendo.
Como vicentino sou um dos primeiros a incentivar que ninguém dê esmola na rua, pois conhecemos bem as maneiras que algumas pessoas encontram para inspirar a nossa piedade e conseguir sempre alguns trocados que nem sempre sabemos se serão bem utilizados.
Em várias ocasiões prometi a mim mesmo que não daria esmola na rua e sempre que posso tenho cumprido tal promessa. Quando me pedem dinheiro para comida levo a pessoa até um bar, compro o almoço ou o lanche e espero que ela o coma, para depois ir embora. Tem dado resultado.
Mas existem outras situações que me pegam “de jeito”. Uma dela é quando envolve pessoas idosas ou crianças doentes. Nesses dias passados tive ocasião de viver duas situações. Numa delas eu estava passando perto de um hospital e uma senhora idosa me parou para pedir alguns reais para comprar remédios. Conversei com ela, me inteirei de qual era o seu problema. Ela me mostrou uma receita com três medicamentos que deveria tomar. Seguindo a minha regra de não dar dinheiro na rua, peguei a receita e fui com a mulher até uma farmácia. Pedi ao atendente que aviasse um dos remédios receitados. Tive o cuidado de pedir a ele que carimbasse a receita informando que aquele medicamento já fora adquirido.  Creio que ela estava dizendo a verdade quando disse que não tinha como comprá-los, pois na mesma hora tomou um dos comprimidos que lhe comprei. Ah! Só para efeito de uma comparação que farei a seguir, o remédio custou pouco mais de R$ 25,00.
Dias depois estava em frente da minha casa aguando uma jardineira, quando uma mulher aparentemente nova se acercou e m e perguntou:
— Moço, o senhor compra rifa beneficente?
Eu lhe respondi: — Depende qual seja o motivo.
Ela que estava com uma criança de dois anos no colo disse que era para pagar um exame de ultra-sonografia pedido por um médico (que sei quem é) que iria operar a criança. Tinha o umbigo bem estofado e o médico não tinha conseguido localizar os testículos do menino. O exame custaria R$ 120,00, mas seria feito por R$ 100,00. E ela me mostrou o pedido médico. A operação ficará em mais de R$ 2000,00. O marido dela, trabalhador na roça, não tem como arcar com as despesas.
Comprei o bilhete da rifa e já pensava em falar com ela que daria a metade do custo do exame(eu o faria através da Conferência), mas resolvi ficar calado. Disse apenas que ela me procurasse no dia que viesse fazê-lo, para ver se eu poderia ajudar em mais alguma coisa.
Como ela mora em uma pequenina cidade vizinha, perguntei-lhe como iria embora. Ela disse que iria usar do dinheiro da rifa para pagar a passagem que era de R$ 8,00.  Para ajudá-la um pouco mais, tirei R$ 10,00 e lhe dei para pagar o bilhete. Ela agradeceu muito e ficou de me procurar quando voltasse.
Aí que me fez escrever este artigo: ela não voltou. Pelo menos ainda! Não me pareceu que ela estivesse mentindo. Quem sabe ainda não arranjou todo o dinheiro necessário para o exame?

Fico agora pensando: É! Eu não aprendo mesmo!
Mas logo a seguir me vem outro pensamento: Não adianta, sou assim mesmo, quando fala mais alto o coração. Em certas circunstâncias, principalmente quando envolvem idosos e crianças, prefiro agir como agi.

 

ALUIZIO DA MATA - Vicentino, Sete Lagoas, Brasil 



publicado por Luso-brasileiro às 18:06
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 21 de Setembro de 2010
CLARISSE BARATA SANCHE - AGRADECIMENTO A DEUS

 

Agradeço –Te, Deus, o meu andar,

O raciocínio, o dom da percepção;

Os sentidos da mente, o palpitar,

A voz que sente vivo o coração!

 

Agradeço, Senhor, a vida em flor,

A Terra, o Sol, o ar, a luz celeste!

A Esperança que acalenta a minha dor,

A graça de escrever que Tu me deste!

 

Agradeço a lição do sofrimento,

O auxílio divino de viver.

E, nos dias mais tristes, o alento

Que faz a minha alma enternecer!

 

 

Agradeço, Senhor, o Teu olhar

Para os pobres que choram a má sorte,

Sofrendo nas palhotas do seu “lar”...

E pedem doce alívio ou mesmo a morte.

 

Por todos estes bens, santa partilha,

Me curvo de joelhos, meu Senhor;

Rogando -Te, com Fé, e como filha,

Que derrames no mundo o Teu Amor!

 

CLARISSE BARATA SANCHE  - Goís, Portugal

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 19:34
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - TERESA DE LISIEUX

                      

 

                                         Teresa aos quinze anos

 

No dia 30 de Setembro faz cento e treze anos que faleceu Maria Francisca Teresa Martin, mais conhecida por Irmã Teresa do Menino Jesus.

 

 

                        

                                           Teresa aos três anos e meio

 

 

Menina de grande beleza, ficou célebre pela autobiografia escrita no Carmelo.

O texto, impregnado de poesia – se não tivesse falecido a 30-09-1897, aos vinte e quatro anos, tornar-se-ia, por certo, numa notável poetisa – narra sua vida e o ambiente familiar da família Martin.

 

                                

 

                                   Alençon. Rua de S. Brás,36. Ca-

                                            sa natal de Teresa

 

                      

 

                      Alençon. Relojoaria e joalharia de Luís Martim,na rua

                                                Ponte Nova,15

 

Foi na Rua de São Brás, 36, em Alençon, pelas 22h30, que Teresa Martin nasceu. Filha de Luís José Alosio Estanislau Martin e de Azélia Maria Guérin.

 

 

                             

 

                                   Zélia Guérim. Mãe de Teresa 

 

                             

 

                                    Luís Martin . Pai de Teresa

 

Os pais, profundamente crentes – segundo Teresa “mais dignos do Céu do que da Terra “ , – educaram-na no amor a Deus e aos Mandamentos.

Após a morte de Zélia, em 1877 (mãe de Teresa), esta vira-se para a irmã Paulina e diz-lhe em lágrimas: - “Tu serás a mamã!”Tinha quatro anos e oito meses!

Mudam-se, então, para Lisieux, pai e cinco filhas – Maria Luísa, Paulina, Leónia, Celina e Teresa.

 

                                       

 

                                        Teresa aos oito anos com a

                                                     irmã Zélia

 

                      

 

                    Lisieux. Os Buissonnet, casa arrendada pelos Martins

 

Teresa é a preferida, a que recebe mais carinhos; ternamente, o pai, trata-a por “rainhazinha”.

À tarde sai com ele em passeio, e visitam igrejas. Após o jantar o Sr. Martin senta-a no colo e entoa canções e declama poemas de inspiração cristã.

Rezadas as orações da noite, em família, Teresa despede-se:

 

- "Boa noite papá! Boa noite, dorme bem! …"

 

                      

 

                           Lisieux. Sala de Jantar da família Martin 

 

                       

 

                       Lisieux. Os Buissonnet, jardim das traseiras

 

Um dia adoece gravemente. As irmãs aflitas permanecem no quarto, receosas. De súbito Teresa vê Nossa Senhora, sorrindo-lhe…e o mal, que tanto a fazia sofrer, desaparece por encanto.

Quer guardar segredo, mas a irmã Maria massacra-a com perguntas e acaba por lhe confessar a visão. Ao saberem do sucedido, todos pensam em milagre.

 

Teresa é agora adolescente e jovem de grande beleza. Dizem-lhe que é formosa, mas os elogios não a envaidecessem, e continua a persistir no intento de entrar no Carmelo.

As irmãs tinham abraçado a vida religiosa, como carmelitas. Ela sente igual vocação.

Obtêm o consentimento paterno, ainda que fosse duro sofrimento para o Sr. Martin, mas o Carmelo não concorda. Só com vinte e um anos! …

Nessa conjuntura acompanha o pai a Roma, numa excursão de comboio.

Teresa anima-se ao saber que será recebida pelo Papa. Quem sabe se pedisse a Sua Santidade, não lhe concederia a mercê?!

Persistindo, auxiliada pelas irmãs, acaba por se tornar religiosa. Estamos em 1888. Teresa tem quinze anos…

 

 

                        

 

                         Teresa aos vinte e dois anos e meio  

 

                            

   

                         Teresa aos vinte e três anos e meio

 

Mais importante que a biografia, é a mensagem que Teresa nos deixou. Seu jeito de ver as coisas do Céu.

À cabeceira da cama, no Carmelo, há:“A Imitação de Cristo”,”O Cântico Espiritual” de S. João da Cruz, e o “Novo Testamento “. ”É sobretudo o Evangelho que me vale durante as minhas orações. Nele encontro tudo o que é necessário…” – escreve.

Teresa afirma que o melhor caminho para ser perfeito é o Amor.”O amor pode fazer tudo, as coisas mais impossíveis não lhe parecem difíceis”

Noutro passo do manuscrito, declara:”Um sábio disse:”Dai-me uma alavanca, um ponto de apoio e levantarei o mundo.”O que Arquimedes não pode obter, porque seu pedido não se dirigia a Deus, e ser feito sob o ponto de vista material, os Santos obtiveram-no em toda a plenitude: o Todo-Poderoso, deu-lhes, como ponto de apoio a oração, que abrasa como fogo de amor. E foi assim que levantaram o mundo; é assim que os santos, que ainda militam na terra, o levantam, e que, até ao fim do mundo, os futuros santos o levantarão também “.

Ao abordar sua acção como educadora, escreve: “Se a tela pintada por um artista pudesse falar, certamente não se lamentaria por ser incessantemente tocada e retocada por um pincel, e não invejaria tão pouca sorte desse instrumento, pois saberia que não é o pincel, mas ao artista, que deve a beleza de que está revestida.” E acrescenta: “Sou um pincelzinho que Jesus escolheu para pintar a Sua imagem, nas almas que vós me confiaste”. - Lembro aqui a nobre missão de mãe e a responsabilidade, desta, perante Deus.

Dois meses antes de falecer, confidencia à Madre Inês:”Sinto que minha missão vai começar…Passarei o meu Céu sobre a terra, até ao fim do mundo. Sim, quero passar o meu Céu, fazendo o bem sobre a terra…Não, não poderei ter descanso até ao fim do mundo, enquanto houver almas para salvar.”.

 

 

                           

 

                                         Cela de Teresa   

 

                         

 

                           Lisieux. Igreja do Carmelo. Urna com

                                  os restos mortais de Teresa

 

Maria Francisca Teresa Martin, faleceu no Carmelo de Lisieux a 30 de Setembro de 1897. Foi canonizada a 17 de Maio de 1925, por Pio XI e considerada Doutora da Igreja, pelo Papa João Paulo II, a 19 de Outubro de 1997.

 

                  

 

 

               Teresa vestida de Joana d'Arc. Protagonista de uma obra

                                       de teatro de sua autoria

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA - Porto, Portugal

     



publicado por Luso-brasileiro às 18:38
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 14 de Setembro de 2010
EUCLIDES CAVACO - UMA FLOR...UM SORRISO
Olá amigos
 
UMA FLOR...UM SORRISO
É o tema harmonizante que preenche o espaço de poema da semana
e que nos inspira serenidade de espírito com o qual desejo a todos
continuação dum excelente mês de Agosto.
Pode vê-lo em poema da semana ou aqui neste link:
 
http://www.euclidescavaco.com/Poemas_Ilustrados/UmaFlor_UmSorriso/index.htm
 
Desejos de boas férias para quem está de férias.
Euclides Cavaco
cavaco@sympatico.ca


publicado por Luso-brasileiro às 19:52
link do post | comentar | favorito

PAULO ROBERTO LABEGALINI - CADA UM É CADA UM

 

                      

 

 

Se fizéssemos uma pesquisa com comentaristas de futebol que acompanharam a seleção brasileira desde a Copa de 1970 no México, acredito que alguns dos 11 nomes mais lembrados seriam estes: Taffarel, Carlos Alberto Torres, Lúcio, Juan e Roberto Carlos; Falcão, Gerson e Rivelino; Zico, Pelé e Romário.

A seleção B também contaria com muitos craques: Leão, Cafu, Luiz Pereira, Amaral e Leonardo; Júnior, Sócrates e Kaká; Tostão, Ronaldo e Rivaldo.

Imaginando isto como verdade, assim que o resultado da pesquisa fosse divulgado, muita gente ficaria indignada por não ver seus ídolos na relação, tais como: Júlio César, Carpeggiani, Ronaldinho Gaúcho, Clodoaldo, Jairzinho, Careca, Edmundo, Robinho e outros. Sem querer polemizar, eu escalaria Waldir Peres, Ademir da Guia, Edu (ponta esquerda do Santos) e César Sampaio, quatro dos maiores jogadores que vi jogar.

Os torcedores mais antigos diriam que é um crime não considerar os magníficos das Copas de 58 e 62 na pesquisa. Ficaram de fora: Gilmar, Djalma Santos, Mauro Ramos, Nilton Santos, Zito, Didi e Garrincha! Mas, quem tirar do time para considerar mais estes na pesquisa?

Enfim, em cada cabeça uma sentença, não é mesmo? Principalmente na religião, existem crenças de todo tipo – algumas fundamentadas em história e tradição, outras sem o menor cabimento. Hoje em dia, se alguém disser que tem uma receita mágica para resolver algum tipo de problema, rapidamente haverá um grupo interessado em saber, praticar e divulgar.

Na missa de sábado passado, o Padre Maristelo contou o caso de um pregador que dizia ter a solução para a aquisição da casa própria: doando um mês de aluguel à igreja, no final de 12 meses conseguiria comprar o seu imóvel. Conclusão: o problema de habitação estaria resolvido no mundo inteiro!

Pois é, sabemos que não é assim que alcançamos graças. Por isso é importante sermos orientados espiritualmente por pessoas sérias, éticas e de boa fé. Um coração recheado de ensinamentos bíblicos vive e caminha mais alegremente.

Leia esta história:

No consultório localizado perto da residência de um médico, um homem bastante doente falou isto em momento de desespero:

– Doutor, tenho muito medo de morrer. Diga-me, o que há do outro lado?

Calmamente o médico respondeu:

– Não sei, meu amigo.

– Você não sabe? E fala com essa tranqüilidade?

Neste momento, ouviram ruídos de arranhões e ganidos do lado de fora do consultório. Quando o médico abriu a porta, um cachorro entrou e pulou festivamente sobre ele. Virando-se para o paciente, o médico comentou:

– Notou o meu cachorro? Ele nunca veio a esta sala, não sabia o que havia aqui, apenas                imaginou que seu dono estava presente. E quando a porta se abriu, ele entrou sem medo. Da mesma forma, não sei quase nada a respeito do que há depois da vida, mas uma coisa eu tenho certeza: o meu Senhor estará lá me esperando. Isto para mim já é o suficiente.

E para você, leitor, é suficiente?

Eu quero, sim, encontrar com Jesus Cristo e Nossa Senhora um dia, mas não tenho pressa. Também não digo isto só por brincadeira, é verdade! Enquanto estou aqui na Terra, tenho oportunidades de ajudar o próximo, amar minha família, servir a Igreja Católica, receber graças da Virgem Maria, evangelizar o nosso povo, fortalecer a minha fé e participar dos Sacramentos. Assim, espero chegar mais depressa no Céu!

Pode parecer incoerência dizer que não tenho pressa e, ao mesmo tempo, afirmar que quero chegar depressa, mas é assim que a coisa funciona. Quanto mais obras na construção do Reino, menor será o tempo de purgatório e mais rapidamente chegaremos ao Paraíso. Para isso, precisamos vencer o grande desafio comum a todos os cristãos: viver as coisas do alto com os pés no chão!

Infelizmente, há gente que pensa diferente e procura tirar pessoas do caminho do bem, da verdade e do amor. Esta semana recebi pela internet o texto que segue. Encarei como piada, mas sei que há muitas cabeças que pensam mais ou menos assim:

Quando uma manada de búfalos é caçada, os mais fracos e lentos – que estão atrás do rebanho – são mortos primeiro. Essa realidade é boa para a manada como um todo, porque aumenta a velocidade média e a saúde de todo o rebanho – pela matança dos mais doentes.

De forma parecida opera o cérebro humano: beber álcool em excesso mata neurônios, mas, naturalmente, a bebida ataca os neurônios mais fracos primeiro. Neste caso, o consumo regular de cerveja, cachaça, uísque, vinho, rum e vodka, eliminam os neurônios mais lentos, tornando o cérebro uma máquina mais rápida e eficiente.

E ainda: 23% dos acidentes de trânsito são provocados pelo consumo de álcool. Isso significa que os outros 77% dos acidentes são causados pelos canalhas que bebem água, sucos, refrigerantes e outras porcarias!

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI --    Escritor católico, Professor Doutor da Universidade Federal de Itajubá-MG. Pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária da UNIFEI

 



publicado por Luso-brasileiro às 19:42
link do post | comentar | favorito

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI - PESSOA PORTADORA DE NECESSIDADES ESPECIAIS - A barreira do proconceito é uma marca infamante que precisa ser removida

                 

 

 

Vinte e um de setembro é Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência.      Uma data de manifesta reflexão. Sejam dotados de problemas físicos, visuais,       auditivos ou mentais, os portadores de necessidades especiais vêm, pouco a          pouco e com grande sacrifício, ampliando seus espaços de participação na        vida social. Deixando de lado o preconceito, a sociedade deve colaborar para            que exerçam em plenitude os seus direitos de cidadania e se integrem   comunitariamente. Nesta trilha, eles vêm demonstrando grande capacidade no             mercado de trabalho, provando que não são sinônimos de invalidez ou   incapacidade.  

 

O Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência, celebrado em 21 de setembro, é uma ótima oportunidade para refletirmos sobre a situação das pessoas portadoras de necessidades especiais. Evidentemente, elas fazem parte da população e são titulares de todos os direitos humanos, garantias e liberdades fundamentais. Por isso, está mais do que na hora de afastarmos quaisquer tipos de preconceitos contra eles. A própria palavra deficiente carrega consigo uma gama enorme de discriminação, sugerindo a imperfeição. Incorporada a um indivíduo, ela tem o poder de estigmatizá-lo como um ser incompleto, o que não traduz a realidade. Ao contrário, a sociedade não pode impedi-lo de exercer em plenitude as suas aspirações de cidadania.

Efetivamente, sejam portadores de problemas físicos, visuais, auditivos ou mentais, por esforço próprio, organizados em torno de objetivos comuns, vêm, pouco a pouco e com grande sacrifício, ampliando seus espaços de participação na vida social. Tanto que, uma das situações mais difíceis e complexas era a do trabalho em geral. Até  alguns anos atrás, praticamente só conseguiam extrair sua sobrevivência da economia informal e muitos deles, viviam da caridade alheia ou do amparo de familiares e de instituições beneficentes. Com o advento da Lei 8.213/91, a situação se modificou.

O mencionado diploma legal, que completou dezenove anos em julho, determina que empresas com mais de cem funcionários ocupem de 2% a 5% do seu quadro de colaboradores com portadores de necessidades especiais. Dos vinte e sete milhões de cidadãos que existem no país nesta situação, 323,2 mil estão colocados no mercado formal, de acordo com a pesquisa Relação Anual de Informações Sociais (Rais), divulgada em 2009 pelo Ministério do Trabalho e Emprego (TEM), ressaltando-se que só podem ser demitidos, após a contratação de substitutos de condições semelhantes, com base no parágrafo 1º do artigo 93 da legislação específica.

Assim, eles mesmos estão derrubando a visão equivocada de que são incapazes de assumir serviços mais qualificados. Agarrando-se às raras oportunidades oferecidas, têm mostrado um desempenho profissional igual ou até superior ao de muitas pessoas classificadas como normais. Revelam ainda um processo de amadurecimento bastante intenso, alcançando grande evolução no decorrer dos últimos tempos e inúmeras conquistas. Tanto que são muitas as entidades criadas de defesa de seus direitos e o próprio Poder Público, face às pressões deles recebidas, começou a atender as suas reivindicações.  No Brasil, mais do que uma conquista, a contratação desses cidadãos se constitui numa determinação legal que ao mesmo tempo começa a ser amplamente difundida,

Entretanto, o trajeto que têm a percorrer é manifestamente extenso. Embora incluídos como titulares dos mesmos direitos e serviços oferecidos à população, ainda é precário o atendimento às especificidades de cada deficiência, embora haja previsão legal de natureza constitucional, constantemente desrespeitada ou negligenciada. Por outro lado, a barreira do preconceito é uma marca infamante difícil de ser removida. Felizmente, porém, um horizonte mais digno começa a se vislumbrar quando vitoriosos em suas reivindicações e no constante aumento e na percepção de muitos, de que todos são iguais perante a Lei.

Vale reiterar a indicação feita pela psicóloga Maria Helena Brito Izzo, em artigo publicado pela revista “Família Cristã” (10/1994- p.54) na qual expressou:- “No dia em que cada um souber respeitar o próximo, não haverá lugar para a discriminação. Então, o mundo será mais harmonioso e feliz. Cada grupo terá a liberdade de viver a seu modo, sem representar uma ameaça para o outro. Com certeza, ainda existirão erros e acertos, mas haverá também mais tolerância, solidariedade e paz”.

 

        Maria de Lourdes Guarda, um exemplo

            de luta e de perseverança cristã.

 

        Maria de Lourdes Guarda (1926-1996), em razão de sérias lesões na coluna, ficou paralisada da cintura para baixo, após sofrer seis operações em cinco anos, tendo ainda a perna amputada do joelho para baixo. Embora jovem e dotada de inúmeros planos para o futuro, assumiu sua condição de portadora de necessidades especiais e se constituiu num exemplo de abnegação, de trabalho e principalmente, de fé em Deus. Mesmo deitada, numa forma de gesso, trabalhou para pagar sua diária na enfermaria de um hospital em São Paulo, fazendo tricô e bordados sob encomendas. Seu quarto sempre foi um ponto de encontro e de atração, reunindo não só amigos e parentes, mas pessoas que buscaram consolo e ajuda para suas carências. Sua paz de espírito e sua alegria de viver “fazendo a vontade de Deus”, se irradiaram para além das paredes do quarto hospitalar, vindo a se engajar ao movimento “Fraternidade Cristã de Doentes e Deficientes”, de caráter internacional fundado na França, que ajudou a difundir no Brasil e da qual foi eleita coordenadora nacional. Nesta trilha, a partir de 1980 viajou pelo território nacional, consolidando a instituição em todo o País. Até o fim de sua vida, mesmo com outros sérios problemas de saúde, permaneceu com uma grande energia interior, sempre voltada a ajudar o próximo.

            Tramita perante a Igreja Católica Apostólica Romana o seu processo de canonização, já tendo sido beatificada. Em 02 de dezembro de 2008, seu nome foi outorgado ao Núcleo de Assistência à Pessoa com Deficiência em nossa cidade, órgão da Prefeitura do Município localizado no bairro do Anhangabaú. Por ter residido em nossa Diocese e ter parentes em Jundiaí, como a sobrinha Maria Inês Tafarello, pessoa extremamente solidária e amiga, sua atuação e seu nome são constantemente destacados, notadamente em face de seu constante empenho em fazer o bem. Todos que obtiverem graças por sua intercessão devem comunicar à Causa de Canonização SD. Maria de Lourdes (Caixa Postal 21 – CEP: 13208-970 – Jundiaí /SP).

                       

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI é advogado, jornalista, escritor, professor universitário e Mestre em Ciências Sociais e Jurídicas.



publicado por Luso-brasileiro às 19:35
link do post | comentar | favorito

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - NA CADEIA DO ANHANGABAÚ

                      

 

 

Em 1985, a convite do então Promotor de Justiça, Dr. João Bosco, que se empenhava na reintegração social dos detentos, adentrei a Cadeia Pública de Jundiaí no Anhangabaú. Impressionou-me a atmosfera cinza que envolvia o espaço e os latões na calçada que transbordavam, mais do que o lixo, restos da miséria humana. Não imaginava que, em 1992, eu ali voltaria, e pelos próximos 18 anos, para dizer da claridade da madrugada da Páscoa.

Retornei, a partir de janeiro de 1992, com o propósito de visitar duas assistidas da Pastoral da Mulher. Dom Roberto Pinarello de Almeida, naquele tempo nosso Bispo Diocesano, dispôs-se a ir comigo em uma da visitas. Impressionado com o número de jovens, pediu-me que reiniciasse o trabalho da Igreja junto ao presídio, com o nome de Pastoral Carcerária. Dom Joaquim Justino Carreira aderiu de imediato como assessor espiritual.  Apenas reiniciasse, pediu-me Dom Roberto, mas permaneci, nestes 18 anos, por desígnio de Deus, a fim de que eu pudesse identificar o Seu Amor além do entendimento humano e passasse a julgar menos e a exercitar a paciência nas diferenças e com os diferentes, ouvindo-os primeiro para anunciar o Evangelho depois.

Recordo-me de muitos fatos daquela época. Um grupo de pessoas fez uma visita à cadeia, motivado pela caridade. Rapidamente passaram pelas celas e observavam mais o que nela havia do que as pessoas que ali estavam. Não fizeram por mal, faltou-lhes preparo. Um detento me falou: “Visita ao zoológico. Faltou-lhes jogar amendoins”. Não me despertara ainda para a curiosidade que se agiganta a ponto de tornar as pessoas invisíveis. O mesmo encarcerado, semanas mais tarde, quando lhe perguntei se estava bem, respondeu-me que, embora a angústia fosse enorme, a cadeia pesasse, as paredes continuavam azuis. Compreendi, prontamente, que, se as paredes permaneciam “azuis”, a possibilidade de reconstruir-se para o Reino dos Céus era real.

A cadeia do Anhangabaú contém não somente as pegadas de presidiárias e presidiários, que por ela passaram com suas histórias, muitas delas de abandono, de desestrutura familiar, mas também o lamento doloroso de mães, pais, esposas, filhos... O grito de socorro das vítimas e de seus familiares. As aflições de inúmeros policiais. A canção triste do entardecer escuro de inverno.

Uma vez, encontrei-me, em uma das celas, com o matador de integrante da Pastoral da Mulher, a mesma que me chamou a entrar lá e se tornou semente da Pastoral Carcerária. Eu tinha com ela laços de carinho materno. Assimilei, dentro de mim, que Deus, que a chamara da prostituição à conversão, desejava igualmente salvar o violentador, o seu assassino. Anunciei-Lhe a Boa Nova do perdão divino, que transforma a pessoa e dá sentido à vida. Choramos juntos por ela, pelo bebê que ela carregava na barriga, por ele e por mim que vivencio tão pouco a misericórdia de Deus.

Da Pastoral Carcerária, nos arquivos da memória da Cadeia do Anhangabaú, que agora se transfere para o CDP, ficará a esperança de que todas as pessoas, mesmo que maculadas pelos delitos, busquem a santidade de Deus.

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE   -  É educadora, coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher/ Magdala e cronista

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 19:30
link do post | comentar | favorito

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - NOSSA COR MARROM

                      

               

 

                Há exatos três anos eu resolvi me aventurar pelo mundo das artes marciais, coisa que eu nunca fizera antes. Embora não fosse nem de longe uma pessoa sedentária, eu jamais experimentara nada parecido.

                As primeiras aulas pareceram deixar claro que eu tinha sérios problemas no quesito “coordenação motora em movimento”. Eu até que já deveria ter me convencido disso quando minhas aulas de jazz não demonstraram uma carreira propriamente promissora, mas eu estava estranhamente determinada a não me deixar desanimar, a não desistir.

                Com as minhas habituais dificuldades quanto à noção de espaço, eu cometi muitas gafes, recebi alguns apelidos, falei demais, acertei de menos, mas nunca deixei de comparecer aos treinos, de buscar entender o que é que me mantinha ali, o que tanto me fazia gostar do aikido. De início, minha atenção, equivocadamente, direcionou-se para as faixas que eu teria que conquistar, bem como  quanto tempo isso me custaria.

                O tempo foi passando e eu fui persistindo. Faixa por faixa, fui avançando no meu aprendizado, no meu Budô (Caminho). O que fui aprendendo nesses anos, contudo, foi exatamente o contrário do que eu esperava. Em alguma medida eu me tornei mais corajosa, mas não no sentido da valentia, da violência, da bravata. Passei a ter mais confiança em mim, porém não pelo fato de que agora, potencialmente, eu poderia ser capaz de me defender ou de machucar alguém...

                O que me municiou desses sentimentos foi o percurso. Na verdade, é o percurso. Percurso que não se finda em conta de faixas ou de anos, mas de passos e do olhar que se aprende a dar a eles. Descobri foi é que sou capaz de superar os meus próprios limites. O dos outros não tem importância. Nada me significa, a não ser pelo respeito, o fato de ser pior ou melhor do que alguém, sob a ótica das técnicas ou da graduação.

                Percebi, na prática, que não dá para sabermos se somos ou não capazes sem que ao menos tentemos. Aprendi que sempre há mais um passo, mais um pouco de tempo, mas um pouco de fôlego, mais uma lição a ser assimilada. A cada dor sentida em um golpe, eu julgava ter chegado ao limite, mas no próximo golpe meus julgamentos iam irremediavelmente abaixo. Entendi que às vezes precisamos dar pausas, esperar que as dores nos deixem ou que passemos a dominá-las. Entendi que não adianta ir com sede demais à fonte, e que, na maior parte das vezes, o sucesso é a conjugação da vontade com a persistência...

                Também aprendi que o talento, sozinho, é só uma face, mas não a moeda. Não se pode desperdiçá-lo, eis que ele cobra seu tributo. Perdi o medo dos desafios, porque entendi que, no máximo, posso não conseguir, mas não me permito mais a inércia, a ausência de passos... Entendi que quem pode se defender tem o dever moral de evitar, de prevenir.

                Nessa semana fiz meu exame para faixa marrom. De repente eu tive a sensação de que o tempo passou rápido demais... É fato que não sou a mesma que um dia amarrou na cintura uma faixa branca, mas, curiosamente, nunca me senti tão paradoxalmente perto e igualmente distante, da faixa preta...

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA- Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo



publicado por Luso-brasileiro às 19:27
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links