PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 6 de Julho de 2012
LAURENTINO SABROSA - POSTAL DE PARABÉNS POR ANIVERSÁRIO

 

 

 

 

 

 

 

Dedicado a um(a) jovem estudante que tem uma actividade artística ou desportiva

 

 

 

 

No tempo dos teus trisavós, poucos rapazes iam à escola e as raparigas nem sequer sabiam onde ela era; no tempo dos teus bisavós, só as filhas de gente rica e fina iam à escola, quase só para, em brilho de sociedade, saberem falar francês e tocar piano; no tempo dos teus avós, já todos iam para a escola, mas sempre se punha de parte a hipótese de uma carreira artística. Quem quisesse ser poeta, pintor, escritor, músico, era ferozmente contrariado, porque só os dementados ou idealistas podiam pensar nisso. Dedicar-se à Arte era caminho infalível para a penúria. Nunca se pensava nas artes como meios de formação física e de formação espiritual.

 

Para te ajudar a seres feliz, deves tomar conhecimento de que estás a viver num tempo totalmente diferente e deves tomar consciência disso: ao contrário das filhas dos teus antepassados, vais para a escola e, em complemento, tens uma actividade extra, artística ou desportiva.

 

Venho dar-te os PARABÉNS não só pelo teu aniversário mas por essas tuas actividades: a intelectual, com vista a uma futura profissão; a artística ou desportiva, com vista, desde já, a um aperfeiçoamento espiritual. O desporto só é Desporto se for Arte, a arte só é Arte se for Beleza e a beleza só é Beleza se nos aprimorar o espírito e os sentimentos. Creio que te ajudará a aprimorar o espírito saberes que ser feliz em plenitude é coisa muito complexa. É amar e lutar, é viver a vida com uma certa alegria desportiva, é viver a vida com arte porque se ama a Arte e a Vida. Não é só ter namorado(a) de quem se goste e carteira cheia.

 

Jovem! Costuma-se dizer que as mulheres e os jovens têm o mundo na mão. Também tu tens o mundo na mão se desenvolveres as tuas actividades.

 

Se o fizeres devidamente, tens todas as condições de ser feliz. É o que eu te desejo com muita saúde e longa vida.

 

Afectuosamente, em nosso nome

 

 

 

LAURENTINO SABROSA    -    Senhora da Hora, Portugal.

laurindo.barbosa@gmail.com



publicado por Luso-brasileiro às 19:26
link do post | comentar | favorito

JOÃO BOSCO LEAL - A BELEZA DOS DETALHES

    

                    

 

 

 

 

A sociedade capitalista e consumista em que vivemos é dividida em três grupos: uma minoria que possui muito e corre para administrar seu enorme patrimônio, a grande maioria que busca adquirir mais do que possui, e os muito poucos que, sem pressa, apreciam cada detalhe da vida.

Pessoas acostumadas com dias muito agitados, repletos de compromissos, reuniões, debates, cursos e palestras podem ser imediatamente, ou quando menos esperarem, obrigadas a mudar radicalmente seus costumes e o ritmo de suas atividades.

Diversos motivos, doenças ou acidentes, podem levar a impedimentos, imobilidades e isolamentos que possibilitarão uma autoanálise e a revisão de quais os valores realmente devem ser observados.

Os que passam por isso normalmente mudam o foco sobre diversos pontos da vida antes imaginados importantes, agora tidos como insignificantes, e passam a valorizar coisas que antes não conseguiam enxergar.

A beleza de um ipê totalmente desfolhado, antes do início de sua floração, com um pássaro colorido em um de seus galhos é algo jamais visto e admirado, por quem está correndo para não chegar atrasado a uma reunião de negócios.

O registro fotográfico de um por do sol, de um local bonito por onde passou, ou do pássaro no ipê, para posteriormente ser compartilhado com quem não estava presente naquele momento, passa a ser extremamente gratificante por quem o realiza.

As cenas espetaculares e inesquecíveis de um acasalamento equino, o nascimento de um de um animal no campo, o canto de um pássaro livre e o som isolado do vento nas folhas, só podem ser vistas e ouvidas por quem possui tempo e se dispõe a uma vida diferente da levada nos grandes centros urbanos.

As sementes das maiores árvores, que não conseguem crescer à sua volta por causa da falta de raios solares provocado por sua sombra, precisam ser consumidas pelos pássaros que depois as transportam em seus intestinos até outros locais, onde brotarão e crescerão longe da sombra da árvore mãe, assim como os humanos, entre os quais podemos notar o maior amadurecimento daqueles que já se afastaram dos pais, e a maior imaturidade – e muitas vezes irresponsabilidade -, dos que, por qualquer motivo, continuam dependentes deles.

Os pássaros também são responsáveis pelo transporte das ovas de peixes entre lagos, represas e rios, pois ao pisarem na água para saciar sua sede, estas aderem às suas pernas e só se soltarão quando em novo contato com a água, geralmente em outro local.

Como é do conhecimento de todos, abelhas, beija-flores e outros insetos e aves são os responsáveis pela polinização das plantas, mas pouquíssimos são os que já observaram esse trabalho ou a estrutura organizacional de uma colmeia, formigueiro, cupinzeiro ou de uma família de macacos.

Os donos de muitos negócios, preocupados, mesmo quando em qualquer local distante das cidades, não conseguem enxergar nenhuma dessas belezas, pois continuam com pressa e olham tudo muito rapidamente, por não possuírem tempo para essas “bobagens”.

A grande maioria, por sua ansiedade em busca de bens materiais, jamais passará por experiências assim sem uma freada brusca e radical em suas atividades diárias.

A pressa nos impede de observar a beleza dos detalhes, sem os quais nada existiria.

 

 

 

 

JOÃO BOSCO LEAL, é articulista político, produtor rural e palestrante sobre assuntos ligados ao agronegócio e conflitos agrários. Campo Grande, Brasil



publicado por Luso-brasileiro às 19:20
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - AFORRAR ... VALE A PENA ?

 

 

                                                 

 

 

 

 

 

 

São quatro da tarde. Entro em casa de chã da baixa. O salão está quase despovoado. Junto ao balcão magote de adolescentes soltam gargalhadas escandalosas, sob o olhar reprovador da empregada.

Ao meu lado, na mesa vizinha, dois roliços sujeitos, entrados em idade, dialogam a meia voz. No passeio, rente à parede, casal de namorados grudam furiosamente os beiços, e senhora, de imenso chapéu cor-de-rosa, que acaba de sair de viatura, lança-lhes gesto de indignação, arregalando os olhos.

A conversa, que desenrola-se ao meu lado, anima-se. Um deles, estendendo a mão, a jeito de orador de comício, e de olhinhos fuzilantes, reclama: - “Trabalhei como um burro. Privei-me de tudo, e agora…”

Pus as orelhas à escuta: - “ Via colegas tomar cervejitas, beber cafezinhos, em alegres farras… e eu nem férias. Tudo era aforrado.”

- “ Comprei apartamento e pus um dinheirinho a render. Agora… é o que se vê! O caseiro ausentou-se com a chave. O imposto sobre imóveis, subiu assustadoramente, e os descontos que o banco faz, são tais, que o juro é uma mirreca.”

Depois… eu, que era chefe, recebo de pensão menos que o salário mínimo de muitos países.”

Ergui-me. Pousei duas moedas sobre a mesa, e acenei ao garçon.

Já na rua, entre a multidão que afluía indiferente para a Praça, meditava no que ouvira, recordando as sábias palavras de Alexis Carrel, que havia lido na juventude, em “O Homem Esse Desconhecido”. “ Se um homem economiza algum dinheiro para sua mulher e para educação dos filhos, esse dinheiro é-lhe roubado por financeiros audaciosos. Ou, então, é-lhe tirado pelo governo, e distribuído àqueles cuja imprevidência, aliada à imprevidência dos industriais, banqueiros e economistas, os reduziu à miséria.”

E de regresso a casa, após o jantar, ainda ecoavam dentro de mim, as desoladoras palavras do velho senhor: “ Trabalhei como burro. Privei-me de tudo… e agora é o que se vê! …”

 

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -  Porto, Portugal



publicado por Luso-brasileiro às 19:10
link do post | comentar | favorito

TEREZA DE MELLO - TARDE CINZENTA

 

 

                                                     

 

 

 

 

 

 

 

Naquela tarde cinzenta

Fui eu que me fiz ao mar,

Sem cinto de salvação

Nem bóia para boiar,

Porque me fugia o meu sonho

Que tinha de apanhar.

Riam de mim e troçavam

Os que na praia ficavam.

Naquela tarde cinzenta

Fui eu que me fiz ao mar,

Sem cinto de salvação

Nem bóia para boiar,

Porque me fugia o meu sonho

Que tinha de apanhar.

Meu sonho flores de espuma

Desfeitas pela maré.

 

 

 

Naquela tarde cinzenta

Fui eu que me fiz ao mar.

 

 

 

 

TEREZA DE MELLO   -   Abrantes, Portugal

 

 

 

 

                     

 

 

 

 

                                        

CINEMA GRATUITO NA CIDADE DE JUNDIAÍ

O cinema
está de volta ao centro da cidade!
A Prefeitura de Jundiaí por meio da Secretaria Municipal de Cultura, com apoio do Cineclube Consciência, promove o projeto Cineclube na Cidade, proporcionado mais uma opção de cultura à cidade, com sessões de cinema gratuitas às quartas-feiras de agosto a novembro na Sala Glória Rocha, á partir de 25/08.
O projeto Cineclube na Cidade
cria um espaço alternativo de cinema com debates e convidados, oferecendo
reflexão e difusão cultural.



Local: Sala Glória
Rocha (Rua Barão de Jundiaí, 1093, Centro) (11) 4521-0971


Realização:
Prefeitura Municipal de Jundiaí- Secretaria Municipal de Cultura e Cineclube Consciência

Apoio cultural:
Centro Cineclubista de São Paulo

Produção: Vânia
Feitosa- Cine a Vapor Produções



Contato com a
produção

Vânia Feitosa
cineclubenacidade@yahoo.com.br
(11) 9700-3120 ou (11)
8029-3780
 
 
 
 

 



publicado por Luso-brasileiro às 18:49
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links