PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quinta-feira, 23 de Maio de 2013
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - A NEURA

 

 

 

 

 

 

 

Ela, normalmente, considerava a sim mesma uma pessoa normal. Ao menos na maior parte do tempo, de fato, ela era normal, dentro da média das pessoas normais. O problema é que, no fundo, no fundo, ninguém é completamente normal. Primeiro por que a própria definição de normal não é um consenso e, segundo, porque ser muito normal, de alguma forma, é também ser um pouco esquisito...

 

É a tal história. Alguém pergunta: o que você acha da fulana? E outro alguém responde:_ ah, ela é bem normalzinha... Enfim, típica coisa esquisita... A questão é que, de perto, ninguém bate bem e compete a cada qual, dentro das suas esquisitices, esconder as mais severas e revelar as inofensivas, até para não ser um normalzinho qualquer da vida...

 

Ela, assim, por óbvio, tinha suas esquisitices, as quais conseguia disfarçar o necessário não levantar grandes suspeitas ou desconfianças por parte de amigos e familiares. No mais das vezes, estava atenta para seus comportamentos. Nada exagerado, mas uma certa patrulha particular, um certo senso de vigília necessária.

 

Costumava falar sozinha, fosse para chamar a própria atenção, fosse para “refletir” com seus próprios neurônios. Caso alguém a surpreendesse, ela fingia estar cantando e seguia adiante, sem maiores constrangimentos. Em geral, inclusive, gostava dos papos que tinha consigo mesma, melhores até do que as conversas com algumas pessoas.

 

Vez ou outra, entretanto, ficava “encasquetada” com certas coisas, assim, de uma hora para outra, sem razões especiais. E foi numa dessas que, ao se olhar no espelho, espantada, acho que seus cotovelos tinha crescido. Inexplicavelmente, haviam ficado pontudos! Examinou-se de todas as formas, por todos os ângulos e a certeza só fazia crescer e tomar corpo. Seus cotovelos estavam irremediavelmente esquisitos!

 

Apertou, apalpou e cutucou o quanto pode. Nada aparentemente fora do normal na constituição, na consistência. Nada vermelho ou de qualquer outra cor que não sua pele. Seria possível que ela nunca tivesse reparado e que eles fossem, em verdade, esquisitos desde todo o sempre? Ela vasculhou seus arquivos mentais e físicos, na tentativa de se lembrar se possuía alguma foto de seus cotovelos, mas achou mesmo improvável que tivesse tais registros. Anotou, por via das dúvidas, mentalmente, a ideia de fotografar-se em vários ângulos, até para futuras conferências.

 

Pesquisou, por fim, ainda sem comunicar com ninguém, eis que sem coragem e incerta sobre revelar tal percepção, na internet, sobre possíveis causas de alterações “cotovelonísticas”. Encontrou algumas síndromes, algumas doenças sérias até, mas todas vinham acompanhadas de muitas dores nessa região. Ela tinha dor de cotovelo?? Decididamente, não apresentava tal sintoma.

 

O dia foi passando e ela não conseguia se esquecer dos benditos. Resolveu colocar uma blusa de manga comprida, a qual os cobria, tudo na tentativa de fazê-la mudar de foco. O que seria dela? Nunca mais poderia usar uma blusa de mangas curtas? Teria que passar por alguma raspagem, algo que diminuísse aquela coisa esquisita? Que estranho mal a estaria dominando?

 

Quando sua irmã chegou do trabalho, chamou-a de lado, arregaçou as mangas e perguntou: _ Olhe bem e me diga. Você já tinha reparado o quanto meus cotovelos estão pontudos???

 

A irmã, sem entender direito do que se tratava, olhou para ela e, de forma direta, respondeu: _ Sim!

 

_ Desde quando, pelo amor de Deus???

 

_Ah, desde que você nasceu... A propósito, bem esquisitos eles, assim como você...

 

Aliviada, ela suspirou e concluiu que, no fim das contas, ela estava mesmo na média entre os loucos e os normais do mundo. Ou não...

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo.

 

             

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:33
link do post | comentar | favorito

FELIPE AQUINO - O ESPÍRITO SANTO É NOSSO SANTIFICADOR

 

 

 

 

 

 

 

O Papa Paulo VI disse certa vez que a primeira oração do dia deve ser esta: “Vinde Espírito Santo…”

 

Sem a presença do Espírito Santo em nossa alma, não podemos fazer a vontade de Deus, porque somos todos fracos; por isso, esse pedido tem de ser frequente e desejado. Ele só vem  ao coração que o deseja ardentemente, como a terra seca deseja água.

 

Para ser sempre renovado no Espírito Santo, o cristão precisa antes de tudo de se purificar, porque Ele é Santo e não pode conviver com o pecado assumido, aceito e não combatido. Ele está pronto para ocupar qualquer “vaso”, pequeno, grande, culto, iletrado, pobre ou rico, de ouro ou de plástico, mas Ele não pode ocupar um vaso sujo. O Espírito do Senhor pode conviver conosco na luta contra o pecado – porque Ele é o nosso Santificador – mas Ele não pode ser conivente com o pecado; então, quem deseja ser renovado no Espírito do Senhor, precisa sempre se Confessar, com humildade e sinceridade entregar as suas misérias ao Senhor; lançar na fornalha ardente do Seu Coração Sagrado todas as faltas da natureza humana.

 

 

 

 

 

Para ser reinflamado no Espírito e nos seus dons infusos e carismáticos, e preciso “querer fazer a vontade de Deus”. Ele não nos é dado para outra missão a não ser para poder proclamar com a vida: “Seja feita a Vossa Vontade assim na terra como o Céu!”

 

É preciso pedir o Espírito Santo continuamente, mas com desejo profundo; Jesus prometeu que o Pai o daria a quem o  pedisse. Se vós que sois maus sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do céu dará o Espírito Santo àqueles que lhe pedirem” (Lc 11, 13). Deus estabeleceu uma norma: para receber as suas graças é preciso pedir: “Pedi e dar-se-vos-á; buscai e achareis; batei e abrir-se-vos-á” (Lc 11,9). Quem não pede não recebe. Então, depois de se purificar, é preciso pedir ao Pai o Espírito Santo, e já agradecer, pois  Ele virá.

 

E para manter acesa a chama do Espírito na alma, é preciso “viver no Espírito”, isto é, viver sempre em vigilância e oração, com uma vida de contínua Comunhão e Confissão, caminhando com Nossa Senhora e rezando o seu Rosário e alimentando a alma com a santa Palavra de Deus.

 

Um velho ditado diz que “môsca não assenta em prato quente”; muitos experimentaram o ardor do Espírito Santo, mas agora estão frios, por que? Porque deixaram a alma esfriar; abandonaram os “exercícios espirituais”, a vida ascética; então, o prato esfriou e as moscas venenosas nele pousaram. O que fazer? Reacender o fogo da alma pela chama do Espírito  e espantar as moscas.

 

Em 1963, o Papa João XXIII, ao abrir o Concílio Vaticano II, pediu a Deus um Novo Pentecostes para a Igreja; e Deus o está concedendo desde então. Ele pediu com ardor:“Repita-se no povo cristão o espetáculo dos Apóstolos reunidos em Jerusalém, depois da Ascensão de Jesus ao céu, quando a Igreja nascente se encontrou reunida em comunhão de pensamento e de oração com Pedro e em torno de Pedro, pastor dos cordeiros e das ovelhas. Digne-se o Divino Espírito escutar da forma mais consoladora a oração que sobe a Ele de todas as partes da terra. Que Ele renove em nosso tempo os prodígios como de um novo Pentecostes, e conceda que a Santa Igreja, permanecendo unânime na oração, com Maria, a Mãe de Jesus, e sob a direção de Pedro, dilate o Reino do Divino Salvador, Reino de Verdade e Justiça, Reino de amor e de paz”.

 

É importante meditar no que disse em 1992 o Papa João Paulo II  aos líderes da Renovação  Carismática em Roma, porque isto mostra a importância do cristão ser hoje renovado no Espírito Santo e inflamado de seus carismas:“A Renovação surgiu nos anos que se seguiram ao Concílio Vaticano II, e foi um dom particular do Espírito Santo à Igreja. Foi sinal do desejo que muitos católicos tinham de viver, de maneira mais plena, a sua própria dignidade e vocação batismal, como filhos e filhas adotivas do Pai, de conhecer a força redentora de Cristo, nosso Salvador, numa experiência mais intensa de oração pessoal e coletiva, e de seguir o ensinamento das Escrituras mediante a sua leitura, à luz do mesmo Espírito que inspirou o seu autor. Certamente um dos resultados mais importantes desse despertar espiritual foi a aumentada sede de santidade, visível nas vidas das pessoas individualmente e na Igreja inteira… Neste momento da história da Igreja, a Renovação Carismática pode desempenhar um papel significativo na promoção da defesa, extremamente necessária, da vida cristã, nas sociedades em que o secularismo e o materialismo enfraqueceram a capacidade que as pessoas têm de responder ao Espírito e de discernir o chamamento amoroso de Deus. O vosso contributo para a re-evangelização da sociedade será efetuado, em primeiro lugar, mediante o testemunho pessoal do Espírito que habita em nós e  mediante a demonstração da Sua  presença, com obras de santidade e de solidariedade… Independentemente da forma que a Renovação Carismática assumir – nas orações de grupo, nas comunidades conventuais de vida e de serviço – o sinal da sua fecundidade espiritual será sempre o fortalecimento da comunhão com a Igreja universal e com as Igrejas locais… Ao mesmo tempo o aprofundamento da vossa identidade católica, haurindo da riqueza espiritual da Tradição católica, é uma parte insubstituível do vosso contributo ao diálogo ecumênico autêntico que, alimentado pela graça do Espírito Santo, deve levar à perfeição da “comunhão na unidade, na confissão de uma só fé, na comum celebração do culto divino e na fraterna concórdia da família de Deus” (Unitatis redintegratio, 2).(L’Osservatore Romano, n. 15, 12/4/1992, 4; 184).

 

A RCC tem uma grande missão hoje na Igreja como afirma o Papa; nesses tempos de secularismo, hedonismo, relativismo religioso e ateísmo, o mundo precisa do testemunho urgente de “novos” cristãos, que combatam com as armas do Espírito os exércitos do Mal.

 

O frei Raniero Cantalamessa, pregador do Papa há 29 anos, diz que a Renovação Carismática  “é uma corrente de graça para toda a Igreja católica.” Ela não é um simples movimento a mais da Igreja; é a própria Igreja em movimento pelo poder do Espírito Santo. Todos os cristãos, de todos os movimentos, precisam ser renovados no Espírito Santo e não deixar que os seus carismas se apaguem em seu coração. Quanto mais cada cristão for repleto do Espírito Santo, tanto mais a Igreja o será, e mais preparada estará para implantar na terra o Reino de Deus, como Jesus pediu ao Pai. Venha a nós o Vosso Reino!

 

 

 

 

 

FELIPE AQUINO   -   Escritor católico. Prof. Doutor da Universidade de Lorena. Membro da Renovação Carismática Católica.

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:23
link do post | comentar | favorito

FRANCISCO VIANNA - O ÓBVIO COMEÇA A SE TORNAR VISÍVEL

 

 

 

 

 

Uma gravação revela corrupção e divisão dentro do “bolivarianismo chavezista” na Venezuela.

 

 


            A chamada ‘Revolução Bolivariana’ está cada vez mais sendo chamada na Venezuela de “robolución”, ou seja, de ‘roubolução’. O regime está imerso numa corrupção galopante, agravado pela inépcia de seus próceres e funcionários e pelas manobras e conspirações internas para propiciar a queda de seu líder substituto de Hugo Chávez, Nicolás Maduro. Há uma sedenta corrida aos cofres do país para um saqueio gigantesco que está a permitir um enriquecimento ilícito, vertiginoso e rápido, da cúpula dirigente, tudo com o beneplácito da inteligência cubana que controla efetivamente o país. Pelo menos é o que revela um personagem do primeiro escalão do regime, Mario Silva, angustiado pela possibilidade de a oposição vir a acabar com a situação de submissão à inteligência de Havana e com o empobrecimento acentuado do povo venezuelano.

 

 

 

 

 

 

    Cabello e Maduro, os nuveaux riches do comunismo bolivariano

 

 

            As revelações de Mario Silva – que é um dos porta-vozes mais visíveis do chavezismo – deixam claras as profundas fissuras existentes entre Maduro e Diosdado Cabello (presidente do Congresso ou Assembleia Nacional), que é considerado uma das maiores ameaças ao processo ‘revolucionário’ comunista por sua alegada ‘avareza e desmedida ambição de poder’. Cabello era quem, segundo a violada Constituição venezuelana, deveria ter assumido a presidência do país para o mandato tampão a que foi guindado Maduro por meio de um golpe apoiado pelas Forças Armadas.

 

 

 

 

 Mario Silva, o comunista entreguista da Venezuela à ditadura cubana, é o pior inimigo interno que o povo venezuelano tem.

 

            Tais declarações de Mario Silva estão contidas numa gravação que foi entregue pela oposição à imprensa e que foram expressas durante uma conversa entre Silva e um agente da inteligência cubana, identificado como Palacios, na qual o dirigente chavezista o advertia sobre o grave perigo enfrentado pelo regime de Maduro diante das manobras de Cabello.                                                                                                                               Apesar do primeiro nome do agente cubano não ter sido mencionado na gravação, analistas disseram que pode se tratar de Aramis Palacios, um tenente coronel enviado pela ditadura cubana a Caracas para treinar o chavezismo nas tarefas de ‘contrainteligência’.

 

            Na gravação, Mário Silva diz ao seu interlocutor cubano, literalmente, o seguinte: "Eu tenho medo, Palacios. Um medo [...] Que eu diria visceral, emocional, muito aferrado. Tenho estado muito deprimido nos dias de hoje. Mas eu tenho um medo, mas um medo terrível de que estejamos a enviar toda essa merda para o espaço". Silva tem um programa de TV chamado ‘La Hojilla’ (O Folhetim), que é visto como uma das principais plataformas de Chávez para transmissão ideológica (lavagem cerebral marxista).

 

            De acordo com Silva, “a imensa corrupção praticada pela cúpula do chavezismo, cuja cúpula trata de se enriquecer ao máximo e a toque de caixa, é um dos principais fatores da deterioração da economia venezuelana, praguejada neste momento por uma das mais altas taxas de inflação do planeta e por um déficit público que representa o dobro do ocorrido na sofrida e atribulada Espanha, além de uma aguda escassez de produtos de primeira necessidade que causa uma crescente insatisfação popular no país”.

 

            E o mais cruel e irônico de tudo é que, além dos capitais terem se espaventado para fora da Venezuela e a mão de obra qualificada ter emigrado para os países vizinhos, é descomunal a quantidade de dinheiro que os corruptos atuais estão enviando para fora do país, principalmente para os EUA e paraísos fiscais, segundo o consenso da classe média.

 

            Em suas confissões ao cubano, Silva disse em dado momento que a corrupção, ainda durante o governo de Chávez, era tão alarmante, que o então guru das finanças públicas venezuelanas, Jorge Giordani, esteve a ponto de renunciar ao seu cargo no ministério do falecido. Segundo Silva, “um dos que mais enriqueceu ilicitamente com tanta corrupção foi Diosdado Cabello”. “Vou cair fora desta faina porque estes putos estão sangrando o país”, teria dito Giordani ao então ministro da Defesa, Henry Rangel Silva, referindo-se às ‘meganegociatas’ nas quais grupos associados a Cabello roubavam a metade das centenas de milhões de dólares que recebiam com ‘taxa preferencial’ para realizar importantes obras ou importar produtos de primeira necessidade.

 

            Mas, além do impacto econômico de toda essa corrupção, vejam como Mário Silva procura entregar mais a Venezuela ao controle de Cuba para garantir ao máximo o “socialismo bolivariano” no país.  Silva se mostra perante o enviado de Havana preocupado pelo poder político de Diosdado Cabello sobre o setor policial e militar do país, e com suas manobras para, segundo diz, ‘se impor a Maduro’. “Tal concentração de poder torna Cabello um perigo para a sustentabilidade do regime comunista de Maduro”, diz Silva.  “Maduro está obrigado, sim, está obrigado, a seguir a trilha do Comandante [Chávez]; e está obrigado a por contra a parede Diosdado Cabello. Obrigado…”, comentou.

 

            “Oxalá meu Comandante tenha mandado gravar um vídeo no qual tenha exposto os motivos de ter escolhido Maduro para sucedê-lo, em face do que estavam conspirando a toda faina. Porque estou certo de que meu Comandante sabia que ia morrer logo, tenho certeza disso. Mas meu Comandante, caso fosse deixar tudo bem costurado, deve ter gravado tal vídeo. Teria que tê-lo gravado”, acrescentou. E continua: “Esse vídeo, se existir, seria importante para derrubar Cabello e tirá-lo do caminho, porque Maduro não tem força suficiente para afastar o presidente da Assembleia Nacional por sua própria conta”. “Além disso, Diosdado também pode acusar Maduro de traição e [nesse caso] criar uma confusão total dos diabos no país e a única forma de deter Diosdado será a existência de uma prova cabal e indiscutível de que o Comandante sabia de tido”, disse na gravação.

 

            Segundo Mario Silva, Maduro quer afastar Cabello, mas não sabe como. “Acredito que Nicolás, assim, tenha vontade de fazer o que quer fazer, mas está enrolado. Vou supor isso porque o tenho visto, porque falando com ele tenho constatado isso, e vou supor que ele tenha a vontade, mas as amarras que o impedem estão em todos os grupos de poder [controlados por Cabello]”, explicou no áudio.

 

            O dirigente chavezista sugeriu que a eliminação de Diosdado Cabello também seria do interesse de Cuba, já que o presidente da Assembleia Nacional, na realidade, acredita que a aliança entre a Venezuela e a ilha-cárcere dos Castros deve ser posta de lado, uma vez que Cuba representa hoje um fardo pesado demais para ser carregado pelo país.

 

            Mario Silva explicou ainda em sua conversa com Palacios que “em face das necessidades por que estamos passando, os que formam os grupos em torno de Diosdado Cabello, consideram uma obrigação a da Venezuela se desligar, manter relações diplomáticas, mas por fim à ‘irmandade’ que existe atualmente,  e acabar com os ‘convênios’ firmados com Cuba”, disse o dirigente.

 

            Seu interlocutor cubano concordou que isso terminaria com os programas de “assistência médica”, conhecidos como “Barrio Adentro” que, na verdade, além de algum atendimento primário de qualidade extremamente duvidosa, se dedica muito mais à lavagem cerebral marxista dos bairros mais pobres de Caracas e se mantêm em estreita submissão à inteligência de Havana.

 

            Como se pode deduzir dessa gravação, não é impossível que Diosdado Cabello, por mais que tenha enriquecido com a corrupção generalizada e desenfreada do regime “bolivariano”, passe a formar, ostensivamente ou por baixo dos panos, uma aliança com a oposição de Capriles, caso esse líder assim entenda como útil para frear a entrega de um país inteiro à ditadura cubana.

 

            Ao invés do regime encontrar um vídeo sonhado por Mario Silva ou outra qualquer prova que possa incriminar Cabello, foi a oposição que recebeu de presente uma gravação que equivale a uma imensa quantidade de merda jogada no ventilador de uma Venezuela quase destruída pela famigerada mentalidade socialista.

 

            Afinal, é mais fácil correr atrás e pegar um mentiroso do que um coxo...

 

 

Terça feira, 21 de maio de 2013

 

 

FRANCISCO VIANNA  -   Médico, comentador político e jornalista  - Jacarei, Brasil.

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:03
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 22 de Maio de 2013
LAURENTINO SABROSA - POSTAL DE PARABÉNS AOS CASAIS QUE CELEBRAM O ANIVERSÁRIO DO SEU CASAMENTO

 

 

 

 

 

 

  

 

 

                                  Prezados Aniversariantes

 

 

 


 

                        Suponho que sabem, mas permito-me lembrar-lhes que a palavra “trabalho” tem uma origem sinistra – deriva de “tripallium”, antigo instrumento de tortura. Parece paradoxal que tenhamos de amar o trabalho e dele viver. Por outro lado, também me permito lembrar-lhes que a palavra “cônjuge” também tem um significado à primeira vista pouco simpático, porque significa, na sua origem, “que sofre o mesmo jugo”. Também parece paradoxal que duas pessoas que se casam porque se amam, depois do belo título de noivos e nubentes, venham mudar de estatuto como se o casamento fosse um trabalho bastante ligado ao tripallium de antigamente.

 

E será de facto assim se faltar o amor e a simpatia. Porque “simpatia” não são apenas sorrisos e amabilidades sociais. “Ser simpático” é acima de tudo “compartilhar do sofrimento de alguém”. Venho dar as minhas felicitações por celebrardes mais um aniversário de casamento, sobretudo, porque sei que o vosso jugo de serem cônjuges não chega a ser jugo, porque o vosso trabalho não é “trabalho”, é manter a felicidade mútua e a dos outros, e a vossa simpatia é mesmo simpatia a minorar o sofrimento mútuo e o dos outros. É uma felicidade de vida que faz de vós sempre noivos.

 

Meus Amigos, amem-se profundamente. A felicidade do outro está acima da felicidade própria, e a felicidade própria decorre da felicidade do outro. Quando alguém morre a amar alguém que mora no seu coração, esse amor o sustenta numa vida eterna e gloriosa, porque assim como na morte a vida não acaba, apenas se transforma, o amor também ele é eterno e na morte não se apaga, apenas se transfere.

 

Sinceros desejos de muita saúde em longa vida. Em meu nome e em nome do PAZ.

 

 

 

LAURENTINO SABROSA    -   Senhora da Hora, Portugal

laurindo.barbosa@gmail.com



publicado por Luso-brasileiro às 12:05
link do post | comentar | favorito

PAULO ROBERTO LABEGALINI - SENTIMENTOS DE AVÔ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A saudade da minha netinha Luísa bate forte no peito e, há pouco, quando liguei pra ela, ouvi coisas assim: ‘Vovô, recebi a historinha que você mandou pra mim; comprou balinha pra me dar?; eu te amo, vovô!’

Emocionado por pensar nela e com vontade de vê-la novamente, fui olhar algumas ‘coisas de criança’ na internet e vi relatos engraçados que foram publicados na revista ‘Pais e Filhos’.

Primeiro:Uma menina estava assistindo aula e sua professora disse que era impossível uma baleia engolir um ser humano porque, apesar de ser um mamífero muito grande, sua garganta é pequena. Mas, a menina insistiu que a Bíblia relata que Jonas foi engolido por uma baleia. Irritada, a professora repetiu que a baleia não pode engolir nenhum ser humano. A menina, então, disse:

– Quando eu morrer e for ao céu, vou perguntar a Jonas.

A professora questionou:

– E o que vai acontecer se Jonas tiver ido para o inferno?

A menina respondeu:

– Aí a senhora mesma pergunta.

Segundo:Uma professora de creche observava as crianças de sua turma desenhando. Quando chegou perto de uma menina que trabalhava intensamente, perguntou o que desenhava. Ela respondeu:

– Estou desenhando Deus.

A professora contestou:

– Mas, ninguém sabe como é Deus!

Sem levantar os olhos de seu desenho, a menina respondeu:

– Saberão dentro de um minuto.

Terceiro:Uma menininha de sete anos admitiu calmamente a seus pais que Luis Miguel havia lhe dado um beijo depois da aula.

– E como aconteceu isso? – perguntou a mãe assustada.

– Não foi fácil, mamãe, mas três meninas me ajudaram a segurá-lo.

Quarto:Certo dia, uma menina estava sentada observando sua mãe lavar os pratos na cozinha. De repente, percebeu que a mãe tinha vários cabelos brancos que sobressaíam na sua cabeleira escura. Olhou para ela e lhe perguntou:

– Por que você tem tantos cabelos brancos, mamãe?

– Bom, cada vez que você faz algo de ruim e me faz chorar, um de meus cabelos fica branco –respondeu a mãe.

A menina, então, logo disse:

– Mãe, por que todos os cabelos de minha avó estão brancos?

Quinto:Um menino de três anos foi com seu pai ver uma ninhada de gatinhos que tinham acabado de nascer. De volta à casa, contou à mãe que havia gatinhos e gatinhas.

– Como você soube disso? – perguntou a mãe.

– Papai os levantou e olhou por baixo. Acho que ali estavam etiquetas escritas.

Sexto:Todas as crianças haviam saído na fotografia e a professora estava tentando persuadi-los a comprar uma cópia da foto do grupo:

– Imaginem que bonito será quando vocês forem grandes e disserem: ‘Ali está a Catarina, é advogada!’; ou também: ‘Este é o Miguel, médico’.

Ouviu-se uma vozinha vinda do fundo da sala:

– E ali está a professora. Ela já morreu!

Continuando a pesquisar na internet, eis o que achei:

Perguntaram a uma menina de cinco anos o que ela gostaria de ser quando crescesse. Ela respondeu:

– Gostaria de ser avó, porque os avós escutam e compreendem a gente. Além do mais, a família se reúne inteirinha na casa deles.  Minha avó, por exemplo, é uma mulher velhinha que não tem filhos, mas gosta dos filhos dos outros. Meu avô leva a gente para passear e conversa sobre pescaria e outros assuntos parecidos.

E continuou:

Os avós não fazem nada e por isso podem ficar mais tempo com a gente. Como eles são velhinhos, não conseguem rolar pelo chão ou correr, mas não faz mal. Levam-nos ao shopping e nos deixam olhar as vitrines até cansar. Na casa deles tem sempre uma mesa cheia de coisas gostosas! Passeiam conosco mostrando as flores, ensinando seus nomes, fazendo-nos sentir seu perfume. Avós nunca dizem‘depressa, já pra cama!’ ou ‘se não fizer logo, vai ficar de castigo’.

E não parou por aí:

Quase todos usam óculos e eu já vi uns tirando os dentes e as gengivas. Quando a gente faz uma pergunta, os avós não dizem ‘menina, não vê que estou ocupado?’. Eles pensam e respondem de um jeito que a gente entende. Não falam com a gente como se fôssemos bobos, nem se referem a nós com expressões tipo ‘que gracinha!’, como fazem algumas visitas. O colo dos avós é quente e fofinho, bom da gente sentar quando está triste. Todo mundo deveria tentar ter um avô ou uma avó, porque são os únicos adultos que têm tempo suficiente para nós.

Bem, acho que chega. É melhor rir para não chorar de saudade.

 

 

 

 

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI -    Escritor católico, Professor Doutor da Universidade Federal de Itajubá-MG. Pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária da UNIFEI.

 

Lançamento de livro:

Histórias Cristãs – Editora Raboni – Paulo R. Labegalini (www.raboni.com.br)

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:55
link do post | comentar | favorito

JOÃO BOSCO LEAL - VOCÊ ABUSOU

 

 

 

 

 

 

A dupla Antônio Carlos e Jocafi, totalmente desconhecida pela juventude atual, mas muito famosa quando eu era jovem, fez muito sucesso com uma música cujo refrão era: “Você abusou, tirou partido de mim, abusou”.

 

“Mas não faz mal, é tão normal ter desamor, é tão cafona, é sofredor, que eu já nem sei se é meninice ou cafonice o meu amor”, dizia a letra.

Hoje observo como essa letra está atualíssima, pois, realmente, na sociedade em que vivemos, parece ser cafona e sofredor amar alguém. O normal é ter desamor, não se apegar a nada ou ninguém.

 

Falar de amor, declarar-se apaixonado então, parece ser algo inimaginável atualmente, em virtude de “Se o quadradismo dos meus versos vai de encontro aos intelectos, que não usam o coração como expressão”.

 

“Você abusou, tirou partido de mim, abusou”, parece ser o único sentimento possível de ser recebido pelos que, como eu, ainda pensa sobre e procura um amor verdadeiro, como o daqueles tempos, quando se buscava uma companheira para conosco permanecer até o apagar das luzes.

 

“E me perdoe se eu insisto nesse tema, mas não sei fazer poema ou canção que fale de outra coisa que não seja o amor”, continua a letra, exatamente como eu diria àquelas que, atualmente, desprezam um verdadeiro amor.

 

Outro dia, em uma rede social, li que atualmente, “Os homens querem casar e as mulheres querem transar”, ou seja, está ocorrendo uma inversão enorme de valores entre os da minha geração e os da atual.

 

Mesmo que não seja para literalmente “transar”, parece que as mulheres - apesar de reclamarem do inverso -, estão mesmo é procurando sair, dançar e beber sem nenhum compromisso, sem se apegar a alguém.

 

Dão mais importância às saídas com suas amigas, colegas ou parentes do que com um pretendente a ser seu amor. Não pensam em seu futuro. E esse, penso, será o maior problema das que assim agem.

 

O tempo da diversão também pode ser curtido com um parceiro, e não exclusivamente com pessoas com quem não possua nenhum relacionamento amoroso. Esse tempo passará, elas se cansarão, procurarão um ambiente mais caseiro e aí, certamente você estará só. Seus filhos e netos estarão levando a própria vida e as atuais “amigas” já não estarão mais interessadas em noitadas, danças ou bebidas.

 

São fases da vida daqueles que não pensam em seu futuro e não poderão ser revertidas quando, já com mais idade, os interesses serão outros, mas não terá com quem viver maravilhosamente tão bem, como os que escolheram estar ao lado de alguém com quem construíram uma história, têm o que conversar e do que se lembrar.

 

Entretanto, a grande maioria não pensa assim e continua dançando e bebendo cada dia com um, sem pensar no amanhã e muitas vezes até zombando da minoria, que pensa diferente. Mesmo que de mim tirem partido, prefiro fazer parte desse pequeno grupo, dos eternos apaixonados.

E deixar que “o quadradismo dos meus versos vá de encontro aos intelectos, que não usam o coração como expressão”.

 

 

 

 

JOÃO BOSCO LEAL, é articulista político, produtor rural e palestrante sobre assuntos ligados ao agronegócio e conflitos agrários. Campo Grande, Brasil

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:46
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - AS CIGARRAS E AS FORMIGAS

 

 

 

 

 

 

 

 

Certa vez escutei, em entrevista a Manuela Ferreira Leite, esta asseverar: “ Qualquer boa dona de casa sabe governar um pais”. A fórmula é simples: Não gastar mais do que se recebe.

 

A nação não é mais que uma grande família. E, se a dona de casa deve cuidar para que nada falte, governando-se com o orçamento que tem, o mesmo deve fazer o Governo.

 

Ninguém, que não sabe governar bem sua casa, devia ser político, e muito menos ministro.

 

O que acontece, em alguns países, mormente no Sul da Europa, não é só devido à crise financeira internacional, mas ao facto de terem gasto o que tinham, com despesas, muitas desnecessárias, e não se precaverem para situações inesperadas.

 

Muitas famílias encontram-se em péssimas situações, porque quiseram ter tudo: o necessário e o supérfluo, de imediato.

 

Endividaram-se, recorreram ao crédito, para comprar: casa, carro, eletrodomésticos, roupas e viagens… e não tiveram cuidado de se precaverem para eventualidades.

 

 Dizem que Calouste Gulbenkian, o multimilionário, após a saída dos empregados, andava à cata de toquinhos de lápis, que estes tinham deitado fora, para reutilizá-los no aproveita lápis.

 

Contaram-me que no tempo de Salazar, após este ter pago a colossal divida, saiu uma ordem imanada dos CTT, para que os fios que atavam os maços de cartas, fossem reutilizados. Amarrando-os uns aos outros, fazendo novelos.

 

Parece-me exagero, quase sovinice, mas Salazar, talvez por saber como custa pôr as contas em dia, chegou a esse extremo.

 

Escritor francês, cujo nome esqueci, conta que havia em certa localidade, castelão rico, apelidado der avarento, porque aproveitava papelinhos e fósforos queimados e outras extravagâncias.

 

Uma vez houve um grande incêndio na aldeia, que deixou famílias na miséria. Fez-se peditório, e este doou quantia volumosa.

Perante o pasmo de muitos, explicou: “Foram os papelinhos e fósforos queimados e outras ninharias que permitiram, agora, ser tão generoso.

 

Sem economia, sem poupança, sem limitar gastos, sem investir bem, sem pé-de-meia, como faziam nossas avós, não há país ou família que progrida.

A crise abalou apenas economias deficientes, os que não imitaram o eleito de Deus, José do Egipto, os que não souberam investir corretamente, os que não puseram a render dinheiro e talentos.

 

Agora quem paga esses erros são as “formiguinhas” que veem os celeiros espoliados pelas cigarras, que passaram o Verão a cantar, não pensando no Inverno que se aproximava.

 

São as “formiguinhas, que labutaram uma vida para terem velhice tranquila, que pagam os erros das cigarras, que cantaram, dançaram e desbarataram dinheiro a rodos, no tempo das vacas gordas.

 

É sempre assim: quem poupa, quem amealha, quem trabalha para ter vida melhor, ou é espoliado por financeiros ou Estado.

 

As cigarrinhas, quando lhes falta alimento, assaltam os celeiros cheios e ainda reclamam e insultam quem, grão a grão, lhes vai enchendo o papo.

 

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -   Porto, Portugal



publicado por Luso-brasileiro às 10:45
link do post | comentar | favorito

EUCLIDES CAVACO - TRIBUNA DOS FADISTAS
 
 
 

 
 
 
 
 
Bom dia prezados amigos
TRIBUNA DOS FADISTAS Este tema declamado é um póstumo tributo ao nossos saudosos fadistas que poderão ver e ouvir na formatação e video seguinte:
http://www.euclidescavaco.com/Poemas_Ilustrados/Tribuna_dos_Fadistas/index.htm


Euclides Cavaco  - Director da Rádio Voz da Amizade.London, Canadá

cavaco@sympatico.ca
 
 
***
 
 
 
 

***

 

 

Lançamento do livro: "MARKETING EDUCACIONAL"

 

Dia: 6 de junho de 2013

 

Horário: a partir das 19h

 

Local: Livraria Saraiva - Shopping Diamond Mall - Belo Horizonte

 

 

 

 

 

Considerando a vida escolar de uma pessoa que terminou sua graduação, passam em torno de 100 professores. Pense em quantos passaram pela sua

vida e procure identificar quantos se tornaram realmente inesquecíveis. Pelos dados que obtive na pesquisa realizada e durante os cursos e palestras que ministrei nos últimos anos, pude determinar que este número varia em torno de 10% a 12% apenas.

 

 

 

Não é fácil se tornar inesquecível na vida de alguém!

 

 

Título:  MARKETING EDUCACIONAL - Desperte seus Talentos Pessoais e torne-se um Professor Inesquecível

 

Autor:  ALEXANDRE GOBBO

 

Editora:  WAK EDITORA - 168 páginas

 

ISBN:  978-85-7854-231-3  - 14x21cm

 

Valor 32,00

 

LANÇAMENTOS DA WAK EDITORA

 

NAS MELHORES LIVRARIAS

 

Mais informações sobre o livro e sobre o autor no site - www.wakeditora.com.br .

 

 

 

 

***
 

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 10:30
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 16 de Maio de 2013
JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI - 19 de MAIO, DIA DE SANTO IVO, O " ADVOGADO DOS POBRES "

 

 

 

 

 

 

Santo Ivo, francês, empregou a sua mocidade no estudo das letras e já adulto, no exercício da advocacia, dedicando-se com particular desvelo (sem  esperança alguma de interesse humano) à proteção dos miseráveis, órfãos e viúvos, a ponto de lhe outorgarem o título de "Advogado dos Pobres”, sendo posteriormente considerado o “Padroeiro dos Profissionais do Direito”. Celebra-se a  dezenove de maio, o DIA DE SANTO IVO, que faleceu nesta data, a mesma  em que também foi canonizado em 1390. Trata-se de um momento manifestamente oportuno para se meditar sobre os seus ensinamentos e sua obra, voltados ao desempenho no amor ao próximo e no cumprimento de suas missão de fé.

 

"Ó Deus de Misericórdia, dignai-vos a conceder-me a graça de desejar com ardor o que é de Vosso agrado, procurá-lo com prudência, reconhecê-lo com sinceridade e cumpri-lo com perfeita fidelidade para honra e glória de Vosso Nome. Amém". Assim rezava, no início de cada estudo ou trabalho, o santo  que hoje reverenciamos, recordando no aniversário de sua morte, há seiscentos e dezessete anos, o seu insuperável ensinamento duma vida inteira dedicada a fazer  o bem  e amar ao próximo.

 

         Nascido na Bretanha América em 1253, pertencente à alta nobreza da França, ele foi advogado, juiz e sacerdote da ordem franciscana. Durante toda a sua vida, lutou pelos direitos dos pobres, principalmente contra os senhores feudais e demais poderosos da época, tendo como magistrado, criado a isenção de custas para os necessitados, razão pela qual, muitos historiadores apontam-no como criador da Justiça Gratuita. O seu juramento, prestado na Catedral de Tregular, aos quatorze anos de idade, quando sagrado Cavaleiro do Santo Sepulcro, constitui-se num verdadeiro símbolo do Cristianismo:- "Juro pela pureza das minhas intenções. Quero ser a fortaleza dos fracos, dos humildes dos pobres e dos necessitados”.

 

          Sua atuação se pactuou no entendimento de que as virtudes do homem de Justiça são a probidade e a competência, comuns e naturais à atividade honesta e, principalmente, o amor à verdade, que desvenda e impõe a causa justa. Por isso, o seu primeiro mandamento recomenda aos advogados que recusem o patrocínio de causas contrárias à Justiça, ao decoro ou a própria consciência.

 

 

 

 

 

 

 

Destacando o patrono dos advogados, podemos dizer que enquanto instituição, a advocacia tem sido líder da cidadania. No exercício do Poder Judiciário, ela se revela em peça básica à consolidação do princípio constitucional de que todas as pessoas têm de solicitar o pronunciamento da função jurisdicional através do denominado direito de ação (art. 5º, XXXV da Constituição Federal). Tanto que a Carta Magna estabelece, em seu artigo 133, que “o advogado é indispensável à administração da Justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei”. Ao alçá-lo ao nível de “preceito constitucional”, o constituinte definiu-o para além de sua atividade estritamente privada, qualificando-o como prestador de serviço de interesse coletivo e conferindo a seus atos,  “múnus público” .

 

            De acordo com Roberto Busato, ex-presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, “não há outra profissão com status equivalente. Para alguns, trata-se de privilégio, mas, na verdade, trata-se de compromisso com a coletividade, verdadeira promissória social que assumimos ao proferir o juramento solene do advogado, que vincula o exercício da profissão, ente outras coisas, à defesa da Constituição, da ordem jurídica do Estado de Direito Democrático, dos direito humanos e da justiça social” (Folha de São Paulo – A-3- 22.09.2004).

 

Além das atividades que lhes são inerentes à profissão, por sua própria conduta social, o advogado desperta as mais nobres aspirações de liberdade e de defesa das instituições democráticas. Liderando e comandando uma eterna batalha em prol do bem estar da humanidade, ele se posiciona sempre na defesa, inclusive, em seus momentos mais críticos e históricos. Assim, rendemos nossas sinceras homenagens a esses profissionais, cuja missão é a de praticar aquilo que Santo Ivo fez em sua vida, como exemplo de dignidade e proteção aos oprimidos, revitalizando a advocacia como ação, como um constante préstimo aos valores que regem a conduta humana.

 

 

 

 

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI  é advogado, jornalista, escritor, professor universitário e autor de vários livros, entre os quais “Crônicas Jurídicas. Família & Casamento” (Ed. Litearte)

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:49
link do post | comentar | favorito

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - RESPEITÁVEL PÚBLICO

 

 

 

 

 

As integrantes da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala estranharam quando o prof. Jorge Valter Romualdo, que faz parte da diretoria da entidade, vestido de mágico, tratou-as como “respeitável público” e, em seguida, convidou uma delas para que fosse sua assistente naquela noite.

À medida que a música aumentava e elas acertavam o compasso com palmas, notava-se que viajavam pela magia da infância. Algumas delas, na faixa de sessenta ou setenta anos, chegavam a balançar as pernas, como se os pés, pela altura da cadeira, não conseguissem tocar o chão. Eu as observava. Vi-as na periferia de cidades distantes, com ruas de terra, pirilampos e córregos repletos de guarus, embasbacadas com o cartaz colado em algum poste ou muro, anunciando que o circo chegaria e com ele o palhaço, os trapezistas, o mágico... Pela impossibilidade de comprar ingresso, assim que a lona era armada, procuravam um ponto frágil que lhes possibilitasse entrar por baixo e, de algum canto, sem pipoca e algodão doce, aplaudir os artistas que brilhavam sob a luz dos holofotes.

A maioria delas ensaiava os primeiros passos na adolescência quando o circo foi embora de suas vidas. Alguém as derrubou do trapézio de sua história, sem rede por baixo. Passaram a significar a carne que dava prazer ou lucro a terceiros. Ao observarem o picadeiro de seus sonhos, com madeiras podres, jogadas em um canto qualquer, confundiam-se entre a culpa e o destino. Não conseguiam se perceber como vítimas e muitas ainda não alcançam essa verdade, que não mais deveria doer nelas, mas sim em seus algozes.

Naquela noite na reunião da Pastoral foi diferente. Sentaram-se em círculo e experimentaram a plateia e a arena. Ora eram a imagem melhor que lhes ficou das fantasias de criança, ora se tornavam espectadoras do fascínio das personagens que viam, antes que o mundo as sugasse para, mais tarde, descartá-las nas margens.

E como se sentiram felizes naquele momento raro em que a menina se sobrepôs à mulher adulta e restaurou pureza e emoção!

Ao final, da tampa de um recipiente de alumínio, surgiram inúmeros bombons. Os olhos brilharam e, em alegre alarido, cada uma foi buscar a sua parte de doçura.

Já tive também o meu tempo de espera que o circo chegasse. Residia em rua de terra, porém muito próxima ao centro. A diferença é que adentrava ao circo pela porta da frente, de mãos dadas com meus pais. A diferença está em ter experimentado a força do amor e do respeito que possibilita a paz.

E ver, das cadeiras numeradas do espetáculo de meus dias, aqueles e aquelas que espreitam um buraco na lona para conseguir instantes de magia, chama-me a fazer a minha parte na devolução da dignidade a quem, pelas misérias impostas, teve negado o direito ao livre arbítrio.

 

 

 

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE   - É coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala. Jundiaí, Brasil.

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:44
link do post | comentar | favorito

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - TÊNIS DE MOSCA

 

 

 

 

 

            De vez em quando, aparece, na minha casa, uma infestação de moscas, aquelas famosinhas, do Mendel, conhecidas como drosophila melanogaster ou simplesmente drosófilas. Elas surgem não sei de onde e sem dar sinais. É como se materializassem de repente, tal como geração espontânea, vindas do nada e em bandos.

            Por mais que tudo esteja limpo, asseado, arrumado, elas invocam com um lugar e começam a rotina asquerosa de depositar pequenos pontos marrons por todo local em que circulam. Eu até pensei que podiam ser ovos, mas descobri que, embora tenham a mesma origem na geografia corpórea, são outra coisa bem pior.

            Nem sei dizer o quanto elas me incomodam e me causam repugnância, por conta, sobretudo, dessa mania besta de seguirem pela vida deixando suas marcas. Durante muito tempo eu as persegui, buscando matá-las com tudo que estivesse ao meu alcance. Arremessei objetos, coloquei velas aromáticas (fedidas para elas!), comprei inseticidas especiais, instalei repelentes eletrônicos e quase tudo foi em vão. No máximo, eu as deixava atordoadas ou as espalhava...

            Em um dia qualquer, contudo, elas sumiam. Todas. De uma só vez. Pena que as“pegadas” delas não se apagavam no mesmo ato. Lá ia eu, então, com um pano úmido e algum líquido de limpeza, tentar dar um jeito nas paredes, espelhos, armários e mil outros lugares. Em alguns casos, passava mesmo era a tinta e sepultava “as coisas” sob camadas generosas e assépticas.

            Já fazia um tempo, assim, que as “mendelinhas” tinham evaporado. De vez em quando eu avistava alguma e já tratava de exterminar a bichinha com uma boa palmada. Há semanas, contudo, creio que na calada da noite, sorrateiras, os exércitos delas se fizeram anunciar em minha cozinha.

 

            Tratei de esconder as frutas, pois quem estudou Ciências sabe que essas dão a tais moscas outro de seus codinomes. Cobri os pães, coloquei fatias de limão com cravos da índia espetados, tudo para desviar delas a atenção. Novamente, tudo em vão. Pela manhã, até dentro da pia da cozinha elas estavam, em bandos, nojentas como sempre.

            Ao telefone, desabafei com minha mãe e ela me sugeriu comprar uma daquelas raquetes elétricas para matar pernilongos e afins. De início eu fiquei pensando se o fato delas serem miudinhas não impediria a eficácia da coisa, mas, como mãe não se contesta e de mãe não se duvida, ao menos não da minha (rs), eu tratei de adquirir a dita raquete.

 

            Logo no primeiro dia, descobrimos, em casa, um novo e empolgante esporte: o tênis de mosca! A cada estalido que denunciava uma drosófila morta, percebíamos que algumas batalhas, por fim, estavam sendo ganhas. Ao final da primeira sessão, tínhamos o chão forrado de pontinhos pretos e no rosto, um sorriso de vitória!   Dias depois, após explorados todos os recônditos da nossa casa, quase não há drosófilas dando sopa e nem outras coisas.

            Eu sou grata a elas pela valiosa contribuição para o conhecimento da genética, mas lá em casa, nesse quesito, agora, impera a lei do mais forte! E viva o tênis de mosca, modalidade não poluente e que ainda pode oferecer condicionamento físico. O que diria Mendel sobre isso?

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo.



publicado por Luso-brasileiro às 11:39
link do post | comentar | favorito

JOSÉ RENATO NALINI - MÃES SÃO ETERNAS

 

 

 

Mães não poderiam morrer. Na verdade, não morrem. Elas são mães para todo o sempre. Há muitas páginas sobre a maternidade. Todas elas glorificando a condição de quem se aproxima da missão divina. Para quem acredita no design criativo, tudo teve origem numa vontade superior. Nada surge do nada. Há uma primeira causa, há uma perfeição acima de todas as outras, há uma beleza insuperável. Essa causa primeira, de que todas as demais são consequências, se chama Deus.

 

O mistério da criação vai se refletir no mistério da maternidade. Alguém recebe uma centelha vital e, acolhendo-a com amor e zelo, propicia o seu desenvolvimento até que um novo ser chegue ao mundo. Esse alguém foi chamado “mãe”. A valorização dessa vertente é tamanha, que hoje é rotineiro se dizer que “Deus é Mãe”, em lugar do clássico “Deus é Pai”.

 

A cada vez que a mãe de amigos meus deixa esta peregrinação e adentra à eternidade, lembro, penso e muitas vezes repito um asserto que não é mera retórica: “Quem tem mãe tem tudo; quem não tem mãe não tem nada”.

 

Mãe é aquela pessoa que está sempre a favor do filho, esteja ele certo ou não. Amor incondicional, amor ilimitado, amor absoluto. Esse o sentimento que a maternidade suscita e que não é resultado de lições, nem de cursos especiais. As mães se convertem nesses seres de infinita compreensão e tolerância, assim que são fecundadas e passam a abrigar outra existência.

 

Infelizmente, integro aquele horroroso clube dos órfãos. No caso, órfão de mãe e de pai. Não há dia em que não sinta falta de ambos. Mas quando perdi meu irmão, chorei no colo dela. Igualmente, quando perdi meu pai. Quando ela partiu, fiquei sem colo. Velho, desmamado, mas imensamente empobrecido no reino afetivo.

 

Os felizes filhos que ainda têm mães vivas, tratem de cultivá-las com carinho. Não só no “Dia das Mães”, pois é delas todos os dias. Alguma vez elas deixaram de lado a maternidade? Nós, infelizes órfãos, cuidemos de honrá-las da forma que nossa consciência ordenar. Não é pelo fato de haverem nos deixado, que tenham também perdido a sua sublime e perene condição materna.

 
 
 
 
 JOSÉ RENATO NALINI é Corregedor Geral da Justiça do Estado de São Paulo, biênio 2012/2013. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.


publicado por Luso-brasileiro às 11:35
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links