PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 21 de Junho de 2013
FELIPE AQUINO - ESTADO LAICO OU LAICISTA ?

 

 

 
 
 
Fala-se hoje falsamente em nome
da laicidade
 

 

Cristo ensinou “dar a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”, isto é, o Estado e a Igreja têm atividades diferentes e devem atuar conjuntamente para o bem do povo. O Estado é laico, quer dizer, não professa uma religião específica, mas deve incentivar o valor religioso, que faz parte da grandeza e da dignidade do homem.

 

Laicidade, corretamente entendida, significa que o Estado deve proteger amplamente a liberdade religiosa tanto em sua dimensão pessoal como social, e não impor, por meio de leis e decretos, nenhuma verdade especificamente religiosa ou filosófica, mas elaborar as leis com base nas verdades morais naturais. O fundamento do direito à liberdade religiosa se encontra na própria dignidade da pessoa humana.

 

 

 

 

 

 

Infelizmente, mesmo em países de profundas raízes cristãs, como a Espanha, este laicismo radical e anticristão é notado com clareza. Um Estado que tenta impedir a vivência religiosa do povo, especialmente o Cristianismo, com uma ação hostil ao fenômeno religioso e a tentativa de encerrá-lo unicamente na esfera privada.

 

Tenta-se, assim, eliminar os símbolos religiosos mais tradicionais do povo, como que lhe arrancando as raízes. Ora, retirar, por exemplo, o crucifixo de nossos locais públicos, equivale a eliminar a nossa tradição cristã ocidental. Esse sinal sagrado é para nós o que há de mais importante, significa o respeito ao ser humano, a defesa da justiça, da honra, da caridade, da bondade, da pureza, da verdade, do amor. Quem pode ser contra isso? Que filosofia pode ir contra isso?

 

 

 

 

 

Como disse um dos personagens de Dostoiévski, em “Irmãos Karamazóvi”: “Se Deus não existe, tudo é permitido”. Se Deus não existe, então, eu sou deus; essa é a mentalidade laicista que se pretende impor mesmo aos cristãos, baseados numa falsa concepção de que Deus não existe e de que não se pode provar a existência d’Ele.

 

O Vaticano já chamou de “cristianofobia” a aversão ao Cristianismo, tanto no Ocidente quanto no Oriente. Esta expressão foi introduzida pela primeira vez no ano 2003 em uma resolução do Terceiro Comitê da 58ª Assembleia Geral da ONU, e que compreende os atos de violência e perseguição, intolerância e discriminação contra os cristãos, ou uma educação errônea ou a desinformação sobre essa religião [Cristianismo]. Por isso, hoje, em muitos países, os cristãos são vítimas de preconceitos, estereótipos e intolerâncias.

 

É uma ideologia racionalista e estimulada por poderosas instituições internacionais, como se pode constatar em uma breve consulta na internet. Algumas “fundações” no exterior destinam muitos recursos para esse fim.

 

Enfim, o laicismo que hoje vemos é o do Estado que caminha para se tornar um Estado com religião oficial e não um Estado laico: um Estado totalitário ateu, que quer eliminar Deus e a religião e que investe fortemente contra a liberdade religiosa. Um Estado cujo Deus é o individualismo, o hedonismo, o prazer material e a “liberdade” para aprovar tudo que desejar, sem restrições morais.

 

 

Cadastre-se grátis e receba os meus artigos no seu e-mail

 

 

 

No bojo do laicismo encontramos o que o nosso Papa Bento XVI tem chamado de “ditadura do relativismo”, que surge como uma consequência da “ditadura do racionalismo” ateu e materialista, e que elimina a verdade. Ora, a eliminação da verdade coloca o homem nas mãos do mais forte, do útil, da imoralidade.

 

Fala-se hoje falsamente em nome da laicidade, mas se pratica o laicismo para bloquear a vida e a atividade, especialmente da Igreja Católica, em sua realidade profunda e positiva.

 

 

 

 

FELIPE AQUINO   -   Escritor católico. Prof. Doutor da Universidade de Lorena. Membro da Renovação Carismática Católica.

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:30
link do post | comentar | favorito

JOSÉ RENATO NALINI - A VIRADA DO ARRASTÃO

 

Nunca fui favorável à “Virada Cultural”. Quem a defende sustenta que é a oportunidade do povo espairecer durante 24 horas, assistindo a shows, dançando, cantando e se desestressando. Notadamente em São Paulo, capital, insensata concentração de 20 milhões de habitantes, considerada a conturbação.

 

Gasta-se quanto com esse evento? E qual o seu fruto? O dinheiro não é pouco. Dinheiro do povo. Povo sem vacina ou atendimento digno na saúde, sem transporte público decente, sem educação, sem moradia, sem verde, sem qualidade de vida ou ambiente saudável.

 

Neste ano, houve arrastões e duas mortes. Facadas, tiros, agressões e muita, muita bebedeira. As explicações para esse resultado, acho que não entendi bem. Falou-se que “os ladrões foram atraídos”. É isso mesmo? Ou essa violência reprimida quando cada qual permanece no seu próprio bairro, vai desabrochar na concentração de um grande número de pessoas?

 

Na verdade, o Brasil é um país pobre. A pobreza continua, nada obstante o ufanismo da redução da miséria. Não fosse pobre e um boato em relação à “bolsa família” não teria ocasionado o caos no norte e nordeste, com pessoas depredando bancos e querendo receber fora do dia designado o seu auxílio-fome.

 

Pois São Paulo não é tão diferente. Há muitos ricos ali, mas os pobres são em número maior. Pobres não somente de meios materiais, mas pobres em educação, em cultura, em civilidade. Propicie-se uma agregação de milhares ou milhões de pessoas, todas submetidas a ritmos suscetíveis de exacerbação dos ânimos e o descontentamento com a falta de perspectivas desaguará em excessos de violência.

 

Será que a “Virada Cultural” não poderia ser feita durante o ano todo e de outra forma? Uma “Virada ética”, uma “Virada de civilidade”, uma “Virada de Teatro”, de literatura, de música erudita, de artes plásticas. Dir-se-á: o povo não gosta disso. É subestimar o povo. Dê-se a ele coisa de qualidade e ele corresponderá. Basta verificar o que os maestros conseguem na periferia com orquestras de jovens antes disso destinados a servir ao tráfico. Vamos pensar nisso e evitar mortes e arrastões. O futuro agradecerá aos detentores do poder de gastar dinheiro do povo.  
 
 
 
JOSÉ RENATO NALINI é Corregedor Geral da Justiça do Estado de São Paulo, biênio 2012/2013. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.


publicado por Luso-brasileiro às 11:24
link do post | comentar | favorito

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI - OS PROTESTOS REVELAM A INSATISFAÇÃO POPULAR COM A SITUAÇÃO GERAL DO PAÍS.

 

 

 

 

 

 

                   As constantes crises políticas   brasileiras, os escândalos de corrupção, a deficiente fiscalização e   regulação por órgãos e autarquias governamentais e mesmo boa parte dos   problemas sociais, inclusive a violência, têm um componente que continua   impenetrável: o poder econômico. Na verdade, o resultado mais latente de sua   influência é que relações de dominação e força, em vez de regras jurídicas   fundadas na moral e na ética, passam a ditar os relacionamentos entre as   pessoas.

 

                 Tais aspectos são evidentes   no nosso cotidiano e infelizmente vêm de cima para baixo, ou seja, muitas   autoridades e setores administrativos do país sucumbiram aos resultados   sociais e econômicos desta triste situação. O que ocorre atualmente no Senado   Federal, com salários e aposentadorias milionárias, demonstra cabalmente o   desrespeito com a população e com o erário público, sem que ocorram quaisquer   punições aos infratores, alguns inclusive, representantes eleitos pelo voto   popular.

 

                  O conselheiro federal da   OAB – Ordem dos Advogados do Brasil, Luiz Carlos Levenzon, há dois anos atrás,   em artigo publicado pelo jornal “Zero Hora”de Porto Alegre – RGS, com raro   brilhantismo já apontava aspectos que são manifestamente atuais:-   “Diariamente a sociedade toma conhecimento de atos que confrontam com a moral   e o direito. São novos na forma e na engenhosidade, e por até então estarem   ocultos. Tornam-se públicos quando divulgados pela imprensa, que desempenha   esta importante tarefa. Na substância, entretanto, não são originais. Ademais,   tornar públicos atos dessa natureza significa submetê-los à avaliação da   sociedade. Por isso, o desespero que se percebe entre aqueles que praticam   tais atos ilícitos. Enquanto ocultos, geram benefícios particulares. Tornados   públicos, acarretam a condenação moral pela sociedade. A censura social,   realizada pela crítica que se segue ao conhecimento destes atos, é legítima,   pois decorre da capacidade de indignação. Da não aceitação de condutas   reprováveis” (29.06.2007- p.24).

 

                 Com efeito, o nobre jurista conclama para   que as pessoas se levantem e repudiem energicamente situações em que recursos   públicos sejam desviados, e utilizados para atender interesses particulares e   tantas outras que contrariam princípios de Direito e sobreponham a própria   dignidade do povo em geral. “Na medida em que aumenta – prossegue ele - e vai   se tornando efetiva a participação do cidadão, se estabelece uma linha de   controle rigoroso e eficaz. O repúdio coletivo à ruptura de normas éticas é   perceptível. Não é admissível que faz-se a crítica pela via da generalidade,   mas com a ressalva da necessidade de preservação das instituições. O Estado   brasileiro tem ainda um enorme papel e desempenhar, especialmente para   cumprimento das determinações constitucionais de alcançar a justiça social, a   distribuição de renda e a erradicação da pobreza”.

 

                  Efetivamente, quem olha o   Brasil apenas em seu aspecto de desenvolvimento e conquistas econômicas   recentes pode até chegar à conclusão de que o país vive um de seus melhores   momentos históricos, o que, em parte, é verdade. Mas uma análise mais acurada   vem mostrar que, apesar dos avanços, o cidadão brasileiro continua assediado   de todos os lados por problemas que o impedem de desfrutar plenamente da   própria liberdade. É tudo por uma questão de falta de justiça social, que não   permite a todos igual acesso aos bens materiais e culturais, aos meios de   expressão e principalmente pelo mal e até inescrupuloso uso do dinheiro   público.


  É preciso, por isso, insistir para que a população não aceite os tenebrosos   quadros impostos pelo egoísmo de alguns de nossos políticos, incitando-a a   buscar uma consciência participativa. Para tanto, o brasileiro deve ser   orientado desde muito cedo a viver e a conviver com os demais indivíduos e ter   as mesmas possibilidades de atuação. Nesta trilha, não há espaços para o   comodismo, o conformismo e principalmente a aceitação pura e simples das   investidas contra o patrimônio público que precisa de melhor utilização na   edificação de uma Nação mais justa, com o desenvolvimento dos seus cidadãos   na procura da plenitude da vida. Desta forma, se quisermos uma sociedade onde   os valores máximos se embasem no caráter, na formação crítica, na educação,   na saúde de seus pares, faz-se necessário um esforço maior em fiscalizar,   cobrar e participar da vida pública.

 

                      Quem sabe assim,   poderíamos reduzir a nossa lamentável e excessiva impunidade, fazer justiça   com letras maiúsculas e eliminar da vida brasileira uma de suas manifestas   angústias, tão bem concebida por Rui Barbosa: “De tanto ver triunfar as   nulidades, de tanto ver crescer as injustiças, de tanto ver agigantar-se o   poder nas mãos dos corruptos, o homem chega a desanimar-se a virtude, a   rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto”.

 

 

 

 


JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI é   advogado, jornalista, escritor e professor universitário. É autor de vários   livros, entre os quais, “O Direito de Envelhecer num País ainda Jovem- Ed. In   House- 4ª. Edição).

 


publicado por Luso-brasileiro às 11:16
link do post | comentar | favorito

PAULO ROBERTO LABEGALINI - FELICIDADE CONJUGAL

 

 

 

 

 

 

 

Naquela noite, enquanto a esposa servia o jantar, o marido segurou sua mão e disse-lhe:

– Quero o divórcio. Nosso casamento acabou.

Ela ficou muito brava. Jogou longe os talheres e gritou:

– Você resolve isso sozinho? Você não é homem para enfrentar os nossos problemas?

Naquela noite não conversaram mais. Ouvia-se apenas ela chorando, sabendo que o coração dele não pertencia mais a ela. A mulher que ele conviveu pelos últimos dez anos tornou-se uma estranha.

No dia seguinte, após passar a tarde com outra mulher, o marido chegou em casa e encontrou a esposa sentada no sofá, à sua espera. Então, ela apresentou suas condições para o divórcio: não queria nada dele, mas pediu um mês de prazo antes de se separarem. Pediu ainda que, durante os próximos trinta dias, ele a carregasse no colo para fora da casa todas as manhãs, ao sair para trabalhar. Ele estranhou, mas concordou.

Quando a levou no primeiro dia, foi muito estranho. O filho pequeno os aplaudiu, dizendo:

– O papai está carregando a mamãe no colo. Viva!

Suas palavras causaram constrangimento. Ela fechou os olhos e falou baixinho:

– Não conte para o nosso filho sobre o divórcio. Ele tem provas para fazer e precisa de paz.

No segundo dia, foi um pouco mais fácil para os dois. Ela apoiou-se no peito do marido, que sentiu o cheiro do perfume que usava. Então, percebeu que há muito tempo não prestava atenção naquele aroma delicioso. Pensou que aquela mulher havia dedicado uma dezena de anos da vida a ele, sem nunca pensar em outra pessoa.

Nos próximos dias, foi virando rotina e, às vezes, até divertido. Ela havia emagrecido bastante, estava mais serena e bonita. Certa vez, o filho entrou no quarto do casal e disse:

– Pai, está na hora de você carregar a mamãe. Posso ajudar?

No último dia, quando a segurou, por algum motivo ele não conseguia mover as pernas. O menino já tinha ido para a escola e o marido pronunciou estas palavras:

– Eu não percebi o quanto perdemos da nossa intimidade com o tempo. Não quero mais me divorciar. Por favor, me perdoe, posso voltar a fazê-la feliz.

Ela tocou na testa dele e falou:

– Você está com febre? Mas, se quiser falar sério, saiba que nosso casamento ficou chato porque não soubemos valorizar os pequenos detalhes da vida; não foi por falta de amor.

Ele a carregou com muito carinho e foi trabalhar. No caminho de volta para casa, comprou um buquê de rosas e escreveu:  ‘Eu te carregarei em meus braços todas as manhãs até que a morte nos separe’.

Nas semanas seguintes ele ficou sabendo que a esposa estava muito doente e vinha se tratando há meses. Muito ocupado com outras mulheres, não houve tempo para se informar da enfermidade da esposa. E mesmo sabendo que morreria, ela quis poupar o filho dos efeitos do divórcio, prolongando a vida a três junto à família que constituiu. Valeu a pena porque, pelo menos aos olhos do filho, o pai era um homem muito carinhoso com a mãe.

Durou pouco tempo a felicidade que voltou a existir naquele lar. Ela se foi e restou a saudade que a grande mãe e dedicada esposa deixou. Se detalhes importantes ao casamento fossem valorizados, teriam plantado a felicidade com raízes mais profundas desde o início.

E foi pensando mais ou menos isto que escrevi o romance O Mendigo e o Padeiro; Editora Paco – uma história que retrata dois personagens em busca de um modelo de felicidade conjugal.

Dizer que todo casamento precisa de paz, de amor e de fé, não é novidade para qualquer pessoa. Há algum tempo, também tenho dito que não pode faltar o perdão, a verdade e a oração. Agora, porém, no livro, o mendigo e o padeiro descobriram coisas novas. Só lendo para saber mais detalhes da felicidade conjugal.

 

 

 

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI -    Escritor católico, Professor Doutor da Universidade Federal de Itajubá-MG. Pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária da UNIFEI.

 

Lançamento de livro:

Histórias Cristãs – Editora Raboni – Paulo R. Labegalini (www.raboni.com.br)

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:09
link do post | comentar | favorito

LAURENTINO SABROSA - O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO E ALGUMAS DIVAGAÇÕES A PROPÓSITO - XV

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tenho insistido na degradação a que chegou a nossa língua com a conivência de muitos e a indiferença de quase todos. O problema já é antigo. Nos meus primeiros artigos neste Jornal, eu relatei que a Imprensa Nacional-Casa da Moeda, dirigiu em Abril de 1981, a sessenta e oito escritores portugueses (romancistas, poetas, professores, críticos literários) uma circular, convidando-os a falarem da sua experiência e das suas opiniões de autores preocupados com a sua língua. Foram recebidas apenas dezassete respostas. A Casa das Moeda não quis fazer juízos de fundo sobre o significado das ausências, mas lamentou o facto de grande parte dos intelectuais contactados não estar interessada nem se preocupar com a defesa e o futuro da sua língua.

 

Como tenho mostrado, nada melhorou. Grande parte dos mentores e corifeus da nossa vida social e cultural, sente-se bem na categoria que lhe deram e não se sente na obrigação de se aperfeiçoar em nada, muito menos na rectidão da linguagem. Já ouviram dizer uma vez ou outra que muitos dos nossos intelectuais, deputados, ministros, críticos, locutores da rádio ou da TV, comentadores, etc., dão erros de toda a espécie, mas isso não é chuva que os molhe, nem vergonha que os faça corar. Tudo continua inalterado, alegremente, serenamente…

 

No segundo artigo desta série, eu manifestei a opinião de que quem deve pontificar na língua portuguesa somos nós, os portugueses, os que desde há alguns séculos caldearam essa língua, neste rincão que se chama Portugal. Somos nós que a devemos preservar e defender para a podermos “impor” como valor social, espiritual e cultural a todo o mundo. Mas, perante o panorama que se observa, perante a indiferença e apatia de grande parte de quem mais se devia interessar, torna-se lícito perguntar se os portugueses têm realmente esse direito de dar aos outros povos directrizes sobre a sua própria língua.

 

De facto, é uma realidade que o inglês está a ter uma hegemonia mundial e, pelo que se observa na internet, não somos só nós a permitir. Há, por exemplo, o “Dia Europeu das Línguas”, 26 de Set. de cada ano, dia com celebrações culturais em que teoricamente se procura o multilinguismo, ou seja, a conveniência de ordem social e cultural de cada cidadão europeu conhecer pelo menos duas línguas, para além da sua língua materna. Em Set. de 2011 celebrou-se o 10º.aniversário desse DIA, mas, pesquisando na internet, vê-se que o impacto na vida cultural portuguesa é praticamente nulo. Procurando referências a esse DIA de Set. de 2009, encontramos: “Em Bruxelas – ver: Relatório sobre as comemorações” ; convite em português mas o relatório está totalmente em inglês. Fala-se da intervenção de doutores e institutos (poucos…), mas não se vê concretamente em que consistiu essa intervenção. Procurando informações sobre esse DIA em 2012, aparece-nos a certa altura um quadro bem desenvolvido com os muitos países participantes, iniciativas tomadas, datas, locais e público a que se destinaram: estudantes, professores, tradutores, catedráticos, público em geral e mesmo crianças. A participação de Portugal é a mais modesta, para não dizer mesmo ridícula, pois foi apenas uma, destinada a …tradutores. De notar que todo este quadro está em inglês. Pelo exposto, não admira que entre nós tudo seja tão desconhecido e que, ao fim e ao cabo, o pretendido multilinguismo não passe de teoria pouco praticável de fracos resultados, do que o inglês é beneficiário.

 

Há em São Paulo, Brasil, não em Lisboa, um MUSEU DA LINGUA PORTUGUESA. Não é um museu-edifício, tal como o leitor pode estar a imaginar, mas uma ala dum grandioso edifício no centro daquela cidade, concretamente, na Estação da Luz. Se o leitor dispõe de internet pode pesquisar facilmente, e verificar que é um local condigno de cultura sobre a língua portuguesa, sob a tutela da Secretaria da Cultura do Governo do Estado de São Paulo. No dia 11 de Agosto de 2012, por exemplo, realizou-se mais um dos diversos eventos culturais, dessa vez um curso denominado MUNDO, LÍNGUA, PALAVRA. Para além dessas iniciativa culturais e às vezes artísticas, há a parte histórica e instrutiva sobre a formação da língua, desde os romanos, com a influência dos árabes e da era dos descobrimentos, não deixando de falar, como é óbvio, nas primeiras gramáticas, sendo mesmo a primeira a de Fernão de Oliveira, publicada em 1536, seguida pela de João de Barros em 1540. A internet informa que este MUSEU foi inaugurado em 20 de Março de 2006 e que até 28 de Dez. de 2012 tinha recebido mais de 2.900.000 visitantes. Tudo isto no Brasil, não em Portugal. Que deve haver no pensamento e no sentimento de um português que se preze? O leitor já conhece a minha resposta. Dê a conhecer a sua, a mim e aos seus amigos. É assunto pouco conhecido e falado, mas que devia ser muito falado e conhecido.

 

 

 

(continua)    

 

 

 

LAURENTINO SABROSA    -   Senhora da Hora, Portugal

laurindo.barbosa@gmail.com

                                                                 



publicado por Luso-brasileiro às 10:54
link do post | comentar | favorito

FRANCISCO VIANNA - CENTENAS DE MILHARES DE BRASILEIROS PROTESTAM NO PAÍS INTEIRO CONTRA OS GOVERNOS PELA FALÊNCIA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS

 

 

 

 

 

Uma expressiva parcela da população brasileira acabou indo, ontem, finalmente para as ruas a se manifestar no sentido de cobrar dos governos, tanto locais como regionais e nacional, que sejam revistas as suas políticas administrativas e suas agendas de prioridades do uso do dinheiro público ao longo de décadas de lentidão e incompetência governamental eivadas de extensa corrupção e práticas espúrias e inconstitucionais, principalmente depois que o PT (Partido dos Trabalhadores) chegou ao poder.

 

 

 

 

 

  Manifestantes ocupam a Praça da Sé, em São Paulo num movimento que não é de todo pacífico pela ação de pequenos grupos orientados e financiados pelos partidos de esquerda radicais e do próprio PT.

 

 

 

As manifestações, que se iniciaram na segunda feira, ganharam magnitude ao longo da terça feira de ontem, não só nas maiores capitais do país, mas em muitas outras cidades.

 

Tais manifestações, que no total envolveram mais de 250 mil pessoas, em outros tempos seria o bastante para, com o apoio das Forças Armadas, governantes serem destituídos e se restabelecer a ordem institucional no país, mas que, hoje, após extenso grau de aparelhamento do estado pelo PT e base aliada, este é um resultado que, apesar de muito esperado pelo povo, é difícil de ser realizado.

 

O contraste dos investimentos bilionários do governo para a Copa do Mundo da FIFA em 2014 e para as Olimpíadas em 2016 no Rio de Janeiro e a situação calamitosa em que se encontram os principais serviços públicos e a falta de infraestrutura num país que tem uma das mais altas cargas tributárias do planeta, tem sido o motor dessas manifestações de insatisfação social.

 

O aumento de vinte centavos de real na passagem dos ônibus em São Paulo, a maior cidade da América do Sul, serviu apenas de estopim para o extravasamento de tanta insatisfação e indignação há décadas reprimidas pelo povo. A subida da inflação, de aumento geral de preços e do custo de vida no país, paralelamente à farra com que os governos fazem com os recursos tributários agravada do alto enriquecimento ilícito evidente dos agentes públicos, acabou determinando toda a movimentação.

 

A presidente Dilma Rousseff, uma ex-guerrilheira comunista e que esteve presa durante o regime militar que governou o país de 1964 a 1985, que alegadamente a teria torturado, embora os dados conhecidos não confirmem isso, buscou imediatamente tirar proveito político dos protestos, apesar de o seu governo ser o alvo central das manifestações, assim como a Prefeitura da cidade de São Paulo. Dilma chegou a dizer que “o Brasil acordou mais forte hoje”, embora isso signifique que o prestígio dela e de seu partido tenha amanhecido muito mais fraco.

 

Dilma Roussef continuou seu discurso de capitalização dos protestos, afirmando ainda que “o tamanho enorme dos protestos de ontem demonstram a energia da nossa democracia, a força das vozes da rua e a civilidade de nossa população. As manifestações pacíficas são legítimas e fazem parte da democracia e é natural que os ‘jovens’ estejam insatisfeitos”.

 

O movimento inicial foi de maioria estudantil que luta por “Passe Livre” nos ônibus e trens do metrô em São Paulo, mas se fosse apenas isso, os protestos não teriam prosperado. De fato, as manifestações de insatisfação logo recrudesceram levando para as ruas um contingente cada vez maior de pessoas a reivindicar coisas muito mais importantes do que simplesmente a anulação de um aumento de vinte centavos nas passagens dos transportes coletivos.

 

O movimento de protestos hoje no Brasil envolve espontaneamente brasileiros de todas as idades e não apenas em São Paulo, mas em muitas cidades médias e grandes do país. Brasileiros, no exterior, também têm feito demonstrações contra o governo de Brasília, o que recebe a devida cobertura da grande mídia nacional. Exigem uma série de reivindicações das quais, todavia, se destaca uma: a da melhoria importante dos serviços públicos de saúde, educação, infraestrutura e segurança pública, que têm sido deploráveis, apesar dos governos arrecadarem uma das maiores taxas tributárias do mundo. 

 

Mesmo tendo a imensa maioria dos manifestantes vindo às ruas para protestar pacificamente, como soe acontecer, há uma minoria militante e organizada pelos partidos de extrema esquerda e, em alguns lugares, pelo próprio PT associado a eles, que promovem a baderna, o quebra-quebra, a destruição do patrimônio público e privados, mediante invasões, e choques diretos com as forças de segurança. Tais embates têm sido responsáveis pelos pouquíssimos casos de morte de ferimentos durante as manifestações, tendo havido casos de violência, como os do Rio de Janeiro, por exemplo, onde o choque de vinte policiais e dez manifestantes resultou em diversos feridos, da mesma forma como ocorreu em Porto Alegre e Belo Horizonte.

Já as manifestações nas cidades de Curitiba, Vitória, Fortaleza, Recife, Belém e Salvador contaram apenas com casos esporádicos e isolados de vandalismo e violência.

 

A onda de protestos acontece durante a realização da Copa das Confederações de Futebol da FIFA e quando falta apenas um mês para que o Papa venha visitar o Brasil, um dos países mais católicos do mundo. No ano que vem, o país sediará o Mundial de Futebol e em 2016 os Jogos Olímpicos que serão realizados no Rio de Janeiro.

 

Causa repugnância à maioria dos brasileiros conscientes que haja tanto dinheiro investido em estádios de futebol espetaculares e inúmeras obras acessórias em função dessas competições, enquanto as escolas, os hospitais, a segurança publica, os transportes públicos permanecem fora das prioridades governamentais, em estado de deterioração e falência, ao mesmo tempo em que a inflação aumenta e custo de vida foge do alcance do poder aquisitivo da maior parte da população brasileira.

 

 

 

 

Quarta feira, 19 de junho de 2013

 

 

 

FRANCISCO VIANNA  -   Médico, comentador político e jornalista  - Jacarei, Brasil.



publicado por Luso-brasileiro às 10:28
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 18 de Junho de 2013
HUMBERTO PINHO DA SILVA - DESCARAMENTOS

 

 

 

 

 

 

 

 

Estando na airosa cidade de Florianópolis, a subir ampla escadaria de pedra, que nos leva à Matriz, deparei com duas gentis meninas, que ofertavam colorido jornal.

 

Aceitei a gentileza, e agradeci penhorado, pensando tratar-se do periódico da diocese.

 

Entrei no templo, e verifiquei, que, depositado nos bancos, encontravam-se exemplares do periódico, certamente abandonados pelos crentes.

 

Ao sair, foi repousar no acolhedor jardim, que fica defronte. Abri o jornal, e para meu espanto verifiquei que era o órgão oficial de seita, amplamente espalhada no Brasil, e não só, que movimenta grossos milhões de reais.

 

Outro assunto:

 

Assistia à missa dominical num templo, na cidade do Porto De repente ouve-se tocar o telemóvel (celular). Circunvaguei os olhos e vi senhora, ainda jovem, erguer-se e encaminhar para junto do pórtico.

 

Nesse momento o sacerdote iniciava a homilia.

 

Perante a indignação dos presentes, a senhora atendia o telefone em alta voz, abafando as palavras do padre. Foi preciso a interferência de um crente, para que fizesse o favor de abandonar o templo.

 

Outra cena caricata, na igreja:

 

Num domingo, em Mogofores, entra senhora, de aspecto estrangeiro, na igreja, e começa a distribuir panfleto, solicitando contribuição para criancinha gravemente doente.

 

Decorridos minutos, recolhe o panfleto e donativos.

 

Tudo se passa durante o culto.

 

Desconheço se o peditório era para engrossar esperto, organização criminosa, ou para apoiar família que vivia momentos de grande aflição.

 

Estes exemplos mostram cenas frequentes nas nossas igrejas e são demonstrativos de abusos inclassificáveis, e falta de educação.

 

Poderia abordar outros casos reprováveis, ocorridos em lugares públicos. Como: o feio hábito de ouvir rádio, em altos gritos, nos transportes públicos; colocar os pés nos assentos, sem respeito pela conservação dos estofos, nem pelos passageiros que os vão utilizar, e muitos outros desconcertos.

 

Mas, por hoje basta.

 

 

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -   Porto, Portugal



publicado por Luso-brasileiro às 12:04
link do post | comentar | favorito

EUCLIDES CAVACO - FILHO DA NOITE
 
 
 
 
 
Olá prezados amigos
FILHO DA NOITE É o poema declamado que vos deixo esta semana que poderão ver e ouvir  aqui neste link:
http://www.euclidescavaco.com/Poemas_Ilustrados/Filho_da_Noite_Recita/index.htm

Desejos duma semana muito feliz para todos vós.
 

Euclides Cavaco  - Director da Rádio Voz da Amizade.London, Canadá

cavaco@sympatico.ca


publicado por Luso-brasileiro às 11:56
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 13 de Junho de 2013
RENATA IACOVINO - TEMPERANDO A VIDA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

            Amo temperos. Aquilo que dá sabor à vida. Vivifica o paladar, faz a gente ter um gosto...

 

            Vou revezando as temporadas. Ora me fixo mais no manjericão, ora no alecrim, ora no orégano, na sálvia, pimentas, ah, pimentas são um caso à parte.

 

            Temperar salada com cebola é muito bom, mas com alho bem picadinho, hummm.

 

            Sabe aquela expressão "pessoa sem sal"? Pois é, só agora compreendi o fundamento disto. Não é à toa. A mim me parece que as pessoas que não apreciam tempero são exatamente assim: sem sal. Insossas. Transmitem-me uma palidez de alma, um oco de espírito e... Bem, tudo isto são impressões minhas, apimentada que sou.

 

            O tempero tem cara de algo que nos torna quentes, próximos, solícitos, interativos. Uma pausa para o riso, pois isto também faz parte da temperança. Opa, esta palavra é interessante de se pesquisar. E talvez faça um gancho com o equilíbrio que os adoradores de temperos, na minha concepção ficcional, tenham. E me lembra meu ascendente, aquário.

 

            Quanto à falta de sal, bem, isto é um problema com o qual tenho que conviver atualmente. Pressão alta e sal não combinam, daí que passo a gostar de toda comida que está sem sal, uma cotradição face à minha história. Não cozinho, mas quando faço, não coloco uma mísera colher do dito cujo. E para compensar, busco, mais do que nunca, o auxílio de meus amigos temperos. Eles quebram um bom galho, mas verdade seja dita... não substituem.

 

            Sorte (por um lado) da nova geração, que aboliu o paladar para temperos e tem como referência sabores artificiais, já que hoje tudo é congelado, industrializado, quase pronto, pronto, com aroma disso, cheiro daquilo, mas nunca é o que deveria ser! E se alguém tentar ousar essa linha limítrofe, será reprovado pela ausência de paladares rebeldes, que se enterram nos fast foods, v erdadeiros deuses adorados por quem perdeu, sem nunca ter tido, o sabor de infância.

 

            Na vida vamos em busca de novos temperos, salpicando uma erva aqui, outra ali, experimentando as combinações e ganhando novas experiências, pois elas são infindas.

 

            Só não é possível ficarmos passivos, insossos, como se nascimento e morte significassem a mesma coisa, produzissem a mesma expressão...

            Comer é sagrado. Viver também!

 

 

 

Renata Iacovino, escritora, poetisa e cantora / reiacovino.blog.uol.com.br /
reval.nafoto.net / reiacovino@uol.com.br

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 12:13
link do post | comentar | favorito

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - A VIDA E O DIREITO À SUA DIGNIDADE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Duas notícias, na semana passada, pelo respeito que tenho pela vida humana, me incomodaram e muito. Uma foi sobre o Conselho Nacional de Direitos da Mulher (CNDM) estar elaborando um documento com argumentos contrários a um projeto de lei que prevê a criação do Estatuto do Nascituro. O regulamento classifica que o embrião já é um ser humano desde sua concepção, e que ele tem direitos como qualquer pessoa, mesmo que não tenha nascido. Não tenho dúvida alguma de que, a partir da fecundação, já existe um novo ser, mesmo que oculto nas entranhas maternas. Alguém surgiu sem a fecundação do óvulo? Provocar a morte de um bebezinho, que ainda não veio à luz, seja na circunstância que for, é barbárie, assim como defender e legalizar que o útero materno se transforme em filial de campos de extermínio.

Sei que muitas mulheres, em situação de desespero, por motivos diversos, tiveram um aborto provocado, com a culpa também do pai da criança - de relações irresponsáveis - e de quem as ajudou a isso. Arrependidas, buscaram o perdão de Deus. E o Senhor, que é misericórdia e compaixão, diante do pesar pela falta cometida e do propósito de não voltar a praticá-la, perdoou-as inteiramente. Abraçarão o filho na Eternidade. Mas o drama de consciência não é argumento para se defender a sentença de morte a alguém que vive no corpo da mulher, porém possui individualidade. Considero inaceitável a justificativa de que a mulher, por ser a dona de seu corpo, tenha direito a destruir o mais frágil que a habita por nove meses. De gruta de amor, a mãe se transforma em covil peçonhento.

A outra notícia foi sobre o Dia Internacional das Prostitutas, comemorado em dois de junho. O diretor do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle de Doenças Sexualmente Transmissíveis do Ministério da Saúde, chegou a divulgar, nas redes sociais, uma campanha com a mensagem: “Sou feliz sendo prostituta”, com o objetivo de reduzir o estigma da prostituição associado à infecção pelo HIV. Somava-se à campanha o tema: “Sem vergonha de usar camisinha”. O Ministro  Alexandre Padilha, exonerou o referido diretor e retirou as peças do site do departamento. Segundo Padilha, mensagens assim devem ser dirigidas a um grupo específico. Embora a Associação de Prostitutas de Minas Gerais protestasse contra o Ministro, é possível ser feliz, no que diz respeito às mulheres pobres em situação de prostituição, ao cair nas malhas do comércio do sexo, vitimadas pela violência sexual infanto-juvenil, pela miséria ligada à promiscuidade sexual, por ser filha de uma família desajustada, pela dependência química? É possível ser feliz numa história de consumo do corpo, convivendo com taras e relacionamentos descartáveis? É possível ser feliz na perspectiva de, em dez anos ou um pouco mais ou menos, se transformar em bagaço nas sarjetas do mundo?

Dentre os comentários sobre o assunto, no site da Globo  - Ciência e Saúde -, um leitor escreveu que, em campanha dos pedófilos, o tema seria: “Trago a felicidade precoce”. Que horror! Mas enquanto as sensações na pele estiverem acima do respeito pelo ser humano – criado à imagem e semelhança de Deus - e sua dignidade, muitas vidas se perderão nos aterros mantidos pelos que têm poder maior de decisão e são adeptos do uso e do abuso de pessoas e do extermínio de pequeninos.

 

 

 

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE   - É coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala. Jundiaí, Brasil.

 



publicado por Luso-brasileiro às 12:09
link do post | comentar | favorito

JOÃO BOSCO LEAL - O OUTRO LADO

 

 

 

 

 

Do nascer ao por do sol, em locais planos, ondulados ou com serras, naturais ou já repletos de construções, durante a vida nossos olhares alcançam milhares de horizontes com inimagináveis possibilidades de diferenças, mas nunca iguais.

 

Admirando-os, cada um os vê de uma forma, enxerga outro detalhe, outra cor ou sombra. E independentemente do lado para o qual nos dirigimos, a cada passo, o que se vê é alterado, surgem novas imagens e possibilidades.

 

Assim é a vida, repleta de escolhas que podem e devem ser realizadas a cada momento, cada passo, diariamente. Todos possuem, igualitariamente, a chance de optar para que lado, quando e como seguir seu caminho.

 

Alguns são mais difíceis que outros, mas geralmente recompensam melhor quem por eles seguiu, como as montanhas, de difícil escalada, mas a vista de quem atinge seu cume jamais será admirada por quem não a subiu.

 

Alguns horizontes estão tão distantes que muitos sequer tentam alcançá-lo, permanecendo onde estão por julgar ser aquele um bom lugar para se estabelecer e lá interrompem sua caminhada.

 

Perdem a chance de, alcançando aquele ponto que parecia distante, admirar novas paisagens, oportunidades e aí sim, escolher entre estas ou aquelas, que para trás deixou.

 

Depois daquele horizonte pode haver campos mais férteis, água em abundância, riquezas diversas ou até algo ainda desconhecido aos outros seres humanos.

 

Lá poderemos encontrar o que sempre buscamos, motivo pelo qual sempre terão mais chances aqueles não medem esforços em busca de novos horizontes, físicos ou culturais.

 

Nas oportunidades surgidas, são as decisões pessoais, escolhas dos que possuem mais ou menos coragem, ousadia e disposição para lutas e sacrifícios, que determinarão o sucesso ou o fracasso de cada um, como pode ser facilmente observado nos imigrantes nordestinos.

 

Muitas vezes estamos cansados das tentativas fracassadas, das quedas, dos caminhos já percorridos e das dores sentidas, mas será a determinação por alcançar o objetivo que nos levará um passo adiante, uma nova caminhada e ao sucesso.

 

Entretanto, é muito comum vermos pessoas que erraram, caíram ou se perderam e não buscam acertar, se levantar, reencontrar o caminho certo e ao recebem ajuda, pequena, um simples apoio, algumas continuam por si, enquanto outras insistem em permanecer no erro.

 

A educação pode incentivar ou desestimular o interesse das pessoas pelo crescimento cultural, financeiro e social, assim como o poder aquisitivo facilita ou dificulta as realizações, mas não as impedem.

 

Porém, o tamanho da ambição de cada pessoa e em todas as camadas sociais é totalmente distinto. Isso pode ser facilmente verificado entre garis, juízes de direito, médicos, advogados, engenheiros, qualquer outro profissional ou entre pessoas sem cultura.

 

Em todas as áreas, só obtém sucesso aqueles que por ele lutam, enquanto aqueles que não buscam acabam perdendo a oportunidade de alcançá-lo.

Nada virá ao encontro daquele que não se dispôs a explorar o que existe do outro lado.

 

 

 

JOÃO BOSCO LEAL, é articulista político, produtor rural e palestrante sobre assuntos ligados ao agronegócio e conflitos agrários. Campo Grande, Brasil.

 



publicado por Luso-brasileiro às 12:03
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 12 de Junho de 2013
JOSÉ RENATO NALINI - QUEM QUER FAZ

 

 

 

 

Todos sabem que a educação no Brasil está um desastre. Nada obstante seja indiscutível que ela é o maior problema brasileiro, continuamos a tatear em uma absoluta ausência de estratégias exitosas. Não é falta de verba. É o seu mau emprego. É a desvalorização da carreira de professor, não só pelos salários, mas ainda pela falta de respeito que não sensibiliza os pais.

Houve tempos em que o mestre era uma autoridade. Hoje, é um ser ameaçado de exoneração ou, mais ainda, temeroso de apanhar dos alunos. Ou de seus pais, porque estes pensam que por pagarem a escola, são patrões dos professores.

Mesmo assim, há quem resista. E o faz heroicamente. Um deles é Braz Rodrigues Nogueira, que consertou uma realidade em Heliópolis. É diretor da Escola Municipal “Presidente Campos Salles”, em São Paulo. Chegou lá em 1995 e encontrou a violência disseminada. A praça diante da escola era mercado de drogas e cenário de estupros. Havia agressões físicas entre alunos todos os dias. Em 1999, uma aluna foi assassinada. Foi aí que o professor Braz iniciou caminhadas pela paz nas ruas e investiu num programa de aproximação do colégio com a vizinhança.

Trouxe os pais para discutir melhorias. Eles começaram a se interessar pela escola. Em 2002, houve um furto de 21 computadores. Alertou a vizinhança e eles foram devolvidos. Em 2010, inaugurou o Centro de Convivência Educativa e Cultural de Heliópolis.

Foi um homem só que, a partir de um sonho, conseguiu motivar a comunidade. Isso pode fazer a diferença. Por que há escolas em bairros pobres que não são pichadas,  há um clima de camaradagem, as pessoas são mais felizes do que em outras regiões semelhantes? É a vontade de diretores ou professores que ainda acreditam em sua missão. Claro que ninguém é inocente nessa questão educacional brasileira. Estado, sociedade, família e indivíduos têm responsabilidade.

Mas o exemplo de Braz Rodrigues Nogueira evidencia que a maior receita é a vontade. Quem quer faz a diferença. Quem não quer, continue a lamentar e a esperar que ocorram milagres. Pois só milagre para salvar a política pública da educação brasileira.

 

 

 

JOSÉ RENATO NALINI é Corregedor Geral da Justiça do Estado de São Paulo, biênio 2012/2013. E-mail: jrenatonalini@uol.com.br.



publicado por Luso-brasileiro às 11:58
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links