PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quinta-feira, 6 de Junho de 2013
FAUSTINO VICENTE - A NATUREZA NÃO RECLAMA, VINGA-SE

 

 

 

 

 

 

A palavra grega ISO,que significa igualdade, é a sigla da International Organization for Standardization, ou seja,  Organização Internacional para Normalização, fundada em 1947, e localizada em Genebra, na Suíça. Trata-se de uma entidade não-governamental que edita uma série de normas técnicas, reconhecidas internacionalmente, que visam padronizar e melhorar a qualidade de produtos e serviços de empresas do mundo todo. Milhares de empresas, de mais de uma centena de países, têm investido na busca de um Certificado de Qualidade ISO. Ela pode ser entendida como: – escreva o que e como você faz, e faça como você escreveu.

 

Do elenco de normas existentes daremos destaque, nesta oportunidade, para a ISO14.001 – Sistema de Gerenciamento Ambiental –, que objetiva prevenir, eliminar ou minimizar os efeitos nocivos ao meio ambiente causados por empresas privadas e públicas. Os passos para a implementação desta norma estão assim definidos: 1.) Comprometimento e definição da política de meio ambiente – 2.) Planejamento do sistema de gestão ambiental (SGA) – 3.) Implementação do SGA – 4.) Medições e avaliações e, 5.) Revisão e melhorias contínuas. Conscientizar, envolver e comprometer – do presidente ao servente – é de fundamental importância para que o SGA atinja as metas pré-estabelecidas. Acompanhar rigorosamente, e validar, cada uma das etapas do processo operacional da fabricação de produtos, e da prestação de serviços, é procedimento obrigatório para garantir o equilíbrio do meio ambiente e a  melhoria continuada da qualidade de vida.

 

Para que o SGA seja bem-sucedido é recomendável fazer um diagnóstico através do diagrama dos 7Ms: 1.) mercado, 2.) mão-de-obra, 3.) matéria-prima, 4.) máquinas, 5.) método, 6.) medição e 7.) meio ambiente. Essa análise crítica nos levará a reduzir as possibilidades  de poluição, reutilizar parte do que já foi usado, reciclar todo tipo de sucata e reinventar novos processos operacionais para a fabricação de produtos e prestação de  serviços. A agressão ao meio ambiente é, também, um desrespeito à massa consumidora, que está tendo a sua percepção despertada para recusar produtos e serviços de empresas ecologicamente incorretas.

 

Os gravíssimos problemas que estão ocorrendo com o aquecimento global não devem ser atribuídos apenas á uma parcela da classe empresarial, pois os governantes, também, têm a sua parte de responsabilidade na degradação do meio ambiente. Políticas públicas ineficientes, fiscalização insuficiente, investimentos em saneamento básico aquém das necessidades, excesso de burocracia e corrupção, são  fatores da mesma equação – ações públicas ineficazes.

 

Além da iniciativa privada e dos órgãos públicos cabe, a cada um dos seis bilhões e seiscentos milhões de habitantes do planeta azul, a sua cota de responsabilidade pela preservação do meio ambiente. Combate de desperdício de toda espécie, redução do volume de lixo, coleta seletiva, jogar o lixo no lixo, incentivos á cooperativas de coleta e implementação da CIPRAM – Comissão Interna de Preservação Ambiental são medidas indispensáveis á qualidade de vida. A educação pode contribuir para que tenhamos maior consciência sobre a chamada - Pegada Ecológica, que significa o “quanto da terra produtiva, área florestal, energia, habitação, água, mar, urbanização e capacidade de absorção dos dejetos cada pessoa necessita, para viver de forma minimamente digna. A esse conjunto de fatores, Martin Rees e Mathis Wackermagel, deram o nome de pegada ecológica, cujo estudo indica 2,8 hectares para cada pessoa”.

 

Numa simples reflexão sobre alguns textos da Bíblia (Gênesis 1, 24-31 + 2,1-19 e Deuteronômio 8,7-10), podemos encontrar referências  sobre a preservação do meio ambiente, desenvolvimento sustentável do ser humano e a destinação social dos recursos naturais da terra. Esse Livro Sagrado prevê, até, punição para os que destroem a Terra (Apocalipse 11:18).

 

 

 

 Faustino Vicente  -  Consultor de Empresas e de Órgãos Públicos, Professor e Advogado – e-mail: faustino.vicente@uol.



publicado por Luso-brasileiro às 12:10
link do post | comentar | favorito

FRANCISCO VIANNA - O QUE HÁ POR TRÁS DAS MANIFESTAçÔES VIOLENTAS DE PROTESTO NA TURQUIA

 

 

 

 

 

Aparentemente, a demolição planejada de alguns prédios, a remoção de árvores e alguns jardins e mudanças consideradas execráveis de locais históricos e de valor cultural em praças do Parque Gezi, serviram de motivação para que um grupo de ‘ambientalistas’, quase todos jovens, se reunisse na Praça Taksim, em 28 de maio último, na turística Istambul, para uma manifestação pacífica de protesto, que acabou tornando-se progressivamente violenta na noite do dia 30, depois que a polícia tentou dispersar uma concentração que já passava de cem manifestantes.

 

 

 

 

  

Manifestantes turcos se ajuntam na Praça Taksim em Istambul neste 1 de junho. (AFP/Getty Images)

 

                No início, a movimentação foi organizada, logo no dia seguinte ao que começou, por altos representantes do Poder Judiciário do país, juntamente com figuras do principal partido de oposição ao governo (o secular Partido Popular Republicano – PPR) e as mensagens da manifestação eram de protestos ambientalistas em defesa das árvores do Parque Gezi e de gritos e cartazes condenando e exigindo a renúncia do Primeiro Ministro Tayyip Endorgan por um rosário de queixas. Coros antigovernamentais incluíam "Abaixo o ditadora Endorgan”, ou "Tayyip, peça demissão", ou ainda “O povo unido contra o fascismo".

Com a ação truculenta da polícia, os protestos também cresceram rapidamente tanto em veemência quanto em agressividade e, após o fim de semana, no dia 1º de junho, a massa de manifestantes já era de mais de dez mil pessoas reunidas na Praça Taksim, com muitos deles vindos do distrito de Kadikoy, um reduto do PPR, no lado asiático de Istambul, atravessando a ponte sobre o estreito do Bósforo, batendo panelas e fazendo algazarra em aberto desafio às leis contra a passagem de pedestres pela ponte. Alguns deles chegaram a jogar coquetéis Molotov, fogos de artifício, e pedras contra a polícia, que revidou com gás lacrimogêneo, canhões d’água e balas de borracha contra os manifestantes. Este rápido movimento de condenação ao governo fez com que as autoridades retirassem temporariamente a polícia do local, o que permitiu que mais manifestantes chegassem para engrossa a ruidosa turba.

A resposta de Erdogan foi contundente e desafiadora, embora admitindo que a polícia tivesse feito uso excessivo da força e ter pedido uma investigação sobre o fato. Declarou que não "toleraria a ação de extremistas selvagens que agem por motivos ideológicos", em oposição ao “movimento ambiental" e que “iria mobilizar para as ruas um milhão apoiadores do seu regime para cada cem mil manifestantes contrários”. O resultado foi que cerca de cinco mil manifestantes apedrejaram o escritório do Primeiro Ministro, no bairro de Besiktas, em Istambul.

Fortes chuvas mantiveram os manifestantes fora da Praça Taksim, na manhã de domingo, dia 2 de junho, exceto algumas dezenas que se reuniam em torno de fogueiras.

Mais manifestantes começaram a chegar à Praça no período da tarde, enquanto Erdogan fazia outro discurso desafiante e culpava o PPR pela agitação e prometia prosseguir com os planos de desenvolvimento urbano. Houve então confrontos de manifestantes com a polícia e o pau comeu com cerca de mil pessoas presas e dezenas feridas.

 

 


 

 

Mapa do alastramento das manifestações na Turquia de 30 de maio a 2 de junho de 2013

 

Até onde o primeiro Ministro Endorgan pode ir? Espera-se que ele não volte atrás com as reformas urbanas que decidiu fazer. Até anteontem, 1º de junho, as manifestações tinham crescido e se alastrados por diversas províncias (estados) da Turquia, tais como Izmir, Eskisehir, Mugla, Yalova, Antalya, Bolu, Adana, Ancara, Kayseri e Konya . Muitas delas são redutos do PPR e de onde se esperam que os protestos incluam um número cada vez maior de adeptos. Entre essas províncias, destacam-se Konya, Kayseri e Ancara, fortes núcleos de apoio ao governo também através do Partido da Justiça e Desenvolvimento.

Tai protestos, até agora, não indicam que o partido de Erdogan esteja sob risco sério ou iminente de sair do poder, mas revelam os limites da ambição política do Primeiro Ministro. Erdogan está tentando ganhar votos de um processo de paz lento e extremamente frágil com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão para lhe angariar o apoio necessário para levar adiante um referendo de reforma constitucional. Tal referendo transformaria a Turquia de um sistema parlamentarista para presidencialista e, pois, habilitaria Erdogan, cujo mandato de Primeiro Ministro termina em 2015, a continuar liderando o país como presidente depois de 2014, quando haverá no país eleições presidenciais.

Tendo em vista a coalizão do Partido Popular Democrata (PPD) e os que são pró-paz com os curdos com o PPR pelos atuais protestos, o fato parece não aborrecer Erdogan ou prejudicar o seu plano de confiar naqueles votos no referendo. Embora o Partido da Justiça e Desenvolvimento, que ainda é o mais popular da Turquia, principalmente entre a maioria conservadora da população da Anatólia interior, até o momento não enfrenta um adversário político de peso para as eleições legislativas locais de outubro próximo bem como para as eleições parlamentares nacionais de 2015, e a manobra política de Erdogan para se tornar presidente deverá enfrentar uma resistência maior.

O principal partido da oposição secular ao governo está alarmado com as políticas de Erdogan que comprometem os princípios que regem o núcleo do estado turco, de acordo com a definição de do ‘Kemal Ataturk’.

A partir de medidas sociais que proíbem a venda de álcool depois das 10 horas da noite e de medidas de política externa pelas quais a Turquia tenta moldar e influenciar grupos rebeldes islâmicos na Síria, tais políticas prejudicam diretamente o mandato ataturquiano pelo qual o país deva permanecer sendo secular e evite extrapolar as fronteiras da república.

Mas a crescente dissidência contra o partido governamental não é uma simples divisão do secularismo islâmico; a percepção que cresce entre um crescente número de turcos é a de que o partido está buscando uma forma agressiva do capitalismo que desafia as considerações ambientais, bem como ignora valores islâmicos. Dentro dos círculos de negócios, a frustração está tomando conta de um número de concessões distribuídas a aliados mais próximos de Erdogan, fazendo crescer a dissidência.

O estado turco está, pois, polarizado e isso fica evidente no relatório oficial dos protestos no do Parque Gezi. As manifestações parecem ter dado um pouco mais de coragem aos jornais que criticam o governo, como o Hurriyet, que reassumem uma postura antigovernamental que era meio invisível nos últimos anos em que Erdogan tem procurado domar a mídia nacional. O Hurriyet tem transmitido a "derrota" de Erdogan com manchetes como tais como “Erdogan não é o Todo-Poderoso".

No outro extremo do espectro político, a notícia financiada pelo Estado e divulgada pela agência Anatólia reporta que os protestos são consequência de uma "briga" entre o fogo de artifício lançando pelos extremistas jovens contra a polícia e a afirmação de uma mensagem democrática, pela qual, o governo permitiu que o PPR levasse adiante as demonstrações em Taksim.

Já o relato das fontes de apoio tradicionais do Partido Desenvolvimento e Justiça, é muito mais interessante. O jornal Yeni Safak, governista, condenou o projeto do parque e simpatiza com os manifestantes e o mesmo foi lido no jornal Zaman, dirigido por seguidores do movimento islâmico moderado ‘Gulen’. Os gulenistas formam um componente crucial da base governista, mas também mantém uma distância ‘segura’ do partido no poder. O movimento tem sido cada vez mais crítico a Erdogan, sugerindo fortemente que ele e seu partido tornaram-se hipertrofiados. Em editoriais do jornal, Erdogan é advertido pelo seu comportamento "excessivo" e defende em tese os manifestantes.

Muito embora a dissidência esteja crescendo, Erdogan e o Partido do Desenvolvimento e Justiça tem ainda um apoio substancial da base partidária que lhe dá governabilidade. A oposição continua a carecer de potencial de credibilidade alternativa (as eleições locais de outubro próximo irão, provavelmente, nos dizer o quanto de apoio o partido ainda dispõe).

Concomitantemente, a Turquia busca uma agenda externa altamente ambiciosa, que prevê a paz negociada com o Curdistão e seus militantes e a construção de oleodutos no Iraque e no Curdistão para tentar manter afastados os ataques de militantes apoiados pela Síria.

A Turquia se achava também altamente constrangida na busca de tais objetivos de sua política externa, mas têm um papel secundário nas políticas de desvio de atenção do povo turco internamente, uma vez que Erdogan prioriza os desafios de crescimento doméstico enquanto que adversários externos, como a Síria tentam tirar vantagem das preocupantes forças de segurança turcas e tentar patrocinar mais ataques dentro da Turquia.

Terça feira, 4 de junho de 2013

 

FRANCISCO VIANNA  -   Médico, comentador político e jornalista  - Jacarei, Brasil

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:58
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - O DESEJO DA IMORTALIDADE

 

 

 

 

 

 

 

Não recordo quem disse, que para o ser humano sentir-se realizado, deve concretizar três desejos: um filho, escrever um livro e plantar uma árvore.

São três modos, a seu alcance, para se perpetuar.

 

O jeito mais sublime, é sem dúvida, conceber a criança, carne de sua carne, a quem legue, nome e valores que acredita.

 

Mas nem sempre o filho perpetua a memória do gerador. Há quem despreze os pais, mormente se estes são de origem modesta; e os que aproveitam o casamento para se libertarem de sobrenomes “indesejados “.

 

O melhor meio de “permanecer”, após a morte física, é, a meu ver, escrever o livro. Nele deixa-se: o pensamento, reflexões e o estilo, que é um pouco da alma.

 

Infelizmente, o livro também morre. Morre nas estantes das bibliotecas, vítima de enfermidades de papel, ou esquecido como mono, manchado pela humidade, em escuros armazéns de livreiros.

 

Sei bem que pode haver reedições, mas isso acontece a poucos, aos que ascenderam ao estrelato; a maioria desaparece, comidos pelas traças e bichinhos indesejáveis.

 

Resta, finalmente, ao infeliz mortal, a árvore, já que esta permanece dezenas e até centenas de anos; e todas as primaveras se touca de graciosas flores e frutos, se for frutífera.

 

Mas a árvore não é eterna, e raras vezes, quem a observa, se lembra de quem a plantou e ajudou-a a crescer.

 

É humano o desejo de perpetuar-se, mas a melhor forma de o fazer, é a prática do bem, a dedicação, desinteressada, à causa humanitária.

 

Certo é que, também a prática do bem, a entrega ao próximo, não irá, por certo, perpetuar, o mortal. Decorrido, e não é necessário muitas gerações, não passará de pálida imagem em papel fotográfico, e permanecerá para os descendentes, como antepassado, quase desconhecido, do qual - mesmo para os que usufruam bens por ele deixado, - nem sequer conhecem o nome.

 

Assim é, porque este não é o nosso mundo. Somos meros peregrinos que caminhamos, diariamente, para a Vida, ainda que alguns pensem o contrário.

 

 

 

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -   Porto, Portugal



publicado por Luso-brasileiro às 11:51
link do post | comentar | favorito

CLARISSE SANCHES - AMADO PORTUGAL AO QUE CHEGASTE!

 

 

 

 

 

 

 

Ao que chegaste, Amado Portugal!

Ano após ano, vais empobrecendo.

Vão despindo-te a “roupa”, o teu bragal

E cada vez mais “frio”, tu, vais tendo.

 

 

Vês muitos filhos teus já sem moral,

Uns corruptos, vadios esquecendo

Que a vida tem de ser mais fraternal

Mais enérgica e digna, assim vivendo. 

 

 

Sumiram-te a justiça meritória,

A terra não produz para comer

E choras vendo filhos já com fome…

 

 

Não tens quem te acarinhe em suma glória!

Endividam-te, Pátria, do meu ser…

Poderosos desonram o teu nome!

 

 

 

 

 

 

Clarisse SanchesGóis - Portugal

 

 

 

 

                      ***

 

ACABA DE SAIR O NÚMERO DE JUNHO DO FRI-LUSO

 

 

 

      PERIÓDICO PORTUGUÊS EDITADO NA SUÍÇA

 

 

 

 

                                    http://friluso.no.sapo.pt/



publicado por Luso-brasileiro às 11:35
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links