PAZ - Blogue luso-brasileiro
Domingo, 21 de Fevereiro de 2016
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - CHEIRANDO MAL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Não me canso de afirmar que, quando eu penso que já vi muita coisa, descubro que não vi desse mundo quase coisa nenhuma. Infelizmente, incluo na lista da minha ignorância, uma série de possibilidades no quesito maldade humana. Uma noticia que li nos últimos dias causou-me uma série de sentimentos ruins, sobretudo a indignação e, por essa razão, compartilho aqui nesse espaço.

            Segundo uma notícia  que li em fontes diversas, um restaurante situado na orla da cidade de Florianópolis, especializado em camarões e outros frutos do mar, foi autuado pela vigilância sanitária pelo fato dos fiscais terem encontrado, entre os produtos que seriam servidos aos clientes, duas carcaças de gambá, estando os dois animais já devidamente temperados.

            Quando li a matéria, tive o cuidado de tentar verificar se procedia a informação, até porque é algo muito sério a ser imputado a um estabelecimento comercial, capaz de levar não só ao seu fechamento, mas também à execração pública. Vivemos em uma época na qual as pessoas são exímias críticas e, paradoxalmente, frágeis e indignadas vítimas. Sinceramente, não me agrada engrossar o rol dos  imprudentes "atiradores de pedra". Se não for verdadeira, ao menos foi divulgado em vários sites de notícias...

          Causou-me espanto e indignação não apenas o fato de servirem carne de um animal da fauna silvestre, protegido por lei, mas também porque foram encontrados outros dois animais, ainda vivos, presos dentro de um freezer desligado, sem água ou comida, provavelmente para que morressem e fossem servidos aos clientes! Eu me pergunto se o restaurante servia carne de gambá a pessoas que queriam provar "carnes exóticas" ou se, deliberadamente, enganava quem sequer imaginava o que o cardápio incluía.

              De acordo com o veiculado na mídia, o dono do restaurante também caçava gatos para servi-los aos clientes e, antes dessa autuação tornada pública,  já o fora oito anteriores vezes. Não sei como essas coisas ocorrem em outros países, mas não sei no mundo todo, um local que já foi fiscalizado tantas vezes permanece aberto, colocando em risco a saúde dos consumidores e desobecendo um imenso número de normas jurídicas.

           Eu fico ainda pensando também o que leva alguém a matar animais que pouca ou nenhuma carne tem e a manter outros em condições cruéis de sobrevivência... Nessas horas eu perco a esperança de que um dia, de fato, sejamos uma raça capaz de atingir algum grau de evolução. Ao meu sentir, somos tão primitivos que, na ânsia de satisfazer nossos desejos, nossas ganas, ignoramos a vida e a dignidade dos demais seres vivos, repletos da tola certeza de que esse mundo existe tão apenas para nos servir...

               Não vou entrar, nesse texto, no mérito do vegetarianismo, pois não sou qualificada a tanto, mas toda vida merece respeito, essencialmente aquela que serve de alimento a outra e impingir sofrimento não deveria parecer uma faculdade, uma escolha simples como a opção de um prato no cardápio.

               Fica ainda a sensação de que, em alguns casos, comer fora é uma loteria meio macabra e que ficamos à mercê da responsabilidade e sanidade alheias. Por outro lado, fatos como esses diminuem a credibilidade de estabelecimentos sérios, idôneos, que sofrem respingos da desonestidade de outros.

               Eu espero, sinceramente, que se tudo de fato for verdade, o estabelecimento seja fechado para nunca mais abrir e embora eu saiba e imagine que outros tantos, capazes de atos piores, estejam abertos e funcionando pelo Brasil e pelo mundo afora, que o bons possam prevalecer sobre os maus. Algumas coisas, na humanidade, há tempos, não cheiram bem r os pobres gambás nada tem a ver com isso...

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo.  -  cinthyanvs@gmail.com



publicado por Luso-brasileiro às 19:49
link do post | comentar | favorito

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - ÂNCORAS NO PORTO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Conheci a menina um pouco antes dos quatro anos e, de imediato, enchi-me de ternura por ela. Assemelhava-se à indiazinha Eunice Baía, protagonista dos filmes: “Tainá, uma ventura na Amazônia”, que me encantou os olhos e o coração.
Acompanhamos o seu crescimento na Casa da Fonte – CSJ, cheia de: graça, sensibilidade, escolhas para o bem e interesse pelas atividades no projeto e pelos conhecimentos na escola.
Em paralelo, experimentava residir com o pai e a avó materna, ou optar por um dos dois. O tempo maior foi com a avó. Necessitou, talvez pelas oscilações que a realidade lhe trouxe, amadurecer um pouco mais cedo e sentir nos fatos, favoráveis ou inconvenientes, uma emoção além do que se esperava. Chegava a se fazer doer, para conseguir trabalhar os sentimentos.
Veio a adolescência com as mudanças físicas e psicológicas... Percebeu que crescera e necessitava de um rumo definitivo.  Considerando o entorno que habitava e a cidade pequenina do pai, na qual a violência é reduzida e os riscos de se envolver com os desvios menores, decidiu tentar viver com ele. Deu certo. Assumiu compromissos na casa e se tornou, no que diz respeito à aprendizagem, destaque nos estudos e nos quitutes.
No início deste ano, acertou-se em definitivo que ficaria com o pai. Encaminhou-me quatro cartas como reconhecimento pela “bagagem” que levava. Âncoras no porto de sua infância.
Para a autoridade do Judiciário que colocou seus olhos de crença nela há 10 anos, a gratidão por fortalecê-la e o compromisso de prosseguir na dignidade. Para a avozinha postiça, que encontrou no bordado, o agradecimento pelo apoio em suas conquistas, revestido de carinho. Para a Casa da Fonte, a consideração pelas lições que aprendeu, incluindo os limites que, segundo ela, a ajudaram a discernir sobre o que não deveria fazer: o afastar-se do errado. Para a avó materna, que a guardou enquanto a mãe se encontrava em dificuldade, comprova que a vê como mulher guerreira e assume que se tornou o que é graças à sua proteção, “tirando de onde não tinha”, para poder lhe oferecer o essencial.
Alçou voo depois de 10 anos conosco. Tenho saudade dela. A vida lhe negou muitas coisas desde a origem, mas os “nãos” que apreendeu e confirma, nesses poucos anos de existência, são benfazejos, pois a  preservam de rastejar pelos antros do mundo.

 

 

 

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE   -   Professora e cronista. Coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala. Jundiaí, Brasil.
 

 

 
 
 
 

    



publicado por Luso-brasileiro às 19:46
link do post | comentar | favorito

RENATA IACOVINO - PRESENTE DO PASSADO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

            Sem dúvida o contato com a natureza faz toda diferença.

            Não vivi minha infância no meio do mato, ao contrário, morei até meus dezessete anos no centro de Jundiaí. Depois fui para São Paulo, onde tinha dificuldade de enxergar as estrelas e sentir o ar um pouco mais puro.

            Mas nesses dezessete anos tive o privilégio, de formas variadas, de manter contato com a mata, as árvores, os frutos, a terra, os bichos, o céu, a lua, cachoeiras, plantas, lagos, mar... Tudo nos era oferecido de graça e só hoje percebo o imensurável valor daquela convivência, muito embora à época a sensação de prazer e felicidade acho que era sim um reconhecimento do quanto aquilo me faria bem para o resto da vida.

            Não consigo deixar de imaginar o contraste de como aproveitávamos cada minuto do dia, em comparação ao cotidiano ofertado às crianças hoje. Mesmo sabendo que cada época tem suas especificidades, que as mudanças são inevitáveis, parece difícil acreditar crer que o estilo de vida que temos atualmente seja mais saudável do que aquele que tínhamos há trinta anos.

            Com tantas ofertas, opções e excessos nos dias atuais, a impressão que dá, por vezes, é que em nossa infância fazíamos muito mais, aproveitávamos melhor o tempo, gastávamos nossas energias de maneira a nos sentir recompensados...

            Talvez porque nos movimentávamos e fazíamos do nosso corpo o maior veículo para as brincadeiras. O contato com a rua, com o quintal, com o pé de fruta, com a casa do amigo, com os diversos amigos e uma gama de jogos e brincadeiras que nos auxiliaram na construção de nosso universo, tudo isto integra a construção da cultura de uma época. De uma cultura que é possível narrar, se quisermos. De uma história que não vai até a página um somente...

            Muitos dos meus medos desbravei - imagino - adentrando bosques, subindo em árvores, nadando em lagos, levando boladas e indo de bicicleta a lugares desconhecidos.

            Provavelmente nada disso tenha muito significado em tempos de extrema tecnologia.

            Até porque bosques, lagos, árvores, bichos, estrelas... são elementos que estão cada vez mais distantes de nós, ou melhor, elementos dos quais cada vez mais nos afastamos.

            Alguém poderá dizer que tais elucubrações são pura nostalgia. Eu direi que não. São apenas reflexões de uma geração que teve passado.

 

 

 

RENATA IACOVINO, escritora e cantora / reiacovino.blog.uol.com.br / reval.nafoto.net / reiacovino@uol.com.br

 

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 19:41
link do post | comentar | favorito

SONIA CINTRA - AVANTE CRIANÇAS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sonia.png

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

            A homenagem ao Patrono Marcos Gasparian reuniu na Casa das Letras e Artes de Jundiaí pessoas sensíveis e interessadas em saber e contribuir para a Educação. Inaugurando o projeto Patronos das Escolas de Jundiaí, que se espelha naquele criado na gestão do ex-presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, José Renato Nalini, homenageando os Patronos dos Fóruns do Estado de São Paulo, a Academia Jundiaiense de Letras, presidida por João Carlos José Martinelli, abriu as portas para receber a comunidade escolar, acadêmicos, autoridades, familiares e convidados, em sessão especialmente dedicada à Educação, no último dia 13.

            O Coral dos alunos acompanhado pela professora Gisele Nascimento interpretou o Hino do Grupo Escolar Marcos Gasparian, composto em 1955, com música de Luiz Biela de Souza e letra de Carmen Silvia, do qual transcrevo verso no título deste artigo. Lembrei-me do orgulho que sentíamos e do entusiasmo com que cantávamos o hino do Instituto de Educação, sob a batuta do querido Maestro. Senti saudades de Seu Nassib Cury, coordenadoras, professores, funcionários e colegas do curso ginasial e colegial.

Após a breve palestra acadêmica sobre o Patrono, a diretora Conceição Pontes apresentou slides com fotos e documentos do acervo da escola. Revi a foto de minha mãe, professora Maria Godoy de Araújo Cintra, quando era coordenadora pedagógica, na década de 1980. Marcos Gasparian Neto falou em nome dos familiares e lembrou fatos relacionados à Casa Armênia, no Brás, e ao estabelecimento da Fábrica de Tecidos São Jorge, da Creche e Grupo Escolar, em nossa cidade. O secretário Tércio Marinho representando o prefeito Pedro Bigardi comentou a importância cultural do evento.

Para encerrar a manhã, o recém-empossado Secretário da Educação do Estado de São Paulo, José Renato Nalini, conterrâneo de quem muito Jundiaí se orgulha, ex-presidente da Academia Paulista de Letras, resumiu a complexidade da pasta que assumiu, o desafio que a Educação é para todos os brasileiros, a significância da escola na acolhida e comunicação com os alunos e a necessidade de equilíbrio da economia para o país progredir. Em foto da inauguração do Grupo Escolar, reconheceu o Pe. Adalberto de Paula Nunes e a Sra. Vitória Furlan de Souza, ao lado de Dona Zília Gasparian. Concluiu seu discurso dizendo: “É preciso fazer com que a figura do patrono seja reverenciada. O aluno tem que ter orgulho de saber que aquele nome é inspirador”.

 

 

 

SONIA CINTRA - ESCRITORA E PROFESSORA UNIVERSITÁRIA .

 



publicado por Luso-brasileiro às 19:35
link do post | comentar | favorito

FELIPE AQUINO - PADRE PAULO E PROF. FELIPE CONVERSAM SOBRE: ZIKA VÍRUS E EUGENIA

 

Estamos passando por um momento de grande preocupação quanto ao Zika vírus e o estímulo ao aborto. Ainda não foi comprovado cientificamente a ligação entre esse vírus e os casos de microcefalia, mas os grandes defensores da liberação do aborto estão aproveitando-se deste momento.

Será que a Igreja admite alguma exceção nos casos de aborto

Confira neste vídeo uma conversa do Padre Paulo Ricardo e o Prof. Felipe Aquino sobre Zika vírus e eugenia:

 

 

FELIPE AQUINO Escritor católico. Prof. Doutor da Universidade de Lorena. Membro da Renovação Carismática Católica.



publicado por Luso-brasileiro às 19:20
link do post | comentar | favorito

PAULO R. LABEGALINI - TEM GOSTO PRA TUDO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Não sei se é bom ou ruim o fato de que tem gosto pra tudo na raça humana. Há um lado bom desta afirmação se pensarmos que todos se casam porque sempre há pretendentes de plantão. Seria terrível para os homens caso as mulheres só se apaixonassem pelos galãs das novelas, por exemplo; mas, quem sabe, seria pior para os artistas se precisassem demonstrar compromissos com as Leis de Deus para serem amados.

Pois é, infelizmente, também há adeptos para qualquer tipo de pecado: mata-se por dinheiro, as novelas têm melhor ibope do que as missas, a fama é mais valorizada do que praticar a caridade no anonimato, revistas pornográficas vendem em grandes quantidades enquanto a Bíblia fica jogada num canto da casa...

Quanta gente pode estar lendo isto e pensando: ‘Viver não é só rezar e nada mais’. Concordo, mas exagerar nas coisas erradas sem se arrepender, caminhando para o inferno, é demais para a minha compreensão. Tem gente que diz ser incapaz de perdoar e vive pedindo perdão a Deus. Reza o Pai-nosso somente da boca para fora!

Como o Criador é amor, precisamos nos abrir a esse amor para sermos salvos. Quem se volta para Deus, recebe o perdão dos pecados e caminha rumo ao Céu. Pena que, ao invés disso, muitos preferem ficar na escuridão e se afundar na incredulidade.

Eu continuo tentando me aproximar de Jesus a cada dia, principalmente quando lembro o quanto Ele me ama. Os ‘milagres’ que recebi foram em grande número e até escrevi um livro contando, porém, recordo algumas graças que nunca narrei. Podem parecer pequenas, mas, sem elas, talvez eu nem estivesse escrevendo este artigo.

Em novembro de 1973, fui a Campinas assistir algumas aulas de revisão no Curso Mac Poli Vestibulares. Fiquei hospedado numa república de amigos durante 40 dias. Certa manhã, ao perceber que um colega ainda não havia se levantado do beliche, comecei a fazer-lhe cócegas, pedindo que acordasse. De repente, ele desferiu um forte ‘coice’ e encaixou o calcanhar no meu olho direito. Fui jogado para trás e me desesperei por não estar enxergando quase nada.

Durante a aula, ao invés de prestar atenção no assunto, testava sucessivamente a visão, mas nada de enxergar. Como o jogador Tostão havia encerrado a carreira recentemente por um problema no olho, conclui que, como ele, a minha retina havia se descolado. Então, toda a esperança de cura recaiu na oração e comecei a rezar, rezar e rezar. No dia seguinte, tudo se normalizou. Hoje, meus olhos veem claramente os caminhos de Jesus Cristo à minha frente.

Também há mais de trinta anos em Monte Sião, eu voltava a pé da casa da Fátima, ainda minha namorada, numa noite muito fria. Não havia ninguém na rua e resolvi correr um pouco para me aquecer e terminar de assistir um jogo na televisão. Ao chegar na praça, tropecei e fui de cabeça na quina da calçada. Lembro que vi a um palmo de distância a quina de pedra à minha frente quando desviei o rosto. Levantei com a calça rasgada, mas dando graças a Deus por estar com a cabeça inteira. Foi um tremendo susto e uma grande bênção.

Um terceiro fato marcante ocorreu em 1994, quando eu e a Fátima íamos para Campinas aplicar o vestibular da UNIFEI. Perto de Itapira, devido à chuva pesada, parei o carro no acostamento e, em seguida, fomos atingidos por um veículo em alta velocidade. Resumindo a história, o meu Fiat Uno ficou completamente destruído na parte de trás e a seguradora deu perda total. Se tivesse alguém sentado no banco traseiro, provavelmente teria morrido.

Eis a providência Divina: todo ano meus filhos me acompanhavam nessa viagem; a única vez que isso não aconteceu foi naquele dia. Meio de última hora, eles ficaram e se salvaram. Além disso, se o violento impacto não tivesse sido exatamente no pneu traseiro esquerdo, a lataria do veículo não nos protegeria e teríamos nos machucado bastante, com certeza. Eu apenas cortei o supercílio.

Se estas graças foram as menores, imagine quanto Nossa Senhora e seu Filho já me ajudaram! Portanto, se alguém me considera muito ‘rezador’, já sabe os motivos que me levaram a isso, além da missão que tenho de evangelizar.

E concluindo, conta-se que havia um pastor que, independente do que lhe acontecesse, rendia graças a Deus, como orienta a Primeira Carta de São Paulo aos Tessalonicenses: “Em tudo dai graças; porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco”.

Certo dia, ele foi assaltado e o fato gerou tristeza, mas também muita curiosidade em saber, no culto seguinte, como ele iria relatar o caso e se conseguiria agradecer pelo assalto. Então, no domingo pela manhã, o pastor deu início à sua pregação, dizendo que lhe fora subtraída a carteira com algum dinheiro. Afirmou que gostaria de compartilhar com a comunidade quatro motivos de agradecimento a Deus pelo assalto:

1.      Era grato, pois até então nunca havia sido roubado.

2.      Agradecia também porque o assaltante levou apenas a carteira e poupou-lhe vida.

3.      Rendeu graças pelo fato de que não carregava uma quantia expressiva de dinheiro.

4.      E o principal motivo: ele era o assaltado e não o assaltante.

Antes de encerrar a reflexão, o pastor falou: ‘Tem gosto pra tudo, mas o gosto da gratidão tem um sabor especial’.

 

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI - Escritor católico. Vicentino de Itajubá - Minas Gerais - Brasil. Professor doutor do Instituto Federal Sul de Minas - Pouso Alegre.‘Autor do livro ‘Mensagens Infantis Educativas’ – Editora Cleofas



publicado por Luso-brasileiro às 19:04
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - CAMILO NÃO PODE SER BIBLIOTECÁRIO, PORQUE GOSTAVA DE MULHERES...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Estamos no ano de 1858. João Nogueira Gandra, falecera a 5 de Dezembro, deixando o lugar vago, no Biblioteca da cidade do Porto.

Camilo Castelo Branco pensou que seria ocasião ideal para obter rendimento certo, e habilitou-se ao cargo, de bibliotecário. Para isso solicitou ao deputado José Barbosa da Silva, seu amigo, que o recomendasse junto do Governo.

O lugar era cobiçado por muitos, que tinham a seu favor, diploma, atestando o “saber”, passado por uma Universidade.

Camilo era autodidacta, de vasta cultura. Frequentara a Escola Médica e o Seminário, mas não concluirá nada. A sua credencial: era de escritor de indiscutível mérito, romancista de grande sucesso; de primeira plana, na literatura portuguesa.

Alexandre Herculano, ao saber da pretensão do escritor, escreve a 19 de Dezembro de 1858, na primeira página, do periódico lisboeta: “ Jornal do Comércio”: “ (…) Camilo Castelo Branco é um dos escritores mais fecundos do Pais, e, indiscutivelmente, o primeiro romancista portugueses.”

E asseverava, que a melhor escolha da Câmara portuense e do Governo, seria nomeá-lo para o cargo.

Mas Camilo tinha muitos inimigos. Não era bacharel, e havia ainda, o escândalo de se ter apaixonado por Ana Plácido – casada com o capitalista Manuel Pinheiro Alves, – cunhada do filho da celebre Ferreirinha, viúva de António Bernardo Ferreira.

Inimigos do escritor, quiçá familiares dos pretendentes ao cargo, escreveram cartas anónimas ao Presidente do Conselho, dizendo-lhe: que Camilo era mulherengo incorrigível, e detestado na cidade do Porto.

Concluindo: a 24 de Fevereiro de 1859, foi nomeado bibliotecário da Biblioteca do Porto, Eduardo Augusto Allen.

Em 1860, Camilo seria preso por adultério, visto viver na companhia de Ana Plácido (esposa de Manuel Pinheiro Alves,) com quem viria a casar, a 9 de Março de 1888, – depois da morte de Pinheiro Alves, – num prédio da rua de Santa Catarina, no Porto. Actualmente redacção do jornal: “A Ordem”.

 

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -   Porto, Portugal.



publicado por Luso-brasileiro às 19:03
link do post | comentar | favorito

EUCLIDES CAVACO - ÉVORA - CIDADE MUSEU

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Convido os meus amigos a uma visita a esta histórica cidade alentejana e ali se deixar conduzir ao passado no autocarro do tempo.
Para ver  neste link:

 

 


http://www.euclidescavaco.com/Poemas_Ilustrados/Evora_Cidade_Museu/index.htm

 

 

 

 

EUCLIDES CAVACO - Director da Rádio Voz da Amizade , Canadá.
 
 
 
 
 
 
***
 
 
 
 
PINHO DA SILVA   -   MINHA VIDA COM
TERESINHA 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Um beijo no jardim
 
 
 
 

001.jpg

 

 

 

 

002.jpg

 

 

 

003.jpg

 

 

 

004.jpg

 

 

 

 

 

 

(Continua para a próxima semana)

 

 

 

PINHO DA SILVA - (1915 – 1987). Nasceu a 12 de Janeiro, em Vila Nova de Gaia, (Portugal). Frequentou a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia (autor da celebre estatueta de Eça de Queiroz). Vila-florense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal. Redator do “Jornal do Turismo”. Membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto. Foi Secretário-geral da ACAPPublicou " Minha Vida Com Teresinha", livro autobiográfico.

 

 

 

***

 

 

Congresso Internacional do Espírito Santo: génese, evolução e atualidade da utopia da fraternidade universal

 

http://www.congressoespiritosanto.net

 

 

Coimbra | Lisboa | Alenquer

Junho e Setembro 2016

 

 

Prestigiados Centros de Investigação da Universidade Aberta (CIDH), da Universidade de Coimbra (CECH e CHSC), da Universidade de Lisboa (CLEPUL) e a Reitoria do ISCTE associaram-se à Câmara Municipal de Alenquer e à Confraria da Rainha Santa Isabel para a promoção do Congresso Internacional do Espírito Santo: génese, evolução e atualidade da utopia da fraternidade universal

Este evento científico, sob o largo tema do Espírito Santo e a sua fecundação de utopias de concórdia, fraternidade, paz e justiça sobre a terra, propõe-se também assinalar a passagem de cinco importantes datas centenariais que se interligam na esperança ativa da construção de um mundo unido e melhor: 800 Anos da Fundação da Ordem Franciscana em Portugal; 500 Anos da Beatificação da Rainha Santa Isabel; 500 Anos do Primeiro Compromisso Impresso das Misericórdias; 500 Anos da publicação da Utopia de Tomás Moro e 300 Anos da criação do Patriarcado de Lisboa.    

 

Encontra-se aberto o período de apresentação de propostas para participação nas sessões científicas do congresso com comunicação académica.

 

  

PAINÉIS TEMÁTICOS

 

Pneumatologia e Teologias da História

 

Joaquim de Flora, a Doutrina das Três Idades e Joaquimismo

 

Metamorfoses da utopia da Terceira Idade da História

 

Posteridade espiritual e filosófica de Joaquim de Flora

 

Teologia do Espírito na Reforma Protestante e na Contra-Reforma Católica

 

A Rainha Santa Isabel: Santos enquanto espelho do Amor de Deus

 

A Rainha Santa Isabel: Santidade e Cristianismo

 

As devoções da Rainha Santa Isabel: as tradições e instituições do Espírito Santo

 

As devoções da Rainha Santa Isabel: a devoção à Imaculada Conceição de Maria

 

A Rainha Santa enquanto agente cultural

 

A Rainha Santa na Arte

 

A Rainha Santa na Literatura

 

A Rainha Santa Isabel: Culto e memória dos santos

 

A Rainha Santa Isabel: Cristianismo e intervenção social

 

A Rainha Santa Isabel: Religião e política

 

A Rainha Santa Isabel e a tradição franciscana

 

Cultura e Humanismo no séc. XVI

 

Cristianismo e Culturas no séc. XVI

 

A proliferação das confrarias do Espírito Santo e seu significado

 

Génese medieval das confrarias e das Festas do Espírito Santo

 

Fundação e ação dos Franciscanos na promoção do Joaquimismo

 

Franciscanos na criação de tradições e instituições paracletianas

 

Evolução e expressões modernas das Festas Paracletianas

 

Diáspora Portuguesa e Festa do Espírito Santo

 

Filosofia Portuguesa, a tradição joaquimita e o Espírito Santo

 

O Espírito Santo e a utopia do Quinto Império

 

Expansão Portuguesa e globalização das tradições do Espírito Paráclito e da devoção à Rainha Santa

 

A criação das Misericórdias e as experiências confraternais dedicadas ao Espírito Santo

 

Misericórdias e a institucionalização da utopia da Fraternidade Universal

 

Consciência de crise e a afirmação moderna do pensamento utópico

 

A fortuna da ideia e do conceito de utopia na Época Moderna

 

A Utopia de São Tomás Moro e a sua recriação

 

O pensamento utópico em Portugal: influências e originalidades

 

A fundação do Patriarcado de Lisboa e o lugar da capital portuguesa no quadro do pensamento utópico

 

O Espírito Santo, a utopia da Fraternidade Universal e a História das Ideias de Portugal

 

Atualidade do pensamento utópico e traduções contemporâneas da utopia da Fraternidade Universal

 

Espírito Santo: Arte e Utopia

 

 

Valores das inscrições com comunicação:

Até 31 de dezembro de 2015: €190

Até 31 de março de 2016: €250

Até 31 de maio de 2016: €300

 

*** Apenas serão admitidas à avaliação as propostas de comunicações com as respetivas inscrições efetivamente pagas.

 

Nota: Serão selecionadas as 4 melhores propostas de comunicação de jovens investigadores (até 29 anos) para serem distinguidas com certificado de prémio. Os premiados serão reembolsados do pagamento da inscrição com comunicação e com a oferta de um livro especial.

 

Para formalizar a apresentação de proposta de comunicação enviar para o e-mail do Secretariado Executivo (congresso.espiritosanto.2016@gmail.com): resumo da comunicação (máx. 2500 caracteres sem espaços), cinco palavras-chaves e resenha biográfica (máx. 15 linhas)

 

Mais informações e inscrições:

http://www.congressoespiritosanto.net

congresso.espiritosanto.2016@gmail.com

966 754 980

 

 

***

 

 

 

 
 


publicado por Luso-brasileiro às 18:49
link do post | comentar | favorito

Domingo, 14 de Fevereiro de 2016
MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - MICROCEFALIA E ABORTO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 
Há coisas que não consigo compreender como a defesa ao aborto provocado, que para mim é uma violação do direito à vida.
Conheço pessoas que, em momento de desespero, buscaram o aborto como “solução” para manter as aparências na sociedade hipócrita ou por razões outras, contudo carregam uma dor de arrependimento que vai e vem. Uma delas, que acompanhei de perto um mês antes de morrer, entre a lucidez e o devaneio, repetia-me, com desespero, que salvasse o seu bebê. Soube, em seu velório, que, 51 anos antes, recorrera a um aborto. Embora discorde e lamente, compreendo os casos que citei acima. E não tenho dúvida alguma de que o pai da criança é, pelo menos, 50% responsável pela destruição do filho.
 Machuca-me  a  argumentação de  grupo ou individual a que se mate um ser humano em desenvolvimento, que é distinto da mãe, mas considerado sem valor para nascer. E sua condição de vulnerabilidade lhe impede a defesa.
A partir do aumento de grávidas com diagnóstico de infecção pelo vírus da zika, de imediato pensam em incluir o direito ao aborto de bebês diagnosticados com microcefalia. Segundo o jornal “Folha de São Paulo” em 31 de janeiro, existem mulheres se submetendo a abortos clandestinos em clínicas privadas, mesmo sem a confirmação do bebê se encontrar ou não com microcefalia.
O fundamento é o seguinte: se os exames comprovam que uma criança possui anomalias físicas ou psíquicas, se é filha de estupro, se atrapalha os projetos da mãe e/ou do pai, como lado mais fraco, destina-se, por métodos diferentes, como por uma injeção de cloreto e potássio no coraçãozinho, ao lixo hospitalar ou a terrenos clandestinos.
No ano passado, a revista Veja – São Paulo – Ano 48/ Nº 45, entrevistou um obstetra do Hospital Pérola Byington, referência no país na realização de abortos autorizados pela Justiça. Na matéria (pág. 46), ele conta ter demitido um ultrassonografista que insistia em mostrar os batimentos cardíacos fetais e as imagens para a paciente, como forma de convencê-la a desistir. Ou seja, o profissional testemunhava que no ventre materno havia uma criatura humana. Não serviu para o hospital.
Embora os defensores do aborto provocado proclamem com gritos as suas “razões”, não conseguirão calar os movimentos do indivíduo que habita as entranhas maternas à espera de sobreviver fora dela.

 

 

 

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE   -    Professora e cronista. Coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala. Jundiaí, Brasil.
 



publicado por Luso-brasileiro às 18:23
link do post | comentar | favorito

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - CAINDO NA FOLIA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

            Minha família nunca foi muito fã das festas de Carnaval, muito embora sempre que possível, usemos o feriado para nos reunirmos e para descansar. Quando eu era criança, tudo o que tínhamos de contato com a Folia de Momo era assistir a alguns desfiles pela televisão ou vermos um pouco dos blocos de rua.

            Quando fiquei adolescente, entretanto, quis acompanhar meus amigos nos bailes dos Clubes e, como os pais de minha amiga marcavam presença com mesa comprada e tudo, eu acabei conseguindo uma espécie de “licença” para pular o Carnaval. Era um outro tempo e, talvez com certa nostalgia, as músicas que animavam as pessoas parecem-me bem melhores do que as atuais.

            Seja como for, após ingressar na faculdade, em parte por ter perdido as companhias tradicionais e em parte por ter mudado o foco das minhas atenções e intenções, acabei deixando de participar das festas carnavalescas, mas, cada vez mais, por outro lado, espero ansiosamente por alguns dias de descanso, longe da correria do trabalho.

            Tenho percebido, inclusive, que, ao contrário de cair na folia, atualmente, muitas pessoas se valem dessa trégua para visitar entes queridos, para colocar a leitura e os filmes em dia, para arrumar o que nunca dá tempo de fazer ou simplesmente para ficar sem fazer nada, vestindo a fantasia do ócio. O fato é que uma pausa é sempre algo a ser comemorado em tempos de estresse e de overdose de informações e de afazeres cotidianos.

            Diga-se de passagem, que ficar em São Paulo em período de feriado é uma experiência muito boa, eis que a cidade fica vazia e faz a gente pensar como seria bom se todos os dias fossem parecidos com esses, sem trânsito, congestionamento e barulho em excesso. Como em uma cidade grande, mesmo sendo feriado, poucos lugares ficam fechados, é ainda uma ótima época para passear, sem preocupações e sem gastar muito dinheiro.

            Nas cidades menores, a experiência é outra. Muita gente viaja para a casa de parentes e as cidades do interior, em geral, ficam cheias, alegres, com amigos queridos se reencontrando o tempo todo, mesmo que por acaso. Muitos pais e avós ficam esperando essas datas de feriado prolongado para receberem, como muita comida e carinho, aqueles que moram distantes.

            Do meu modo, vou cair na folia também! Ao invés de Momo, procurarei Morfeu, entretanto. Meu bloco só vai desfilar na avenida perto de casa para boas caminhadas e os foliões já estão aqui na concentração, esparramados pelo sofá ou pelas caminhas. O samba enredo vai variar com as trilhas sonoras dos filmes, mas há grande expectativa de um som bacana.

            Para todos aqueles que curtem um carnaval caseiro ou para o pessoal que tem samba no pé, desejo um excelente feriado, cada qual com a purpurina e serpentina que melhor lhe apetecer...

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo.  -  cinthyanvs@gmail.com

 



publicado por Luso-brasileiro às 18:21
link do post | comentar | favorito

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI - DIA MUNDIAL DA JUSTIÇA SOCIAL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em novembro de 2007, a Assembléia Geral das Nações Unidas (ONU) proclamou o dia 20 de fevereiro como o Dia Mundial da Justiça Social. Uma data de extrema importância por objetivar a erradicação da pobreza, a promoção de empregos, a igualdade de gênero e o acesso ao bem-estar social e justiça para todos. Além disso, a comemoração evidencia a importância do atendimento,  sem quaisquer distinções dos  serviços essenciais e básicos (atenção médica, cultura e nutrição, etc.) e o desenvolvimento lastreado na isonomia de direitos, na solidariedade coletiva, na harmonia e no respeito ao ser humano dentro e entre os países.

A Justiça Social é concebida como o equilíbrio entre a base financeira e o pilar social de uma determinada comunidade, obtido por meio da criação de proteções a favor dos mais fracos e desfavorecidos, ilustrando-se tal conceito, pela figuração de que enquanto “a justiça comum e tradicional é cega, esta deve tirar a venda para ver a realidade e compensar as desigualdades que nela se produzem”. No mesmo sentido, diz-se que, enquanto a chamada “justiça comutativa é a que se aplica aos iguais, a justiça social corresponderia à justiça distributiva, aplicando-se aos desiguais”. O seu mais importante teórico contemporâneo é o filósofo liberal John Rawls que no livro “Uma Teoria da Justiça” de 1971 defende que uma sociedade será justa se respeitar três princípios: garantia das liberdades fundamentais para todos; correspondência equitativa de oportunidades  e manutenção de diferenciações apenas para favorecer os diferentes.

Dessa forma, constatamos que o Brasil está longe de alcançar uma posição de destaque nesses propósitos. Na verdade, grande parte dos homens públicos está comprometida com interesses próprios e de grupos econômicos, deixando de lado o coletivo; muitas de nossas instituições estão sendo ocupadas por pessoas gananciosas e corruptas; as diferenças prevalecem e a indignação maior provém do desinteresse dos órgãos oficiais com as questões  cruciais da população. Infelizmente, essas nuvens sombrias parecem pairar de modo permanente, afastando quaisquer sinais de mudança. Efetivamente não dá mais para suportar o drama de muitos, o desemprego, a desesperança dos jovens diante do descaso com a educação, saúde e a crescente violência, tentando-se maquiar a realidade com os mais variados subterfúgios.

Precisamos intensificar esforços para consolidar um mínimo da Justiça Social. Para tanto, é urgente deixarmos de lado o comodismo e o   egoísmo e lutarmos decisivamente pela busca de caminhos que garantam uma vida digna à maioria dos brasileiros e não apenas a uma minoria privilegiada, propiciando-          lhes terra, trabalho, moradia e condições para exercer a cidadania.

Ao pesarmos o triste cotidiano, verificamos a imediata necessidade da transmissão dos verdadeiros valores, para se situar os paramentos do certo e do errado. Tais princípios básicos, além dos pertinentes à ordem e ao Direito, devem servir como referências ao ser humano, tornando-o eticamente responsável e ao mesmo tempo solidário, fraternizando-se com aqueles com quem convive. Imprescindível que o povo se organize e procure soluções ao seu   modo, reivindicando, fiscalizando e cobrando de nossas autoridades a satisfação de seus anseios constitucionalmente garantidos.

     

 

 

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI é adgovado, jornalista, escritor e professor universitário. É presidente da Academia Jundiaiense de Letras (martinelliadv@hotmail.com).

 



publicado por Luso-brasileiro às 18:19
link do post | comentar | favorito

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - UM AFRESCO IMPRESSIONANTE DE GIOTTO

            

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No artigo anterior falamos sobre a inveja, classificada pelos teólogos como um dos sete vícios ou pecados capitais, e sua importância na história da humanidade. Existem numerosas representações da inveja na arte da Idade Média e do Renascimento, todas elas exprimindo, de um modo ou de outro, a doutrina dos pecados ou vícios capitais.

Na Idade Média, muitas vezes, a inveja era representada como sendo um ramo da Árvore dos Vícios, à qual se opunha antiteticamente uma Árvore das Virtudes. A Árvore dos Vícios tinha como tronco o orgulho, enquanto a Árvore das Virtudes tinha como tronco o Amor, quer dizer, a Caridade. Já no Medievo começam a surgir representações antropomórficas personificando a Inveja, ou mostrando pessoas vitimadas por ela – pessoas vivas, ou pessoas no Inferno, padecendo os tormentos reservados especificamente aos invejosos. No Renascimento acentuaram-se bastante as representações antropomórficas, a ponto de se terem tornado quase exclusivas.

Exemplo impressionante de representação da inveja é o que Giotto di Bondone (+ 1337) pintou na Cappela Scrovegni, ou Cappela Arena, em Pádua.

 

th.jpg

 

Trata-se de um afresco de 120x55cm, datado de 1306. A inveja é nele representada antropomorficamente como uma velha, com o rosto tão enrugado e marcado por bexigas que, numa análise superficial, parece até coberto de barbas: tem chifres, como um diabo, e imensas orelhas – já que o invejoso está sempre atento e pronto a ouvir tudo quanto alimenta sua paixão; uma serpente lhe sai da boca, como se fosse uma grande língua, voltando-se contra ela própria e picando-o na testa, de modo que o invejoso é a principal vítima de si mesmo; tem os olhos vendados, para indicar a cegueira, que impede o invejoso de ver de modo objetivo a realidade das coisas e das pessoas entre as quais vive; tem a mão direita levantada, insinuando que o invejoso é ativo e cheio de iniciativas para prejudicar as pessoas a quem inveja e às quais deseja o mal; também parece estar, com a mão, em posição de quem arranha a honra e a boa reputação alheias; na mão esquerda, segura com sofreguidão uma bolsa, indicativa da profunda ligação que têm a inveja e a cobiça dos bens materiais e, ao mesmo tempo, mostra como a inveja é intimamente relacionada com a avareza, outro pecado capital; e, por fim, está sobre uma fogueira ardente, mostrando que a paixão o devora e abrasa, transformando sua vida num inferno, prenunciativo do castigo que lhe está reservado na Eternidade. Nesse afresco, Giotto soube retratar, com gênio, todo o horror da inveja, vício que avilta e atormenta quem se entrega a ele.

           

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS é historiador e jornalista profissional, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.

 



publicado por Luso-brasileiro às 18:08
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links