PAZ - Blogue luso-brasileiro
Domingo, 5 de Março de 2017
FELIPE AQUINO - QUARESMA, TEMPO DE VOLTAR PARA DEUS !

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O momento favorável é agora! Será que amanhã estaremos aqui? Sabemos que a morte encerra o nosso tempo de se arrepender dos pecados e encontrar Deus, para viver com ele. Não deixemos para depois!

 

A Quaresma é um tempo em que Jesus nos convida a ir para o “deserto” com Ele, não o deserto de areia, mas o deserto do nosso coração, onde Deus habita desde o nosso batismo, mas que tantas vezes esquecemos. Esses quarenta dias tem um grande significado na Bíblia; significa “um tempo de prova” antes de uma grande “vitória”.

Assim, vemos Noé que passa 40 dias na barca com toda a criação para depois sair dali para uma vida nova, salvando a humanidade (Gn 8,6). Moisés permaneceu quarenta dias no monte Sinai (Ex 24,18) antes de dar ao povo as Tábuas da Lei e a Aliança com Deus. O povo de Deus caminhou quarenta anos no deserto antes de chegar com Josué à Terra Prometida (Js 5,6); por quarenta anos Golias desafiou Israel até que Davi o vencesse (1Sm 17,16); Elias, fugindo da morte, caminhou durante quarenta dias até chegar ao Horeb, na montanha onde Deus se mostrou a ele numa brisa suave (1Rs 19,8-12); quarenta dias foi o prazo que Jonas marcou para Nínive ser destruída, mas se converteu (Jn 3,4). Jesus passa quarenta dias no deserto antes de vencer Satanás e começar a Sua missão evangelizadora.

Depois de quarenta dias de luta vem uma grande vitória. Assim deve ser hoje a nossa Quaresma, quarenta dias de luta para conquistar a grande vitória de “voltar para Deus”. Não há felicidade maior do que estar com Deus, amar a Deus e servir a Deus. Santo Agostinho disse: “Um homem sem Deus, é um peregrino sem meta, um questionado sem resposta, um lutador sem vitória, um moribundo sem nova vida”. “Quem ama a Deus nunca envelhece. Leva em si Aquele que é mais jovem que todos os outros”. “Eu não seria nada, meu Deus, absolutamente nada, se não estivesses em mim”. “O maior castigo do homem é não amar a Deus.”

 

Leia também: Por que a Quaresma?

Qual penitência escolher para viver este período da Quaresma?

Quais os símbolos e sinais da Quaresma?

Como viver bem o tempo da Quaresma

Qual é a origem da Quaresma?

 

Deus é tudo para nós: quando temos fome, é pão; quando temos sede, é água; quando estamos no escuro, é luz. Deus não nos abandona a não ser que nós O abandonemos primeiro. Quem não tem Deus na sua vida não se contenta com nada, está sempre insatisfeito. Deus colocou uma sede infinita de felicidade em nosso coração que só pode ser saciada por Ele mesmo, e por nada mais.

Santo Tomás de Aquino disse que “quanto mais o homem se afasta de Deus, mas se aproxima do nada”. Tanto mais é infeliz e sofredor, ainda que tenha todas as riquezas, prazeres e glórias terrenas. Santo Agostinho nos faz um alerta: “Declaraste guerra a Deus? Tem cuidado. Quantas mais e maiores pedras lances ao céu, mais e maiores serão as feridas que te causarão ao cair”.

 

Ouça também: E, se quebrar minha penitência da Quaresma?

Leituras que podem nos ajudar no tempo da Quaresma

 

Mas, o que nos afasta de Deus? Só uma coisa, o pecado. Por isso Jesus nos convida à conversão: “Cumpriu-se o tempo e o Reino de Deus está próximo. Arrependei-vos e crede no Evangelho” (Mc 1,15).

“Aos olhos da fé, nenhum mal é mais grave que o pecado, e nada tem consequências piores para os próprios pecadores, para a Igreja e para o mundo inteiro”, diz o Catecismo (§1489). “Quem peca fere a honra de Deus e seu amor, sua própria dignidade de homem chamado a ser filho de Deus e a saúde espiritual da Igreja, da qual cada cristão é uma pedra viva (§1488).

 

Assista também: A importância dos exercícios quaresmais

A importância da oração na Quaresma

Por que devemos jejuar na Quaresma?

 

É por isso que Jesus veio ao mundo e morreu numa cruz, ensanguentado, flagelado, coroado de espinhos e zombado. Só podemos entender o horror que é o pecado olhando o quanto custou para Jesus, o Filho único de Deus, arrancá-lo de nossas almas. Ele não veio ao mundo para outra coisa, a não ser para ser o “Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (Jo 1,29). São Pedro disse que “não é por bens perecíveis, como a prata e o ouro, que tendes sido resgatados da vossa vã maneira de viver, recebida por tradição de vossos pais, mas pelo precioso sangue de Cristo, o Cordeiro imaculado….” (1Pd 1,18).

 

para_estar_com_deus.png

 

A Quaresma é o tempo de voltar para Deus, é o tempo da graça do arrependimento. São Paulo pediu insistentemente: “Em nome de Jesus Cristo, nós vos suplicamos: deixar-vos reconciliar com Deus… Como colaboradores de Cristo, nós vos exortamos a não receberdes a graça de Deus em vão, pois Ele diz: “No momento favorável eu te ouvi, e no dia da salvação eu te socorri. É agora o momento favorável, é agora o dia da salvação” (2Cor 6,1-2).

O momento favorável é agora, a Quaresma, o tempo de procurar um padre e fazer uma Confissão bem feita, deixando que o Sangue de Cristo lave as nossas almas. O profeta disse: “Buscai o Senhor, já que ele se deixa encontrar; invocai-o, já que está perto” (Isaías 55, 6). Até quando poderemos ter essa oportunidade de encontrar Deus. Será que amanhã estaremos aqui? Sabemos que a morte encerra o nosso tempo de se arrepender dos pecados e encontrar Deus, para viver com ele. Não deixe para depois! Quem “deixa as coisas para depois” é porque não quer fazer nunca. Deus não pode ser deixado para depois!

 

 

 

 

FELIPE AQUINO - Escritor católico. Prof. Doutor da Universidade de Lorena. Membro da Renovação Carismática Católica.

 



publicado por Luso-brasileiro às 18:56
link do post | comentar | favorito

PAULO R. LABEGALINI - ANIMAIS IRRACIONAIS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Paulo Labegalini.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deus criou o burro e disse-lhe:

– Trabalharás de sol a sol carregando fardo no lombo, comerás capim, não terás inteligência alguma, viverás 30 anos e serás burro.

O pobre animal respondeu:

– Serei burro, mas viver 30 anos é muito. Senhor, dá-me apenas 10 aniversários.

E Deus lhe deu 10 anos de vida.

Depois, criou o cachorro e disse-lhe:

–Vigiarás a casa do homem e serás seu melhor amigo. Comerás os ossos que ele te jogar e viverás 20 anos.

Por reclamar do longo tempo de vida comendo ossos, Deus lhe deu apenas 10 anos.

E o Criador preparou outro animal, dizendo:

– Serás macaco, pularás de galho em galho fazendo macaquices. Serás divertido e viverás 20 anos.

O macaco também reclamou de ficar fazendo micagens durante toda a vida e conseguiu reduzir 10 anos na sua existência.

Enfim, o Todo-poderoso criou o ser humano e declarou:

– Serás homem, o único animal racional sobre a face da Terra. Usarás tua inteligência para te sobrepores aos demais animais e à natureza, dominarás o mundo e viverás 30 anos.

O humano esperto respondeu:

– Senhor, sendo o mais inteligente dos animais, viver 30 anos é muito pouco! Dá-me os 20 anos que o burro rejeitou, mais 10 anos que o cachorro não quis e também outros 10 que o macaco dispensou.

– Está bem. Terás 30 anos como homem; casarás e passarás a viver 20 anos como burro, trabalhando e carregando fardos; serás aposentado pelo INSS, vivendo 10 anos como um cachorro, vigiando o lar e chupando ossos; e depois ficarás velho e viverás mais 10 anos como macaco, pulando de casa em casa, de um filho para outro, fazendo macaquices para divertir os netos.

E assim terminou a história da criação dos animais, segundo os piadistas de plantão.

Bem, logicamente que não dá para concordar com isso, mas não deixa de ser um conto engraçado. Agora, se quisermos levar o relato um pouco mais a sério, será que não existem algumas boas verdades na brincadeira? Quanta gente come capim para sobreviver, é tratado como cachorro em hospitais e vive pulando de galho em galho por não ter onde morar!

Outros, em situações financeiras privilegiadas, fazem pouco uso da inteligência e vivem como burros, sem religião. Quando se consideram superiores no ambiente rico que frequentam, fazem macaquices para chamar a atenção. E alguns até ameaçam morder se ameaçados!

Veja, a intenção não é desfazer de ninguém, mas é impressionante como há semelhanças de pessoas com animais irracionais, tipo: rato, cavalo, pavão, peixe, preguiça, e outros que nem vale a pena citar. E esta reflexão tem mais sentido quando a inserimos no contexto da desigualdade socioeconômica’ do nosso Brasil. Nisto, somos o segundo país do mundo! Se aqui não houvesse tantos ratos e cobras traiçoeiras, a situação seria outra, concorda?

E o que fazer para mudar? Moisés, por exemplo, foi um grande exemplo de como devemos enfrentar os problemas que surgem em nosso trajeto. Logo de início, já dá pra dizer que as maiores dificuldades, geralmente, estão no comportamento injusto e teimoso da própria pessoa.

O primeiro episódio decisivo da vida de Moisés termina em fracasso – quando ele enfrenta e mata um egípcio que maltratava um escravo hebreu. No dia seguinte, falou com outros hebreus e foi incompreendido. Teve que fugir para não ser preso e só depois de 40 anos trabalhando como pastor de ovelhas foi chamado ao exercício da liderança.

Não foi uma liderança que caiu do céu, pois ele teve que construí-la passo a passo, gesto por gesto. Para isso, soube fortalecer suas qualidades, que se tornaram mais poderosas do que seus pontos fracos, tais como: falta de confiança em si próprio, dificuldade na comunicação, medo de assumir desafios e ira.

Confiante em Deus, tornou-se persistente, justo, prudente, estrategista, aberto a novas ideias, carismático, solidário, disciplinado, humilde e paciente. E os resultados dessas mudanças acredito que todos saibam, mas que fique bem claro que os frutos que colheu se fundamentaram na fé.

Algumas sabedorias populares poderiam traduzir esse sucesso com as seguintes frases:

‘Os tristes acham que o vento geme; os alegres e cheios de esperança afirmam que ele canta’. ‘O mundo é como um espelho que devolve a cada pessoa o reflexo de seus próprios pensamentos’. ‘Somos todos anjos com uma asa só, e só podemos voar quando abraçados uns aos outros’.

Quem quiser melhores conselhos, sugiro que consulte o Livro da Sabedoria. No momento, prefiro afirmar o seguinte: ‘O tempo de vida que você dedica a Deus e foge dos pecados o coloca no Céu ou no Inferno’. Corra para o seu objetivo como um leopardo ou retarde a sua chegada como uma tartaruga. Isso depende de bom senso e, principalmente, do seu instinto racional.

 

 

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI - Escritor católico. Vicentino de Itajubá - Minas Gerais - Brasil. Professor doutor do Instituto Federal Sul de Minas - Pouso Alegre.‘Autor do livro ‘Mensagens Infantis Educativas’ – Editora Cleofas

 



publicado por Luso-brasileiro às 18:50
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - PODE SER GENEROSO, O IDOSO?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Li, já lá vão uns bons pares de anos, que certo industrial, lá para os lados de Coimbra, já idoso, e sem herdeiros forçados, resolveu oferecer um automóvel, a cada operário, da sua empresa.

A proeza foi muito louvada, e o industrial, declarou à imprensa, que chegara a velho, rico e feliz, graças ao trabalho e dedicação dos trabalhadores.

Era tempo de premiar, já que possuía bens suficientes para o fazer.

Enganara-se o homem. O gesto de generosidade, foi levado como caducidade, e os parentes trataram de o interditar.

Amigo meu, contou-me, que certa senhora, sua conhecida, tinha por hábito auxiliar várias instituições de caridade.

Todos os anos, pelo Natal, enviava cheques bancários, com determinada quantia. Dinheiro que furtava, durante o ano, economizando. Era espécie de renúncia anual, do mesmo jeito, que muitos católicos praticam na época da Quaresma

Ora, ao perfazer oitenta anos, os filhos realizaram festinha, e convidaram amigas de infância, da mãe.

Durante o aniversário, esta, entusiasmada, declarou: que ia agradecer a longevidade, ofertando determinada quantia, para divulgar o Evangelho.

Não caiu bem, aos ouvidos dos filhos, a prodigalidade materna, e como não conseguiram demove-la, nem obter procuração, resolveram interdita-la, retirando-lhe a gestão dos bens.

Chego a pensar, que na idade avançada, mesmo quando o espírito está lúcido, corre-se o perigo de ficar sem o direito de ser generoso! …

A generosidade, as doações, são, quantas vezes, considerados gestos de esbanjamento, e má gestão.

Pena é, que o mesmo não se passe na política: interditando todo aquele, que por incompetência ou desvario, leve o país à ruína, obrigando os cidadãos, que não quiseram emigrar, a pagar o desgoverno.

Dizia-me, com graça, amigo, já falecido: os que emigram, ou de dupla nacionalidade, não deviam ter direito a voto: porque escolhem os governantes, mas não sofrem as consequências da escolha…

Nunca me tinha lembrado disso! …

 

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -   Porto, Portugal



publicado por Luso-brasileiro às 18:43
link do post | comentar | favorito

EUCLIDES CAVACO - MULHER, ESPOSA E MÃE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autor: Euclides Cavaco - intérprete Júlia Leal. Esta é apenas uma das minhas dedicatórias para o dia internacional da MULHER que se celebra esta semana. Veja o texto abaixo ou ouça o fado neste link:

 

 

http://www.euclidescavaco.com/…/Mulher_Esposa_e_M…/index.htm

 

 

 

MULHER ESPOSA E MÃE

 

 

 

Mulher, esposa e senhora
Excelsa mãe protectora
Tu és da vida a promessa
Quase como divindade
Dás vida à humanidade
Que no teu ventre começa.

 

 

Suprema e quase divina
O ser em ti se origina
E que hospedas com sorriso
És símbolo da criação
Que teve em Eva e Adão
Princípio no Paraíso.

 

 

Em ti germina a semente
Essência dum novo ente
Que o teu âmago produz
Por viveres em comunhão
O fruto da união
Um dia darás à luz.

 

 

Mulher tu és a grandeza
Da humana natureza
Na perfeição do teu ser
Porquê !... Não foste remida?
E por dares a vida à vida
Ainda tens de sofrer.

 

 

 

EUCLIDES CAVACO  -   Director da Rádio Voz da Amizade , Canadá.

 

 

 

 

***

 

 

 

 Horário das missas em, Jundiai ( Brasil):

 

http://www.horariodemissa.com.br/search.php?opcoes=cidade_opcoes&uf=SP&cidade=Jundiai&bairro&submit=73349812

 

 

 Horário da missas em São Paulo:


http://www.horariodemissa.com.br/search.php?uf=SP&cidade=S%C3%A3o+Paulo&bairro&opcoes=cidade_opcoes&submit=12345678&p=12&todas=0

 

http://www.horariodemissa.com.br/search.php?uf=SP&cidade=S%C3%A3o+Paulo&bairro&opcoes=cidade_opcoes&submit=5a348042&p=4&todas=0

 

 

 Horário das missas na Diocese do Porto( Portugal):

 

http://www.diocese-porto.pt/index.php?option=com_paroquias&view=pesquisarmap&Itemid=163

 

 

 

***



publicado por Luso-brasileiro às 18:40
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 1 de Março de 2017
MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - FOI UM RIO...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2vl2knt.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Recordo-me, hoje, de meus carnavais de outrora com confete, serpentina, marchinhas e faz-de-conta.
Meus pais eram animados com os festejos do Momo e, creio que por isso, levavam os filhos para a brincadeira, fantasiados de algum personagem infantil da época ou de alguma nacionalidade. Máscaras, bisnagas de água, martelinho com som também compunham o meu folguedo. E lança-perfume não era sinônimo de drogadição.
Havia música com poesia como de Noel Rosa e Braguinha (1934): “A estrela d’alva no céu desponta (...)./ E as pastorinhas (...) / Vão cantando na rua lindos versos de amor”.
Brinquei Carnaval, durante cinco noites e duas matinês, na Grêmio CP, dos 13 aos 32 anos. Brincadeira mesmo, de entusiasmo íntegro, sem desvios, sem ritmos de convite à promiscuidade sexual, sem álcool, fumaça ou pó para a euforia. E podia cantar à vontade com minha voz de taquara rachada, pois ela se misturava ao burburinho do salão. Um dia desses, a Pérola Maria Dolce descobriu, no Sebo Jundiaí do Prof. Maurício Ferreira, que faz um trabalho lindo da recuperação da memória de Jundiaí através de imagens, uma foto do carnaval da década de setenta, em que me encontrava fantasiada de cigana, junto com a Maria Inês Guarda Tafarello. Bom de se ver e rever.
No início de 1987, meu pai foi diagnosticado com uma doença grave, que o levou, em 45 dias, nos seus quase 89 anos. Logicamente, a dor da possibilidade de perdê-lo me impediu de estar nos bailes carnavalescos, bem como, por escolha, ser presença maior junto a ele o máximo tempo possível.
Depois disso, embora aprecie os que se encantam com os festejos do Momo, por alegria pura e convívio agradável, excetuando-se aquilo que degrada o ser humano, perdi a vontade. Algumas músicas, bem como confete e serpentina, me acariciam a mente e a emoção. Acompanho, à distância, algumas iniciativas populares, como a dos blocos, dentre os quais destaco e aplaudo o tradicional Refogado do Sandi.
Às vezes, me pergunto por que o carnaval deixou de acelerar o meu passo no compasso de colombina. Penso que, com o impacto da partida de meu pai, se foi o “faz-de-conta” das fantasias que vesti e das marchinhas que me despertaram. Mas da esperança, sem adornos, permaneço.
O carnaval traduzo, hoje com versos de Paulinho da Viola: “Foi um rio que passou na minha vida,/ e meu coração se deixou levar.”

 

 

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE -

 Professora e cronista. Coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala. Jundiaí, Brasil



publicado por Luso-brasileiro às 19:54
link do post | comentar | favorito

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - FOLIAS POLITICAMENTE CORRECTAS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

             Já disse alguém que vivemos tempos estranhos, paradoxais. Considerando que a sociedade evoluiu, quase tudo pode ser feito e deve ser aceito, seja como expressão de individualidade ou de indignação com algo ou alguém. Por outro lado, em tempos do politicamente correto, muitas coisas não podem ser ditas ou escritas sem que alguém se arvore no direito de se sentir ofendido ou discriminado. Assim, enquanto é possível termos fantasias carnavalescas com pessoas praticamente nuas ou mesmo vestidas de genitálias, de outro vemos o absurdo de termos tradicionais marchinhas de Carnaval serem boicotadas por serem consideradas ofensivas a determinados grupos ou pessoas.

            Eu mesma, ao escrever sobre esse assunto, fico me sentindo no dever de deixar claro que não sou contra nenhuma minoria ou forma de expressão ou opção, de que natureza for, eis que sempre pode aparecer alguém querendo ler em entrelinhas o que não está escrito em lugar algum. Refiro-me ao fato de que a mim parece absurdo censurar marchinhas de Carnaval que já estão incorporadas ao lúdico, às folias de Momo há décadas, enquanto, de outro lado, nada se pode reprimir. Sou absolutamente contra discriminação e nem digo isso por conta de temer represálias ou comentários negativos, mas porque de fato acredito que somos todos seres humanos e querer dividir uma unidade é enfraquece-la, é diminui-la.

            Por óbvio que a alteração dos costumes sociais leva a que se venha a abolir formas antigas e aceitas de repressão. Ou seja, não é porque algo era aceito é que está certo ou que deva ser mantido. Ao contrário, as grandes lutas sociais vieram exatamente e ainda vem no intuito de promover o fim das desigualdades, das covardias perpetradas por aqueles que, detentores do poder, subjugaram e ainda subjugam os mais fracos e desamparados. Então, nesse sentido, sem duvidas, é preciso ir provendo as mudanças adequadas, desejadas e esperadas por todos que acreditam no bem comum.

            Seja como for, li esses dias que alguns clubes que promovem bailes de carnaval já determinaram que não seja tocada, de forma alguma, por exemplo, a tradicional "olha a cabeleireira do Zezé", já que música pode ofender as pessoas chamadas Zezé, bem como seria homofóbica. Sinceramente, ouso discordar, mesmo correndo o risco de ser mal interpretada, até porque, como se diz, respondo pelo que eu escrevo e não pelo que o outro entende. Talvez, se levarmos a letra ao pé da letra seja até possível enxergar nela um caráter conservador, fruto da época na qual foi composta, mas será que uma marchinha entoada por adultos, jovens e crianças em meio à folia, tem o poder de fazer de alguém um homofóbico, um agressor ou de tornar o Zezé uma pessoa infeliz?

            Sou da geração que passou os dias da Folia de Momo dentro de Clubes entoando marchinhas carnavalescas em ambientes de alegria e respeito, repleto de famílias e nem por isso, ninguém saiu de lá pegando Zezé nenhum para cortar o cabelo dele. Acredito que em verdade a letra pouco ou nada importava, pois tudo era diversão, brincadeira. Até hoje, quando escuto um trecho dessa marchinha, tudo em que sou capaz de pensar é no antigo Clube Linense e nos carnavais até pueris que eu passei dentro de seus salões. Para ser franca, até que eu tivesse lido a notícia sobre a polêmica das marchinhas, jamais tinha me ocupado em pensar se o Zezé tinha cabeleira, muito mesmo se ele era gay.

            A questão é que se formos por essa linha, muitas outras coisas deverão ser banidas da mídia, dos bailes e da sociedade. Tomemos por exemplo as letras de muitas outras músicas, todas repletas de esteriótipos ligados à violência, ao crime, a traição. Por que, então, a regra não é a mesma para todos os casos? Por que a expressão da cultura só vale para alguns casos, hipóteses nas quais qualquer ataque seria censura e opressão? Ou seja, ou vamos mesmo partir para ler e ver maldade em tudo ou vamos usar o bom senso e termos um pouco de senso de humor?

            Gosto de mencionar um exemplo que não é meu e que já foi aventado em outros textos a respeito do tema, que é o caso dos "Trapalhões". Em sua formação original eram compostos de um negro, um gay, um nordestino e um branco. Todos brincavam com as condições próprias e alheias de um modo tão lúdico que é impossível afirmar que fossem desrespeitosos. Penso, aliás, que, ao contrário, muito contribuíram para tornar as coisas mais simples, mais iguais. Contudo, é provável que fosse hoje, estariam respondendo a infinitos processos judiciais.

            Acho uma pena, desse modo, vivermos hoje como se a qualquer momento alguém estivesse esperando a chance para nos dizer que estamos ofendendo suas suscetibilidades. Acredito que quanto mais faz isso mas se separa, menos se contribui para um mundo igual e melhor para se viver. Creio na leveza das coisas e no poder que o humor, se não destinado de fato a ser propositalmente ofensivo, pode fazer de bem.

            Daqui a pouco, nessa toada, até o rei Momo terá que ser magro, seja porque torna estereotipada figura do obeso ou porque exclui os magros... Pensem como quiserem, eu, falando por mim, tenho medo de viver em um lugar assim.

            Enfim, esteja o Zezé com cabelo comprido, curto, careca, loiro ou moreno, eu desejo que todos aproveitem o feriado como desejarem, seja no sofá de casa, nos bailes ou na Avenida.

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo.  -  cinthyanvs@gmail.com

 



publicado por Luso-brasileiro às 19:50
link do post | comentar | favorito

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - COMO COMEÇOU A " MALDITA GUERRA"

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No início de 1864, estavam sendo prejudicados, pelas conturbações internas do Uruguai, brasileiros ali residentes. Calcula-se que cerca de 20 % da população então residente no Uruguai se constituía de brasileiros. Havia violências, arbitrariedades, até mortes. Isso, não apenas no Uruguai, mas até mesmo dentro do território brasileiro, já que as fronteiras eram pouco definidas e muito permeáveis. Havia contínuas queixas ao Governo Imperial e pedidos de intervenção, para restabelecimento da ordem. A situação ficou tão insustentável que se receava que, a não tomar o governo brasileiro alguma medida mais enérgica, os gaúchos, sponte propria, o fizessem, com grave risco de secessão no Império brasileiro.

O Império, então, com apoio do governo argentino, resolveu mandar uma missão diplomática ao Uruguai, chefiada pelo Conselheiro José Antônio Saraiva, com finalidade pacificadora e tendo em vista garantir o direito e a segurança dos brasileiros ameaçados.

O Imperador, nas instruções dadas a Saraiva, frisou três pontos: 1) o Brasil devia em princípio abster-se de tomar posição na luta interna do Uruguai; 2) devia fazer uma reclamação enérgica, em favor dos brasileiros domiciliados naquele país; 3) somente em caso de ser desprezada essa reclamação, como última razão, seria empregada a força militar.

Saraiva se entendeu com o argentino Mitre, que à distância e discretamente lhe dava apoio; entendeu-se também com representantes britânicos sediados em Buenos Aires (extra-oficialmente, já que o Brasil, em decorrência da Questão Christie, tinha rompido relações diplomáticas e comerciais com o Reino Unido) e, depois de bem assentada a sua posição, propôs, como meio para acabar com a agitação interna do Uruguai, a convocação de eleições livres no país. Mas o governo de Aguirre recusou, porque não queria correr o risco de ser apeado do poder. À distância, Solano López dava total apoio a Aguirre e o açulava, prometendo sustentá-lo.

Aguirre endureceu cada vez mais sua posição e tornou impossível o diálogo. Seguiu-se um ultimato de Saraiva, que foi devolvido de modo pouco educado pelo governo de Aguirre. Solano López teve, então, a imprudência de mandar um ultimato ao governo do Império, dizendo que consideraria casus belli qualquer interferência brasileira no Uruguai. Ao que parece, López não imaginava que o Brasil de D. Pedro II ousasse desafiar o Paraguai, que era sabidamente a primeira potência militar de toda a América do Sul e estava armado até os dentes. Era um país pequeno e dependente da navegação do Rio da Prata para comunicar-se com o exterior, mas mantinha perto de 80 mil homens em armas e possuía armamento moderno, comprado na Europa. O Brasil tinha, em seu exército, menos de 20 mil homens, dispersos por todo o Império e seu armamento um tanto envelhecido nem de longe podia equiparar-se ao dos paraguaios. Somente a Marinha de Guerra brasileira estava mais bem preparada para um conflito e tinha nítida vantagem sobre a paraguaia. Segundo o Visconde do Rio Branco, López esperava que o Brasil recuasse, que Aguirre se mantivesse no poder no Uruguai, que seu aliado Justo José de Urquiza (blanco argentino que fazia oposição a Mitre e “flertava” com López) o apoiasse e ele saísse prestigiado da troca de ultimatos.

Mas D. Pedro II não transigia com a honra nacional. A Marinha Brasileira, comandada pelo Almirante Barão de Tamandaré, a 11 de agosto de 1864 iniciou a execução de algumas represálias contra o Uruguai, cumprindo os termos do ultimato anterior. Aguirre, a 3 de setembro, rompeu relações com o Império e despediu a representação diplomática brasileira. A 7 de setembro, as tropas brasileiras entraram em território uruguaio. Era um corpo de 5 mil homens, comandados pelo General João Propício de Mena Barreto, auxiliado pelos colorados locais, chefiados pelo General Venâncio Flores. Após algumas semanas de luta, com Montevidéu bloqueada pela Marinha brasileira e cercada pelas tropas brasileiras e pelas de Flores, Aguirre caiu nos primeiros dias de 1865, subindo ao poder o governo colorado de Flores, aliado a Mitre e ao Império.

A essa altura, a guerra com o Paraguai já estava em curso.

López, na lógica do seu imprudente ultimato, tinha apresado, antes mesmo de declarar guerra formal, o vapor Marquês de Olinda, que conduzia à Província de Mato Grosso o seu governador, invadindo poucos dias depois o território matogrossense. Ao mesmo tempo, para invadir o Rio Grande do Sul, cometeu a imprudência de penetrar em território argentino, nas províncias de Entre-Ríos e Corrientes, onde seu amigo Urquiza tinha sua base. Eram províncias que o Paraguai de longa data cobiçava.

Até esse momento, a República Argentina se mantivera simpática ao Brasil e aos colorados uruguaios, mas não parecia disposta a se envolver diretamente no conflito. Uma vez invadido seu território, viu-se envolvida nele, de modo que impôs-se a consolidação da Tríplice Aliança. O Paraguai se viu isolado e cercado. A “Maldita Guerra” estava apenas começando...

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOSé historiador e jornalista profissional, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.



publicado por Luso-brasileiro às 19:46
link do post | comentar | favorito

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI - ROTARY CLUB, A MAIOR ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL DO MUNDO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

            O Rotary Club foi fundado em  23 de fevereiro 1905 e  está completando assim, cento e doze anos de existência. Foi criado na cidade de ChicagoEstados Unidos, pelo advogado Paul Percy Harris e mais três homens de negócios, Gustav Loehr - engenheiro de minas, Hiran Shorey - alfaiate, Silvester Schiele - comerciante de carvão,  como a Associação Nacional de Rotary Clubs (“National Association of Rotary Clubs”) em 1910 e em 1912 seu nome mudou para “Rotary International” em função da admissão da primeira entidade fora dos Estados Unidos, em WinnipegCanadá.

Constitui-se hoje na maior Organização Não Governamental (ONG) do mundo, que representa o denominado Terceiro Setor, estando instituído  em duzentos e oito países, com aproximadamente um milhão e quatrocentos mil sócios. É concebido como um clube de serviços à comunidade local e mundial sem fins lucrativos, com caráter filantrópico e social, tendo por objetivo, estimular e fomentar o ideal de servir como base de todo empreendimento digno. Tanto que o lema da entidade é “dar de si antes de pensar em si

 Também segue “Prova Quádrupla”, criada em 1932, pelo rotariano Herbert J. Taylor, que a utilizou como instrumento de incentivo em sua própria empresa, que à época enfrentava uma grave crise. A adoção de tal postura levou a firma a sair de uma situação pré-falimentar. O mesmo teor foi  adotado pelo Rotary International em 1943, é amplamente divulgada pelos Rotary Clubes no mundo, e tem como finalidade desenvolver e manter altos padrões de ética nas relações humanas e que dispõe o seguinte: “Do que nós pensamos, dizemos ou fazemos. 1. É a verdade?; 2. É justo para todos os interessados?; 3. Criará boa vontade e melhores amizades? e 4. Será benéfico para todos os interessados?”.

Uma constante também é apoiar o companheirismo como elemento capaz de proporcionar oportunidade de servir, razão pela qual realizam uma série de atividades visando ampliar essa união. Parabenizamos os rotarianos que num mundo alienante e consumista, dedicam seu tempo e experiência em prol do ato de servir, tentando melhorar a situação de muitas pessoas, procurando compreender os que os rodeiam e ser solidários com o próximo, cultivando ainda relações amistosas entre eles.

Ressalto que em todo o mundo há vários grupos congregando inúmeros indivíduos de boa vontade, , que buscam servir e atuam em favor de terceiros, mantendo aceso o espírito de altruísmo característico da entidade.

 

                   Reflexão sobre a mudança de valores

 

Diante dos últimos acontecimentos em todos os níveis, principalmente a corrupção e o desrespeito constante à dignidade da pessoa humana e da própria vida, devemos refletir com urgência sobre a mudança dos valores dominantes e que hoje privilegiam o “ter” em detrimento do “ser”. Na realidade, não estamos mais nem conseguindo fazer coisas simples e sequer nos questionamos a respeito de circunstâncias elementares como conversar com um vizinho, manter limpas as ruas, participar da comunidade ou nos preocupar com os rumos de nossa cidade.

         Diz um educador que o homem, na sua vivência, tem de enfrentar duas forças antagônicas: o egoísmo e o altruísmo. O egoísta se preocupa apenas consigo mesmo e se exime de qualquer responsabilidade. O altruísta se inquieta também com os outros. Visando o nosso próprio bem, devemos aceitar algumas das dimensões do sacrifício e do compromisso, deixando de lado a permanente busca por comodidade. O futuro, coletivo e individual, depende de esforços pessoais que se somam e começam a mudar pequenas questões para, estruturando em muito trabalho e numa boa dose de renúncia, alcançar gradualmente, e o quanto antes, a consolidação de uma convivência afável e justa. Daí a enorme responsabilidade que temos pela consecução de um mundo melhor.

É de extrema relevância a consciência das inúmeras saídas, como também de que para nenhuma delas a fórmula é milagrosa. Todas exigem empenho e abnegação, mas primordialmente, muita veneração pelo próximo, amor à vida e por tudo que o mundo em que habitamos, e que às vezes pouco prezamos, têm-nos legado.

 

 

 

 

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI é advogado, jornalista, escritor e professor universitário. É presidente da Academia Jundiaiense de Letras (martinelliadv@hotmail.com).

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 19:39
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links