PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 17 de Junho de 2017
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - APENAS 15 MINUTOS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um dia, meio sem querer, acabei tendo um poodle comigo. Confesso que, amante dos vira-latas que sempre fui, seria muito pouco provável que fosse uma escolha. Comprado em uma loja de animais, outra situação para a qual tenho várias ressalvas, o poodle mini preto, batizado de Floquinho, era da minha irmã. Depois de uma curta temporada na casa da minha mãe, vendo que o cachorrinho de pouco mais de um ano estava triste sozinho, acabei levando-o comigo.

            Inicialmente era somente para que eu achasse um companheiro para ele. Após a adaptação, eu o devolveria para casa dos meus pais. E foi assim que o Peteco, um salsicha caramelo, com cerca de 5 meses, que foi abandonado pelos antigos donos, acabou indo parar lá em casa também. Logo de cara os dois se deram muito bem. Em verdade, muito mais porque o Floquinho, que era meio ranzinza com pessoas, era completamente tolerante com outros cães.

            Nem preciso dizer que a tal devolução jamais ocorreu. Em pouco tempo os dois se tornaram meus cachorros, donos da minha casa, parte da minha vida. Foram muitas as viagens de carro que fizemos, nós três, pelas estradas do interior de São Paulo. Era até engraçado: sempre que me viam fazer as malas, já condicionados, pulavam para dentro do carro, no banco traseiro e de lá não queriam mais sair. Mesmo que eu ainda fosse demorar algumas horas para sair. Assim, para evitar que os dois se antecipassem, certa vez fechei as portas do carro e apenas fui guardando as malas. Voltei para pegar algo dentro de casa e, quando voltei, encontrei os dois preparados, a postos dentro do porta-malas! O medo de ficar para traz foi capaz de torná-los cães saltadores.

            Quando me mudei para São Paulo, vinda do interior, os dois, por óbvio vieram junto. Aliás, sempre foi uma promessa que fiz a ambos, a de que estaríamos juntos até o fim, pouco importando quem de nós se fosse dessa vida primeiro. Não concebo que animais de estimação sejam repassados aos outros, até porque estima, segundo entendo, pode se traduzir, nesse caso, em um misto de amizade e amor. E amor que se preza, diga-se de passagem, traz consigo a lealdade.

            Depois de um tempo os meus dois amiguinhos adotaram uma dinâmica interessante. Quando saíamos para passear o Peteco ia sem coleira, puxando pela boca a coleira do Floquinho. Acabaram se tornando atração por onde passavam. Era comum as pessoas pararem para perguntar, para olhar os dois e nos perguntarem se havíamos ensinado o truque. O fato é que nunca ensinamos nada, ao menos nada que tenha dado certo. Tentamos que fizessem xixi nos lugares certos, mas a verdade é faziam onde bem quisessem e acabamos nos tornando especialistas em métodos de fazer o cheiro de xixi de cachorro desaparecer.

            Uma coisa engraçada é que os dois trocavam de personalidade. Dentro de casa o Floquinho sempre foi ranzinza e o Peteco a pura mansidão. Só com as pessoas, registre-se. Na rua, ao contrário, o Peteco se tornava um animal feroz, latindo para qualquer cachorro que estivesse em seu raio de visão, enquanto o Floquinho simplesmente confraternizava com todos, como se fosse um cãozinho de pelúcia.

            Dentro de casa, por outro lado, é preciso dizer que os dois nunca se comportaram de forma exemplar. Perdi as contas de quantas vezes chegamos em casa e encontramos cenas dignas de um furacão. Sacos de lixo rasgados, panos e roupas rasgadas já estavam na rotina da casa. Só quase não fui capaz de perdoar quando cheguei em casa e descobri minhas calopsitas covardemente assassinadas, mas tenho fortes motivos para crer que esse crime bárbaro foi obra exclusiva do Peteco, que até já tinha antecedentes desfavoráveis envolvendo ratos e pombas.

            E no meio de tudo isso, dessa loucura toda, fomos compondo uma família ao nosso jeito. Cada qual com seu gênio e comportamento característico. Um belo dia chegaram as gatas e quem as recebeu com amor foi o Floquinho, a quem apelidados de mini babá, já que cuidava delas enquanto eram bem pequenas. Embora fosse um cachorrinho capaz de morder o veterinário que o vacinava, o Floquinho era devotado ao Peteco. Brincávamos que tinham um relacionamento, um amor deles. Eram inseparáveis.

            Mas um dia, como acontece com tudo que vive nesse mundo, o Floquinho, que costuma nos puxar enquanto passeávamos, começou a não conseguir andar mais do que um quarteirão e a passos muito lentos. Dois meses depois, sofrendo do coração, passou a usar fraldas e emagreceu muito. Tornou-se, por outro lado, um paciente exemplar, incapaz de morder mesmo quando eu era obrigada a dar-lhe remédio à força, goela abaixo.

            Foram dois meses assim, enquanto alternávamos o sentimento de esperança de uma melhora e o medo de que ele sofresse. Até que em um momento, após tomar banho, ele morreu assim que chegou na porta de casa. Seu coração, depois de quinze anos e meio, resolveu por bem parar. Até hoje eu o procuro pela casa ou mesmo chamo pelo seu nome para que vá comer. Sei que é o curso da vida, mas é exatamente isso que me assusta. Olhando para traz, o sentimento que tenho agora é que não se passaram quinze anos desde o dia em que resolvi trazê-lo comigo, mas apenas e tão somente 15 minutos, um ligeiro sopro no tempo.

            Se fosse preciso, se me fosse dada a chance, faria tudo de novo.

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo.  -  cinthyanvs@gmail.com

 



publicado por Luso-brasileiro às 14:14
link do post | comentar | favorito

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - VIVÊNCIAS DO CIRCO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2vl2knt.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Quando vejo uma lona de circo estendida, há um ângulo em meu coração que faz festa, mesmo que não vá ao espetáculo. Parece que estendo a corda de um lado e prendo a estaca no céu.
O primeiro circo no qual estive foi em 1961. Encontrava-se na Rua Atílio Vianelo, onde residíamos. Rua de terra e, pelo mato, pirilampos. Tudo era motivo de alegria. E o circo?! Que coisa boa sair na calçada e verificar que ele permanecia lá. Dentro de mim misturavam-se: palhaços, maçã de amor, trapezistas, perna de pau, pipoca, algodão doce, atirador de facas, contorcionistas, mágicos... Havia animais também e desejava, de todas as maneiras, afagá-los. Não imaginava, na época, o que sofriam para serem treinados. Quanta crueldade! 
Mais tarde, em Poços de Caldas, em 1962, instalaram, na praça central,  uma espécie de barraca e um homem ficava dentro de uma caixa de vidro, deitado em cacos, e com uma serpente. A propaganda, que convidava para visitação, dizia que ele passaria quarenta dias no pequeno espaço, alimentando-se somente de líquidos. Despertava o interesse, mas não me enternecia. O cidadão se chamava Ben-Hur. Nos altos falantes se ouvia: “Ben-Hur passará quarenta dias sem ver a luz do sol; Ben-Hur passará quarenta dias sem se alimentar...”
Em um terreno, próximo ao local em que moro, na década de 90, por duas vezes, foi armado o Circo do Tareco. Achava o máximo aquela lona colorida perto de casa, a simplicidade dos atores, a propaganda, a cabra e os cachorros que integravam o show.
O circo é, para mim, mesmo que o veja apenas por fora, um momento de magia. Nele se encontra o picadeiro de minha infância com contos de fada, bonecas, fantasias, aquarelas, massinha, lig-lig; com o boizinho rosado de pelúcia que me acompanhou por muitos anos... O circo vai e vem, como o pêndulo do relógio que canta as horas. E como diz a música: “Vai, vai, vai terminar a brincadeira, /Que a charanga tocou a noite inteira, /Morre o circo e nasce na lembrança,/ Foi-se embora eu ainda era criança”.

 

 

 

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE -

 Professora e cronista. Coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala. Jundiaí, Brasil.


 
 



publicado por Luso-brasileiro às 14:09
link do post | comentar | favorito

VALQUÍRIA GESQUI MALAGOLI - FENÓMENO ABSTRATO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em composição de Alzira Espíndola e Itamar Assumpção, quem tem ouvidos ouve: “Pra que rancor, tanto tédio/ Pra que terror, tanta mágoa/ A vaca já foi pro brejo/ Os burros já deram n'água/ Pra que rogar tanta praga/ Pra que, se não tem remédio/ Pra que abrir outra chaga/ Por que não dormir sem medo/ Pra que ferir, ser ferido/ Pra que somente repúdio/ Pra que achar tudo errado/ Se o tal telhado é de vidro.”.

Entretanto, quem é que, hoje em dia, tem ouvidos para isso ou aquilo? Quem, se em tempos de célebres futilidades, bem faz quem os preserva quase sempre moucos, sabido é que os espera isto, traduzido por Mario Quintana: “Frases felizes...Frases encantadas... Ó festa para os ouvidos! Sempre há tolices muito bem ornadas... Como há pacóvios bem vestidos.”.

Mesmo porque, pensando bem, como bem antes de nós já pensou e disse Fernando Pessoa (que, aliás, de tanto pensar e dizer, apessoou-se em outros de si mesmo): “Não há sossego de pensar nas propriedades das coisas,/ Nos destinos que não desvendo,/ Na minha própria metafísica, que tenho porque penso e sinto./ Não há sossego,/ e os grandes montes ao sol têm-o tão nitidamente!/ Têm-o? Os montes ao sol não têm coisa nenhuma do espírito. Não seriam montes, não estariam ao sol, se o tivessem. (...) tudo é cansaço neste mundo subjetivado,/ Tudo é esforço neste mundo onde se querem coisas,/ Tudo é mentira neste mundo onde se pensam coisas/ Tudo é outra coisa neste mundo onde tudo se sente. (...) Ah, o existir o fenômeno abstrato – existir.” (Álvaro de Campos)

Não há, porém, saída a contento, considerando-se que o que faria uma criatura pensante, se não... vocês sabem – se não pensasse?

Desisto. Não encontro resposta.

Ou é essa a resposta própria: desiste-se.

E, penso eu, desistir não é uma opção. Não uma das boas, pelo menos.

Fazer arte, artesanato, terapia? Oras, tudo exige raciocínio.

Ninguém está livre do pensar, nem os tolos. Senão não se diria nem ouviria tanta bobagem.

Mesmo a fé, abstrata, quem diria?, do pensar não se abstrai...

“A criança olha/ Para o céu azul./ Levanta a mãozinha,/ Quer tocar o céu./ Não sente a criança/ Que o céu é ilusão:/ Crê que o não alcança,/ Quando o tem na mão.” (Manuel Bandeira).

 

 

 

 

Valquíria Gesqui Malagoli, escritora e poetisa, vmalagoli@uol.com.br / www.valquiriamalagoli.com.br



publicado por Luso-brasileiro às 14:05
link do post | comentar | favorito

JOSÉ RENATO NALINI - VIRTUDES PARA O MAL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Resultado de imagem para José Renato Nalini

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Para Aristóteles, “in medio virtus”. Ou seja, a virtude está no meio termo. Demorei para aceitar a ideia. O “meio termo” sempre me parecia a mediocridade, o morno, o incompleto. Mas o raciocínio aristotélico é interessante. Entre dois polos, o melhor é a moderação. Assim, entre a absoluta avareza e a desenfreada prodigalidade, a temperança é a virtude. Entre a preguiça e a hiperatividade, a postura adequada é ter tempo para a ociosidade e tempo para o trabalho. Entre a gula e o regime famélico, nutrir-se do necessário é virtuoso.

Agora vem outra ideia a me angustiar. Tenho visto que algumas virtudes estão sendo relegadas pelos que se dizem virtuosos e cultivadas pelos malfeitores. É o que leva o Brasil a reconhecer o malefício causado pelas facções criminosas. Ali, a infância é treinada a sobreviver, a despeito de toda a adversidade. O mal recruta a criança a partir dos seis ou sete anos de idade para servir de “aviãozinho” para transportar droga. E cobra dele um espírito de sacrifício inexigível para a criança da classe média.

O trabalho é diuturno, devotado e sem erro. Imagine alguém a pedir certa quantidade de maconha e receber como resposta que o funcionário encarregado de fornecê-la faltou. Ou que está doente, apresentou atestado médico. Ou que o produto está em falta.

Isso não ocorre. Entretanto, quando se necessita do serviço público, tais desculpas são rotineiras. Quem está mais preparado para sobreviver? O treinado pelo marginal ou o educado pela nossa escola do “mais ou menos”, do “da vida nada se leva”, do “é assim mesmo”?

O Brasil do bem é covarde, nessa fase melancólica em que nada parece funcionar, enquanto o Brasil do mal se organiza e faz a corrente demoníaca se desenvolver, crescer e recrutar a cada dia mais braços e inteligências.

Uma sociedade só dará realmente certo se os bons tiverem a coragem de ser audazes assim como os maus o são. Não se pode negar eficiência às facções criminosas. Enquanto é preso um jovem por causa das drogas, há uma fila de dez outros à espera de ocupar seu lugar. A cada prisão por tráfico de entorpecentes, o Brasil legal propicia o cárcere para mais várias outras pessoas. Pois o primeiro compromisso daquele que é preso pela vez primeira, junto à organização criminosa que cuidará de seu futuro e de sua família, é abastecer de droga o sistema. Aí vêm as irmãs, namoradas, mães, primas e companheiras, que se tornam outros alvos para o aprisionamento. Mas a Rede continua eficiente. E eficiência é virtude. Ou não é?

O que estamos fazendo para acabar com isso?

 

 

 

JOSÉ RENATO NALINI é secretário da Educação do Estado de São Paulo.



publicado por Luso-brasileiro às 13:50
link do post | comentar | favorito

FELIPE AQUINO - EXISTE SANTO CASAMENTEIRO ?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Desde a Idade Média criou-se uma tradição de que Santo Antônio, um frade franciscano, nascido em 1195, em Portugal e que viveu em Pádua, na Itália, era promotor de casamentos. Ele foi um santo doutor da Igreja, e que pregou até para o Papa Gregório XI (1227-1241).

 

 

 

santo-antonio-.jpg

 

 

 

Na verdade, em seus sermões ele não pregava nada específico sobre casamentos, mas ficou conhecido como o santo que ajuda mulheres a encontrarem um marido por conta da ajuda que dava a moças humildes para conseguirem um dote e um enxoval para o casamento, como era a exigência da época.

Segundo a lenda, certa vez, em Nápoles, havia uma moça cuja família não podia pagar seu dote para se casar. Desesperada, a jovem pediu a ajuda do Santo que, milagrosamente, lhe entregou um bilhete e disse para procurar certo comerciante. O bilhete dizia que o comerciante desse à moça moedas de prata equivalentes ao peso do papel. O homem não se importou, achando que o peso daquele bilhete era insignificante. Mas, para sua surpresa, foram necessários 400 escudos da prata para que a balança atingisse o equilíbrio. Nesse momento, o comerciante se lembrou que um dia havia prometido 400 escudos de prata ao Santo, e nunca havia cumprido a promessa. A moça pôde, assim, casar-se de acordo com o costume da época e, a partir daí, Santo Antônio recebeu – entre outras atribuições – a de “O Santo Casamenteiro”.

Há outras histórias, como a de que uma moça muito bonita, que não arranjava um marido, apegou-se a Santo Antônio. Adquiriu uma imagem do santo e colocou-a em um pequeno oratório. Todos os dias, colhia flores e as oferecia a Santo Antônio sempre pedindo que este lhe trouxesse um marido. Mas, passaram-se semanas, meses, anos… e nada do noivo aparecer.

 

 

Leia também: Por que Santo Antônio é considerado casamenteiro?

10 Ensinamentos de Santo Antônio de Pádua, doutor da Igreja

13/06 – Santo Antonio de Pádua

 

 

intercessao_culto_santos.png

 

 

Então, tomada pelo desgosto e pela ingratidão do santo, ela atirou a imagem pela janela. Neste momento, passava um jovem cavalheiro que foi atingido pela imagem do Santo. Ele apanha a imagem e vai entregar à jovem, que se apaixona por ele, e se casam.

Na verdade Santo Antônio, e os demais santos, “intercedem por nós diante de Deus sem cessar”, diz uma das orações eucarísticas. Mas a Igreja não declarou nenhum santo como “casamenteiro”; há santos protetores do casamento. No entanto, como Santo Antônio é grande intercessor diante de Deus, as moças solteiras podem pedir a ele a graça de encontrar um bom marido.

Mas não apenas a Santo Antônio. Conheço uma moça que certa vez, fez uma novena a Santa Rita de Cássia para encontrar um bom namorado cristão, e o encontrou num Acampamento da Canção Nova; hoje está casada com ele e tem dois belos filhos. E este é apenas um de muitos casos de graças como estas alcançadas pela intercessão dos santos.

Portanto, cuidado com as simpatias para conseguir um bom namoro ou casamento. Nada de virar a imagem de santo Antônio de cabeça para baixo, afoga-lo num copo de água, ou de tirar o Menino Jesus de seus braços e virá-lo de frente para a parede. Esses hábitos não se coadunam com a fé católica.

Os santos estão pertinho de Deus e não cessam de interceder por nós. Se hoje você está a procura de um bom marido ou de uma boa esposa, peça com a fé a intercessão dos santos por sua vida.

 

 

 

FELIPE AQUINO - Escritor católico. Prof. Doutor da Universidade de Lorena. Membro da Renovação Carismática Católica.

 



publicado por Luso-brasileiro às 13:40
link do post | comentar | favorito

PAULO R. LABEGALINI - ENTRE O CÉU E O INFERNO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Paulo Labegalini.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um rapaz vinha dirigindo sua pequena caminhonete numa estrada e logo avistou uma tempestade. Resolveu, então, encostar num posto de gasolina e lá encontrou três pessoas precisando de carona: uma senhora gravemente doente, uma bela jovem que lhe sorriu docemente, e um médico indo para o trabalho. Na caminhonete só dava para levar um deles. Se fosse você, quem levaria?

Numa atitude cristã e com muita sabedoria, ele ficou no posto com a jovem e entregou a chave do carro para o médico levar a senhora ao hospital. Nada mais justo e conveniente, não acha?

Da mesma forma, quantas decisões poderiam ser tomadas com amor ao próximo, colocando em primeiro lugar o sofrimento daqueles que precisam de ajuda! Por exemplo, quando passamos pela rua e vemos um pobre caído, um amigo se aproximando pela calçada e um filho passando de carro, o que fazemos?

Mesmo sabendo que a caridade sempre deve prevalecer, talvez o mais provável seria saudarmos o filho com uma das mãos e estendermos a outra para cumprimentar o amigo. E qual a consequência disso, já pensou? Futuramente, o filho tenderia a seguir a mesma atitude do pai, o amigo ouviria uma série de assuntos meio sem importância naquele momento e o pobre continuaria jogado na calçada.

Que tal seria se os três colocassem o homem caído no carro e o levassem a um abrigo ou ao hospital? Não seria o que Jesus faria? Seria também uma atitude digna de merecer o Céu, concorda? Mas há quem faça isso, sim, e eu conheço vários irmãos da Pastoral da Sobriedade que cumprem fielmente a missão que Deus lhes deu.

E o valor da caridade ainda é maior porque servem com amor e no anonimato. Sabem que existe um lugar maravilhoso na eternidade lhes esperando e não são egoístas de buscarem chegar lá sozinhos. Compreendem, também, a diferença entre o Céu e o Inferno, como nesta história:

Um samurai, alto e forte, conhecido pela sua índole violenta, foi procurar um sábio monge em busca de respostas para suas dúvidas.

– Monge, ensina-me sobre o Céu e o Inferno.

O monge, de pequena estatura e muito franzino, olhou para o bravo guerreiro e lhe disse:

– Eu não poderia ensinar-lhe coisa alguma, você está imundo! Seu cheiro é insuportável! Ademais, a lâmina da sua espada está enferrujada. Você é uma vergonha para a sua classe.

O samurai ficou enfurecido. O sangue lhe subiu ao rosto e ele não conseguiu dizer nenhuma palavra, tamanha era sua raiva. Então, empunhou a espada, ergueu-a sobre a cabeça e se preparou para decapitar o monge.

– Aí começa o Inferno – disse-lhe o sábio, mansamente.

O samurai ficou imóvel. A sabedoria daquele pequeno homem o impressionara, afinal, arriscou a própria vida para lhe ensinar sobre o Inferno. E o bravo guerreiro abaixou lentamente a espada.

Passado algum tempo, já com a intimidade pacificada, o samurai pediu humildemente ao monge que lhe perdoasse pelo gesto infeliz. Percebendo que seu pedido era sincero, o monge disse:

– Aí começa o Céu.

Portanto, tanto o Céu quanto o Inferno, são estados de espírito que escolhemos no nosso dia-a-dia e começam dentro de nós. A cada instante, somos convidados a tomar decisões que definirão o início do Céu ou o começo do Inferno. Quando alguém nos ofende, podemos erguer o martelo da ira ou usar o bálsamo da tolerância. A escolha é livre!

Visitados pela calúnia, podemos usar o machado do revide ou o óleo do perdão. Diante da enfermidade inesperada, podemos lançar mão do ácido dissolvente da revolta ou empunhar o escudo da confiança. Ante a partida de um ente querido, podemos optar pelo punhal do desespero ou pelo livro de oração.

Enfim, surpreendidos pelas mais infelizes situações, poderemos sempre optar por abrir abismos de incompreensão ou estender a ponte do diálogo que nos possibilite uma solução feliz. A decisão depende sempre de nós mesmos.

Portanto, criar céus ou infernos dentro da nossa alma, é algo que ninguém poderá fazer por nós. A porta que nos separa do Paraíso não poderá abrir-se enquanto esteja fechada a que fica entre nós e o próximo.

E você, que certamente quer morar no Céu e se livrar do fogo do Inferno, está fazendo a sua parte? Se ainda não pensou nisso, sabe ao menos por onde começar o seu gesto concreto? São dezenas de opções, mas eis algumas: doar alimentos aos vicentinos ou à Pastoral da Sobriedade, ajudar uma creche ou um asilo, visitar um doente e rezar com ele, procurar um padre e se confessar, entrar num movimento ou pastoral da Igreja e perseverar com o grupo etc.

Melhor do que qualquer explicação é ver de perto. Então, convido você a participar efetivamente da Igreja e testemunhar um pedacinho do Céu. Verá que vale a pena chegar lá!

 

 

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI - Escritor católico. Vicentino de Itajubá - Minas Gerais - Brasil. Professor doutor do Instituto Federal Sul de Minas - Pouso Alegre.‘Autor do livro ‘Mensagens Infantis Educativas’ – Editora Cleofas

 



publicado por Luso-brasileiro às 13:32
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - CONHECER A NOSSA GENTE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Estava num estabelecimento, da Avenida José Peixinho, em Aveiro, a tomar o cafezinho matinal, quando escutei dois sujeitos: um, de cabelos brancos e rosto sulcado pela goiva do tempo; outro, ainda jovem, com pouco mais de vinte anos, de calças de ganga azul, e tsirt da mesma cor, ostentando frase, em língua desconhecida - para mim.

Gosto de ouvir o povo: as conversas nos transportes publicos; os motoristas de táxi; os operários; as vendedeiras de feira…Gosto, porque só, por eles,  se pode compreender a sociedade em que se está inserido.

A mass-media pode ser o reflexo, o espelho da colectividade. Mas, quantas vezes, não é a voz das elites?…

Quem quer conhecer a verdade, ouça o povo simples: o pai e a mãe de família.

Dizia o mais idoso para o jovem:

- "Ouvi comentarista, na TV, dizer que o acordo da Europa com o Canadá, é benéfico para nós, já que os canadianos ganham, em média, o dobro dos portugueses…"  -  Lembrei-me de Salazar e dos seus discursos…”

Nesse momento o jovem interrompeu, para recordar os vencimentos dos gestores.

- “É uma pouca vergonha!” - Continuou o velho. - “ Dizem: se não forem bem pagos, emigram. Pensando assim, os trabalhadores deviam ganhar bem, para que os melhores não fujam…Chego a pensar, que a elite, que nos governa, julga: que quem não se expatria, é burro…”

Como o jovem argumentasse que devia haver patriotismo, o senhor de cabelos brancos, retorquiu:

- “ Isso de patriotismo, só se encontra no povo humilde, agarrado à sua terra e à sua gente. Os outros... só pensam na carreira e no dinheiro. Sempre foi assim, e assim será. No meu tempo, quando era moço, como tu, havia muitos que iam a salto para França. Uns, procuravam vida melhor; outros, para não irem para a guerra. Nunca quis ser desertor… Parecia-me atitude indigna e vergonhosa. Fui. Alguns ficaram por lá…; outros, vieram doentes e mutilados. A guerra acabou. Os que cumpriram o dever, nada ganharam...; dos que fugiram, houve quem fosse considerado herói… Ser herói ou traidor, depende do tempo em que se vive. O herói, pode ser traidor, e o traidor herói, de harmonia com a época,  local e  sociedade que se insere.”

A conversa estava interessante. Apurei o ouvido, para melhor entender, já que começaram a falar a meia-voz.

Comentaram as pensões; o aumento dos produtos agrícolas; o facto do IVA descer para a restauração; o desemprego, que desce, porque todos os dias se emigra; a necessidade de braços para a lavoura; e despediram-se, afectuosamente, apertando as mãos com um “ até amanhã”.

E fiquei a pensar: quem quer conhecer verdadeiramente a necessidade do povo: seus problemas, suas ambições, tem que viver no meio dele e escutá-lo

Como se pode conhecer a nossa colectividade, quando se frequenta restaurantes elegantes; e se convive com gente da elite, que aufere bons vencimentos e se passa o tempo em bons hotéis, a viajar pelo mundo?

 

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -   Porto, Portugal

 



publicado por Luso-brasileiro às 12:14
link do post | comentar | favorito

CLARISSE BARATA SANCHES - TODA ESTA NOITE UM ROUXINOL CHOROU

 

 

 

                    

 

 

 

14987469_dmT5s.jpeg

 

 

 

 

 

 

 

 

                                      

 

                  QUADRA DE FLOBELA ESPANCA

 

 

 

 

 Toda esta noite um rouxinol chorou!

 Gemeu, rezou, gritou perdidamente!

 Alma de rouxinol, alma de gente,

 Tu és, talvez, alguém se que se finou!

 

                             

                FLORBELA ESPANCA

 

 

                        GLOSA

 

 

“Toda esta noite um rouxinol chorou”

 Chorou e não deixou dormir a gente,

 E só de madrugada se calou;

 Mas porque estava ele descontente?!

 

                                                                                 

 Abri uma janela, ele cantou,

 “Gemeu, rezou, gritou perdidamente!”

 Mas, num momento, alegre, se calou

 Ao ver a companheira à sua frente!

 

 Sem ela, numa noite, impaciente,

 Apeteceu-lhe logo ir voar,

 “Alma do rouxinol, alma de gente,”

 E abala de manhã com o seu par…

 

Andava arreliado o rouxinol

E nesse voo, lindo, ele escutou:

 Deixa te de lamúrias, olha o Sol!...

"Tu és, talvez, alguém que se finou!" 

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                   

  

CLARISSE BARATA SANCHES   -   Góis, Portugal

 

 

 

***

 

 

 

RESPIGANDO NA NET

 

1369948780852.jpg

 

 

 

Incrível animação para fazer as crianças se encantarem com o mundo dos livros - NotaTerapia

Curta-Metragem vencedor do Oscar mostra o poder que os livros podem ter nas crianças Uma história bem contada pode mudar a vida de uma criança. Ainda mais se for uma incrível



http://notaterapia.com.br/2017/06/08/uma-incrivel-animacao-para-fazer-as-criancas-se-encantarem-com-o-mundo-dos-livros/

 

 

 

mw-150.png

 

 

Saiba o que nunca deve fazer a um gato

 

Ter um gato não é o mesmo que ter um cão ou um bebé humano. Aqui ficam dez atos que estão proibidos a quem cuida de um gato



http://visao.sapo.pt/opiniao/bolsa-de-especialistas/2017-03-08-Saiba-o-que-nunca-deve-fazer-a-um-gato

 

 

 

Aline-Maria-Bianco_Teatro-LA-12-600x400.jpg

 

 

 

10 razões pelas quais seu filho deve fazer teatro | Viver Bem

 

Seu filho é tímido? Precisa ampliar seu repertório cultural? O teatro pode ser uma excelente forma de abrir seus horizontes.



http://www.gazetadopovo.com.br/viver-bem/saude-e-bem-estar/filhos/10-razoes-pelas-quais-seu-filho-deve-fazer-teatro/

 

 

 

mw-860.jpg

 

 

Educadora no berçário pode "fazer a diferença na adaptação dos bebés à creche"

 

Logo no primeiro mês de um bebé na creche, este passa cerca de sete horas por dia na instituição, indica um estudo do Politécnico do Porto (IPP) e da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação (FPCEUP). Neste contexto, "ter uma educadora de infância na sala de berçário e promover uma boa comunicação entre a creche e a família podem fazer a diferença para a adaptação dos bebés à creche".



http://sicnoticias.sapo.pt/pais/2017-01-11-Educadora-no-bercario-pode-fazer-a-diferenca-na-adaptacao-dos-bebes-a-creche

 

 

 

 

eduardo_sa-720x340.jpg

 

 

O Jardim de infância não é para aprender a ler nem a escrever – Eduardo Sá

 

“Devia ser proibido ensinar a ler e a escrever no jardim de infância”. A ideia foi defendida por Eduardo Sá no encontro “Vale a Pena ir à Pré”, uma iniciativa conjunta da Carlucci American…



http://jottaclub.com/2017/03/o-jardim-de-infancia-nao-e-para-aprender-a-ler-nem-a-escrever-eduardo-sa/

 

 

 

 

bigstock-Young-Child-s-Hands-Praying-On-59252489-1

 

 

Estudo comprova que prática religiosa na infância afasta jovens do alcoolismo e drogas - Sempre Família

 

Uma infância religiosa contribui para que o futuro jovem não tenha comportamentos de risco



http://www.semprefamilia.com.br/estudo-comprova-que-pratica-religiosa-na-infancia-afasta-jovens-do-alcoolismo-e-drogas/

 

 

 

***

 

 

Horário das missas em, Jundiai ( Brasil):

 

http://www.horariodemissa.com.br/search.php?opcoes=cidade_opcoes&uf=SP&cidade=Jundiai&bairro&submit=73349812

 

 

 

 Horário da missas em São Paulo:


http://www.horariodemissa.com.br/search.php?uf=SP&cidade=S%C3%A3o+Paulo&bairro&opcoes=cidade_opcoes&submit=12345678&p=12&todas=0

 

http://www.horariodemissa.com.br/search.php?uf=SP&cidade=S%C3%A3o+Paulo&bairro&opcoes=cidade_opcoes&submit=5a348042&p=4&todas=0

 

 

 

 Horário das missas na Diocese do Porto( Portugal):

 

http://www.diocese-porto.pt/index.php?option=com_paroquias&view=pesquisarmap&Itemid=163

 

 

 

*** 



publicado por Luso-brasileiro às 12:12
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 12 de Junho de 2017
JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI - DIA MUNDIAL DE CONSCIENTIZAÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA IDOSA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa, 15 de junho, instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) e Rede Internacional de Prevenção à Violência à Pessoa Idosa em 2006, objetiva criar uma consciência mundial, social e política da existência da violência contra a pessoa idosa, e, simultaneamente, disseminar a ideia de não aceitá-la como normal. Por outro lado, o elevado número de agressões registrado exige políticas públicas que assegurem a dignidade a essa faixa da população, suscitando das pessoas de todo o mundo, providências no sentido de respeitá-la em todos os aspectos e circunstâncias.

Tanto que a cidade de São Paulo registra diariamente 30 denúncias de maus-tratos contra pessoas da terceira idade – por hora, pelo menos um idoso é maltratado, segundo levantamento do Conselho Municipal do Idoso, que encaminha as queixas ao Ministério Público (MP). Os tipos de violência cometidos são os mais variados: vão desde maus-tratos, passando por abandono, até chegar a crimes contra o patrimônio da vítima.

A questão dos direitos fundamentais do ser humano, relevante por si só, adquire uma nova e inusitada dimensão quando considerada à luz do crescimento demográfico de todo o mundo, pois envolve, em relação à terceira idade, aspectos e peculiaridades que não podemos ignorar. Ela origina exigências de respeito, acatamento, reverência e solidariedade, tão importantes quanto os aspectos materiais e de saúde.

Como expusemos com mais abrangência em nosso livro “O Direito de Envelhecer num País Ainda Jovem” (Editora “In House” - 2006), reiteramos que atualmente, com a predominância do interesse exclusivo pela produção e consumo, ocorre gradual despersonalização do ser humano, com graves reflexos sobre o idoso. A falta de oportunidade ocasiona o seu isolamento, já que passam da condição de produtor para a de consumidor, gerando um processo de discriminação, espelhada na própria precariedade da política social. Tanto que a atuação da Previdência Social se restringe ao pagamento de humilhantes e minguadas pensões, com uma assistência médica distante, muitas vezes, das circunstâncias mínimas de um tratamento condizente com as enfermidades de que é portador. Por outro lado, quem mais lhe nega a realização de seus anseios, é exatamente a família, pois, em certos lares, ele passa a ser visto como um “estorvo”. Esquecem-se os parentes próximos de tudo o que ele fez por seus filhos, principalmente as renúncias para propiciar-lhes melhores condições de vida.

         Na realidade, o ancião não precisa de esmolas, mas de justiça e de direitos como o de viver, de envelhecer, de lazer e de ter uma medicina preventiva. As instituições federais, estaduais, municipais e entidades afins, necessitam efetivamente criar programas de assistência à velhice, bem como, desenvolver, através de campanhas educativas e seminários, a consciência sobre a importância de um trabalho de prevenção à sua marginalização. Despertar na sociedade que ele mesmo ajudou construir, uma visão ampla das possibilidades de aproveitamento da força laborativa dos idosos; a experiência, a criatividade e a imensa capacidade de amor e energia que podem transmitir, como meio, inclusive, de combater e prevenir os problemas relacionados com sentimentos de inutilidade, solidão e infelicidade.

Já se disse que o nível de evolução de uma sociedade se pode aferir por vários indicadores sociais, mas o respeito principalmente devotado aos idosos e crianças, atesta em profundidade o grau de civilidade das pessoas. O interesse e reverência nesses casos traduzem a consciência de responsabilidade que a comunidade dispõe para garantir a subsistência em níveis de dignidade e segurança. Em condições ideais, jovens e idosos devem desfrutar de atenção, recursos de educação, saúde, transporte, moradia e lazer, como benefícios outorgados na construção da sociedade do futuro e no reconhecimento pelo que foi realizado em vida.

         Por isso, nada mais justo do que outorgar as pessoas da terceira idade, respeito e dignidade plena. Encerramos, invocando o célebre filósofo Norberto Bobbio: “O velho sabe por experiência aquilo que os outros ainda não sabem e precisam aprender com ele, seja na esfera ética, seja na dos costumes, seja na das técnicas de sobrevivência”.

 

 

 

 

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI advogado, jornalista, escritor e professor universitário. É presidente da Academia Jundiaiense de Letras (martinelliadv@hotmail.com)

 



publicado por Luso-brasileiro às 20:07
link do post | comentar | favorito

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - HOMENAGEM AO ARCEBISPO D. DUARTE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No dia 15 de março último, o Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo realizou sessão solene de homenagem à memória de D. Duarte Leopoldo e Silva, 13º. Bispo e 1º. Arcebispo de São Paulo, por ocasião dos 150 anos de seu nascimento. Na mesma sessão, foi admitido como sócio titular do IHGSP o Cardeal-Arcebispo D. Odilo Scherer. Apesar do caos generalizado na cidade (pois nesse dia estavam simultaneamente em greve metrô e ônibus), compareceram mais de 70 pessoas, de modo que a sessão se revestiu de brilho condigno.

  1. Duarte, nascido em Taubaté a 4/4/1867 e falecido em São Paulo, no dia 13/11/1938, foi membro ativo e chegou a ser vice-presidente do IHGSP, como destacou a atual Presidente, Dra. Nelly Martins Ferreira Candeias no discurso de abertura que proferiu. Foi um arcebispo intelectual, respeitado como historiador e grande conhecedor de arte sacra.

Para entendermos bem quem foi D. Duarte e qual seu papel, há que contextualizá-lo.

Até 1889, o Catolicismo romano foi a religião oficial do Império, o que lhe garantia uma situação extremamente privilegiada, de um lado, mas trazia sérios inconvenientes, de outro. De fato, por efeito do abusivo regalismo herdado de Portugal, na prática o Poder eclesiástico se via coarctado e, de certa forma, instrumentalizado pelo Poder civil.

Quando o Brasil se tornou República e declarou a Igreja separada do Estado, o Episcopado brasileiro condenou formalmente essa separação, na célebre Pastoral Coletiva de 1890, mas não deixou de ver com certo alívio que, “per accidens”, a separação lhe traria uma liberdade de atuação da qual anteriormente não gozava.

Até a primeira década do século XX, os bispos eram muito poucos no país. Em 1900, o Brasil possuía apenas duas arquidioceses (Bahia e Rio de Janeiro) e 15 dioceses. Os únicos Estados da federação que possuíam mais de um bispo eram Rio de Janeiro (que, além do Arcebispo da Capital tinha o Bispo de Petrópolis) e Minas Gerais (que tinha dois bispados, em Mariana e em Diamantina). A Diocese de Curitiba abrangia os territórios somados de Paraná e Santa Catarina, o Bispado de S. Paulo abrangia o Estado inteiro e também algumas poucas cidades do sul de Minas Gerais. Imagine-se, nas condições da época, o que não era uma visita pastoral – obrigação que cada bispo tinha de fazer, periodicamente, a todas as paróquias da sua circunscrição!

A grande expansão da Igreja, no Brasil e na América Latina em geral, se deu já no início do século XX. Na origem dessa expansão está o famoso Concílio Plenário Latino-Americano, realizado em Roma, em 1899, no final do Pontificado de Leão XIII. Quem organizou esse concílio e lhe deu uma vitalidade extraordinária foi um capuchinho espanhol bastante conhecido por seus livros de Teologia Moral, Frei José de Llavaneras, que no fim do concílio, como recompensa por seu trabalho, recebeu o título de Cardeal e retomou seu nome civil, pelo qual é hoje muito mais conhecido: José de Calasans de Vives y Tutó. Curiosamente, muita gente conhece a fama de Llavaneras como moralista e conhece a atuação do Cardeal Vives y Tutó, mas pouca gente sabe que são a mesma pessoa!

O Cardeal Vives y Tutó foi o confessor do Papa seguinte, São Pio X, e teve muita influência no pontificado deste, no qual teve prosseguimento o ímpeto de expansão do catolicismo latino-americano, diretamente impulsionado a partir de Roma. Foi o chamado processo de romanização da Igreja latino-americana. Já em 1922, a Pastoral Coletiva dos Bispos Brasileiros por ocasião do centenário da Independência foi assinada por um Cardeal-Arcebispo, D. Joaquim Arcoverde de Albuquerque Cavalcanti, por 12 outros Arcebispos, 37 Bispos, 3 Prelados e 4 Administradores apostólicos de Prelazias em formação. A simples comparação numérica permite avaliar o desenvolvimento enorme da Igreja nesse período.

É precisamente neste ponto que entra em cena o homenageado D. Duarte Leopoldo e Silva. Ele se inseriu nesse movimento ascensional do catolicismo latino-americano e foi, assim como seu grande amigo o Cardeal D. Sebastião Leme da Silveira Cintra, figura exponencial dele.

Continuaremos a falar de D. Duarte no próximo artigo.

 

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS,  é jornalista profissional e historiador, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Academia Portuguesa da História.

 



publicado por Luso-brasileiro às 20:03
link do post | comentar | favorito

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - O CORPO DE CRISTO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

           

            Sessenta dias após o Domingo de Páscoa ou na quinta-feira seguinte ao Domingo da Santíssima Trindade ocorre a festa católica de Corpus Christi, celebrando o mistério da Eucaristia, o sacramento do sangue e do corpo de Cristo. Em muitas cidades, tradicionalmente, usa-se recobrir ruas principais com materiais coloridos como serragem, farinha e sal, formando motivos e símbolos cristãos, marcando o caminho pelo qual vai passar a procissão de fiéis. A festa foi instituída pelo Papa Urbano IV e a procissão simboliza a caminhada do povo de Deus em busca da terra prometida.

            Confesso que para escrever o parágrafo acima eu tive que fazer uma pequena pesquisa para minimamente ser capaz de dar uma informação razoável, pois falta-me o conhecimento mais específico sobre o tema. Por outro lado, tenho várias lembranças especiais envolvendo essa data e hoje, ao escrever sobre o assunto, elas me invadiram o coração e me fizeram viajar pelo tempo.

            Recordo-me de que, por algumas vezes, em cidades nas quais morei, inclusive, de ter ajudado a enfeitar a rua junto com outras crianças, encantada ao ver os desenhos tomando forma, dando conta de que o colorido invadia o que antes era somente asfalto. Nunca deixei de ter pena de imaginar tudo apagado no dia seguinte, depois da procissão passar. Ficava tudo tão colorido, tão alegre, assim como deve ser a alma daqueles que acreditam e tem fé no Divino.

            Ainda viajando pelas minhas lembranças, encontrei uma que me é especialmente cara. Durante muitos anos, enquanto morei na casa dos meus pais, na cidade de Lins, a procissão de Corpus Christi passava na rua de casa. Não foram muitas as vezes nas quais eu participei da procissão, mas o fiz em algumas oportunidades. Talvez a memória esteja me pregando peças, mas eu me lembro de que em várias madrugadas ouvia a procissão passando e as pessoas em oração, entoando Ave-Marias e Pai-Nossos. Faltam-me palavras para descrever a cena, mas sou capaz de sentir novamente o conforto que as preces uníssonas me proporcionavam enquanto, na minha cama, eu me envolvia nas cobertas, no friozinho das primeiras horas do dia.

            A razão maior pela qual as procissões de Corpus Christi guardam espaço privilegiado em minhas memórias afetivas é que invariavelmente dela participava, ano após ano, minha querida e hoje saudosa Tia Edna, minha madrinha, minha mãezinha do coração. Mulher de fé inabalável, tinha um coração que pertencia indiscutivelmente ao Bem, a Deus. Sempre que eu ouvia a procissão passando pela rua de casa, eu sabia que lá no meio seguia alguém em cujas orações eu estava. A festa dela, nesse ano, estou certa, é na Casa do Pai, no lugar no qual as taças sempre transbordam...

            Voltando meus pensamentos para data em comento, eu me peguei pensando no mistério da Eucaristia, dentro daquilo que posso compreender. Assim, peço vênia por fazer analogias que provavelmente possam ser muito rasas, mas eu acredito que se as pessoas, católicas ou não, fossem mais capazes de compartilhar a mesma mesa, respeitando as diferenças, partindo o mesmo pão, bebendo do mesmo vinho, por certo seriam capazes de entender o milagre, a dádiva que surge sempre que se divide o que se possui, quando se dá ao outro mesmo o que não se tem. Sangue que se torna vinho e carne que se torna pão são milagres que se repetem simbolicamente sempre que alguém se dedica ao próximo, verdadeiramente.

            O mundo, a propósito, está carente de tolerância para que se divida a mesma mesa, as mesmas ideias, para que partilhe o mesmo pão. Vivemos tempos nos quais o Corpo e o Sangue de Cristo quase não encontram morada terrena. Pouco ou nada fazemos ou mesmo propagamos que seja capaz de multiplicar o pão, de saciar a sede de quem vive na linha da miséria física e moral.

            Se não tivermos a sensibilidade para ver que aos poucos, pela nossas ações e omissões, nossas mesas e corações se esvaziam, em breve seremos incapazes até mesmo de entendermos quais os erros cometidos e qual o vinho que devemos saborear para conhecemos o genuíno sangue de Cristo.

            Fico no desejo de que não deixemos morrer em nós a certeza de que Deus se fez e se faz presente entre seus filhos, provendo-os de amor, do pão da vida e do sangue que nos redime de todos os pecados. Amém!

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo.  -  cinthyanvs@gmail.com

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 19:58
link do post | comentar | favorito

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - VIVÊNCIAS DO PASSAR DOS ANOS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2vl2knt.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 
Resido em Jundiaí desde 1963. Às vezes, quando passo pela rua onde vivi mais tempo e por outras em que trabalhei, ou estava com maior frequência, incluindo as praças centrais, tento me reconhecer nos espaços ou busco características de décadas passadas. Encontro novas construções em terrenos conhecidos ou reformas que descaracterizaram as imagens que trago comigo. É uma sensação estranha, pois tudo me parece incomum e familiar. Dentro de mim, há uma janela que se abre para o passado e, através dela, consigo ver aquilo que me tocou o coração. São perfumes, tons, silhuetas, abraços, árvores frutíferas, flores, livros, cadernos, canções, preces... Creio que não me despedi de nenhum deles e nem desejo que isso aconteça. Impregnaram minha vida e permanecem. Sou, portanto, a soma do que aconteceu e do cotidiano. Mas sou, também, o acréscimo das histórias que meu pai contava com emoção.  Inseriram-se em minha alma. Sou, igualmente, as histórias de minha mãe. Meus pais foram de vivências intensas e me carreguei delas, mesmo das que apenas ouvi o relato. Vivência de filmes, poemas, músicas, tango, fados, valsas, viagens, paisagens, montanhas, oceanos... Creio que exuberância seja necessária para cada instante. Ah, então concluo que esse familiar, onde nada mais é habitual, deve-se às forças das pegadas de quando passei por ali! Marquei o chão com pegadas fortes dos sonhos. Sou fértil em sonhos, embora se modifiquem.
Vem-me a “Arte de ser feliz” de Cecília Meireles: “... Às vezes, um galo canta. Às vezes, um avião passa. Tudo está certo no seu lugar, cumprindo o seu destino. E eu me sinto completamente feliz. Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas, que estão diante de cada janela, uns dizem que essas coisas não existem, outros que só existem diante das minhas janelas, e outros, finalmente, que é preciso olhar, para poder vê-las assim”.

 

 

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE -

 Professora e cronista. Coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala. Jundiaí, Brasil.

 



publicado por Luso-brasileiro às 19:53
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links