PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 24 de Março de 2018
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - ANSIEDADE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

             Vira e mexe eu me pego de novo escrevendo sobre o tempo. Creio que tenho uma fixação pelo tema, sobretudo pela forma como o tempo é capaz de transformar praticamente todas as coisas. De uma forma ou de outra, ele tudo soluciona, ainda que seja para deixar claro que algumas coisas não podem ser revistas.

            Com toda certeza uma das coisas mais importante que o tempo fez por mim foi diminuir minha ansiedade a níveis administráveis, compatíveis com uma vida equilibrada, eis que nem sempre isso foi possível. Quando eu era uma estudante universitária, por exemplo, passava grande parte do tempo remoendo sobre como seria o futuro, sobre o que eu faria na próxima semana e o que, em suma, seria de mim.

            Hoje eu sei que isso tudo era uma imensa perda de tempo, essa moeda sem câmbio. Segundo me parecia à época, se eu não me ocupasse desses pensamentos, as coisas poderiam sair do controle. Como se em algum momento estivessem, de fato, estado... Passei tanto tempo preocupada com o que seria, que em muitos momentos deixei de ser.

            Não sei exatamente quando compreendi que quase tudo se dá à revelia dos nossos pensamentos, dos nossos pensamentos mágicos ou trágicos. Não importa o quanto nos ocupemos da tentativa da adivinhação, o futuro é um quadro em branco no qual vamos escrevendo aos poucos com tinta indelével e que não se permite ser preenchido em um único ato ou antecipadamente.

            Acredito que a vida nos compense com um pouco de sabedoria, um pouco de maleabilidade emocional para que possamos compensar com o fato de que nossos corpos irem perdendo essa característica. Assim, embora eu ainda sofra com alguns porvires, isso tem ficado reservado a questões de fato importantes, significativas.

            Enquanto escrevo isso estou aplicando prova aos meus alunos do curso de Direito e o assunto me veio à mente porque assim que entrei na sala de aula encontrei olhares apavorados, repletos de ansiedade e nervosismo e naturalmente me lembrei da estudante que um dia também  fui. Nesse sentido, não tenho saudades de sentir como se uma prova pudesse alterar minha vida de forma permanente.

            Tentei conversar minha turminha de que a prova estava justa, tranquila até, eis que tão somente pergunto sobre aquilo que expliquei de forma exaustiva. Sei, no entanto, que isso foi um esforço em vão, já que tão somente a experiência pode nos ensinar determinadas coisas, mas persisto na tentativa de acalmar ânimos de pessoas que desperdiçam energia com questões de menor importância.

            É realmente uma pena que não sejamos capazes, na maior parte das vezes, de aprender a viver com o que os mais velhos nos transmitem. Penso que isso otimizaria alguns sentimentos, economizaria dores e decepções, mas talvez seja esse mesmo o propósito da vida humana, essa viagem que cada qual percorre acompanhado fisicamente, mas sozinho nas emoções.

            Se eu pudesse dar um único conselho a jovem que um dia fui, diria que acalmasse meu coração, que tivesse calma e não deixasse que a ânsia pelo futuro me subtraísse a alegria do presente, porque no fim das contas, tudo se ajeita, de um jeito ou de outro, por mais que isso pareça improvável. Tudo o que posso fazer,  no entanto, é tentar tranquilizar os que passam pelos  meus caminhos.

            Olho para os rostos que, concentrados, estão aos poucos com as feições mais relaxadas. A prova não se mostrou, no fim das contas, um bicho de sete cabeças. Percebo que seguem escrevendo, deixando para trás a noite mal dormida e o temor pelo inesperado. Conforme vão acabando e me entregando as provas, vou recebendo sorrisos e desejos de um bom fim de semana.

            Recolho as provas todas e me despeço deles, um a um, imaginando o que a vida lhes reserva, certa de que, de toda forma, cada qual achará uma forma de prosseguir. Imagino se fazem ideia de que eu lhes desejo, secretamente, mais do que qualquer outra coisa, que tenham paz de espírito, que sejam um dia capazes de entender que nessa nossa passagem pela existência terrena, há muito que sequer merece o fenecer de um único sorriso nosso...

 

 

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada,professora universitária, membro da Academia Linense de Letras e escritora.  São Paulo.



publicado por Luso-brasileiro às 16:27
link do post | comentar | favorito

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - QUARESMA E SEMANA SANTA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2vl2knt.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


A Quaresma e a Semana Santa me iluminam. É um tempo em que sinto muito forte a presença de Deus, que passa na brisa e procura assoprar para longe as minhas sombras tantas. 
Neste ano, já no amanhecer da quarta-feira de Cinzas, durante a Missa, pude notar qual seria, para mim, a fala forte do Senhor. Em sua homilia, o Padre Milton Rogério Vicente disse, de maneira profunda e inspirada, como é próprio dele, sobre o melhorar-se para Jesus Cristo. Questionou-me demais! E, desde aquele dia, tenho pensado sobre esse burilar-se, que pode atrair plateia e ou o voltar-me ao Misericordioso, sem preocupação alguma de aplausos. Tenho refletido, ainda, sobre o risco de resolver carências na busca das virtudes.
E veio-me a grande Madre, Santa Teresa D’Ávila, em seu livro “Caminho da Perfeição”, no capítulo 36: “Jesus diz estas palavras: ‘perdoai-nos as nossas ofensas, assim com nós perdoamos a quem nos tem ofendido’. A verdadeira honra consiste em buscar o proveito da alma. (...) Porque o proveito da alma e aquilo que o mundo chama de honra nunca podem ser bons companheiros. Não posso acreditar que uma alma que tanto se aproxime da própria Misericórdia, onde conhece quem é e o muito que Deus lhe tem perdoado, deixe de perdoar logo com toda a facilidade e não se disponha a ficar muito bem com quem o ofendeu.” (...) E completa no capítulo 37: “Espanta-me ver que estejam, em tão poucas palavras, encerradas a contemplação e a perfeição, parecendo que não temos necessidade de estudar nenhum livro: basta-nos o pai-nosso”.
Interessante, já lera os dois capítulos, contudo se diluíram.  Para voltar-me ao Senhor e não a mim, falta-me a consciência de que a verdadeira dignidade, de filha de Deus, não é a da terra, mas a da procura do interesse da alma, por isso o perdoar sempre, ainda que me machuquem e me pisem no coração.
         Tenho experimentado certas situações em que, de imediato, me recordo que só me fere a honra aquilo que me escurece a alma. E isso me dá uma liberdade de Ressurreição. Creio ser um momento como o dos discípulos de Emaús, relatado por São Lucas (24, 13-35), que sentiram o coração arder, quando o Senhor lhes falava pelo caminho e explicava as escrituras.
Feliz Páscoa, gente querida! Uma santa semana! Que os que creem e os que não creem experimentem a claridade da madrugada de Jerusalém celeste.

 

 

 

 

 

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE -

 Professora e cronista. Coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala. Jundiaí, Brasil.


 



publicado por Luso-brasileiro às 16:18
link do post | comentar | favorito

VALQUÍRIA GESQUI MALAGOLI - ENDEREÇO CERTO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Infelizmente, não conheço pessoalmente todos vocês. Porém, nas figuras de alguns leitores (que seja fisicamente seja em palavras vêm até mim), envio meu extensivo abraço poético-musical.

São eles: o seu Romeu, amigo da Vanda, agora meu amigo também, já que amigo dela é; a Vanda, é claro; a Rita daqui da rua, que a diversas ruas  propaga o que lê; a arteira garimpeira Anna Lydia; o Walter e a Fátima, pais do Guilherme, namorado da minha Raquelzinha; a Marilu, que me fez o elogio mais inesperado e honroso que já ouvi: “você me faz lembrar mamãe (Jorosil)”; o Rodrigo, meu anjo, que com religiosos comentários posteriores às publicações sempre me instiga a novos artigos...

Ou seja, o presente escrito tem endereço certo: vocês.

Sem distinção.

Vai, inclusive, à memória do seu Luiz Vicente, que recortava e guardava as colunas. Sua netinha Luíza as encontrará em seus guardados. E um pouco de mim, neles.

Quanto eu os imagino, um a um, dado o mistério de nosso “relacionamento”.

Tanta gente me escreve.

Como há gente no mundo. Gente de todo jeito.

Curioso como há gente curiosa! A curiosidade do outro faz do pensar na cabeça da gente baita moto-contínuo.

Dão-me sugestões; fazem críticas elogiosas, sinuosas, insinuantes, discordantes, diletantes...

Uns têm dúvidas; uns assinam embaixo; outros, caso pudessem, imprimiriam esses meus escritos apenas para poder rasgá-los!

É questão de opinião.

Nada nisso, em si, importa mais do que vocês.

Vocês são importantes. Vocês, eu, nós.

Nós, os que fazemos a coisa acontecer. Nós, os que tornamos impossíveis as que, por sua vez, acontecer não devem.

“Gente”: motivo de quase tudo estar perdido.

“Gente”, razão da perda ainda não total.

Eu queria, gente, de verdade, poder abraçá-los um a um. Agradecer-lhes como se deve.

No entanto, talvez, vocês, críticos perspicazes que são, poderiam se zangar e, por conseguinte, inquirir-me: “mas, afinal, dona moça, isto posto, ademais à parte... chega de lenga-lenga... viemos aqui pra discutir ou só enrolar?”.

E para não chegarmos a ponto tão crítico de uma já duradoura e honesta amizade é que me proponho, neste final, a palavras de fato de mestre (Drummond): “Somos capazes de boas e más ações, conforme a hora e o fígado”.

E tenho dito.

 

 

 

 

 

Valquíria Gesqui Malagoli, escritora e poetisa, vmalagoli@uol.com.br



publicado por Luso-brasileiro às 16:13
link do post | comentar | favorito

JOSÉ GERALDO VIDIGAL DE CARVALHO - QUEREMOS VER JESUS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[Cônego.jpg]

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A entrada triunfal de Jesus em Jerusalém impressionou vivamente alguns gentios que tinham vindo participar da festa judaica da Páscoa. Desejaram ver Jesus de perto e disseram a Felipe: ”Nós queremos ver Jesus” (Jo 12, 20-33). Com esse apóstolo podiam falar em grego. Felipe expõe o caso a André e ambos levam a mensagem até Jesus. Surpreendente, até mesmo estranha, a resposta que recebem, pois Cristo lhes não lhes responde diretamente. Afirma: “Chegou a hora na qual o Filho do Homem deve ser glorificado”. Tal, porém, aconteceria através da paixão e morte de cruz, dado que seria deste modo que Ele seria exaltado. Donde a curta parábola do grão de trigo. Esse aparentemente morre quando sepultado na terra, para ressurgir e dar muito fruto.  Os sofrimentos de Jesus durante sua Paixão e Morte gerariam vida fecunda e abundante. A presença daqueles gentios era sinal de que Ele se imolaria também por outras ovelhas que se juntariam às de seu rebanho. Os efeitos de sua imolação atingiriam homens e mulheres de todos os países, línguas e nações. Jesus proclama diante dos Judeus e dos Gregos que sua paixão seria glorificante. Ele passaria deste mundo ao Pai “para reunir na unidade os filhos de Deus dispersos" (Jo 11,52). Ele seria morto e sepultado, mas ressuscitaria para oferecer o fruto da universal salvação. Ao desejarem ver Jesus os gentios o homenageavam e provocavam todas essas explanações feitas por Ele naquela ocasião. Sempre que alguém no íntimo de seu coração realmente deseja ver Jesus coisas surpreendentes se dão em seu derredor. Jesus, o grão de trigo lançado na terra, continha em si um germe de vida eterna e era com Ele que os gregos desejavam conversar pessoalmente. Note-se que primeiro interpelam a Felipe que se torna um instrumento de evangelização. Ele e André eram discípulos do Mestre e podiam levar outros até Ele como ocorreu com aqueles gregos iniciados no judaísmo. Eis aí a grande tarefa dos seguidores de Cristo. Pelas suas obras demonstram fé no divino Redentor e se tornam pontes para que muitos outros  cheguem perto de Jesus. Esse conta com cada batizado para que os que estão fora de seu redil entrem no mesmo e se salvem. Então Jesus será honrado, acolhido, escolhido, seguido e através dele outros também repetirão: “Queremos ver Jesus”. De fato. o modo de ser do cristão atrai e arrasta para o bem os que estão longe do Mestre divino. Outros podem, desta maneira, contemplar a glória que Ele possui antes de todos os séculos. Antes os que estavam envoltos nas trevas do erro e das paixões deparam com a luz verdadeira. Inúmeros são assim os que passam a partilhar a plenitude da felicidade que só o divino Redentor pode oferecer. Ele transmite a verdade e transforma cada um em sua imagem. Ele o único que tem condições de reconfortar  em todas as aflições humanas. De fato, como é bom ver Jesus e seguir os seus passos nos caminhos da justiça. Com a graça divina resulta a perseverança que leva a irradiar a bondade do Senhor, sendo cada um fiel em servir a Cristo. Esse ilumina o espírito humano com o fulgor que vem do alto. Assim, a língua, o coração, todo o ser, toda a energia se inflamam do amor pelos outros, pois todos são criaturas amadas por Deus. As exigências do Evangelho se tornam um patrimônio espiritual de valor inestimável e se transformam numa recompensa nesta e na outra vida. Quem, de fato, viu Jesus não se deixa enganar pela gabolice do modo de falar dos jactanciosos e perversos, pelas ilusões patrocinadas pelos meios de comunicação social, porque contemplou Jesus e dele não mais quer se apartar. O poder de Cristo ultrapassa sempre as forças humanas e o cristão opera maravilhas para o reino de Deus. Muitos quererão, graças ao testemunho de vida, ver Jesus. Entretanto, para levar os outros a Jesus, é preciso que, antes, cada um saiba ser outro Cristo para que possa atrair todos ao divino Redentor. Para isso é preciso viver com humildade. Jesus ensinou: “Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração”. Cumpre partilhar com os outros o muito ou o pouco que se recebeu de Deus. Estar a serviço do próximo, pois Jesus foi claro: “O que fizerdes ao menor de vossos irmãos foi a mim que o fizestes”. Portanto, cumpre vê-lo naquele com o qual nos encontramos a cada instante. Para isto é necessário dulcificar o coração de pedra pelo amor do Deus que é bondade e ternura.  É necessário ainda guiar os cegos espirituais os afastando das trevas. Aliviar os fardos dos outros, pois é a Jesus que se está ajudando. Visitar os enfermos, levando-lhes uma palavra de conforto é neles mirar o próprio Cristo. Olhar também Jesus crucificado e percebê-lo dentro de si mesmo no momento de uma prece ardente ou de uma fervorosa comunhão. É o maravilhoso poder da fé que leva assim a ver Jesus na oração, na Eucaristia, no próximo e onde quer que se esteja. 

 

 

 

 

JOSÉ GERALDO VIDIGAL DE CARVALHO  - Professor. Membro da Academia Mineira de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro



publicado por Luso-brasileiro às 16:08
link do post | comentar | favorito

FELIPE AQUINO - MEDITAÇÃO DA PAIXÃO DE CRISTO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os santos dizem que depois da santa Missa, a melhor prática espiritual é a meditação da Paixão de Cristo. Então, vamos meditar um pouco neste mistério de dor e de salvação. As ações de Cristo são “teândricas”, isto é, humanas, mas também divinas, e o tempo não as destrói; por isso, hoje, podemos contemplar de maneira atualizada a Sua dolorosa Paixão e beber a Redenção na sua fonte. Essa é uma meditação que eu procuro fazer sempre depois que rezo o Terço da Misericórdia, como Jesus pediu.

 

 

 

“Compadeço-me, Senhor Jesus, da agonia mortal que o Senhor no Horto das Oliveiras naquela noite da quinta feira santa. Sua alma “estava triste até a morte”, e o Senhor pediu aos discípulos que velassem com o Senhor, ao menos uma hora, mas eles estavam com sono e dormiram. Mesmo neste momento de angústia mortal o Senhor os educa: “Vigiai e orai, porque o espírito é forte, mas a carne é fraca”. Uma lição extraordinária para vencer a tentação e o pecado. Por essa angústia mortal Senhor, socorre-nos em todas as nossas angústias, tristezas, depressões, lutas, tentações e aflições.

Compadeço-me, Senhor, da consolação do vosso Anjo da Guarda neste momento de agonia mortal em que o sangue vasava pelos vasos capilares subcutâneas e jorravam por sua pele misturado com o suor gelado. Que este Sangue bendito Senhor caia sobre os nossos corpos e nossas almas e livre-nos de todo o mal.

Compadeço-me, Senhor da chegada de Judas com os soldados, armados até os dentes, para prender o Cordeiro manso de Deus. Compadeço-me pelo beijo traiçoeiro de Judas. Como doeu no Teu sagrado Coração Jesus! Aquele que o Senhor escolheu, educou, amou… levantou o calcanhar contra Vós, como tinha anunciado o profeta. Por essa traição Senhor, perdoa-nos todas as nossas traições, nossos pecados, infidelidades e ingratidões para com o Senhor.

Compadeço-me, Senhor, da Vossa prisão no Horto, e todos os mal tratos que o Senhor sofreu nas mãos dos soldados ali no Horto, nos caminhos, na casa de Anás, Caifás, Herodes, Pilatos, e na fortaleza Antônia onde os soldados o maltrataram. Por todos esses mal tratos Senhor, perdoai as nossas ofensas, de ontem e de hoje, e concede-nos a graça de Vos amar e servir com amor puro e reta intenção.

Compadeço-me, Senhor, da brutal e sanguinária flagelação na coluna, com c23hicotes de três cordas, com pedacinhos de ossos nas pontas para rasgar as Vossas carnes, que ficaram expostas. Que dor, Senhor! Rasgaram o Vosso Corpo sagrado de alto a baixo, sem dó nem piedade. Todo o inferno se reuniu ali para destrui-lo. E o Senhor não abriu a boca para reclamar… Oh, Senhor, concede-nos essa força no sofrimento! Ajuda-nos a sofrer com fé e esperança, sabendo que nada se perde de toda dor unida à Sua dor.

 

 

jesus2-300x225.jpg

 

 

 

Leia também: “A Paixão de Cristo” – EB

Por que foi necessário o sacrifício de Cristo?

A Via Sacra: Que é? Como teve origem? EB

Curiosidades sobre a Via-Sacra…

Meditando a Via Sacra

 

 

Compadeço-me, Senhor, da sangrenta, dolorosa e humilhante coroação de espinhos. Dezenas de espinhos pontiagudos penetraram em Vossa Cabeça divina, arrancando sangue e dores lancinantes. Um Rei coroado de espinhos. Um Deus massacrado por nossos pecados. Um Deus zombado, cuspido, em cuja cabeça bateram com uma cana fazendo penetrar profundamente dos espinhos. Por essa coroação cruel, Senhor, perdoa os nossos pecados de soberba, inveja, maledicência, arrogância, prepotência, ira, orgulho e vaidade. E cura-nos Senhor de todas as nossas maldades espirituais.

Compadeço-me, Senhor, da condenação a morte por Pilatos, num julgamento covarde e iníquo. Obrigado por ter-lhe deixado claro que Vosso Reino não é deste mundo, mas que o Senhor é Rei de verdade! Por essa injustiça Senhor, concede-nos a graça da verdade, da justiça e da fidelidade a Vós em toda a nossa vida.

Compadeço-me, Senhor, da cruz pesada colocada sobre teus ombros já flagelados, levando-a pelo caminho do Calvário, completamente sem forças. Por esse mistério da iniquidade, Senhor, concede-nos a graça e a bênção de poder renunciar a nós mesmos, tomar a nossa cruz a cada dia e seguir atrás do Senhor (Lc 9,23). Sei que o Senhor transformou o sofrimento em matéria prima de nossa salvação, para lhe dar um sentido. Dá-nos a graça de unir todas as nossas dores às Vossas e assim diviniza-las.

Compadeço-me, Senhor, do encontro doloroso com Nossa Senhora das Dores. De fato, as sete Espadas de dor transpassaram o Seu materno coração. Por essas dores indizíveis, concede-nos a graça de Tê-la ao nosso lado em nossas lutas, aflições e sofrimentos, amparando-nos com sua materna presença e intercessão. Que Ela enxugue nossas lágrimas, segure nossas mãos e nos ajuda a caminhar até o fim. Que Ela nos ajude a como o Senhor, dizer “consumatum est!”. Tudo está consumado Pai, nas tuas mãos entrego meu espírito.

Compadeço-me Senhor da ajuda de Simão Cireneu, diante de Tua fraqueza absoluta em carregar a cruz até o Calvário. Por esse mistério Senhor, em que até o Senhor quis ser ajudado, nós também sejamos socorridos por um Cireneu quando não pudermos mais seguir com a cruz de cada dia. E que nós também, Senhor, tenhamos a sensibilidade e o amor de sermos Cireneus para nossos irmãos que sofrem a nosso lado.

Compadeço-me, Senhor, das santas mulheres de Jerusalém que te consolaram e que foram consoladas pelo Senhor. Certamente entre elas estavam Maria Sua Mãe, Maria de Cléofas, Maria Madalena, Salomé, e outras. Mesmo esmagado pelas dores, pela flagelação, pela coroa de espinhos, e pelo lenho da cruz nas costas, o Senhor ainda consolava, não aceitava a auto piedade que tanto nos atinge. Oh, Senhor, por esse mistério de amor, concede-nos a graça de consolar os outros que sofrem e que passam em nosso caminho, mesmo que a dor nos esmague.

Compadeço-me, Senhor, do gesto delicado e generoso de Verônica ao enxugar Teu divino rosto humano ensanguentado. Quisestes que a Tua face Sagrada ficasse gravada no seu lenço. Que esta mesma Face Senhor resplandeça sobre nós, ilumine nosso caminho, fortaleça nossos pés em nossa caminhada para Vós. Que Teu Rosto sagrado, Senhor, fique marcado em nossa alma toda vez que socorrermos ao Senhor mesmo que sofre em cada criatura. “Tudo o que fizerdes ao menos desses pequeninos é a Mim que o fazeis”.

Compadeço-me, Senhor, da Tua chegada ao Calvário. Brutalmente os soldados arrancaram suas vestes e o crucificaram: pregaram suas mãos e seus pés, e o levantaram no madeiro, pendurado por três pregos, em agonia asfixiante, por três horas, até a morte. Algo indizível, inenarrável, inefável, sofrimento igual nunca houve na face da terra. É o preço terrível de nossos pecados! Como eles Te massacraram Senhor! Ajuda-nos e a ter aversão a eles, a renunciá-los completamente; lavá-los no Teu Sangue preciosíssimo.

Compadeço-me, Senhor, das 7 Palavras que o Senhor pronunciou na Cruz, Seu Testamento final. “Meu Deus, meu Deus, porque me abandonaste?” Compadeço, Senhor, desse abandono Terrível que experimentou no lugar de todos nós pecadores rompidos com Deus. “Pai, perdoai-lhes porque não sabem o que fazem!”. Que misericórdia para com seus algozes! Por esse perdão o Centurião o reconheceu como verdadeiro “Filho de Deus”, na cruz. O perdão amolece o coração do pecador. “Ainda hoje estará comigo no Paraíso!”. Que alegria a do bom ladrão, que soube roubar o céu na hora da dor, e reconhecer a Tua divindade. Que graça é esta Senhor que ele mereceu? Certamente o Seu perdão! “Mulher, eis ai o Teu filho; filho, eis ai a Tua mãe”. Obrigado, Senhor, porque depois de nos ter dado tudo, nos deu o que ainda lhe restava aos pés da Cruz, Vossa Mãe santíssima, para ser minha Mãe. Mãe e guia espiritual para me mostrar o caminho do Céu. Mãe da Igreja! “Tenho sede!” Sei que essa sede é sede de almas, Senhor, pois não quisestes beber aquele vinagre que entorpece. Sei que a maior alegria que podemos te dar é trabalhar para salvar almas, cujo sangue o Senhor derramou com esta finalidade. Sei que o Pai não quer que o Senhor perca nenhum daqueles que Ele te deu. Nem a centésima ovelha pode ser abandonada. Da-nos a graça, Senhor, de na força do Teu Espírito, buscarmos cada ovelha tresmalhada do Teu Rebanho. “Tudo está consumado!” Toda a obra foi cumprida! O cálice foi sorvido até a última gota. A vontade do Pai foi perfeitamente cumprida, Adão foi resgatado e com ele toda a humanidade. Descanse em Paz, Senhor. “Pai, nas Tuas mãos entrego meu espírito!” Pela contemplação de todos esses mistérios, Senhor, possamos também nós, cumprirmos a nossa missão até o fim segundo a Tua santa vontade. Tem misericórdia de nós, Senhor!

 

 

a_paixao_de_cristo_cirurgiao.png

 

 

 

Ouça também: Como surgiu a prática da “Via-Sacra”?

 

 

Compadeço-me do Teu corpo sagrado descido nos braços de Nossa Senhora das Dores; que sofrimento, que Espada de dor. Mas esta Mulher estava aos pés de Tua cruz, oferecendo-o por nós, “Stabat!” (De pé!), sem desmoronar! Na fé suportou o peso da cruz e a penetração da Espada da Dor. Ela é a grande Mulher, que atravessou do Gênesis ao Apocalipse.

Compadeço, por fim, Senhor, do Teu corpo sagrado, que não pode nem mesmo ser velado por Tua Mãe, colocado no sepulcro novo de José de Arimateia. Descanse em Paz divino Redentor! Desce com Tua alma à mansão dos mortos e vai levar a salvação aos justos que viveram antes de Vós. E Ressuscite triunfante, vencendo a morte, o pecado, o inferno e a dor.

 

 

 

 

FELIPE AQUINO Escritor católico. Prof. Doutor da Universidade de Lorena. Membro da Renovação Carismática Católica.

 



publicado por Luso-brasileiro às 15:55
link do post | comentar | favorito

PAULO R. LABEGALINI - UMA LINDA HISTÓRIA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Paulo Labegalini.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Graças a Deus, alguns amigos continuam me presenteando com belas histórias pela internet. Eis mais uma que vale a pena refletir na sua mensagem:

“Uma mulher saiu na porta de sua casa e viu três homens com longas barbas brancas sentados em frente ao seu quintal. Mesmo sem conhecê-los, convidou-os para entrar e comer alguma coisa.

-         Não podemos entrar porque o homem da casa não está. - disseram.

À noite, quando o marido chegou, a mulher saiu na porta novamente e insistiu que entrassem.

-         Não podemos entrar juntos. – responderam. E um deles explicou:

-         Eu sou o Amor, ele é o Fartura e este outro se chama Sucesso. Vá e discuta com o seu marido qual de nós querem em sua casa.

Entrando, ouviu do marido:

-         Nesse caso, vamos convidar o Fartura. Deixe-o vir para nos contar o que tem de bom para nós.

-         Meu querido, por que não convidamos o Sucesso? – disse a esposa.

Um dos filhos que estava com eles, discordou:

-         Não seria melhor convidar o Amor? Eu gostei mais dele do que dos outros.

A mulher saiu e perguntou a dois deles:

-         Vocês não ficarão chateados de somente o Amor ser o nosso convidado?

O Fartura respondeu-lhe:

-         Se a senhora me convidasse ou convidasse o Sucesso, dois de nós esperariam aqui fora, mas como a senhora convidou o Amor, nós também entraremos com ele.

Assim, a família compreendeu que onde há amor, há também fartura e sucesso!”

Portanto, não exclua o amor de sua vida: dê-lhe asas! A melhor forma de receber amor é oferecendo-o aos irmãos, sem nenhuma forma de preconceito. Por outro lado, a forma mais rápida de ficar sem amor é apegando-se demasiadamente às coisas do mundo. Cuidado, não corra esse risco!

Jesus e Maria nos amam e querem continuar morando em nossos corações.

 

 

 

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI Escritor católico. Vicentino de Itajubá - Minas Gerais - Brasil. Professor Doutor do Instituto Federal Sul de Minas - Pouso Alegre.‘Autor do livro ‘Mensagens Infantis Educativas’ – Editora Cleofas.



publicado por Luso-brasileiro às 15:49
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - A RAPOZINHA DE GOÍS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dizem, que não há animais maus. A maldade, é, muitas vezes, forma de defesa.

Todos os bandidos perigosos, têm momentos de ternura. A má conduta, é, em regra, devido à educação, e ao meio em que viveram ou vivem.

Não é verdade, que o cachorro, é, quase sempre, o reflexo do dono? É que o animal, “ copia “, sentimentos e reações, de quem cuida dele.

Tudo isto vem a propósito, do que li, num jornal beirão: “ O Varzeense”, de 15 de Fevereiro, do corrente ano.

Narrava o periódico, que estando em casa, determinada senhora, mencionada apenas com o nome de Maria, ouvira barulho estranho, na varanda de sua casa.

Era ao fim da tarde. Estava já escuro. Abriu a porta, e deparou com uma raposa, que a olhava de olhos mansos.

Como ouvira falar, que andava a rondar, a aldeia, uma raposa inofensiva, a senhora Maria, apiedou-se do animal; e, logo pensou procurar comida, já que os incêndios devastadores das florestas, deixaram-na, provavelmente, sem recursos, para se alimentar.

Dirigiu-se, então. à cozinha, para buscar um bocado de carne.

Aproximou-se, receosa, da rapozinha, e ela veio comer à sua mão.

Depois… ganhando confiança, entrou em casa, e “jantou”, perante o espanto e receios da gata, que olhava amedrontada para a intrusa, que se portava como um cão.

Ficou a senhora Maria, espantada, quando, afoitamente, passou a mão, levemente, na cabeça. A raposa, como que a agradecer-lhe o “jantar”, pôs-lhe as patas, nas pernas, tal qual, cachorro manso e grato.

Certamente gostaria de ter ficado com ela; cuidando da rapozinha, mas era-lhe impossível. Limitou-se a tirar-lhe uma foto, como recordação da cena comovedora.

Ao contar tudo isso, a senhora Maria, formula um pedido: se virem a rapozinha, não lhe façam mal. Simplesmente dêem-lhe de comer.

Ao ler a notícia, lembrei-me do lobo da Porsiúncula, que todos temiam, e que S. Francisco, dando-lhe de comer e cuidando dele, transformou-se num cãozarrão manso e humilde.

Muitas vezes os animais (e as pessoas) são maus e ariscos, porque não encontraram quem os compreenda, e lhes dê um pouco de carinho.

Como o Mundo se transformaria, se todos espalhassem sorrisos e palavras de amizade, sem o interesse de serem retribuídos!

Todos buscam compreensão e ternura; até a raposa selvagem de Góis, soube agradecer, a quem a recebeu com amizade e amor.

 

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -   Porto, Portugal



publicado por Luso-brasileiro às 15:42
link do post | comentar | favorito

EUCLIDES CAVACO - ALMA DE POETA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Assinalo a efeméride do dia internacional da poesia com este poema que partilho com todos vós, desejando um felicíssimo dia a todos os poetas e amantes da poesia. 


Vejam e ouçam neste video elaborado por Gracinda Coelho:

 



https://www.youtube.com/watch?v=78tm82F0RMQ&feature=youtu.be

 

 

 

EUCLIDES CAVACO  -   Director da Rádio Voz da Amizade , Canadá.

 

 

 

***
 
 
 

logotipo_dj_dvc[1].png

 

 

 Palavra do Pastor, com Dom Vicente Costa, 

bispo diocesano de Jundiaí

Domingo de Ramos

 

https://youtu.be/WD6GMEhkyjs

 

 

 

***
 
 
 
 
 


publicado por Luso-brasileiro às 15:31
link do post | comentar | favorito

Sábado, 17 de Março de 2018
JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI - SÃO JOSÉ, " PADROEIRO DAS FAMÍLIAS"

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

   

         Minha saudosa mãe sempre foi devota de São José. Tanto que insistiu muito para que o seu nome constasse do meu, mesmo seu filho  mais velho, já se chamando JOSÉ Eduardo. Meu pai queria João Caros e para evitar conflito, fui registrado como João Carlos JOSÉ Martinelli. Lembrei-me desse fato para demonstrar que há anos atrás as crenças nos santos eram grandiosas e as pessoas, fervorosas, mantinham diversos usos, costumes e tradições, envolvendo-os de várias maneiras, evidentemente, sempre de formas respeitosas.

         Nessa semana, 19 de março, a Igreja Católica lhe consagra a data. Também conhecido por José de Nazaré ou José, o Carpinteiro foi, segundo o Novo Testamento, o esposo da Virgem Maria e o pai adotivo de Jesus. Exemplo de operário passou a ser conhecido por "Padroeiro dos Trabalhadores", e, pela fidelidade a sua esposa e dedicação paternal, também como "Padroeiro das Famílias". Tido como padroeiro universal do catolicismo, ele denomina muitos templos e lugares ao redor do mundo. Em nossa cidade temos a “Paróquia São José” sita à Rua Mariano Latorre, n. 300, no Parque Almerinda e a “Paróquia São José Operário”,à Rua Maestro Paulo Mário de Souza, n. 284, Parque Brasília.

         Embora ocorram divergências quanto à sua profissão, motivada exclusivamente pela interpretação de um termo grego genérico usado para designar funções da construção civil, ela efetivamente é mencionada  pelo evangelista Mateus  quando afirma, no capítulo 13 e versículo 55 de seu Evangelho,que Jesus era filho de “carpinteiro”, razão pela qual também essa categoria o adota como patrono.

         Desempenhou sua missão cristã de forma magnífica, tornando-se digno da grande admiração que desperta. Tanto que para  o Papa Francisco, “São José aparece como um homem forte, corajoso, trabalhador, mas, no seu íntimo, sobressai uma grande ternura, que não é a virtude dos fracos, antes pelo contrário denota fortaleza de ânimo e capacidade de solicitude, de compaixão, de verdadeira abertura ao outro, de amor”. E o Papa Emérito Bento XVI assim se expressou: “O exemplo de São José é para todos nós um forte convite a desempenhar com fidelidade, simplicidade e humildade a tarefa que a Providência nos destinou”.

         Resta-nos, com convicção, solicitar por sua constante proteção e que ele sempre rogue por nós.

 

 

                            DIAS COMEMORATIVOS

 

 

         Em reverencia a São José, também festejamos a 19 de março o Dia do Artesão, o Dia do Carpinteiro e o Dia do Marceneiro, trabalhadores que se destacam por  habilidades manuais, que vão desde  móveis e pequenos objetos de madeira esculpidos até artigos de decoração, inclusive que enfocam o folclore brasileiro.  Por outro lado, a diferença básica entre os ofícios é que o carpinteiro trabalha diretamente com madeira bruta para ser utilizada na construção civil, e o marceneiro trabalha transformando-a em móveis (como armáriosestantes, etc),  em peças e utilitários das mais variadas formas.

         Rendemos nossas sinceras homenagens a esses profissionais que unem técnica e criatividade para criar belas peças e que são indispensáveis aos mais diversos setores sociais.

 

 

ELIMINAR A DISCRIMINAÇÃO RACIAL

 

 

 

Há 57 anos, em 21 de março de 1960, cerca de vinte mil negros protestavam contra a lei do passe na cidade de Joanesburgo, na África do Sul. Lutavam contra um sistema que os obrigava a aportar cartões de identificação que especificava os locais por onde podiam circular. Era uma das lutas contra o“apartheid”. No bairro negro de Shaperville, os manifestantes se defrontaram com tropas de segurança que atiraram sobre a multidão, deixando 186 feridos e 69 mortos.. Em memória às suas vítimas,  em 1976, a ONU (Organização das Nações Unidas) institui a data como o Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial. Aliás, mais do que nunca, é preciso combater veementemente todas as formas de racismo e exclusão social.  Inexiste atitude mais indigna do que separar as pessoas em raças e infelizmente em pleno século XXI ainda são registrados muito casos discriminatórios dessa natureza.

 

 

 

 

 

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI é advogado, jornalista, escritor e professor universitário. É presidente da Academia Jundiaiense de Letras (martinelliadv@hotmail.com)



publicado por Luso-brasileiro às 18:05
link do post | comentar | favorito

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - PENSAMENTOS POLITICAMENTE INCORRECTOS e MAIS ALGUNS PENSAMENTOS POLITICAMENTE INCORRETOS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Armando Alexandre dos Santos.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

            

 

 

Encontrei no meu computador um velho arquivo, no qual há muito não mexia. Trata-se de uma coleção de reflexões humorísticas politicamente incorretas, que fui elaborando e anotando ao longo dos anos, à medida que me vinham ideias à cabeça. Nem tudo é publicável, obviamente... Mas aqui vão algumas amostras:

* As formas de governo são três, monarquia, aristocracia e demagogia barata. Esta última, de barata só tem o nome, porque normalmente é a que sai mais cara para os contribuintes.

* Democracia é o regime em que a metade mais um tem o direito de livremente oprimir a metade menos um durante um tempo pré-determinado que quase sempre se consegue um jeitinho de espichar.

* A falsa democracia é a mais cruel forma de ditadura: é a ditadura do número sobre a qualidade.

* É preciso respeitar todas as culturas? Tudo bem, mas também as faltas de cultura?

* O pior da ditadura não é o fato de oprimir o povo inteiro, mas é oprimir a pequeníssima minoria dos que realmente pensam e, portanto, são de fato livres. Só esses sofrem com a opressão. O resto nem sente.

* Em igualdade de condições homens e mulheres são completamente diferentes. Ainda bem!

* Segundo influentes políticos de várias regiões do Brasil, a grande injustiça da seca do Nordeste é que só os políticos nordestinos podem se beneficiar dela.

* Escola pública é o local em que os analfabetos funcionais são produzidos em série pelos funcionários do analfabetismo.

* As escolas públicas só funcionarão bem quando todos os funcionários públicos (desde o presidente da república até o mais modesto dos servidores municipais) forem forçados, por lei, a só matricular em escolas públicas seus filhos, netos, bisnetos e tataranetos, legítimos e ilegítimos, reconhecidos ou não... mas sem poder escolher “ilhas de excelência” do ensino público. Deveria ser obrigatório estudar na escola pública mais próxima da respectiva residência, seja ela qual for.

* O SUS só funcionará quando todos os governantes, desde o presidente da república até o mais modesto, assim como os seus parentes ascendentes, descendentes e colaterais, até à 99a. geração, forem obrigados a se tratar pelo SUS, ficando terminantemente proibida a utilização de quaisquer outros planos de saúde e a contratação de médicos, hospitais ou clínicas particulares sob pena de imediata e inapelável cassação de mandato e prisão perpétua com trabalhos forçados, bola de ferro no pé etc. etc. etc.

* O mal das medidas provisórias é que elas quase sempre se eternizam. E o mal das medidas excepcionais é que elas tendem a se tornar regra geral.

* A forma mais democrática de eleição é por sorteio. Se todos são iguais e ninguém é melhor do que ninguém, por que não sortear, entre todos os brasileiros, um presidente da república? A grande vantagem é que, de repente, seria sorteado alguém honesto.

* O voto não deveria ser secreto, mas apenas secreto pela metade. Deveria haver um jeito de cada eleitor poder comprovar em quem votou. E a escolha eleitoral deveria deixar de ser uma procuração irrevogável vigente por quatro anos. Deveria passar a ser revogável. Se um eleitor se desiludisse com seu candidato, por achar que não cumpriu suas promessas, poderia a qualquer momento poder anular o seu voto. O governante ou o parlamentar que, durante os quatro anos de seu mandato, perdesse eleitores desiludidos deveria, conforme o caso, ser deposto e dar lugar ao seguinte, na ordem da votação. Será que funcionaria?

* Num país monárquico, o poder é vitalício. Pela lógica, numa república decente ele não poderia se prolongar. Assim sendo, deveriam ser proibidas reeleições de qualquer espécie (nem de presidente, nem de governador, nem de prefeito, nem de senador, nem de deputado, nem de vereador, nem de síndico de prédio, nem de sogra). Qualquer cargo público, uma vez exercido num período de quatro anos, deveria incapacitar o seu titular para exercer qualquer outro cargo. O ex-qualquer-coisa deveria voltar, sem apelação, para o batente, para o trabalho duro. No máximo poderia incluir, no seu currículo, o cargo ou posto que exerceu, e nada mais.

* Proposta de alteração na lei de proteção ao consumidor: a cada vez que um fornecedor de qualquer natureza responda (por qualquer meio que seja) a uma queixa ou reclamação escrita com resposta padronizada genérica, sem entrar na análise dos pormenores e especificidades expostos pelo queixoso, entende-se a omissão como confissão de que tudo quanto foi afirmado na queixa e não contestado objetivamente na resposta é verdade. E ficam dobradas todas as penas, indenizações e multas cabíveis.

* Os bancos deveriam ser obrigados a pagar aos clientes, pelo saldo positivo de suas contas bancárias, um mínimo de 50% dos juros que cobram deles quando entram no cheque especial. Nada mais justo e equitativo, não é mesmo?

 

 

 

Mais alguns pensamentos politicamente incorretos

 

 

 

Prossigo o artigo anterior, transcrevendo mais alguns trechos do meu projeto de livro humorístico impublicável, com pensamentos politicamente bem incorretos:

* FHC declarou ser louco por uma boa buchada de bode. Compreende-se. Depois de tantos anos comendo em Paris o amargo caviar do exílio, devia estar mesmo querendo variar o menu...

* Deveria ser proibido arredondar preços de qualquer produto comercial para cima. Se alguém quer anunciar um produto por R$ 9,99, deve providenciar estoque suficiente de moedinhas de um centavo. Ou então arredondar para menos. Qualquer violação a essa lei deveria ser punida com extrema severidade. Deveria ser também proibido o troco com balinhas ou chicletes.

* Por que ninguém fala de instituir quotas para gordos(as) e feios(as), como artistas principais em filmes e telenovelas? Já não está na hora de acabar com as discriminações injustas de que são vítimas esses excluídos da moda?

* Por que os aviões cobram mais para os altos, que precisam de mais espaço entre as cadeiras? E por que não colocam cadeiras mais largas para os gordinhos e as suas congêneres femininas?

* Seria preciso ampliar urgentemente o vocabulário politicamente correto. Se anões são "prejudicados verticalmente" e cegos são "deficientes visuais", os gordos deveriam ser "beneficiados latitudinalmente" e os feios poderiam ser chamados "modelos de beleza atípica" ou "modelos esteticamente alternativos", os gagos poderiam ser chamados de “reiterativos silabares”, os paralíticos de “hiperestáveis”, os burros de “portadores de inteligência não espandida” etc. Aceitam-se sugestões para um futuro dicionário.

* Em monarquias, o poder é hereditário. Nas repúblicas coerentes, isso devia ser proibido. Por isso, filhos, netos e sobrinhos de eleitos deveriam ser inelegíveis. Alcançaríamos assim a autenticidade democrático-republicana, evitaríamos a praga dos políticos profissionais e, de quebra, liquidaríamos o nepotismo.

* O grande problema dos igualitários é que eles se julgam mais iguais que os outros e querem privilégios desiguais.

* Os governos existem, em princípio, para prestarem serviços ao povo. Se é assim, por que não aplicar ao governo a Lei de Proteção ao Consumidor, que vigora para todos os prestadores de serviço do país (menos governantes, funcionários públicos e banqueiros)? O ônus da prova não deveria caber sempre ao cidadão, mas ao órgão público. Isso em todos os níveis, desde a Receita Federal até o azulzinho que multa o motorista. A "otoridade" é que teria que provar que o particular andou mal, em vez de o cidadão honesto ser obrigado a provar que andou bem. Por que sempre se parte do princípio de que o Estado tem razão e o particular é suspeito? Não devia ser exatamente o contrário? A presunção não deveria ser em favor do particular, ao invés de ser em favor do Estado?

* Toda constituição tem cláusulas pétreas, "imexíveis", de pontos dogmáticos que não podem ser alterados. No caso das constituições republicanas, a cláusula pétrea antimonarquista só caiu na constituição atual, de 1988. Antes disso, institucionalmente era crime ser monarquista.
Na atual constituição, há clausulas pétreas, por exemplo, o famoso artigo 5, sobre os direitos fundamentais do homem. Ele pode ser aumentado, mas não pode ser objeto de nenhuma emenda restritiva. Isso é cláusula pétrea. Que tal uma cláusula pétrea constitucional proibindo qualquer mandatário político, em qualquer nível, de obter qualquer tratamento preferencial ou privilégio em função desse cargo? Por exemplo, todos os deputados seriam obrigados a usar serviços públicos de saúde, a matricularem seus filhos em escolas públicas, renunciariam, como condição para ser eleitos, a foros privilegiados, a prisões especiais, a esquemas de segurança pagos pelos cofres públicos etc. etc. Será que se houvesse uma cláusula pétrea dessas a Política não atrairia gente honesta e idealista?

* No regime monárquico havia uma classe privilegiada (a nobreza) da qual se exigiam responsabilidades especiais, como contrapartida pelo seu privilégio de não pagar impostos. Eram obrigados ao "imposto do sangue” (somente os nobres podiam ser recrutados para a guerra), não podiam exercer atividades comerciais (privilégio exclusivo da burguesia plebeia, que, em contrapartida, tinha que pagar impostos). Enfim, era um sistema desigual, mas equilibrado de direitos e deveres. Hoje, os políticos teoricamente são iguais a todos nós, mas na realidade são privilegiados que só têm direitos e prerrogativas, não têm deveres de espécie alguma. Antes os nobres tinham o dever moral de dar bom exemplo à sociedade. Nem sempre davam, mas quando não davam tinham vergonha de sua atitude. Hoje os políticos parece que têm o dever moral de dar mau exemplo e têm vergonha quando não conseguem exibir, em seus currículos, algumas fichas bem sujas...

 

 

 

 ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS, é historiador e jornalista profissional, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Academia Portuguesa da História.

 

 

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 17:59
link do post | comentar | favorito

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - MORTE E GLÓRIA

   

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

              Eu preciso confessar que sinto um certo desconforto diante dos inúmeros e variados comentários sobre a morte da vereadora do Rio de Janeiro. Embora eu tema ser mal interpretada quanto ao que vou escrever, não consigo deixar de fazê-lo.

            Pode até ser que seja ignorância de minha parte, mas até então eu jamais tinha tomado conhecimento da existência dessa moça, nem mesmo do ativismo dela pelos Direitos Humanos. Acredito, ainda, que a imensa maioria dos brasileiros também não o soubesse. Registro até que é sempre lamentável, por sinal, quando alguém que defende boas causas não é tão conhecido como quem se notabiliza pelas partes do corpo que exibe em rede nacional.

            Toda e qualquer vida perdida para o crime deve ser lamentada profundamente, assim como todo e qualquer crime deve ser apurado com o máximo rigor possível. Nesse sentido, não há dúvidas de que quem retirou a vida da referida vereadora, bem como do motorista que com ela estava, deva receber a punição estatal, além da divina.

            O que me causa espanto é o oportunismo que surge em situações como essas. De repente é como se todo mundo sempre tivesse dado a ela a visibilidade que agora estão dando, bem como o apoio efetivo para a causa por ela defendida. Pergunto-me, humildemente, se as mesmas emissoras que agora estão televisionando e lucrando com a morte dela, outrora lhe ofereceram algum tipo de apoio.

            Isso sem dizer da quantidade de absurdos nas redes sociais. Gente colocando mensagens como se tivessem perdido um ídolo, quando sequer sabiam de quem se tratava até então. Todos os dias, curiosa e tristemente, homens e mulheres, brancos ou negros, sucumbem pela violência, pela miséria, pelo descaso, mas ninguém lhes dá esse mesmo direito de glória post mortem.

            E que não me venham dizer, como já andei lendo, que andam querendo comparar mortes ou ranquear suas importâncias. Ao contrário, é exatamente por não se tratar disso é que fico perplexa diante do caráter midiático que se dá a tudo isso. Até nome de praça já está prometido em nome e lembrança da vereadora e aqui entre copas eu fico me perguntando se ela que, como dizem, defendia a igualdade e os direitos humanos, estaria, de fato, orgulhosa do palanque que armaram em torno de sua morte, como se outras tantas vidas fossem menos dignas de manifestações de apoio.

            Outra questão é que grande parte de quem agora fica levantando bandeiras nunca fez nada, verdadeiramente, por qualquer causa humanitária, à exceção de seus próprios interesses. Escrever textos longos nas redes sociais, vestir camisetas de apoio ou se dizer indignado, pouco ou nada faz pelo outro, exceto, talvez, ao próprio ego.

            Coragem de fazer, de defender alguma coisa, de desapegar, de doar-se ao próximo, de colocar-se em risco, verdadeiramente, é coisa que se faz na vida e não apenas atrás de uma câmera ou de um computador. Nesse tocante, assim como tantas e tantos outros que fazem ou fizeram algo pelo bem do próximo, é mais do que lamentável a perda de uma voz. A morte, contudo, não nos diferencia, mas nos iguala...

 

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada,professora universitária, membro da Academia Linense de Letras e escritora.  São Paulo.



publicado por Luso-brasileiro às 17:47
link do post | comentar | favorito

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - SOBRE EDUCAÇÃO E JUVENTUDE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2vl2knt.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 
Estou lendo “Sobre Educação e Juventude” do sociólogo Zygmunt Bauman. Nascido na Polônia, mora na Inglaterra desde 1971. Professor emérito das universidades de Varsóvia e Leeds. O autor traça, para os educadores, o caminho para nutrir a resistência e o espírito crítico. E aconselha que “é pela escola que devemos recomeçar”.
Um livro atualíssimo que mostra a problemática, diante da vida líquido-moderna, dos jovens que tendem a se isolar no mundo on-line de relacionamentos virtuais, na depressão, no abuso de álcool ou de drogas. E os que se lançam a formas violentas de comportamento, como as gangues de rua. Jovens ávidos por participar do mercado de consumo.
Ao refletir sobre a colocação acima, me vem o número de suicídios ultimamente em meio aos jovens. Parece-me existir um amargo existencial que não se consegue preencher, somado a problemas como desemprego, doenças não detectadas e não tratadas desde a infância...
Todos os capítulos muito interessantes, mas destaco o sétimo: “A depravação é a estratégia mais inteligente para a privação”. Bauman aborda a forma de vida que a geração jovem de hoje nasceu, numa sociedade de consumidores e numa cultura “agorista” – inquieta e em perpétua mudança. Comenta, ainda, que “a ressonância entre as agendas da TV (um redemoinho de trajes sumários e strip-teases emocionais) e o modo como nossa forma de vida nos treinou e adestrou a sentir e desejar é medida pelo ranking das emissoras”.  Evidencia, o autor, a obsolência instantânea, que reduz a distância entre a novidade e a lata de lixo. 
A “cultura de cassino” líquido-moderna, de acordo com o sociólogo, está adaptada ao mercado de consumo.  Os mercados de consumo oferecem produtos destinados à pronta devoração.
Penso nas mocinhas de 13, 14, 15 anos nos jogos da vida. Tornam-se ficha sem aposta.  Transformam-se em artigo de consumação. E como o mercado é célere são sorvidas em instantes. Surgem os filhos do acaso. 
Penso nos mocinhos de 13, 14, 15 anos nos jogos da vida. O entorno os afasta das peladas nos terrenos baldios pela urgência em se tornarem consumidores de meninas. E quem não se adapta ou encena se torna alienígena.
“Reduz-se a distância entre a novidade e a lata de lixo.” Quem deixa de ser curiosidade se transforma em entulho.
É urgente salvar os jovens, em meio às redes sociais, do “agorismo”.

 

 

 

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE -

 Professora e cronista. Coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala. Jundiaí, Brasil.



publicado por Luso-brasileiro às 17:42
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links