PAZ - Blogue luso-brasileiro
Domingo, 27 de Janeiro de 2019
JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI - HISTÓRIAS EM QUADRADINHOS TEM DATA NACIONAL NO BRASIL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

30 de janeiro é o Dia Nacional da História em Quadrinhos no Brasil, já que nessa mesma data, em 1869, o jornal Vida Fluminense (RJ) publicou a primeira "tirinha" de uma história ilustrada chamada “As Aventuras de Nhô Quim”, contando as peripécias de um caipira perdido na cidade grande - escrita e desenhada por Ângelo Agostini.

Vale ressaltar que para minha geração, os heróis das revistas se consagraram no decorrer do século XX, com uma vantagem a mais das grandes celebridades dessa era: a de serem amados pelas crianças e se tornarem inesquecíveis para os adultos. A razão do sucesso residiu no fato de terem sido criados a nossa imagem e semelhança, alguns frutos do cotidiano, outros, nascidos dos nossos sonhos.

 

 

Um pouco de história

 

 

Internacionalmente, «The Yellow Kid – O Garoto Amarelo» foi o primeiro personagem. Resultado da disputa de novos leitores, desenfreada por magnatas da imprensa norte-americana e foi criado por Richarda F. Outcaut em 1890. Era um menino de grandes orelhas, vestido com uma camisola que ia até o calcanhar. Em seguida surgiram «Os Sobrinhos do Capitão» de Rudolph Dirks e a partir daí, a corrida se acelerou, tendo sido criado em 1905 por Winsor Mccay, «Little Nemo no País do Sono». Todos esses elementos tiveram um objetivo: fazer rir. A primeira história dramática apareceu em 1912: «Tarzan dos Macacos», do romance de Edgar Rice Burroughs, desenhado por Hal Foster.

A fase áurea dos quadrinhos começou em 1929, com   aventura e realismo ganhando destaque. Alex Raymond já celebrizava o seu herói «Flash Gordon», o senhor dos espaços. Mandrake e Lotar já eram sucessos na criação de Lee Falk e Pril Davis, os mesmos de «Fantasma». Outros que se destacaram: «Jim das Selvas» e «Agentes Secreto X-9», de Alex Raymond; «Dick Tracy», de Chester Gould; «Capitão Marvel», de C. C. Beck; «Terry e os Piratas», de Milton Caniff; «Red Rydes», de Fred Harman; «Cisco Kid», de José Luiz Salinas; «O Reizinho» de Oto Solglow; «Pinduca» de Carl Anderson; «Betty Boop», de Max Fleisher; «Tom e Jerry» de Hanna e Barbera; «Krazy Kat», de George Harriman; «O Gato Felix» de Pat Sullivan; «O Recruta Zero», de Mart Walker; “Popeye”, de Elizie Segar; «Tintin», de Hergé; «Asterix» de Goscinny e Uderzo; «Popo», de Walt Kelly.

Walt Disney talvez tenha sido o mais importante e famoso produtor de desenhos animados. Nasceu em Chicago. Foi desenhista de publicidade e caricaturista durante algum tempo – experiência que transferiu para o cinema, onde começou sua carreira em 1923. Criador do Coelho Oswald, Mikey Mouse, Pato Donald, o cão Pluto e o papagaio Zé Carioca – ou a maioria dos mais célebres «personagens do mundo em quadrinhos».

Entre os mais importantes no Brasil e que tentaram gerar histórias genuínas de nosso povo são: Maurício de Souza, Henfil, Ziraldo e Zélio, entre outros. O primeiro foi o que mais se destacou e seus personagens «Monica», «Cebolinha», «Anjinho”, «Bidu», «Cascão» e «Horácio» já estão sendo consumidos em outros países.

 

 

Personalidade dos personagens

 

 

A personalidade dos personagens das histórias em quadradinhos que os celebrou foi o humor acessível a todas as classes sociais. Solidificaram-se e perpetuaram suas imagens entre os homens. Foi uma espécie de tradição de «pai para filho desde 1890». Em cada um, encontramos sempre um pouco de nós.

Vivemos, no entanto, outros tempos. Os heróis já estão sendo substituídos por outros, em diferentes técnicas alçadas pelo avanço tecnológico e baseados até em puros modismos. Games, muita coisa eletrônica,  efeitos especiais e inúmeras criações informatizadas que podem propiciar   distração e entretenimento, mas evidentemente não serão os mesmos de meu tempo, cujos personagens lembravam nossos cotidianos e principalmente, os encantos de uma época manifestamente dourada, ingênua e embasada em sonhos, fantasias e até perspectivas futuras.

 

 

 

.BREVE REFLEXÃO

 

 

“A vida e uma história em quadrinhos, do qual cada dia e um capitulo e cada um de nós somos meros personagens” (D. Martin).

 

 

 

 

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI é advogado, jornalista, escritor e professor universitário. É presidente da Academia Jundiaiense de Letras (martinelliadv@hotmail.com)

 



publicado por Luso-brasileiro às 16:10
link do post | comentar | favorito

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - FADO, EXPRESSÃO DA ALMA PORTUGUESA

 

 

 

 

 

Armando Alexandre dos Santos.jpg

 

 

 

 

 

 

A cultura popular portuguesa é muito rica e variada, em todas as suas manifestações, na música, no canto, em matéria de danças, no artesanato, na culinária, na profusão de ditos e quadras populares recheados de sabedoria e bom senso acumulados ao longo dos séculos etc.

Recordo de memória, entre muitas outras, uma quadrinha popular lusitana, mais precisamente da Ilha da Madeira: “Que os homens são uns diabos / não há mulher que o negue, / mas todas andam à caça / de um diabo que as carregue!”. Por trás desses versinhos, quanto senso de humor, quanta capacidade de observação, quanta experiência de vida!

 Em matéria musical, sem dúvida a grande expressão da alma lusitana é o fado. Suas origens perdem-se na noite dos tempos. De origem árabe supõem-no alguns. De origem mais recente, pretendem-no outros. Há quem sustente, mesmo em Portugal, que o fado teve origem no Brasil. Conheço três ou quatro fados que procuram explicar a origem do fado, evidentemente de modo poético e figurativo...

O fato é que o fado é profundamente identificado com Portugal e com a alma portuguesa como ela é, com suas qualidades e (manda a verdade que se diga) também com seus defeitos ─ qualidades e defeitos tão bem expressos e tão bem sintetizados pelo gênio de Eça de Queiroz na figura prototípica de Gonçalo Mendes Ramires.

Há fados de diversos tipos: os "corridinhos", de Lisboa, movimentados e por vezes até acompanhados em coro ou com palmas ritmadas pela plateia; os patrióticos, com um sentido mais épico que lírico; os religiosos, tendendo para o místico; os solenes de fundo lírico, do gênero mais conhecido como "fado de Coimbra", sempre ouvidos em respeitoso silêncio.

Em Lisboa, nas tradicionais “casas de fado”, sempre abertas para acolher os que vão ouvir o fado, mesmo que nada comam ou bebam, entre um fado e outro, come-se, bebe-se, fala-se, grita-se, ri-se, discute-se... Tudo é permitido. Mas, tão logo os primeiros acordes de uma nova música se fazem ouvir, faz-se completo silêncio.

Não se fala durante o fado. É quase profanação fazê-lo. Recordo do modo engraçado com que certo fadista chamou severamente a atenção de um grupo de rumorosos rapazes que haviam ousado perturbar o silêncio de rigor com algumas risadinhas mal abafadas:

- Ó meninos, vossas tias não vos ensinaram que o fado se ouve de bico calado?

Em Coimbra, nem se aplaude o fado à moda costumeira, batendo palmas. Isso seria falta de respeito. Por costume antigo, para significar que gostou do canto e de sua execução, o ouvinte limita-se a tossir. Ao fim do fado, põem-se todos a tossir... Num primeiro instante, isso causa estranheza. Mas quem ouve um fado de Coimbra, no contexto de Coimbra, logo se acostuma e acha muito natural.

Um tema exigiria longo espaço para ser desenvolvido: é mais apropriado dizer-se fado ou canção de Coimbra? Fado seria um gênero e o que se canta em Coimbra seria uma espécie? Ou a matriz do fado é precisamente a de Coimbra, e o que se canta e Lisboa com o nome de fado seriam extensões, variantes, até deturpações da matriz que se teria conservado pura em Coimbra? O tema é polêmico, exigiria longas explanações e provavelmente nada concluiria. Pois ambos os tipos ou modalidades de fados (ou canções?) são tradicionais, envolventes e, cada qual à sua maneira, bem exprimem certas facetas da rica alma portuguesa.

 

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS   -   Licenciado em História e em Filosofia, doutor na área de Filosofia e Letras, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, da Academia Portuguesa da História e da Academia Piracicabana de Letras.



publicado por Luso-brasileiro às 16:04
link do post | comentar | favorito

VALQUÍRIA GESQUI MALAGOLI - INTRODUÇÃO À INTRODUÇÃO

 

 

 

 

Valquíria Malagoli_Blog da Paz.jpg

 

 

 

 

 

Lia eu a introdução a uma obra de Álvaro de Campos, heterônimo de Fernando Pessoa, quando algo me invadiu: eu.

Em meio à introdução, o preâmbulo, algo me preambulou também; tocou-me, ou melhor, toquei-me, invadi-me, penetrei-me, que seja: introduzi-me.

Feri-me de mim mesma, algo assim.

Na verdade, nem sei bem o que foi que se passou. Mas, indolor, ah... isso não foi mesmo!

Ouvia eu, pois, a autora do tal texto dizer, lendo-a com suas palavras, o que, agora, com estas minhas pretensamente quero lhes explicar, a saber: que por horas ela teve o privilégio de segurar com as suas os papeis que antanho o múltiplo português segurara nas próprias mãos.

Pasmei. Parei. Invejei-a. Não pelo objeto. Não pela posse dele por um breve intervalo de tempo.

Invejei-a pelo toque. Sou o tipo de gente que carece de toque. Que literalmente morre pelo toque.

E eu quis tocar aquelas folhas, aqueles cadernos... Caramba, como eu quis!!!

Em seu trabalho de prefaciar, a estudiosa continuou: não obstante a árdua tarefa imposta à equipe que a acompanhara na empreitada, ela tinha a certeza de que o simples fato de cada um dos integrantes da mesma ter lido e relido aquelas linhas... era para cada qual, em si, o maior prêmio.

Caramba de novo – esse prêmio eu queria!

De repente, não mais que de repente, como diria nosso brasileiríssimo poetinha Vinicius, outra lança me veio tocar...

O livro, o exato livro em minhas mãos, no qual eu lia e relia o texto ao qual me refiro... fora presente de um saudoso, aliás, saudosíssimo amigo poeta, pensador, mas, sobretudo amigo...

Corri à cata de sua dedicatória. Ele não a fizera. No ímpeto, porém, de encontrá-la, esqueci por um instante que ela nada escrevera.

Pensei, entretanto, nele, às voltas na livraria, perambulando entre as estantes, folheando livro a livro demoradamente como apreciava fazer com palavra a palavra...

Caramba! Senti, então, uma inveja de mim!!!

Uma baita inveja de estar ali – eu – àquela hora, introduzindo os minutos na esteira das horas, estranhamente vazia por causa da tocante “saudade” de Pessoa que não conheci; repleta, outrossim, da especial pessoa que me privilegiara com a chance de sentir de si verdadeira saudade sem aspas.

 

 

 

Valquíria Gesqui Malagoli, escritora e poetisa, vmalagoli@uol.com.br



publicado por Luso-brasileiro às 15:58
link do post | comentar | favorito

Sábado, 26 de Janeiro de 2019
MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - ACORDAR SEM TER DORMIDO

 

 

 

 

 

 

2vl2knt.jpg

 

 

 

 

 


 
Depois de demonstrar os medos em relação aos riscos que o filho sofre por seus descaminhos na dependência química, envoltos em atritos e violência, passou para a esperança de que, neste ou naquele dia, como ela, vença a vontade da pedra. Foi me dizendo: “Vocêimagina o que é colocar uma corda no pescoço e conseguir, em um segundo, desatar o laço que tirava o ar? Aproximar da boca o chumbinho de rato e, num instante de lucidez, jogá-lo no esgoto? Estender o corpo na terra com a cabeça no trilho do trem? A angústia de acordar sem ter dormido?”
Tudo isso pelo desespero do domínio das drogas sobre seu corpo, suas emoções, sua alma... De um lado, a mulher-mãe, cujo coração batia pelos filhos – jamais tive dúvida disso -, e, de outro, a criatura fragilizada por mais um engano e abandono, a quem foi oferecida a pedra com pó de ilusão, que acalma por instantes aquilo que sangra por dentro.
Uma das pessoas que conheci em situação de vulnerabilidade social, hoje na Eternidade, me relatou, certa vez, após experimentar vários tipos de droga, que o crack é tirano e acelera o passo em busca do cachimbo posterior. Com a pedra, a sensação de poder, a excitação, a hiperatividade, a euforia e o prazer chegam rápido ao cérebro – em 10 a 15 segundos, segundo os estudiosos -, no entanto os efeitos duram em média cinco minutos, o que leva o usuário a se utilizar dessa substância muitas vezes em curtos períodos de tempo e, sem ela, entrar em depressão, chegando a ficar paranoico.
A moça viveu sob o domínio da fumaça assassina durante dez anos, com passagens por esquinas cinzentas e empoeiradas, nas quais estendia as mãos, segundo me disse, de imediato para solicitar ajuda mas, em seguida, a vontade do crack predominava e pedia um valor em dinheiro que, ao juntar, se transformava na pedra. Com fé em Deus, há cinco se encontracom poder sobre si mesma. Largar foi uma atitude sofrida, porém firme, com o propósito de mostrar aos filhos que eram mais importantes que o crack e de salvação.
Penso sobre acordar sem ter dormido. Forte esse pensamento. Sacudiu-me. E isso não diz respeito apenas a usuários de drogas. Há tantas coisas que experimentamos em nossa vida de maneirasedada, sem encararmos a realidade eas verdades que nos envolvem. 
Tenho refletido sobre episódios dos quais preciso acordar sem ter dormido.

 

 

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE -

 Professora e cronista. Coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala. Jundiaí, Brasil.



publicado por Luso-brasileiro às 18:05
link do post | comentar | favorito

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - PLANETA LIXO

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

            Quando li pela primeira vez, ainda criança, como eram, a séculos, as ruas de cidades que hoje são modernas metrópoles, eu fiquei chocada. Como as pessoas poderiam jogar excrementos na rua? Por qual razão as pessoas eram incapazes de perceber que viviam em meio ao lixo, expostas a todo tipo de doenças? Hoje, para minha tristeza, percebo que eu vivia no tempo da feliz ignorância sobre o mundo, sobre o quanto o ser humano pode ser extraordinário e paradoxalmente cretino.

            Quando caminho pelas ruas, tanto de cidades pequenas, como em uma gigante São Paulo, noto que não estamos assim tão longe de  tempos medievais. Se é verdade que não andamos propriamente entre fezes pela rua (não em todos os lugares, pelo menos), alguns lugares como praças e outros logradouros públicos cheiram tanto a urina que afastam qualquer observador.

            Além do mais, a quantidade de lixo que se pode encontrar pelas ruas em uma simples volta por um quarteirão qualquer é assustadora. Eu simplesmente não consigo conceber a razão pela qual alguém não pode levar seu lixo até uma lixeira mais próxima ou, na ausência de uma, dentro de suas bolsas ou sacolas. As coisas que as pessoas deixam pelas calçadas são de todas as cores, formas e tamanhos, mas, sem dúvida, a campeã é a maldita bituca de cigarro.

            Se eu fosse uma inventora de coisas reais e não alguém que sonha com o que não existe, eu criaria um cigarro que não fizesse mal a ninguém, pois acho uma tristeza que, nos dias de hoje, com toda informação disponível, as pessoas se injetem fumaça cancerígena. Mas, se isso não fosse possível, preservado o livre arbítrio de quem quer fazer de sua saúde o que bem quer, eu ao menos criaria um cigarro que em uma das pontas tivesse uma semente. Assim, de tanto que são jogadas por todos os lados, as bitucas seriam bem vindas, tornando verdes os lugares por onde fossem se acumulando.

            A vida, entretanto, é mais complexa do que devaneios de quem sonha com um mundo menos poluído, no qual o meio ambiente não se transformasse em um depósito do lixo humano. E digo isso em sentido real e no figurado. Em verdade somos a praga do planeta terra. Vamos destruindo tudo e rezando para que as consequências não nos atinjam, como um tolo que faz uma fogueira estando ensopado de álcool.

            Descobri, dia desses, olhando pela internet, que uma moçada do bem, aqui no litoral paulista, consciente, criou um projeto chamado Ecofaxina (https://www.institutoecofaxina.org.br) e, reunidos, saem catando lixo de manguezais e praias. O montante que recolhem é assustador. Sei que há outras iniciativas iguais no Brasil mesmo e pelo mundo agora, mas é deprimente saber que envidam esforços para combater o que outros seres humanos, que desfrutam dos mesmos lugares, dão causa.

            Parece-me muito razoável e óbvio que se cada qual cuidasse de não jogar lixo pelas praias, pelas ruas, pelas matas, muitos animais não perderiam suas vidas pelo plástico que infesta o mundo. Muitas enchentes não levariam vidas e casas. Outro sem número de enfermidades seriam evitadas. Não é tão complicado assim. Basta ter um pingo de educação, valor que, em época de tanta informação, parece estar fora de moda...

 

 

 

 

CINTHYA NUNES – jornalista, advogada e professora universitária.

cinthyanvs@gmail.com



publicado por Luso-brasileiro às 15:27
link do post | comentar | favorito

JOSÉ RENATO NALINI - PONHA A MÃO NA CONSCIÊNCIA

 

 

 

 

 

 

José Nalini.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

A Humanidade é uma entidade estranha. Capaz de incríveis conquistas e das mais abjetas crueldades.

Os otimistas dizem que a vida melhorou. Vive-se mais, a longevidade é um fenômeno científica e empiricamente comprovável. Morrem menos recém-nascidos. As profecias malthusianas não se concretizaram. O agronegócio é um setor que sustém a esperança em dias de verdadeiro desenvolvimento, o que inclui ninguém passando fome e todos vivendo de forma digna.

Mas o Brasil mata mais de 60 mil jovens a cada ano. Mais da metade da população não dispõe de saneamento básico. A abundância de água-doce encontra um feroz inimigo no homem, que a enterra para ceder espaço ao asfalto, a polui e a converte em líquido putrefato, envenenado e morto.

A raça política é abjeta, segundo a avaliação de enorme legião de sofridos párias do desemprego, vítimas da exclusão, da falta de moradia, de perspectivas de uma existência de mínima decência.

Enquanto isso, o futuro é sedutor conforme anuncia a 4ª Revolução Industrial. Inteligência Artificial, Internet das Coisas, Impressão 3D, robótica, automação, progresso.

A quem se destina tudo isso? Há quem já usufrua do mundo high-tech, dispõe de tudo aquilo que o dinheiro pode oferecer em termos de conforto, bem-estar e sensação de domínio sobre a matéria e sobre os semelhantes. Mas a imensa maioria não tem acesso a esses bens da vida que a mídia espontânea, sustentada pelo capitalismo selvagem, martela sem parar, fustigando as mentes ingênuas, que se iludem com a possibilidade de consumir.

Os economicamente bem sucedidos gozam de elevado padrão de vida. Fazem adequado uso da combinação entre as tecnologias, conhecimentos e capacidades para bem usar de tais avanços. Só que o reflexo social do acúmulo de conhecimento produtivo não é fenômeno universal. Aqui no Brasil e aqui em São Paulo, bem perto de nós, há pessoas que estão com padrão de vida inferior àquilo que se convencionou chamar de mínimo existencial. A miséria e a exclusão residem junto às mansões, aos condomínios, às verdadeiras fortalezas com que os abonados tentam manter-se afastados da condição espúria dos hipossuficientes.

É mais do que urgente eliminar o fosso digital entre habitantes do mesmo espaço físico. O poderoso tem obrigação de pensar no despossuído. Senão, pagará caro pela omissão. Não adianta se esconder nos refúgios cada vez menores em que se aninham os favorecidos, porque um dia nenhuma blindagem será suficiente a protege-lo.

É uma questão de sobrevivência capacitar o semelhante a também se valer daquilo que a inteligência e a aptidão humana desenvolveu e reduzir drasticamente as diferenças. A distância entre os polos está cada vez maior. A reação pode demorar. Mas a panela de pressão está submetida a um fogo constante. Alimentado pela revolta, pelo ressentimento, pela generalização de que a política partidária é uma farsa e que, sem violência, o Brasil não mudará.

Reflitamos, meditemos, partamos para a ação rumo à edificação da Pátria justa, solidária, sem preconceitos, com redução das desigualdades e eliminação da miséria que o constituinte, há trinta anos, prometeu. Promessa que ainda não soubemos cumprir, ensimesmados nas questiúnculas que o egoísmo atroz nos submete numa rotina cega e surda.

Acordemos, antes que sejamos despertados traumaticamente desta letargia e talvez não haja tempo para esboçar reação ou tentar a salvação.

 

 

 

 

JOSÉ RENATO NALINI  é Reitor da Uniregistral, escritor e jornalista, conferencista e palestrante.

 



publicado por Luso-brasileiro às 15:07
link do post | comentar | favorito

FELIPE AQUINO - SÃO FRANCISCO DE SALES, PATRONO DOS ESCRITORES E JORNALISTAS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“O pedido mais importante que devemos fazer a Deus é a união da nossa vontade com a d’Ele”. São Francisco de Sales

 

São Francisco de Sales, em seus 56 anos de vida, não buscou a santidade somente para si, mas também, para os outros. Evangelizou e propagou a sã Doutrina com a ajuda da imprensa, através de suas pregações, mas principalmente, com seu testemunho. Conseguiu expressar com seu amor e sua vida, a mansidão do Senhor.

Devido ao seu estilo e ao conteúdo de seus escritos, foi instituído o patrono dos escritores e jornalistas, e consagrado Santo e Doutor da nossa Igreja.

 

sao-francisco-de-sales-239x300.jpg

 

Conheça alguns de seus ensinamentos:

 

 

“O mundo é uma oficina, na qual são batidas e talhadas as pedras vivas que devem servir na construção da Jerusalém celeste”.

“Santo é o amor. Deves, pois, temer a Deus por amor e não amá-lo por temor”.

“É orgulho não nos conformamos com nossa fraqueza e nossa miséria”.

 

 

ensinamentos_dos_santos2.png

 

 

 

Leia também: São Francisco de Sales

Alguns fatos interessantes na vida de São Francisco de Sales…

 

 

escola_santos_doutores-1.png

 

 

“Se eu caísse numa grande falta, não censuraria meu coração com frases como estas: Miserável! Abominável! Morre de vergonha! Não ouses levantar os olhos para o céu, traidor, imprudente, desleal! Não, eu não lhe falaria assim, mas procuraria corrigi-lo racionalmente: ora, meu pobre coração…vamos! Caímos? Pois bem, levantemo-nos, deixemos esta miséria, vamos reclamar a infinita misericórdia de Deus. Ela nos há de assistir daqui em diante para que sejamos mais fortes…E assim… empregaria todos os meios de não pecar”.

“Que importa se Deus nos fala entre espinhos ou entre rosas perfumadas?”

“O pedido mais importante que devemos fazer a Deus é a união da nossa vontade com a d’Ele”.

 

 

Assista também: A grande herança de São Francisco de Sales

 

 

 “Procura a Deus de coração reto, procura-o em todas as coisas; e tu O acharás, e com Ele, a paz do teu coração”.

“A Missa é o sol da Igreja”.

“Desde que dirijamos o olhar para Deus, não devemos nos perturbar. Quer tudo revire para o ar, não digo somente em redor de nós, mas em nós, isto é, quer nossa alma esteja triste, alegre, mansa, em amargura, em paz, perturbada, iluminada, em trevas, entusiasta, enfadada, árida, terna; quer o sol a queime ou o orvalho a refresque, faz-se necessário que o extremo do nosso coração, nosso espírito, nossa vontade se volte incessantemente para o amor de Deus”.

“Não nos devemos perturbar à vista de nossas imperfeições, porque a luta contra elas não pode nem deve acabar antes de nossa morte. A nossa perfeição consiste em combatê-las”.

 

 

 

 

 

FELIPE AQUINO - Escritor católico. Prof. Doutor da Universidade de Lorena. Membro da Renovação Carismática Católica.

 



publicado por Luso-brasileiro às 14:52
link do post | comentar | favorito

PAULO R. LABEGALINI - QUEM É O BURRO DA HISTÓRIA ?

 

 

 

 

 

 

 

 

Paulo Labegalini.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um dia, o saudoso padre Aquilino me passou esta história:

Um anjo do Céu resolveu fixar sua morada na Terra e desceu numa planície, por onde passava um lenhador puxando o seu burro pelo cabresto. Querendo obter informações sobre o mundo em que viviam, foi logo perguntando: ‘Por favor, neste planeta, quem de vocês inventou a guerra?’ Respondeu-lhe o burro: ‘Foi ele.’ – levantando a pata em direção ao homem.

‘E qual de vocês ajuda o outro?’ – perguntou o anjo. ‘Ele.’ – afirmou o homem, muito sem jeito. ‘Qual é o que, ao lombo, conduz os peregrinos cansados?’ – quis saber o anjo. ‘Sou eu, senhor.’ – falou o burro, todo envaidecido. ‘Mas, quem de vocês mata os outros animais para lhes comer a carne? – indagou o anjo. ‘Sou eu, sim senhor.’ – afirmou o homem, muito cheio de si.

‘Quem conduziu Jesus ao Egito, vencendo léguas pelo deserto?’ – perguntou o anjo. ‘Foi ele aqui.’ – disse o homem, olhando para o burro. ‘Qual foi o que perseguiu o Menino Jesus e o quis degolar? – quis saber o anjo. ‘Foi ele, senhor.’ – disse o burro, de olho no homem. ‘E quem levou Jesus a Jerusalém para pregar a Boa Nova?’ – interrogou o anjo. ‘Ele.’ – confirmou o homem.

‘Quem fez a barbaridade de injuriar e crucificar Jesus?’ – indagou o anjo. ‘Ah, isso quem fez foi ele!’- retrucou o burro, levantando as orelhas e se afastando do dono. ‘Mas, quem entre vocês, por ter vida honrada e pura, é o rei da criação e se considera a imagem de Deus? Só pode ser você, não é burro?’ – quis concluir o anjo. ‘Não, senhor, sempre foi ele.’ – afirmou o burro, desapontado e com os olhos cheios de lágrimas.

Ao ouvir esta última resposta, o anjo levantou voo e, voltando ao Paraíso, passou a dizer aos outros arcanjos: ‘Não queiram viver na injustiça dos homens!’

Pensando bem, não é à toa que muitos humanos são chamados de burros, não é mesmo? E mesmo assim, a ofensa ainda poderia ser considerada um grande elogio, se pensássemos na utilidade desse animal irracional tão sofrido! Mas, analisando pelo lado da espiritualidade, você concorda que ‘burro’ mesmo é aquele que não aceita seguir Jesus Cristo? Sem querer ofender ninguém, reflita comigo se dá para entender um ser humano que, mesmo sabendo que está caminhando para o inferno, continua na vida de pecados! Não é burrice?

Eis outra história que poderá mudar o destino de muita gente inteligente:

Uma filha se queixou ao pai sobre sua vida e como as coisas estavam difíceis para ela. Já não sabia mais o que fazer e queria desistir de enfrentar os problemas. O pai, levou-a até a cozinha, encheu três panelas com água e as colocou em fogo alto. Numa, ele pôs cenouras, noutra, colocou ovos e, na última, pó de café. Deixou que tudo fervesse, sem dizer uma palavra.

Minutos depois, ele pescou as cenouras e as deixou numa tigela. Retirou os ovos e os depositou na mesa. Por último, pegou o caldo de café com uma concha e o colocou para coar. Virando-se para a filha, perguntou: ‘Querida, o que você está vendo?’ Ela respondeu: ‘Cenouras, ovos e café!’

Ele, então, pediu-lhe para experimentar as cenouras. Ela obedeceu e notou que estavam macias. Ele também pediu-lhe que pegasse um ovo e o quebrasse. Depois de retirar a casca, ela verificou que o ovo endurecera com a fervura. Finalmente, o pai pediu à filha que adoçasse e tomasse um gole do café. Ela sorriu ao provar o seu aroma delicioso.

Depois disso tudo, a jovem perguntou humildemente: ‘O que significa isso, pai?’ E ele explicou que cada ingrediente havia enfrentado a mesma adversidade: água fervendo; mas que cada um reagiu à sua maneira. A cenoura entrou forte, firme e inflexível, mas, depois de ter sido submetida à fervura, amoleceu e se tornou frágil. Os ovos eram frágeis e, depois, se tornaram muito mais rijos.

O pó de café, contudo, era incomparável. Depois que foi colocado na água quente, ele transformou a água! E o pai perguntou à filha: ‘Qual deles é você? Quando a tristeza bate à sua porta, como você responde? Você é do tipo cenoura, ovo ou pó de café?’

E continuou falando: ‘Você é como a cenoura que parece forte, mas, com a adversidade, murcha, se torna frágil e perde a força? Ou será que você é como o ovo que parece maleável e, depois de alguma provação, se torna duro por dentro? Ou será ainda que você é como o pó de café que mudou a água? Lembre-se que quanto mais quente estiver a água, mais gostoso se torna o café.’

Assim concluiu o pai: ‘Filha, seja como o pó de café: quando tudo ferver à sua volta, é hora de se tornar melhor e fazer com que todos reconheçam o seu valor.’

Só faltou ao pai dizer que tudo é muito mais difícil quando não se tem fé. Confiando em Deus, é possível superar todos os problemas nas Suas promessas: “... o que pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo dará.” (Jo 16-23); “O que é impossível aos homens, é possível a Deus.” (Lc 18-27); Basta-te minha graça, porque é na fraqueza que se revela totalmente a minha força. (II Cor 12-9); “Não te deixarei, nem desampararei.” (Heb 13-5).

É claro que um burro não entenderia isso!

 

 

 

PAULO ROBERTO LABEGALINI - Escritor católico. Vicentino de Itajubá - Minas Gerais - Brasil. Professor Doutor do Instituto Federal Sul de Minas - Pouso Alegre.‘Autor do livro ‘Mensagens Infantis Educativas’ – Editora Cleofas.



publicado por Luso-brasileiro às 14:45
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - ISAURA CORREIA SANTOS - UMA GRANDE SENHORA DO ALENTEJO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Certo dia, Isaura Correia Santos, indignada com certa articulista, que escrevera: “ As mães portuguesas oferecem os filhos, para defenderem a Pátria”, resolveu publicar crónica, afirmando: que era mãe e portuguesa, e não “ oferecia” o filho para ir para a guerra.

Mal sabia a ilustre escritora, que o desabafo, iria desencadear enxurrada de impropérios.

Foi enxovalhada, e houve até, quem rebuscasse sua vida particular, descobrindo, no passado, motivo para a insultar, como mulher e cidadã.

Isaura Correia Santos nasceu a 1914, em Alegrete, em plena planície alentejana. Ainda menina (17 anos,) casou com o pintor Abel Santos. Cedo se dedicou às letras, tornando-se conhecida, como autora de livros para a infância.

Suas crónicas, sempre interessantes e incisivas, apareciam, principalmente, in: “ O Comércio do Porto”, e “ Republica” .

Foi colaboradora da BBC. Notável conferencista; e o Governador do Texas, concedeu-lhe o honroso título de cidadã honorário desse Estado Americano.

Nas tardes de sábado, reunia, na sua casa, na Praça da Galiza, no Porto, intelectuais e amigos. O chá, que servia em xícaras de fina porcelana, todas diferentes, mas todas de grande beleza, ficou famoso no meio artístico portuense.

Uma manhã, ao regressar de Soutelinho (Povoa do Varzim,) sofreu grave acidente.

Visitei-a na Ordem da Trindade. Recebeu-me a Filó - empregada e amiga, que nunca a abandonou.

Isaura Correia Santos, falou-me do acidente e da forma carinhosa como as irmãs (freiras) a tratavam.

Disse-me, então, à puridade: “ Os olhos, agora, começam a ver o interior. Compreendo melhor a Vida e Seus mistérios…”

Admirava o Padre Cruz, e confiava em Deus, apesar da pouca fé que possuía.

 

 

Isaura Correia Santos.jpg

 

 

 

Noutra ocasião, afirmou:

“ Este acidente fez-me compreender o que nunca havia conseguido alcançar. Tenho rezado muito…”

A escritora, que se notabilizou com a obra: “ O Senhor Sabe Tudo Contou”, recebeu o prémio: Maria Amália Vaz de Carvalho.

Numa manhã fria de Fevereiro, do ano de 1989, fui visitar Frei Martinho Manta. Logo que me viu, disse-me, compungido:

- “ Sabe quem morreu?! …Uma grande Senhora do meu Alentejo: a escritora Isaura Correia Santos! …”

Antes de falecer, confidenciou, na Ordem do Carmo (onde estava hospitalizada,) a amiga: que não receava morrer – até desejava, – visto gora acreditar numa outra Vida, e principalmente na misericórdia divina.

 

 

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -   Porto, Portugal



publicado por Luso-brasileiro às 14:44
link do post | comentar | favorito

EUCLIDES CAVACO - CANTO A PORTUGAL ( Poema e voz de Euclides Cavaco)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

Neste poema deixo transparecer a minha genuína portugalidade que embora ausente da Pátria-berço continuo a manter há quase 50 anos. 
Veja e ouça o poema neste video elaborado pela amiga Gracinda Coelho.

 



https://www.youtube.com/watch?v=en6UTbsGZGU&feature=youtu.be

 

 

 

EUCLIDES CAVACO  -   Director da Rádio Voz da Amizade , Canadá.

 

 

 

 

***

 

 

 

 

Leitura Recomendada:

 

 

 

 

 

Resultado de imagem para Jornal A Ordem

 

 

 

 

 

Jornal católico da cidade do Porto   -    Portugal

 

Opinião   -   Religião   -   Estrangeiro   -   Liturgia   -   Area Metropolitana   -   Igreja em Noticias   -   Nacional

 

 

https://www.jornalaordem.pt/

 

 

 

 

 

 

***

 

 

 

Horário das missas em, Jundiai ( Brasil):

 

http://www.horariodemissa.com.br/search.php?opcoes=cidade_opcoes&uf=SP&cidade=Jundiai&bairro&submit=73349812

 

 

 Horário da missas em São Paulo:


http://www.horariodemissa.com.br/search.php?uf=SP&cidade=S%C3%A3o+Paulo&bairro&opcoes=cidade_opcoes&submit=12345678&p=12&todas=0

 

http://www.horariodemissa.com.br/search.php?uf=SP&cidade=S%C3%A3o+Paulo&bairro&opcoes=cidade_opcoes&submit=5a348042&p=4&todas=0

 

 

Horário das missas na Diocese do Porto(Portugal):

 

http://www.diocese-porto.pt/index.php?option=com_paroquias&view=pesquisarmap&Itemid=163

 

 

 

 ***

 



publicado por Luso-brasileiro às 14:37
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links