PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 1 de Novembro de 2019
MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - AS GRADES DO MUNDO

 

 

 

 

 

 

 

2vl2knt.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 


Conheço a moça faz muito. Era novinha ainda. De família com laços desfeitos, buscava, em cidades das proximidades, acertar os descompassos de seu mundo. Vieram os dois filhos de relacionamentos passageiros. Outro moço, no entanto, que chegou em hora que parecia certa, quis os filhos como se fossem dele. Ela expandiu o sorriso tímido. Talvez, a época de guarida. Desconhecia, no entanto, que ele vinha de desencontros maiores, envolvido com o ilícito. As misérias que carregava, não apenas a da falta de dinheiro, escola, formação profissional, impossibilitou-lhe reagir. Prosseguiu ao seu lado, o que fez com que os pais dele assumissem, sob protestos, os meninos como netos. Ela ficou de maternidade dividida com a sogra, que não a considerava nora e impunha regras que não eram as dela. Como se criou no exercício de renunciar-se... Em tempo curto, o companheiro foi detido e, de detenção em detenção, acumularam-se as penalidades e foi para presídio de segurança maior. Após as visitas, executava instruções do companheiro aqui fora, que a dominava em suas carências e necessidade de proteção. Era de miséria, também, em suas emoções, decorrente de sua história.
Conseguiu alugar uma casinha e “resgatar” os filhos da avó por empréstimo. O problema da avó cedida era desgostar dela e discordar com sua omissão à vida desregrada do filho. Considerava que o fortalecia em seus absurdos. Cuidaria das crianças se não fosse a presença dos dois.
No desempenho de uma das ordens do indivíduo, com quem permanecia por medos, perdeu a primariedade. Detida também, conseguiu responder em liberdade para ficar com os garotos. Em breve, a audiência definitiva. Não comparecer, deslocar-se com os filhos para outro Estado, desaparecer no mundo? Possui consciência da sabedoria bíblica: “Não há nada de oculto que não seja revelado” (São Marcos 4, 22), ou como dizia minha avó paterna e já repeti em outros textos: “A terra jurou não guardar segredo”.
O advogado lhe disse que, por certo, será condenada no regime fechado. A decisão é dela. Amadurecida pelo sofrimento, presume que, no cárcere, cumprindo as sanções, por pior que seja, encontrará a liberdade que busca. As algemas do mundo aqui de fora a danificaram demais. A primeira providência é encontrar um abrigo para que seus meninos permaneçam juntos até o retorno. Procurará cumprir as determinações legais no tempo de calabouço e se preparar para o retorno, de mãos dadas com os filhos, pés no chão e olhos no Céu.
 

 

 

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE -

 Professora e cronista. Coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala. Jundiaí, Brasil.

 

***

 

 

 

thumbnail_WhatsApp Image 2019-10-27 at 21.13.34.jp

 



publicado por Luso-brasileiro às 17:02
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links