PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quinta-feira, 27 de Outubro de 2022
JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI - " DIA DAS BRUXAS" E A CONSAGRAÇÃO DE USOS DE OUTROS PAÍSES NO BRASIL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A comemoração do “Dia das Bruxas”, o popular “Halloween” que ocorre no dia 31 de outubro pouco tem a ver com a nossa cultura. A sua origem  remonta às festas pagãs da Idade Média, que celebravam a passagem do outono para o inverno, nas quais imensas fogueiras eram acesas no alto das colinas, para afugentar os maus espíritos. Acreditava-se que as almas dos mortos visitavam a Terra no dia 31 de outubro, razão pela qual aquelas lanternas feitas com abóboras serviam, na verdade, para orientá-los neste retorno terreno durante o Dias das Feiticeiras.  

          Elas foram levadas aos Estados Unidos por imigrantes, principalmente irlandeses e acabaram por influenciar, curiosamente, a solenidade cristã de “All Hallows’Eve” (Dia de Todos os Santos), celebrada em primeiro de novembro. Daí o nome “Halloween” (véspera do Dia de Todos os Santos) indicar a “festa das Bruxas”. Nessa ocasião, crianças batem às portas das casas dos outros para pedir doces, dizendo “travessuras ou gostosuras?”. Se receberem o que solicitaram, agradecem, mas em caso contrário, jogam papéis ou sujam as frentes das residências.  

           No Brasil elas tentam mostrar uma alegria que não conseguem sentir espontaneamente, já que este costume está totalmente fora de nossa realidade, tornando-se profundamente lamentável que até alguns de nossos estabelecimentos de ensino prefiram prestigiar uma realização estrangeira em vez de valorizar o que é da própria terra. Quando efetivamente praticarmos nossa cultura é que descobriremos que existem milhares de motivos para nos orgulhar do Brasil e lutarmos à melhoria de nossas vidas.  

           A cultura é um direito de todos e a implementação de promoções na área levando em conta aspectos sociais, regionais, locais, econômicos e políticos, possibilitará atingir a desejada participação da sociedade, respeitando o pluralismo, a diversidade e a integração de todos. Necessitamos assim, manter nossas tradições para que não sejam influenciadas diretamente pelas de outros países, sem quaisquer referências com o nosso passado e o próprio futuro. A não ser que despreocupadamente estejamos perdendo definitivamente a nossa identidade cultural. Vale ressaltar que na mesma data, passa quase desapercebido o Dia do Saci-Pererê, consagrado personagem do folclore nacional.  

 

 

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI é advogado, jornalista, escritor e professor da Faculdade de Direito do Centro Universitário Padre Anchieta de Jundiaí. É ex-presidente das Academias Jundiaienses de Letras e de Letras Jurídicas. É autor de diversos livros (martinelliadv@hotmail.com) 



publicado por Luso-brasileiro às 13:36
link do post | comentar | favorito (1)

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - O TRABALHO RURAL NA IDADE MÉDIA

 

 

 

 

 

 

 

Armando Alexandre dos Santos.jpg

 

 

 

 

 

No que diz respeito à divisão de categorias sociais na Idade Média, é um tanto simplificadora a enumeração geralmente feita, de Clero, Nobreza e Povo. De fato, essa divisão era bem demarcada no período do Ancien Régime, que precedeu a Revolução Francesa, mas no Medievo seria preciso matizá-la. Sem dúvida, era válida a divisão de funções, entre os que rezavam e ensinavam (Clero), os que lutavam e governavam (Nobreza), e os que trabalhavam (Povo), mas a interpenetração dos três grupos sempre foi muito mais intensa do que se imagina e, dentro de cada um dos grupos, a variedade de situações também era imensa.

Foquemos nossa atenção especificamente sobre o trabalho rural, no Medievo. Todos os manuais didáticos costumam dizer que havia senhores e servos. Ou seja, na terra, quem não era dono dela era servo e trabalhava exclusivamente, ou quase exclusivamente, para quem era o senhor.

Como registra a historiadora francesa Régine Pernoud, nessa divisão sumária, “só há lugar para os senhores e para os servos: de um lado a tirania, o arbitrário e os abusos de poder, do outro os miseráveis, sujeitos aos impostos e aos dias de trabalho gratuito, à vontade dos senhores” (Luz sobre a Idade Média. Mem Martins: Publicações Europa-América, 1997, p. 41). Essa é ideia que normalmente se tem, quando se fala em trabalho rural na Idade Média.

No entanto, a realidade é bem mais matizada. O direito do senhor sobre o solo não era exatamente o mesmo que entendemos hoje como sendo o do proprietário, que goza, de acordo com a fórmula latina consagrada, do “jus utendi, fruendi ac abutendi”, ou seja, possui o direito de usar, fruir e dispor plenamente dos seus bens. O direito senhorial sobre a terra era de outra natureza, bastante mais limitado e comportava uma importante limitação quanto ao que se poderia chamar, de modo bastante anacrônico, como preenchimento de uma função social. Por outro lado, o terceiro estado, na vida rural, não era composto somente de servos. Entre a liberdade absoluta e a condição servil havia muitas situações intermediárias. Para início de conversa, o camponês, mesmo servo, muito facilmente adquiria o direito de não poder ser tirado da terra. Bastava-lhe permanecer nela, trabalhando, um ano e um dia, ou seja, o período de um ano inteiro. Se tal acontecesse sem que o senhor da terra o expulsasse, isso bastaria para que o camponês ficasse seguro de que não mais poderia ser expulso dali, até morrer.

Acresce, ainda, que o Direito Medieval tinha duas fontes precípuas, a Lei Natural e os Costumes. O Direito Consuetudinário, que ainda prevalece na Inglaterra, nos Estados Unidos e em países de formação anglo-saxônica, é profundamente diverso daqueles, como o Brasil atual, em que prevalece a visão positivista do Direito, segundo a qual a fonte do Direito é a lei escrita e promulgada.

No Direito medieval, as leis formalmente escritas e promulgadas eram muito pouco numerosas, de modo que os costumes, entendidos como fonte do Direito, tinham uma importância imensa. Era deles que se deduzia o que devia ser feito. O fato de determinado procedimento ser costumeiramente praticado não só o legitimava, mas podia até chegar a torná-lo obrigatório. No Medievo, de acordo com o aforismo latino “plurimae leges, pessima respublica” (quando são muitas as leis, é péssima a administração pública), entendia-se que as leis somente deviam ser promulgadas em caso de necessidade, e não arbitrariamente, por mero intuito dirigista.  “A lei deve ser honesta, justa, possível, conforme à natureza, apropriada aos costumes do país, conveniente ao lugar e ao tempo, necessária, útil, claramente expressa para que não se oculte nela nenhum engano, e instituída não para satisfazer a algum interesse privado, mas para a utilidade comum dos cidadãos” – escreveu São Tomás de Aquino (1225-1274) na Suma Teológica (I-IIae, qu. 95, a.3), repetindo e endossando o ensinamento de Santo Isidoro de Sevilha (+ 636). Tão prejudicial pode ser a introdução de uma lei nova, que São Tomás considerava muitas vezes preferível manter uma lei menos perfeita, mas já assentada nos costumes, a substituí-la por uma lei melhor, mas que, por não ter como base o costume, causasse transtornos ao bem comum (Suma Teológica, I-IIae, q.97, a.2).

Os costumes tinham tanta força, no passado medieval, que bastava algo ser praticado costumeiramente para que se impusesse como devendo ser praticado, sem necessidade alguma de lei escrita e formal. A única limitação dos costumes eram os ditames da Lei Natural. Um costume que não estivesse de acordo com esses ditames, seria um mau costume, ou seja, um costume vicioso e deveria ser extirpado. Não obrigaria nem moral nem juridicamente. É nesse sentido que valia o princípio geralmente aceito de que “lex injusta non obligat” – a lei injusta não obriga.

A variedade de costumes era imensa na organização medieval, porque a noção de liberdade também era incomparavelmente maior do que é hoje, quando um Estado organizado teoricamente é o garantidor das liberdades individuais e, na prática, muitas vezes constitui a maior ameaça a essas mesmas liberdades.

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS  -  é licenciado em História e em Filosofia, doutor na área de Filosofia e Letras, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Academia Portuguesa da História.

 



publicado por Luso-brasileiro às 13:29
link do post | comentar | favorito

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - VIVER DÓI

 

 

 

 

 

 

CRIS.jpg

 

 

 


​​​​​​​

Reli uma colocação da escritora Rachel de Queiroz (1910-2003): “Doer, dói sempre. Só não dói depois de morto. Porque a vida toda é um doer. E eu sou essa gente que se dói inteira porque não vive só na superfície das coisas”. Olhou os fatos com sabedoria e escreveu além das aparências, na profundidade que ultrapassa o tempo. Autora de destaque na ficção social nordestina, foi a primeira mulher a ingressar na Academia Brasileira de Letras.

É verdade mesmo que que “a vida toda é um doer”. Doer das doenças, doer das ausências, das impossibilidades, dos sonhos desfeitos, da falta de perspectiva, das separações, do ombro que falta, da dor do outro...

Deveria ter uns 12 anos quando me deparei com os versos do poeta, advogado e diplomata brasileiro Francisco Otaviano (1825-1889): “Quem passou pela vida em branca nuvem/ e em plácido repouso adormeceu;/ quem não sentiu o fio da desgraça, / quem passou pela vida e não sofreu, / foi espectro de homem, não foi homem, / só passou pela vida e não viveu”. Tocou-me tanto que guardei para a vida inteira. Convivi muito com os mais belos contos de fada e, talvez, com os versos de Otaviano concluí que eram devaneios, embora tivessem encantado minha infância.

Ao ler Rachel sobre não viver na superfície das coisas, me veio a lembrança da moça que conheci em um leito do Hospital São Vicente, ao lado daquela que fui visitar. Tempo de muitos questionamentos sobre a Aids, causada pelo Vírus HIV. As duas, soropositivas e o quarto de isolamento. Ela estava sem visita e eu, portanto, me dirigia às duas enquanto conversava. Em um dado momento, ela me perguntou se eu poderia tocar no braço dela. Não entendi o motivo, mas afirmei que sim e me dirigi a ela. Ao segurar levemente o seu braço, começou a chorar. Disse-me que há tempo sentia na pele apenas o toque de luva e de agulha de injeção. Não me diz respeito que tipo de postura a levou a se contaminar, mas sim me comover com a dor dela. Logo eu que adoro abraços com laços.

Cada um enfrenta de um jeito a sua dor. Alguns procuram refúgio no álcool, nas drogas, na promiscuidade sexual. Esconderijo, no entanto, não fortalece a pessoa e “doer dói sempre”.

Há muita realidade ainda na música Aquarela de Toquinho, Vinícius de Moraes e Maurizio Fabrizio: “...E o futuro é uma astronave/ Que tentamos pilotar/ Não tem tempo, nem piedade/ Nem tem hora de chegar/ Sem pedir licença, muda a nossa vida/ E depois convida a rir ou chorar...”

A intensidade da dor varia, mas é preciso procurar o sopro que acalma as chagas. Nesses acontecimentos, há em mim um silêncio interior.  Meu sopro está na Cruz de Jesus Cristo. Ele me diz que Seu sangue é o bálsamo que acalma as angústias, Sua coroa de espinhos dá um sentido novo ao pensamento, Seus joelhos machucados, doloridos, são sustento para meus passos, Suas mãos com chagas seguram as minhas e Seu Amor é feito de eternidade. Conforme disse Santa Teresinha do Menino Jesus: “Acho que nesses momentos de grande tristeza tem-se a necessidade de olhar para o céu em lugar de chorar”. E Santa Teresa D’Ávila: “...Quem a Deus tem, mesmo que passe por momentos difíceis, sendo Deus o seu tesouro, nada lhe falta. SÓ DEUS BASTA!”

A fé e a esperança são o sopro que passa pelo silêncio que minhas dores deixam.

 


 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - Professora e cronista. Coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala. Jundiaí, Brasil.



publicado por Luso-brasileiro às 12:09
link do post | comentar | favorito

FELIPE AQUINO - DOM HENRIQUE RESPONDE: O QUE FAZER DIANTE DA CULTURA DE MORTE QUE INVADE NOSSA SOCIEDADE?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Neste vídeo, o Prof. Felipe Aquino conversa com Dom Henrique Soares da Costa sobre a cultura da morte que invade nossa sociedade. Vemos casos de aborto, suicídio assistido, eutanásia. O que fazer diante disto?

Confira:

https://youtu.be/OwuSSLjsB84

 

 

 

 

 

 

 

 

FELIPE AQUINO - é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor: www.cleofas.com.br Twitter:



publicado por Luso-brasileiro às 12:01
link do post | comentar | favorito

CINTHYA NUNES - A MENOR ABELHA DO MUNDO

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes.jpeg

 

 

 

 

            Minha vontade hoje é de escrever sobre um tema do qual normalmente não gosto e ao qual não costumo dedicar minhas linhas. Contudo, em tempos sombrios de censura à liberdade de expressão, ainda que se tente justificar o injustificável, é com a voz presa na garganta e com as palavras amarradas nas pontas dos dedos que escreverei sobre o que ainda se pode falar.

            Conforme já escrevi em outras ocasiões, eu crio abelhas sem ferrão. São abelhas pequeninas, nativas brasileiras, dóceis e inofensivas. Comprei as colmeias, que vêm em pequenas caixas de madeira e as coloquei no nosso pequeno quintal, entre as muitas flores que cultivo em vasos.

            Jamais tive coragem de retirar delas qualquer quantidade de mel, embora saiba que é possível fazê-lo de forma a não as prejudicar, mas meu objetivo foi propiciar, ainda que em escala micro, que essas valiosas trabalhadoras possam se multiplicar e formar outras colmeias pelos arredores, mesmo nesse ambiente urbano.

            Uma das colmeias é de abelhas jataí e acredito que meu primeiro impulso de tê-las aqui comigo se deve a uma lembrança de minha infância. Meu avô paterno, há muito falecido, Seu Zé, vivia tentando capturar uma colmeia dessa mesma abelha. Havia uma delas em um lugar impossível de ser retirado, nas frestas de uma estrutura de alvenaria e ele todos os anos tentava, esfregando folhas de erva-cidreira em uma cabaça, atrair uma parte do enxame. Nunca deu certo, mas tentamos por muito tempo e essa é uma doce memória afetiva, daquelas que a mente opta por não apagar, até porque não há, ainda, tribunal que determine que se faça isso.

            Há alguns dias, enquanto eu pesquisava outro assunto, encontrei uma notícia sobre a abelha lambe-olhos, cuja existência desconhecia completamente. Trata-se da menor abelha do mundo, que mede cerca de 1,5 milímetros. Com ferrão atrófico, é incapaz de picar e seu meio de defesa é lamber a secreção dos olhos de quem, humano ou bicho, tentar atacar a colmeia.

            De coloração toda preta, é encontrada em grande parte do Brasil, mas está em risco de extinção. Curioso é que se trata de uma espécie resistente às intempéries e que se adapta bem às aglomerações urbanas. O que me encantou é que os meliponicultores (criadores de abelhas sem ferrão) criam essa espécie em caixinhas de acrílico, transparentes, sendo possível, assim, observar toda rotina da colmeia.

            Assim que vi as imagens dos favos, que são em formato de minúsculos e delicados cachos de uva, contatei o meu fornecedor e fiquei encantada com a beleza desse mundo em miniatura. São de fato tão pequenas que facilmente podem ser confundidas com mosquitinhos e eu preciso usar meus óculos de leitura para enxergar o vai-e-vem das operárias e da rainha.

            Descobri há algum tempo que somente as abelhas nativas podem auxiliar na restauração de espaços verdes como por exemplo as matas ciliares, eis são as únicas que polinizam as igualmente nativas espécies. Assim, com a diminuição dos enxames que sucumbem pelo uso indiscriminado e abusivo de agrotóxicos, também vamos perdendo o pouco de verde que nos resta.

            Meus três enxames não vão salvar o mundo, mas gosto de pensar que aqui estão protegidas e que anualmente, saindo da nossa casa, novos enxames saem para o mundo, procurando um novo lar. Dei um jeito de pegar nosso enxame, Vô. Elas são minhas, mas também são suas.

 

 

CINTHYA NUNES  é jornalista, advogada, professora universitária e segue escrevendo enquanto se pode fazer isso – cinthyanvs@gmail.com/ www.escriturices.com.br

 

 

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:55
link do post | comentar | favorito

JORGE VICENTE - TRANSMONTANO

 

 

 

 

 

 

 

Jorge Vicente.jpeg

 

 

 

 

 

 

Pode ser uma imagem de 1 pessoa e texto que diz "Transmontano Glorificado sejas para onde fores As tuas mãos generosas e morenas Mostram ao mundo tuas dores Teus olhos as lágrimas brotadas, A tua presença não é por caridade És trabalhador vives o quotidiano Lutas pela vida e com vaidade Queres viver como um ser humano. Na tua terra és sempre esquecido Não gostas de viver da Caridade Por vezes, um pouco atrevido o que conta é a tua Felicidade. Que Deus abençoe teus passos Como Ele faz com a Natureza Assim ganhas companheiros Mostra-lhes a tua grandeza!... Jorge Vicente"

 

 

 

 

 

JORGE VICENTE - Fribourg ( Suiça)



publicado por Luso-brasileiro às 11:49
link do post | comentar | favorito

MARIA DE LURDES FONSECAMARQUES - A LUA E O MAR

 

 

 

 

 

 

luisa.jpg

 

 

 

 
A beleza desta imagem
Para além da imaginação
Transcende toda a miragem
Em ondas de comoção.
 
A lua em sua magia
Ancorada lá no alto
Como em posto de vigia
Toma o navio de assalto.
 
Em transparência espelhada
Mar salgado desbravado
Na calma da madrugada
De azul cobalto ondulado.
 
O céu de um azul intenso
De tanta luz transbordar
Deixa o nosso olhar suspenso
Na imensidão deste mar.
 
 
(Dreitos reservados)
 
 
 
 
 
MARIA DE LURDES FONSECAMARQUES , mestre em Filosofia e Cultura Portuguesa. 
 
 
 
 
Nenhuma descrição de foto disponível.
 
Foto:Лариса Викторовна Grandes Veleiros


publicado por Luso-brasileiro às 11:40
link do post | comentar | favorito

ANTÓNIO FRANCISCO GONÇALVES SIMÕES - 2. ALTEZA (A)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Este  tratamento é a mais antiga variação do tratamento de Alteza, superando até mesmo em antiguidade e o de Alteza Serenissima e o de Alteza Imperial.

Um  arquiduque que é súbdito e um rei, pode ser Sua Alteza Real, por concessão do soberano, mas isso não indica que ele seja da família real( portanto não tem direito ao trono), ou seja ele é apenas um aristocrata que tem este tratamento. É errado dizer que só príncipes possam ter este tratamento.

 

Uso nos Países Baixos.

 

  Nos Países  Baixos, o título de “príncipe/princesa dos Países Baixos com o tratamento e Sua Alteza Real é automaticamente concedido por lei ao herdeiro aparente do trono e as ex-monarcas que tenham abdicado do trono.

Adicionalmente, o título pode ser concedido por decreto  real  ao cônjuge do monarca, ao cônjuge do herdeiro  aparente, aos filhos do herdeiro aparente e filhos do monarca em posição inferior ao herdeiro parente, aos filhos do herdeiro aparente e filhos do monarca em posição inferior ao herdeiro aparente na linha de sucessão .De acordo com a  regra, antes da abdicação da rainha Beatriz em Abril de 2013, tinham o título de príncipe/princesa dos Países Baixos:

-O príncipe e Orange, Guilherme Alexandre., na época o herdeiro do trono.

-A princesa Máxima, esposa do príncipe de Orange.

As princesas Catarina Amália, Alexia e Ariane, filhas do PRÍNCEPE DE Orange e da princesa Máxima.

-O  príncipe Constantino, terceiro filho da rainha Beatriz..

-As  princesas Marrgret. Irene e Cristina, irmãs da rainha Beatriz(filhas da rainha  Juliana).

O  príncipe  João Friso, segundo filho da rainha Beatriz, perdeu por sua vez o título de príncipe dos Países Baixos Após ser excluído da casa real e da linha  de secessão ao trono por contrair matrimónio  em 2004  sem o consentimento do parlamento neerlandês.  Um decreto real de 2014, entretanto, permitiu ao príncipe manetr o título pessoal e não hereditário de “príncipe de Orange -Nassau” com direito ao  tratamento de Sua Alteza Real.. Como cortesia, as esposas do príncipe Constantino e do príncipe Friso, respectivamente Laurentien e Mabel, embora não sejam princesas por lei, usam os títulos dos maridos com o tratamento associado também de Sua Alteza Real.

Após a abdicação, a rainha Beatriz, nos termos da lei  referida acima, recebeu o título de “princesa dos Países Baixos” com o tratamento de Sua Alteza Real, enquanto Guilherme Alexandre passou  usar o título de “rei dos Países Baixos” com o tratamento associado de Sua Majestade(S.M). a esposa do rei  Guilherme Alexandre, embora  permaneça legalmente apenas “ princesa dos Países Baixos”, passou a usar o titulo de cortesia”rainha  Máxima” com o tratamento também de Sua Majestade. A  princesa Catarina Amália, como nova herdeira aparente, recebeu o título de “Princesa de Orange”, mantendo também seu título associado por lei”princesa dos Países Baixos”,  Mantêm-se também “príncipes/princesas dos Países Baixos” com a designação de  Alteza Real as princesas Alexia e Ariane, o príncipe Constantino e as princesas  Margriet, Irene e Christina.

Finalmente, recebem a designação inferior de “Sua Alteza”(SA),sem o predicado  “real”, osn filhos da  princesa Margriet e do professor Pieter van Vollenhoven, respectivamente Maurits, Bernhard, Pieter- Christan e Floris van Oranje. Nassau van

 Vollenhoven, com os títulos pessoas e não hereditários associados de “Principe de Oranje-Nassau van Vollenhoven, com os títulos pessoas e não hereditários associados de “Príncipe de Orange-Nassan”.                  Foi publicado no “

Reinos da Europa Latina.                                                  

Os Filhos de França, membros da casa real francesa, desde o século XVII  utilizam o estilo Real. Em Portugal e Espanha, os herdeiros aparentes, como próximos a ocupar o trono, utilizam o estilo e Alteza Real.. No Reino de Itália, o herdeiro também tinha direito ao tratamento de Alteza Real.

 

Reino unido.

 

Na  monarquia britânica, o tratamento de Sua Alteza Real está associado com as posições de príncipe e princesa. Entretanto, isso  nem sempre é regra, pois o príncipe Filipe, Duque de Edimburgo. que recebeu tal tratamento em 1947, não foi titulado príncipe até 1958. O Príncipe Guilherme(que já era Alteza Real) e a sua esposa, Catarina, têm o título de “SAR Duque de Cambridge, por pertencerem à  família  real britânica.

No funeral de Diana, em 1997, um ano após o seu divórcio, seu irmão Charles Spenser, 9º Conde Spenser fez um discurso sobre Diana, e deu uma delaração que foi considerada como uma resposta ao facto da rainha Isabel II do Reino Unido, que é sua madrinha de baptismo, ter deliberadamente retirado de sua irmã o título de Alteza Real. Charles  Spenser provou no último ano que ela mão precisava de  títulos de realeza para continuar a gerar seu próprio brilho de magia.

Mudanças recentes na concessão. Em 31 de Dezembro de 2012, a rainha emitiu uma carta-patente declarando que não apenas os filhos, mas também as filhas do filho mais velho do príncipe de Gales podiam receber o tratamento de Alteza Real e a dignidade de princesa do Reino Unido.

REINO DA SUÉCIA

A Suécia  só praticou primogenitura absoluta  cognática por lei até 1980.  Isso significa que a princesa Vitória é a primeira herdeira aparente e Daniel Westling tornou-se o primeiro homem do povo  obter um novo título ou classificação como cônjuge de  uma princesa sueca e futura rainha. Todos os príncipes anteriores nasceram  na realeza e têm pais de origem sueca ou foram duques estrangeiros que tinham casado com príncesas suecas

Em Maio e 2013, o marechal da Svante Lindqvist Realm anunciou que O’Neill pediu para não lhe fosse concedido o tratamento de “Sua  Alteza Real,” e  continuar a ser um cidadão privado.  O` Neill. Nque pretendia manter as cidadadanias do Reino Unido e dos EUA e seus negócios como chefe de pesquisa de uma empresa de investimentos em Nova Iorque, pois a renúncia a ambas as cidadanias seria necessária para se tornar um membro da família real sueca. O’ Neill, portanto, não de tornou o “Príncipe da Suécia” ou “Duque da Helsínquia e Gestrícia”.

O’Neil é católico  romano e o casal pretende continuar residindo em Nova Iorque, após

o seu casamento, mas seus filhos terão  ser criados na Suíça e como luteranos, como a sua mãe, a fim de ter direitos de sucessão ao trono sueco..

IMPÉRIO DO BRASIL

O  Imperador D. Pedro I , por ter tido uma filha fora do casamento com a sua mais famosa amante, a Marquesa de Santos, concedeu à sua filha que nascera com o nome de Isabel Maria de Alcântara  no Brasil, deu-lhe o título de Duquesa de Goiás. Sendo assim, era tratada como sua Alteza,  a Duquesa de Goiás.

 

 

 

ANTÓNIO FRANCISCO GONÇALVES SIMÕES   -   Sacerdote Católico. Coronel Capelão das Frorças Armadas Portuguesas. Funchal, Madeira.  -    Email   goncalves.simoes@sapo.pt



publicado por Luso-brasileiro às 11:35
link do post | comentar | favorito

ALEXANDRE ZABOT - A ESCOLA DE VERÃO DO OBSERVATÓRIO DO VATICANO

 

 

 

 

 

 

 

Alexandre Zabot

 

 

 

 

 

 
A Igreja Católica tem uma antiquíssima tradição na Astronomia. Há vários livros publicados sobre o assunto, como por exemplo The Sun in the Church: Cathedrals as Solar Observatories (ainda não traduzido para o português, O Sol na Igreja: Catedrais como Observatórios Solares), de John Heilbron, um famoso historiador da Ciência americano, que conta como as principais catedrais da Europa serviram por muito tempo como observatórios do Sol. Outro livro interessante é In the service of 9 popes: 100 years of the Vatican Observatory (também não foi traduzido para o português, A serviço de 9 papas: 100 anos do Observatório do Vaticano). Esse livro foi escrito por jesuítas que contam a história do Observatório Astronômico do Vaticano.
O Observatório Astronômico do Vaticano foi fundado em 1891 pelo papa Leão XIII como meio de oficializar um trabalho que os jesuítas já vinham fazendo há séculos pela Igreja: estudar Astronomia e promover um diálogo com o mundo científico. A Igreja tem uma longa lista de padres jesuítas que deram contribuições importantes para a Astronomia, já escrevi sobre o assunto em outros artigos.
De todas as contribuições do Observatório, uma das mais interessantes é a Escola de Verão, que é promovida a cada dois anos, desde 1986. No momento estão abertas as inscrições para a 15ª edição, que acontecerá em 2016. O formato da Escola é tradicional na Astronomia: reúne-se um grupo de pós-graduandos na área para discutir um assunto específico por um mês. Geralmente são reunidos cerca de 30 estudantes de todo o mundo. Eu tive a sorte de participar da Escola de Verão de 2007, e foi uma experiência única. As atividades acontecem em Roma e são financiadas em parte pelo Vaticano e em parte pelas agências de pesquisa dos países dos alunos, onde eles conseguem contribuições para cobrir seus custos. Não há nenhum critério religioso na seleção dos alunos.
O tema da próxima Escola será “Água no Sistema Solar e além dele”. É um tema muito atual da pesquisa na área, ligado à busca de vida em outros lugares do universo e também às pesquisas sobre exoplanetas (planetas que orbitam outras estrelas, distantes de nós). Aliás, exoplanetas foi o tema da Escola em 2007, quando eu participei.
A Escola é organizada pelos astrônomos do Observatório mas os Professores são selecionados entre os maiores pesquisadores do mundo. Os temas das Escolas sempre são assuntos em alta na Astrofísica: galáxias, aglomerados estelares, evolução do universo, cosmologia, busca de vida fora da Terra, nascimento e evolução estelar, etc.
É muito significativo que a Igreja apoie este tipo de evento e promova um diálogo com o mundo da Ciência através dos jesuítas. Entretanto, mais importante ainda é que nós leigos estejamos cientes de que não há oposição alguma entre nossa Fé e a Ciência e que é nosso papel levar adiante as atividades de pesquisa entre colegas que não compartilham da nossa Fé.
Se você que é estudante universitário, ou aluno de pós-graduação trabalhando na sua pesquisa, em laboratórios de ponta na universidade ou em empresas de desenvolvimento tecnológico, deve mostrar com sua vida e com palavras que nós temos mais razões do que qualquer outro para fazermos pesquisa. Para nós, as leis da Ciência são palavra de Deus. Se você não trabalha com pesquisa, deve manter-se atualizado na área, para estar pronto para conversar sobre o tema e mostrar como ele pode iluminar a Fé e ela pode iluminá-lo também.
A Ciência hoje corre alguns riscos muito grandes, que podem ter reflexos perigosos para a humanidade. Em particular, a ética sem alicerce na Lei Natural nos levará a loucuras como a Eugenia e outras monstruosidades da biologia. Mas também há o perigo de uma cultura dominada pela técnica, onde somente o novo, o mais moderno, tem vez. Tudo aquilo que já não é novidade deve ser descartado. O que não for imediatamente útil também. O papa Bento XVI falou muito disso no seu pontificado e o papa Francisco continua a fazer essa denúncia.
Precisamos estar atentos, ser excelentes e profissionais no que fazemos. Podemos dar contribuições verdadeiramente importantes na Ciência e só nós podemos trazer a Luz verdadeira para dentro dela. Além disso, nossa participação fomentará um diálogo com o resto da comunidade. É preciso desenvolver uma linguagem adequada para compreender e aprender com o mundo científico e para que ele também compreenda a Fé. Um verdadeiro dom de línguas que nasce do interesse verdadeiro pela Ciência, sua maneira de acontecer e de pensar sobre o universo.

05/2015
 
 
 
 
 

ALEXANDRE ZABOT   -    Fisico. Doutorado em Astrofisica. Professor da Universidade Federal de Santa Catarina.   www.alexandrezabot.blogspot.com.br



publicado por Luso-brasileiro às 11:30
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - A INGRATIDÃO DOS FILHOS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Resguardada do ardor da tarde sob frondoso castanheiro, na cercania de carriça transmontana, a velhinha fia.

Tem o rosto sulcado pela goiva do tempo. Olhos apagados, lábios finos, boca desdentada, e tez crestada, da cor de centeio.

Fia; e o fuso: gira...gira...gira... pressionado pelos descarnados dedos.

Foi moça fagueira; esbelta, de farta cabeleira calamistrada e viçosa face da cor de nácar.

Casou… Foi mãe.

Criou filhos, que abalaram...

Todos partiram: uns, para o Céu; outros, em demanda de vida melhor...

Ficou; mergulhada em saudade e cuidados de quem a deixou.

De tempo a tempo, telefonam, escrevem...

Prometem interná-la num lar...

Daqueles que guardam pais e mães, que deixaram de serem prestáveis.

Cuidou dos filhos com esmero: ajudou-os a darem os primeiros passos; a comerem; à mesa; aparou-lhes a baba viscosa, que escorregava do beiço; enxugou-lhes o húmido nariz; branqueou-lhes a roupa enegrecida pela traquinice; passou horas de angústia à cabeceira do berço...

Os meninos eram tudo, e tudo era para eles.

Agora, é a mãe que carece de mão amiga: quem a ampare; quem cuide; quem lhe lave a veste enodoada; quem lhe apare as unhas endurecidas; quem a desvele com carinho.

Para que nada lhe falte.

Mas os filhos não têm disponibilidade...

Olvidam, que chegou o tempo de retribuírem; esquecem-se de pagarem - os cuidados, os carinhos que receberam...

Meditando, a velhinha fia.

E o fuso: gira...gira..gira...

Pelos desgastados olhos, desenrolam-se cenas amorosas, recreações pueris, que a memória guardou, com amor.

Agora só Deus permanece...

Só Ele ficou...

Os gerados pelas suas entranhas esquecem-se, que: a felicidade, o diploma, a riqueza que gozam, é fruto daquela velhinha, que junto ao carriço, arrimada ao secular castanheiro: fia... fia... fia...

Zagaziantes lágrimas de saudade, docemente escorem pela face encarquilhada:

-" Coitados! Têm muito que fazer...A culpa é das mulheres... trabalham muito. Como gostava de estar na companhia deles!…”

Leve sorriso amoroso, alastra-lhe pelo rosto tisnado...

E o fuso: fia...fia...fia...

 

 

HUMBERTO PINHO DASILVA



publicado por Luso-brasileiro às 11:19
link do post | comentar | favorito

PINHO DA SILVA - NUNCA TIVE AMBIÇÕES DE NÃO SER EU

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nunca tive ambição de não ser eu;

corri do me convívio a maestria;

talhei o próprio rumo, à luz do dia:

conversei com estrelas, fui ao céu.

 

Enrodilhei-me sempre no meu véu,

sempre ao sabor da própria fantasia;

fui néctar e fui núvem, como eu queria,

e, por isso, ninguém me compreendeu!

 

Só gosto do que eu gosto, e de mais nada;

não dou directizes, nem as tomo;

detesto figurino que me ultraje.

 

Cerrei-me dentro em mim: porta fechada!...

Comidas lá de fora, não as como;

aprendi a morrer, e sou um sage.

 

 

 

PINHO DA SILVA (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos  dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"


publicado por Luso-brasileiro às 11:04
link do post | comentar | favorito

PAULO R. LABEGALINI - A TERCEIRA IDADE

 

 

 

 

 

 

Paulo Labegalini.jpg

 

 

 

 

 

Resolvi escrever este artigo porque algumas pessoas que mais rezam por mim são senhoras da melhor idade, e inicio por uma história que corre na internet:

No primeiro dia de aula, nosso professor nos desafiou a apresentar alguém que não conhecêssemos ainda. Eu fiquei em pé para olhar ao redor quando uma mão suave tocou meu ombro. Olhei para trás e vi uma velhinha enrugada sorrindo para mim. Ela disse:

– Ei, bonitão, meu nome é Rosa. Tenho oitenta e sete anos de idade. Posso lhe dar um abraço?

Eu concordei e perguntei:

– Por que você está na faculdade em idade tão avançada?

– Eu sempre sonhei em ter estudo universitário e agora estou tendo um!

Após a aula, caminhamos para o prédio da união dos estudantes e nos tornamos amigos instantaneamente. Eu ficava extasiado ouvindo aquela ‘máquina do tempo’ compartilhar sua experiência e sabedoria comigo. Ela tornou-se um ícone no campus e fazia amigos onde quer que fosse.

No fim do semestre, convidamos Rosa para falar durante o nosso banquete de futebol. Ela pegou o microfone e disse:

– Nós não paramos de amar porque ficamos velhos, aliás, nos tornamos velhos porque paramos de amar. Existem segredos para continuarmos jovens de sucesso: você precisa rir e ter um sonho. Vemos tantas pessoas caminhando por aí que estão mortas e nem desconfiam! Se você tem dezenove anos e ficar deitado na cama por um ano inteiro sem fazer nada de produtivo, ficará com vinte anos. Se eu tenho oitenta e sete e ficar na cama por um ano e não fizer coisa alguma, ficarei com oitenta e oito. Portanto, ficar velho não exige talento nem habilidade. A ideia é crescer feliz, encontrando oportunidades de mudar. E não tenha remorsos. As únicas pessoas que têm medo da morte são aquelas com muitos remorsos.

Uma semana depois da formatura, Rosa morreu tranquilamente em seu sono. Mais de dois mil alunos da faculdade foram ao funeral em tributo à maravilhosa mulher que nos ensinou isto: ‘Nunca é tarde para ser tudo aquilo que você deseja ser’.

Agora, para quem gosta de fatos reais, pode se espelhar na neurologista Dra. Rita Levi-Montalcini, Presidente Honorária da Associação Italiana de Esclerose Múltipla, quando completou 100 anos de vida em 2009. Mas em 1951, veio ao Brasil para realizar experiências de culturas in vitro no Instituto de Biofísica da Universidade do Rio de Janeiro onde, em dezembro do mesmo ano, conseguiu identificar o fator de crescimento das células nervosas. Foi esta descoberta que lhe valeu o Prêmio Nobel de Medicina junto com Stanley Cohen.

Eis uma entrevista que concedeu em 2005:

– Como vai celebrar seus 100 anos?

– Ah, não sei se viverei até lá e, além disso, não gosto de celebrações. Gosto do que faço a cada dia.

– E o que você faz?

– Trabalho para dar bolsas de estudo às meninas africanas. Quero que estudem e prosperem. E continuo investigando, sigo pensando, porque jamais vou me aposentar. Aposentar-se é destruir o cérebro! Possuímos grande plasticidade neural; e quando morrem neurônios, os que restam se reorganizam para manter as mesmas funções, mas para isso é conveniente estimulá-los. Mantenha seu cérebro com ilusões, sempre ativo, faça com que trabalhe e ele nunca se degenerará. A chave é manter curiosidades, entusiasmos, paixões.

– E o que tem sido o melhor da sua vida?

– Ajudar aos demais cada vez mais.

– Já pensou no que faria hoje se tivesse 20 anos?

– Exatamente o que eu estou fazendo! Minha idade não prejudica meu trabalho.

Também a idade de Zilda Arns não a impediu de ajudar o povo do Haiti. Aos 75 anos, morreu trabalhando e servindo o próximo, por amor a Deus. Médica pediatra e sanitarista, fundou a Pastoral da Criança, Organismo de Ação Social da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Irmã de Dom Paulo Evaristo Arns, cardeal arcebispo emérito de São Paulo, viúva desde 1978, teve cinco filhos. Para ser indicada ao Prêmio Nobel, Zilda percorreu um longo e dedicado caminho.

Em 1955, começou sua vida profissional como médica pediatra do Hospital de Crianças Cezar Pernetta, em Curitiba. Suas participações em eventos internacionais são diversas: de Angola à Indonésia, Estados Unidos e Europa, Zilda Arns representou a Pastoral da Criança. Proferiu centenas de palestras, acompanhou comitivas brasileiras a outros países, levando a Pastoral para o mundo. Sua participação em eventos nacionais é praticamente incontável; desde 1994 são aproximadamente 27 eventos ligados à Pastoral da Criança e inúmeros outros pela Pediatria.

Tanta dedicação teve seu reconhecimento. Desde 1978, são diversas menções especiais e títulos de cidadã honorária. E da mesma forma, a Pastoral da Criança já recebeu diversos prêmios pelo trabalho que vem sendo feito desde a sua fundação.

Que esse grande exemplo de amor, cidadania e fé possa nos animar a praticar a caridade. Recordo o que me disse o amigo vicentino de Curitiba, padre Maikol: ‘Zilda Arns será santa!

 

 

PAULO R. LABEGALINI   -  Cursilhista e Ovisista. Vicentino em Itajubá. Engenheiro civil e professor doutor do Instituto Federal Sul de Minas (Pouso Alegre - MG)



publicado por Luso-brasileiro às 10:53
link do post | comentar | favorito

EUCLIDES CAVACO - DOURADA HOMENAGEM

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O meu fraterno abraço de sincera amizade.
 
 
 

  EUCLIDES CAVACO  -   Director da Rádio Voz da Amizade , Canadá.

 

***

 
 
 

 

NOTICIAS DA DIOCESE DO PORTO

 

 http://www.diocese-porto.pt/

 

 

NOTICIAS DA DIOCESE DE JUNDIAÍ - SP

 

 

 https://dj.org.br/

 

***

 

Leitura Recomendada:

 

 

Resultado de imagem para Jornal A Ordem

 

Jornal católico da cidade do Porto   -    Portugal

 

Opinião   -   Religião   -   Estrangeiro   -   Liturgia   -   Area Metropolitana   -   Igreja em Noticias   -   Nacional

 

https://www.jornalaordem.pt/

 

***

HORÁRIOS DAS MISSAS NO BRASIL


https://www.horariodemissa.com.br/#cidade_opcoes 

 

Site com horários de Missa, confissões, telefones e informações de Igrejas Católicas em todo o Brasil. O Portal Horário de Missas é um trabalho colaborativo onde você pode informar dados de sua paróquia, completar informações sobre Igrejas, corrigir horários de Missas e confissões.

 

***



publicado por Luso-brasileiro às 10:48
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

favoritos

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINEL...

pesquisar
 
links