PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 15 de Abril de 2023
HUMBERTO PINHO DA SILVA - REMÉDIO CASEIRO EFICAZ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em meados do século, andava preocupadíssimo. O que havia de me acontecer?!...

Uma tragedia! De hora em hora dirigia-me ao WC, quase sempre em grande aperto.

Apreensivo consultei o médico de família.

Solicitou várias análises, e deu-me a triste noticia, que melhor seria expor o problema ao urologista.

Recorri à Internet, com auxílio do médico, já que não conhecia nenhum. Após confrontar currículos, escolhemos o que nos pareceu mais indicado.

Fui. Realizou exames, alguns dolorosos, e concluiu, que provavelmente teria de me submeter a uma operação, depois de realizar as análises que recomendara.

Entretanto almocei com o amigo Miguel. No desenrolar da conversa, veio á baila a minha desgraça.

Atentamente me escutou. Mas logo me disse – que conhecia sujeito, que sofria, como eu, da próstata, mas que controlava, a doença, comendo sementes de abóbora, sem sal.

-" Por que não experimentar?" – interrogou o Miguel.

Pensei de mim para mim: se as sementes não resultarem, também mal não me fazem.

Semanas depois realizei as análises indicadas pelo urologista, e fiquei estupefacto: o P.S.A. descera substancialmente.

Mais tarde soube que este "medicamento" é bastante divulgado – até médicos o usam, – mas não posso deixar de o difundir, para bem dos leitores, porque há sempre quem o não conheça.

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 10:52
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - QUANDO HAVIA DONAS-DE -CASA A TEMPO INTEIRO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No meu tempo de infância ainda havia donas-de-casa a tempo inteiro. Eram senhoras, em regra da Classe-Média ou Média-Alta, que cuidavam do maneio do lar.

Realizavam toda a lida: cozinhavam, passajavam a roupa branca, passavam a ferro, varriam e educavam os filhos acompanhando-os nos estudos.

Em regra, sobejavam-lhes tempo para visitar amigas e familiares. Muitas tinham dia certo para receberem, oferecendo o tradicional chá, acompanhado de saboroso bolo caseiro, que orgulhosamente confecionavam.

As mais abastadas tinham empregada para executarem tarefas domésticas, às quais chamavam: criadas.

Rapariguinhas analfabetas ou quase, recrutadas na província.

Nas horas de lazer, as senhoras, bordavam ou tricotavam.

Prendas de mãos, que aprenderam com as mães, que as educavam para futuras esposas e rainhas do lar.

Nessa recuada época, o marido da Classe-Média, envergonhava-se quando a esposa trabalhava fora. Era ponto de honra: só por necessidade admitia que contribuísse para o orçamento familiar.

Respeitava-se religiosamente o velho anexim: " O homem abarca, a mulher arca."

Nesse tempo, quem governava o país era Salazar – homem que nascera no século XIX, – e tudo fazia para manter a mulher no lar, como dona-de-casa.

Em conversa com a jornalista francesa Christine Garnier, disse: " A ausência da mulher desequilibra a economia doméstica e a perda de dinheiro que daí resulta, raramente é compensador pelos ganhos exteriores. "- " Férias Com Salazar", Edição Parceria António Maria.

O estadista receava que a mão-de-obra feminina, no trabalho, provocasse descida na remuneração e desemprego. Nesse remoto tempo muitas famílias podiam viver com um só salário, agora nem dois chega para as despesas quotidianas. Se quisessem recompensar essas antigas donas-de-casa, que dedicaram a vida à família, e agora, na velhice se encontram dependentes, sem qualquer rendimento, bastava alargarem o desconto no I.R.S. para o conjugue dependente. Já não digo reformá-las com o salário mínimo, como pensou o Dr. Mário Soares.

Se outrora os jovens buscavam noiva de bom dote, hoje, sabedores que um só salário não chega, para sustentar família, procuram moça que tenha emprego bem remunerado... e o mesmo fazem as futuras noivas.

São tempos prosaicos, não românticos, onde o amor se vai tornando num negócio...por vezes bem asqueroso.

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA

 

 

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 10:47
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - SER IMPORTANTE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ao folhear: " A Conquista da Felicidade", de Bertrand Russel, deparei com trecho que considero curioso, e digno de ser bem pensado:

“ (...) Embora o dinheiro por si mesmo não seja suficiente para tornar as pessoas importantes, é difícil ser-se importante sem dinheiro. Além disso mede-se a inteligência pelo dinheiro que se ganha. Um homem que ganha um dinheirão é um homem inteligente; um homem que não ganha tanto, não é."

A propósito vou contar-vos interessante episodio ocorrido com senhora, mãe de amigo meu, já falecido:

Certa ocasião, a mãe – professora do secundário, – precisava de consultar um cardiologista, mas não conhecia nenhum de confiança.

Dialogando com colegas sobre o assunto, recomendaram-lhe um, afirmando ser muito competente.

A senhora, ficou radiante, mas logo indagou: " Qual é a marca do carro do médico?"

Disseram-lhe que era viatura utilitária, já antiga.

Respondeu tristemente a senhora, desiludida:

-" Não deve ser grande cardiologista para ter um carro tão antigo!..."

Este caso verídico, foi-me contado pelo filho da senhora doutora.

Como ela, quantas vezes não se avalia a inteligência, a capacidade e a cultura, pelo dinheiro que possuem ou os bens que têm?!

Senhora brasileira, residente em São Paulo, ao conhecer que minha filha era catequista, e semanalmente dava aulas na paróquia aos pequerruchos, perguntou-me: " Quanto ganha?" É que tenho uma moça que podia também ganhar alguma coisa."

Desiludia, ao afirmar – que nada usufruía. Acrescentei, para estupefação sua, que ainda gastava muito com prendinhas aos miúdos.

Há, também, quem pense que os articulistas e os escritores que colaboram na grande imprensa – a não ser os consagrados, – recebem pelo trabalho. Desenganem-se quem assim julga. Alguns, para verem o nome em letra de forma, têm até que mendigarem...

Mas se soubessem disso, os leitores diriam: “E nós que pensávamos que era inteligente e ganhava muito com os escritos!…"

Gente há que tudo mede pela quantidade de dinheiro que se recebe, porque avaliar doutro modo, requer inteligência e reconhecer que comunicar, muitas vezes, é uma necessidade imperiosa, e não mero lucro.

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 10:38
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - A VELHA CASA ONDE NASCEMOS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quem não se recorda, com saudade, da velha casa onde nasceu e se criou?

Casa velhinha, em que cada canto e recanto, se revive amorosos retalhos dos tempos que já não são.

Nasci numa velhíssima casa de alforge, de três alargados pisos, com mais de duzentos anos!

Havia, no rés-do-chão, alçapão, que dava acesso a lôbrega e sinistra cave, infestada de aracnídeos, que era o terror da acriançada, mormente do benjamim.

Recordo – como recordo! Deus meu! - da ampla e soturna sala de jantar, de paredes forradas a papel encarnado, recobertas de - baixos-relevos, aguarelas, pratos de faiança, e quadros de gravuras antigas. Em duas sóbrias colunas de nobre madeira, repousavam delicadas estatuetas em gesso patinado. Nas portas cobertas a esmalte branco, pendiam, das sanefas, pesados reposteiros.

Tomávamos nela as refeições, mas apenas em dia festivo ou quando havia visitas de cerimónia; ordinariamente tínhamos outra salinha, mais acolhedora, para o trivial.

Lembro-me – como me lembro! - o espaçoso armário de portadas verdes, embutido, quase dissimulado, no vão da escada. Nas sólidas prateleiras, dormiam inúteis velharias, entre elas: balança de dois pratos, maciços globos coloridos de vidro, palmatória de latão, pautas de música da avó Sofia, garrafas de vinho do Porto, e antigos jornais, relatando notáveis acontecimentos do passado.

Nesse antiquíssimo casarão, decorreu a minha nem sempre feliz adolescência, cadenciada pelo embalador e dormente tiquetaque do antigo relógio de pêndula, que pertencera a minha bisavó Júlia.

Nessas rijas paredes de estuque e granito, decorreram aventuras e desventuras, e senti, com mágoa, paulatinamente, escorrer como areia fina entre dedos, sonhos idealizados, que não pude ou não soube concretizar. Em " Portugal Pequenino" Raul Brandão invoca o encanto das vetustas casas que passavam de geração a geração:

" Que linda casa quando vem dos pais que a herdaram dos avós! Cada prego foi pregado para a eternidade. Mais tarde até na velhice e ainda que corras mundo, todos os teus sonhos se passam sempre entre aquelas paredes, e empurras as portas perras dando-lhes o jeito que lhes davas em pequeno para as abrires..."

Camartelos, pás e picaretas, desventraram, sem dó, a velhíssima casa da minha infância. Ficou-lhe o imponente esqueleto, mirando altivamente as águas açodadas do Douro, e o casaria acastelado da cidade da Virgem.

É a triste sorte, neste tempo prosaico, das vetustas residências do século XIX.

O encanto que recorda Raul Brandão, já não pode sentir a geração do século XXI, porque foram desfiguradas, demudadas em esquerdo – direito.

Jamais terão os jovens o prazer, o fascínio, de viverem nessas velhas casas de outrora; algumas tinham jardinzinhos aconchegantes, caramanchões coroados pelos robustos braços de contorcida glicínia, que desabrochava ao raiar da primavera, toucadas de formosos e olorosos cachos arroxeados,

Nessas vetustas casas, que eram dos avós ecoavam pelos taciturnos corredores, antigas vozes dos entes queridos, que já partiram. Em cada quarto, em cada saleta, sentia-se reviver, a cada passo,os ancestrais falecidos – bisavós, avós e pais.

Eram casas que tinham alma, que recordavam quem éramos e de onde viemos.

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 10:24
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 14 de Abril de 2023
PINHO DA SILVA - ESTOU OUVINDO O RELÓGIO DILIGENTE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Estou ouvindo o relógio diligente,

na sala sonolenta, escura, antiga,

marcando, paulatino e sem fadiga

as horas que, no mundo, vive a gente.

 

Baila o pêndulo, grave, lentamente,

a tiquetaquear sua cantiga;

e, no rítimo certo a que se obriga,

advinha-se um fundo transcendente.

 

também meu  coração, como um relógio,

cá vai marcando as horas dos meus dias,

no seu constante tiquetaquear,

 

- Cautela, coração!...Não  sejas frio!...

Marca-me horas de amor, e de alegrias,

enquanto neste mundo eu possa andar!...

 

 

PINHO DA SILVA – (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"

 



publicado por Luso-brasileiro às 12:12
link do post | comentar | favorito

PINHO DA SILVA - PARA QUÊ ?!...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No bulício contínuo da cidade,

entre as gentes e carros apressados,

entre motores, pregões, palavriados,

sinto-me solitária nulidade...

 

Ninguém quer meus tesouros de bondade;

meus cabedais de amor, arrecadados;

meus sentimentos mal avaliados;

meus sonhos de beleza e de humildade...

 

Ninguém!... Não vale a pena insistir mais!...

Insistir, para quê?!...Ninguém me escuta,

ninguém vê, ninguém sente, ninguém há

 

capaz de comprender e crer, jamais,

que não  valem riquezas por que luta,

mas  só esta riqueza, que  Deus dá!...

 

 

 

PINHO DA SILVA – (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"

 

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:59
link do post | comentar | favorito

PINHO DA SILVA - QUEM SE LEMBRA DO POBRE MALMEQUER

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Amarelo, mimoso, silitário,

na terra calcinada, e feita pó,

amarra-o a raiz, tal qual um nó,

ao solo miserável e primário.

 

 

É tal qual como Cristo no Calvário;

olhar o seu estado, mete dó;

esfarinham-lhe a terra, como mó:

a fogueira do sol e o vento vário.

 

Entretanto, nos úberes jardins

e estufas bem tratadas, os jasmins

e as orquídeas, ditosos, vão crescendo...

 

Quem se lembra do pobre malmequer,

sujeito a ser pisado por qualquer,

sem adubo, sem água, padecendo?!

 

 

 

PINHO DA SILVA – (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:45
link do post | comentar | favorito

Sábado, 1 de Abril de 2023
PINHO DA SILVA - RECORDAÇÃO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quantas vezes, passando por aqui,

a vi ali, sorrindo,  nesse muro;

sonhava, certamente, no futuro,

no futuro sonhando, não 'stá ali.

 

 

Passando, tristemente, por aqui,

eu olho para ali, que é um monturo:

- quintal abandonado, um solo duro,

ervas ruins a nascer, aqui, ali...

 

 

Reina naquela casa a solidão,

e, se por aqui passo, o coração

diz-me que nem sequer olho para ali;

 

 

há muito tempo que ela foi para o Céu,

e, por isso, vale a pena que eu

cirando por ali ou por aqui!...

 

 

( Antiga casa do veterinário e O. do Ex. Dr. Mário Saraiva, de cujas filhas Teresinha era muito amiga. Às tardes, eram certas, todas, no muro do quintal.)

 

 

PINHO DA SILVA – (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"



publicado por Luso-brasileiro às 13:56
link do post | comentar | favorito

PINHO DA SILVA - MEU LAR, JÁ MEIO MORTO, ARREFECIDO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Meu lar, já meio morto, arrefecido

nos quadros das paredes, biblots,

e móveis que já foram dos avós:

-  um outro, que foi eu, é já partido...

 

 

Já morreu, sem ninguém ter percebido;

agora, frente a frente, estamos nós.

Já não vale chorar, que estamos sós:

ninguém se mostrará compadecido...

 

 

Ai, velhas esculturas, e faianças;

velhos pratos da China; cortinados;

resposteiros, e arcas; casa antiga;

 

 

velha caixa-de-música; lembranças

dos que foram os meus antepassados:

faltou a mão morena, a doce amiga!

 

 

PINHO DA SILVA – (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"



publicado por Luso-brasileiro às 13:43
link do post | comentar | favorito

PINHO DA SILVA - ENFADA-TE, TALVEZ, O MEU AMOR...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Enfada-te, talvez, o meu amor;

constrange-te, por certo, o meu carinho;

e nada há, neste mundo, tão purinho,

nem há sol que irradie mais calor...

 

Não tem oiro nem prata outro valor

do que este coração - tão pobrezinho,

tão cheio e bondade e de carinho,

pleno de ternura: inda em flor!

 

Sou filho duma lágrima; um suspiro

da aragem da manhã, tive por pai;

numa rosa nasci, e sou perfume;

 

erguido para o céu, azul respiro!...

vem deitar.te em meus braços, sem um ai,

que os meus braços aquecem como lume...

 

 

PINHO DA SILVA – (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"



publicado por Luso-brasileiro às 11:56
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Maio 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

favoritos

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINEL...

pesquisar
 
links