PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quinta-feira, 18 de Maio de 2023
PINHO DA SILVA - UM FIO DE TERNURA ENCRESPA A ÁGUA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um fio de ternura encrespa a água;

um cisne de silêncio voga, breve;

irisa-se um repucho, muito leve;

acalma-se, em doçura, a minha mágoa...

 

Estilhaços de sol, ardente frágua,

espalham-se na sombra, sobre a sebe...

A frescura da relva, o sol a bebe;

a beleza da quadra, beba-o e trago-a...

 

Desço, dentro de mim, escada escura

que leva, não sei onde, a não sei quê

que pressinto e que sinto, sem sentir.

 

Sou parte da paisagem de ternura:

do cisne de silêncio, que me vê

e se aproxima, leve, para ouvir.

 

 

PINHO DA SILVA – (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"



publicado por Luso-brasileiro às 14:41
link do post | comentar | favorito

PINHO DA SILVA - MANHÃ DE MANHÃ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O dia amanheceu. Pipilam aves.

o céu, é todo azul, e rosa, e oiro.

A Terra, iluminada, é um tesoiro,

matizada de cor, e luz, suaves.

 

Um dia, hei-de morrer. Quando, Tu sabes.

Desaparecerei no sorvedoiro.

Jamais verei o sol, o Febo loiro,

trazer a luz à Terra!...

                                      Oh!, quando acabes

 

meu velho coração, jamais acaba,

o sol, de aparecer!...Todos os dias,

brilhará sobre os sítios teus dilectos;

 

tu, naõ o verás, que a Morte to entrava,

mas hão-de vê-lo, em suas alegrias,

os olhos então jovens dos teus netos.

 

 

 

PINHO DA SILVA – (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"



publicado por Luso-brasileiro às 14:27
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - SER ALGUÉM

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quando era adolescente e andava na escola, meus pais, muitas vezes, diziam-me: " Estuda, para vires a ser alguém!" Mas eu não entendia bem o que era ser – " Alguém".

Envelheci, passei sarilhos e cadilhos, meditei e observei a vida, não com olhos de quem a vive, mas como mero espectador, e conclui: ser "Alguém" – para muitos, – é entrar numa Faculdade. Obter licenciatura. Alcançar cargo de relevo e auferir milhões.

Entra-se na escola não para se instruir e adquirir cultura, que possa servir a sociedade, mas para se sobreviver nesse mar encapelado, que é a coletividade, e se possível, vir a ser – " Alguém".

Logo que se dá os incipientes passos, pretende-se que o menino seja o melhor e superior aos condiscípulos da escolinha.

Assim se inicia, na escola, a ser – "Alguém".

Se por infelicidade, fraqueza de memória ou estranha psicose, fracassa, começa a ser – " Ninguém".

No correr dos anos o "Alguém" forma-se, obtêm o pomposo título de "doutor", não parara servir, mas para ser servido. Alguns, ainda alimentam o desejo (sádico?) de mandarem e humilharem os "Ninguém" Há, felizmente, muitas honrosas exceções.

Outros, não obtendo o grau académico, mas por herdarem sobrenome ou título nobiliárquico, julgam-se superiores, e portam-se, igualmente, como alguns doutores.

O velho Conde de Campo Belo, Homem de grande cultura, que tertúliava no Café Ceuta (Porto) aconselhava, deste modo, o filho, estudante universitário: " Lembra-te que a fidalguia não traz privilégios, mas sim, obrigações".

Obrigações, bem pesadas, de levar vida honrada e conduta exemplar, respeitando, desse modo, a memória de ilustres antepassados.João de Castro, recomendava o filho ao enviá-lo em socorro a Dio: " Fazei por merecer o apelido que herdaste, recordando-vos que o nascimento em todos é igual, as obras fazem os homens diferentes".

Ninguém, de bom senso, se deve considerar superior: pelo apelido, pelo grau académico ou pelo título de nobreza ou ainda pelos bens que possui

Todos nascemos do mesmo modo e parecemos da mesma forma.

Todos precisamos uns dos outros, e com o rodar dos anos, após a morte, todos se igualam. Todos se tornam desconhecidos, até para os descendentes, passam a ser meros antepassados, sem nome, como disse Cecília Meireles.

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 11:46
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - QUEM FAZ A LÍNGUA É O POVO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Que os brasileiros são mestres em introduzir na língua portuguesa, estrangeirismos e neologismos, todos sabemos, e já não espanta ninguém.

Sabemos, também, que é o povo que faz a língua, e não decretos ou petições.

Como não sou filólogo e muito menos – pobre de mim, – purista, respeito e aceito evolução natural do idioma.

Tenho para mim, que novos vocábulos, são achegas preciosos, que enriquecem a língua e que ela só lucrará com isso.

Deve-se, no meu modesto pensar, – ter o devido cuidado ao "inventar" novos vocábulos, quase sempre desnecessários, e, quantas vezes, abastardam, ainda mais, o português, falado em cinco continentes.

O introito é devido ao dicionário Michaelis, haver incluído o verbete: Pelé, a pedido da Fundação do mesmo nome, apresentando à editora, cento e vinte e cinco mil assinaturas, recolhidas pela Internet

Segundo o dicionário: " (...) O nome de Pelé é sinónimo de fora do comum, que em virtude da sua qualidade, valor ou superioridade não pode ser igualado a nada ou ninguém, assim como Pelé, apelido de Edson Arantes do Nascimento (1940-2022). Considerado o maior atleta de todos os tempos; excecional, incomparável, único. Exemplo: Ele é o pelé do Basquete. Ela é a pelé do ténis. Ela é a pelé da dramaturgia brasileira.

Sei que o Pelé não é o primeiro a ter o nome incluído num dicionário, como sinónimo, mas não é comum, pelo menos por petição.

Se a moda pega, não faltará quem colha na Internet, milhentas assinaturas, no intento de incluir vocábulos no dicionário.

Na melhor das intenções ou alguém carregado de ódio, pode, desde agora, solicitar a introdução, no dicionário, de palavras ou nomes de individualidades, desde que reúna as assinaturas necessárias.

O nome de alguém, que foi muito poupadinho, pode significar: avarento. Outro de contumácia. Outro, por ser muito bonzinho de anjo; e ainda outro, de mentiroso.

Os reis tiveram cognomes, e assim ficaram registados na História, mas os atuais ficarão, apenas, certamente, nas mudas páginas de alguns dicionários.

Mal vai o idioma que inclui, sinónimos, por decreto ou petição.

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 11:42
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - ONDE SE FALA DE LARES DE ESTUDANTES E IDOSOS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Acabo de conhecer que o Município de Anadia, concelho onde muitas vezes veraneio, e conservo bons e íntimos amigos, vai remodelar a antiga Escola Secundaria, há muito desocupada.

O "novo" edifício será adaptado a lar de estudantes universitários, com capacidade de 36 quartos. As obras foram orçadas por 1,57 milhões de euros.

Pretende-se criar, futuramente, um pólo universitário, mas para já servirá de alojamento a quem frequenta as Universidades de Aveiro e Coimbra.

Iniciativa de louvar e aplaudir, e sem dúvida, irá desenvolver essa bela região.

Mas, sabendo-se que a população se encontra bastante envelhecida, e conhecendo-se, que devido aos preços, as Casas de Repouso, continuam vedadas à Classe Media Baixa, penso ser de inteira justiça, edificar ou adaptar velhos e desocupados quartéis, e antigos palacetes em ruínas, a lares de idosos.

Julgo que é obrigação do Estado e também dos Municípios, proporcionarem alojamentos dignos, aos cidadãos de avançada idade, a preços compatíveis com as reformas e pensões, pagas no nosso país.

Admiro-me que assim não se faça. Admiro-me, porque sendo os idosos numerosos, podem, se desejarem, influenciarem de forma determinante, os resultados eleitorais. Admiro-me, ainda, que não apareçam políticos, que ventilem, em grades brados, essa premente necessidade.

Será que se convenceram que os nossos velhinhos não merecem esses cuidados?

 

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 11:38
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - LER E RELER

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quando se atinge idade avançada, já não se delicia nem se " devoram" livros.

Os que se editam, as críticas que se escrevem, as opiniões que se escutam, já não entusiasmam, como acontecia em verdes anos da juventude.

Digo por mim e amigos, que conheço ou conheci, e muitos há, que vagueiam metamorfoseados na vastidão azul do céu, em seres angélicos.

Longe vai o tempo que descobri o estranho prazer, o doce encanto de ler velhos tomos, que permaneciam encantoados na vetusta estante paterna.

Eram obras que alimentaram anos de adolescência, e contribuíram, determinantemente, na formação do carácter.

Seria injusto não asseverar, aqui, que os livros de Marden e Fulton Sheen foram fundamentais para a minha personalidade e modo de conduta.

Mas, sempre que releio os consagrados, refiro-me a clássicos, deparo com infinita alegria, saborosas expressões, passagens magníficas, que a leitura de jato, não soube perfeitamente entender.

Saboreio e delicio-me com a vernaculidade, deleitando-me com repressivas expressões do mais puro português de lei.

Nas longas tardes de lazer – que são cada vez mais raras, – mergulho no silêncio do meu quarto e releio romances e ensaios, há muito esquecidos, e sempre descubro curiosas preciosidades, que não havia reparado na apressada leitura.

Tenho o bom hábito, que considero salutar, de ler o Novo-Testamento. Já o li e reli dezenas, para não dizer, centenas, de fio a pavio, e deparo sempre, com espanto, versículos que não lhes dei o devido valor.

Disse bem o grande Fidelino de Figueiredo: " Reler, é um dos mais salutares e fecundos encanto da vida espiritual" – "Torre de Babel" – e o Padre Manuel Bernardes é de igual parecer.

Escreveu Guiton, filosofo que admiro, em: " O Trabalho Intelectual":" Levado ao extremo não se deve ler senão um único livro na vida."

Conselho que apenas deve ser seguido, quando o livro é a Bíblia, e mesmo assim...

Leia-se de tudo, e releia-se o que for útil para a vida profissional, e ajude o crescimento espiritual.

 

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 11:33
link do post | comentar | favorito

Sábado, 6 de Maio de 2023
PINHO DA SILVA - AS GAIVOTAS...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Lá vão elas, tão brancas, pelo ar,

descrevendo no céu curvas sem fim,

como velas de neve, em bergantim,

por esse azul imenso navegar...

 

Lá vão... Como são lindas, a voar,

dezenas de asas brancas sobre mim!

Como eu gosto de vê-las, sempre assim,

qual multidão de lenços a acenar!

 

Ai!... Quem me dera ser, como as gaivotas,

a cristalização de almas devotas

em demanda do azul do firmamento;

 

e, como elas, voar constantemente

por cima das cabeças desta gente,

sem pôr os pés na terra um só momento...

 

 

PINHO DA SILVA – (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"



publicado por Luso-brasileiro às 11:53
link do post | comentar | favorito

PINHO DA SILVA - AGOSTO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O céu é tão sereno, tão sereno,

este cair de tarde, está tão calmo

que no meu coração ressoa um Salmo,

e tudo, sem ser isto, é bem pequeno.

 

Adejam as gaivotas, num aceno,

como a chamar por mim; e, palmo a palmo,

enquanto a comoção, a custo, acalmo

atinge o pôr-do-sol o seu pleno.

 

Gatinha, agora, a noite de mansinho,

envolta em neblina que, do Douro,

sobe para a cidade adormecida,

 

 

e desce a treva, enfim: faz-se escurinho.

Os ruídos, semelham um besouro

por aqui, por ali... Canção perdida!

 

 

 

PINHO DA SILVA – (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:40
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Maio 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

favoritos

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINEL...

pesquisar
 
links