PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 28 de Outubro de 2023
PINHO DA SILVA - SIMULACRO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Estendo-me na cama, bem direito;

cerro os olhos e penso, cá comigo:

um dia pararei; é fado antigo

a que todo o vivente está sujeito.

 

Com este pensamento, ergue-se o peito

como vivo protesto, e não consigo

simular mais a morte, pois me obrigo,

sem o querer, a deitar-me de outro geito.

 

Mas que coisa insensata, esta, Senhor!

Morrer?!... Ninguém o quer!... Nem por amor

de ter, na vida eterna, eterno gozo!,,,

 

E não vale de nada este receio:

pois, a morte, trazê-me-la no seio!...

Não se pode fugir!... É horroroso!...

 

 

PINHO DA SILVA – (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"

 



publicado por Luso-brasileiro às 15:18
link do post | comentar | favorito

PINHO DA SILVA - ENTRUDO DE TODO O ANO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mascarada da vida, com canudos,

com títulos, com praxes, com descocos;

espertos, imponentes e bacocos

palradores, imbecís, e patos-mudos!...

 

Os dias que se vivem, são entrudos;

os génios que nos cercam, todos ocos;

as cabeças mais duras do que cocos,

são orgulho de sábios cabeludos!...

 

Caramba!, siga a rusga!, viva a peta!,

alinhem-se palavras!, muita treta!,

venham berros com erros como ferros

 

(quanta gente ficava satisfeita

se eu terminasse os versos, desta feita,

c' uma rima bacoca, como... " GUERROS" !...)!...

 

 

PINHO DA SILVA – (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"

 



publicado por Luso-brasileiro às 15:06
link do post | comentar | favorito

PINHO DA SILVA - LINHAGEM

 

 

 

 

 

 

 

 

Avós analfabetos deram filhos

que já foram à escola, a saber ler;

a alinhar umas contas; a escrever;

a seguir, deste modo. novos trilhos.

 

Usavam velhas sacas. com atilhos,

p'ra meter os livrinhos de aprender;

tiravam os tamancos, p'ra correr;

vestiam blusinhas com vidrilhos.

 

Depois. estes filhos, deram netos

que se foram a Coimbra, ser doutores;

chegaram a ministros, muitas vezes;

 

esqueceram avós analfabetos;

deprezaram seus pais: - já são SENHORES,

descendentes de condes, e marqueses!!! (?!...)

 

 

PINHO DA SILVA – (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"

 

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 14:52
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 17 de Outubro de 2023
PINHO DA SILVA - QUE ME BEIJE AMOR

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sim!...Que me beije o Amor, com sua boca,

que a sua boca é toda de coral;

seus dentes de marfim,seus beijos de cristal;

sua voz, uma cítara, que toca!

 

Sim!.. Que me beije Amor, pois desemboca

um rio de tenura ( tal e qual!...),

também, na minha boca! O salgueiral,

beija, em segredo, a brisa que o desloca!

 

Um perfume de rosas e verbena

nos chega do Saron, pela tardinha,

embalsamando tudo em derredor;

 

abaixa-te, até mim, pois sou pequena;

sou pequena, e sou feia, e trigueirinha,

por isso, não me queres beijar, Amor!...

 

 

PINHO DA SILVA – (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"



publicado por Luso-brasileiro às 15:46
link do post | comentar | favorito

PINHO DA SILVA - EXALAM AS FLORES

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Exalam, as flores, o seu aroma;

as vinhas de Engedi, deram seu fruto;

desprende, minha amada, a tua coma,

sentemo-nos, os dois, no solo bruto.

 

De leve, levezinho, quase a furto,

minha boca, da tua, um beijo toma;

como lobo faminto, pêlo hirauto.

que junto da cordeira, lento, assoma.

 

Tu, és toda romã, cipreste e nardo;

mão cheia de canela; o doce fardo

de mel e de maçãs; jardim formoso!...

 

São melhores os teus seios do que o vinho!

Adormecer-me neles, de mansinho,

meu bâlsamo divino e oloroso!

 

 

PINHO DA SILVA – (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 15:34
link do post | comentar | favorito

PINHO DA SILVA - VEM O AMOR, PELO OUTEIRO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ei-lo!...Vem, o amor, pelo outeiro,

pulando, como um gamo, entre as flores;

todo feito de prata e mil odores,

porque o inverno se foi, passou fevereiro!...

 

Ei.lo!... Como ele vem!...Salta, ligeiro,

por sebes salpicadas de mil cores!...

Parece todo de oiro!...Seus ardores,

como raios de sol quente e trigueiro!...

 

Reluzindo entre as grades, eis que diz:

- "Acorda, amada minha!...Acorda, e vem!...

É tempo de cantar!... O céu, reluz.

 

e, nos campos, voeja a cordoniz!...

Acorda, pomba minha!...Vem, meu bem,

formosa de marfim e de rubís!...

 

 

 

PINHO DA SILVA – (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"



publicado por Luso-brasileiro às 15:20
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - AINDA HÁ MÉDICOS SACERDOTES ?

 

 

 

 

 

 

Quando faleceu meu pai, Santos Lessa, escreveu, in: " Comércio de Leixões", de que era director: " Pinho da Silva há muito que estava doente, praticamente imobilizado, devido a erra medico. Na sua última missiva dizia-nos, talvez prevendo o desenlace para breve (que se verificou): " Estou cada vez mais doente da intoxicação que o médico me arranjou: estou quase "safo"; mas o coração?! Nem posso subir uma escada! Valha-me Deus!"-13/11/87

Não foi erro médico, como disse o jornalista, mas descuido. Eu explico:

Certo dia foi consultar o clínico. Aconselhou-o a tomar determinado medicamento que, a seu entender, era indicado para a idade.

Meu pai era avesso a remédios. Não o queria tomar, mas convenceram-no.

Decorrido semanas entumeceram-se as pernas. Leu a " literatura", nas contradições, dizia:" raramente afecta os rins.” (1 a 2 por 1000)

Avisou o médico, mostrou-lhe as pernas engrossadas; respondeu-lhe: "Não é nada grave".

Semanas depois, as pernas ficaram lustrosas e húmidas. O médico disse-lhe: " Não se preocupe, continue a tomar o medicamento."!

Receoso, consultou o urologista. Ao Vê-lo afirmou: " O senhor tem grave intoxicação medicamentosa. Recolha já ao hospital"

Outrora os médicos também erravam, mas alguns levavam a profissão como sacerdócio.

Quando entrevistei familiares de clínicos, para a secção: " Figuras Notáveis", no jornal onde era redactor, fiquei a conhecer que alguns médicos se erguiam de madrugada para acudirem a doentes. Entre eles recordo:

Ferreira Leite – Que após extenuante dia de trabalho, no hospital, chegava a casa com vontade de desligar o telefone, mas a consciência não lho permitia, Altas horas " tilintava", para acudir urgentemente a doente.

Pedrosa Júnior – Tinha lugar cativo no cinema próximo da residência (nesse tempo não havia telemóvel) para estar sempre disponível

Salvador Ribeiro – Verificando que o enfermo não tinha posses para adquirir o medicamento, deixava, muitas vezes, sob a receita, a quantia necessária

Rocha Paris – Que saia de casa para prestar assistência, gratuita, a miseráveis, que viviam na escarpa da Serra do Pilar.

Conversando com jovem médico sobre o assunto, respondeu-me: "Já não há necessidades de sacrifícios: há hospitais e clínicas..."

Agora entra-se na Faculdade para ganhar dinheiro. Não há, na maioria, vocação; o que se pretende é curso com saída e bem remunerado.

Ainda há, felizmente, quem não pense assim.

E então:" Fica – como disse Frei Luís de Sousa, – mau letrado o que fora bom sapateiro e não é bom soldado o que fora bom religioso." - " Vida do Arcebispo" – Lº1,CapII.

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 15:13
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - COMPENSA POUPAR ?

 

 

 

 

 

 

 

No século passado chegou-me às mãos, pequeno jornal local, que incluía curiosa crónica de alguém, cujo nome se varreu completamente.

Contava o articulista, que havia na Beira dois irmãos, que cansados de labutar a terra, com: enxada charrua e ancinho, assentaram abalar até à Capital

Instalados em Lisboa, buscaram emprego. O mais velho alcançou num armazém; o outro dedicou-se à construção civil, e fazia biscates, nas horas livres.

Enquanto o mais velho trabalhava sem cessar, para pagar arrenda do modesto apartamento, o irmão, resolveu erguer abarraco clandestino, na preferia. Receoso que a renda subisse, resolveu adquirir casa, pedindo dinheiro ao banco.

Lentamente surgiram novas despesas: além do empréstimo, apareceram: seguros, IMI, condomínio, obra no prédio e consertos urgentes, no apartamento.

Preocupado, sempre que podia fazia horas extraordinárias, e poupava o máximo no: vestuário, alimentação e até nos dias de folga e férias permanecia em casa, para economizar.

Por sua vez o irmão, liberto de aluguer e encargos, comprou carro, almoçava em restaurantes caros, e todos os anos ia de férias para o Algarve. Como era pobre, recebia, ainda, vários auxílios

Certa ocasião o camartelo arrasou o barraquito, para se urbanizar o terreno.

Gritou, protestou, declarando que ia morar na rua com os filhos.... Condoídos deram-lhe casa ampla, e de renda simbólica.

O irmão, enredado em despesas, trabalhava desesperadamente, e pouco auxílios obtinha, por ser proprietário.

Perguntava o articulista: Vale a pena poupar? Economizar? Para ter a sua rica casinha?

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 15:09
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - COMO INTERPRETAR FACTOS HISTÓRICOS

 

 

 

 

 

 

 

 

Conversando com professora do 1º Ciclo, esta, narrou-me curioso episódio, ocorrida na sala de aula:

Corriam os primórdios dos anos oitenta. Os símbolos nacionais haviam caído no esquecimento - bandeira e hino.

Fora educada em colégio, que exaltavam o amor à Pátria e respeitavam, diria melhor: veneravam os símbolos, que a representam e a enaltecem.

Ardendo de amor patriótico assentou levar para a escola, bandeirinha e letra do hino oficial da nação.

Após colocar a bandeira na secretária, começou a ler-lhes trecho patriótico, acessível à idade dos ouvintes, para lhes avivar o amor à Pátria.

Silencio augusto. A acriançada entusiasmada, arregalava os olhos de curiosidade. Ninguém bulia.

Terminada a fascinante leitura, a professora mostra a bandeira e pergunta-lhes:

- Quem conhece esta bandeirinha?

Menino expedito, de imediato ergue-se, estica o braço, e de indicador apontado para o céu branco de estuque, responde com sorrisinho maroto:

- É a bandeira da seleção!...

Não se enganara, mas desconhecia que era a bandeira do seu país!

O desconhecimento era devido à mass-media ter evitado, durante anos, invocar símbolos e factos patrióticos que, na época, eram, em geral, mal interpretados.

Havia, até, quem fosse de parecer, recontar a nossa História. Julgava-se ser necessário expurgá-la, e ensiná-la de harmonia com as ideologias em voga.

As atitudes dos homens do passado, modo de sentir e agir, devem ser sempre enquadrados na época em que acorreram.

Meu pai, quando frequentava a escola, o ensino era feito de palmatória. Chegava a casa com as mãos num cepo. Os familiares riam-se e diziam: " Estuda que ninguém te bate!"

Trindade Coelho, na autobiografia, assevera que lhe batiam nos nós dos dedos com régua - régua em esquina, - e o pai concordava com a barbaridade!...

No meu tempo do bê-á-bá, apesar de ser proibido, ainda se ensinava a tabuada à palmatoada!

Num importante colégio, alunos que não soubessem a gramática, na ponta da língua, ficavam de joelhos, sobre as carteiras... e estávamos já nos anos cinquenta!

Eram os professores e os pais sádicos? De modo nenhum. O castigo físico era considerado a melhor pedagogia.

É, portanto, absurdo criticar figuras que viveram em séculos passados, pela forma como pensavam e agiam.

Os acontecimentos históricos devem ser analisados, consoante a mentalidade corrente no tempo em que ocorreram, e não à luz dos tempos atuais, se quisermos ser honestos, caso contrário será pura ignorância.

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 15:04
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - EÇA ESTÁ NA BERRA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anda a cidade de Baião em alvoroço, porque parte da população encontra-se indignada., pelo facto de quererem levar, para Lisboa, os restos mortais de Eça de Queiroz.

Criou-se até movimento para defender a causa. O porta-voz, o ex -autarca António Fonseca, considera a saída do escritor do cemitério de Stª Cruz do Douro – que fica junto à serra que Eça imortalizou, – prejudica o Concelho, além de ser afronta à Fundação Eça de Queiroz, que o trouxe de Lisboa, do cemitério de S. José, em 1989.

Parte dos descendentes de Eça estão, também, contra a transladação.

Entre eles, António Eça de Queiroz, que em 07/07/21, escreveu in: " O Comércio de Baião": é " Uma farsa política negociada entre "amigos", pois o ridículo " processo" (...) é além duma parolada de pretensiosos, um insulto à memória das pessoas que há mais de três décadas tudo fizeram para que Eça descansasse em paz junto de sua filha mais velha, no Cemitério de Santa Cruz do Douro. Com o acordo das netas, ainda vivas".

Após a morte de Eça, em 1900, na casa de Neuilly, sua mulher regressou a Portugal, indo viver para Penamacor, com uma irmã.

Consultou o pai de Eça para que lhe indicasse onde desejava que o filho fosse sepultado. Respondeu-lhe: Aveiro; mas a viúva resolvesse como achasse melhor. Esta, decidiu colocá-lo no jazigo da família, em Lisboa.

O desinteresse dos progenitores do escritor é notório ao longo da vida de Eça. Não estiveram presentes no: batismo, no casamento, nem no funeral!

Desinteresse inexplicável. O pai era juiz, a mãe pertencia a respeitável família de Viana do Castelo, filha do Tenente-Coronel José António Pereira de Eça.

Campo Matos, diz no: “Suplemento do Dicionário de Eça de Queiroz”que uma: “ Testemunha de um familiar que conviveu de perto com ela, (a mãe) obtido em 1974 por Severino Costa:

“Ela ficou furiosa de ter caído nessa falta e tomou uma raiva ao namorado que não quis casar (…) A Mãe à hora da morte obrigou-a a fazer a promessa de casar”

Eça, como se sabe, nasceu na Povoa do Varzim, a 25 de novembro de 1845, em casa da irmã mais velha da mãe. Confirmado por Ramalho Ortigão, o pai., e a própria mãe.

Porém, Manuela de Azevedo, em: " À Sombra de Eça e Camilo" narra que nasceu em Vila do Conde no solar da família Pizarro Monteiro, em segredo, mas nunca foi confirmado.

Após o nascimento foi entregue aos cuidados de uma ama, seguindo, decorrido tempo (5 anos?) para Verdemilho – Aveiro, para ser criado pelos avós paternos; permanecendo ai, até completar dez anos.

Matricularam-no, em seguida, como interno, no Colégio da Lapa, que pertencia ao pai de Ramalho, indo depois para a Universidade de Coimbra.

Apesar dos pais casarem quatro anos depois do nascimento de Eça, e já terem mais três filhos legítimos (Eça teve 6 irmãos,) nunca reconheceram oficialmente, o primogénito. Todavia Campos Matos, menciona em: “Imagens do Portugal Queirosiano” – que recém-formado, Eça residiu em casa dos pais, que ficava no quarto andar, nº 26 do Rossio (Lisboa,) e se hospedava lá quando vinha à Capital.

Só quando o escritor necessitava dos documentos para realizar o casamento, é que, a pedido do Eça – para a noiva não saber que era filho de mãe incógnita, – o reconheceram oficialmente, mas não quiseram estar presentes na cerimónia, realizada em fevereiro de 1886, na Capela da Quinta de Santo Ovidio, propriedade da mãe da noiva.

Atitude estranhíssima. Eça era diplomata, figura conhecidíssima no meio literário português, e ia casar com a filha da Condessa de Resende, família abastada, da mais alta nobreza.

Estranho é, também, que após 124 anos da sua morte, o queiram levar para Lisboa.

O que, certamente Eça desejaria, é que o País, em vez de lhe darem a honra de Panteão, não tivessem perseguido politicamente a família, chegando a ameaçar a viúva de lhe cortarem a pensão, a que tinha direito, se ela e os filhos, não apoiassem a República! Atitude que os obrigou a expatriarem-se para Londres, segunda me contou Dona Emília, neta do escritor, durante a conversa que tive em sua casa.

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 14:55
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Maio 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

favoritos

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINEL...

pesquisar
 
links