PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 17 de Novembro de 2023
PINHO DA SILVA - E DEPOIS?!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sá da Bandeira. Num café, Estou só,

olhando a multidão, a circular

na rua; e vendo-a, assim, sempre a passar,

custa-me a crer que todos sejam pó.

 

Custa-me a crer, mas são!... Até faz dó

esta gente vaidosa, a passear:

- são homens, são mulheres, de grave olhar,

que o tempo há-de moer, como uma mó!...

 

Daqui por alguns anos ( vinte ou mais?!),

já tudo isto morreu!... Que será deles?!

- Poeira, e nada mais, nos cemitérios!

 

Tanta moda, e vaidade, que ostentais:

-tanta trapo, e sapato e joia reles...

... - tão pouco meditar altos mistérios!

 

 

PINHO DA SILVA – (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"



publicado por Luso-brasileiro às 15:12
link do post | comentar | favorito (1)

PINHO DA SILVA - SER FELIZ É SER SIMPLES, TÃO- SOMENTE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ser feliz, é ser simples, tão-somente;

limitar os desejos que se tem;

abandonar o mal; só querer o bem;

abrir o coração, de boamente.

 

Quem tiver ambições, constantemente,

ou sentimentos de ódio, ou também

desejos de vingança para alguém,

como pode viver tranquilamente ?!

 

Ser feliz, é ser bom; é ser modesto;

é ser como Cristo - manifesto

no sorrir, no perdão e na bondade;

 

é ter sempre alegria; ter paciência;

é ter sempre tranquíla a consciência,

e ter com toda a gente caridade.

 

 

PINHO DA SILVA – (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"

 



publicado por Luso-brasileiro às 14:56
link do post | comentar | favorito

PINHO DA SILVA - BLASFÉMIA!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

"Fazer amor"!

Como fosse possível,algum dia,

comparar o perfume da flor

à porcaria!...

 

Amar, é só ternura, é só carinho;

é constância, é fervor, é devoção;

é calor duma asa sobre um ninho,

é ser-se inteiramente coração!

 

"Fazer amor"! Já viste blasfémia?!...

Pois pode haver amor de homem-mulher,

mas nunca pode haver de macho-fêmea!!!

Forçoso é diferençar, é escolher!!!

 

" Fazer amor" !

Vê bem a gravidade da questão:

- DIZER ISSO, É PECADO!

Pecado e dos mais negros ( Negregado!),

porque " DEUS É AMOR, diz S. João.

 

 

PINHO DA SILVA – (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"

 



 

 

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 14:25
link do post | comentar | favorito

PINHO DA SILVA - A ROSA DE SARON

 

 

 

 

 

 

 

 

A rosa de Saron, lírio sem par!

Como seria a rosa de Saron?!

Moreninha, pois era, Salomão?

Pelo menos, o dizes, no " Cantar"!...

 

Morena, como as tendas de Quedar;

formosa, como aquelas que o são,

- que admira prendesse o coração,

que admira que assim soubesse amar!

 

Dormir entre os seus seios, como um cacho

se esconde entre as vinhas de Engedi;

sustentar-se com passas, com maçãs;

 

desfalecer de amor...oh!, como eu acho

o mais belo poema que já vi,

composto de oiro e prata, e de romãs!...

 

 

PINHO DA SILVA – (1915-1987) – Nasceu em Santa Marinha, Vila Nova de Gaia. Frequentou o Colégio da Formiga, Ermesinde, e a Escola de Belas Artes, do Porto. Discípulo de Acácio Lino, Joaquim Lopes , e do Mestre Teixeira Lopes. Primo do escultor Francisco da Silva Gouveia. Vilaflorense adotivo, por deliberação da Câmara Municipal de Vila Flor.
Tem textos dispersos por várias publicações, entre elas: “O Comércio do Porto”, onde mantinha a coluna “ Apontamentos”, e o “Mundo Português”, do Rio de Janeiro, onde publicou as “ Crônicas Lusíadas”. Foi redator do “Jornal de Turismo”, membro da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e secretário-geral da ACAP. Está representado na selecta escolar: " Vamos Ler", da: Livraria Didáctica Editora, com o texto : " Barcos e Redes"



publicado por Luso-brasileiro às 14:03
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 16 de Novembro de 2023
HUMBERTO PINHO DA SILVA - MÃE É QUEM CRIA.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Frei Luís de León, em: "La Perfecta Casada", conta-nos o caso ocorrido na velha Roma, que merece digno de ser levado aos leitores, pela grande verdade que encerra. Verdade, quantas vezes, esquecida.

Havia no tempo do Império Romano notável família de apelido Graco, constituído por importantes militares e políticos que exerciam iminentes cargos

Certa ocasião, jovem dessa nobre família, partiu para a guerra e por lá passou vários meses.

Ao regressar trouxe valiosas riquezas. A mãe e a velha ama, logo que tomaram conhecimento, correram ao seu encontro, abraçando-o e beijando-o de contentamento.

Após arrumar a bagagem e os valiosos despojos, que lhe foram atribuídos em quinhão do saque às cidades dos vencidos, presentiou familiares.

À mãe deu-lhe bonito anel de prata. À ama, que tanto gostava, ofereceu-lhe belíssimo colar de oiro, de grande valor.

Estranhou a mãe ter recebido apenas um anel de prata, enquanto a ama, que não passava de simples serva, um colar de oiro.

E virando-se para o filho, despeitada, disse-lhe em tom de censura:

- Como é, filho!?: permeias a vossa ama com colar tão valioso, e a mim, que sou tua mãe, apenas trouxeste um anel... de prata!?

Ao ouvir tais palavras, o jovem repostou:

-É que vós, minha mãe e senhora minha, trouxeste-me no ventre nove meses; não mais. Enquanto esta serva, que me não é nada, criou-me com carinho, durante dois anos, oferecendo-me os peitos e o leite, durante dois longos anos.

Mãe é quem cria e não quem gera.

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 15:41
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - AINDA EÇA...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A transladação dos restos mortais do escritor para o Panteão Nacional, fez correr muita tinta, que envolveu, descendentes do romancista, respeitáveis intelectuais e políticos.

O caso chegou ao Supremo Tribunal Administrativo, que acabou de dar razão a Afonso Reis Cabral, trineto de Eça e Presidente da Fundação Eça de Queirós.

Mesmo contra a vontade de alguns descendentes, que tudo fizeram para o impedir – houve até quem duvidasse que o antepassado gostasse de estar em companhia desses ilustres cidadãos... – e da boa gente de Baião, habituada à "presença" do escritor, no Cemitério de Stª. Cruz do Douro, o tribunal sentenciou a favor da Fundação Eça de Queiroz.

O maior estilista da língua portuguesa deixou, portanto, de ser " pertença" exclusiva da família e dos baionenses, para ser de todos os portugueses.

Homenagem justíssima, já que seus contemporâneos não souberam ou não quiseram prestar-lhe, após o falecimento, as honras de que era merecedor.

Como não se pode, talvez nem se queira, levar Camilo para o Panteão Nacional, parece-me de inteira justiça erguer, como se fez com Aristides de Sousa Mendes, no Panteão, cenotáfio de homenagem a Camilo Castelo Branco. Era gesto de louvar e prova que o romancista não está esquecido.

Durante as cerimónias fúnebres de Camilo, Guerra Junqueiro sugeriu – que devia ser sepultado nos Jerónimos e fosse decretado luto nacional.

E no Parlamento, Alberto Pimentel, propôs que ficasse registado em ata – " Um voto de profundo sentimento pela morte do iminente escritor, Visconde de Correia Botelho, Camilo Castelo Branco, glória da literatura nacional".

Infelizmente essas vozes amigas foram em vão. Camilo: " O Primeiro Romancista da Península", como se dizia, ou: " O Príncipe dos Escritores", como afirmou Reis Santos, na oração fúnebre, permanece, quase esquecido, no jazigo de amigo, no Cemitério da Lapa, no Porto.

A concluir, julgo oportuno levar ao conhecimento do leitores, o parecer do conceituado filólogo, fundador da " Sociedade da Língua Portuguesa", Vasco Botelho de Amaral, no:" Glossário Critico", sobre Camilo:

(...) A linguagem de Camilo é riquíssima de valores expressivos (...) Em todas as páginas revela o Mestre, o diligente estudo a que se consagrou, auscultando os dizeres das bocas populares e investigando nos clássicos documentos ignorados, mas inestimáveis riquezas idiomáticas. Junte-se a isto o extraordinário génio verbal e estilístico do escritor, e como resultado se nos apresentará a admirável vernaculidade da linguagem de Camilo".

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 15:37
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - O LAMENTO DE UM VELHO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Descia as "Carmelitas" numa tarde outonal, de céu todo encarvoado, quando de súbito deparo com o João, que de passos entorpecidos subia a mesma artéria.

Caminhava de semblante sombrio, dedos encanastrados atrás das costas, em direção aos " Leões".

- "Há que séculos que não te vejo!? O que é feito de ti? Parece-me que estás acabrunhado..."

- "Ando a cogitar como é triste ser velho em Portugal."

- "Desembucha homem! O que é que te aconteceu?"

- "Estava com uma gripe das antigas. Fui ao médico. Entretanto contactaram-me para ser vacinado. Fui. Disseram-me que era mais seguro testar. Se fosse Covid era perigoso.

"Venderam-me o teste rápido. Perguntei se me faziam o favor de me dizerem como era.

"Responderam-me que era simples, mas tinha que ter muito cuidado para não obter resultado enganoso.

"Receoso, recorri a clínica. Informaram-me que não realizavam testes, aconselhando que fosse ao Centro de Saúde ou telefonasse para a " Saúde 24"

” Como o meu "Centro" é longe, fui a um hospital particular, mas disseram-me: que só faziam o deles.

“Regressei à farmácia. Atendeu-me amável empregada, que me declarou: no estabelecimento é proibido, mas que podia inscrever-me para realizar o teste, avisando-me que ficava dispendioso.

“Argumentei, que pagava o que fosse.

“Pela manhãzinha do dia seguinte fizeram-me o teste”

- “Pronto, ainda bem. Ficou resolvido.” - Disse.

- “Sim, mas fiquei a magicar: como tudo é complicado neste País, principalmente para os idosos. Nós somos a geração que ia para a escola de pé descalço e sacola de serapilheira; começamos a trabalhar na adolescência: passamos horas, se queríamos estudar, nos bancos da biblioteca, porque não havia Internet. Fomos para a guerra para defender a Pátria, que afinal parece que não era; e chegados à velhice.... Qual é a recompensa? Reforma que não chega para pagar um lar decente.... É tudo para os jovens, que são o futuro. E nós, que já não temos futuro? “

Abraçamo-nos e seguimos o nosso caminho, mas fui recordando como ainda é atual o célebre verso de António Nobre...

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA

 

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 15:32
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - O NATAL QUE PASSEI COM O MEU AVÔ ALBERTO

 

 

 

 

 

 

 

O avô de minha mulher, chegou ao Brasil, no início do século XX.

Era jovem e cheio de ambições. Estreara-se no jornalismo, em Portugal, num jornalzinho de bairro: “O Garnisé”.

Como o primo fosse editor de semanário de inspiração monarquista, passou a colaborar nele, mantendo coluna, que assinava com o pseudónimo de: Urbano”.

A razão de não usar seu nome nas crónicas, é simples de explicar: o jornal pertencia a movimento monárquico, e ele era republicano, de sete costados.

Seria? Creio que era apenas um jovem, apaixonado pelas “Letras”; o que queria, era escrever…

Empregou-se, no Brasil, no escritório de fábrica de produto alimentício.

Como colaboradora, tinha a filha do proprietário. Uma jovem bonita e simples. A idade; o convívio; o facto da mãe de ambos, terem sido amigas, na infância, tornaram-se íntimos.

Dessa amizade, resultou o casamento.

Numa das minhas estadias, a São Paulo – em véspera de Natal, – encontrei-o no jardim da sua bela casa de Alto de Pinheiros, junto ao canteiro dos junquilhos. Seus cabelos brancos lampejavam, batidos pelo sol morno da manhã.

Conversamos sobre a economia do seu querido Portugal.

De repente, encarando-me com os seus belos olhos verdes – verdes como formosas esmeraldas, – encrustados no rosto moreno, queimado pelo Sol, disse-me que ia revelar-me um segredo, que há muito vivia com ele; quiçá, pensando na minha condição de rapaz pobre:

- “Sabe por que deixei de passar a Noite de Consoada com meus cunhados?”

Aguardei a resposta. Certamente não esperava que lha desse:

- “No início de casado continuou caminhando pelo jardim, parando junto à porta da garagem, – todos os irmãos reuniam-se na noite de Natal. Era uma bonita festa! Ceávamos; conversávamos… e noite velha, chegava o Pai Natal, com saco repleto de presentes, para as crianças.”

Neste momento fez uma pausa. Silêncio prolongado.

- “Tudo corria bem…até que certa vez, minha filha mais velha, interrogou-me muito agastada: “Não é justo! Papai Noel dá-me sempre roupinha, enquanto minhas primas recebem bicicletas! …”

Novo silêncio, ainda mais prolongado.

- “Os meus cunhados tinham posses. Podiam distribuir prendas caras… fiquei tão triste, que resolvi, desde então, consoar só, com meus filhos e a Júlia…”

Neste momento a voz embargou-se, e uma lágrima envergonhada, aflorou, deslizando suavemente, pela face envelhecida.

Compreendi; e pensei: quantos irmãos se separam, por essa e outras razões, como tais?

Como é difícil, para quem vive folgadamente, entender as dificuldades dos outros! …

Quantas vezes, humilhamos, o próximo, sem o saber?

Assim se vão afastando, os irmãos…  os primos…os parentes…

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 15:27
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - A VERDADEIRA EDUCAÇÃO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nunca se falou tanto de educação como nos nossos dias, mas são poucos os que sabem educar.

Em norma confunde-se educar com instruir.

Educa-se em casa, no seio da família. Instrui-se na escola, com o professor.

Pais há que preferem abdicar, deixando a difícil tarefa, à escola, o que é um erro. O professor pode ser ótimo mestre, mas corre-se o risco de inculcar, nas mentes em formação, ideologias e conceitos nefastos e perniciosos.

Em: " L Educantion des Filhes" – Paris Corrêa, Mauriac, aborda e indica o que é a verdadeira educação:

"Para muitos pais, o essencial é, antes de tudo o mais, que os filhos estejam de saúde: é esse o primeiro cuidado: " Estás a transpirar, não bebas ainda... Parece-me que estás quente: vou ver se tens febre..." (...) Primeiro cuidar da saúde da criança; depois da educação: " Põe-te direito: estás a fazer corcunda... Não limpes o prato... Não te sabes servir da faca... Não te espojes no chão dessa maneira.... Põe as mãos em cima da mesa! As mãos, não os cotovelos... Com a idade que tens, ainda não sabes descascar um fruto?..." Sim, é preciso que sejam bem-educados! E o sentido que todos nós damos a esta expressão " bem-educados" mostra até que ponto nós a rebaixamos. O que conta é a impressão que possam causar aos outros, ou seja, a fachada. Desde que, exteriormente, não traiam nada do que o mundo não aceita, achamos que tudo está a correr bem.

" Os únicos educadores dignos desse nome - mas quantos há que o sejam? - são aqueles para quem conta aquilo a que Barrés chamava educação da alma. Para esses, o que importa naquela jovem vida, que lhes é confiada, não é só a fachada que dá para o mundo, mas as disposições interiores, aquilo que, num destino, só Deus e a consciência conhecem

A educação moral da criança, é uma coisa importante"

O que devia interessar ao educador, não é como disse Mouriac, a fachada, as boas maneiras, regras uteis para viver em sociedade, mas  a educação da alma, para que cresça com solida formação moral e venha a ser útil à coletividade, como cidadão.

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 15:23
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Maio 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

favoritos

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINEL...

pesquisar
 
links