PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 16 de Dezembro de 2023
HUMBERTO PINHO DA SILVA - POBRE CAMÕES QUE TÃO MALMO TRATARAM

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Certa ocasião, Helena Sacadura Cabral, declarou ao: " Diário de Notícias": " Em Portugal há uma longa tradição de murmúrio. De inveja. De cobiça e de preguiça também. Os valores raramente são reconhecidos e os mais inteligentes constituem o repasto ideal para a calúnia."

Se no início deste século era assim, segundo a escritora, não foi muito diferente nos séculos passados.

Hoje todos homenageiam Camões, como o maior poeta da nossa língua portuguesa, que narrou, nos " Lusíadas", a extraordinária epopeia dos descobrimentos.

Mas, como o reconheceram no seu tempo? Como o trataram e admiraram-no?

Morreu pobre. A magra pensão que lhe concederam, era tão insignificante, que mal lhe dava para sobreviver.

Diogo Couto, em 1567, encontrou-o em Lisboa, " Tão pobre que comia de amigos.", que lhe davam a roupa que necessitava.

Conta Almeidas Garrett, pela boca do Telmo, no: " Frei Luís de Sousa": "Lá foi Luís de Camões num lençol para Sant'Ana. E ninguém mais falou nele”.

E mais adiante, à Maria: " Livro sim: aceitaram-no como tributo de um escravo. (...) Acabada a obra, deixaram-no morrer ao desamparo, sem lhes importar, com isso.... Quem sabe se folgaram? Podiam pedir-lhes uma esmola, escusavam de se incomodar a dizer que não."

E D. Francisco Manuel de Melo, no " Hospital das Letras", escreveu:

- " De nós todos se poderá queixar, porque sendo honra e gloria de Espanha, tão mal tornamos por ele, que, se não poucos o leem, são menos os que o entendem."

Certa ocasião ao folhear o meu diário, deparei com a triste noticia que o notável intelectual, Lopes de Oliveira, após ter oferecido a valiosa biblioteca à cidade de Fafe (mais de cinco mil volumes) foi convidado a residir nessa localidade.

Vive ou vivia, sozinho, cozinhando e dormindo em velha casa, infetada de ratos, receando que os roedores lhe devorem os livros. - "O Comércio do Porto", 14/12/90.

Apetece-me dizer como António Nobre: " Que desgraça nascer em Portugal" – "SÓ".

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA

 

 

 

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 15:44
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - O TRABALHO DO MENINO É POUCO,,,

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

São muitos os que se indignam - e com razão, - da exploração de crianças, no mundo do trabalho; e poucos os que se preocupam com os chamados meninos-prodígios, que tantas vezes são tratados, pelos progenitores, como verdadeiros escravos.

Sei que me vão dizer ou pensar: São " vitimas" da Arte. Trabalham pelo prazer e pela vaidade.

Mas quantos não puderam nem podem brincar, porque os pais os obrigaram e obrigam a treinos constantes, para estarem aptos a participarem em competições desportivas, artríticas ou teatrais?

Passam e passaram noites mal dormidas, percorrendo feira em feira, circo em circo até altas horas, angariando dinheiro aos progenitores.

Recordo a ginástica Nadia Comannecci, que alcançou importantes medalhas nos Jogos Olímpicos, para seu País podesse orgulhar-se da conquista de medalhas de oiro. Mas a que preço? De constantes sacrifícios, treinos forçados e infância perdida.

Lembro-me, de Saul e do notável futebolista - hoje multimilionário, Cristiano, que iniciou a carreira na Madeira, aos nove e entrou no Sporting. aos onze, sendo titular aos dezassete anos.

E também do extraordinário Lionel Messi, que começou a fulgurante vida de futebolista aos sete e aos treze foi para Barcelona, sendo titular aos dezasseis. Dir-me-ão: jogar a bola não é trabalho; trabalho é explorar os menores, para ajudarem os pais nas lidas domésticas ou nas tarefas agrícolas e oficina.

Não decorreu ainda uma década - penso eu, - que jornalista surpreendeu rapazinho, em plena serra transmontana a guardar o rebanho paterno.

Levantou-se a mass-media, indignada - criança de tão pouca idade devia estudar e não ser pastor!

Tratava-se de filho de agricultores remediados, que frequentava a escola secundária, mas por gosto, em horas de lazer, subia à serra com o gado do pai, para recreio. O problema é que a pastorícia não é Arte, mas trabalho, portanto - exploração infantil,

Crime é o comerciante levar o filho para a loja, no intuito de o coadjuvar ou o lavrador solicitar ajuda ao filho, nas labutas agrícolas. Porque o menor não pode nem deve trabalhar, asseveram os políticos e certos intelectuais.

Até 1841 era permitido as crianças trabalharem em todo o mundo. Depois foi proibido, em França, ou melhor: só podiam trabalhar com mais de oito anos!"...

Em Portugal, só no reinado de D. Carlos é que se levantou a questão do trabalho infantil.

No nosso tempo, na maioria dos países, o trabalho infantil está proibido, embora ainda se pratique em alguns, mas ilegalmente.

Os nossos velhos diziam (com razão?)" O trabalho do menino é pouco, mas mais louco é quem não o aproveita. Claro que só executavam – penso eu, - nessa época e na nossa terra, tarefas de acordo com idade. Caso contrário seria a crime.

 

 

Humberto Pinho da Silva



publicado por Luso-brasileiro às 15:41
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - COMO PASSAM OS PORTUGUESES A QUADRA DE NATALÍCIA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Bíblia é, como se sabe, o livro mais vendido do mundo e, o mais traduzido, editado em todas as línguas e numerosos dialectos.

Infortunadamente muitos cristãos mal a conhecem, mormente os católicos. Muitos são, porém, os que a compram em edições monumentais ou nas reproduções mais modestas.

Compram-na para proclamar, ufanamente, que a possuem, mas permanece, eternamente, bem alinhada com outros tomos, nas prateleiras da biblioteca doméstica.

A Igreja Católica recomenda a leitura – pelo menos o Novo - Testamento, – diária, durante 15 minutos. Recomenda, porque quem a não lê, desconhece, quase completamente, quem é Jesus, e Sua doutrina.

A Bíblia é, e será sempre, o melhor manual de instrução do crente; o guia por onde pauta sua vida.

Felizmente os nossos irmãos separados – da Igreja Católica, não de Cristo, – como frequentam, desde a infância, as aulas dominicais, são em regra, mais conhecedores e, muitos sabem de cor, as passagens mais importantes para a vida quotidiana do crente.

Não admira, portanto, que não falte quem assevere que Deus disse e quer, o que na verdade nunca disse nem quer.

O Observatório da Solidão do Centro de Investigação e Intervenção Interdisciplinar do Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo (ISCET), realizou recentemente sondagem (400 pessoas contactadas, que é numero bastante escasso,) para conhecer como os portugueses vivem a quadra natalícia.

Segundo o estudo 60% não pratica nem frequenta Igreja cristão

76% - Considera que é o meio de fomentarem consumo.

62% - Pensa que o Natal é uma festa religiosa.

94% - Faz ceia de Natal em casa com a família.

1% - Passa a consoada fora da residência – restaurantes.

86% - Faz árvore e presépio.

32% - Aproveita para se ausentar, de férias

Destes: 45% - São jovens, e 53% pessoas de idade.

Quase todos os contactados consideram o Natal como festa de família

Saberão que é comemorado o nascimento de Jesus? Talvez saibam, mas não dizem...

Se o estudo fosse realizado décadas atrás, talvez o resultado fosse bem diferente. A entrada de imigrantes, em grande numero, com tradições, costumes e gastronomias diferentes e, das mais diversas religiões, tem provocado notáveis alterações nos hábitos, e levado, principalmente as camadas mais jovens, à apatia pelas tradições natalícias.

 

 

HUMBERTOPINHO DA SILVA

 

 

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 15:33
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - COMO ENTROU MARIA MATOS NO CONSERVATÓRIO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Compareceu no Conservatório de Lisboa, frágil e deprimida rapariguinha, que vinha prestar prova da admissão.

Diante do ilustre júri, a garotinha, enfiada, permanecia constrangida, contrafeita, estática e de olhos assustadiços.

Nervosamente balanceava as vestes, como as quisesse compô-las, numa tremenda ansiedade.

Condoído pelo inopinado acanhamento, o júri, sussurra-lhe, em voz amiga:

- " Diga, por favor, um poema..."

Enrubesce de pejo, a menina, e erguendo a custo os embaciados olhos:

-" Não me recordo de nenhum..."

Compassivos, insistem, amaciando ainda mais a voz:

- " Pequeno texto, que goste. Qualquer coisa que conheça de cor:

-" Não me lembro de nada..."

Proferiu em voz apertada, temendo e tremendo, mormente os irrequietos bracitos.

Estupefactos perante o inesperado acanhamento, o júri já pensava vedar-lhe o ingresso, quando...

Mirando pensativo a rua, de olhar vago, olhando através da vidraça da janela, o dramaturgo Dom João da Camara – membro do júri, – presenciava, apreensivo, e em silencio a cena deplorável.

Acerca-se da retraída menina, e movido de comovida compaixão, enternecido, sugere:

- "Menina: diga a Avé – Maria..."

Empertiga-se a jovem, perfilha-se, enrija o peito, e em tom forte e sonoro inicia a invocação.

Foi a mais comovedora e terna invocarão à Mãe do Céu, que jamais se ouvira.

O escritor, poeta e dramaturgo, descendente do conhecido navegador João Gonçalves Zarco, num gesto de singular bondade, conseguiu que a inesquecível atriz Maria Matos, pudesse matricular-se no Conservatório.

Não devo terminar a crónica, sem contar a mais sublime faceta da atriz – a gratidão:

Em missiva, (*) datada a 28/06/1910, depositada na posta de Castelo Branco, endereçada a sua mãe, a Senhora Dona Emília da Camara Almeida Garrett, amiga de Maria Matos, escreveu:

(...) A atriz está aqui em "tournée" e parece-me muito atilada (baseava-se na conversa que teve, em sua casa, com Maria Matos,) e confessou-me, que sempre possível passa pelo cemitério, onde repousa Dom João da Camara e, junto do tumulo, reza e  pede-lhe conselhos.( Cito de cor.)

Maria Matos era de sensibilidade delicada e nunca olvidou quem lhe facilitara a fulgurante carreira artística.

*) Carta que minha querida amiga Dona Maria Eugénia da Camara Rebello de Andrade, neta do escritor, teve a gentileza de ma ler.

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA

 

 

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 15:27
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Maio 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

favoritos

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINEL...

pesquisar
 
links