PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quinta-feira, 16 de Maio de 2024
HUMBERTO PINHO DA SILVA - " AINDA SE VENDE ESSA PORCARIA!"

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em calma e cálida tarde de maio, quando o astro-rei acendia o céu, de nuvens de fogo, mosqueando, de cintilantes estrelinhas, as águas azuis do Douro, estava com meu pai – insaciável homem de Letras, que vivia entre velhos cartapácios, - na Feira do Livro, no Porto.

Nessa recuada época, a "Feira" implantava-se na Praça do Município, num aconchegante labirinto, aos pés de "Garrett"

Caminhávamos embebidos nos escaparates – abrindo e reabrindo tomos, junto a livraria católica, de súbito, surgiu três guapos rapazinhos, ainda imberbes, chalrando em alta voz.

Miram de esguelha o stand. Entre livrinhos devotos e inocentes romances, gritavam três vistosas Bíblias, de folhas doiradas, encadernadas a percalina preta.

Apontando ostensivamente o magro indicador, o mais esgrouviado e bem-trajado, de barba e cabelo à Che Guevara, disparou, com risinho arteiro, bailando nos lábios:

-" Ainda se vende essa porcaria!..."

O empregado, possivelmente frade ou antigo seminarista, de imediato retorquiu:

- "É por causa dessa " porcaria", que o senhor doutor é médico!..."

O diálogo espicaçou a curiosidade de meu pai; e quando os mocinhos rindo, se afastaram, apressou-se a interrogá-lo:

-" Conhece-o?"

- " Conheci-o. Andava no seminário. Estudava por favor. Não tinha vocação. Os senhores padres ainda o encaminharam para a Universidade..."

 Como meu pai mostrasse interesse, prosseguiu:

- " Agora é quase médico. Sempre que passa por aqui, larga uma chalaça. Coitado!.... Se não fosse a Igreja... andava com a charrua...

Este episodio, ocorrido nos anos sessenta, gravou-se-me na memória; e ilustra, perfeitamente, o que é a ingratidão e o descaramento.

Como ele, muitos são os que singraram às cavalitas da Igreja ou à sombra protetora de senhoras caridosas, que lhes proporcionaram meios para altos voos; infelizmente, raros são os que se lembram de agradecer, a quem lhes deu a mão. É a ingratidão humana!...

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 13:25
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - ACHEGAS SOBRE A EMIGRAÇÃO PORTUGUESA NO BRASIL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em meados do século XIX, o Rio de Janeiro, fervilhava de emigrantes portugueses, esperançados de encontrarem a: " árvore das patacas".

Os mais pobres, iam em navios negreiros, na condição de pagarem a viagem ao engajador, com dinheiro obtido no trabalho que conseguiam em fazendas.

Muitos morriam devido a maleitas; outros, por excesso de trabalho, quase escravo.

A deplorável situação chegou a ser ventilada, na segunda metade do século XIX, em Pastoral, escrita pelo Arcebispo de Braga, avisando os mancebos do perigo de serem enganados pelos angariadores; mas, raros foram os que escutaram os sensatos conselhos.

Em 1879, narra Silva Pinto, que encontrou Rafael Bordalo Pinheiro, junto do teatro D. Pedro, no Rio, em que o notável artista contou os horrores que passou no Brasil.

Embarcara cheio de ilusões em 1875, na época era ilustrador do " Lanterna Mágica", publicação lisboeta.

Regressou três anos depois, descorçoado, com mulher e filha, após ter sido injuriado, e ver o gabinete de trabalho, na Rua do Ouvidor, assaltado por populares, sem ter recebido proteção da polícia, nem do Consulado Português!

Segundo a " Caixa de Socorros de D. Pedro V", fundada no Rio de Janeiro, de, 1861 a 71, havia no Rio 49.610 emigrantes portugueses. A "Caixa" repatriou 4.000, e faleceram, durante esse período, 11.000. É desconhecido a situação dos que foram trabalhar para o interior.

Os repatriados chegavam a Portugal, desiludidos ainda mais pobres do que partiram.

No livro " No Brasil", Silva Pinto, relata a chegada de paquete francês, a Lisboa, com vinte passageiros, vindos do Brasil: " Só dois obtiveram fortuna – o primeiro alugando escravos ao mês; o segundo (uma mulher,) alugando-se diariamente. Os restantes (...) chegaram doentes, arruinados e cheios de dívidas"

O invés, parece acontecer agora, aos imigrantes que chegam a Lisboa, com a cabeça cheia de fantasias, (alguns de dupla nacionalidade).

Vasco Malta, Chefe da Missão em Portugal, da Organização Internacional das Migrações (OIM), tem ajudado muitos imigrantes a regressarem à terra natal. Brasileiros foram, 1831, desiludidos por não terem conseguido trabalho, nem casa. Alguns encontravam-se na mais esquálida miséria.

Repete-se, infelizmente, em pleno século XXI, a História e as histórias, dos portugueses, no século XIX e XX, no Brasil.

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 13:13
link do post | comentar | favorito

HUMBERTO PINHO DA SILVA - A SITUAÇÃO DA IGREJA EM PORTUGAL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

É do conhecimento de todos, que participam na missa dominical, que existe grande diminuição de fiéis – não só de jovens, como de crentes idosos.

Várias são as razões: A epidemia (Covid) que afastou da Igreja – por medo de contágio, – muitos católicos; a deslocação da população citadina para as preferias; o facto de muitos idosos haverem falecido, devido à epidemia; e o comodismo de alguns, que passaram a "assistir" à missa pela televisão.

Acrescentaria, igualmente, a deficiente evangelização, e o comportamento indigno de alguns sacerdotes e fiéis.

Recentemente o matutino" Correio da Manhã", de 03/03/2024, realizou pesquisa sobre a situação da Igreja Católica, em Portugal, chegando às seguintes conclusões:

A quebra de fiéis na missa é quase de 50%; no interior, apenas 10%.

Alentejo, Minho e Trás-os-Montes, assim como os Açores, foram as regiões mais afetadas, (possivelmente, digo eu, devido à emigração).

Lisboa, Madeira e o Algarve, foram as que menos sofreram, mantendo-se quase inalterável o número de fiéis.

Como é natural, a diminuição de crentes afetou a receita, no ofertório e nas caixas

As ofertas desceram de 60 para 35 milhões de euros. (Não será, em parte, devido à dificuldade financeira em que vive a Classe Média?)

Apesar das vocações sacerdotais terem diminuído, ainda se celebram 6.000 missas dominicais, celebradas por 2.655 padres. Menos 600 do que em 2014.

Foram estas as principais conclusões que o "CM", chegou, após ter contactado 32 paróquias e bispos diocesanos.

Desconfio que, alguns leitores, também, gostariam de conhecer a situação religiosa, em Portugal - Igrejas cristãs e não cristãs, colhidas no: INE, e no Censo de 2021:

Ortodoxos, em 1981 eram 2.564

                     “    2021   "   60.381

Deve-se, certamente, à entrada de imigrantes do Leste Europeu

Evangélicos, eram em    2021 - 186.832

Testemunhas de Jeová, eram em 2021 – 63.609

                   Hindus                               “      “     “     -  19.471

Budistas                             “      “     “     -    16.757

Católicos                            “      “     “    - +7 milhões

Ateus, eram em 1981 – 253.786

   "        "      "    2021 - 1,2 milhões

Há aumento significativo de Judeus, devido à lei sefardista, que autoriza descendentes de israelitas, que viveram em Portugal, terem dupla nacionalidade.

Havia, também, em Portugal, em 2021, cerca de: 36.480 muçulmanos, originários, em parte, de países árabes e nações africanas.

Devido à entrada maciça de imigrantes, nos últimos anos, é natural que os números indicados, não reflitam a verdade atual.

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA



publicado por Luso-brasileiro às 12:54
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Maio 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

favoritos

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINEL...

pesquisar
 
links