PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quarta-feira, 21 de Setembro de 2011
MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - ABANDONO DE BEBÉS

                     

 

 

Em maio, a Câmara Federal arquivou um anteprojeto, de autoria do IBDFAM (Instituto Brasileiro de Direito da Família), que tramitou durante três anos, sobre o parto anônimo, conforme acontece em alguns países como a França, Itália, Alemanha e Bélgica. A gestante faz o pré-natal e, ao dar a luz, entrega o bebê para adoção no hospital sem se identificar. Nas primeiras décadas, do século passado, havia a “roda”, para as mães que não podiam, por algum motivo, criar o seu filho. A “roda” girava e, do outro lado, alguém, responsável pela instituição, acolhia a criança. Funcionou até o fim da década de 40, principalmente no Rio e em São Paulo, O IBDFAM pretende reapresentar a proposta, que é polêmica, pois o Comitê de Direitos das Crianças das Nações Unidas o considera violação do direito de a criança conhecer a sua origem. O IBDFAM reconhece que o parto anônimo pode evitar um abandono trágico como o do corpo de bebê encontrado em uma sacola plástica, em 11 de maio, em São Bernardo do Campo; o do bebê, ainda com cordão umbilical, em 21 de agosto, que foi deixado, em uma mochila, em Mauá; o do recém-nascido jogado de um carro em movimento em Guarulhos, em 27 de agosto. Em abril, aqui em Jundiaí, houve o caso do recém nascido, que não sobreviveu, encontrado no banheiro de um hospital, dentro da cesta do lixo e envolto em papel higiênico. A mãe justificou que desconhecia estar grávida.

Há mães em situação de desespero diante da nova vida e da solidão. Se levantarmos o número de pais, nesse caso, que estariam dispostos a assumir o bebê, creio que a porcentagem seria próxima a 0,1%. Comumente é a mulher, em situação de dificuldade, que arca com o desafio de criar o pequenino que carrega no ventre.

Fico pasmada, contudo, nessa discussão com a fala da secretária executiva da Rede Nacional Feminista de Saúde, Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos, Telia Negrão, e de Débora Diniz, antropóloga, professora da Universidade de Brasília e pesquisadora da Anis – Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero. Entrevistadas pela Folha de São Paulo, em 11 de setembro (C4 Cotidiano), Telia condena o projeto do direito ao parto anônimo e afirma que o mesmo não aponta para as alternativas de prevenção da gravidez indesejada ou de interrupção da gravidez. Diniz argumenta que “a indignação do público diante do bebê abandonado ignora o sofrimento das mulheres que são obrigadas a se manter grávidas contra a sua vontade” e propõe que se revise a política de planejamento familiar no direito ao aborto. Defendem, em lugar de um parto anônimo, em que a criança poderá ser encaminhada para adoção, que seja legalizado o assassinato no ventre materno.

Matar seria uma exigência para a questão de gênero, que beneficiaria a mulher? Inconcebível e perverso!

 

Maria Cristina Castilho de Andrade

É educadora e coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher/ Magdala, Jundiaí, Brasil



publicado por Luso-brasileiro às 11:34
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links