PAZ - Blogue luso-brasileiro
Domingo, 23 de Outubro de 2011
LAURENTINO SABROSA - O TEMPO

 

 

 

Há pouco tempo, um amigo meu desabafou comigo a dizer-me que andava há 37 anos a pedir a Deus certa benesse, e ainda não tinha sido atendida. Eu disse-lhe: “Podes crer que Deus “ignora” o que seja essa coisa de 37 anos”. Porque, para Deus, não existe o Tempo tal como nós o imaginamos e sentimos. Apesar de tudo, como temos a tendência de atribuir a Deus atributos humanos, a Bíblia diz em qualquer lado mais ou menos isto:”o que para os homens é um século, para Deus será apenas um segundo”, e deve ser por isso que Deus fez demorar, pelos cálculos humanos, vários séculos o regresso dos judeus à sua amada Jerusalém.

O Tempo é, na verdade, qualquer coisa misteriosa em que devíamos meditar. Quem quiser meditar sobre o Tempo para tentar atingir a sua essência, natureza e transcendência, tem em Santo Agostinho um grande mestre. No seu livro CONFISSÕES, a secção XI é na sua quase totalidade uma longa dissertação sobre o Tempo: fala na eternidade, no movimento dos corpos relacionado com o tempo, a relação tempo-espaço,  a sucessão dos momentos do tempo e a sua duração, o antes e o depois, o que é pretérito e o que é futuro, como medir o tempo. Mas Santo Agostinho, que nos seus SERMÕES é relativamente acessível, nesta sua divagação perscrutadora sobre o Tempo, é ao mesmo tempo filósofo e teólogo, nada fácil de assimilar e compreender nos seus raciocínios e deduções. Para ele o Tempo é qualquer coisa de características imponderáveis, incompreensíveis, que se fosse uma divindade não seria equiparável a Deus só porque Deus é anterior a todos os tempos, e o Tempo era a coisa que Ele próprio fazia quando a terra era massa vazia e informe. Mesmo sem atingirmos as lucubrações de Santo Agostinho, ficamos a saber que o Tempo, mesmo sem ser uma divindade, merece a nossa veneração e respeito, mesmo como simples sucessão de instantes separados, minutos, horas, etc. que se escoam com proveito ou sem proveito na nossa vida. Esta definição de tempo como sucessão de instantes é demasiado simplista ou ingénua que não satisfaz ninguém, muito menos a Filosofia e a Teologia. O problema permanece insolúvel já desde os filósofos da Antiguidade, que, segundo parece, chegaram a consultar a Esfinge, a qual nada lhes respondeu, talvez por ser ela o próprio Tempo feito estátua de silêncio. O tempo não se deixa agarrar e, pelo contrário, tal como a lendária esfinge, parece devorar todas as teorias a seu respeito, porque nenhuma delas o sabe explicar.

Com o desenrolar do tempo, desenrolam os acontecimentos e se observa a deterioração e envelhecimento das coisas e dos seres vivos. É coisa em que, mesmo sem termos lido Santo Agostinho, sem teologias ou filosofias, devemos reparar para lhe dar o devido valor. Será um factor de felicidade ou de infelicidade conforme o uso que lhe dermos.

Podemos matar o tempo, perder tempo se deixarmos que ele deslize como água por um esgoto com grande prejuízo na vida; mas podemos tirar dele grande proveito se em tudo chegarmos a tempo e horas, se soubermos bem aplicar os tempos livres, se sempre chegarmos a tempo, se soubermos dar tempo ao tempo para fazermos as coisas a seu tempo e nunca antes do tempo.

É uma riqueza que Deus nos dá de graça mas difícil de administrar. E, todavia, dele nos virá a pedir contas pelo uso que lhe dermos. É o sentido deste soneto, que vejo atribuído a um certo Frei Castelo Branco, século XVII, pessoa acerca de quem nada pude colher nas minhas enciclopédias 

 

              

                                                                   

 

Deus nos pede do tempo estreita conta!                

Para fazer, a tempo, a minha conta,                        

Dado me foi por conta muito tempo.                     

Mas não cuidei do tempo e foi-se a conta              

                                                                   

 

É forçoso dar conta a Deus do tempo

Eis-me agora sem conta, eis-me sem tempo!

Mas como dar, sem tempo, tanta conta

Se se perde sem conta tanto tempo?

                                                                

 

Ó vós que tendes tempo e tendes conta,             

Não o gasteis, sem conta, em passa-tempo.        

Cuidai, enquanto é tempo, em terdes conta.       

 

Ah! Se quem isto conta do seu tempo

Tivesse feito a tempo, apreço e conta

Não chorava sem conta o não ter tempo

 

Vê-se aqui um lamento de alguém que nesciamente não aproveitou o tempo. É o que sucede com quase todos nós, principalmente na juventude. Muito mais tarde, notam-se os efeitos na falta de preparação para enfrentar a vida, pelo estudo, pelo desporto –  tempo gasto inutilmente em dissipações,  companhias nada recomendáveis, divertimentos  fúteis, às vezes com deterioração da saúde.  Um dia em que procure uma saída de vida, chega a qualquer lugar mesmo a tempo de não fazer nada. E, então, é demasiado tarde. Já não há possibilidades de recuperar o tempo perdido. Não se pode malbaratar ou desprezar o tempo.

O homem é o único ser a ter noção ou consciência de que existe o tempo. Assim, o tempo desliza no irracional; o homem desliza no tempo e o tempo desliza nele: “o tempo é a escola em que aprendemos, o tempo é o fogo em que ardemos”.

Numa meditação sobre o Tempo, o que menos importa é o tempo atmosférico, mas também ele pode ser causa ou pretexto de o aproveitarmos bem ou mal.

A própria Bíblia nos adverte que nos convém gerir bem o tempo, e, então, diz:” há uma hora para nascer e uma hora para morrer; uma hora para semear e uma hora para colher; uma hora para construir e uma hora para demolir; uma hora para rir e outra hora para chorar; uma hora para falar e outra hora para calar”  (Eclesiastes 3, 1-8) . Quer-se dizer que tudo, pela própria natureza das coisas, tem o seu tempo próprio. Assim, uma grande sabedoria da vida é aproveitar o tempo de tal maneira que tudo nos ocorra na hora própria: há um tempo para descansar e um tempo para trabalhar; há um tempo para rezar e um tempo para divertir; há um tempo para estudar e um tempo para namorar; um tempo para dizer sim e uma tempo para dizer não. 

 

 

 LAURENTINO SABROSA   -   Economista, Senhora da Hora, Portugal

 



publicado por Luso-brasileiro às 18:26
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links