PAZ - Blogue luso-brasileiro
Segunda-feira, 26 de Dezembro de 2011
LAURENTINO SABROSA - SINCERIDADES FORÇADAS

 

 

 

 

 

Se há virtudes mais nobres que outras, a virtude da sinceridade é das mais nobres. Se não houver sinceridade no que se diz, no que se faz, no que se promete, no que se reza, nada tem valor, tudo passa a ser hipocrisia. A humildade, os próprios actos de caridade, os actos de solidariedade, se não forem sinceros por terem interesses pessoais ou fins inconfessáveis, são vilezas que quando descobertas tocam a oco e sabem a choco.

Refiro-me à sinceridade que, “sinceramente”, está alojada no espírito e no coração, fazendo parte da formação espiritual da pessoa. Mas, na verdade, de certa maneira, todos nós somos “obrigados” a ser sinceros. Com efeito, queiramos ou não, e sem nisso pensarmos, todos nós damos a perceber aquilo que somos, nas nossas relações quotidianas com os familiares e todas as pessoas com quem lidamos. As reacções perante alegrias e tristezas, o olhar e os gestos, o estilo de vida e os vícios, as preferências no que veste e no que come, mostram a um bom observador a personalidade de uma pessoa, evidenciando o seu húmus psicológico e sentimental, ou seja, patenteando os pensamentos que lhe bailam na cabeça e os sentimentos que lhe inundam o coração.

Nicolau Tolentino de Almeida (século XVIII) diz em algures da sua obra poética:

 

Debalde loucos amantes, disfarçais penas e gostos

se os atentos circunstantes têm em vós os olhos postos.

Um suspiro de repente e um certo mudar de cor

São sinais evidentes de que o peito oculta amor

 

O que vale à maioria das pessoas que não querem mostrar aquilo que são e querem esconder aquilo que sentem, é que, na verdade, são muito poucas as pessoas que são suficientemente observadoras e perspicazes para o descobrir, o que tem como reverso poucas pessoas serem apreciadas pela suas virtudes.

Há alguns livros que nos pretendem dar orientações sobre como captar a maneira de ser das pessoas, analisando os tiques, a maneira de cumprimentar, o riso, a fala e outras manifestações espontâneas pelas quais cada um pode inconscientemente revelar-se. Não é fácil, porém, ser psicólogo para desvendarmos, ainda que superficialmente, o íntimo de alguém. As pessoas, por um lado, têm, mesmo perante um psicólogo profissional, um grande índice de retracção para não se deixarem devassar; mas por outro lado, mostram aquilo que são, nas suas atitudes, nas suas opiniões, em episódios isolados e em instantes fugidios, ainda que seja apenas “um suspiro de repente e um certo mudar de cor”. Se um bom observador, numa análise continuada souber conjugar e relacionar todos os elementos que lhe são patenteados, pode chegar a conclusões válidas. 

Conheço uma história que, penso eu, comprova cabalmente esta minha teoria de que nos damos a conhecer quando menos o queremos. Foi publicada há muitos anos, no jornal O PRIMEIRO DE JANEIRO, numa série de episódios retirados dos arquivos da Scotland Yard, por um agente aposentado.

Um certo homem era duramente acusado de vários crimes, e havia provas evidentes de que ele era o criminoso. No entanto, ele, talvez querendo escapar à pena de morte, negava terminantemente, proclamava a inocência, apesar de se lhe mostrarem as provas esmagadoras. Perante elas, com grande teimosia e resistência psicológica, continuava sempre a negar, o que não impediu de ser condenado e levado ao patíbulo para ser enforcado. À última hora, quando já estava tudo pronto e a postos para a execução, o homem pediu para dar umas palavras ao povo que assistia. Era o seu último desejo que, como tal, lhe foi permitido. Então, o homem bradou para todos:

– Criminosos!  Nunca confesseis!

Os jurados que o tinham condenado ficaram satisfeitos. Aquele criminoso que nunca tinha confessado os seus crimes, sem querer, à última hora, fez a mais válida das confissões.

 

 

LAURENTINO SABROSA   -  Senhora da Hora, Portugal

 



publicado por Luso-brasileiro às 14:21
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links