PAZ - Blogue luso-brasileiro
Segunda-feira, 25 de Janeiro de 2010
Dom GIL ANTÔNIO MOREIRA - A LIÇÃO DO HAITI

                  

 

            Um crucifixo ficou intacto. Ao lado de escombros e de centenas de mortos, o sacrifício de Cristo torna-se, mais uma vez, símbolo que salva, que resgata, que anima. É apenas um símbolo. Mas como viver sem símbolos? Tudo, em questão de comunicação, é símbolo. Há símbolos insignificantes, há símbolos fortes. Há símbolos que assustam, há símbolos que restituem a esperança e impulsionam à reconstrução do ser. Um crucifixo não é símbolo de morte, mas aponta para a ressureição, a vida feliz que não terá fim. Cristo, o amor de Deus que se fez pessoa, venceu a morte e proclamamou, com a sua páscoa, que a última ação da existência humana não é o aniquilamento do ser, mas a vida que se perpetua, apesar dos sinais de morte e de destruição, que são sinais frágeis, embora impresionantes. São mais frágeis que os sinais da vida, que, mesmo na terrível tragédia, vibram e conseguem trazer sorriso, como o sorriso da médica que fez, num hospital de campanha, o parto de quatro crianças, entregando-as ao abraço caloroso de suas mães que logo as amamentam.

            A receber a terrível notícia da tragédia do Haiti e do falecimento de sua irmã Zilda, o Cardeal Paulo Evaristo Arns, no alto de seus quase 90 anos de vida e 65 de Apóstolo de Jesus, terminou suas poucas palavras com a eloquente expressão: Não é hora de perder a esperança. São palavras que só podem sair dos corações que entendem a dignidade da vida, creem em Deus que é amor e compreendem com extadião o valor do ser humano. Não é hora de perder a esperança, pois a ressurreição de Cristo, reluzente no crucifixo que ficou de pé, ao lado do espaço onde tombaram Zilda Arns e centenas de outras pessoas, se faz viva na força da Pastoral da Criança  e da Pastoral da Pessoa Idosa, que prosseguirão seu caminho de solidariedade, de amor. A ressurreição de Cristo, acontecida no simbólico terceiro dia, se faz evidente no festival de solidariedade que estamos assitindo pelo mundo inteiro, unido para socorrer e para reconstruir o Haiti. Maravilhas do amor de Deus que, como semente do Verbo presente nas várias culturas, vai despertando a humanidade para os verdadeiros valores, os únicos pelos quais vale a pena viver e por eles, se necessário, dar a própria vida.

Certamento o sinal do crucifixo intacto pesa na consciência dos derrotistas, e até mesmo dos que não creem, pois mesmo desprezando tais sinais religiosos, nunca poderão admitir que não houve, entre tanta destruição, um símbolo sagrado, forte para a maioria das pessoas. Ao menos a lógica lhes poderá socorrer.

            Não há dúvida que os sinais de vida, que surgem entre os mortos e os símbolos de doação sacrifical e de ressureição que se erguem como num milagre no meio da tragédia, aninham esperança no coração, unem rostos sofridos, criam força para a reconstrução de tudo. Isto é possível pela fé na vida, pela esperança de dias melhores e pela caridade que tudo resolve. Estas são lições de Cristo, o mesmo que morreu tragicamente numa cruz, mas que venceu a morte, ressuscitou, vive para sempre e continua trazendo vida para as pessoas, e afirmando ainda hoje: Eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundânica.    

Vivam a fé, a esperança e a caridade! Viva a vida que vem de Deus e para ele voltará, pois somos dele e isto nos basta. Eis a mensagem viva do crucifixo intacto, eis a lição do Haiti.

 

        Dom Gil Antônio Moreira

 

                 Arcebispo de Juiz de Fora

 



publicado por Luso-brasileiro às 19:18
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links