PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 30 de Janeiro de 2010
JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI - O CUSTO REAL DA CORRUPÇÃO: CRIANÇAS SEM EDUCAÇÃO E DOENTES SEM ACESSO A SERVIÇOS DE SAÚDE.

 

 

                                                                                                                                                  “A corrupção é o mal que exaure a dignidade e a cidadania dos povos,  drena a riqueza das nações e desvia recursos que proporcionariam o bem-estar e o processo de todos para o bolso e privilégio de alguns poucos” (Paulo Adib). O nosso país é um dos mais tolerantes do mundo com práticas desta natureza, que são constantes e infelizmente, perdem-se no espaço e no tempo da impunidade e morosidade da Justiça brasileira.

 

 

            A ONG “Transparência Internacional” divulgou no dia 17 de novembro de 2009, seu relatório anual de percepção de corrupção no mundo, para servir de base a reflexões durante a comemoração do Dia Internacional Contra a Corrupção, celebrado a 08 de dezembro. O ranking reúne 180 países, classificados em um índice de 0 a 10, calculado a partir de pesquisas de 13 organizações. O Brasil, que no ano passado ocupava o 72°, desta vez ficou em 75º lugar. “Em uma época em que enormes pacotes de estímulo, rápidos desembolsos de fundos públicos e tentativas de garantir a paz estão sendo implementados em todo o mundo, é essencial bloquear a boa governança e prestação de contas, para que se quebre seu ciclo corrosivo”, disse Huguette Labelle, presidente da entidade em entrevista ao jornal “Folha de São Paulo” (17.11.2009-A15).

            A corrupção é um problema mundial, verificando-se em todos os níveis, dos pequenos delitos diários aos grandes desvios financeiros no poder público e privado. Tanto que se estima que ela propicia um movimento superior a US$ 1 trilhão por ano em todo o planeta.  Entretanto, em nosso país, face à impunidade e a morosidade do Poder Judiciário, ela é desenfreada e infelizmente, manifestamente tolerada pela população.

Como muito bem acentuou Paulo Adib, “a corrupção generalizada, cínica, quase inconsciente e de uma crueldade sem limites, é considerada uma praga. A tese de que as pessoas são susceptíveis a ceder a alguma forma de corrupção já foi defendida em congressos mundiais de psiquiatria. Ives Pelicier disse que “tudo está à venda e é uma questão de preço, de mercado e de oportunidade”. A ganância é a principal motivação, bastando esperar o momento ideal. Entende que isso é um fenômeno humano que em alguns momentos assume um caráter patológico. O psiquiatra Allan Beigel reconhece que a corrupção exerce uma fascinação mórbida sobre as pessoas. Essa fascinação é reconhecida também por outros psiquiatras que acham “que existe muita gente que se sente frustrada por não ter a astúcia de um corrupto”. Seria uma “massa imensa, desonesta e silenciosa”. A Fundação Getúlio Vargas, por exemplo, já calculou que, se a corrupção fosse reduzida em 10% no Brasil,  o Produto Interno Bruto (PIB) aumentaria em R$ 50 bilhões ao longo dos próximos dez anos (“Correio Popular”- 06.09.2009- A-3)

O livro “A Cabeça do Brasileiro” de autoria do sociólogo Alberto Carlos Almeida, escrito a partir de uma pesquisa que captou os “core values” (valores enraizados) da sociedade brasileira, demonstra que quanto mais baixa a escolaridade, maior a aceitação das práticas corruptas, que não existem, portanto, por culpa exclusiva de uma elite política perversa, mas são aceitas por amplos segmentos sociais. A referida obra literária mostra ainda que a educação é o grande corte social e ético do Brasil: os 57% de brasileiros que têm até o ensino fundamental são mais autoritários, mais estatísticas revelam menos valores democráticos; à medida que a escolaridade aumenta, os valores melhoram – o que, prova, segundo o autor, que a educação é a principal matriz a transmitir valores republicanos às pessoas.

            Em nível internacional, existe a Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção (Uncac, na sigla em inglês), em vigor há quatro anos, tendo em pouco tempo, modificado o mapa global da corrupção. De acordo com Stuart Gilman, “as nações têm um marco estratégico, não só com leis mais efetivas e procedimentos criminais, mas também com instrumentos de prevenção e controle. O que precisamos agora é de governos com vontade política para combatê-la de forma efetiva” (Folha de São Paulo- 09.12.2007- A-3). Realmente, pesa sobre o poder público a responsabilidade de tornar a engrenagem burocrática mais transparente e mais ágil, ao mesmo tempo em que deve fortalecer os processos de revisão e fiscalização. Concretizar a Uncac é como Victor Hugo via o futuro: “Para os fracos, inatingível; para os corajosos, uma oportunidade”.

No momento, há mais de cem países que ratificaram a Uncac. Espera-se, quando  implementada, que não haverá lugar para corruptos se esconderem. O instrumento prevê cooperação internacional para rastrear, bloquear e devolver dinheiro origem ilícita aos países de origem. O Brasil aderiu à convenção em junho de 2005. Desde então, o Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime (UNODC, na sigla em inglês) vem trabalhando com respeitáveis instituições do governo, principalmente a CGU (Controladoria Geral da União), para dar vida a muitos elementos da convenção.

            Invocando novamente Stuart Gilman, “o mais nocivo custo da corrupção é humano. A corrupção corrói o elo da sociedade, degrada instituições públicas e enfraquece o ambiente de investimentos. E o impacto maior recai sobre a população mais vulnerável. Este é o culto real: crianças sem educação, doentes sem acesso a serviço de saúde, pequenos negócios que não conseguem sobreviver”.

Eliminar a corrupção por completo não será possível, mas devemos controlá-la e preveni-la. A população precisa combatê-la, denunciá-la e principalmente, não aceitá-la como se fosse uma espécie de característica de nossa cultura. A sua estagnação se inicia com a conscientização de impedi-la, cobrando punição coerente dos órgãos responsáveis aos infratores e evitando políticos já condenados por esses delitos.

 

 

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI é advogado, jornalista, escritor e professor universitário

 

   

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 10:53
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links